Terça-feira, 24 de Abril de 2007

25 de Abril

« Na madrugada de 25 de Abril de 1874, quando o curro que no dia seguinte devia ser toureado no Campo de Santa Ana chegou ao largo de Santa Bárbara, tresmalharam-se dois touros e andaram passeando pelas ruas da cidade alarmando a povoação.
   Um dos bichos andou a rondar um posto da guarda municipal e foi também passar revista à sentinela do Hospital da Marinha... Foi depois o mesmo animal ao cais dos soldados; aí apanhou a jeito o carregador dos caminhos de ferro António Rodrigues, por alcunha o Lagartixa, atirou-o ao ar e vazou-lhe o olho esquerdo...
   O segundo bicho fugido da manada fez grandes ferimentos em António Augusto de Araújo, servente do Teatro do Príncipe Real... Colheu também Serafim dos Santos e um inglês que esteve em risco de não voltar à sua pátria e ficar depositado no cemitério.
   Por fim o referido animalejo dirigiu-se à praça da Figueira com grande surpresa das vendedeiras que não esperavam tão amável freguês. O brutinho era guloso por fruta e satisfez o seu grande apetite comendo o que desejou e à borla.
   Saíu do mercado com o baú de tal forma cheio que já nem podia correr, sendo por isso apanhado na rua dos Fanqueiros... » (1)


(1) Rodovalho Duro, História do Toureio em Portugal, pp. 130 e 131, apud Luiz Pastor de Macedo, Lisboa de Lés a Lés, vol. III, 3ª ed., Lisboa, Publicações Culturais da C.M.L., 1985, pp. 174 e 175.

 

Rumo ao sul...


Ponte sobre o Tejo; Lisboa © 2005 Luísa Gonçalves
 Nevoeiro à saída da ponte sobre o Tejo (dita 25 de Abril), Lisboa, 2005.


Adenda (1/5/07 às 21h42): o seu a seu dono; a fotografia é de Luísa Gonçalves.

Escrito com Bic Laranja às 16:52
Verbete | comentar | comentários (7)

Os estudos

Judite de Sousa nunca estudou...  Dantes em Lisboa havia muito quem chamasse jornaleiros aos ardinas...
 Ele há agora um anúncio com a jornalista Judite simulando ser jornaleira numa banquinha de centro comercial porque não acabou os estudos. Se o anúncio vier a ter o êxito que eu espero, qualquer um há-de poder vir a ser jornaleiro porque haverá planos de estudos cientificamente elaborados e cursos superiores para essa profissão. A de jornaleiro ardina, entendei. Hão-de ensinar até os antigos pregões dos ardinas. Por agora a pobre jornaleira Judite, sem estudos, não sabe apregoar sequer os vespertinos:
 - Ó DIÉRI' POPLEEERE!... À CAPITÁÁLI!...

 Obviamente esta campanha é obra dalguém assaz, como direi... incentivado a acabar os estudos. Bem vejo que lhe deram agora uma nova oportunidade. O publicitário esgotado há-de-se recompor no Allgarve...

Imagem do Cachimbo de magritte.

Escrito com Bic Laranja às 15:34
Verbete | comentar | comentários (3)
Domingo, 22 de Abril de 2007

Os putos

 O último troço da Rua do Sol a Chelas que ainda não foi desfeito - que por acaso é o primeiro pois a rua começa na Estrada de Chelas - é o dos putos aí abaixo; despega-se da dita estrada para poente; resta um pedaço entre aquela estrada e a linha de fecho da cintura ferroviária (a do Túnel da Bruxa) que vai de Chelas a Xabregas.
 Aqueles cachopitos estão ali a meter-se com o homem lá adiante: da cantilena que lhe estão a atirar adivinho alguma alcunha pouco honrosa cheia adjectivos menos próprios. Dos gestos que lhes vejo e do que conheço do género autóctone daquelas paragens a pantomima deve ser uma berraria de impropérios repetida até fartar. Se o homem lhe dá de inverter a marcha para lhes dar caça, imagino os putos desatando a fugir por aquela ribanceira acima. O homem há-de desistir logo ali da caça. Dá impressão que vai para o trabalho e não se irá meter pelas terras. Faz o ameaço para os espantar e chega. Os putos ainda hão-de gritar alguns impropérios desde cima da ponte mas logo se põem em caminho da estação de Chelas ou do túnel de Xabregas; qualquer dos lados dá mais aventuras certas...
 Subir por aquelas terras para a linha do comboio era uma tentação...

Viaduto Ferroviário, Lisboa (A.Goulart, 1961)
Viaduto Ferroviário [da Rua do Sol a Chelas], Lisboa, [1961].
Artur Goulart, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..


Carlos do Carmo - Os putos
(Cantiga nos Anos 60 ponto come.)

Escrito com Bic Laranja às 08:02
Verbete | comentar | comentários (20)
Sábado, 21 de Abril de 2007

Rua do Sol a Chelas

 Diz a D. Scarlata que a rua tem um nome romântico que não combina com o aspecto. Pois aqui está uma vista que recordava ainda em [talvez] 1961 o aspecto campestre deste caminho. Ao fundo a encosta N. do cemitério do Alto de São João - de que se vê apenas o muro os contrafortes - que aqui vemos povoada de oliveiras. Estas terras foram em tempos duma Quinta do Pinheiro. No vale ao fundo daquela encosta - esta estrada ia lá dar - havia a quinta do sr. Abel; se era num talhão roubado à dita Quinta do Pinheiro não sei; nem sei se ele - o sr. Abel - era rendeiro se proprietário. Sei que em menino fui lá muitas vezes com a minha mãe ao leite...

Rua do Sol a Chelas, Lisboa (A.Goulart, 1961)
Rua do Sol a Chelas, Lisboa, [1961].
Artur Goulart, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

Escrito com Bic Laranja às 22:31
Verbete | comentar | comentários (57)

A ver...

Cá o sítio parece que não anda apreciável. Só vultos encobertos se aproximam. Se se aproximam...

Rua do Sol a Chelas, Lisboa (A.Goulart, 1961)
Rua do Sol a Chelas, Lisboa, 1961.
Artur Goulart, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

Escrito com Bic Laranja às 11:17
Verbete | comentar | comentários (12)
Sexta-feira, 20 de Abril de 2007

Práxis arcaica

Acabar com o puxão de orelhas foi quanto bastou. Os meninos das fisgas cresceram e já governam a pólis.
Noto esta civilização em cacos.


   Prémio de 2007 para desenhos humorados na imprensa mundial.</span>
Escrito com Bic Laranja às 22:31
Verbete | comentar | comentários (2)

País de excelência(*)

Do país do Calimero ao Sítio do Picapau Amarelo.
Mas para brincar ao faz-de-conta, que tal os Barbapapas, hem?!


(*) Uso o linguajar da moda por soar assaz adequado à modernidade faz-de-conta. É não é?

Escrito com Bic Laranja às 07:55
Verbete | comentar | comentários (3)
Quarta-feira, 18 de Abril de 2007

Das muralhas e da Civilização

 Ou de como no termo de Istambul ainda há hortas... Nem só de betão vive o Homem!

Muro de Constantinopla, Istambul, 2006.
Muro de Constantinopla, Istambul, 2006.

Escrito com Bic Laranja às 23:55
Verbete | comentar | comentários (3)

Castig... castelo

Linhares da Beira (Funes, o memorioso, 2007)
Linhares da Beira, 2007.
Fotografia de Funes, o memorioso.

Escrito com Bic Laranja às 20:41
Verbete | comentar | comentários (4)

A Carroça ou o Regresso do corte do feno

 Este, quadro, esta cena delicada, saíu-me para comentar numa prova há muitos anos... Não me recorda o que escrevi; algumas baboseiras sobre a infância no Antigo Regime, coisas dessas que me tinham ensinado no 12º ano. Não creio que tenha dito nada sobre parecer um retrato de grupo, idílico, encenado como que por um fotógrafo. Um da cidade.
 - Vós, senhora, quedai-vos aí com o bebé!
 - Ó menino, podes tocar a tua flauta?! Vós as três, subi ali para a carroça!
 - Meninas! Ide para além mais para a beira dos porquinhos.
 A aparente inexpressividade é porque não são actores, estes camponeses. Não é hábito posarem para retratos; não sabem bem que hão-de fazer e mostram-se pouco à-vontade. O menino na carroça toca timidamenrte...
 O retratista fixa com olho fotográfico a cena, deixa uns luíses por conta dos ovos que leva e segue para o atelier para revelar a cena que imaginou. Porque na realidade talvez os miúdos dançassem e corressem e pulassem ali na quinta, e não isto... E talvez a mulher lhes berrasse que estivessem quietos, desesperada com o bebé que chorava desalmado.
 Mas olhando para o quadro, talvez não...


Louis Le Nain [atr.]
A Carroça ou o Regresso do corte do feno, 1641
Óleo sobre tela, 56 x 72 cm
Paris, Museu Nacional do Louvre

Escrito com Bic Laranja às 06:58
Verbete | comentar | comentários (4)
Domingo, 15 de Abril de 2007

Noções de Grego para jornalistas

Hoje vamos aprender a palavra...
Escrito com Bic Laranja às 12:34
Verbete | comentar | comentários (5)
Sábado, 14 de Abril de 2007

O papel

 Um avião quadrimotor descola de Luanda para Lisboa com 108 passageiros. Avaria-se um motor após pouco tempo de voo. O quadrimotor que falo, sem mais incidências anormais, consegue voar apenas com três motores e as tripulações técnicas são treinadas para isso (e depois habilitadas para a tarefa: uma autoridade passa-lhes um papel). Neste caso o quadrimotor só não prossegue até ao destino porque somado à avaria num motor se notou um excesso de vibração na asa, o que esforçava demasiadamente a estrutura do avião. Regressam a Luanda.
 Substitui-se o motor avariado e o avião pode prosseguir já com plena potência para a Lisboa em voo não regular e sem passageiros, i.e. um voo ferry.
 Afinal a tripulação original que, não fora a vibração na asa, teria voado até Lisboa com 108 passageiros e menos um motor (estava treinada para isso; e habilitada, não esqueçamos o papel), não pôde ao fim e ao cabo tripular o avião na condição ferry, com quatro motores e sem passageiros, condições aparentemente menos perigosas.
 Porquê? - perguntar-me-eis.
 Ora, porque lhe não deram equivalência. Logo, não estava habilitada. Ou seja, faltava-lhe o papel.

CS-TLB da TAP (A.Malhão)
Super Constellation "Infante Dom Henrique" da TAP sobrevoando Lisboa, [1955-67].
Fotografia de André Malhão publicada em...

 A questão d' o papel é muito importante. E à cautela há quem opte por ter dois...

Escrito com Bic Laranja às 13:22
Verbete | comentar | comentários (8)
Sexta-feira, 13 de Abril de 2007

A propósito dum comentário

 Há dias atrás mencionei, já não sei porquê, esta garagem à Dona T. dos Dias que Voam. - Foi por causa de demolições, parece-me!... - Julgo que ela cirandou nas redondezas e viu o triste estado em que isto anda. Estou para ver o que está na calha...
 E parece-me que também aqui há um reclamo da Laranjina.

Garagem de Santa Luzia, Lisboa (João H. Goulart)
Garagem de Santa Luzia, Rua de Dona Estefânia, 1969.
João H. Goulart, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

O carro fica para quem o queira identificar.

Escrito com Bic Laranja às 21:27
Verbete | comentar | comentários (7)

Vizinhas ancestrais

 Se a nora é a que está indicada pelo nº 4 duma fotografia da Praça do Chile que já vos cá mostrei, então estas damas são vizinhas ancestrais da Dona T. dos Dias que Voam. Vão elas aqui no Chile como quem torneja da Morais Soares a caminho da Av. Dona Amélia (Almirante Reis). Ao fundo a Penha de França; no sopé do monte o muro da Travessa do Caracol da Penha e as casas da quinta do Saraiva, que agora são sítios ali pela Rua dos Heróis de Quionga.

Penha de França, Lisboa (P.Guedes, c. 1900)
Panorâmica da Penha de França, Lisboa, c. 1900.
Paulo Guedes, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

Escrito com Bic Laranja às 07:06
Verbete | comentar | comentários (5)
Quarta-feira, 11 de Abril de 2007

[Engenharia] De soslaio

- Repare! Foi há 14 anos... - defendeu-se.
Terrível foi aquele olhar de esguelha da jornalista Flor Pedroso enquanto juntava as fotocópias onde um bach. atamancado quase rasurava a engenharia.

Ponte Salazar, Lisboa (<i>c.</i> 1966)
Ponte Salazar, Lisboa, c. 1966.
(Col. Portugal Turístico, 901/L)

Com tamanha falta de... memória, admirem-se da Ponte Salazar vir a ganhar o concurso das maravilhas.

Escrito com Bic Laranja às 22:29
Verbete | comentar | comentários (9)

Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
13
14
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

arquivo

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS

____