Segunda-feira, 1 de Setembro de 2014
Ao serão

 Ganhou a senhora o hábito há anos de, nestas noites quentes, desligar a televisão e pôr algo mais apropriado na grafonola. A estranheza que senti pela falta do fundo televisivo em casa ao serão -- e no meu caso cresci com isso -- não resistiu trinta segundos ao embalo desta cantora. E desde então...



Diana Krall, Let's Face The Music And Dance



Escrito com Bic Laranja às 22:00
Verbete | Comentar | Comentários (1) |

Setembro

Entra Setembro com a «Vindima» em 1.ª edição. Embora esteja calor de mais para ela...

 

Miguel Torga, Vindima, 1.ª ed. Coimbra, Coimbra Editora,1945.
Exemplar n.º 1822 desta edição [outrora] na Estante Usada.


Escrito com Bic Laranja às 18:07
Verbete | Comentar |

Abertura da Av. Marechal Gomes da Costa

Rotunda do Aeroporto, depois do Relógio (E. Portugal, 1944)
Rotunda (ou Praça) do Aeroporto, vulgo Relógio, Lisboa, 1944.
Eduardo Portugal, in Archivo Photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 13:01
Verbete | Comentar |

Ex-Viegas secretário



 Sabemos de a criatura ser mais ventre que cérebro. Aflige-se com o estrago que a demência à solta venha a fazer na feijoada à brasileira, só pode. Não o mando tomar passivamente na Autoridade Tributária por respeito ao vernáculo. Ele que vá portuguesmente prò...



Escrito com Bic Laranja às 00:01
Verbete | Comentar | Comentários (1) |

Domingo, 31 de Agosto de 2014
Eça, Fradique e... Fontes

Eça de Queiroz por Raphael Bordallo Pinheiro

 O que eu pensei foi o seguinte: uma série de cartas sobre toda a sorte de assuntos, desde a imortalidade da alma ao preço do carvão, escritas por um certo grande homem que viveu aqui há tempos, depois do cerco de Tróia e antes do de Paris e que se chamava Fradique Mendes! Não te lembras dele? Pergunta ao Antero. Ele conheceu-o. Homem distinto, poeta, viajante, filósofo nas horas vagas, dilettante e voluptuoso, este gentleman, nosso amigo, morreu. E eu, que o apreciei e tratei em vida e que pude julgar da pitoresca originalidade daquele espírito, tive a ideia de recolher a sua correspondência -- como se fez para Balzac, Madame de Sévigné, Proudhon, Abélard, Voltaire e outros imortais -- e publico-a ou desejo publicá-la na "Província". Fradique Mendes correspondia-se com toda a sorte de gentes várias, all sorts of men, como se diz na Bíblia desta terra. Ele escreve a poetas como Baudelaire, a homens de estado como Beaconsfield, a filósofos como S. Antero, e a elegantes como (não me lembra agora nenhum elegante a não ser o Barata Loura) e a personagens que não são nada disto, como o Fontes.

Eça de Queiroz a Oliveira Martins, em Brístol, 10/VI/1885. In Correspondência, 2.ª ed., Lello, Porto, p. 96., apud João Gaspar Simões, Vida e Obra de Eça de Queirós, 3.ª ed., Bertrand, Amadora, 1980, p. 612.

 Eça caricaturou assim o Fontes. Raphael Bordallo assim caricaturou ambos...Fontes Pereira de Mello por Raphael Bordallo Pinheiro

 

 



Escrito com Bic Laranja às 19:15
Verbete | Comentar |

Sábado, 30 de Agosto de 2014
Da cultura nacional



O Centro Nacional de Cultura tem uma certa... graça. Tem um blogo onde publica trabalhos seleccionados. Um excerto de um desses:

 Data de 1888 a inauguração do então chamado T[h]eatro da Avenida e esta designação refle[c]te a própria cronologia urbana, digamos assim: o teatro, inaugurado com uma comédia, constituiu o primeira [sic] edifício referencial de cultura, na recentíssima Avenida da Liberdade, que se ia construindo a partir da destruição do Passeio Publico [sic], dois anos antes. Mas esta circunstância acabou por não valorizar nem o edifício, nem a sua a[c]tividade cultural, sem embargo de época de maior destaque ou qualidade.
  O Teatro Avenida duraria até 1967: em 13 de Dezembro [sic], um incêndio deixou-o inoperacional, não obstante ter sobrevivido grande parte da estrutura da sala. Seria demolido a partir de 1970 (...)

Duarte Ivo Cruz, «Os mais antigos teatros de Lisboa -- VI. O Teatro Avenida», Blogo do C.N.C., 27/VIII/14.

 O que tem graça nem é a grafia de analfabetos, que não tem graça nenhuma; é o estilinho palavroso a arrimar ao erudito, mas oco; a informação concreta que se dele tira cabia em duas frases curtas: o Theatro da Avenida foi inaugurado em 1888 na novíssima Avenida da Liberdade. Ardeu em 1967 e foi demolido em 1970.
 O resto é nada, inflado de coisa nenhuma:

 Cultura nacional, meus senhores, como expelida pelo centro oficial da dita... Bom!... Norberto Araújo apenas soube dizer, do Theatro da Avenida, isto:

 Do lado nascente, no enfiamento do Salitre [Av. da Liberdade, 150], subsiste ainda [1939] o Teatro Avenida.
 O Teatro Avenida foi construído nuns terrenos que aqui possuía João Salgado Dias por inciativa dêste, ligado a Alexandre Mó, e a Ernesto Desforges. Inaugurou-se em 11 de Fevereiro de 1888 com as comédias «O Tio Torcato» em que entrou Taborda, e «De Herodes para Pilatos», com António Pedro.
 Esta casa de espectáculos -- que nunca caiu em cinema -- também está ligada à história do teatro português; foi o grande teatro de Sousa Bastos, e o palco de glória de Palmira Bastos, na mocidade.
 Não possue êste teatro, que alguns restauros sumários tem recebido, um maior interêsse artístico.

(Peregrinações em Lisboa, vol. XIV, 2.ª ed., Vega, 1993, p. 39.)

Ajuizai vós da fatuidade da cultura em cima e em baixo...

Theatro da Avenida, Lisboa (J. Benoliel, s.d.)

Fotografias: Theatro da Avenida, Lisboa. Perspectiva de cima Horácio de Novais, 1930, in B.A.F.C.G; perspectiva de baixo, Joshua Benoliel, [s.d.], in A.F.C.M.L.

(Revisto.)



Escrito com Bic Laranja às 23:05
Verbete | Comentar |

Quinta-feira, 28 de Agosto de 2014
Esta vida de turista!...

Segunda-feira, 7/VII

Concessão à imprensa

 Comprei o «Público». Eu ia com ideias ao «I», que é só uma letra, mais fácil de ler, portanto...
 A senhora comprou uma revista de modas fashion.



«Costume de bain». Journal des Dames et des Modes, 1912-14.

Tempo

 Tornámos à praia; ontem esteve fresco (23º) e encoberto; tornou o vento. O homem que devorava livros não está; o Lincoln não veio; o homem montanha não sei se se já foi... Figurantes incertos, como o vento. Continuemos mais uns dias...

Algarve (c) 2014

Caldas inicia o Verão

 Título em gordas na p. 13 do «Público». O «Público» empenham-se na ortografia, mas sintaxe o «Público» não sabem.

Decisão

 «Banco de Portugal vai passar a supervisionar o Banco Espírito Santo» -- outro título gordo, na p. 16) -- Acordaram agora.

«Procedural»

 O cronicão João Espada, a p. 43, divaga nisto e naquilo a despropósito de Sophia Andresen e mete-lhe uma «questão procedural» porque não sei quê. -- Onde raio cavou ele este «procedural» agora?! Deriva de quê? Que significa? -- Oscila a seguir a «questão procedural» em «posição procedural»; dá em espadeirar-nos assim com dois «procedurais» pelo preço, talvez, de um chic a valer. -- Eia, valente Espada! A Sorça esteja contigo!


Imagem d' A Mais Louca Odisseia no Espaço, em...

Quarta-feira, 9/VII

Dia d' «O Diabo»

 Outra concessão à imprensa. Descobri que «O Diabo» afinal chega à aldeia. Noutros tempos procurei-o em vão. Calhou agora que perguntei por ele e sim, haviam-no. Mas também calha que o atiram para a prateleira mais alta; precisava ter 2m de altura para o achar abaixo dos olhos. Tenho-o agora aqui na praia onde, sem vento, o posso desfrutar.



 Grande calmaria, hoje; água fria (18º); calor; ondas abaixo dos geolhos. O mar parece de leite, esplêndido para natacinhas.
 Nota-se que uma máquina alisou a areia esta manhã. Sente-se um cheiro, não é mar nem pinheiro, não sei que é. Imagino se deitam algum desinfectante na areia, estes alisadores da dicta... -- Artifícios de tourisme de massas?
 Não acho caras na praia. Ontem vimos o Saddam...


Algarve (c) 2014



Escrito com Bic Laranja às 19:20
Verbete | Comentar | Comentários (2) |

Quarta-feira, 27 de Agosto de 2014
Salazar e a cartilha

 Repito-me: testes de laboratório o comprovam; o mero enunciar do nome de Salazar provoca reflexos condicionados numa vasta legião de morcelas.
 E torno a repetir-me. O que novos testes de laboratório vêm mais e mais a provar é já nem ser preciso enunciar o nome de Salazar, basta referir qualquer coisinha que absurdamente avive nos bestuntos contemporâneos a ideia dos 48 anos de fâchismo, mesmo que não tenha nadinha que ver!...
 A última morcela a servir de cobaia nestes testes apresenta sêlo de garantia do I.S.C.T.E.



 Cá está o malvado Salazar.
 Ao que se diz, na verdade, antes se lhe deve a salvação ermida da Sr.ª da Saúde -- único edifício salvo da razia geral da baixa Mouraria -- justamente por devoção particular de Salazar.
 Quanto à demolição da Mouraria e alargamento viário da Rua da Palma, os projectos da C.M.L. vêm pelo menos dos anos 20. Uma busca rápida no arquivo municipal do Arco do Cego dá a prova.
 Que tem Salazar com as ideias progressistas da C.M.L. em 1926, afinal?


C.M.L., Arquivo do Arco do Cego, Estudos dos novos arruamentos entre o Poço do Borratém, ruas do Arco do Marquês de Alegrete e rua da Palma, 27/9/1926 (PT/AMLSB/CMLSB/UROB-PU/10/003/05, p. 2).


C.M.L., Arquivo do Arco do Cego, Anteprojecto de prolongamento da avenida Almirante Reis entre o Socorro e largo de São Domingos e da ligação da rua da Palma entre a Guia e o Poço do Borratém, 17/11/1926 (PT/AMLSB/CMLSB/UROB-PU/11/851, p. 1).

(Photo-montagem a partir do Livro das Fuças.)



Escrito com Bic Laranja às 17:37
Verbete | Comentar | Comentários (10) |

Segunda-feira, 25 de Agosto de 2014
— Esta vida de turista!

Sexta-feira, 4 de Julho

Religiões da Lusitânia

 E vai o segundo dia sem vento. Estranho, mas não me queixo. Cheguei a convencer-me de que nunca deixasse de soprar vento nesta praia. Mais que posso dizer agora é que a água continua fria. Quanto ao resto pouca novidade: o homem que devorava livros lê devotamente o «Público»; os devotos da vida saüdável continuam peregrinos, para cá e para lá, conforme os leva a crença; paradoxalmente a embocadura da praia é um formigueiro de sapiens sapiens sedentários; se aqueloutros peregrinam pela rica saüdinha às aras da vida sã, os últimos prostram-se a Hélios no primeiro m2 de areia que acham.

Religiões da Lusitânia 2

 Concessão à Radiotelevisão Portuguesa brasileira que ontem colou o novo folhetim à 50.ª corrida da TV por môr de maior publicidade. Mérito a algumas caras que por genuína afición se não escondem dos toiros; a Cinha e o treinador José Peseiro; este como bom aficionado não deixou [de] lamentar aos microfones da R.T.P. o fim do magazine tauromáquico dos sábados. Parece-me que caiu o recado em saco rôto. O Cáceres há-de tê-lo ouvido, mas não piou...

50.ª Corrida TV, R.T.P., 2014
50.ª Corrida TV, R.T.P. em directo, 2014.

Religiões da Lusitânia 3

 Os peregrinos da vida saüdável vêem-se poucos à tarde. Admito que de tarde esteja mais calor para romagens às aras virtuaes da vida sã pela beira-mar (e que até faria mal), mas, e à tardinha, quando a caloraça amaina? Será por coincidir com a hora do terço?...


Algarve (c) 2014

Sábado, 5 de Julho

Gaivotas

 Hoje trazemos merenda, ficamos o dia todo. Vamos um bom pedaço mais lá para deante, além donde se os humanos apinham. Além mesmo donde as gaivotas vão... largar a carga...
 Afinal não fomos tão além.


Algarve (c) 2014

Religiões da Lusitânia... 7

 Aqui ao lado, à nossa beira, chegam pae mãe e filha. Pousam a tralha, cravam o chapéu, deixam a filha a tomar conta e abalam, pae e mãe, prestes, para levarem uma velinha ao altar da vida sã. Juntam-se aos demais devotos da vida saüdável que formigam como costume, para lá e para cá. Um que passa com passada comprida venera, porém, a um deus menor: vem equipado como os da selecção de football; junta às passadas largas um abrir de braços como, querendo dominar o terreno de jogo, não dando espaço ao adversário. Como objecto de veneração traz vestido o n.º 7.

Duas da tarde

 As ondas marulham ao longe na maré-baixa. O Sol a pino despeja uma modorra calma sôbre o areal; aqui a senhora dormita; vista da toalha a païsagem tremula no calor; a espaços, som de vozes, distinctas, quase se lhe percebendo palavras. A falésia atrás apruma-se, alaranjada contra o azul que rebrilha. Em fundo uma cigarra compõe a canícula, que o rugir dum motor vem contrariar...


Algarve (c) 2014



Escrito com Bic Laranja às 22:30
Verbete | Comentar |

Incêndio no Chiado

Não é o de 88.

fotografia.JPG
Incêndio, Chiado, post 1954.
Fotografia, A.N.T.T., Fundo d' «O Século», Joshua Benoliel, cx. G, lote 0, negativo 345.



Escrito com Bic Laranja às 08:12
Verbete | Comentar | Comentários (4) |

Sexta-feira, 22 de Agosto de 2014
— Esta vida de turista, hem!...

Quarta-feira, 2 de Julho

Farrusco

 Tempo encoberto, como ontem. Vamos à praia só de tarde; imos mais cedo, o calor na' aperta...

Algarve (c) 2014

Pastiche

 Ante nós há um pastiche algarvio. Condimento-o no meu espírito com rememorações de estiagem a valer, canícula das antigas, em que o mormaço à tarde modorrentava o chilreio dos pardaes e os corpos da gente e, nas noutes, embalava a fadiga aos pinheiraes onde uma agulha não bulia. Pensamentos vãos num Verão pastiche de Primavera atrasada. Nem o calor é já o que era. O pastiche de subúrbio, ante nós, é imagem disto mesmo que é.

Pastiche. Algarve (c) 2014

Alcunhas

Ilustração dos «Esteiros» pelo Cunhal (lindeza em pcp.pt)  Zarôlho, Má-Cara, Gineto, Carraça, Sagüi, Gaitinhas, Guedelhas, Malesso, Doida, Manel e M.ª do Bote, Rosa Coxa, são alcunhas. É malta dos «Esteiros», do Pereira Gomes. Fossem de Eça, seriam figuras de galeria com melhor garbo. Em vez de alcunhas teriam cognomes.

Quinta-feira, 3 de Julho

«Meiguices primitivas»Eça de Queiroz (in Ler antes de morrer)

 A frase é de Eça, para dizer o castiço que se dissolve na civilização e no progresso. Leio-a em João Gaspar Simões, Vida e Obra de Eça de Queiroz, 3.ª ed., p. 163. O pastiche que vejo ante a varanda invoca-me, pois, as meiguices primitivas do Algarve.
 Outra ideia que tiro de Eça naquele livro é a de que os deuses do Olympo, se se não deixam morrer nas florestas, acabam empregados numa qualquer secretaria. O progresso e a civilização tudo esmagam. Se o «genius loci» do pinhal do concelho se não deixou já aqui imolar com os últimos pinheiros, foi porque se filiou num partido e acabou empregado na câmara de Albufeira.

Crentes

Romeiros da praia, Algarve, (c) 2012

 O areal ampliado pela baixa-mar é um afã de gente beata: uns que vão, outros que vêm; todos demandam o mesmo: o resplendor da vida saudável. Intrigante é caminharem em sentidos opostos, todos, pelo mesmo; como se o graal estivesse tanto para lá como para cá, que o mesmo é não estar em lado nenhum. Ou está: na sua crendice induzida. Uma crenndice que se lhes reconhece mais febril conforme caminhem mais apressados.

O homem que devorava livros

O homem que devorava livros. Algarve (c) 2014

 Não é dos crentes. Se crê nalgo, é no «Público», que será outra crendice. Lê-o sob um chapéu de limão.
 ...
 Fechou o jornal, mudou de crença; afinal deu em romeiro, foi para lá...

Ciganos Vendedores ambulantes

Algarve (c) 2014

 Vimo-los ensacar a mercadoria anteontem, temporões e apressados. A barraca ficou deserta. — Fuga à A.S.A.E.? — A senhora aventou festa; havíamos de lhes dar três dias. Três dias passados, ei-los de volta à venda, aai!

Praia

Algarve (c) 2011

 Há dias atmosfera estava lavada. Esta manhã há névoa fina sobre o mar e nuvens daquele lado... Não se anunciam ondas gigantes... Temperatura do ar amena, fresco à sombra; água fria; dão-na a 19º, mas nã' deve passar dos 18º — o meu pé fez de termómetro.
 ...
 Melhor de tarde; sem vento; a água aqueceu, mas não se pode falar em caldo. Poucos humanos, menos romagem para cá e para lá. Calhámos tornar esta tarde justamente ao mesmo lugar da manhã: entre os espanhóis da sombrilla laranja e a moça de biquini verde, toalha escarlate, saco amarelo e que está a ler o livro branco à sombra do guarda-sol azul.
 A melhor tarde.

Algarve (c) 2010

Desenhos em P.C.P. ponto PT e «Ler antes de morrer».

Fotografias: Algarve (c) 2010-2014.



Escrito com Bic Laranja às 23:59
Verbete | Comentar |

Quinta-feira, 21 de Agosto de 2014
Rotunda da Encarnação

 Parece-me que o bairro novo da Encarnação veio a ficar na zona de olival. O arvoredo maior, com algum romantismo, pode ser que seja o que separa ainda hoje o bairro da Av. Cidade do Porto. E a estrada que se desprende pela esquerda é a Rua da Quinta de Santa Maria que liga à praça Norte, onde temos hoje a Associação Desportiva e Cultural da Encarnação e Olivais.
 Parece-me, mas mais certo é isto ficar no lugar do viaduto do R.A.L. 1 e a rua que digo ser da Quinta de Santa Maria, ser antes a Dr. Alfredo Bensaúde. Ou por ali, enfim!...

Rotunda da Encarnação, Lisboa (E.Portugal, 1944)

Rotunda da Encarnação, Lisboa, 1944.
Eduardo Portugal, in Archivo Photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 17:45
Verbete | Comentar |

Terça-feira, 19 de Agosto de 2014
— Esta vida de turista!...

1/VII

Pára-vento

 A melhor invenção desde que inventaram o...

Praia da Falésia. Algarve (c) 2014

Parafuso

 O melhor invento para o vento não levar o...


Chapéu de sol

 A melhor invenção desde que haja...

Praia da Falésia. Algarve (c) 2014

Sol

 Hoje anda a fazer caretas. E a água continua fria. Sofrível. Vento como de costume; dá-me ideia de que esta praia nunca despede o vento; pelo menos de há dez anos para cá, que nos 10 anteriores não cuidava eu em tais defeitos... Um único me lembra: o calor; tanto assim que por uma alergia acabei freguês do ... até hoje.

Praia da Falésia. Algarve (c) 2014

Seis bípedes trepam pela arriba...

Praia da Falésia. Algarve (c) 2014

Um outro paira acima

 Poucas gaivotas pairam por aqui. Em tempo houve pára-pente, mas acabou. -- Gaivotas sem penas...

Praia da Falésia. Algarve (c) 2014

Mais bípedes sem penas

 Aqueles trouxeram o piruças para a praia...

Praia da Falésia. Algarve (c) 2014

 São cegos.

Praia da Falésia. Algarve (c) 2014


Fotografias: Algarve (c) 2014. Rosca em Tribord.



Escrito com Bic Laranja às 00:10
Verbete | Comentar | Comentários (10) |

Segunda-feira, 18 de Agosto de 2014
Descolagem da pista 17

Rotunda do Relógio, Portela de Sacavém (J. Goulart, 1960)
Relógio, Portela de Sacavém, 1960.
Artur Goulart, in Archivo Photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 12:23
Verbete | Comentar | Comentários (2) |

Sábado, 16 de Agosto de 2014
Esta vida de turista!...

Dia 30 [de Junho de 2014]

Desolação

Há qualquer coisa de desolador na praia com este vento. Mesmo com gente à volta a sensação de desolação impõe-se. Tento entrar na água e sou o único; o restante queda-se nas toalhas, acoita-se atrás dos chapéus de sol tombados fazendo de pára-vento. A quietude dos veraneantes contrasta com a agitação forte no pano dos chapéus reforçando a sensação de desolação que me dá. E quem passa, passa vestido, agasalhando-se do vento fresco, segurando os sombreiros. Mas nem todos...

Algarve (c) 2014

Algarve (c) 2014

Anjo

Esteiros, 1.ª ed., adaptado de In-Libris

 Passou agora uma ali com umas asas tatuadas nos lombos. Que perfeito injinho!...

Quadrilha

 A pp. 163 dá o Soeiro a definição do Comunismo: -- « [...] na quadrilha, riscos e lucros eram repartidos por igual.» -- Perfeito! Definição cabal da coisa só pela «quadrilha». A repartição por igual é sofisma para... para injinhos.

Sal Solo

 Nos Classix Nouveaux havia um vocalista careca. Sentou-se aproximadamente aqui a três, quatro metros!...


Classix Nouveaux, Night People
(Imagem: Discogs)

OrcasCàrota, a baleia assassina, 1977

 As tias avisavam-nos ontem de orcas no Algarve. Além disso, a tia Antónia avisava mais dos fundões, das arribas e de tantos perigos caídos da invernia para os noticiários. As tias andam muito a par destas notícias assim e com isto põe-se a senhora candidamente para mim, ao depois, que lhes devemos tomar os avisos a sério...
 Toda esta conversa de orcas, &c. me traz à lembrança o cinema catástrofe e o Paulo João. O Paulo João não era nenhum génio e quando se pôs lá na rua com a fanfarronada de que já vira o último grito em filmes catástrofe, saiu-lhe: -- «Fui ver a Càrota, a baleia assassina.»

(Recorte da Orca em Vamos ao Nimas.)



Escrito com Bic Laranja às 23:59
Verbete | Comentar | Comentários (2) |

Setembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


Visitante


Contador

Projecto de lei
Assinaturas: 14 112 (faltam 20 899)

Rejeita o Acordo Ortográfico e procura um meio de acabar com ele? Subscreva a Iniciativa Legislativa de Cidadãos! São dois passos:

  1. Assine em PDF ou em Word
  2. Remeta para:

  3. Apartado 53
    2776-901 Carcavelos (se por CTT)

A ILCao, não é uma Petição, é um Projecto de Lei redigido por um grupo de cidadãos para submissão ao Parlamento, sem qualquer patrocínio ou instituição subjacentes. A ILCao, é a forma directa e apartidária de exprimir a vontade popular à Assembleia da República.

A ILCao está redigida e publicada. Todas as informações estão disponíveis no sítio oficial http://ilcao.cedilha.net

  • NÃO SE RESIGNE. ASSINE!
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chez George Sand
Cidade Surpreendente (A)
Combustões
Corta-Fitas( pub)
Delagoa Bay (The)
Delito de Opinião
Dias que Voam
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
Garden of Philodemus
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Jansenista (O)
Lisboa
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Palaurossaurus Rex
Perspectivas(pub)
Pipàterra
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Pena e Espada(pub)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Fides