Quarta-feira, 31 de Maio de 2006
Por falar em Perna de Pau...
 Num tempo menos superlativo, hiper era exagero inusitado; mega, grandeza pouco ligada a vulgaridadesSuper era o máximo que havia.


Um cão com 30 anos.

[Descontando a publicidade, provavelmente o melhor gelado do mundo.]


Escrito com Bic Laranja às 22:38
Verbete | Comentar | Comentários (14)

Segunda-feira, 29 de Maio de 2006
Perna de Pau

Seguindo mais um tanto na estrada chegamos a um lugar conhecido:

« Para além da linha férrea [...] à dir., a Perna de Pau, um dos sítios mais frequentados das hortas alfacinhas, com o seu registo de azulejos embebido na fachada da casa, a sua nora gemedora e o seu panorama característico de arrabalde lisboeta, onde perdominam o olival e o verde claro das terras de regadio.
   Este local de tradições de boémia e estúrdia de há 50 anos, nele se têm feito desgarradas à guitarra e esperas de touros, com todo o pitoresco destes folguedos.» (1)

Perna de Pau, Areeiro (P.Guedes, c. 1900)
Retiro da Perna de Pau junto ao apeadeiro do Areeiro, estrada de Sacavém, c. 1900.
Fotografia de Paulo Guedes, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

 A explicação do curioso nome é dada por Pastor de Macedo e Matos Sequeira em A Nossa Lisboa; Marina Tavares Dias é quem no-lo diz:

« Quem [...] deu nome à saudosa Orta [sic] da estrada de Sacavém foi a sua proprietária, a obesa Gertrudes, que em 1833 geria aquela locanda dos subúrbios. E a perna perdeu-a ela por via de um tiro de escopeta.
   A dita Gertrudes seria afeiçoada ao liberais e, quando as tropas miguelistas estavam perto dos limites de Lisboa, negou água, no seu retiro, aos soldados. Um miliciano abriu fogo atingindo uma das pernas da Gertrudes. Amputada a perna, foi depois substituída pela de pau.» (2)

Perna de Pau, Areeiro (C.A.Lima, c. 1900) 
Idem. Fotografia de Alberto Carlos Lima in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

 A romaria dos lisboetas às hortas começava no primeiro domingo depois da Páscoa e ia até meados do Outono. De Arroios à Portela havia inúmeros retiros: Miguel do Café, José dos Patacos, Basalisa, Tanoeiro, António Cara Larga, Perna de Pau, o António Zé, o Mantas, o Fadista &c. (3).
 Desta Gertrudes, obesa e com uma perna de pau, sabemos pela evocação que os Amigos de Lisboa fazem de Tinop, que fazia o melhor peixe frito, acompanhado de salada de alface que se comia em Lisboa (4). Consta que as pescadinhas de rabo na boca chiavam tardes inteiras na sertã.

Retiro da Perna de Pau, Areeiro (E. Portugal, 1939)
Retiro da Perna de Pau junto ao apeadeiro do Areeiro, estrada de Sacavém, 1939.
Fotografia de Eduardo Portugal, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

 Em 39 já o casal não ostentava a inscrição de azulejo na fachada nem o candeeiro à esquina da Azinhaga da Fonte do Louro. Sinal do que se avizinhava: a compra da quinta da Perna de Pau a José António da Silva para prolongamento da Av. Almirante Reis [i.e. Gago Coutinho] deu-se em 4 de Abril desse ano. Não sobrou nada da quinta. É como diz Marina Tavares dias: Lisboa cresceu além do que jamais se imaginou [e] entretanto parece também ter perdido a alma.
 E os colares de pinhões.


(1) Raúl Proença, Guia de Portugal, 1.º v., Generalidades; Lisboa e arredores, 1ª ed., B.N., Lisboa, 1924, p. 269 [Reed. da Fundação Calouste Gulbenkian, imp. 1991].
(2) Marina Tavares Dias, Lisboa Desaparecida, [v. 1], 2.ª ed.,Quimera, Lisboa, 1987, p.133.
(3) Idem, p. 131.
(4) Olisipo: boletim do "Grupo Amigos de Lisboa", n.º 149, 1986 (agradeço ao Paulo Cunha Porto a informação).



Escrito com Bic Laranja às 16:08
Verbete | Comentar | Comentários (20)

Sábado, 27 de Maio de 2006
As vizinhas

  — Ali o senhorio do 316, — dizia a vizinha encostada ao umbral, lenço preto na cabeça — o dr. Barroca, veio cá na outra semana com uns senhores que parece eram da Câmara.
 Com as mãos atrás das costas, fitando com olhar vago o fim da rua, como que suspirou a que lhe estava diante:
 — Diz que querem fazer a tal praça com arranha-céus aqui por cima, na quinta da D. Rita, não é verdade?
 — Disso não sei. Ouvi foi à Ti Altina que iam pôr uma estrada nova para a Portela mesmo onde é a casa dela aí defronte. Olhe! Nem sei onde haveremos todas de ir parar!...
 — Quem disse dos arranha-céus — meteu-se uma que estava à beira do passeio — foi o sr. Albino da loja lá em baixo, o outro dia que lá fui. Diz que foi o conde, que passou lá na loja e lho contou.
 — Pchst! Olha que lá vem gente — interrompeu da estrada a que não se vestia de luto.

Areeiro visto da quinta do João do Outeiro, Lisboa (E. Portugal, 1945)
Av. Manuel da Maia [e terras da quinta do Areeiro]. Lisboa, 1945.
Fotografia: Eduardo Portugal, in Arquivo Fotográfico da C.M.L.


Nota: a panorâmica foi tirada para nascente, segundo me parece, desde próximo da vacaria do João do Outeiro; a estrada que corta a imagem deve ser um arruamento da actual Praça de Londres; a outra estrada que se desenha para ligar aos prédios é a Av. de Paris; o que se urbaniza lá longe é o troço final da Av. Almirante Reis acima da Praceta João do Rio; identifico os primeiros números da Av. de Paris e entre eles o nº 256 da Almirante Reis na esquina com a Rua Actriz Virgínia; o pitoresco aqueduto da antiga quinta do Areeiro deu lugar aos logradouros entre a Av. de Paris e a João XXI.



Escrito com Bic Laranja às 14:00
Verbete | Comentar | Comentários (19)

Sexta-feira, 26 de Maio de 2006
Bela Vista

 Neste Areeiro onde vagueio tomo agora a calçada que sobe ao Casal Vistoso. A meio da rampa este panorama: aqueles montes de olival disperso parecem-me meia-dúzia de cabelos mal semeados. Isso e aquelas encostas a pique são inconfundíveis: sabem-no concerteza os que passam hoje na Gago Coutinho ou na Estados Unidos da América. Estendei os olhos por essa quinta da Bela Vista quase 70 anos antes de ser parque festivaleiro. Notai outrossim o vale adjacente perdendo-se com ela no horizonte em vésperas da avenida do aeroporto.

Qta. da Bela Vista e vale adjacente, Areeiro (E.Portugal, 1938)
Areeiro, direcção da Portela de Sacavém, Lisboa, 1938.
Fotografia de Eduardo Portugal, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..


 Quem estranha não haver betão? Eu não!



Escrito com Bic Laranja às 19:19
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Quarta-feira, 24 de Maio de 2006
Colares de pinhões

 Comentava o meu bom amigo Fernando C. uns metros ali mais atrás algo que me aguçou o apetite:
 - Será que é aqui nesta mercearia que os vendem, ou...


Areeiro, Lisboa (E.Portugal, 1938)
Areeiro, Lisboa, 1938.
Fotografia de Eduardo Portugal, in Arquivo Fotográfico da C.M.L.

- Ou é melhor perguntar ali às vizinhas?



Escrito com Bic Laranja às 21:50
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Terça-feira, 23 de Maio de 2006
O velho lugar do Arieiro

 Com os pés firmes no chão intimo Cronos a recuar mais um pedaço. Forço o caminho para Norte pela esquecida azinhaga para dar com um destino: o velho Arieiro. O lugar arrabaldino de hortas e antigos folguedos era uma rua comprida num troço da estrada que vinha de Arroios. Em Janeiro de 1939 Lisboa chegava-lhe candidamente de eléctrico.

Arieiro, Lisboa (E.Portugal, 1938)

 Este Arieiro enamorou-se da fidalguia do Casal Vistoso; estendendo-lhe um braço ali foi ficando. Nunca se quis vestir de arranha-céus. Muito esfarrapado, toma hoje-em-dia abrigo na decadente Rua Alves Torgo, contemplando a velha quinta fidalga, seu antigo amor lá no alto.

 


Fotografia de Eduardo Portugal, no Arquivo Fotográfico da C.M.L.

(Revisto em 1/10/15.)



Escrito com Bic Laranja às 06:30
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Segunda-feira, 22 de Maio de 2006
Máquina do tempo

 Imagine-se o benévolo leitor na Rua Carvalho Araújo, no lugar daquela camioneta de anteontem; volte as costas à Penha de França (por agora). Feche os olhos!
 Deixe-se levitar: eleve-se na vertical até c. de 300 m. de altitude.
 Abra os olhos!
 Eis! Saiba que por cada 50 m. de altitude recuou mais ou menos 10 anos.


Alameda e Areeiro, Lisboa (A. Nunes, c.1950)
Fotografia aérea da alameda de D. Afonso Henriques e Areeiro, Lisboa. c.1950.
Fotografia de Abreu Nunes, in Arquivo Fotográfico da C.M.L.

 No início dos anos 50, cá está a Alameda resplandecente. A N dela, entre a Rua Barão de Sabrosa e o Areeiro, tudo bem urbanizadinho. Mais longe, os lados NO e N da praça do Areeiro estão por edificar. A partir daí, vê-se a Av. do Aeroporto, a Pe. Manuel da Nóbrega também; ambas com poucas edificações em redor. O cenário campestre a NE, além da Rua Barão de Sabrosa, há-de manter-se assim até c. de 1980.
 Trouxe-vos a esta panorâmica para vos dar ideia como a Rua Abade Faria coincide, no troço a N da Alameda, com a esquecida Azinhaga do Areeiro (indicada a cor-de-laranja). Esta, no seu troço final, após encontrar a Rua Barão de Sabrosa, inflectia para NO entroncando com a velha estrada de Sacavém (a encarnado) aproximadamente onde hoje é nº 1 da Av. Afonso Costa. Daí para diante era o velho lugar do Areeiro.



Escrito com Bic Laranja às 12:43
Verbete | Comentar | Comentários (10)

Sábado, 20 de Maio de 2006
A Azinhaga do Areeiro

 Há perto de um ano rondava eu aqui o Areeiro.
 Não maginando onde seria a Azinhaga do Areeiro, cuidava que dizendo-o publicamente daí poderia advir alguma ajuda.
 Não foi o caso, mas acabei por descobrir que onde jaz dita Azinhaga do Areeiro temos hoje a Rua Carvalho Araújo e a sua continuação além da Alameda, que é a Rua Abade Faria.
 Ora na véspera de rondar pelo Areeiro, há perto de um ano, sem imaginar ainda onde seria a tal azinhaga, eu próprio publicara uma fotografia da Rua Carvalho Araújo sob outros olhares...
 É curioso!

Rua Carvalho Araújo, Lisboa © 2004
Rua Carvalho Araújo vendo-se a Penha de França, Lisboa, 2004.



Escrito com Bic Laranja às 11:03
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Quinta-feira, 18 de Maio de 2006
Código

N mega-edições noticiosas Da Vinci revelaram-me o verdadeiro código.

 A chave «oculta-se» no título do objecto e no objecto desígnio da editora.



Escrito com Bic Laranja às 13:01
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Terça-feira, 16 de Maio de 2006
A telefonia

 Salvo erro, foi prenda de casamento dos meus pais. Até finais dos anos 70 não me recorda doutra telefonia lá em casa. Nessa época a minha mãe dizia:
 -- Para quê outra se esta dá música moderna e toca alto?


Schaub Lorenz Viola 56 III Type 3227 (OM OC1 OC2 OC3)
Foto: www.radiosantigos.com.


 Tina Charles - I Love to Love



Escrito com Bic Laranja às 21:26
Verbete | Comentar | Comentários (14)

Domingo, 14 de Maio de 2006
Robinson Crusoe

 - Eles chegar, patrão! Eles ja cá estar! - gritava.
 Precipitei-me para o exterior [...]

Condor de Vilamoura
O Condor de Vilamoura observado desde a falésia, Algarve, 2006.

 - Patrão - perguntou-me o Sexta-Feira -, homens inglês também comer prisioneiros?



Escrito com Bic Laranja às 16:51
Verbete | Comentar | Comentários (10)

Sábado, 13 de Maio de 2006
Espólio de Bizâncio (cont.)

 A igreja de São Salvador de Chora (mesquita Kariye) tem dos mais belos mosaicos [e] frescos e bizantinos. As primeiras fundações da igreja são do séc. VI mas a decoração é de 1316-21. Chora (Cora) significa campo e a fotografia mais abaixo ainda aparenta o que o nome sugere.
 Os otomanos acrescentaram-lhe um minarete e transformaram-na em mesquita.


Mosaico da genealogia de Cristo na cúpula do nártex int., Museu de Chora, Istambul (foto: Dimitri B.)

000rtwrh
Mesquita Kariye (Igreja de São Salvador de Chora), Istambul, [s.d.].
[Fonte: Universidade de Columbia.]



Escrito com Bic Laranja às 00:03
Verbete | Comentar | Comentários (7)

Sexta-feira, 12 de Maio de 2006
Regimento balnear (revisto)

 No projecto de lei das multas com bandeira encarnada terão que estar inequivocamente regulados vários procedimentos, como p.ex.: tomar banho é ao molhar um pezinho ou é preciso ter água mais acima? Sim, porque é preciso saber como e o que se deve multar. Assim sendo, é certo (estou seguro) que a lei regerá bondosas excepções relativas ao desporto na praia, a saber: um surfista pode surfar com bandeira amarela ou deve ficar vagueando deitado na prancha? Será permitido ir buscar a bola das raquetas à água? Um pescador com galochas pode lançar a linha ou pode só apanhar conquilha na maré baixa? Etc. etc.
 E nem duvido que lá estará devidamente regulado se os banheiros ou os securitas, sonasas (quiçá mesmo funcionários da E.M.E.L.), virão a ser arvorados polícias marítimos nas praias concedidas, quero dizer, concessionadas, a fim de multarem os banhistas.
 Eu não li o projecto de lei mas é com simples bom senso que se deduz logo tudo isto...

Banhistas no Tejo (A.C.Lima, s.d.)
Banhistas na margem do Tejo, Trafaria, [s.d].
Fotografia de Alberto Carlos Lima, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

 Ia-me esquecendo: aos infractores que persistam em infringir esta lei ser-lhes-á colocado um bloqueador de rodas na toalha.



Escrito com Bic Laranja às 12:56
Verbete | Comentar | Comentários (9)

Quinta-feira, 11 de Maio de 2006
Espólio bizantino
Santa Sofia (Istambul, 2006)
Άγια Σοφία
Santa Sofia, Istambul, 2006.



Escrito com Bic Laranja às 07:32
Verbete | Comentar | Comentários (10)

Segunda-feira, 8 de Maio de 2006
Fado iberista (dedicado a ministros sem 'salero')

Amália Rodrigues: Povo que lavas no rio


Música: Fado Victoria
Letra: Pedro Homem de Mello
Versos de Segunda (jeito de jj)



Povo que lavas no rio
E talhas com o teu machado
As tábuas do meu caixão.
Pode haver quem te defenda
Quem compre o teu chão sagrado
Mas a tua vida não.

Fui ter à mesa redonda
Bebi em malga que me esconde
O beijo de mão em mão.
Era o vinho que me deste
A água pura, fruto agreste
Mas a tua vida não.

Aromas de urze e de lama
Dormi com eles na cama
Tive a mesma condição.
Povo, povo, eu te pertenço
Deste-me alturas de incenso,
Mas a tua vida não.

Povo que lavas no rio
Que talhas com o teu machado
As tábuas do meu caixão.
Pode haver quem te defenda
Quem compre o teu chão sagrado
Mas a tua vida não.

 






 
 







Fotografias: Eduardo Gageiro.

Miradouro de S. Pedro de Alcântara, Lisboa (E. Gageiro, 1957)
Campo Pequeno, Lisboa (E.Gageiro, 1970)
Amália em Alfama, Lisboa (E.Gageiro, 1971)

Adenda:

M. C. Bic Laranja,
 A propósito do teu blogo, falava com o noso amigo ex-campeão da lusa língua a propósito do fado da Amália, do poema e da música. Dizia-me ele que a música era do Alan Oulman e eu dizia que não. Após investigar, ele concluiu que a música é da autoria de um fadista dos finais do séc. XIX, de sua graça Joaquim Campos. Para que conste.

(Enviado por Adelino Silva em 09/05/06 às 07:51 PM.)

[Respondendo:]
[...] ou que “Povo que lavas no rio” não é senão a designação por que a mesma Amália transformou em êxito o “Fado Vitória” de Joaquim Campos, desta feita justapondo-lhe um poema de Pedro Homem de Mello.
«
Fados Tradicionais» in O Fado do Público
.



Escrito com Bic Laranja às 08:24
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Domingo, 7 de Maio de 2006
A outra estrada ordinária

Afinal o Portugal Maior resume-se num termo: Olivenza.




Escrito com Bic Laranja às 23:04
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Sábado, 6 de Maio de 2006
Albertina, chegámos bem

 [...] 26.3 km Sintra.


Albertina

« Sintra, vila de 7979 hab., sede de conc. e de com., sit. a uma alt. de 207 m. na vertente N. da Serra de Sintra, numa situação admirável de beleza e de pitoresco, é uma das estâncias do país mais frequentadas durante a estação calmosa e um dos centros de turismo de maior fama em toda a Europa.»
Nº 25 Cintra, (ed. Marques, c. 1910)

Excerto: Raúl Proença, Guia de Portugal, 1º v., Generalidades; Lisboa e arredores,  1ª ed., Lisboa, B.N., 1924, p. 493. [Reed. da Fundação Calouste Gulbenkian, imp. 1991, que reproduz fielmente a 1ª ed. de 1924].




Escrito com Bic Laranja às 08:21
Verbete | Comentar | Comentários (10)

Sexta-feira, 5 de Maio de 2006
24,8 km S. Pedro

 Pela estr. ordinária...

S. Pedro de Sintra (A. Passaporte, c.1950)


Fotografia: autoria e edição de António Passaporte (c. 1950).

 



Escrito com Bic Laranja às 20:40
Verbete | Comentar | Comentários (2)

O Ramalhão

O RamalhãoGuia de Portugal


 Guia de Portugal, vol. 1 (p. 562).




 



Escrito com Bic Laranja às 19:54
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Terça-feira, 2 de Maio de 2006
Ala que se faz tarde!

 Pela estr. ordinária: [...] 13.7 km Massamá; 14.8 km Papel; 16.9 km Cacém; 19.8 km Rio de Mouro; 23,7 km Ramalhão (entr. com a estr. de Cascais a Mafra) [...]

Estrada do Ramalhão, Sintra (Eduardo Portugal, 1924)

Estrada do Ramalhão, Sintra, 1924.
Fotografia de Eduardo Portugal, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 16:58
Verbete | Comentar | Comentários (7)

Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

13
15
17

18
19
20
21
24

25
26
27
28
29
30


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----