Terça-feira, 28 de Agosto de 2007
Paradoxo do ritmo

 Os limites são inadequados e os radares são um atraso de vida, dizem alguns (muitos, quase todos).
 Passo e observo o jardim. Hoje vinha um senhor de fato claro com uma pasta na mão. Não se alongou no caminho até à passagem subterrânea. A velocidade modera-se logo à saída do túnel de Entrecampos. Aposto que há-de atravessar ali sem correr sequer.
 Num banco um maltrapilho imóvel - vejo-o de costas - parece dormir sentado. Ontem um homem lia o jornal no banco a seguir; um casal passeava o cão. Do outro lado uns operários entaipavam o velho prédio do nº 180; - que mamarracho brotará dali? - penso. Passo o Quebra-Bilhas e ocorre-me sempre o nome do casarão aonde se encosta: o palacete Beltrão que foi de Fausto de Figueiredo. Hoje diz que pertence à Opus Dei.
 Subo o Campo Grande sem semáforo que me detenha. A menos de 50. E dou comigo a pensar calmamente nisto tudo e no rápido ritmo da mudança que me é induzido por consultores e outros arautos da competitividade [mais um desses palavrões da moda].
 Competitivo para quê? Para gerar mais e mais riqueza, sempre mais e mais depressa? Para poder pagar carradas de qualidade ISO 9000 plastificada? Para comprar segurança...?
 Os radares põem-nos paradoxalmente no ritmo certo. A vida é que anda com excesso de velocidade.
 Soubéssemos nós perceber isso.


Jardim do Campo Grande, Lisboa, 1966.
Fotografia de Jorge Guerra in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 23:59
Verbete | Comentar | Comentários (10)

Segunda-feira, 27 de Agosto de 2007
A terra

Os de fora dizem que os de Lisboa não têm terra. Mas não é Lisboa uma terra como outra qualquer?
- Terra? - dizem-me. Qual terra?! Lisboa é só cimento e alcatrão.

Cimento e alcatrão, Campolide © 2007
Talvez seja por isso que os de Lisboa acabam também por ir de férias como os de fora: para a terra.



Escrito com Bic Laranja às 18:31
Verbete | Comentar | Comentários (14)

Domingo, 26 de Agosto de 2007
A leitaria Mexicana

Av. Guerra Junqueiro, Lisboa (A.Passaporte, c. 1950)


 Há meses publiquei esta fotografia da Av. Guerra Junqueiro em Lisboa, e alvitrava poder ser uma leitaria o estabelecimento antecessor da Mexicana, cujo toldo vedes à esquerda. Ontem tive o grato prazer de receber um elucidativo comentário nesse verbete sobre a dita pastelaria.

 

 A Mexicana foi fundada em 1946 por um grupo de 4 sócios, 3 dos quais ligados à família Vicente, oriunda de Tomar. Os terrenos onde hoje se situa a Praça de Londres foram adquiridos na primeira metade do século XX por Tomarenses que [os] lotearam e venderam a outros Tomarenses para construção. Uma parte considerável do terreno onde se encontra a Igreja de S. João de Deus era desta família Vicente e da família Alcobia Neves. Ainda hoje, os principais sócios da Mexicana são descendentes do fundador José Vicente que terá dado sociedade, em comandita, a um sobrinho de nome Manuel Penteado que explorou aqui, no início, uma leitaria que mais tarde evoluiu para aquela que é hoje uma das mais afamadas pastelarias do País.

Enviado por Ricardo Jorge em 25/08/07 às 09:40 PM

 Agradeço ao benévolo leitor Ricardo Jorge a interessante informação. Apraz-me muito saber estas curiosas histórias, mormente quando se trata de lugares que me são tão familiares como a Mexicana.
 Já agora e também como curiosidade, aqui fica uma fotografia nova da avenida retratada acima.

Av. Guerra Junqueiro, Lisboa © 2007
Av. Guerra Junqueiro, Lisboa, 2007.


 Redijo esta nótula à margem para dizer que fui à Mexicana hoje à tarde para café e refrescos na esplanada. Para evitar os pardacentos torcionários das redondezas optei por pôr o carro no parque subterrâneo. Admirou-me que a entrada do parque tivesse o gradeamento descido vedando totalmente o acesso. Fiquei até na dúvida se o parque estaria aberto, mas uns dizeres pintados no portão - Aberto 24 horas; toque à campainha para ajuda - desfaziam o equívoco; aquilo deve ser para vedar a entrada à fauna indesejável que por ali pulula com tanta diligência em arrumar carros. Todas as entradas e saídas, as de peões também, estavam trancadas. Admira-me eu é passar-se isto num domingo à tarde, no Verão. Triste Lisboa!...



Escrito com Bic Laranja às 23:40
Verbete | Comentar | Comentários (4)

"Sei de uma camponesa"

 Há muito tempo, quando o Rui Veloso ainda usava óculos, havia um barzito a par de São Vicente onde eu ia muito. Chamava-se Casa da Lina; tinha um artista lá - um certo Luís Duarte - um tipo forte e divertido que tocava muito do repertório do Rui Veloso, coisa que me agradava. Outro bar onde me lembra de o ver actuar era um na Rua da Bombarda, às Olarias, mas cujo nome já não tenho ideia.
 O Luís Duarte não consta no Tubo, mas o Rui Veloso do tempo em que usava óculos sim, o que - não desfazendo - é uma vantagem.



Rui Veloso - Sei de uma Camponesa



Escrito com Bic Laranja às 07:38
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Sexta-feira, 24 de Agosto de 2007
O mundo em minha casa (que mundo!)


Ilustr.: Maria Keil, Luís Filipe de Abreu in Livro de Leitura da Segunda Classe.

 O caso da menina inglesa mostra toda a sofreguidão dos noticieiros. No Sol havia há pedaço 206 títulos indexados ao triste caso (*). Títulos, não notícias, porque a grossa maioria é boataria gratuita. Leio salteadamente alguns dos títulos. É aflitiva a nulidade noticiosa e mental naquele rol de nada.
 Só no dia de ontem (23/8/07) - é quanto chega para exemplificar toda a esquizofrenia noticieira - o Sol publicou como relacionados com o caso três pares de contradições palermas e uma euro-tolice desgarrada: Polícia investiga a denúncia das mulheres que garantem ter visto Madeleine vs. P.J. nega ter recebido informação de avistamento de Maddie em Espanha; Cães portugueses fariam trabalho semelhante aos britânicos vs. P.J. diz que cães portugueses não conseguem fazer o mesmo do que os trazidos do Reino Unido; Jornalista da R.T.P. pode ser processada pelos McCann vs. R.T.P. desmente processo a jornalista Sandra Felgueiras. Por fim, ainda a propósito e a despropósito do caso da menina inglesa diz o Sol que os Eurodeputados apoiam criação de base de dados europeia sobre predadores sexuais.
 [Predadores sexuais?! Já deram por que vão ter que proibir as discotecas, aqueles euro-limitados?]



(*) Não julgueis que os contei um a um (trabalhos me deram!); fiz parecido com o alegado (eh! eh!) acessor do dr. Filipe Meneses de Gaia: seleccionei, copiei e colei os títulos numa folha de cálculo e vi logo quantas linhas dava.


Escrito com Bic Laranja às 22:39
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Quinta-feira, 23 de Agosto de 2007
Geometria variável

« Actores anónimos (e subitamente célebres) de fait-divers, como os McCann. Actores políticos, como Marques Mendes e Luís Filipe Menezes. Actores financeiros, como Jardim Gonçalves e Teixeira Pinto. A geometria é variável - e assimétrica. Os primeiros são descartáveis, sejam quais forem as futuras peripécias do caso. Os segundos têm sido objecto de atenção crítica e até de apreciação anedótica, notoriamente mais complacentes com a figura que ainda representa um papel institucional (Mendes).
   Quanto aos terceiros, a atitude geral dos media pauta-se pela reverência, a prudência extrema, o temor absoluto do melindre - a ponto de, ainda hoje, não se ter percebido verdadeiramente o motivo racional do conflito entre Teixeira Pinto e Jardim Gonçalves [...] »

Vicente Jorge Silva, "Folhetins e Misterios de Verão", Sol, 18/8/2007.

Cinelândia, Lda.
Reportagem cinematográfica, Feira Popular, 1940-50.
Fotografia in Joaquim Vieira, Portugal séc. xx: crónica em imagens, [Lx], Círculo de Leitores, imp. 1999, apud Fórum Auto-Hoje.


Nota: será o parágrafo à parte para falar só dos terceiros um exemplo de reverência também por parte de Vicente Jorge Silva?


Escrito com Bic Laranja às 22:21
Verbete | Comentar | Comentários (5)

Alegadamente

 Abstraindo para já do triste caso da menina atentai à gramática. "A Polícia Judiciária transmitiu...": ora o verbo 'transmitir', sendo transitivo, pede complemento directo; mas lendo pergunto: transmitiu o quê? Há ali algum complemento?
 Bem! Há um indirecto: os magistrados; mas não se percebe o que lhes foi transmitido. Só se dissessem A Polícia Judiciária transmitiu aos magistrados &c. que acredita fortemente na possibilidade de blá blá blá.
 Há no texto da notícia um erro de concordância, portanto; o complemento directo não concorda em número com sujeito. A menos que o (a) jornalista ache que a Polícia Judiciária é um substantivo colectivo e force - alegadamente - por aí o plural.
 Ou talvez não saiba - alegadamente - contar...
 
 Que me lembre, este caso da menina inglesa - segundo os jornalistas - já foi rapto sórdido levado a cabo - alegadamente - por um luso-britânico; a menina já foi vista na Holanda; já houve um - alegado - pederasta suíço que morreu; os pais da menina já foram ao Papa e a Marrocos à procura; há dias um cão descobriu que a menina morreu; a - alegada - culpa do passou para os pais; a culpa anteontem era dum amigo dos pais; ontem a menina foi vista em Espanha; hoje diz que houve um acidente dentro do apartamento há três meses...
 Há erros de concordância na notícia, portanto. Ou os jornalistas não a sabem contar. Alegadamente.



Escrito com Bic Laranja às 17:52
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Quarta-feira, 22 de Agosto de 2007
Dos transgénicos (neol.)

Karateca da maçaroca O Pancadas era um sujeito intratável. No seu local de trabalho constantemente implicava por causa de portas abertas. Alguém que passasse uma porta e a não fechasse era logo alvo de áspero ralhete; acto contínuo a porta deixada aberta pagava as favas sendo fechada à bruta. Numa dessas vezes armou-se ele em lutador de karaté e pregou tal pezão na porta que esta fez de mola e veio de volta violentamente apanhando-o ainda com o pé estendido no ar, derrubando-o: o Pancadas caiu ridiculamente de cu.
 Esta velha história veio-me à memória quando vi aí há dias uns mutantes cheios de fúria contra umas maçarocas.
 Adiante.
 Pede-me o amigo Réprobo um comentário sobre o redundante linguajar do sr. ministro da agricultura - "os responsáveis serão responsabilizados", parece que foi o que afirmou o sr. ministro - a propósito dos lutadores do milharal de Silves. Ora responsabilizar responsáveis além ser, assim, forma transitiva com complemento obviamente óbvio - digamos -, é inconsequente; carece-lhe a identificação do óbvio: quem são os responsáveis...?
 Mas tratando-se de agricultura pode dizer-se que é fruta da época; mais raro será ver hoje em dia castigarem-se os responsáveis responsabilizados por tantos ilícitos. A começar pelos responsáveis dessa plantação (nunca responsabilizados estes) donde se colhem ministros - da agricultura e outros - tão... transgenicamente cultos, ou cultivados.
 Mas que fazer; a política é ao cabo e ao resto só mais uma cultura transgénica. Muda geneticamente no sentido do tacho.


Ilustração: montagem dum karateca no cultivo do milho.


Escrito com Bic Laranja às 06:19
Verbete | Comentar | Comentários (10)

Terça-feira, 21 de Agosto de 2007
Dos perdigueiros

Eugène Petit: Perdigueiros espantando as perdizes
Eugène Petit (1839 - 1886)
A Pointer and a Gordon Setter Flushing Partridge

 Quando a menina desapareceu apreciei muito uma reportagem da filha da presidente da Câmara de Felgueiras sobre as maneiras de um raptor se escapar de Portugal às escondidas. Hoje vejo a notícia da detenção iminente dum inglês que se mudou para Exeter, amigo do casal (tudo factos altamente suspeitos, quiçá incriminatórios)...
 Fico apenas a pensar: porque não vão imediatamente os farejadores lá encurralar a presa? Ou será que só sabem espantar a caça...



Escrito com Bic Laranja às 10:20
Verbete | Comentar | Comentários (7)

Domingo, 19 de Agosto de 2007
Brisas de 84

 No princípio de Julho de 84, com as férias grandes a perder de vista e com juvenil desejo de descoberta e aventura que bebera talvez dos livros d' Os Cinco, propus à malta da rua irmos para à praia. O projecto tinha inclusivamente um plano para fugirmos às bichas da ponte: ir de autocarro a Belém apanhar o barco da Trafaria: daí para São João da Caparica podia ir-se a pé; poupava-se no transporte. Secretamente este plano recordava-me à passagem a velha praia da minha infância mai' recuada que a marcha do progresso tornara imprópria.
 O plano foi aprovado só formalmente com um - É... podemos ir... -, sem nenhum entusiasmo: era aventura algo extravagante para a malta, que era mais amiga de jogar à bola logo ali de imediato, na rua, que cansar-se até São João da Caparica para fazer o mesmo. Além disso estava muito vento, o que é mau para a praia.
 De acordo. O vento era aborrecido, mas se o vento passasse...
 - Ah! Isso podíamos ir.
 O vento não passava; por mais que eu procurasse ao Anthímio ou ao Costa Alves na televisão, o boletim só dava vento moderado a forte. E assim, mesmo que eu insistisse, aqueles dias iam correndo e o vento foi refrescando o entusiasmo da aventura juvenil, da mesma forma que refresca em 2007 o Verão mais quente de todos os tempos.
 Provavelmente acabei por ir à praia em 84; e hei-de ter feito alguma coisa mais, mas o que me lembra mais vivamente agora desse Verão de 84 é do ventoso que foi - como este de agora. Não creio, porém, ter ouvido nessa vez o anticiclone ser responsabilizado como agora.

Costa da Caparica (Fórum Motor Clássico)
Comboio da Costa da Caparica, [s.d].
Fórum Motor Clássico.


Corrigido às 7h06 da tarde.



Escrito com Bic Laranja às 17:56
Verbete | Comentar | Comentários (3)

Plim Plim, Xabreeegas!

Trocando os algarismos à data da fotografia... Já posso ir à Rua do Açúcar. Às vacinas...
[Algo sucedeu à ponte ferroviária!...]


Eléctrico 332 sob o viaduto ferroviário de Xabregas, Lisboa, 1983.
Fotografia de Phil Trotter, in The Portuguese Mono Tramway File.



Escrito com Bic Laranja às 12:14
Verbete | Comentar

Sexta-feira, 17 de Agosto de 2007
Eléctricos

Em pequenos, uma maneira típica de dizermos os eléctricos era cantarolar:
- Plim Plim, Xabreeegas!


Viaduto de Xabregas, Lisboa, 1938.
Fotografia de Eduardo Portugal, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 23:17
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Arcos

As notas dos euros têm arcos.
Também Xabregas.

Xabregas (A.Madureira, 1968)
Viaduto de Xabregas, Lisboa, 1968.
Fotografia de Arnaldo Madureira, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 21:22
Verbete | Comentar | Comentários (4)

A globalização é...

 Semana a semana tenho vindo a ler com deleite o Álbum de Memórias do professor Hermano Saraiva. Na outra semana deixei-me atrasar. Enquanto tento recuperar a leitura fixo-me num passo de 1992 - as primeiras impressões sobre a América. Convidado para proferir lá algumas palestras, aconteceu em cada dia um dos anfitriões ser escalado para acompanhar o professor Saraiva. Numa das vezes...

« Acabam por me levar a uma galeria comercial para fazer compras. Tinha vagamente pensado em levar à Maria de Lourdes um blusão de cabedal, mas de pele mais macia, leve e, se possível, branca. Digo-lhes isso e corremos a galeria à procura. Nada que se pareça. Mas os meus companheiros dizem-me que não devo sair sem comprar alguma coisa. Seria repreensível. E sugerem-me camisas e camisolas que acham muito bonitas: são as mais assarapantadas, garridas, absurdas. Vejo por fim uma, completamente branca, e compro-a, para me livrar da pressão. Mas não, ainda não. É preciso continuar a comprar. Estamos na época do Natal. Devo, portanto, comprar artigos natalícios. Esta insistência não é uma exigência indiscreta, mas um gesto de amabilidade. Para os meus torcionários, viver é consumir. Trazem-me às compras como se me levassem a um paraíso terreal. Procuram proporcionar-me o maior prazer que conhecem: comprar. Até que ponto o consumismo pode moldar-nos a alma! »

J. H. Saraiva, Álbum de Memórias, 8ª Década (Anos 90), I parte, 1ª ed., [Lisboa], Sol, 2007, p. 31.
Centro Colombo, Lisboa, 1997
Centro Colombo, Lisboa, 1997.
Imagem em ...


Escrito com Bic Laranja às 00:29
Verbete | Comentar | Comentários (5)

Quarta-feira, 15 de Agosto de 2007
Av. Júlio Dinis, Lisboa

 Olhando para "Os ciclistas" avisto três casas: à esquerda o antigo palacete da Av. da República, 77, que já foi abaixo; à direita o nº 87 da dita Avenida da República; ao meio, vejo de lado um prédio de rendimento que julgo ser o nº 5 da Av. Júlio Dinis. Os dois últimos milagrosamente estão hoje de pé. Aliás, na Av. Júlio Dinis creio que só aquele nº 5 (e o nº 7 que lhe é gémeo), se aguentam. Todas as mais casas do princípio das avenidas novas que lá houve veio a dar-lhes o... camartelo.

Av. Júlio Dinis, Lisboa (A.Madureira, anos 60)
Av. Júlio Dinis [vista da 5 de Outubro], Lisboa, [anos 60]

Av. da República, Lisboa (A.Madureira, c. 1970)
Av. da República, 85 [esquina com a Av. Júlio Dinis] e 87, Lisboa, [c. 1970]

Av. da República, Lisboa (A.I.Bastos, c.1970)
Avenida da República, [81 a] 85, esquina com a Av. Júlio Dinis, Lisboa, 1970.


Fotografias: Arnaldo Madureira e Artur Inácio Bastos, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 23:09
Verbete | Comentar | Comentários (5)

Responsabilizado?

1º Acto
O anticiclone dos Açores está a ser responsabilizado [sic] pelo Verão fresco... - anuncia o apresentador que sabe a fórmula de Deus no seu habitual estilo bombástico.
Responsabilizado? Irão processá-lo? (Ao anticiclone, claro.)

2º Acto
O meteorologista Costa Alves aparece a substanciar: Três em cada dez verões são frescos... O anticiclone costuma posicionar-se [que foi feito do verbo pôr?] a oeste... Este Verão está a sudoeste.
Das duas uma: ou enquadram este Verão na normalidade dos 3 em 10 ou amarram o anticiclone ao sítio dele. Agora é só escolher.

Ceifeiros (Imagem do Livro da Primeira Classe.)

Parece que sobra aí tanto tempo que vai de encher chouriços...


Escrito com Bic Laranja às 20:18
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Batalha

 Não me apetece muito exaltar Aljubarrota. Orgulho-me do feito; mormente da consequência histórica. Mas sinto que hoje qualquer exuberante manifestação me soa demasiadamente como o estrebuchar dum moribundo...
 A transcrição de Fernão Lopes que há um ano cá deixei é exemplar: Aljubarrota foi um acto em que os muitos, por subjugar os poucos, e os poucos, por se verem isentos de seus inimigos, lidavam com toda sua força.
 A batalha continua.





Postal de Antigamente.


Escrito com Bic Laranja às 15:14
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Domingo, 12 de Agosto de 2007
Os ciclistas (*)

 Certa vez que procurei ao meu pai o que se lembrava ele dos lugares de Alvalade ou do Campo Grande antes daquilo tudo ser urbanizado saiu-se-me ele com uma história duma corrida Porto - Lisboa no tempo do Trindade e do Nicolau. Devia ter ele uns seis ou sete anos - disse-me ao cabo de contar a história - o que leva esta história para 1935 ou 1936.
 Foi ver os ciclistas. Para os ir ver não se conseguia era lembrar já os caminhos que calcorreara. Tinha uma vaga ideia de ter passado a linha férrea e ter ido dar finalmente ao Campo Grande, para os lados do campo do Sporting. Mas era pequeno e seguia guiado por outros. Do que eu queria saber não me disse afinal grande coisa mas do descaminho até tão longínquos arrabaldes para admirar os briosos ciclistas disse que foi uma festa; era uma alegria vê-los a correr e ver o muito povo que ruidosamente os animava.
 Desta história houve consequências: o Trindade e o Nicolau corriam de bicicleta a rivalidade entre o Sporting e o Benfica; nesta vez ganhou o Trindade e o meu pai alçou-o logo ali a ídolo. E ficou do Sporting.


Corrida de bicicletas em Lisboa, [Campo Pequeno], [c. 1910].
Fotografia: Arquivo Fotográfico da C.M.L..

 Uma outra consequência foi a minha avó lhe ter pregado à chegada dois açoutes no rabo por se ter escapado para tão longe e ela afligindo-se sem saber dele.

 


(*) Publicado originalmente em 12 de Agosto de 2007 às 4h06 da tarde. Trasladado conforme o original a esta data (7/VIII/2013), com todos os comentários, por capricho do autor. E reposto na data original em 20/VIII/2013.



Escrito com Bic Laranja às 16:06
Verbete | Comentar | Comentários (24)

Sexta-feira, 10 de Agosto de 2007
Desgaste

Caso aquela flexão do verbo 'realizar' ali sublinhada vos pareça extravagante ou pouco clara, o seu sentido vem explicado na Britânica: vale a 3ª acepção.
...percebi...
O professor de Direito diz muitas... muitas coisas. Isso desgasta-lhe o Português.



Escrito com Bic Laranja às 23:41
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Com tranquilidade

Segui o conselho. Ora vede lá quem faltava...
Pinto da Costa box
Parece que não atendeu.



Escrito com Bic Laranja às 21:07
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9

12
15
17

19
20
21
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Alpendre (O) (pub)
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Palaurossaurus Rex
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----