Sexta-feira, 27 de Fevereiro de 2015
Dos Pacatos na Estrada de Sacavém às Amoreiras

    Ingressemos desta vez com eles no José dos Pacatos e declinemos os seus nomes.
   Cabe o lugar de honra a D. João da Câmara, o grande dramaturgo dos «Velhos», corifeu de feição singular pela inegualável magia do seu carácter, pela ideal doçura do seu coração.
   Fialho de Almeida, o cintilante crítico dos «Gatos» o empolgante orador Alexandre Braga, Augusto Gil, o delicioso lírico tão cedo arrebatado à rima.
     O celebrado Alberto Costa (Pad Zé) pelo seu ardor político e pelos seus ditos.
 Figueiredo, o famoso «Pinturas».
   Jaime Batalha Reis, diplomata que evidenciou inexcedíveis qualidades no desempenho da sua difícil missão.
   António Arroio, o simpático e conspícuo ordenador das «Notas de Portugal», que não só sobressairam em valor intrínseco, mas conquistaram o apreço de escritores e artistas.
   O Dr. João Barreira, erudito professor de História de Arte. da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, o único sobrevivente daquela plêiade que tanto honrou as letras pátrias.
   Após a sua chegada, o coelho ia para a caçarola e na almácega nadava a alface a refrescar.
   Na mesa, com o perfil da Senhora do Monte a distância, começava o cavaco empolgante, que a despedida do Sol no ocaso não sustava e o assomo da plácida lua não enfraquecia, deslisando num arroubo emotivo, contagioso, que identificava os corações em abraço fraterno.
   Alexandre Braga, o arrebatado causídico, descobrira que a partida dos eléctricos da paragem términus do Areeiro se ouvia, encostando o ouvido a um poste de ferro colocado no portão do restaurante.
   Nunca deixava de executar essa manobra auditiva; por isso, quando se levantavam da mesa, diziam ao grande orador:
    -- Oh Alexandre, vai lá pôr o ouvido a ver se o carro já partiu do Areeiro?
   Mas, muitas vezes, o trajecto fazia-se a pé, com versos lançados ao ar, sobretudo quando a estrada era banhada pela inspiradora lua cheia.
    Cabe ligeira referência a um curioso incidente:
   Uma tarde, Jaime Batalha Reis libou além da conta, ficando em estado deveras esfusiante.
   Tal atitude alarmou António Arroio. Estavam já todos no Rossio e, receando este um desacato que pusesse em foco o nome do Cônsul de Portugal em New-Castle, resolveu que fossem acabar a noite à sua casa das Amoreiras.
   Meteram-se numa tipóia e quem havia de saltar para a almofada a guiar os cavalicoques? O Pad Zé.
   As pilecas faziam lume pela Avenida acima e nas mãos do Pad Zé o chicote estalava cada vez mais.
   Batalha Reis pôs-se então a clamar de dentro da tipóia:
  -- Oh Pad Zé! Parta-me a cabeça mas com método. Olhe que eu sou evolucionista! Chegados às Amoreiras, Batalha Reis, que ia na frente, disse para a senhora que veio abrir a porta:
    -- Vem tudo bêbedo!

João Monteiro, A Estrada de Sacavém, Lisboa, Grupo «Amigos de Lisboa», 1952, pp. 2-53.

Os Pacatos na Estr. de Sacavém (E. Portugal, 193...)
Os Pacatos na Estrada de Sacavém, Lisboa, 193...
Espólio de Eduardo Portugal, in archivo photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 18:52
Verbete | Comentar |

Quinta-feira, 26 de Fevereiro de 2015
Duas notas sobre o vale dos Olivais em Setembro de 1940 e agora...

 Panorâmica sobre o vale dos Olivais, no local da futura avenida Marechal Gomes da Costa -- foi como etiquetou o arquivista.

A83463.jpg

 Duas notas:

  1. O arquivista acertou no vale dos Olivais e deitou-se a adivinhar... A chapa diz tudo numa das bandas -- Vale [dos] Olivais visto [da] nova estrada p/ Sacavém. A nova estrada para Sacavém é a actual Av. da Cidade do Porto; o ponto onde poisou o fotógrafo foi pouco abaixo donde esteve aquele bar do avião que rebentaram com ele.
     A vista, então ampla, abarcava o vale em que se estende hoje a Av. de Berlim até ao Tejo. À esquerda via-se já o aterro dela; chamaram-lhe primitivamente avenida de Entre-Aeroportos (o outro aeroporto era dos hidroaviões). Mais adiante, também à esquerda, erguiam-se as primeiras casas do bairro da Encarnação; notai ainda entre elas e a avenida que faziam mais cá, o velho Poço dos Trapos,  que ainda se hoje lá acha, nome que estendia ao velho caminho que trazia dos Olivais à Portela; salvo erro, o poço era na quinta do Passarinheiro.
     A casa sobranceira na encosta à direita era da quinta do Vale de Alcaide; era pouco mais ou menos onde hoje é a Rua da Cidade de Vila Cabral -- onde se encontravam dantes a Az. do Alcaide, vinda da Estr. de Sacavém [melhor, da Az. do Caldas], junto ao palácio Benagazil, e a Az. do Lavadinho, vinda directamente do lugar da Portela.
  2. Gomes da Costa (cuja avenida em Lisboa vem erradamente referida a esta imagem) foi o fautor do 28 de Maio, mas  avenida em que lhe chaparam o nome, por qualquer razão, não foi alvo da sanha revisora da toponímia (e com isso, da memória histórica) como se viu, por ex. logo em 1974, a rua de Sinel de Cordes com o nome do neo-realista Alves Redol...

Fotografia: Vale dos Olivais visto da nova estrada para Sacavém, Lisboa, 1940.
Eduardo Portugal, in archivo photographico da C.M.L.

(Novamente revisto e augmentadas as remissões.)



Escrito com Bic Laranja às 15:25
Verbete | Comentar | Comentários (4) |

Noticiário regionalíssimo

 Esta manhã os da emissora nacional deram foros de acontecimento ao sobrinho da tia que desistiu de sócio d' O Partido. Calcule o leitor benévolo o estado da culinária quando um pardal desta envergadura é alcatruzado a notícia nacional com reportagem destacada por se agoniar com os normais baldões daquele primeiro-ministro do Rato.
 Esgana ante o tacho a queimar-se?...

JR Intendente-Rato.JPG

 (Fotomontagem a partir do cabeçalho do Jornal de Região.)



Escrito com Bic Laranja às 09:39
Verbete | Comentar | Comentários (2) |

Terça-feira, 24 de Fevereiro de 2015
Jeep

image002.jpg

  Em menino tive um carrinho destes. (Só um.) Certa vez, na escola primária (primeiro ciclo), talvez na segunda ou na terceira classe (3.º ano), a senhora (professora) mandou (hoje pediria...) uma redacção. -- No princípio ensinou-nos «redacção», mas mais tarde, com a evolução do eduquês, também ensinou que se dizia «composição»; talvez fosse ainda na segunda classe, portanto, porque tenho uma vaga ideia de que o jipe foi numa redacção, não numa composição... Ou não tenho ideia nenhuma, já não sei...

 Fazer uma redacção na escola era o mais difícil. Primeiro obrigava a escrever muito -- para aí umas dez linhas -- e, ao depois, era precisa inspiração, pensar no que escrever, conseguir escrever coisas sobre um tema. Escrever coisas, mesmo sem tema, não era coisa para todos, por isso alguns meninos chumbavam (ou reprovavam... ou melhor: elevavam a taxa de retenção... -- falássemos agora qui de I.R.S., em vez de cábulas, e o burro seria eu...)

  Não me alembra agora do tema nessa vez e até fico em dúvida se não foi tema nenhum. Lembra-me é de em não havendo tema ser mais fácil -- podiam fazer-se redacções sobre jipes e carrinhos de brincar. Mas era raro não haver tema nenhum; talvez fosse só quando a senhora se por ventura achava desinspirada sem se alembrar de nada ou de coisa nenhuma.

 Bom, não me lembro se havia tema, se não havia. O que sei é que pus o jipe na redacção. Como, de que maneira, para dizer mais o quê, não me recorda. Lembro-me só de falar lá no jipe e, necessariamente, de ter de escrever jipe, uma palavra que me nunca antes aparecera para escrever. Se a vira escrita em amaricano por baixo do carrinho com que brincava não fiz caso -- aquele bárbaro não fazia ainda sentido como agora, com dois ee para o som i. Escrevi mesmo jipe e acabou-se.

 Pois a senhora corrigiu-me a redacção, pôs-lhe um visto, que não é avaliação nenhuma (um bom ou um muito bom é que era bom) e a única palavra que me lá emendou foi... jipe; emendou para jeep.

 Tinha visão de futuro, olha...!


(Os jipinhos de reinar são duns leiloeiros da rede.)



Escrito com Bic Laranja às 19:10
Verbete | Comentar |

De tudo mais ou menos

«Meigo vem do Latim, ‘magicu’ e inicialmente e durante muito tempo o meigo era um mago, um bruxo. Para comprovar esta asserção do termo &c. (Mafalda da Costa, «Palavra do Dia», Antena 1, 23/II/2015).

 Disse «asserção do termo». De repente pareceu-me ter ouvido «assessão» e cuidei que fosse da cacografia do governo que estupidamente quer mandar escrever «aceção» ( ɐsɨsɐ͂w̃ ) por «acepção» ( ɐsɛsɐ͂w̃ ).
 Seria?!...
Captura



 Resolvi tornar a ouvir e afinal não. Foi «asserção» que a locutora disse. E agora me recordo de lho ouvir empregar por «acepção» antes e de ter tornado então a ouvir para confirmar. Menos mal que não é a cacografia do governo a dar (para já) cabo na ortoépia. Mas, «asserção» (= afirmação, alegação, asseveração, proposição) não se deve usar por «acepção» para significar o/um sentido duma palavra. Muito menos quando se diariamente fala de etimologias na rádio. Só que… Enfim!...



Escrito com Bic Laranja às 12:30
Verbete | Comentar |

Quinta-feira, 19 de Fevereiro de 2015
E Salazar é que sabia!...

 Um curtinho resumo sobre o caso (casos) de Humberto Delgado enquanto delegado na O.A.C.I. -- Ninguém no M.N.E. dava grande importância ás comunicações de Delgado --, enquanto adido militar junto do então embaixador em Washington, L. Esteves Fernandes, com quem não se entendia, pode ler-se em Carlos Fernandes, Recordando; O caso Delgado e outros casos, Universitária Editora, Lisboa, 2002, pp. 95-100.

 Este nosso embaixador Carlos Fernandes, depois de ter lidado sempre cordialmente com Delgado em Lisboa, no M.N.E., e em Nova Iorque, quando esteve nas Nações Unidas, surpreendeu-se com a sua candidatura a Presidente da República pela oposição, e ainda mais com os ataques violentos contra Salazar, de quem fora admirador incondicional e panegirista. Mas Humberto Delgado era truculento. Todo o ambiente à sua volta era conflituoso, e não por razões políticas.

 Depois das eleições, consta que o embaixador do Brasil em Lisboa, Álvaro Lins, inimigo declarado de Salazar (apesar disso, o Governo português nunca o declarou «persona non grata»), incitou Delgado à revelia do Itamarati a abrigar-se na embaixada do Brasil e a pedir asilo diplomático, criando um caso. A questão parece, pois, provocada pelo desagrado pessoal do embaixador Álvaro Lins com o Governo de Portugal e configura na prática uma intervenção ilegítima [do Brasil] nos assuntos internos portugueses por, precisamente, haver o Itamarati tomado as dores do seu embaixador em Lisboa. Em toda a história Delgado era um pretexto e uma vítima.

 Eram os fados de Delgado: servir de instrumento a gente com agenda bem definida. Ainda depois de morto serve…

 (Neste passo convém notardes o agravo gratuito do Brasil a Portugal, torpeza que se repete tanta vez sem motivo e que a só estranhareis por haver vicejado então dum capricho particular de Álvaro Lins, logo por infortúnio embaixador.)

*
*        *

[…] Soube depois do assassinato de H. Delgado e fiquei horrorizado, quer pela sua violência quer pelo crime em si, tanto mais quanto associava a D.G.S., e, particularmente, Rosa Casaco àquele assassinato. Fui por isso a correr ver o ministro do Interior, Santos Júnior […]
 Santos Júnior fez-me um relato da ida dos pides a Espanha, afastando a ideia de que a D.G.S. estivesse envolvida no assassinato, mas deixou-me perplexo. Concluí que ele não sabia muito do que realmente se passava na D.G.S., mas não quis ir ver Silva Pais.
 O ministro Franco Nogueira também nada de concreto sabia, tendo mesmo sido enganado pela D.G.S., levando-o a declarações infelizes contra as autoridades espanholas e, finalmente a um péssimo relacionamento com o seu colega espanhol. O próprio Salazar fora enganado.
 Fiquei assim a nada saber de concreto, e, uma vez que já não pode ser condenado ou cumprir pena devido a prescrição, seria de interesse geral que Rosa Casaco esclarecesse devidamente o que se passou com o estúpido e bárbaro assassinato de Humberto Delgado e companheira, se é que sabe, para todos nós também sabermos se constituiu ou não uma vergonha nacional ou apenas a de algumas individualidades ou grupos políticos, de direita ou de esquerda. (pp. 98-99.)

 E aí tendes: os ministros pouco ou nada sabiam; o presidente do conselho fôra enganado e; Rosa Casaco, ainda vivo quando foram escritas as linhas acima, não esclareceu mais nada -- como não esclarecera em 1998 na entrevista ao saco de plástico repescada em 2006. Mas finalmente fez-se toda a luz no caso, porque a Pimentela teve uma fèzada e a Pitonisa corroborou regimentalmente como lhe cabia, para soprarem alegremente as velas do infausto cinquentenário.

Humberto Delgado, Da Pulhice do «Homo Sapiens», Casa Ventura Abrantes, 1933
(Págs. de Humberto Delgado, Da Pulhice do «Homo Sapiens», Ventura Abrantes, Lisboa, 1933, in + Lusitânia.)

(Revisto em 20 às 8.)



Escrito com Bic Laranja às 20:37
Verbete | Comentar | Comentários (10) |

14 ALGUEIRÃO - MEM MARTINS — Aspecto parcial

Achei um bucólico postal com quebra-tolas em Algueirão–Mem Martins ...

Algueirão–Mem Martins, ed. Ant.º Passaporte, s.d.


 As três casas mais próximas são, respectivamente de cá para lá, os n.ºs 13-15, 11 e 7 da Rua das Mercês. Alinhado com a casa do meio distingue-se o telhado do n.º 4 da mesma rua das Mercês. Destas quatro só a mais próxima não está arruinada. A casa que sobressai mais adiante com janelas abertas, quase no alinhamento com o palácio da Pena, já não existe; seria na Rua Eng.º Júlio Gomes da Silva. Mas à sua direita, um tanto mais para cá, entreve-se detrás dumas copas de árvore o cunhal e o beiral em arco da Vivenda Cortez, Estr. de Algueirão, n.º 41.
 A chapa foi batida da Rua da Tapada, aproximadamente no cruzamento da Rua da Serra de Baixo.

(Postal de Ant.º Passaporte, s.d., no blogo de Algueirão—Mem Martins.)



Escrito com Bic Laranja às 13:00
Verbete | Comentar | Comentários (4) |

Quarta-feira, 18 de Fevereiro de 2015
Folhas de alface e santos de pau carunchoso...

 Aqui há dias comentavam-me irònicamente os vinte mil rés:
 -- Com que então, uma folha de alface por um saco plástico!...
 É verdade! Mas o comentário daquela mulher na televisão foi mais certeiro à estupidez governante:
 -- Eu, minha senhora, vou arranjar um baldinho onde juntar o lixo e ao depois despejo-o no balde da cambra, que eu não ganho para sacos plásticos.

20$00 (Chapa 9, Almirante Gago Coutinho)

 De comentários, houve um leitor que se recordou das folhas de alface do almirante Gago Coutinho, mas essas não são do Estado Novo. Nem as do Garcia de Orta. São ambas da III.ª RRepública (o erre sobejante é da roubalheira). Uma manha que adivinho na emissão das notas de 20$00 em 1977, confirmada na emissão de notas de 1978, é a deliberada supressão de imagens de santos (Santo António e Rainha Santa Isabel). Isso e quotas em novas emissões, a maçons e judeus [melhor, cristãos-novos], que são a santa liberdade... -- No verso da chapa 8 (Garcia de Orta) vinha ainda chapada a cara bochechuda do paizinho desta santa. Mesmo encriptada, o povo lá a achou...

20$00 (Chapa 8, Garcia de Orta, verso). Banco de Portugal, 1977

  Acabaram no fim de contas as notas de 20$00 em 1985 e cunharam-se moedas porque a santa liberdade nos consagrara a roubalheira e duas bancarrotas. Vinte mil réis nesse tempo já nem valiam como tostões.



(Notas de 20$00, Ch. 9 -- Almirante Gago Coutinho e Ch. 8 v. -- Garcia de Orta --, do Banco de Portugal, em Moedas.Org)



Escrito com Bic Laranja às 11:55
Verbete | Comentar |

Terça-feira, 17 de Fevereiro de 2015
Repisando o subúrbio

 No dia de Carnaval de há seis anos passei naquele restaurante típico amaricano. Hoje calhei por lá em modo semiferiado de subúrbio e a engrossar o colesterol. Lá havia o desfile dos habituais gigantones; havia moças suburbanas tipo chique-emigrante a par de jovens de subúrbio e brinco estilo ainda perdes as calças; havia casais suburbaníssimos no modelo happy-meal dos putos barulhentos; havia empregaditas pluricolores em talhe boom-mike sofisticado e cirandeiro, muito automato-profissionalizadas. Não havia era serviço de mesa.

Estrada de Mem Martins. (c) 2008
Estrada de Mem Martins. (c) 2008



Escrito com Bic Laranja às 21:41
Verbete | Comentar | Comentários (4) |

Domingo, 15 de Fevereiro de 2015
Pitonisa

 Dantes tínhamos o Zandinga a prever o futuro, agora temos um que além disso decifra o passado. A pitonsa do regime profetizou esta noite que Salazar sabia. Os delírios da historiadora (?) Pimentela são como a homossexualidade, deixaram oficialmente de ser doença.
 Camilo escreveu sensatamente da Cleópatra a folhas tantas: «Dizem que foi a mais bela mulher do Mundo Antigo, mas a verdade é que não sabemos.»
 É mais que certo que este marmelo sabe.

Marcelo de Sousa
(Imagem: Bairrada Digital.)



Escrito com Bic Laranja às 23:44
Verbete | Comentar | Comentários (12) |

Sexta-feira, 13 de Fevereiro de 2015
Vinte mil réis

20$00: chapa 7; Santo António (Bamco de Portugal, 1965)

 Não tenho nada contra o comércio justo, mas tabelar um saco de plástico sem nada dentro a vinte mil réis é esbulho. -- E que temos nós? -- Um governo eleito que o torna lei e se apropria torcionàriamente do produto do esbulho. Roubo legalizado com legitimidade democrática, portanto.
 A única circunstância em que seria justo pagar vinte mil réis por um saco plástico era para o enfiar de seguida no bestunto do legislador que evacuou tal ideia por mor de salvar o planeta. Um atilho à volta do cachaço e livrávamos definitavamente o planeta dum camadão de emissões nocivas. Tão ambiental e sustentável que era limpinho!...


Adenda pelo leitor Joe Bernard em 15/II/15 às 11:23:

 Mais grave: Além de ser um imposto disfarçado, como o «imposto verde» nos combustíveis, é mais a prova provada que o 1.º ministro é um mentiroso, quando afirmou que em 2015 não iria haver aumento de impostos. Mas sabemos que o dito é um mentiroso compulsivo, tal e qual o seu gémeo n.º 44!
 Pior ainda. Desses «impostos verdes» uma percentagem ínfima vai para a defesa do ambiente!
 A percentagem e sua repartição das receitas resultantes da cobrança da contribuição sobre sacos de plástico constitui receitas, respectivamente para:


(Nota de 20$00, Ch. 7 -- Santo António, do Banco de Portugal, em Moedas.Org)



Escrito com Bic Laranja às 16:57
Verbete | Comentar | Comentários (6) |

O demitidor

 Ouço para aí que vão pôr o nome dum servidor do Estado Novo no aeroporto da Portela. Embirrar com Salazar cauciona tudo e dá honras mesmo cinquenta e tal anos depois...

Humberto Delgado. Comissário Adjunto da Mocidade Portuguesa, c. 1938.
(Retrato in «Um fascista esquecido», Área Nacional, 6/III/06.)



Escrito com Bic Laranja às 11:00
Verbete | Comentar | Comentários (29) |

Da mocidade

 9h00 da manhã, grande calma ante o liceu Camões. Dois moços atravessam molemente a passadeira pregados ao telemóvel, afastando-se do liceu. Moles das pernas; buzino-lhes; acordo-os.
 -- Calma! -- responde-me um, agastado. Sorrio-lhe com gozo. Tiram-se-me estes fidalgos do quentinho da cama para dormirem pela rua ao frio...

Mocidade Portuguesa plantando árvores, Serra de Monsanto (A.F.C.M.L., c. 1944)
Mocidade Portuguesa plantando a mata, Serra de Monsanto, c. 1944.
In archivo photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 09:41
Verbete | Comentar | Comentários (3) |

Quarta-feira, 11 de Fevereiro de 2015
376. Lisboa - Portugal -- Avenida de Roma

Av. de Roma, Lisboa (A. Passaporte, c. 1953)

(Postal de António Passaporte, in archivo photographico da C.M.L.)



Escrito com Bic Laranja às 15:57
Verbete | Comentar | Comentários (9) |

E não vai também um copo?

 A ministra Teixeira da Justiça acha que a droga leve devia ser vendida na farmácia, a par dos remédios. Pela mesma ordem de raciocínio cuido ache bem que o vinho também venha a vender-se na farmácia a par do álcool.


Taberna, Telheiras, 1991.
Valter Vinagre, in archivo photographico da C.M.L.

 

Adenda: só numa civilização de dementes andar com droga e drogar-se não é crime, sendo as drogas ilegais, enquanto chachadas mal definidas (e mal designadas) como bullying ou o asco geral por sodomia se entende que são, em si, matéria para o código penal.



Escrito com Bic Laranja às 13:07
Verbete | Comentar | Comentários (6) |

Fevereiro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
12
14

16
20
21

22
23
25
28


Visitante


Contador

Projecto de lei

Rejeita o Acordo Ortográfico e procura um meio de acabar com ele? Subscreva a Iniciativa Legislativa de Cidadãos! São dois passos:

  1. Assine em PDF ou em Word
  2. Remeta para:

  3. Apartado 53
    2776-901 Carcavelos (se por CTT)

A ILCao, não é uma Petição, é um Projecto de Lei redigido por um grupo de cidadãos para submissão ao Parlamento, sem qualquer patrocínio ou instituição subjacentes. A ILCao, é a forma directa e apartidária de exprimir a vontade popular à Assembleia da República.

A ILCao está redigida e publicada. Todas as informações estão disponíveis no sítio oficial http://ilcao.cedilha.net

Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chez George Sand
Cidade Surpreendente (A)
Combustões
Corta-Fitas( pub)
Delagoa Bay (The)
Delito de Opinião
Dias que Voam
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
Garden of Philodemus
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Jansenista (O)
Lisboa
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Palaurossaurus Rex
Perspectivas(pub)
Pipàterra
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Pena e Espada(pub)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Ruinarte(pub)
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Fides