Terça-feira, 31 de Outubro de 2006
1ª guerra com a balança


Escrito com Bic Laranja às 20:19
Verbete | Comentar | Comentários (10)

Domingo, 29 de Outubro de 2006
B1894TL, &c. (Tejo, anos 50)

 Carlos Paredes - Mudar de Vida (música de fundo)Embarcação (fragata ou varino) no rio Tejo

Embarcações [.i.e, 'Azáfama na Doca'] (varinos, fragata e cargueiro)

Rio Tejo visto da Rocha...

Embarcações no rio (varinos e lanchas fragateiras)


Fotografias de Helena Corrêa de Barros in Arquivo Fotográfico da C.M.L.
Música em www.anos60.com.



Escrito com Bic Laranja às 21:06
Verbete | Comentar | Comentários (12)

Sexta-feira, 27 de Outubro de 2006
Pro-Mater

 Procurou-me o meu bom amigo Fernando C. há tempo pela maternidade Pro-Mater. Se não haveria nada que a mostrasse. Na altura não lhe dei resposta conveniente. Ei-la em 1970 pela objectiva de João H. Goulart: Av. da República, nº 18. Outrora na esquina com a João Crisóstomo, agora no Arquivo Fotográfico da C.M.L..

Maternidade Pro-Mater, Lisboa (J.H.Goulart, 1970)



Escrito com Bic Laranja às 21:31
Verbete | Comentar | Comentários (22)

Quinta-feira, 26 de Outubro de 2006
Aculturação

 No Rádio Clube deu de manhã uma curta reportagem sobre a Escola António Sérgio no Cacém; sobre como ali se dão meninos de 18 nacionalidades.
 Sóbria e concisa, a jornalista focou a aculturação (na peça diz-se integração, mais corrente) dos meninos emigrantes, a normal curiosidade sobre a cultura uns dos outros e o modo natural de se darem assim todos. Ilustrou com depoimentos duma menina de Xangai, meia envergonhada por ser do campo lá na China; dum menino de Angola, com saudades da casa grande da avó; e se não me engano, duma menina da Roménia, que aprendeu com toda a facilidade o Português. Deu gosto ouvi-los exprimirem-se correctamente no nosso idioma.
 Inteligentemente, a jornalista Débora não maçou com folclore politicamente correcto que ficasse bem, muito na moda quando os temas dão para isso. Factos são factos, valem por si: meninos de 18 nacionalidades numa escola é um bom tema, não é preciso exagerar.
 Lembrou-me do Xan e do Fernando de Angola no meu tempo de liceu. Salientavam-se compreensivelmente pela etnia mas eram tão camaradas como os outros que jogávamos à bola nos intervalos das aulas. Naturalmente!

Estudo sobre o Vira
Aguarela de Roque Gameiro
em Luís Cabral .org



Escrito com Bic Laranja às 13:05
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Torrentes de Nabância

  Alguém sabe dalgum curso de vocabulário para intrépidos repórteres de marrafa e ar ultramoderno, daqueles com oculozinhos de aros estreitos e grossos em massa?
 O caso é que dantes instruíam-se os meninos na escola primária em dizer açude, represa ou comporta para designar aquelas vedações em cimento que represam as águas dum rio. Mas hoje em dia vejo que o Ensino se trabalha por justificar Formação até para... respirar.



Rio Nabão em Tomar, [s.d.].
Fotografia: Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 06:28
Verbete | Comentar | Comentários (5)

Quarta-feira, 25 de Outubro de 2006
Entrada solene na cidade (25 de Outubro)

 Em Junho de 1147 D. João Peculiar, arcebispo de Braga, num discurso que fizera aos mouros de Lisboa durante uma trégua aconselhara-os a pôr-se com as vossas bagagens, com haveres e pecúlios, com mulheres e crianças [...] a caminho da terra dos mouros de onde viestes, deixando a nossa para nós.
 Lisboa foi reconquistada pelos cristãos em Outubro daquele ano, mas quem viu ontem de manhã o engarrafamento pela José Malhoa abaixo até  Sete Rios por causa da quantidade de mouros no bairro da mesquita podia julgar que não.
 Vicissitudes da vida contemporânea de mouros e de moçárabes dos arrabaldes, que nada têm que ver com a efeméride, dir-me-eis.
 Concordo!
 Da História antiga cá vos deixo a entrada solene na cidade segundo o relato do cruzado:

 « À frente, pois, ia o arcebispo e os outros bispos com a bandeira da Cruz do Senhor e a seguir entram os nossos chefes juntamente com o rei e os que para este efeito tinham sido escolhidos.
 Oh! Quanta não foi a alegria de todos! Oh! Quanta não foi a honra especial que todos sentiam! Oh! Quantas não foram as lágrimas que afluíam em testemunho de alegria e de piedade, quando todos viram colocar no mais alto da fortaleza o estandarte da Cruz salvífica em sinal de sujeição da cidade, para louvor e glória de Deus e da santíssima Virgem Maria. O arcebispo e os bispos com o clero e todos os outros, não sem lágrimas de júbilo, cantavam o Te Deum laudamus com o Asperges me e orações de devoção.
 Entretanto, o rei dá a volta a pé pelas muralhas do castelo cimeiro.»

«Da carta do cruzado sobre a conquista de Lisboa», in O Portal da História.
Ilustração: Martins Barata, Lisboa Mourisca.



Escrito com Bic Laranja às 00:01
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Terça-feira, 24 de Outubro de 2006
Passeio no Douro
Douro © 2006
Calhou-me aqui este lugar à janela...


Escrito com Bic Laranja às 06:51
Verbete | Comentar | Comentários (3)

Segunda-feira, 23 de Outubro de 2006
Lendas da Dª Mirra

 No alto da Galafura há uma moura encantada. Uma princesa moura muito bonita, muito bonita; como todas as princesas mouras, naturalmente. Há muito tempo, o rei mouro seu pai, expluso pelos cristãos, teve que partir para longe, para além do rio Douro. E a Dª Mirra lá ficou, encantada no seu palácio magnífico, todo coberto a ouro e prata, com farta mesa posta. Ainda lá está hoje a Dª Mirra, à espera que algum homem valente a livre do encantamento.
 Houve muito quem tentasse.
 Conta-se, que um pobre pastor sonhou que se fosse capaz de transformar aquele penedo rude e agreste numa terra de cultivo; meter lá a planta do linho; crescer o linho; colhê-lo; transformá-lo depois numa alva toalha; pôr a toalha; pôr os pratos; sentar-se e esperar; a Dª Mirra viria com toda a sua beleza, nos trajos de rainha e sentar-se-ia ali, com toalha de linho, ao pé do pastor. O pobre homem passou a vida a fazer isso; andou por aquelas montanhas; cada bocadinho de terra que trazia ia-o pondo ali, naquele alto do monte; pouco a pouco o solo foi aumentando, crescendo; já aguentando a semente do linho; o linhal cresceu; o pastor teceu a toalha; pôs a mesa; até que, já velho, se sentou ali à espera que a princesa viesse.
 Ninguém sabe porquê, mas a princesa não veio.


Douro visto da Galafura (© Luísa Gonçalves, 2006)
Douro visto da Galafura, S. Leonardo da Galafura, 2006.
(c) Luísa Gonçalves

 Da princesa Dª Mirra ele há outra lenda que se conta aqui [v. infra].


Ajeitado às 10 da manhã.



Escrito com Bic Laranja às 06:19
Verbete | Comentar | Comentários (9)

Domingo, 22 de Outubro de 2006
É imperioso avisar o caudex

 Começa a cheirar ao Natal...
 O tempo nas cidades também é redondo, não é só no campo com as colheitas. Como todos os anos, o labor sazonal produz os seus frutos. Com edital acabadinho de afixar no seu telejornal e a recomendação do enciclopédico professor logo a seguir - foi o 1º da lista -, a colheita já pode começar.
 Há um ano, o anão aos ombros de gigantes transfigurou-se em código postal. O 632 parece que afinal era no bairro de Mascarenhas Barreto, mas o caudex, habilidoso, cifrou essa informação.  Eu compreendo-o: o segredo é a alma do negócio.
 Quem não aceitou de boamente este motivo foi o dr. Miguel Castelo-Branco, como deu justa nota em devido tempo lá nas Combustões.
 Li há tempo que o Absonante se dedicou no Natal passado a deglutir aquele caudex tão publicamente publicitado. Mas vede como se lhe empalideceu a digestão do petisco:


Absonante, 10/1/2006.


 Ora bem! Vi no telejornal das oito que Deus este ano ensinou a Sua fórmula ao caudex. Só que o caudex não conseguiu aprender. A fórmula de Deus não se escreve neste códice nem se deve mascarar de notícia em telejornais da R.T.P.. É exactamente ao contrário.



Escrito com Bic Laranja às 22:29
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Sexta-feira, 20 de Outubro de 2006
Antigo Retiro do Quebra Bilhas

 Uma dúvida surgida ao prezado Je Mantiendrai n'«O táxi do sr. Casaca...» sobre o palácio do conde de Vimioso e sobre o palacete Beltrão acabou por me remeter para o Retiro do Quebra Bilhas, que é contíguo àquele último.

Quebra Bilhas, Campo Grande, Lisboa (E.Portugal, 1941)
Retiro do Quebra Bilhas, Campo Grande, 1941.

 Pelo Olissipo tive notícia há mais ou menos um mês que o velho retiro lisboeta fechara. Estas cousas dão-me pena; e por não andar em cuidados, fugi na altura de pegar no assunto. Depois mais ajudou que, numa rápida vista de olhos no que tinha mais à mão, não houvesse encontrado menções ao Quebra Bilhas no Guia de Portugal ou nas Peregrinações do Norberto de Araújo. Nem mesmo a Angelina Vidal, ao passar pelo Campo Grande na sua Lisboa Antiga e Lisboa Moderna o refere. A Marina Tavares Dias sim, faz-lhe uma breve referência no capítulo das Hortas, no 1º vol. da Lisboa Desaparecida, mas é coisa de nada.
 O rombo na alma lisboeta pelo fecho da última locanda da Lisboa das hortas é enorme. Tinha o estabelecimento seguramente mais de 200 anos. Era de fins do séc. XVIII (1793?) ou do princípio do séc. XIX; socorro-me do Jornal da Praceta que traz algumas notas históricas e publica inclusive fotografias do Arquivo Fotográfico da C.M.L.. Tinop (Pinto de Carvalho) conta na História do Fado que lá se «fadejava nas noitadas de esperas de toiros»; a Severa cantou lá, e claro que não faltava freguesia fidalga (Vimioso, Castelo Melhor, Avilezes, Lumiares, Galveias, Maniques) naquelas noites de estúrdia e divertimento popular em que se dedilhava e cantava o fado.

Panorâmica sobre o Hospital Júlio de Matos; Lisboa (E.Portugal, 1946)
Panorâmica sobre o Hospital Júlio de Matos, Campo Grande, 1946.

 O Campo Grande foi lugar de feiras de gado e isso já mostrei cá no blogo quando falei no Antão. Os que lá vedes são os camponeses guardando o gado no canto sul do gradeamento do que hoje é a Universidade Lusófona. Quase aposto que alguns deles jantaram no Retiro do Quebra Bilhas.
 Evocando as hortas tendes aqui (acima) uma fotografia das traseiras do Antigo Retiro do Quebra Bilhas quando apenas havia por ali as edificações do Hospital de Júlio de Matos. Estes sítios arrabaldinos eram só de quintas. Típico dos retiros lisboetas era o quintalão; claro que não faltava ao Quebra Bilhas, abrigado por generosos toldos de parreiras e árvores frondosas. No fundo podia ser um telheiro, como o do Caliça na Estrada dos Salgados, onde vemos numa conhecida fotografia de Paulo Guedes um grupo durante o repasto.
 As casas adiante do Quebra Bilhas (em baixo) eram com certeza do início do séc. XIX; foram abaixo por volta de 41. O Quebra Bilhas aguentou-se. Como ainda não ouvi notícia que o fossem deitar abaixo tenho uma réstia de esperança; pode ser que o retiro algum dia reabra rebaptizado como "Antigo Retiro do Quebra Bilhas" conforme vemos nas imagens.
 Mas quando o futuro são cifrões a História acaba por tornar-se um mamarracho...

Campo Grande, lado oriental, Lisboa (E.Portugal,1941)
Campo Grande, lado oriental, Lisboa, 1941.


Fotografias: Eduardo Portugal, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..
[Corrigido em 21/10 às 10 horas. Remissões repostas em 20/VII/14.]



Escrito com Bic Laranja às 21:46
Verbete | Comentar | Comentários (21)

O táxi do sr. Casaca ou a vontade de ir para a terra?

 Muitas vezes naquele tempo - vendo um táxi deste modelo, daqueles da letra A - me lembrava eu automaticamente do sr. Casaca. Ao depois via logo que não era, claro. Nem faria sentido. Mais certo era o sr. Casaca estar para a Azinhaga ou para o Pombalinho em serviço. Mas antes, num pequenininho instante antes, achava sempre que podia ser.


Palácio Valença-Vimioso [e um táxi como o do sr. Casaca], Lisboa, [c. 1970].
Fotografia:Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 17:30
Verbete | Comentar | Comentários (11)

Quinta-feira, 19 de Outubro de 2006
Ascendente(s)
Oliveira da parte da mãe. Shop da parte do pai.


Castro Daire, 2006.


Escrito com Bic Laranja às 23:08
Verbete | Comentar | Comentários (5)

Terça-feira, 17 de Outubro de 2006
Fanfarrões

 Passei na auto-estrada por vários destes cartazes. A 120 km/h, os inúteis que se pelam por que eu lhes delegue democraticamente o Poder impingem-me a preços de mercado a responsabilidade da sua inépcia.
 Só desta vez, aceitei. Decidi o verde. E agora?



 [Não devia o 'mérito' ser meu?]



Escrito com Bic Laranja às 06:54
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Domingo, 15 de Outubro de 2006
Picheleira abandonada

 Geografias de infância no velho bairro da Picheleira com personagens reais. No Bar do Justo.

Picheleira, Lisboa (A.Serôdio, 1965)
Bairro da Picheleira, Lisboa, 1965.
Armando Serôdio in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 21:59
Verbete | Comentar | Comentários (22)

Sexta-feira, 13 de Outubro de 2006
Democracia, História e Metafísica

 Suponho que eram os gregos antigos que diziam que um homem se libertaria da lei morte conquanto perdurasse a sua memória nas gerações vindouras.
 Vejo agora aí uns da TV nacional muito afadigados por submeter a votos a memória dos heróis da nossa pátria. Brilhante! Finalmente haverá uma História democraticamente eleita. E elegendo assim um hemiciclo de heróis imorredoiros teremos finalmente a Democracia guindada à categoria de Metafísica. Apenas por € 0,60 mais I.V.A..


 Da Democracia e da Metafísica estamos conversados. A História, prefiro-a como ela é.

Jacques Moderne - Trois branles de Bourgogne
Paço dos Duques de Bragança
Paço dos Duques de Bragança, Guimarães, 2006.



Escrito com Bic Laranja às 23:11
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Terça-feira, 3 de Outubro de 2006
Ora aí temos o Arco

 Mas deixemos estas vielas, que dentro de uma dezena de anos terão passado à história topográfica e toponímica de Lisboa, e tomemos a Rua do Arco do Marquez do Alegrete. [...] Esta sim, na sua pobreza urbanista, tem qualquer coisa de pitoresco, vista em enfiamento, com o seu arco ao fundo, o estendal às janelas, e os estabelecimentos populares tão característicos. [...]
    Ora aí temos o Arco do Marquez do Alegrete, no aspecto de 1674, ano em que foi transformada a velha porta de S. Vicente da Mouraria, assim chamada ainda em 1554. Intitula-se do Marquez do Alegrete, porque a êle se encostou o palácio cosntruído pelo Conde de Vilar Maior, antecessor da Casa dos Alegretes, depois Penalvas e Taroucas (Teles da Sylva).

Norberto de Araújo, Peregrinações em Lisboa, III vol., 2ª ed., Lisboa, Vega, 1992, pp. 78, 79.

R. do Arco do Marquês do Alegrete (R.Gameiro)
Arco do Marquês do Alegrete
Roque Gameiro, Museu da Cidade

  Bem longa foi esta jornada, que nos trouxe pela Almirante Reis e pela Rua da Palma até ao Socorro, onde nem a estratigrafia do Metropolitano regista memória do nome. Percorremos as ruas da velha Mouraria já sem risco de rufias e navalhadas; já sem ruas, pois então. Vimos o decadente palácio desses marqueses que deram nome a ruas, travessas e ao famoso arco, e agora vivem apenas na memória, ou nem isso. Teimava o nosso guia Norberto de Araújo em acabar seus passeios em poesia, de redondilha menor: assim acabamos nós esta jornada, embalados pelos pregões daquele azeiteiro e daqueloutra varina. A ver vamos o que se segue...



Escrito com Bic Laranja às 00:00
Verbete | Comentar | Comentários (12)

Segunda-feira, 2 de Outubro de 2006
O velho Palácio do Alegrete

Palácio do Marquês do  Alegrete, Lisboa (M.Novaes, ant. 1946)
Palácio do marquês do Alegre te demolido para alargamento da via pública, Lisboa, ant. 1946.
Fotografias (acima e à dir.): Mário de Novaes, in Arquivo Fotográfico da C.M.L.

Casa das Chaves  O velho palácio do Alegrete, que teve uma certa aura na Lisboa de setecentos, é hoje uma ruína, pouco mais que um pardieiro, condenado à demolição, mas onde estão instalados ainda estabelecimentos de vária natureza e casas de habitação. Tem a forma de um rectângulo contido entre a Rua da Mouraria (junto ao Arco, onde avulta aindo o  portal brazonado dos Sylvas, entrada hoje de uma serralharia), a Rua Martim Moniz (onde existe um portal do antigo tipo arquitectónico), a Rua da Palma, agora em muro raso (desde que em 1935 foi demolido o prédio da ourivesaria Cunha, que se encontrava a êste tôpo do palácio) e o Largo Silva e Albuquerque, antiga Rua dos Canos (onde na fachada se rasgam dois portais também do tipo dos antecedentes).
   O Arco, sôbre o qual assentam dois andares, cada um com a sua janela, pertence ao prédio da Rua do Arco do Marquês do Alegrete, que se lhe encosta, e que é propriedade da família dos condes de Tarouca.

Norberto de Araújo, Peregrinações em Lisboa, III vol., 2ª ed., Lisboa, Vega, 1992, p. 78.


Palácio do Marquês do Alegrete, Lisboa (E.Portugal, 1946)
Palácio do marquês do Alegrete, Lisboa, 1946.
Fotografia: Eduardo Portugal, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 07:04
Verbete | Comentar

Domingo, 1 de Outubro de 2006
Mater dolorosa

 Tivesse eu que dar a notícia do falecimento dalguém à família, certamente lamentaria a fatalidade e ficaria constrangido com a tarefa que me calhara em sorte. Pois a SIC Notícias andou a tarde inteira orgulhosa porque foi quem deu a notícia à família da vítima portuguesa que seguia bordo do avião que caiu no Brasil. E foi asinha lá filmar a dor.
 Vejo agora por que andam sempre à cata de vítimas portuguesas em todas as catástrofes.


Mater Dolorosa
Óleo sobre tela, 77 x 64 cm.
José (ou Jusepe) de Ribera, 1638, Museu Staatliche, Kassel.


Escrito com Bic Laranja às 20:13
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Canos da Mouraria

 « Tudo isto - que é um dédalo - eram os canos da Mouraria, que transmitiram o nome às nossas contemporâneas Travessa, Beco e Rua dos Canos, de dístico substituído em 1885, por êste actual de Silva e Albuquerque, operário muito culto, um apóstolo da instrução primária gratuita, falecido em 1879.
  Como já disse tôda esta área foi alagadiça, depois de ter sido um verdadeiro rio, e assim por aí acima, pelo Bemformoso e Anjos, até Arroios.
  No séulo XVI isto por aqui eram os «Canos de S. Vicente» (da porta de S. Vicente), e no século seguinte «Canos da Mouraria».
  Estas horriveis serventias, Beco da Póvoa, Rua dos Vinagres (onde havia a póvoa dos vinagreiros), Rua dos Álamos, já de 1550, e mais vielas, eram tudo - os «Canos».
  E êsses canos eram umas valas abertas no leito da rua, escoantes das águas que, no vale, corriam das encostas de Sant'Ana e do Castelo, e vinha já de Arroios. Em 1840 ainda aqui havia sumidouros, cobertos de grades, como os do Rossio, nos passeios laterais.»

Norberto de Araújo, Peregrinações em Lisboa, III vol., 2ª ed., Lisboa, Vega, 1992, p. 79.

Baixa Mouraria, lisboa, c. 1910

Legenda:
A) Hospital de S. José; B) S. Domingos; C) Castelo.
1) R. da Palma; 2) Igreja e Largo do Socorro; 3) R. do Socorro (a poente, saía-lhe a Tr. do Socorro para a R. do Arco da Graça); 4) R. das Atafonas; 5) R. Mouraria; 6) Ermida da Senhora da Saúde; 7) Palácio do Marquês do Alegrete; 8) Arco do Marquês do Alegrete; 9) Rua Martim Moniz (R. de São Vicente à Guia) ; 10) Tr. Silva e Albuquerque (Tr. dos Canos); 11) Largo Silva e Albuquerque; 12) R. Silva e Albuquerque (R. dos Canos); 13) R. dos Vinagres; 14) R. do Arco do Marquês do Alegrete; 15) Rua dos Álamos; 16) Poço do Borratém.


Planta 11G (URBA-LT-03-05-5-11G) do Levantamento da Planta de Lisboa: 1904-1911.
Verbete revisto em 1/11/2009.



Escrito com Bic Laranja às 13:11
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----