Sábado, 31 de Março de 2007
A oportunidade rasgada

Pela avidez e pela bandalhice...

Alameda da Universidade, Lisboa © 2007
Alameda da Universidade, Lisboa, 2007.



Escrito com Bic Laranja às 19:42
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Curso Superior de Letras

Taxistas não se escreve com tê?

Muro da Faculdade de Letras, Lisboa © 2007
Muro da Faculdade de Letras, Lisboa, 2007.



Escrito com Bic Laranja às 19:28
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Sexta-feira, 30 de Março de 2007
A varanda

- Não foram à varanda?!
- Não! Fomos ao aeroporto.
- Mas não foram à varanda? - insitia o meu irmão.
- Fomos ao aeroporto. Vimos os aviões...
- Então viram os aviões da varanda...
- Foi cá fora. O primo Zeca parou o carro e fomos ver os aviões ao pé da rede.
- Então ele não vos levou à varanda?! Assim não viram nada.
- Vimos sim! Eu vi os aviões ao pé da rede!

Aviões da TAP

A varanda estava fechada. E tenho saudades do primo Zeca.


Obrigado à Dona T. pelo mote.


Escrito com Bic Laranja às 21:55
Verbete | Comentar | Comentários (11)

Da cabulice

Liceu de Camilo Castelo Branco, Vila Real © 2006 Esta manhã [foi ontem] ouvi na telefonia do carro, em tom trágico, a notícia dum estudo qualquer sobre o agravamento do abandono dos estudos pela mocidade. Parece que o problema é das escolas: diz que são muito mal amanhadas e até as há - imagine-se - sem computadores. E assim a mocidade foge delas. No fim vem a desmoralização completa: o risco da desqualificação futura da mão-de-obra nacional.
 Dito isto veio-me à ideia: a) Quem garante que, mantendo todos os cábulas no ensino público, a mão-de-obra nacional no futuro será mais qualificada? b) Por que diabo há-de haver tanta gente a mandriar no ensino público, dispendioso, generalista e pouco técnico (viva a tecnocracia!) - e sem computadores (sem computadores, imagine-se) - quando há tanta oferta de formação profissional privada particular? Não é por esta via que jorra a dinheirama comunitária? c) Por que motivo ninguém lhe ocorre que - se até um burro tem vontade própria - a vontade dos cábulas é mandriar e não estudar? d) Que razão há para se promoverem turmas cheias de cábulas e fecharem-se escolas com menos de 10 alunos se estes forem interessados? e) Porque haveremos de continuar a insistir em produzir simulacros de doutores e engenheiros...?
 E agora, ou eu não sei procurar, ou não há sinal desta notícia na Internete... É a importância que as notícias trágico-bombásticas têm.

Liceu de Camilo Castelo Branco, Vila Real, 2006.



Escrito com Bic Laranja às 07:04
Verbete | Comentar | Comentários (3)

Quinta-feira, 29 de Março de 2007
O beijo-bicada

 E o beijo-bicada da avó do Saramago se calhar não existiu.
 - A avó Carolina [...] não me lembro que alguma vez me tivesse dado um beijo, e se me beijou foi com a boca dura como uma bicada (Saramago, As Pequenas Memórias, p. 62).
 O beijo-bicada da avó Carolina, a ter existido, haveria de levar o buço sobre bico. Haveria de o picar. Seria antes (talvez) como um beijo-barbado. Ná! Aquela memória do beijo-bicada deve advir dalguma tia. Mas aqui - sendo de tia - acho até que ele teve sorte por não ter gramado uma porção de beijos-babosos...

Av. da Liberdade, Lisboa (J. Benoliel, 1912)
Senhora com uma criança na Av. da liberdade, Lisboa, 1912.
Joshua Benoliel, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 07:11
Verbete | Comentar | Comentários (7)

Quarta-feira, 28 de Março de 2007
Amigos de Alex

Um artigo muito bom sobre os [meus] Amigos de Alex...


Aretha Franklin - Natural Woman
(Mike Douglas Show)

[E o cenário é muito moderno. Como no Habitat...]



Escrito com Bic Laranja às 23:30
Verbete | Comentar

Ouro velho, talvez...

 O gira-discos do carro faz negaças a discos de 90 minutos. Ontem, porém, lá acedeu a tocar um desses, uma compilação dos tempos do TNT - Todos No Top. A nº 13 é esta.

 


The Stranglers - Golden Brown



Escrito com Bic Laranja às 10:11
Verbete | Comentar | Comentários (9)

Terça-feira, 27 de Março de 2007
Corrigenda


 De acordo com o Genea Portugal eis um rascunho da ascendência de D. Maria Lívia Ferrari Schindler Castelo Branco que foi casada com João Franco Ferreira Pinto Castelo Branco, presidente do conselho de el-rei D. Carlos. Fica assim melhor ilustrada a adenda de correcção do verbete sobre a Real Fábrica das Sedas ao Rato.
 Obrigado ao confrade Jansenista pela oportuna chamada de atenção.



Escrito com Bic Laranja às 22:28
Verbete | Comentar | Comentários (4)

O mar enrola na areia...

 O presidente da Junta de Freguesia da Costa da Caparica e a vice-presidente do Clube de Campismo de Lisboa exigiram hoje a demissão do responsável máximo do Instituto da Água, considerando que o avanço do mar resulta da inoperância desta entidade.
 
  Público.pt. 26/3/2006
 
Neptuno, Pr. do Chile (J.Benoliel, c. 1950)
Estátua de Neptuno, Praça do Chile, ante 1950.
Judah Benoliel, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

 Não deviam pedir antes a demissão de Neptuno?



Escrito com Bic Laranja às 06:35
Verbete | Comentar | Comentários (9)

Domingo, 25 de Março de 2007
Alvalade (Largo Frei Heitor Pinto)

 L. Fr. Heitor Pinto, Alvalade (A.Passaporte, c. 1959)

 Aqueloutra do cruzamento com a João XXI vi-a primeiramente num centro comercial da Av. de Roma, em tamanho gigantesco. Esta agora também lá estava. Surpreendeu-me - refiro-me à outra - ver os prédios da Guerra Junqueiro através da novíssima Praça de Londres por causa da ausência de arvoredo cortando o campo de visão. Já não sou do tempo em que se podia olhar sem obstáculos da Av. de Roma através da Praça de Londres. Foi intrigante a ideia que aquela fotografia me deu, pois o plano inclinado da Guerra Junqueiro nunca me pareceu ser tão acentuado na realidade. Como aqui a imagem é pequena não dá a mesma sensação...
 Mas já estou a divagar.
 Esta agora encantou-me pelo ar de cidade nova bem pensada, com autocarros, táxis... E o desafogo!
 O postal é de António Passaporte, talvez de 59, e acha-se no Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 20:55
Verbete | Comentar | Comentários (9)

A Real Fábrica das Sedas

 A Real fábrica das Sedas remonta ao tempo de el-rei D. João V. Ricardo Godin, industrial francês, fundou uma fiação de sedas na Fonte Santa, estabelecendo-a depois ao fundo da Rua de S. Bento; finalmente mudou-a para o Rato. A fábrica veio a decair ainda naquele reinado e por volta de 1750 o Estado deitou-lhe a mão. Com Pombal a Real Fábrica prosperou mas veio a decair novamente com a viradeira, arrastando-se todavia até 1855. A rainha D. Maria II mandou então vender tudo.
 Naquelas casas - segundo diz Norberto de Araújo -, o mais interessante, já na Rua da Escola, é êste prédio, à direita, de corpo central destacado do conjunto regular e em cuja fachada se destacam as armas de D. José, com certa opulência escultórica, a distinguir a edificação oficial da Real Fábrica.
 A imagem abaixo dá a extensão das casas da Real Fábrica desde a Rua da Escola Politécnica perdendo-se de vista até o Rato (ao fundo sobressai o corpo da Mãe de Água). Percebe-se ali o quanto a estrada subiu em relação ao nível do terreno no tempo em que se edificaram as casas da Real Fábrica, no séc. XVIII.
 A fotografias devem ser de pouco depois de 1907, ano da extensão da rede dos eléctricos desde o Carmo a Campolide.

Real Fábrica das Sedas, c. 1907-08

Real Fábrica das Sedas, c. 1907-08
 
 Sobre estes terrenos e casas eis o que escreveu em 1939 Norberto de Araújo no XI vol. das Peregrinações,obra que me socorre neste verbete (2ª ed., Vega, Lisboa, 1993, pp. 17 e 18):

« Antes da criação da Real Fabrica estes terrenos por aqui, entre o Rato e a Rua da Imprensa Nacional (então Travessa do Pombal) até S. Bento faziam parte da Quinta do Morgado dos Soares da Cotovia - a quinta de D. Rodrigo da primeira metade do séc. XVIII e de que adeante falarei.
  Fez-se então a fábrica com as suas dependências, vendidas no século passado [i.e. séc. XIX] como já disse. Tudo foi depois parar às mãos de um Francisco Ferrari, de quem transitou para três filhas, duas das quais, que houveram a parte de um sobrinho, filho da outra irmã, casaram uma com o Visconde Silva Carvalho, outra com Guilherme [i.e. Gaspar] Schindler; foi desta senhora que os imóveis da antiga Real Fábrica passaram para a sua filha, D. Lívia Ferrari Schindler Castelo Branco, e desta para sua filha [o rasurado é meu] D. Maria Lívia Schindler Castelo Branco, viúva do estadista João Franco, actual proprietária de tôdas estas edificações, correspondentes á desaparecida fábrica, quer as com frente para a Rua da Escola quer as com frente para o Rato.»


Fotografias: Real Fábrica das Sedas, Lisboa, [1907-1908].
Arquivo Fotográfico da C.M.L., A1678 e A3498.

Adenda (27/3/2007):
Lívia Ferrari era Castelo Branco? Julgo que não, que não adoptou o apelido do genro... Melhor fonte do que Norberto Araújo, não há...?
Enviado por O Jansenista em 27/03/07 às 05:47 PM

Tem razão. As duas últimas D. Lívia são a mesma pessoa: D. Maria Lívia Ferrari Schindler (1858-1950), de Castelo Branco pelo casamento com João Franco, filha de Gaspar (e não Guilherme) Schindler e Maria Lívia Ferrari, uma das três herdeiras de Francisco Ferrari.
Cf.
http://genealogia.netopia.pt/pessoas/pes_show.php?id=28547.
[Respondido] com Bic Laranja em 27/03/07 às 09:33 PM


Escrito com Bic Laranja às 07:57
Verbete | Comentar | Comentários (9)

Sábado, 24 de Março de 2007
Tinturaria do Chile: a original*

A18139.jpg
Avenida de Roma, cruzamento com a Av. João XXI, Lisboa, [c. 1952].
Fotografia do Arquivo Fotográfico da C.M.L., A18139.


* A original aqui...



Escrito com Bic Laranja às 13:46
Verbete | Comentar | Comentários (7)

Quinta-feira, 22 de Março de 2007
Vistas de S. Pedro de Alcântara

 Já faz algum tempo que o meu estimado amigo Fernando C., sabendo-me sempre interessado nas coisas antigas de Lisboa, gentilmente me ofereceu este belíssimo conjunto de vistas de São Pedro de Alcântara que encontrou, salvo erro, entre alguns objectos de família. Agradeço-lhe outra vez agora a generosa lembrança. E escudo-me na minha inépcia em descobrir mais cedo o modo de apresentação apropriado para justificar de algum modo a demora em pô-las aqui. Oxalá me desculpem, ele e os demais benévolos leitores.
 E tal como prometera quando passei na Rua de Dom Pedro V, abrando agora o passo em São Pedro de Alcântara (uma vez mais).


Vistas de São Pedro de Alcântara, [s.n.], [c. 1890].
Música: Satie - Gymnopedie, 1.



Escrito com Bic Laranja às 21:02
Verbete | Comentar | Comentários (11)

Branding Macieira PUB

 Ainda a propósito do exercício de branding do sr. ministro Pinho sobre o Allgarve Algarve vai daqui uma garrafinha de branding Macieira à laia do que fazia a Hermínia Silva à saúde do nosso Manel e da nossa Allzira Alzira.
 - É p'ra matar saudades da nossa terra
, sr. ministro, coisa que já deve ter diluída... nesse mundo global onde anda a lutar p'ra vida.

Maria Cabral (Brande Macieira)

Imagem de Truca.
[Corrigido às cinco e meia da tarde.]



Escrito com Bic Laranja às 12:30
Verbete | Comentar | Comentários (5)

Quarta-feira, 21 de Março de 2007
Allgarve, Suntarém e Cashcais

 Sei que a tentação é grande. Mas o verbete anterior não se destina a nenhum jogo de dardos. Foi um trocadilho inspirado num novo exercício de branding (cf. qualquer glossário da Deloitte ou quejandos para o significado deste barbarismo) do sr. ministro Pinho da República Portuguesa, S.A. para melhor promover a «venda» do reino do Algarve. Como a coisa mete investimento de uns tantos milhões convém melhorar a marca comercial para garantir o R.O.I. (cf. o benévolo leitor novamente o tal glossário supramencionado, tenha paciência, mas faz-me urticária explicar isso aqui).
 A marca escolhida foi Allgarve (supõe-se que entoada à amaricana).
 Fico na dúvida se o sr. ministro Pinho sofreu uma insolação em Sun-tarém ou se lhe deu uma febre por dinheiro em Cash-cais.



Escrito com Bic Laranja às 11:33
Verbete | Comentar | Comentários (11)

Terça-feira, 20 de Março de 2007
All garbage


XVII comissão liquidatária.

[Revisto às oito e vinte da noute.]



Escrito com Bic Laranja às 17:12
Verbete | Comentar | Comentários (7)

Segunda-feira, 19 de Março de 2007
Histórias de amendoins

 Estava enganado na rua...
 Algumas vezes vínhamos pela Sabino de Sousa para comprar amendoins. Mais a rogo do mano que meu, que eu era mais amigo de guloseimas. Vínhamos com a mãe das compras. O itinerário era influenciado por pequenas coisas: um dia pela Actor Vale por causa das bolas de Berlim ou dos sorvetes, outro dia pela senhora dos amendoins na Sabino de Sousa; habilidades da mãe que não encurtavam os trajectos a pé mas que os tornavam mais amenos a nós, o mano e eu.
 A senhora lá adiante no passeio, além do carro, parecendo conversar de cabeça erguida com alguém à janela... Era por ali a janela da senhora dos amendoins. Talvez um nadinha mais para cá. Era num rés-do-chão pouco alto, porque eu, pequenino, chegava ao parapeito da janela. A senhora aviava os amendoins em cartuchinhos de mercearia e nós lá seguíamos satisfeitos rua adiante, escascando e comendo...
 Por uma ou duas vezes - houve mais, por certo - atravessámos para o passeio de lá. Esta Rua Sabino de Sousa inflecte a 90º o seu curso e eu engraçava com o recanto do passeio lá ao fundo, mais as janelas das casas em ângulo, tão juntas ao canto que as vizinhas se podiam dar as mãos. Julgo que eram por capricho meu essas mudanças de passeio. Mas calhava bem, que na continuação do passeio, no troço final da rua já a chegar ao Jardim da Nêspera, havia um armazém de bananas de que éramos fregueses.
 Os prédios de topo foram demolidos. O que se edificou tem um arco para ligação desta rua a uma praceta que se fez lá por trás.

Chafariz da Rua Sabino de Sousa, Alto do Pina (A.J.Fernandes, s.d.)
Chafariz da Rua Sabino de Sousa, Alto do Pina, [s.d.].
Augusto de Jesus Fernandes, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

 O pitoresco chafariz é o marco mais notável desta rua; fica no cruzamento com a Rua Quatro de Agosto. Não conheço em Lisboa outro igual.
 Sábado, cá a senhora comprou amendoins no café do costume lá na Praia das Maçãs. Vinham num pacote plástico luzidio, de cores metalizadas; tinham paprika ou especiarias - uma coisa assim -, e muito sal; aberto o pacote não era preciso descascar... Com isto lembrei cá à senhora umas máquinas que se punha cinco ou dez tostões e, rodando um manípulo, aparava-se os amendoins que caíam com as mãos em concha. E a seguir lembrou-me da história lá de cima.
  Estava enganado na rua. Chamei à Sabino de Sousa Quatro de Agosto.

Chafariz da Rua Sabino de Sousa, Alto do Pina (A.Serôdio,1964)
Chafariz da Rua Sabino de Sousa, Rua Quatro de Agosto, 1964.
Armando Serôdio in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 06:47
Verbete | Comentar | Comentários (3)

Sexta-feira, 16 de Março de 2007
Ainda a Praia das Maçãs (este mês)

Revisto e aumentado às 9h30.
Refundido em 25/3/2012, devido à desactivação do slide.com onde estava alojado o diaporama original. A música é o «Stardust» de de Benny Goodman



Escrito com Bic Laranja às 06:42
Verbete | Comentar | Comentários (9)

Quarta-feira, 14 de Março de 2007
Padiola

A padiola Zundapp do Zé careca? Acho que era Zundapp...
Mas não creio que ele fornecesse peixe ali para o tasco.

Campo Grande, Lisboa (A.Goulart, s.d.]
Prédio para demolir, Campo Grande, nº 272, [s.d.].
Fotografia: Artur Goulart, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 21:35
Verbete | Comentar | Comentários (3)

Segunda-feira, 12 de Março de 2007
Contra-ordenação



Mote: Jorge Coelho. Ilustração:Fórum Auto-Hoje.
Notícia aqui...



Escrito com Bic Laranja às 23:38
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

13
15
17

18
19
20
21
24

25
26
27
28
29
30


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----