Domingo, 26 de Fevereiro de 2017
Margarita e o espectador/espetador

 Espectador vem no Aulete de 1881 (1.ª ed.) como pronunciando-se es-pé-ta-dor.

«Espectador», Diccionario Contemporaneo da Lingua Portugueza, 1.ª ed., Imprensa Nacional, Lisboa, 1881


 Por acaso apanhei esta manhã no canal da Assembleia da República a audição da Comissão de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto ao Centro de Estudos de Linguística Geral e Aplicada onde se amesenda uma neologista do Português, natural de Carabobo na Venezuela, de sua graça Maragrita Correia. A audição é fastidiosa e a arenga da tal Margarita já a conheço, de modo que lhe apenas dei atenção ao que disse sobre espectador e espetador.

 De espectador disse que a escrita é à vontade da pronúncia ou do freguês, pelo que valem as grafias espectador ou espetador; ela própria opta por espectador porque, diz, pronuncia o 'c'. Não sei se a aprendeu do castelhano ou... No Aulete não foi.

 Espetador (de espetar), disse, não estava dicionarizada. Não negou o seu uso, mas afirmou a sua ausência dos dicionários. Pois eu não fui vê-los todos nem acredito que os ela visse. Mas procurei no Corpus do Português e, em cerca de 45 milhões de palavras de quase 57.000 textos em português. Nem uma só vez, historicamente, há ocorrência escrita de espetador. Nem por espectador nem de espetar. Há todavia 3609 ocorrências  do radical espect- em c. 90 flexões: espectador, espectáculo &c.

 Presumamos com boa razão, pois, que ninguém nunca haja escrito o nome espetador derivado do verbo espetar. E presumamos na mesma medida, mas com maior razão, que a ausência daquele vocábulo aberrante também prova a inexistência histórica da grafia espetador como corruptela de espectador. — Sequer por se pronunciar es-pé-ta-dor, como ensina a 1.ª ed. do Aulete, espetador foi alguma vez usado!

 O que concluo é óbvio. Os inventores do Acordo Ortográfico aborto gráfico pariram uma grafia disparatada para espectador, que em séculos de tradição escrita nunca se usou.

 E diz a tal Margarita que com o «Acordo» a ortografia ficou mais transparente — ela usa este transparente com sentido de evidente. Ora evidente é que por séculos nunca ninguém achou obscuro ou equívoco escrever espectador, espectáculo &c. mesmo não pronunciando o 'c'. Mais. Todo este processo histórico parece atestar o valor diacrítico daquela consoante tal como afirmou Gonçalves Vianna.

 O que vai dito para espetador serve para receção e não só.

 Uma nota final. A muleta da tal Margarita no I.L.T.E.C. e na audição (um Zé Pedro Ferreira) usa barbarismos como estandardização e rodriguinhos lexicais como interpretadores. Grande intérprete havemos nós aí na vanguarda da lexicografia do português com este acordita, hem!



Escrito com Bic Laranja às 21:55
Verbete | Comentar

Quinta-feira, 23 de Fevereiro de 2017
Duma apagada e vil tristeza

Zeca Afonso

 Faz annos que morreu. Na emissora nacional dão conta que se perderam as masters; não matrizes; as masters.
 Noutro posto (T.S.F.) diz (como uma espécie de qualidade) que vestia diferente, o Zeca; não se vestia... Vestia diferente.
 
Uns rendem-se ao bárbaro, outros vegetam pelo creoulo. O Português hoje é isto; uma alienação pegada entre duas negações.
 Da aculturação ao bárbaro em curso acelerado saiu há semana e meia um disco, por artistas portugueses de nomeada, a comemorar quem? — O David Bowie. — A divulgação do discozinho vinha já de há um mês e tal, na emissora nacionalum disco Antena 1; uma espécie de chancela de qualidade (no fundo um ferrete de idiotas nos portugueses). Aguardo com esperançoso júbilo o anúncio de um disco B.B.C., por artistas ingleses, de homenagem ao grande baladeiro antifacho.

 

Pré-preenchido (I.R.S.)

 Da TV do café despega-se a notícia: o I.R.S. pré-preenchido. Parece evoluído, mas é rudimentar. Vejamos: preenchido (pré-enchido) é meio feito, mas inacabado; logo pré-preenchido será redundantemente menos; talvez meio de meio; 1/4 de acabado, afinal.
 Ou não saber dizer as coisas...
 Bem me dizia meu pae, já lhe custando ver as letras meúdas dos impressos fiscaes: — Enche-me aqui o papel, tu que és moço, que eu já não vejo. — Eram tempos menos elaborados, mas concisos da realidade e da lógica.

 

10 000 000 000 (de grãos de poeira aos olhos)

 Ecoa da emissora nacional o Nicolaço: ...o dinheiro tem de pagar imposto...
 É outro desfocado da realidade; o dinheiro não paga nada. O(s) dono(s) do dinheiro talvez... Mas é tal a distracção que ainda agora, sabendo-se que o dinheiro se foi, não há quem saiba (ou diga, ou pregunte sequer), quem o movimentou.
 Desgraçado dinheiro sem dono que nem de ser achado aproveita; logo que o acham o dão por perdido, mesmo não aparecendo o dono!... 
 E com isto de lhe nem nunca referir o dono, sae-se o entendido do Nicolaço que era o dinheiro que havia, ele só por si, de pagar imposto?!...
 Pois, talvez sim! Com o fantástico I.R.S. pré-preenchido...

Nau Portugal. Desta já a não resgatamos... (In Prof2000)

Nau Portugal, in Prof2000.
(Desta já a não resgatamos...)



Escrito com Bic Laranja às 21:21
Verbete | Comentar

Quarta-feira, 22 de Fevereiro de 2017
Duas do «Arieiro»

Apeadeiro do Areeiro, Lisboa (E. Portugal, 1938)

Apeadeiro do Areeiro, Lisboa (E. Portugal, 1941)

Photographias de Eduardo Portugal, em 1938 e 1941. In archivo photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 20:25
Verbete | Comentar

Marco de gente perdida de si

Barbarização do gentio, Tavira, 2016

Tavira, Algarve — (c) 2016



Escrito com Bic Laranja às 20:20
Verbete | Comentar

Terça-feira, 21 de Fevereiro de 2017
Tabacaria Fidalgo

 Numa scena de rua tirada ao cruzamento da Luciano Cordeiro com a do Conde de Redondo, que publiquei há dias, o sr. Valdemar Silva contou algo extraordinário, que transcrevo:

 A Tabacaria-Papelaria que se vê no prédio de gaveto já lá estava no prédio anterior que foi demolido em 1963/1965, mas por falta de acordo com o senhorio antigo nunca saiu de lá, mesmo quando se efectuava a demolição. O prédio novo (este) construiu-se à volta e por cima da Tabacaria. Recordo-me por morar, mais abaixo, na Rua da Sociedade Farmacêutica.

 Lembrava-me duma photographia do lugar, de António Passaporte, que tenho num álbum seu, Postais de Lisboa, editado pela Câmara. Lá se vê o gaioleiro demolido. A imagem vai em baixo, tirei-a dele, mas não tem definição para aferir os dizeres na montra da tabacaria. Percebo, contudo, as cervejas e refrescos na loja adjacente. E o engraxador (de ante a carrinha) também já ali tinha poiso a par do marco do correio. As portas da tabacaria (da esquina) para cá, que se vêem, vinham do n.º 91 ao 99. Este último foi o que se manteve no edifício que veio a ser construído no lugar, na única porta que tem serventia para esta R. de Luciano Cordeiro — em Maio de 14, uma loja de photographias, tal como lá estava na scena de rua de 1967. A tabacaria Fidalgo é que se já lá não via em 2014, porém. Teve epílogo antes.
 A photographia deve ser de (?) c. 1958; o edifício na esquina diametralmente oposta,
que foi sede da TAP, estava em construção. [O edifício de que se vislumbram os andaimes não é o de esquina e que foi emparcelado ao da TAP, mais tarde; é além dele; é o n.º 80, onde há ou houve uma garagem Auto-Embaixador e foi construído depois de 1955. Não invalida que a photographia seja de 1958, pelo que lhe mantenho a data.]

Rua de Luciano Cordeiro ao Conde de Redondo, Lisboa (A. Passaporte, c. 1958)

Rua Luciano Cordeiro ao Conde de Redondo, Lisboa, c. 1958.
In C.M.L., António Passaporte. Postais de Lisboa, [Lisboa], 1998, n.º 32.(p. 83).



Escrito com Bic Laranja às 20:58
Verbete | Comentar

Palácio das Exposições e Festas

Pavilhão dos Desportos, Parque (A. Passaporte 199

Palácio das Exposições e Festas, Lisboa , 1941.
António Passaporte, in archivo photographico da C.M.L.

 

Quase o deixaram cair de maduro para o poderem inaugurar. — Exposições e festas; a propaganda por excelência.



Escrito com Bic Laranja às 19:35
Verbete | Comentar

Domingo, 19 de Fevereiro de 2017
Como qualquer cão por aí já fala inglês...

Novo ladrar nacional — Luísa Gonçalves © 2016
Lisboa Lisbon, Portugal — Luísa Gonçalves © 2016



Escrito com Bic Laranja às 17:30
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Portugal, 2017

 O portugalinho democrático, modernaço e europeu tornou-se num lugarejo tão bem frequentado como eficazmente regido. Por pategos de excelência.
 Abertura do noticiário da sociedade industrial de concentrados (S.I.C.) à 1h00 da tarde:

Três bandidos (perdão, reclusos) serraram as grades da cadeia (perdão, estabelecimento prisional) de Caxias e puseram-se a cavar.

 Há dias foram notícia umas armas que também cavaram... da arrecadação de material de guerra do Comando-Geral da Polícia de Segurança Pública.

 E há semanas tinham sido uns moiros de Argel (perdão, migrantes) a cavarem nas barbas da guarda de fronteira na Portela do Humberto Delgado.

 Terra sem rei nem roque. Quem se pode admirar do saque?!...

Banquete dos Metralhas, in Ivan Saidenberg, «Histórias comentadas»

Banquete Metralha em Ivan Saidenberg ou num lugarzinho perto de si...



Escrito com Bic Laranja às 16:05
Verbete | Comentar | Comentários (3)

Da pirataria aérea

Ou da reles bandidagem.

Pirata aéreo com foros de heroe, Portas de Benfica — © 2017
Antiga Estrada Militar às Portas de Benfica, Lisboa — © 2017



Escrito com Bic Laranja às 15:28
Verbete | Comentar | Comentários (10)

Quinta-feira, 16 de Fevereiro de 2017
Caixa Geral de Depósitos, descrédito e imprevidência

 O presidente da comichão para lamentar de intendência à Caixa Geral de Depósitos demitiu-se. Nas tubas da imprensa deu razões murais (exactamente) que o afligiram, sopradas com palavras como «obstaculizar»: tudo grandes princípios de honra honorabilidade e oratória de excremência; coisas assaz típicas de deputedos, deputados, enfim! Mas no fim nem percebi bem. Fala-se só para aí em «é se miasses; é simiezes»... Teletexto telefónico. Telé telé...

 Esta fixação do jornaleirismo em geral e dos deputedos em particular — ...putados, digo — em se meterem democràticamente na quadrilhice sôbre o teor das conversas telefónicas particulares daqueles dois, Sentino & Domingues, tem graça. Mostra a semântica das «liberdades e garantias» segundo a regra de S. Bento; mostra o sentido das prioridades desse quarto poder auto-eleito que nos reza do altar político-me(r)diático e; mostra, em última análise, o senso geral que se produz hoje da realidade.

 O que se sabe desde que o caso deu em folhetim é que:

  • o governo contratou o sr. Domingues como administrador de coisa pública — a Caixa Geral de Depósitos — com ordenado de excepção;
  • além do ordenado de excepção, o sr. Domingues exigiu escusa particular de deveres legais de administrador público;
  • escusa tão particular essa era que havia de fazer-se lei nova, particularíssima, para o atender;
  • ainda empregado do B.P.I., o sr. Domingues contratou os advogados que entendeu para lhe redigirem a particularíssima lei;
  • o governo acobertou o acto, aprovou a lei dos advogados particulares do sr. Domingues e, publicou-a no Diário da República em dia em que a assembleia encerrava para descanso do pessoal (passe a redundância);
  • no entretanto de ainda empregado de banco concorrente, o sr. Domingues, putativo patrão da Caixa Geral de Depósitos, contratou empresa consultora para fazer o trabalho que o governo lhe pagou avultadamente para fazer;
  • no mesmo ou noutro entretanto foi o particularíssimo sr. Domingues a expensas da nação e na sombra do Sentino vender aos patrõesões de Bruxelas um esquema para Caixa que não onerasse o deficit do Estado;
  • a lei dos advogados do sr. Domingues, aprovada em Conselho de Ministros, era afinal inconstitucional;
  • o sr. Domingues, contrariado, fez birra, ignorou a decisão do Tribunal Constitucional, não declarou o património até hoje e ao sair entalou aqueles com quem tinha intrigado toda esta fantochada (a menos que os sms que nos distraem hajam sido divulgados à socapa por um Sentino suicida);
  • as contas da consultora e dos advogados do sr. Domingues foram pagas pela Caixa.

 E andam para aí à procura de mais provas de quê nos telefonemas dum estúpido?

Caixa Geral dos Depósitos, Crédito e Previdência, Calhariz (A. Serôdio, 1966)
Caixa Geral de Depósitos, Crédito e Previdência, Calhariz, 1966.
Armando Serôdio, in archivo photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 22:51
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Quarta-feira, 15 de Fevereiro de 2017
Scena de rua


Rua de Luciano Cordeiro ao Conde de Redondo, Lisboa, 1967.
Augusto de Jesus Fernandes, in archivo photographico da C.M.L.

 

 O autocarro é o 11, a carreira mais... sexy, digamos, de Lisboa. Ia da Picheleira para a Buraca.



Escrito com Bic Laranja às 19:57
Verbete | Comentar | Comentários (11)

Terça-feira, 14 de Fevereiro de 2017
Azinhaga em Benfica?

Azinhaga em Benfica (J. Benoliel, C.1910)

 A legenda diz azinhaga em Benfica. Vá que esteja certo. Não diz mais. À primeira vista podia ser a velhinha Estrada das Garridas, com aquele muro e o portão a recordar-me o que sobra dela ali onde a crismaram modernamente Rua da República Peruana, por alturas da Alameda do Padre Álvaro Proença. Seria o portão aquele nas traseiras do Laboratório Nacional de Investigação Veterinária...?
 O panorama de Benfica a Sintra não no dá por muito certo.
 Ideias?...

 Photographia de Joshua Benoliel em mil novecentos e carqueja. No archivo photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 19:51
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Concessão à espuma dos dias

The Archies — Sugar, Sugar
(1969)



Escrito com Bic Laranja às 09:00
Verbete | Comentar

Quinta-feira, 9 de Fevereiro de 2017
O jogador

« Hoje em dia, aquella denominação, nem é desprezivel nem affrontosa. O progresso indultou o jogador; deliu-lhe da fronte o antigo ferrete.
   [...] Se eu viesse á luz no seculo XVI, este meu mister de jogador era synonymo de vadiagem (Ord, l. V, tit. 82). Nas minhas tertulias, devidas á sorte feliz da tavolagem, lograria apenas reunir jogadores. Se nascesse no seculo XVII ou XVIII, os corregedores dos Philippes, de D. João IV e Pedro II, e dos reis subsequentes, se eu désse bailes, carregavam-me com as leis sumptuarias por sobre a pêcha de vadio. Em tempo de D. João V, D. José ou D. Maria, tanto o Camões do Rocio, como o Marques Bacalhau, como o Pina Manique mandavam-me responder do Limoeiro pela procedencia dos meus lustres, dos meus sophás, dos meus jarrões, dos meus contadores marchetados, dos meus bronzes, dos meus frescos, dos meus pendulos, dos meus pavimentos de xadrez lustroso. E vestiam-me talvez uma das librés dos meus criados.
   Póde ser que, em outras eras tenebrosas, a felicidade no jogo fosse malsinada de fraude e roubo. Hoje não.»

Camillo Castello Branco, «O jogador», in Noites de insomnia, offerecidas a quem não póde dormir, n.º 4 — Abril, Chardron, Porto/Braga, 1874.

«Placard», o nome escolhido pela santa Casa para as apostas desportivas (in Poker.pt)

 «Placard», o nome escolhido pela Sancta Casa Holy House para as apostas desportivas, in poker.pt.



Escrito com Bic Laranja às 03:58
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Domingo, 5 de Fevereiro de 2017
Afinal o quintal alto...

Rua da Alameda dos Capuchos, Lisboa (J. Benoliel, c. 1953)

 Afinal o quintal alto na Rua da Alameda dos Capuchos sempre tinha uma porta cá em baixo dando serventia para a rua. Era deste lado. Estoutra photographia tomada por Judah Benoliel do lado da dicta Alameda para o Palácio Centeno cá no-la mostra. Lisboa, circa 1953 — pelo menos a julgar da de Eduardo Portugal...



Escrito com Bic Laranja às 10:49
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Sábado, 4 de Fevereiro de 2017
Frangainha

 Uma Cecília Henriques — não imagino quem seja, mas deve ser defeito meu porquanto é pessoa importante, senão não seria entrevistada na TV — acabo de a ouvir dizer de si — sempre fui mandona — e reforça — bossy — não fosse ser mal entendida. Também diz que é muito «easy going», muito comunicativa (*).

 Julgo que representa a civilização de aviário para a qual foi necessário o complexo sistema de avisos amarelos, laranjas e vermelhos da Meteorologia — perdão, Mar e Atmosfera — conjugados com recomendações radiofónicas da Direcção-Geral de Saúde de está friu, friu, muito friu; proteja as 'tremidades, use luvas, gorro e «cache-col» porque... é Inverno.

 

Aviário climatizado para manter negócio, in A Vindima
Aviário climatizado para manter negócio, in A Vindima.

 


(*) Alta Definição, ep. 365, na sociedade industrial de concentrados S.I.C. em 4/2/16.



Escrito com Bic Laranja às 14:49
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Quintal alto

Attachment-1.jpeg

  Antre a Alameda dos Capuchos e o Campo de Sant' Anna a rua fazia uma garganta estreita, onde cabia, à vez, um autocarro, vá lá. As casas velhas de ante o palácio Centeno (à esquerda, onde acaba a calçada de Santo António dos Capuchos) foram demolidas e o sítio tornado mais desafogado a bem da viação urbana, mas em desprimor duma ignorada ruralidade: aquele muro alto contém um quintal alto soalheiro, com com latada visível árvores de fruto e, de certo, horta também. Faz-me bem lembrar a casa do tio Jacyntho e da tia Recarda na Vila Nova, com a diferença do muro desta que tinha uma porta cá em baixo, a dar serventia para rua...
 O autocarro é o 23 do Desterro. A chapa é da Eduardo Portugal, circa 1953.



Escrito com Bic Laranja às 12:25
Verbete | Comentar

Praça do Chile, Lisboa

IMG_1135.JPG

  Mais uma bem documentada no archivo photographico da câmara municipal — «Obras para a colocação do lago e estátua de Neptuno», como se fosse no Largo de D.ª Estephania. — Trata-se, sim, da Praça do Chile; a chapa foi batida de andar alto no n.° 5 da dicta praça e a rua à direita é a de Pereira Carrilho, que se vislumbra até à Alves Torgo vinda do Largo de Arroios. Naturalmente as obras são de remoção do tanque e da estátua de Neptuno para posterior colocação, ali, da de Fernão de Magalhães que ainda lá vemos agora. A photographia é de Judah Benoliel, circa 1950.



Escrito com Bic Laranja às 12:12
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Quinta-feira, 2 de Fevereiro de 2017
Interlúdio


Lully — Chaconne d' Atys
(Hervé Niquet & Le Concert Spirituel, Les Journées au château de Versailles)



Escrito com Bic Laranja às 20:48
Verbete | Comentar

Terça-feira, 31 de Janeiro de 2017
Informação estragada

« Alguns dos feridos estão em estado muito grave, o que poderia alterar o balanço final de vítimas do ataque deste domingo a um centro islâmico no Canadá. Ao final do dia, quando mais de cinquenta pessoas estavam reunidas para uma última oração numa mesquita no sudeste do Quebeque, dois homens armados entraram no edifício e dispararam sobre os fiéis. Seis pessoas morreram no local. As autoridades detiveram dois suspeitos, um na mesquita e outro a poucos quilómetros. Não foram reveladas as identidades dos atacantes nem por que razão decidiram disparar sobre quem estava no centro. O chefe do governo do Quebeque anunciou a organização esta segunda-feira de marchas de protesto contra a violência e de apoio à comunidade muçulmana que vive na região. A polícia diz que não há outros suspeitos ligados a este ataque que o primeiro-ministro classificou como um atentado terrorista é um acto de cobardia contra inocentes. Justin Trudeau lembrou que o país que lidera não discrimina ninguém por razões religiosas e reforçou a ideia anunciada no sábado em resposta à decisão dos Estados Unidos de fechar as fronteiras a quem viaja de alguns países muçulmanos, que todos os que fogem da guerra, da pobreza e da perseguição serão bem vindos no Canadá.»

 A sociedade industrial de concentrados S.I.C. abriu o seu telejornal jornal P.J. (leia-se pejota) ontem ao almôço com esta notícia chocante. Os sublinhados são meus e realçam a linguagem directa e sem rodeios posta na notícia. O contraste entre atacantes e inocentes declara ao telespectador o lado bom e do lado mau do caso. O dó das vítimas justifica toda a solidariedade com os muçulmanos e o ódio aos que os atacam. A chamada dos Estados Unidos ao caso serve para lhe colar o odioso — habilidadezinhas nada subtis do vulgar jornalismo, para condicionar o juízo ao telespectador. 

 Torno ao caso do padre de Ruão. A notícia da S.I.C., então, não falou em ataque nem atacantes. Foi «sequestro» e os «raptores» eram «dois homens armados com facas». O padre degolado «morreu», passivamente, talvez porque «tinha um golpe na garganta». E Hollande diz que disse que o Daesh foi «o responsável», enquanto o Trudeau classificou sem peias nenhumas o ataque de agora como «atentado terrorista».

  Informar é deformar em função das vitimas.

(Jornalistas e imagens da S.I.C.-Noticias.)



Escrito com Bic Laranja às 22:00
Verbete | Comentar | Comentários (19)

Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
17
18

20
24
25

27
28


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Alpendre (O) (pub)
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Palaurossaurus Rex
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----