Quinta-feira, 31 de Maio de 2007
Serviços mínimos

Na Para melhor ilustrar as chinesices que ali escrevi anteontem, aqui tendes o exemplo do critério adoptado pelo Ministério da Educação para aferir o Português dos nossos cachopos. O que vai emendado à máquina é gralha tipográfica (demonstrativa também de certo desleixo na revisão das provas do jornal). Os valores à direita são a classificação dada às respostas.
 Da folha Diário de Notícias de anteontem, sem mais comentários.



Escrito com Bic Laranja às 06:59
Verbete | Comentar | Comentários (5)

Quarta-feira, 30 de Maio de 2007
Pequeno-almoço estudado (pub)

 Ontem comprei o Diário de Notícias. Que pasto para o blogo!
 Uma outra que lá vinha era sobre o pequeno-almoço dos meninos (Diana Mendes, «99% das crianças tomam pequeno-almoço errado», Diário de Notícias, 29/5/07). É um daqueles estudos...
 Diz que 99% dos meninos em Portugal parece que tomam o pequeno-almoço errado. Mas há um detalhe - esta parte ouvi na telefonia: o estudo foi levado a cabo nas regiões norte, centro, e da grande Lisboa, embora o D.N. diga que foi em Portugal. Mas está certo. Desprezaram além Tejo, devido ao ermamento, e o Allgarve, que pelo nome é com certeza terra estrangeira.
 Mas sobre o pequeno-almoço dos meninos diz que a culpa é dos pais, que só dão alimentos-porcaria ao meninos. Pena o estudo não dizer a porção de pirralhos que, por birras e choradinhos, impõem que os pais os abasteçam com toda a sorte de tulicremes e afins, propostos pela incisiva publicidade ou pelas gulosas prateleiras dos híperes. Mas o caso é tão grave que até os cereais são má opção. Quem diria, hem!
 Afortunadamente a própria notícia traz o pequeno-almoço-solução incorporado: «o mais correcto é comer pão com creme de barrar vegetal...»
 Agora já percebo o que é o projecto Bom Dia Planta, em cujo âmbito coube o estudo.


Planta (Lambona)
misteriojuvenil.com



Escrito com Bic Laranja às 06:28
Verbete | Comentar | Comentários (11)

Terça-feira, 29 de Maio de 2007
Chinesices

Na Aferir é conferir pelo padrão. Toda a linguagem tem um padrão e por ele confiro se o uso que alguém faz da linguagem é melhor ou pior.
 Posso aferir a aptidão de fulano para usar a linguagem lendo-lhe um texto ou dando-lho para ler e fazendo-lhe perguntas sobre o dito texto. Da correcção ou incorrecção das respostas afiro a compreensão do texto; pela gramática das respostas afiro o seu domínio da linguagem. Uma coisa é certa: quanto mais a gramática for subvertida menos inteligível será a linguagem de fulano; e se a linguagem de fulano se afasta do padrão ao ponto de se entender muito mal ou de se não entender de todo, então fulano é, aferindo pelo padrão (que é a única bitola válida) inapto no uso da linguagem. Posso pois dizer que, se fulano não se entende com a sua própria linguagem, qualquer texto que se lhe dê ou leia será para ele pouco menos que chinês.
 Leio hoje no Diário de Notícias que o Ministério da Educação considera que fulaninhos do 4º ao 6º ano inaptos a exprimir-se na sua própria língua podem ainda assim ter aproveitamento na interpretação dum texto que para eles não passará de chinês.
 E mais abaixo leio que a habilidade da Associação de Professores de Português para dar como apta aquela gentinha incapaz é... escolha múltipla.
 Parece-me bem: se forem o próprios professores a escrevinhar as respostas aos meninos, mais disfarçado será o fracasso. Assim saibam eles (os professores) chinês...


Refª: Maria Luísa Torres Pires, Francisca Laura Batista, Glória N. Gusmão Morais, Livro de leitura da primeira classe, 1ª ed., Lisboa, Papelaria Fernandes, 1967. Ilustrações: Maria Keil, Luís Filipe de Abreu.



Escrito com Bic Laranja às 22:22
Verbete | Comentar | Comentários (5)

Segunda-feira, 28 de Maio de 2007
A mestria

 Há muitos anos que o prof. Saraiva é o único que me marca hora para ver televisão. Hoje acabou o programa com o mestre Ilídio, caldeireiro do cobre de Loulé. Mostrou um bule muito grande feito pelo mestre Ilídio que dava para servir um regimento. Diz que o mestre Ilídio gastou cinco dias de trabalho na feitura do bule, ao que respondeu o professor que numa máquina se fariam centenas. Evidentemente que a ideia que quis passar foi que feitos industrialmente certos bens não têm o mesmo valor do artesanato. Concordo. Se o mestre Ilídio fosse industrial latoeiro em lugar de industrioso artesão podia provavelmente ser chefe de produção, engenheiro ou até doutor em organização e administração, mas mestre ninguém lhe chamava; a sua produção não teria o valor do artesanato, antes passaria a ter outra coisa mai' moderna: mais-valia. E a sua mestria não seria mestria; seria com toda a certeza know-how.
 Na arqueologia lexical a clareza do Português vai-se acamando suavemente nos níveis inferiores.

Ovibeja © 2007
Medidas, Ovibeja, 2007.



Escrito com Bic Laranja às 06:57
Verbete | Comentar | Comentários (7)

Domingo, 27 de Maio de 2007
Av. da República, 13-23


 O quarteirão da pastelaria Versailles na Av. da República mantém, ao que julgo, a feição original. Faz tempo que o notei. Não sei quantos o notaram pelo meio das tenebrosas obras que o Metro ali anda fazendo.
 O gaveto com a Duque de Ávila - o nº 13, onde há um colégio; o nº 15 que é o da pastelaria; e o nº 23, que foi prémio Valmor em 1913, estão classificados. Não achei nada sobre os nos 17-21, cujo interesse arquitectónico parece menor. Do que vai pela cidade sou capaz de lhes adivinhar - nestes nos 17-21 - alguns enxertos de vidro e alumínio um dia destes. A não ser que haja classificação do conjunto, que duvido.
 Entretanto posso meter o nariz na livraria da C.M.L. - agora com a Feira do Livro não, mas ao depois - e instalar-
-me na Versailles saboreando algum achado que traga de lá. E cirandando por ali hei-de poder apreciar a feição original dum quarteirão inteiro da Av. da Republica em Lisboa.
 Isto se me safar no meio das obras e do trânsito.


As fotografias são do Arquivo Fotográfico da C.M.L. (a de cima) e da D.G.E.M.N. (a de baixo); presumo-as dos anos 60 [de 1979] e dos anos 90 respectivamente.


Escrito com Bic Laranja às 12:38
Verbete | Comentar | Comentários (17)

Sábado, 26 de Maio de 2007
Data-hora

 Comi um iogurte de morango com sabor a pedaços há 5 minutos, mas estava fora da validade desde as 3h31 desta tarde. Fará mal?

Iogurte Pedaços morango
Iogurte Pedaços Morango, [marca do super], 2007.



Escrito com Bic Laranja às 18:55
Verbete | Comentar | Comentários (15)

89/90 ou 90/91

 Apesar de muito esquecido dos anos 80 (a memória pode ser muito selectiva se não for alimentada; e se o for, também) há uma feliz recordação de lá do fim da década que apesar muito envolta em brumas ainda permanece agradável. Já cá falei disto em Julho ou Agosto de 2005. A passagem de ano foi na casa de praia dos pais da namorada dum de nós. Sem os pais, como é óbvio. A malta que meteu mãos à obra foi assaz diligente, mas pouco esperta: comprou os comes e bebes (catering é como se hoje diz à maneira amaricana) no Euromarché das Telheiras; comprou os confetti lá também; carregou isso e a restante tralha (aparelhagem de som, discos, luzes e mais não sei o quê); montou tudo no dia da antevéspera de ano novo; fez contas e não incluiu na margem de lucro mais que um contido almoço na Praia das Maçãs. Grandes empresários, hem!...
 Avisada a malta mais selecta - não queríamos lá chungaria - muitos mais pediram cabidela; foram e couberam todos; ninguém fez asneira (o que chegou num carro todo desportivo, sem ter carta, não conta). Afinal era tudo boa gente, conforme o demonstra a casa ter ficado de pé.
 Para abrir a rambóia, lembro-me, pus o Turn It On Again do Three Sides Live...
 Agora encontrei aí um plágio do documentário do evento (tirando os bebés, que não houve naquela data e que devem ser criação dos Genesis para disfarçar). Notai a estranha dança aos 2' 31'': aquilo seria eu?!...
 Bom! A moral da história é assim (*), dois pontos: as memórias são algo como uma coisa qualquer.


Genesis - Turn It On Again



(*) É assim, dois pontos: não é assim que ele agora toda a gente começa a dizer as frases todas que diz?


Escrito com Bic Laranja às 12:12
Verbete | Comentar | Comentários (5)

Select

 Select é um álbum (em vinil) da Kim Wilde de, salvo erro, 1982. Devo ter sido o único jovem em Portugal que na altura o comprou. O meu querido amigo Pitxaime lembra-se dele (que memória, pá!) e propôs-me um artigo. A única coisa que me ocorre dizer foi que comentei.

Chaos at the Airport é no Poceirão depois duma cantoria empolada do Words Fell Down
pelo sr. ministro Lino e do dr. Almeida Santos ter trauteado o View From a Bridge.
Há-de ter mais de 25 anos que não ouço este disco. Metes-me em cada uma.

 (Bic Laranja)

 Para me desculpar da resposta fraquinha que dou ao seu desafio (e sobretudo da imodéstia de me citar a mim mesmo) cá lhe deixo a Kim Wilde numa contracapa mais Select(a) que a de 82.


Kim Wilde - You Came (2006)



Escrito com Bic Laranja às 07:21
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Quinta-feira, 24 de Maio de 2007
Os calhaus

 A Criação foi violenta e no acto houve calhaus pelo ar em todas as direcções.
 Uns que tombaram nas encostas, por ladeiras íngremes vieram a rebolar; poliram-se tanto com delicadezas e mesuras que chegaram a ponto de alardear irritantes punhos de renda.
 Outros houve que bateram na carqueja e por ali ficaram, urbanizando aqueles lugares ermos (*), edificando estádios, construindo estradas, planeando maiores voos e aeroportos. Governando[-se]... Continuam tão brutos e toscos como quando a Criação os cuspiu para os ermos povoados de carqueja. Quem sabe é disso o trauma que têm com o ermamento.

Estrada, Alentejo (P.Flávio, 2004)
A estrada, Alentejo, 2004.
Fotografia de Pedro Flávio, in 1000 imagens.


(*) Ou desertos, que é por onde o escol bem-falante da imprensa e da televisão afunila o despovoamento.



Escrito com Bic Laranja às 23:23
Verbete | Comentar | Comentários (9)

Eu fico.

 É óbvio que o sr. dr. Paulo Portas é sincero e honesto. Mas porque o ostenta ele com gestos e jeitos tão avolumados?!...



Escrito com Bic Laranja às 21:33
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Quarta-feira, 23 de Maio de 2007
Guarda pólis

 Esta já está madura, mas os jornaleiros descobriram-na só agora.
 Um professor foi suspenso na D.R.E.N. por dizer uma piada sobre o sr. primeiro ministro Sócrates. Ora se tivesse sido suspenso de funções, preso, e até levado uns safanões por dizer uma piada sobre o dr. Salazar talvez fizesse sentido, não é!...
 Mas sobre sr. engº engenheiro Sócrates?!...

Guarda; Pólis © 2006
Guarda Pólis, Guarda, 2006.

 Não é?!...



Escrito com Bic Laranja às 06:24
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Segunda-feira, 21 de Maio de 2007
Estrelas do vídeo

 A saudade de 79 que o Weekend me deixou lembrou-me os Buggles e uma das minhas cantigas favoritas daquele tempo. Ao contrário do que cantam num dado passo da letra (we can't rewind we've gone too far) os Buggles nem por isso foram muito longe, e aqui em 2004, ao fim de contas, até conseguiram rebobinar; excelentemente, por sinal.
 Tomava os Buggles por uma banda de estúdio incapaz de apresentações ao vivo tão fiéis ao disco. Ora enganei-
-me. Diz-me o Trevor Horn - o dos óculos - no fim da canção que foi a primeira vez que ele, os colegas dos Buggles, o baterista e duas das senhoras do coro a tocaram diante de alguém, ao vivo, desde a gravação no estúdio 25 anos antes. Em boa hora o fizeram. Mereceram muito bem as honras da realeza.


The Buggles - Video Killed The Radio Star
(Teledisco)



Escrito com Bic Laranja às 23:30
Verbete | Comentar | Comentários (12)

Sábado, 19 de Maio de 2007
Tudo se compra...

« A câmara de Lisboa deve ser, assim de cabeça, uma das maiores empresas públicas deste país, com tudo o que de privado tem o que é público, entenda-se. É, isto de certeza, um pote de ouro gigante onde se têm alimentado organizações criminosas ligadas à finança, ao cimento e à política.»

 B.S., in Baixa Autoridade, 17/5/2007.

Obras, Lisboa (J.Benoliel, 1955-59)
Obras..., Picoas, 1955-59.

 As eleições são concursos públicos sem caderno de encargos. A função é sempre a mesma: agente de compras.
 Quem ganha o concurso pode comprar toda a banha da cobra que conseguir aos grossistas mais amigos, ou, mais formalmente, àqueles com quem haja firmados prévia e secretamente contratos-promessa de compra e venda. Certas corporações de mercadores - contemporaneamente designadas partidos políticos - detêm o monopólio das vagas desses concursos para agentes de compras públicas. Antes dos concursos eleiçoeiros as corporações de mercadores alienam a pataco, a sociedades comerciais, quotas do seu monopólio de compras com o dinheiro colectivo. O negócio - que não querem que se saiba - cobre normalmente as despesas com o concurso e, em caso de vitória, rende óptimas comissões em espécie e em género às corporações de mercadores - contemporaneamente ditas partidos políticos - que depois redistribuem internamente... Para as sociedades comerciais pode parecer uma lotaria, mas contabilísticamente é investimento (de mais a mais há estudos de mercado sondagens); já para as corporações de mercadores - contemporaneamente ditas partidos políticos -, caso tivessem escrita comercial séria, o proveito seria simplesmente lançado na classe 7 como prestação de serviços.
 Depois do concurso ganho cumprem-se os contratos-promessa e não as promessas, não haja enganos.
 Este jogo combinado de compra e venda de quotas, serviços e mercadorias que em delírio descrevo é o que de privado tem a coisa pública na citação lá de cima. Sabei então daqui que o tão apregoadamente nobre combate político é triste eufemismo para guerra comercial. E é por isto que não encontrareis ética nenhuma na política: porque é comércio, e isso é cousa amoral...


(Obras, Lisboa (J.Benoliel, 1955-59)
Obras..., Av. Fontes Pereira de Melo, 1955-59.


Fotografias: Judah Benoliel, in Arquivo Fotográfico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 15:03
Verbete | Comentar | Comentários (10)

A involução dos eléctricos

 Quando ainda era possível atravessar a Av. da República sem semáforos...
 Os eléctricos faziam ali uma volta no cruzamento com a Duque de Ávila. Seriam as carreiras do Lumiar que desistiam ali de concorrer com o Metropolitano até à Baixa?

Av. da República, Lisboa (J.B. Geraldes, 1967)
Av. da República [vendo-se ao fundo o Saldanha], Lisboa, 1967.
João Brito Geraldes, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 00:02
Verbete | Comentar | Comentários (14)

Quinta-feira, 17 de Maio de 2007
2ª circular

 Não estava bem como na imagem, mas anteontem levou-me oito minutos ir do aeroporto à Estrada de Benfica pela a 2ª circular. Isto às 6h00 da tarde. Nem por uma vez parei. No fim só pensei no desmazelo que era os do Rádio Clube dizerem - isto quando ia eu no Relógio - que estava tudo engarrafado entre o Campo Grande e Benfica. Lá porque é a regra não quer dizer que não devam verificar, porque há excepção.
 E pensar que o trabalho daqueles senhores do Rádio Clube é dizer as notícias!...

2ª circular, Lisboa (A.Goulart, s.d.)
2ª circular entre o estádio da Luz e a Estrada de Benfica, Lisboa, [s.d.].
Artur Goulart, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

 Agora parece que há ali uma bomba de gasolina onde havia aquela casa.



Escrito com Bic Laranja às 23:04
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Terça-feira, 15 de Maio de 2007
Punaises e outras ferragens

Quem é o ministro asterisco?
- Saberão a seu tempo! - declarou José Socrates.


[Eh raça de homem! É assim mesmo!...]


Este verbete foi sugerido por... Sabereis a seu tempo...


Escrito com Bic Laranja às 22:59
Verbete | Comentar | Comentários (7)

Domingo, 13 de Maio de 2007
Weekend

 Foram as gémeas que me disseram o nome. Sabiam que queria dizer 'fim de semana' porque tinham escolhido Inglês no ciclo. Eu tinha escolhido Francês mas também sabia o significado porque se diz da mesma maneira. A cantiga foi um êxito formidável em 79 e dava quase todos os dias na telefonia onde a ouvíamos - as gémeas e eu - nos discos pedidos. E ao depois nunca mais se ouviu...
 Já tinha andado à cata da cantiga no Tubo, mas como não a achei, deixei. Hoje meti-me novamente à procura e cá está. Sabendo o nome - e havendo no Tubo - foi simples. Caso idêntico já se não deu com o sr. Francisco Mateus que passou 28 anos com a melodia atravessada na ideia e a lembrança do teledisco a ganhar pó na memória, sem forma de poder achar a cantiga. É complicado pesquisar algo quando os termos de pesquisa são uma melodia sem nome ou uma cantora meneando-se num macacão brilhante, na TV, há 28 anos. A busca, que para mim foi uma questão de tempo até a cantiga chegar ao armazém, para ele foi um afortunado golpe do acaso. Por isso quando tropeçou na "sua" cantiga perdida nesse palheiro imenso que é a Internete ele quase não acreditava. Compreende-se. Resta-me eu saber agora se terei sorte igual com a minha cantiga perdida, que não sei sequer trautear com convicção, que não sei o nome, cuja cantora não sei quem é, e cujo teledisco nem sei se há.


Earth and Fire - Weekend



Escrito com Bic Laranja às 20:48
Verbete | Comentar | Comentários (10)

Românico
Ermida, Castro Daire © 2006
Ermida, Castro Daire, 2006.


Escrito com Bic Laranja às 16:50
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Aviso

 Fiquei cá agora a pensar...
 Há muita ferramenta fácil de incorporar aqui no blogo que pode indicar quem são os benévolos leitores que aqui vêm. Hesito muito em pôr disso cá porque não domino a ciência e não sei quanto isso pode espiolhar os computadores dos visitantes daqui. Por exemplo o 'sitemeter' diz qual sistema operativo ou a resolução do monitor dos visitantes. Saber isto não tem o mínimo interesse e considero reles bisbilhotice espiolhá-lo. O que mais espiolhará não sei, mas aflijo-me. Sei que quem quer dar-se a conhecer di-lo nos comentários. Por isso só há um simples contador aqui; mantenho o 'sitemeter' somente nos arquivos porque não há forma de pôr contadores em todo o arquivo diário e mensal. 
 Inscrevi-me há pedaço num desses que medem as visitas aos nossos blogos. Fiquei algo admirado com as remissões para cá de blogos que desconhecia e que nunca visitei. Constrangido por os não conhecer quando eles me conhecem e reconhecem, é este aviso também, em alguma medida, uma desculpa. Não sei o que este fornecedor vasculhará sobre os benévolos leitores; nem sei quanto tempo o manterei ligado; como lhe não faço publicidade explícita fica este aviso.


Nota: uma boa informação que colhi desta ferramenta - pois que também há vantagens - foi ver esta tela branca aqui onde faço redacções e penduro postais distinguida três vezes com o prémio de blogo que dá que pensar. Em dois deles (Dias que Voam e Rio das Maçãs) que tinha já dado notícia agradeci lá onde gentilmente o prémio foi atrubuído a honrosa distinção. No terceiro (Aldrabas, Batentes e Fechaduras) dei só agora. Renovo-lhes o meu obrigado agora aqui.


Escrito com Bic Laranja às 13:44
Verbete | Comentar

Sábado, 12 de Maio de 2007
Domus Iustitiæ

O tribunal do Seixal teve em tempos um parque de sucata à porta. Somado ao estilo arquitectónico da Domus Iustitiæ pareceu-me que o resultado era uma lógica zona jota. De justiça, claro.

Tribunal do Seixal © 2006
Tribunal do Seixal, 2006.

A sucata foi entretanto removida. Aprecio haver melhoria substantiva nos tribunais.



Escrito com Bic Laranja às 15:28
Verbete | Comentar | Comentários (3)

Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

13
15
17

18
19
20
21
24

25
26
27
28
29
30


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----