Sexta-feira, 23 de Junho de 2017
Ainda o autocarro 55

2 pisos a arrimar aos 35º em véspera de dia S. João: ou um 55 adernando para a 24 de Julho em 23 de Junho. De 1980.

Autocarro 55, Alcântra-Mar (Guy Arab, 1980)
Autocarro 55, Alcântara-Mar, 1980.
Guy Arab, in Flickr.



Escrito com Bic Laranja às 00:01
Verbete | Comentar

Quinta-feira, 22 de Junho de 2017
Largo de S. Domingos com grande cópia de portuguezes

Largo se São Domingos com muitos portugueses, Lisboa (H. Novaes, 194...)
Largo de S. Domingos, Lisboa, 194...
Horacio de Novaes, in Bibliotheca d' Arte da F.C.G.



Escrito com Bic Laranja às 20:01
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Sexta-feira, 16 de Junho de 2017
Podia ser eu!…

 Até porque em 1980 já tinha o passo.
 Como é óbvio subi para o andar de cima e fui tudo lá para a frente.

55, Alcântara-Mar (Wood's Library, 1980)
Autocarro 55, Alcântara-Mar, 1980.
Fotografia: Biblioteca de Wood, n.º 1 431, 3/X/1980.



Escrito com Bic Laranja às 17:30
Verbete | Comentar | Comentários (13)

Quarta-feira, 14 de Junho de 2017
A Avenida em dia sem marchas

AEC Regent V, n.º de frota 328 em serviço na carreira 21, Avenida (J. Huddlestone, c. 1960)

 IF-77-98, n.º de frota 328, com aspecto novíssimo a descer a Avenida da Liberdade, em Lisboa. Entrou ao serviço em 1959. Aqui na carreira 21. A fotografia andará por 1960 ou 61.

Cliché por John Huddlestone, in Flickr.

P.S.: atenção aos belíssimos edifícios.



Escrito com Bic Laranja às 12:51
Verbete | Comentar | Comentários (7)

Segunda-feira, 12 de Junho de 2017
Noite de arraial

O Pátio das Cantigas
Francisco Ribeiro (Ribeirinho), 1942



Escrito com Bic Laranja às 18:55
Verbete | Comentar

Domingo, 11 de Junho de 2017
Retrato dum país botado ao desprezo e atrelado a uma parelha de andar à nora

« Em 22 de Abril [de 1967], comparece [Salazar] em Belém para a promulgação solene pelo presidente da República do decreto que, nos termos da resolução da Assembleia Nacional, institui aquele dia como o «Dia da Comunidade Luso-Brasileira». Estão membros do governo, o embaixador do Brasil Ouro Preto. Discursa Américo Thomaz: «Para que todos nos possamos encontrar e recolher nestes pensamentos, o Dia da Comunidade Luso-Brasileira, constitui para nós e para os vindouros um dia de reflexão nas grandes virtualidades da Comunidade […] Responde o enviado brasileiro: «não será difícil prever que largos e claros horizontes se rasgam diante de nós; não há limites imagináveis para os nossos dois países no terreno das constantes essenciais […]  No mesmo momento, em Brasília, o presidente brasileiro Costa e Silva e o embaixador português José Manuel Fragoso participam em acto semelhante e trocam mensagens de sabor idêntico.»

Franco Nogueira, Salazar; O Último Combate (1964-1970), Civilização, Porto, 1985, pp. 2276-277 passim.

Presidente da República e primeiro-ministro ignorados no Brasil. TVI-24, 11/6/17.

Foto: Lusa/Paulo de Novaes.



Escrito com Bic Laranja às 18:55
Verbete | Comentar | Comentários (7)

Retratos dum país que perdeu a identidade

Largo das Escolas, Belém (M. Novais, s.d)
Largo das Escolas, Belém, [s.d.].
Mário de Novaes, in Bibliotheca d' Arte da F.C.G.

 

Carteira de escola da fàbrica de Portugal, Portugal (M. Novaes, c. 1940)
Carteira escolar da Fábrica de Portugal, Portugal, [s.d.].
Mário de Novaes, in Bibliotheca d' Arte da F.C.G.

Biblioteca itinerante n.º 6, Marmelete (M. Novaes, s.d.)
Biblioteca itinerante n.º 6, Marmelete, [s.d.].
Mário de Novaes, in Bibliotheca d' Arte de F.C.G.

Estação do Correio, Torres Vedras (M. Novaes, c. 1940)
Estação do Correio, Torres Vedras, c. 1940.
Mário de Novaes, in Bibliotheca d' Arte da F.C.G.

Fábrica de Cortumes, Póvoa de St.ª Iria (M. Novaes, s.d.)
Fábrica de Cortumes, Póvoa de Santa Iria, [s.d].
Mário de Novaes, in Bibliotheca d' Arte da F.C.G.



Escrito com Bic Laranja às 16:41
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Retrato dum país que perdeu o brio

Carteiro, Lisboa (M. Novaes, c. 1940)
Carteiro, Lisboa, c. 1940.
Mário de Novaes, in Bibliotheca d' Arte da F.C.G.



Escrito com Bic Laranja às 16:33
Verbete | Comentar

Retrato dum país que perdeu o aprumo

Boletineiros, Trereiro do Paço (M. Novaes, c. 1940)
Boletineiros, Terreiro do Paço, c. 1940.
Mário de Novaes, in Biblioteca d' Arte da F.C.G.



Escrito com Bic Laranja às 16:28
Verbete | Comentar | Comentários (6)

B.º da Guarda Republicana

Bairo da Guarda, Alto do Pina (M. Novaes, 195...)
Bairro da Guarda, Alto do Pina, 195...
Mário de Novaes, in Bibliotheca d' Arte da F.C.G.



Escrito com Bic Laranja às 16:05
Verbete | Comentar | Comentários (2)

B.º da Guarda

Bairro da Guarda, Alto do Pina (M. Novaes, 195...)
Bairro da Guarda, Alto do Pina, 195...
Mário de Novaes, in Bibliotheca d' Arte da F.C.G.



Escrito com Bic Laranja às 15:59
Verbete | Comentar

Rua do Barão de Sabrosa

Rua do Barão de Sabrosa, Alto do Pina (M. Novaes, 195...)
Rua do Barão de Sabrosa, Alto do Pina, 195...
Mário de Novaes, in Bibliotheca d' Arte da F.C.G.



Escrito com Bic Laranja às 15:51
Verbete | Comentar

Da peregrinação do papa a Fátima...

 Um pouco a destempo tenho agora vagar de transcrever algumas saborosas passagens do embaixador Franco Nogueira, como já raro alguém escreve nesta Nação sumida:

« Entretanto, também durante o dia 12 e por todos os caminhos, afluem ao Santuário milhares, centenas de milhares de peregrinos. Descem povos das altas serras, convergem outros da planície e dos vales; comboios de autocarros e de camionetas abertas surgem das sete partidas, vindas do Alentejo e do Minho, e atravessam as estradas de acesso à Cova da Iria; pelas bermas marcham famílias e aldeias inteiras, carregando as suas crianças de colo e as condessas dos seus farnéis; por atalhos e veredas, arrastam-se velhos, trôpegos e doentes, arrimados aos seus bordões de romeiros, e de alforges pelos ombros; e de quando em quando, o tráfego afrouxa, quase se suspende, para que passem grupos de mulheres, vestidas de negro, que avançam de joelhos, com rosários entre os dedos, numa prece mais contínua, até caírem quase exânimes. É a sensação de que todo o povo está a mobilizar-se por vontade própria, e que através de mil sacrifícios acorre a um chamamento indeclinável. Grupos de estrangeiros da rosa dos ventos, alegres e numa atitude de cruzada, e muitos com as suas bandeiras nacionais, seguem os portugueses para Fátima. Patrulhas da Guarda percorrem as imediações do Santuário; não há um incidente; e as forças da ordem cingem-se a abrir caminhos, a ajudar os mais fracos e os perdidos. No despontar da aurora do dia 13 de Maio, fazem mais de um milhão e meio os peregrinos concentrados no terreiro do Santuário e cercanias.

Cova da Iria, Fátima (M. Novais, 1927)
Peregrinos, Fátima, 1927.
Mário de Novais, in Bibliotheca d'Arte da F.C.G.

« […] E então, de costas para o altar erguido ao ar livre, Paulo VI contempla o mar de peregrinos: aos pés do papa comprimem-se  para cima de um milhão e duzentas mil pessoas, que fazem sentir uma força feita só de Fé: e mais três ou quatro centenas de milhar espalham-se à distância, por elevações de terreno, telhados, árvores, em modo que se diria quase ocultar a própria natureza e substituí-la. Junto ao altar, ao lado direito, estão o presidente Thomaz, Oliveira Salazar, todo o governo português; e do outro lado, filas de cardeais e bispos. E perante a imagem da Virgem de Fátima, Paulo VI celebra missa. Perto, a alguns passos, encontra-se a Irmã Lúcia.

 

Papa Paulo VI, Fátima («Em Foco[?], s.d.)
Paulo VI, Fátima, 1967.
In Porta da Loja.


« No momento próprio e em português, profere o papa a sua homilia. Que diz Paulo VI a Fátima e ao mundo?  É bendito o Santuário «onde se celebra hoje o Cinquentenário das Aparições» […] Saúda os cidadãos «desta ilustre Nação que, na sua longa história, deu à Igreja homens santos e grandes»; e os peregrinos, «que viestes de perto e também de longe»; e os fiéis espalhados por todo o mundo […] Mas para o papa […] «mal seria se uma interpretação arbitrária e não autorizada do Magistério da Igreja transformasse este renascimento espiritual numa inquietação que desagregasse a sua estrutura tradicional e constitucional, que substituísse a teologia dos verdadeiros e grandes Mestres por ideologias novas e particulares que visam eliminar da norma da fé tudo aquilo em que o pensamento moderno, muitas vezes falto de luz racional, não compreende e não aceita, e que mudasse a ânsia apostólica da caridade redentora na aquiescência às formas  da mentalidade profana e dos costumes mundanos».

« Mas a este tempo ainda Oliveira Salazar não se pronunciara sobre a visita de Paulo VI. Esse comentário é tema do Conselho de Ministros de 23 de Maio de 1967 […] Deve ser muito confusa e complexa, julga Salazar, a razão decisiva que determinou Paulo VI a vir a Fátima e a expor-se a críticas. Críticas, além disso, também lançadas com aspereza pelos círculos afro-asiáticos e demais adversários da política de Portugal em África […]
« No plano pessoal e puramente subjectivo, qual o aspecto da visita papal que mais agradou a Salazar? Responde o chefe do governo: «a fúria dos nossos inimigos». E rindo com sabor, acrescenta: «Naturalmente, tratei o pontífice por Vossa Santidade. Sabem como me tratou o Santo Padre? Chamou-me Vossa Eternidade.»

Franco Nogueira, Salazar; O Último Combate (1964-1970), Civilização, Porto, 1985, pp. 283-288 passim.

 

Da Nação sumida emergiram entretanto vozes institucionalonas que falam e dizem:

« Salazar, em 1967, era chefe do Governo quando, pela primeira vez, um Papa visitou o país. O ditador decretou um dia de feriado nacional a 13 de Maio e permitiu uma amnistia geral. Mas recusou encontrar-se com Paulo VI, depois de o Papa ter recebido, em Roma, representantes dos movimentos de libertação das ex-colónias portuguesas de África.»

«Só Salazar não deu tolerância de ponto», Expresso, 29/4/2017. (Para uma verdadeira dimensão da asneira do Expresso saco de plástico, confira o benévolo leitor Helena Matos, «A salazarologia», in Blasfémias, 29/4/2017 e José, «O jornalismo do Expresso recende a madrassa antifassista», in Porta da Loja, 30/4/2017).

 



Escrito com Bic Laranja às 12:35
Verbete | Comentar

Sábado, 10 de Junho de 2017
Floreados de vaga memória

IMG_0577.JPG



Escrito com Bic Laranja às 15:58
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Sexta-feira, 9 de Junho de 2017
Tsariza Mei

 Anda hoje cópia de gente nacional cosmopolita e eurobruxeleante assaz entretida a comentar daquela inglesa com olhos de gavião que tinha maioria absoluta nos Comuns e que quis eleições para perdê-la. Tsariza Mei, é como lhe chamam os jornalistas catitas nacionais. Os ingleses têm sempre mais fleugma.




E o brêxito lá segue seu caminho... de insucesso escondido com o rabo de fora.



Escrito com Bic Laranja às 16:30
Verbete | Comentar

Terça-feira, 6 de Junho de 2017
Vista aérea dum (quase) ermo

Vista aérea da Doca de Paço de Arcos (H. Noves, c. 1940)
Vista Aérea da doca de Paço d' Arcos, Oeiras, s.d.
Horácio de Novais, in Bibliotheca d' Arte da F.C.G.



Escrito com Bic Laranja às 16:20
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Música sertaneja fora de horas

 Quem passava pelo Café Central — ali ao fundo das escadas da Rocha — nos alvores dos anos 90 há-de recordar algo assim como esta cançoneta. Não sei, é uma ideia, mas coisa estranha pode ser a música: passar do cosmopolitismo nocturno das docas nos anos 90 para a beira lago num ermo qualquer e permanecer.

Steve 'n' Seagulls — Nothing Else Matters


 Parece que o acordeonista destes aqui chega habitualmente atrasado aos concertos. Os anos 90 também revêm agora algo tarde. São vinte para a uma em 2017.



Escrito com Bic Laranja às 00:40
Verbete | Comentar | Comentários (3)

Domingo, 4 de Junho de 2017
O jornalismo é que induca, a televisão é que instrói

 Haverá na imprensa cá do burgo (ou será borough) jornalista cosmopolita, licenciado de aviário ou gentio vulgar de Lineu capaz de, naturalmente, chamar Ponte de Londres à Ponte de Londres? Ou será demasiado simplório?

Nova Ponte de Londres, Rio Tamisa (Anón., c. 1890-1900)
[Nova] Ponte de Londres, Londres, c. 1890-1900. 
Edição da Companhia Editora de Detroit, 1905, in Biblioteca do Congresso dos E.U.A.



Escrito com Bic Laranja às 16:30
Verbete | Comentar | Comentários (7)

Quinta-feira, 1 de Junho de 2017
Quinta da Fronteira e Avenida do Aeroporto

 Ver imagens antigas de Lisboa nunca me cansa. Mas tantas tenho visto que poucas são já novidade para mim. Não obstante, dois colegas, ontem, telegrafaram-me uma remissão para meia centena delas que o Observador publicou há dias, de que não dera eu ainda notícia. Claro que os dois paràgrafozinhos que acompanham não valem nada como legenda — lugares-comuns Salazar, ditadura, Abril e colónias completamente a despropósito, chavões enjoativos de quem não nasceu ensinado e se há-de continuar instruir sem aprender porque, enfim, o progresso deu só nisto: a gèração mais doutrinada de sempre. Que nem a autoria das fotografias sabe mencionar...

 Mas, voltando ao caso da Lisboa antiga e do prazer de a descobrir, por acaso há no lote uma que eu nunca vira, da Av. do Aeroporto acabadinha de rasgar a expensas da ancestral Estrada de Sacavém e só, ou ainda, com as velhas quintas arrabaldinas do lugar a adorná-la. Vejo a velha quinta da Fronteira (à esq.), ou o que sobrava dela, em chãos pouco mais ou menos a par da (hoje) Av. dos Estados Unidos; uns que estiveram por urbanizar até ao consulado do Santana Lopes na Câmara. Esta quinta da Fronteira era a que se seguia à famosa da Perna de Pau na Estrada de Sacavém e que se avista ao longe com seu alpendre de arcos em duas conhecidas fotografias de Paulo Guedes e de Alberto Carlos Lima que publiquei há 11 anos e três dias. Arcos sumidos em telheiro em 1938...

 Mais adiante, à esquerda, também, outra casa branca, antiga: a Quinta de Santo António, que ainda hoje existe no n.º 81 da Av. do Aeroporto. À direita uma das primeiras (se não a primeira) vivenda da dita Av. do Aeroporto a ser edificada: o n.º 70.

Avenida do Aeroporto, Lisboa (anón., c. 1944)
Avenida do Aeroporto, Lisboa, c. 1944.
Autor n/ ident., in Observador.

 Para completar este ramalhete proponho ao benévolo leitor uma vista tomada de lá para cá meia dúzia de anos antes, ainda a Estrada de Sacavém não fôra engolida. Avista-se o Casal Vistoso ao alto à esquerda, para referência do Areeiro.

 

Estrada de Sacavém, Lisboa, 1938
Estrada de Sacavém entre a Quinta da Fronteira e a Az. da Feiteira, Areeiro, 1938.
Eduardo Portugal, in archivo photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 23:45
Verbete | Comentar | Comentários (10)

Sábado, 27 de Maio de 2017
Pedras d'el Rei há um ano

Pedras d'el Rei e sapal da Ilha de Tavira, Santa Luzia. © 2016



Escrito com Bic Laranja às 23:55
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

13
15
17

18
19
20
21
24

25
26
27
28
29
30


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----