Sábado, 30 de Setembro de 2006
O Socorro

A Rua da Palma é... era - vendo aqui do lado oposto ao do Tio Zé Lapa - à esquerda da igreja do Socorro, por onde se vêem os eléctricos. À direita da igreja havia o largo do Socorro e daí partiam acompanhando a direcção da Rua da Palma, a Rua das Atafonas e a Rua do Socorro. Ainda me lembro de perceber os contornos vagos destas ruas, com umas casas muito velhinhas e feias a poente, que eu lá via desde a Rua da Palma em passando no 17 para Belém, para a praia da Trafaria. Nessa altura eu confundia a Rua da Palma com o Largo do Martim Moniz, mesmo apesar das explicações da minha mãe. Mas aquele desenho das ruas das Atafonas e do Socorro, eu percebia-lhe uma outra identidade.
 As demolições da Mouraria começaram em 48 (*), salvo erro. Lá mais ao fundo da Rua da Palma vemos daqui uma parte já demolida; perto donde era o arco do Marquês do Alegrete. Todo [Salvo a igrejinha da Senhora da Saúde] todo o quarteirão nascente, que ali vemos meio encoberto pela árvore, mais a igreja do Socorro e mais as casas adjacentes, veio tudo abaixo. Da compensação do Estado ao patriarcado pela demolição daquela igreja do Socorro edificou-se a igreja de São João de Deus na freguesia desse nome na cidade de Lisboa.

Igreja do Socorro, Mouraria (E. Portugal, 1949)
Estaleiro de demolição da Igreja do Socorro, Lisboa, 1949.
Fotografia de Eduardo Portugal, in Arquivo Fotográfico da C.M.L.

 Aí mais em baixo está retratado o Largo do Socorro e os quarteirões entre a Rua da Palma e a do Socorro num dia tristonho e sendo a igreja do Socorro já demolida. Sabendo o que foi, dá-me a maior tristeza ver o enxerto pseudo-paisagístico dos anos 90 que é o Martim Moniz actual. Hoje aquele pedaço de Lisboa castiça é terra queimada e deitada de novo aos mouros.


Largo do Socorro, Mouraria (J. Benoliel, 195-)
Largo do Socorro
, Lisboa, c. 1950.

Judah Benoliel in Arquivo Fotográfico da C.M.L.


Nota: a quem se interessar pelo tema há uma exposição no Arquivo Fotográfico da C.M.L. até 21/11/2006, com entrada livre. Se não puder ver, cf. os três primeiros capítulos do 1º volume da Lisboa Desaparecida de Marina Tavares Dias (Quimera, 1988).

(*) O plano do arq. Faria da Costa foi apresentado em 48, as demolições já estavam em curso pelo menos desde 39.



Escrito com Bic Laranja às 00:01
Verbete | Comentar | Comentários (15)

Quarta-feira, 27 de Setembro de 2006
Tio Zé Lapa

  No tempo do bilhete operário o tio Zé Lapa ia e voltava do trabalho no carro eléctrico. Era também costume naquele tempo, à medida que o eléctrico seguia o seu percurso, o cobrador ir dizendo alto o nome dos sítios principais onde passavam.
 — SOCORRO! — avisava ele por alturas do Martim Moniz. — INTENDENTE! — dizia a seguir, a caminho de Arroios. — ANJOS! — E assim por diante.
  Vezes houve no regresso a casa que o tio Zé Lapa lhe dava tal moleza que se deixava dormir no eléctrico. Era um dormitar de orelha meia arrebitada, entremeado aqui e ali pelos pregões do pica-bilhetes. Numa daquelas vezes pegou no sono mal quase se sentou. Ouviu talvez um distante e sonolento «SOCORRO!» logo ali na Rua da Palma e ferrou a dormir. Quase que despertou, ao depois, com um sonoro «ANJOS!». Mas sem abrir os olhos só se ajeitou no banco para prolongar a soneca até Arroios. 
  — INTENDENTE!
 Mau!... Intendente?! Ali o tio Zé Lapa esbugalhou pela janela os olhos estremunhados. Que diabo! O carro eléctrico já ia de volta; descia em boa marcha a Rua da Palma! Saltou do atribulado eléctrico mal ele estacou no sinaleiro da Rua São Lázaro. Apressado, atravessando a rua, deu notícia do pica-bilhetes o fitar anunciando aos passageiros:
  — SOCORRO!

Rua da Palma, Lisboa (E. Portugal, 194...)
Rua da Palma, Lisboa, s.d..
Foto de Eduardo Portugal.

  Naquele dia o tio Zé Lapa chegou mais tarde para jantar. Nunca se convenceu que a sopa tardia não tivesse um saibo de malícia de pica-bilhetes.



Escrito com Bic Laranja às 21:36
Verbete | Comentar | Comentários (16)

Segunda-feira, 25 de Setembro de 2006
Av. Almirante Reis

Av. Almirante Reis, Lisboa (E.Portugal, 1938)
Av. Almirante Reis junto ao cruzamento com a Rua dos Anjos, vendo-se o antigo Cinema Lys, Lisboa, 1938.

« Do nosso tempo é a grande artéria de Almirante Reis, que sucedeu na designação, como tenho dito, à Avenida de D. Amélia: tem 40 anos incompletos. É uma linha urbana de primeira categoria, sem história, que começou a rasgar-se tìmidamente no final do século passado. Obedeceu a um plano, e por esta circunstância oferece o esplendoroso aspecto citadino que se lhe nota.
  Assim fôsse sempre em Lisboa.»

Norberto de Araújo,  Peregrinações em Lisboa, vol. IV, 2ª ed., Lisboa, Vega. 1992, p. 73.

Av. Almirante Reis, Lisboa (E.Portugal, 1938)
Av. Almirante Reis no entroncamento com a Rua Maria Andrade, Lisboa, 1938.

 

  Estas fotografias de Eduardo Portugal dão ideia certa da Almirante Reis na época das Peregrinações de Norberto de Araújo em Lisboa (1ª ed. 1939). Era plantada de ulmeiros, rasgando uma nova serventia de Lisboa para N. desde o cimo da Rua da Palma até ao Hospital de Arroios. À Av. Almirante Reis e aos bairros adjacentes, de sempre faltou a finura das Avenidas Novas. Todavia encheu-se veloz de prédios de rendimento, povoando-se de gente e comércio. Em 39 ainda não havia autocarros em Lisboa mas a Almirante Reis era servida de muita carreira de carros eléctricos (1). Noto a curiosidade de os da carreira do Arco do Cego seguirem naquele tempo pela Rua dos Anjos; só os conheci circulando pela de Febo Moniz, ao Bairro das Colónias; hoje em dia, nem numa nem noutra!
  Outra curiosidade que podeis ver abaixo é o carro eléctrico adiante da camioneta que parece não chegar para a encomenda.
  A Rua dos Anjos, partindo do Largo do Intendente e entroncando na Rua de Arroios no lugar de Santa Bárbara, corresponde a um velho caminho que levava ao Areeiro: do largo de Arroios até ao Areeiro era a estrada de Sacavém; mais tarde chamaram-lhe Rua Alves Torgo. Os troços inicial e final desta rua ainda existem. Com a Av. Almirante Reis a Rua dos Anjos e todo o velho caminho que se lhe seguia perderam importância.
  Entretanto a Av. Almirante Reis perdeu graça e desafogo.

 

Av. Almirante Reis, Lisboa (E.Portugal, c. 1943)
Av. Almirante Reis [cruzamento com a Rua dos Anjos], Lisboa. [c. 1943].

 


(1) Segundo Raul Proença (Guia de Portugal, vol. 1, Lisboa e Arredores, Lisboa, B.N.,1924, pp. 164, 165), a Av. Almirante Reis era servida nos anos vinte pelas carreiras de carros eléctricos Belém-Av. Almirante Reis, Alcântara-Alto do Pina (troço final pela Rua Morais Soares), Rossio-Areeiro (troço final depois de Arroios pela Rua José Falcão e Estrada de Sacavém ou Rua Alves Torgo) e Santo Amaro-Arco do Cego (depois dos Anjos pelas ruas dos Anjos, de Passos Manuel, de Pascoal de Melo e de D. Estefânia).
Fotografias: Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 07:32
Verbete | Comentar | Comentários (13)

Sexta-feira, 22 de Setembro de 2006
Iniciativa

 Trânsito já é mais estar parado num engarrafamento que sinónimo de gentes em marcha. Daí, talvez o recurso ao vocábulo mobilidade como atributo duma semana para brincar à liberdade de movimento da gente urbana.
 Um contra-senso é haver na dita semana da brincadeira um dia sem carros. Ora não é o automóvel (logo por definição) um dos meios que dá maior mobilidade? Ele acrescenta aos humanos velocidade sem esforço; estende-lhes o alcance sem os cansar; leva-os de porta-a-porta (nalguns casos quase à sala de jantar) com maior comodidade e sem mistura com estranhos. Torna-se pois acintoso, numa semana crismada da mobilidade, impedir às gentes o trânsito em automóvel, esse insofismável paradigma da mobilidade, na Rua de S. Sebastião, por exemplo, permitindo aí, porém, o trânsito em veículos de inferior potencial de mobilidade (trotinetas, burricos e humanos... a pé). No limite, hoje, dia europeu sem carros, até um carro de bois (que não deixa de ser um carro, pois então) poderia descer a Rua de S. Sebastião. Um automóvel é que não.
 Toda esta palermice (a da iniciativa, não a que escrevo) demonstra bem o empenho em fazer das gentes imbecis com pantomimas que parece bem (leia politicamente correctas, se preferir). Outra palermice (a que escrevo) não passa de fraca ironia. A mobilidade (ou a falta dela) é tão só um sintoma de avidez, preguiça e estupidez. A doença do dia europeu sem carros é a ganância imoral dos edis; é o desmando do imobiliário; é o enxotar cidadãos para os arrabaldes; é a preguiça de planear a cidade; é enfim, a falta de tino para sequer pensar que as pessoas não deviam morar longe do trabalho. Coibir o uso do carro particular nem chega a ser paliativo; nas actuais circunstãncias é no mínimo fazer pouco da gente.


Parque Florestal do Monsanto, assinatura do projecto [com o presidente Carmona e o engº Duarte Pacheco], 1938.
Fotografia de Mário de Novaes, in Arquivo Fotográfico da Câmara Municipal de Lisboa.

 
Mas vendo este desmazelo, o melhor é esquecer. Este assunto é perda de tempo.



Escrito com Bic Laranja às 22:22
Verbete | Comentar | Comentários (9)

Quinta-feira, 21 de Setembro de 2006
Pê de...

 Piloto e navegadora tomaram o caminho às oito, em carro próspero. Experiente no ofício a navegadora atirou:
 - Ás nove e meia acorda-me.
Sabia o que fazia. Ia Pretendia avisar a produtividade que havia um atraso no progresso; que Lisboa e arredores eram um imenso parque de estacionamento.
Na restante metade do caminho a prosperidade de todos ainda reteve o progresso mais uma hora e meia.



Escrito com Bic Laranja às 17:15
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Quarta-feira, 20 de Setembro de 2006
Saudade do Verão?

Descubra as diferenças...
[E a fotomontagem, se tiver paciência.]

Três Ursos, Praia da Rocha (Portimão, c.1974)
Três Ursos, Praia da Rocha, c. 1974.
Edições FISA, Barcelona.



Escrito com Bic Laranja às 21:58
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Segunda-feira, 18 de Setembro de 2006
Regresso às aulas
 

Fado do Estudante (Fado do Vasquinho)


Que negra sina ver-me assim
Que sorte vil, degradante
Ai que saudades eu sinto em mim
Do meu viver de estudante

Nesse fugaz tempo de amor
Que do rapaz é o melhor
Era um audaz conquistador das raparigas,
De capa ao ar cabeça ao léu
Só para amar vivia eu... sem me ralar
E tudo mais eram cantigas

Nenhuma delas me prendeu
Deixá-las eu era canja!
Até ao dia em que apareceu
Essa traidora da franja

Sempre a tinir
Sem um tostão
Batina a abrir, por um rasgão
Botas a rir, um bengalão
E ar descarado
A vadiar com outros mais
Ia dançar p’ros arraiais...
P’ra namorar, beber, folgar, cantar o fado!

Recordo agora com saudade
Os calhamaços que eu lia,
Os professores, a faculdade
E a mesa de anatomia

Envolto em mim
Recordações que não têm fim
Dessas lições, frente ao jardim
Do velho Campo de Santana
Aulas que eu dava
E se eu estudasse
Onde ainda estava, nessa classe...
A que eu faltava 7 dias por semana!

O fado é toda a minha fé
Embala e canta e inebria
Pois chega a ser bonito até
Na radiotelefonia

Quando é tocado com calor
Bem atirado e a rigor
É belo o fado
Ninguém há que lhe resista,
É a canção mais popular
Tem emoção faz-nos vibrar...
Eis a razão de ser doutor e ser fadista.

Vasco Santana
In
A Canção de Lisboa
de Cottinelli Telmo
(1933)




Escrito com Bic Laranja às 21:01
Verbete | Comentar | Comentários (7)

Domingo, 17 de Setembro de 2006
Nas franjas do Verão

  Os humanos agem muito por mimetismo: fazem tudo da mesma maneira, nos mesmos sítios e na mesma altura. Só deixam de o fazer para o continuarem fazendo: todos juntos, no tempo e no modo da moda seguinte.
 Adiante.
 Regalámo-nos ontem na praia do Creiro, no Portinho da Arrábida. Haver poucos humanos devolve beleza a certos lugares: do majestoso anfiteatro da serra descia ontem uma silenciosa calma sobre o palco azul forte, sem rebentação. A praia estava em sossego e o incerto ritmo da brisa, vazio de vozes, enchia-se dum apetitoso aroma a peixinho na brasa...
 É engraçado ver os efeitos desta sorte de coisas na psique (psicose) da gente: o mar convidou a longas braçadas e nunca se lhe sentiu o frio; o jantar foi o que se adivinha.

Vista do Creiro
Serigrafia de Rogério Chora



Escrito com Bic Laranja às 13:19
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Quinta-feira, 14 de Setembro de 2006
Antão

 Tinha eu em pequeno o hábito de dizer 'atão' em vez de 'então'. A vizinha Vicência que era do Alentejo e não sabia as letras dizia 'antão'. Julgo que achava a minha mãe que a vizinha Vicência teria mais razão, pois corrigia-me assim quando eu dizia mal:

Antão era pastor
E guardava gado
Tinha um nódoa no corpo
De se encostar ao cajado.
Portugal. Paysants
Portugal: homens do campo, [Campo Grande - Lisboa], c. 1890-1910.
Foto: Charles Chusseau-Flaviens, in George Eastman House.


Escrito com Bic Laranja às 16:36
Verbete | Comentar | Comentários (16)

Quarta-feira, 13 de Setembro de 2006
O galego da mercearia

 A mercearia da esquina era dum galego meio antipático. A minha mãe não me mandava lá comprar nada mas as dos meus amigos às vezes mandavam. Entrasse eu com eles na mercearia só a acompanhar, lá vinha a pergunta do galego:
 - E o minino qué quer?
 - Nada. Vim só com ele.
 - Entom vai lá para fora!

 © 2004
 Certo dia mijaram-lhe nas hortaliças. Diz que foi um cão...



Escrito com Bic Laranja às 06:01
Verbete | Comentar | Comentários (17)

Segunda-feira, 11 de Setembro de 2006
Passagem de nível


Postal: edição de António Passaporte.



Escrito com Bic Laranja às 00:01
Verbete | Comentar | Comentários (12)

Sábado, 9 de Setembro de 2006
Rede 7

O autocarro 7 ou provavelmente o 7A no tempo em que os motoristas da Carris usavam chapéu.


Paragem de Autocarros, Lisboa - Calçada de Carriche, 1961.
Foto de Arnaldo Madureira in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 14:01
Verbete | Comentar | Comentários (9)

Passo-Social

 Quando a Carris me tratava como utente em vez de cliente... Como entrava e saía dos autocarros e passava da origem ao destino, nunca lá ficando, acho que era mero passageiro. Talvez por isso eu tinha um Passo e não um cartão de utente.
 Mas o futuro já não se organiza por módulos: ele trará um cartão-cliente com créditos (leia-se consumo mínimo) para múltiplo transbordo e a senha poderá até vir a ser uma palavra-passe.



 [Esta implementação tão virada para o cliente cheira-me a copianço oriundo de escolas de negócios.]



Escrito com Bic Laranja às 10:21
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Escola de virtudes

 Eu tirava negócios:
 «O problema está no facto de as escolas de negócios serem vistas como parte de um negócio.»

AESE
Não! Eu tirava escolas. É aviltante abuso chamar escolas a instituições onde se ensina uma espécie de ciência cujo método é o copianço - literalmente e em múltiplos sentidos - de casos em que, as melhores práticas de ganância e de rapacidade selvagem se justificam por mais-valias escandalosas.


Correio da A.E.S.E., nº 439, 15-6-2006.



Escrito com Bic Laranja às 08:17
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Sexta-feira, 8 de Setembro de 2006
Rio acima...

 Rui Veloso - Sayago Blues


Subo e desço este rio
De Miranda ao Araínho
Sob a torreira e o frio
Faço a escarpa brotar vinho

Sonhei que era o Mississipi
E que Mênfis era no Pinhão
Vindimando ao som de adufe
Bandolim e acordeão

Rio abaixo rio acima
A dar aos remos no rabelo
Rio abaixo rio acima
Sayago paira por cima
O sonho vira pesadelo

Vinha eu no meu caíco
A ouvir das águas do Douro
Velhas lendas de fronteira
Entre o cristão e o mouro

Quando vi um pescador
A olhar o rio inconsolável
Que é da enguia e do robalo
Da tainha e do sável

Rio abaixo rio acima
A dar aos remos no rabelo
Rio abaixo rio acima
Sayago paira por cima
O sonho vira pesadelo

Rio abaixo rio acima
A dar aos remos no rabelo
Rio abaixo rio acima
Sayago paira por cima
O sonho vira pesadelo

 


Carlos Tê / Rui Veloso
In
Rui Veloso ao Vivo
(1988)

 





-- Mas ainda há pescadores no Douro?



- Há pois!...
Mais Sayago Blues?



Escrito com Bic Laranja às 06:23
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Quinta-feira, 7 de Setembro de 2006
Folhetim
O circo 'reality show' à hora do jantar.

 Não perca!


Escrito com Bic Laranja às 22:18
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Quarta-feira, 6 de Setembro de 2006
O modo de produção

 De vez em quando o supermercado global das notícias menciona o rectângulo.
 Andam hoje os pregoeiros ufanando-se com a facilidade (segundo o Banco Mundial) de se criar empresas em Portugal. Isto é dito como sendo bom (e não digo que seja mau). Mas esta é uma certa noção das coisas que nos vai doutrinando: nas empresas, seja por uso amorfo do anglicismo, seja por assimilação das pessoas a meios de produção (lembra-vos o esclavagismo?), o pessoal já tão só é recursos humanos (pessoas objecto... de estudo duma certa espécie de ciência).
 Sucede assim que já ninguém pronuncia valor(es); ele há tão só mais-valias. E como parece - tudo o indica - que traz maior mais-valia parir uma empresa que parir uma criança, as pessoas manifestam desagrado...


Manifestação de desagrado ao Ministro do Interior, António José de Almeida, Lisboa - Calçada do Duque, 1911.
Foto: Arquivo Fotográfico da C.M.L..

De ir nascer na... longe.


Revisto às 4h22, às 6h52 da tarde e às 9h00 da noute. E chega.



Escrito com Bic Laranja às 12:03
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Domingo, 3 de Setembro de 2006
Vinhedos, sol radioso...

... locomotivas a vapor ao abandono e uma grua de água, seca. O Verão em Portugal.

Locomotivas a vapor, Régua (© P.Trotter: 1983)

Locomotivas a Vapor, Régua, 1983.
Foto (adaptada): cortesia de Phill Trotter.



Escrito com Bic Laranja às 21:11
Verbete | Comentar | Comentários (3)

Cópia Clonagem
Multibanco
Glutões do PrestoTenho cá na ideia que o freguês aí em cima é um clone dos glutões do Presto.



Escrito com Bic Laranja às 19:25
Verbete | Comentar | Comentários (9)

Sábado, 2 de Setembro de 2006
Ao redor da vila...

 Hoje, livro-me de maiores comentários. O presidente Loubet ficaria - sim senhor - de boca aberta.


Visita do presidente da República Francesa, Émile Loubet. D. Carlos, D. Luís Filipe e o infante D. Afonso à saída do palácio da Vila, Sintra, 1905.
Fotografia de António de Novaes.
(LISBOA. Câmara Municipal. Arquivo Fotográfico, António Novaes: 1903-1911, Assírio & Alvim, [Lisboa], 1996, nº 12.)



Escrito com Bic Laranja às 11:50
Verbete | Comentar | Comentários (10)

Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11

15
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----