Quarta-feira, 31 de Agosto de 2005
Monsanto

Deambular nas faldas do Monsanto, lá onde se encontram a estrada de Queluz, a Avenida das Descobertas e a auto-estrada do Estádio, não é lá coisa muito original.
Estr. Queluz, Lisboa, 1955Estr. Queluz, Monsanto, 2005
É uma documentada tradição familiar que remonta a 1955.



Escrito com Bic Laranja às 20:45
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Terça-feira, 30 de Agosto de 2005
Cantigas com cenário

 Ao ouvir Dancing Queen dos ABBA veio-me à ideia que gostamos mais desta ou daquela cantiga pelas emoções agradáveis que nos provoca. Gostamos tanto mais quanto mais emoções aprazíveis obtemos ao ouvir esta ou aquela cantiga. Quando gostamos muito duma cantiga, cada nota ultrapassa o mero sentido de nossa audição; cada timbre instrumental descobre recordações apagadas na nossa memória; cada compasso projecta imagens animadas na nossa retina; cada verso da letra torna-se poesia sob a pele. Em três minutos duma cantiga sonhamos à velocidade do som telediscos cujo cenário pertence ao tempo da memória e ao espaço das emoções.
 Segue-se ilustração legendada dum teledisco que a memória compôs.

Os ABBA davam na telefonia...


O Austin 1100 do primo Zeca durou toda a década de 70. Tinha uma telefonia...


O Tyrrell de 6 rodas só dava na televisão em 76 e 77, não tinha telefonia.
Scheckter, Tyrrel P34, 1976

As moedas de 25$00 foram uma novidade e não têm nada que ver com os ABBA.
25 Escudos

Nem as projecções de filmes do Trinitá ao ar livre na Escola Primária nº 28.


Jogar à carica talvez.


Arranjávamos muitas na leitaria d'O Príncipe que tinha uma jukebox com músicas dos ABBA.
 


Escrito com Bic Laranja às 21:24
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Segunda-feira, 29 de Agosto de 2005
Última casa...

... fotografada. Em Sintra.
Sintra © 2005



Escrito com Bic Laranja às 20:33
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Domingo, 28 de Agosto de 2005
Estrada de Campolide

A planta 8 K representa o troço da velha Travessa de Estêvão Pinto e a Travessa da Rabicha.

URBA-LT-03-101-8K
Planta 8 K [Planta Topográfica de Lisboa], in Arquivo do Arco do Cego (C.M.L.), 1909.


 A Estrada de Campolide está representada em diagonal no terço central da planta 8 K (sentido SSE-NNO). No canto inferior direito temos a Travessa de Estêvão Pinto (sentido SO-NE), ligando com a igreja de Santo António de Campolide e com o antigo Colégio. Subindo aquela Travessa, à direita, há o beco de Estêvão Pinto, sem saída. No outro extermo visível da Estrada de Campolide, a Travessa da Rabicha desenha-se num cateto e na hipotenusa dum triângulo rectângulo cujo outro cateto se inscreve na própria Estrada de Campolide; o ângulo S do triângulo conflui com a Estrada de Campolide numa espécie de largo; daí desce para o vale a Travessa do Tarujo (sentido SO); em 1909 era um estreito caminho ladeado por árvores. [A Travessa do Tarujo, a meio caminho entre este ponto e a Travessa de Estêvão Pinto, descia para O, inflectia para NO, e de novo para O até à] A Ribeira de Alcântara. [Esta] vê-se no terço esquerdo da planta 8 K, na forma de um crescente de NO-SO, desaparecendo no caneiro debaixo da via férrea. No limite esquerdo da planta 8 K a velha estação de Campolide.
 Outros elementos há (com alguns nomes engraçados) que não pude identificar no âmbito da planta: o Asilo Espie Miranda, o Casal do Sola, a Quinta da Rabicha, o Caminho Público, as Terras do Colégio de Campolide, as Terras das Domingotas, a Quinta da Atalaia e a Quinta do Mouzinho.

O mesmo troço da Rua de Campolide em 2005 segundo o Google Earth.

Google Earth <=> 8K.JPG 

 Comparemos: 1) há maior densidade viária e de edificação, o que é natural (ou civilizacional), mas podia ser pior; 2) rasgou-se a Av. Calouste Gulbenkian (sentido NE-SSO) que se cruza com a Rua de Campolide sobrepondo-se a dois prédios que me provocaram esta cisma; 3) a Rua de Campolide foi alargada e desviada entre a Travessa do Tarujo [o limite S da Travessa da Rabicha] e a Travessa de Estêvão Pinto; 4) o troço desta entre a Rua de Campolide e o Beco de Estêvão Pinto desapareceu para dar lugar à Av. Miguel Torga 5) edificou-se a Faculdade de Economia da U.N.L. no que devem ter sido terras do Colégio de Campolide; 6) a Travessa do Tarujo desenha [situa-se] hoje um U com a perna [mais a] norte, a coincidir com troço [do estreito caminho ladeado de árvores] da planta 8 K; 7) as instalações ferroviárias de Campolide estenderam-se até ao leito da ribeira de Alcântara cujos vestígios se sumiram.
 Uma panorâmica tomada do lado N do vale em 2004 aqui.
 Se quiserdes dar alguma achega a esta desinteressante confusão...


Emendado em 9/6/06.
 



Escrito com Bic Laranja às 09:05
Verbete | Comentar

Sábado, 27 de Agosto de 2005
1ª Casa

Alguns anos após entrar no ramo da construção consegui a minha primeira casa.
Villa italiana (Lego 356-1)
Modernamente consegue-se o dobro em 1/10 do tempo.



Escrito com Bic Laranja às 13:14
Verbete | Comentar

Quarta-feira, 24 de Agosto de 2005
Vade retro auspicium malum

Lembrou-me há pouco dalguém que por fogos fátuos enterrou a pátria consigo.

Reconhecimento do cadáver de D. Sebastião
Alcácer Quibir: reconhecimento do cadáver de D. Sebastião.
Quadro de Caetano Moreira da Costa Lima.

Todos os verões há um grande concurso nacional de fogo real. E há muita gente concorrendo por ganância de fogos fátuos.

[...]

Mas o mouro é que conhecia o deserto
de trás para diante e de longe e de perto
o mouro é que sabia que o deserto queima e abrasa
o mouro é que jogava em casa

E o D. Sebastião levou tantas na pinha
que ao voltar cá (aí) encontrou a vizinha
espanhola sentada na cama, deitada no trono
e o país mudado de dono

[...]

Excerto d' Os Demónios de Alcácer Quibir, Sérgio Godinho.

Nota: alguns julgam saber mas ignoram; o desastre deu-se em 4 de Agosto de 1578.



Escrito com Bic Laranja às 08:08
Verbete | Comentar | Comentários (3)

Terça-feira, 23 de Agosto de 2005
Hum! Parece-me que era ali.

 Vasculhando no arquivo fotográfico da C.M.L. encontrei uma panorâmica do Vale de Alcântara e Calçada dos Mestres. Ao fundo do vale está a estação ferroviária de Campolide; imponente lá longe, recortando o horizonte, avista-se o Hospital de Santa Maria. A fotografia é mais recente do que a ribeira de Alcântara; nem se identificam vestígios sequer do caneiro com que foi vestida. Mas por outro lado é tão antiga que não fora construída ainda a Avenida Calouste Gulbenkian; há-de essa via passar abaixo das moradias em 1º plano, a caminho do arco maior do aqueduto das Águas Livres. Presumo que para cruzar a velha Rua de Campolide tenham sido demolidos os prédios que se vêem à direita: creio que eram uns que me intrigava desde há tempo onde seriam.

Vale de Alcântara (J.Benoliel, 195...)
Vale de Alcântara e Calçada dos Mestre, Lisboa, 1950-59.
Foto: Judah Benoliel [de cima do aqueduto], in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 08:06
Verbete | Comentar

Domingo, 21 de Agosto de 2005
Velha Lisboa

Veja-se a velha Lisboa desde São Pedro de Alcântara.
Velha Lisboa (Roque Gameiro) 
Velha Lisboa, Roque Gameiro.
Detrás da encosta prolonga-se ainda a velha Lisboa.



Escrito com Bic Laranja às 14:48
Verbete | Comentar | Comentários (3)

Sexta-feira, 19 de Agosto de 2005
Desolador

A imaginação anda assim...
Praia das Maçãs © 2004
Praia das Maçãs, 2004

E a memória está neste estado.
Praia das Maçãs © 2004
Praia das Maçãs, 2004

A explicação do topónimo desceu o rio que desagua no lugar desde
aqui.



Escrito com Bic Laranja às 00:02
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Terça-feira, 16 de Agosto de 2005
Sempre a abrir
 Para a passagem de ano de 89/90 o pessoal conseguiu juntar uma data de discos. Eu ia levar a aparelhagem para a festa e por isso os discos foram sendo reunidos na minha casa.
Outside Inside Live in Europe The Best Of The Doors Too-Rye-Ay
Dynasty Parallel Lines American Fool
    Approved By the Motors
 Aproveitei a oportunidade para gravar algumas cassetes e comprei até uma com fita de metal. Custou-me mais de 900$00 e escolhi gravá-la com música sempre a abrir.

Maxell MX
Sempre a abrir, fatiota original.

 Orgulhei-me que toda a malta curtisse a cassete e ma pedisse emprestada. Eles queriam copiá-la, mas tinham gravadores tão farsolas que deixavam a fita cada vez mais marada; houve finalmente um freguês que rebentou a fita e a colou com fita-cola. Era um gajo porreiro; amigo de um amigo. Pediu desculpa...
  - Dá para gravares outra? Eu pago-te uma nova.
  Desculpei-o, mas não havia remédio; os discos tinham tornado à procedência havia muito.
Look Sharp! 5150 Business as Usual 90125
 Ficámos assim. Melhor ou pior ia dando para ouvir, mas resolvi não emprestar de novo a minha cassete Sempre a abrir. Só que desgraçadamente tinha que estar no leitor de cassetes do carro quando mo gamaram de lá anos depois...
 Há tempos atrás, consegui reconstituir tal e qual a tralha perdida. Desta vez num disco compacto.

Owner of a Lonely Heart - Yes
  Why Can't This Be Love? - Van Halen
    Look - Roxette
      China Girl - David Bowie
        She's a Beauty - The Tubes
          I Was Made For Loving You - Kiss
            Roadhouse Blues - Doors
              Hurt So Good - John Cougar
                 Jack and Diane - John Cougar
                   Money - Pink Floyd

Airport - Motors
  Heart of Glass - Blondie
    Who Can It Be Now - Men at Work
      Down Under - Men at Work
        Celtic Soul Brothers - Dexy's Midnight Runners
          Come On Eileen - Dexy's Midnight Runners
            Tearing Us Apart - Tina Turner & Eric Clapton
               It's Only Love - Tina Turner & Bryan Adams
                  Modern Love - David Bowie
                    Dreams - Van Halen

E sabeis onde o deixei ficar?
[Revisto em 3/3/2007.]



Escrito com Bic Laranja às 22:59
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Quinta-feira, 11 de Agosto de 2005
A empregada

 A empregada costuma vir de manhã no dia combinado. Melhor dizendo: a empregada não costuma vir no dia nem na hora combinada; negoceia sempre com a senhora o dia seguinte ou o dia após esse.
 No dia combinado avisou a senhora que ia faltar enviando-lhe um telegrama desses dos telefones móveis. A mensagem tinha marcada a hora: 13:27. A empregada costuma vir de manhã no dia combinado. Melhor dizendo: ...
Bem, adiante. Afinal tudo se resolveu.
 Truca (1981)

 A empregada era a colaboradora que limpava mais ou menos, mas não a fundo. A empregada é uma moderna colaboradora despromovida.Foto desta drogaria.



Escrito com Bic Laranja às 22:00
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Quarta-feira, 10 de Agosto de 2005
H2O

 Instado por mim a visitar este blogo, um bom amigo que encontrei ao almoço ligou-me à tarde dizendo que estivera já lendo os meus desabafos.
 - Sabes, água já não é OH2 há muito tempo - disse solenemente.
 Meio embasbacado respondi que sim senhor, eu sabia; mas o meu blogo pretendia ser literário, se possível com ilustrações cativantes; que lhe tentava dar um aroma enigmático com uma pitada de ironia. Isto quanto à forma; o conteúdo podia ser um qualquer...
 E expliquei concretamente.
 - Não vês tu? A fórmula OH2 destina-se a reagir quimicamente com o oh! de admiração que todos fazemos pelo egocentrismo jornaleiro. E assim não se perde a ideia de água! Ou seja: com OH2 poupamos H2O, água.
 - E não percebes o silogismo? A desordem no título reflecte a desordem jornaleira. É tudo uma desordem pegada!
 - Ah é isso?! Mas tens que explicar!
[...]
 Para meter mais OH2, ficou o H2O.


Aguadeiro
O último aguadeiro de Olhão, conhecido por Joaquim Aguadeiro, in Museu Fotográfico de Olhão.



Escrito com Bic Laranja às 21:26
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Segunda-feira, 8 de Agosto de 2005
Leituras

 Não consigo saber quando vi pela primeira vez livros aos quadradinhos. Lá em casa havia alguns destes.

  Interessei-me genuinamente pelo seu conteúdo por altura da 2ª ou da 3ª classe (antes disso acho que pensava que serviam para arrancar folhas e testar canetas Bic). Mas só pelos bonecos, as letras ainda davam muito trabalho. Porém, chegado à 4ª classe lá lia toda a conversa com sotaque inscrita nos balõezinhos.
  Mas o pior estava para vir.
  O meu irmão, que enveredara pela idade do armário, namorava uma moça que decidiu fazer de mim um juvenil. No Natal de 76 recebi deles uma prenda decepcionante:
  - Um... livro?! - balbuciei.
  - É dos Cinco - disse ela. E sorrindo perguntou - conheces?
  - Não.
  - É para leres, ouviste! - disse o autoritário do meu irmão.
  Fiquei aflito. Abri o livro e em quase 100 folhas voando debaixo do meu polegar não vi senão meia dúzia de ilustrações. Era palavreado a mais. Com tão poucos bonecos eu não ia conseguir perceber a história sem ler. Como sabia que eles me perguntariam algo sobre o livro, não tinha remédio senão ler aquilo.
  - Leio um bocadinho por dia - pensei - se me perguntarem, não há muito a dizer.
  No dia de Natal li o primeiro capítulo (e aprendi que o livro se dividia em capítulos).
  - Então, gostas do livro?
  - É. Já li um capítulo.
 Durante quatro dias a cena foi a mesma. Eu aflito e eles percebendo...
 No dia a seguir, que era quarta-feira, os Cinco salvaram o tio e... eu. Fora uma fabulosa aventura por passagens secretas no castelo da ilha Kirrin. Os espiões foram presos e o tio Alberto fez grandes descobertas científicas. E eu tinha acabado o livro!


Enid Blyton, Os cinco salvaram o tio, Lisboa, Emp. Nac. de Publicidade, 1974.

 Quando o meu irmão chegou do namoro perguntei-lhe se a namorada tinha muitos livros dos Cinco.
  - Eu peço-lhe para ela te emprestar os dela - e sorriu.

 Em 1978 deu Os Cinco na televisão
. .
 [A recordação foi inspirada por isto.]



Escrito com Bic Laranja às 22:29
Verbete | Comentar | Comentários (5)

Domingo, 7 de Agosto de 2005
Mundo dos negócios

Guindaste de Lego
Em 1972 ou 1973 comecei a trabalhar na construção. Não tinha muita experiência no ramo mas o mano mais velho ia dando alguma ajuda. Ele na altura dedicava-se principalmente aos transportes; só não me recordo bem se conduzia o camião dos congelados se o do leite.

Camião das bilhas Camião de Lego
Pouco depois passei eu a controlar os transportes e a construção até que os transmiti a um sobrinho que já se reformou do negócio.



Escrito com Bic Laranja às 21:35
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Brumas de pouca dura

Esta noite a Praia das Maçãs ameaçava esconder-se nalguma névoa.

No regresso, depois do café, a bruma dissipara-se.



Escrito com Bic Laranja às 01:03
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Sábado, 6 de Agosto de 2005
Queijo saloio

Uma alternativa radical à moderna publicidade.

Queijo saloio
Desenho de Alice Rey Colaço.
Litografia da Papelaria Guedes, Lisboa, [191...], nº 139 daqui...


[Quem souber entoar o pregão fica encarregue de publicá-lo.]



Escrito com Bic Laranja às 18:28
Verbete | Comentar

Cousas e lousas

 


« Os feitos não se fizeram só para ficar na história para brilho e fama que cobriam de renda alguns descendentes dos heróis. Os feitos fizeram-se para a conquista do comércio, embora este não figurasse na árvore genealógica ou nas lousas sepulcrais.»

António Borges Coelho noutro contexto (ou talvez não).

 Passado o tempo dos heróis, tanto faz que os feitos sejam heroicos ou infames. Sejamos corajosos e assumamos a lei do mercado como Constituição. Eu possuo algumas lousas sepulcrais anunciando já: aluga-se este espaço.
[A despropósito: alguém sabe quanto acrescenta um incêndio ao produto interno, incluindo-se a indústria das notícias?]

 



Escrito com Bic Laranja às 13:01
Verbete | Comentar | Comentários (4)

OH2
A notícia foi dada mais ou menos neste termos: "A campanha d' [um tal canal de notícias] pode ter contribuído para a redução do consumo de água no Algarve."

[Se o tal canal não tem contribuído para... teríamos notícia do consumo de água naquele reino?]


Escrito com Bic Laranja às 11:26
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Quarta-feira, 3 de Agosto de 2005
Contraponto


Escrito com Bic Laranja às 22:08
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Ícone
Torre de Belém © 2005


Escrito com Bic Laranja às 22:04
Verbete | Comentar

Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----