Domingo, 30 de Setembro de 2007

¿Consumes qué?

A chaminé da velha fábrica exibia a pergunta em correcto Castelhano, com rigorosa pontuação.
A fotografia foi tirada do rio Douro. Ao lado vê-se o Palácio do Freixo... Ou será del Fresno?


Freixo, Rio Douro, 2006.

Escrito com Bic Laranja às 14:09
Verbete | comentar | comentários (10)
Sábado, 29 de Setembro de 2007

À espreita


Convento de Cristo, Tomar, 2006.
Escrito com Bic Laranja às 20:52
Verbete | comentar | comentários (7)
Terça-feira, 25 de Setembro de 2007

Telecomandado

Nokia 1600 Se eu tiver um destes e telefonar a alguém dando uma ordem, é um comando à distância. E de facto tem parecença.
 Mas agora deu-me ele uma mensagem dizendo que se chama Vitamina e que ainda assim tenho de o 'alimentar'...

Escrito com Bic Laranja às 11:54
Verbete | comentar | comentários (9)
Segunda-feira, 24 de Setembro de 2007

Martim Moniz

Martim Moniz, Lisboa (A.Goulart, 1961)
Martim Moniz, Lisboa, 1961.
Fotografia de Artur Goulart in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

 Tinha esta para cá pôr faz tempo.
 Tinha ideia de falar aqui dos pavilhões de lojas do Martim Moniz - aquela ali é de malhas, mas havia vidrarias, chapelarias... As que mais me lembra são as sapatarias onde os empregados das lojas atendiam com cerimónia e orgulho profissional. Havia sempre o número do cliente; lá fui aprendendo que calçava o 22, o 23, o 24, o 25 e que se ficasse um bocadinho grande não fazia mal, que o pé estava a crescer. E havia a obrigação de pôr sempre a tampa da caixa debaixo do sapato quando se via se servia. O calçado era para estar imaculado desde a sola à gáspea até ser vendido. Nem ninguém compraria doutra forma. Hoje é-se ligeiro nestas coisas.
 Ao depois aquilo acabou; como era provisório - fora feito para realojar os lojistas despejados pelas demolições da Mouraria anos antes... Mas nos anos oitenta ainda os pavilhões se mantinham: o Barradas, que berrou da janela ao bairro inteiro o golo do Jordão contra a França no Europeu de 84, trabalhava lá nessa altura. E quando outros do bairro gingavam o pente para alisar o cabelo ele exibia a calçadeira. Mas ao depois aquilo acabou mesmo. Há lá outra coisa agora...
 O autocarro da imagem é o 16.

Escrito com Bic Laranja às 00:24
Verbete | comentar | comentários (22)
Sábado, 22 de Setembro de 2007

Dreams

 O fim de semana passado foram os Genesis, este são os (as) Corrs. Este blogo anda muito voltado à cantoria.
 De permeio com os resultados da procura da versão acústica de Dreams apareceu-me esta, vivíssima, entusiasmante. O ritmo do baixo logo ao início põe qualquer pé de chumbo a bater; o Mick Fleetwood é empolgante a tocar bateria (a montagem do teledisco está muito boa); o tom celta é uma felicidade. E o meneio velado da cantora... uma satisfação!

Escrito com Bic Laranja às 23:23
Verbete | comentar | comentários (4)

Harmonia

Vou dar uma volta. De caminho compro o filme deste concerto que vi esta manhã no 2º canal. Este conjunto tem muita harmonia...


The Corrs - Dreams
(Concerto acústico)

Escrito com Bic Laranja às 15:09
Verbete | comentar | comentários (2)

Esquema da desigualdade de géneros

 Esta semana foi noticiado mais um estudo muito à-frente e assaz (sub)urbano. Diz que mais de metade das tarefas domésticas continuam a ser realizadas exclusivamente pelas mulheres, sem ajuda dos maridos ou companheiros. Este termo companheiros é precioso. Se o estudo das 1776 "amostras" se adensou neste detalhe não sei porque não incluíu espécimes dessa vanguarda cultural que são os ditos 'casais gay'. Será porque nestes casos houvesse que forçar os parceiros a papéis femininos e masculinos para arribar a conclusões tão poéticas como «a cumplicidade e a conformidade femininas com o esquema da desigualdade de género» [é] um dos principais entraves à mudança do papel dos homens na família? (A divisão sexual do trabalho, incluindo o doméstico é uma barbaridade pré-histórica muito enraizada tanto nos machos como nas fêmeas, já se vê...)
 Mas sendo eu do género masculino tendo a defender a minha dama e fico curioso por saber se a tarefa diligências administrativas atribuída aos homens não poderia ser decomposta diligência a diligência para se democratizar mais a contagem. Outra coisa que também não sei é a porção das tarefas domésticas que são desempenhadas por criadas, empregadas ou, mais modernamente, por colaboradoras. Seria interessante, até para a Assembleia estabelecer quotas masculinas para esses empregos.
 Voltando ao «esquema da desigualdade de género», sabemos que ele é o esquema democrático e livre que sucedeu ao obsoleto esquema da desigualdade de géneros; um jugo ditatorial imposto aos humanos pela Natureza. Onde dantes havia géneros diferentes - masculino e feminino - ditados à nascença, passou a haver a escolha livre e democrática. Eis o géneros (des)iguais oferecidos pelo mercado politicamente correcto na forma dois-em-um: feminino fêmea; feminino macho; masculino fêmea; masculino macho (*). Este novíssimo monolitismo transsexual das sociedades humanas seria perfeito se a Natureza não continuasse a ditar aos machos comportamentos de macho e às fêmeas comportamentos de fêmea, o que é uma barbaridade antidemocrática (além de penalizador para o mercado dos cosméticos...). E o que se dá com outras espécies na Natureza não é exemplo, mesmo que essas espécies tenham rudimentos de organização social. Não. As sociedades humanas são imperativamente democráticas, quer a Natureza queira quer não.
 Nos anos 70 havia um anúncio que dizia que um preto de cabeleira loira ou um branco de carapinha não era natural. Natural era usar o cabelo com que se nasceu. Ora hoje, natural é às avessas do que é natural. Só assim se percebe o mundo em que vivemos.


 


(*) Enumero-os alfabeticamente por ser a ordenação mais democrática que conheço.

Escrito com Bic Laranja às 13:12
Verbete | comentar | comentários (14)
Sexta-feira, 21 de Setembro de 2007

Latine discere

 

Curso livre de Latim elementar na Universidade do Algarve (via 'Domina' Socrates). A quem possa interessar...

VIII. Miser Catulle


Miser Catulle, desinas ineptire,
et quod uides perisse perditum ducas.
Fulsere quondam candidi tibi soles,
cum uentitabas quo puella ducebat
amata nobis quantum ambabitur nulla.
Ibi illa multa tam iocosa fiebant,
quae tu uolebas nec puella nolebat.
Fulsere uere candidi tibi soles.
Nunc iam illa non uolt; tu quoque,inpotens noli,
nec quae fugit sectare, nec miser uiue,
sed obstinata mente perfer, obdura.
Vale, puella, iam Catullus obdurat,
nec te requiret nec rogabit inuitam;
at tu dolebis, cum rogaberis nulla.
Scelesta, uae te; quae tibi manet uita!
Quis nunc te adibit? Cui uideberis bella?
Quem nunc amabis? Cuius esse diceris?
Quem basiabis? Cui labella mordebis?
At tu, Catulle, destinatus obdura.

Lesbia
John Reinhard Weguelin


Nota: ao confrade Funes el Memorioso agradeço a dica e aqui deixo uma remissão para Lugete, o Veneres Cupidinesque (Catulo III), na enciclopédia livre; pode ouvir o poema como julgo que soava na antiguidade aqui...

 

Escrito com Bic Laranja às 00:05
Verbete | comentar | comentários (9)
Segunda-feira, 17 de Setembro de 2007

Elevador da Glória

 Quando fui para o 7º ano tive direito ao passo por causa da escola ser longe. Senti-me então - aos 12 - como um pássaro a quem abrem a gaiola; podia descobrir livremente toda a cidade em qualquer autocarro ou eléctrico. Podia descer dum autocarro e apanhar o primeiro que viesse a seguir e ir aonde essoutro me levasse. E podia andar no Metro também porque embora eu não precisasse para ir para a escola, o meu pai foi sempre generoso (sempre, se excluirmos um certo mês em que as notas que tive não foram suficientes para manter o privilégio) e comprou-me sempre a senha L que permitia livre trânsito no Metropolitano.

 O que eu não soube logo e ainda demorou até o meu irmão me dizer foi que o passo da Carris também dava para os elevadores.

Elevador da Glória, Lisboa (E.Portugal, 1931)
Abrigo e bilheteira do elevador da Glória, Lisboa, 1931.
Fotografia de Eduardo Portugal in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

Escrito com Bic Laranja às 21:14
Verbete | comentar | comentários (23)
Sábado, 15 de Setembro de 2007

Radar do Campo Grande

Ontem uma senhora velhota meteu-se a brios de atravessar a faixa central nascente do Campo Grande, aí onde vedes o carro na fotografia.
É preciso ter muita calma para atravessar ali. E ela, claro, teve-a...


Igreja do Campo Grande, Lisboa, 1941.
Fotografia de Eduardo Portugal, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

Escrito com Bic Laranja às 18:06
Verbete | comentar | comentários (8)

Ondulações


Genesis - Ripples

Genesis

 Andei ontem com o Trick of the Tail na cabeça. Comentei isso com uma jovem colega ao almoço e acrecentei à conversa que era uma cantiga já de 1976. Ela sorriu ao '1976' com alguma ironia nos seus 20 anos. Claro que só com referências exteriores poderá formar uma qualquer memória de 1976. Não sei se as tem.
 As grandes bandas dos anos 70 ouvia eu falar delas aqui e ali; ao meu irmão - que não ligava nada de nada à música -, aos amigos dele, e a uns moços mais velhos lá mais do fim da rua, meios 'snobs', e que tinham muitos discos de bandas que eu nunca ouvira falar: era um Valdemar, o Luís - dito o Beiças -, um que agora é engenheiro e até trabalha na... Nunca nos demos muito - ele era raro jogarem à bola contra nós; eram 'outra cultura'. Mas tudo na mesma rua.
 A minha experiência consciente das cantigas dos Genesis vem do tempo da última vez que fui de férias à Azinhaga (hoje sei já conhecia o Turn It On Again sem saber que eram os Genesis). Nessas férias, entre uma talhada de melão e o café deu o Mama na telefonia, e eu fui interromper a amena cavaqueira estival da mãe e das tias para pedir à minha mãe dinheiro para o disco... No fim das férias trouxe no bolso 1000$00 que a querida tia Deolinda me ofereceu para comprá-lo. A partir daí foi fácil seguir os Genesis, mas o que havia para trás não conheci senão no fim dos anos 80, quando consegui por intermédio de novos amigos - já não lá da rua - e de amigos desses amigos, os discos mais recuados e os gravei em cassetes.
 Estranhamente, na taxonomia das culturas da minha rua, estes novos amigos do fim dos anos 80 cabem na categoria da 'outra cultura': o que pode demonstrar que o alargar de horizontes próprio do crescimento se faz com os referenciais da nossa rua.
 Engraçado.


 (Ainda via b.f.s., porque as ideias são como as cerejas.)

 

Escrito com Bic Laranja às 11:34
Verbete | comentar | comentários (2)
Sexta-feira, 14 de Setembro de 2007

Bom fim de semana


Genesis - Trick of the Tail
(via b.f.s.)

Escrito com Bic Laranja às 22:52
Verbete | comentar | comentários (2)

Lastimável

Um presidente da República comentando vilezas de matrecos...

Bandeira oficial do Presidente da República Portuguesa
(Imagem da enciclopédia livre)

Escrito com Bic Laranja às 21:02
Verbete | comentar | comentários (4)
Quinta-feira, 13 de Setembro de 2007

Patranhas e o crescimento do P.I.B.

 Anteontem soube de mais um daqueles estudos... Mais uma rubescente descoberta científica levada a cabo por investigadores (serão cientistas?) afadigados em comprovar exactamente as tolices que postulam (eles ou os que lhes pagam) e não em testar de modo isento hipóteses científicas sérias. O método é de gritos: pondo 43 humanos carregando no botão A ou B consoante um computador lhes mostre um M direito ou um de pernas para o ar concluem que os cérebros funcionam diversamente porque os indivíduos são de esquerda ou de direita. Deduzo que as cobaias tenham sido politicamente rotuladas em ambiente asséptico e com certificação de qualidade ISO 9000.
 Assim de repente que me lembre, há duas coisas para as quais não há limite: para a patranha e para o crescimento do P.I.B. (há quem meta a estupidez nisto mas ela decorre da patranha).
 Para achardes exemplo da primeira, num jornal ao acaso qualquer escrito serve.
 Dantes, para servir "verdades" ditas de ciência certa chegou a haver excursões a Gulags em terras inóspitas, pagas por governos; hoje nós pagamos jornais e televisão por cabo para as tais "verdades" nos chegarem prontas-a-comer em letra de imprensa ou em viva voz radiotelevisiva à hora do jantar. Hoje é melhor que dantes porque com a produção em massa e a economia de mercado, a compra e venda das tais "verdades" dinamiza a economia e faz crescer o P.I.B. (a tal segunda coisa para que não há limite.)
 A possibilidade de crescimento infindo do P.I.B. advém por princípio duma evidência aritmética: a qualquer valor pode-se sempre somar mais umas décimas. É um dogma de felicidade e bem-estar subjacente em todo o discurso moderno. Da conjugação da ciência (saber) e da técnica (trabalho) - conquanto o saber vá melhorando a técnica - a curva ascendente da produção - i.e. do P.I.B. - guiará os humanos como um todo à riqueza ilimitada.
 Grande futuro se adivinha, com a humanidade a ver-se cada vez mais rica. Mais rica e mais atulhada nos dejectos inúteis e descartáveis da superprodução galopante. E os humanos imbecilmente convencidos que produzir lixo é gerar riqueza.
 Posto isto, desafio os tais cientistas mercadores de teses pré-cozinhadas a fritarem-me cérebro no micro-ondas dos M direitos e de pernas para o ar, e dizerem-me se caibo melhor no formato molde dos conservadores ou na forma (esta aqui lê-se fôrma) dos liberais, já que são as únicas que têm para vender e eu estou curioso.

Vendedor de banha da cobra, Alcântara (E.Gageiro, 1957)
Vendedor de "banha da cobra", Lisboa, 1957.
Fotografia: Eduardo Gageiro.
Escrito com Bic Laranja às 12:37
Verbete | comentar | comentários (6)

Dai lá lama

[Hoje foi mais uma. Desta vez foi uma locutora.]
Escrito com Bic Laranja às 09:35
Verbete | comentar | comentários (2)

Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
13
14
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

arquivo

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS

____