Quarta-feira, 31 de Outubro de 2007
Campo dos Mártires da Pátria

" Isto foi o Campo de Sant'Ana.
  Desde 12 de Novembro de 1880, passou a chamar-se Campo dos Mártires da Pátria, designação que perdura no dístico municipal, mas que não entrou na auditiva popular.
  O jardim — muito cortado de ruazitas, mais jardim «de passar» do que «de estar» — possue belos exemplares de olaias, faias e cedros; esteve para ostentar um chafariz monumental, encomendado pela Câmara a certo arquitecto, que apresentou o seu risco e chegou a executar estátuas, que levaram outro destino.
  Mas, Dilecto, recomecemos a jornada [...] "

Campo de Santana, Lisboa (E. Portugal, 1940)
Panorâmica sobre o Campo dos Mártires da Pátria, Lisboa, 1940.
Eduardo Portugal, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..


 Olho do alto o Campo de Santana — vista privilegiada desde a esquina da Rua Gomes Freire — em 1940 pela objectiva de Eduardo Portugal. Ao fundo o Tejo e o Castelo, imersos na luz difusa de Lisboa. À esquerda o Largo do Mitelo — o nome deriva do palácio de porte nobre que faz esquina com o largo do Mastro, logo abaixo. Segundo Castilho — com remate e actualização de Norberto de Araújo...

" [...] no tempo do útimo rei Filipe, era dona dumas casas nobres, aqui no campo do Curral [nome primitivo do Campo de Santana] — o actual palácio que estamos vendo — D. Guiomar Nunes Coronel. Por sua morte passou o prédio, em conjunto, a sua sobrinha D. Ana de Sousa, que em 1672 o vendeu a Francisco Mendes. Dos herdeiros dêste passou em 1737, por venda, ao Dr. Alexandre Mitelo de Menezes, alfacinha puro, pois nasceu em Santo Estêvão da Alfama e que foi diplomata, conselheiro de El-Rei, desembargador e também capitalista. Foi êle quem acrescentou à sua formosa casa solarenga a Capela que junto a ela se vê [...] "

 Não vale a pena alongar-me na lista de sucessivos proprietários do palácio nem na descrição dos interiores. Talvez volte ao assunto mais tarde. Deixo-vos cá a informação — nova para mim — que neste palácio do Mitelo morreu em 1865 o Conde de Vimioso, cavaleiro fidalgo e toureiro, afamado pela ligação à cantadeira Severa.
 Por ali abaixo continua a velha Carreira dos Cavalos (Rua de S. Lázaro, continuada na Gomes Freire), que desce ao Socorro. Ali, na cortina que suspende este jardim Braamcamp Freire (outro caso de toponímia que não entrou na auditiva popular) sobem umas escadinhas a partir da Rua do Sol a Santana; é delas que se surge ofegante o Vasquinho da Anatomia numa cena conhecida d'A Canção de Lisboa (imagem nº 3).
 Mas a correnteza poente ficou a meio, não foi?
 Depois do Kaiser, Papa, viscondes, embaixadores, médicos, alemães e toiros sobra realmente pouco para acrescentar. Apenas que para o lado da Calçada do Moinho de Vento, a caminho do Torel (correnteza de casario à direita da Escola Médica na foto acima) sempre houve, afinal, demolições e reconstruções, mormente a sul da Calçada do Moinho de Vento. A fotografia aí em cima já mostra um palacete afrancesado que trasanteontem lá vi na esquina sul da Calçada envolto em tapumes. Mas esta parte da correnteza era no tempo da praça de toiros mais castiça, conforme vejo seguir.

Campo de Santana, Lisboa, c. 1900
Campo dos Mártires da Pátria, 39-39A [esquina com a Calçada do Moinho de Vento], Lisboa, [ante 1908].
Arquivo Fotográfico da C.M.L..

Campo de Santana, Lisboa (A.F.C.M.L., c. 1900)
Campo dos Mártires da Pátria, 29-37, Lisboa, [ante 1908].
Arquivo Fotográfico da C.M.L..

 Nesse dia de trasanteontem em que lá passei no Campo de Santana, da Calçada do Moinho de Vento até ao Torel só me lembra agora dum prédio grotesco-modernaço a meio do quarteirão. Ofuscado por essa modernice espelhada nem reparei se ainda lá estava, na esquina com a Travessa do Torel, o velho edifício adquirido pelo Estado em 1928 para funcionar o Ministério da Educação Nacional, em cuja fachada existiu uma lápide comemorativa da execução naquele local em 1817 dos 11 companheiros de Gomes Freire de Andrade. São eles os mártires da pátria do topónimo do Campo de Santana.


Ref.ª: Norberto de Araújo, Peregrinações em Lisboa, Vol. IV, 2.ª ed., Vega, Lisboa, 1992, pp. 32-47.
[Revisto em 1/11 às 11h11 e ao meio-dia e meia. E novamente em 2/11 às 11h12 da noute]



Escrito com Bic Laranja às 23:48
Verbete | Comentar | Comentários (13)

Segunda-feira, 29 de Outubro de 2007
A correnteza
 ... Do Campo dos Mártires da Pátria.
 Perguntou, e bem, o prezado confrade Je Maintiendrai se deixara eu no tinteiro a descrição do topo da panorâmica de Lisboa desde a Senhora do Monte com que ilustrei a Praça do Campo de Santana. E generosamente compôs:

[...] Toda a correnteza ocidental do Campo de Santana ainda parece lá estar mais ou menos intocada. A começar na esquerda, o palacete hoje fechado, que albergou serviços do M. da Educação, depois da boca da calçada do Moinho de Vento, como quem vai para o Instituto Câmara Pestana, em direcção à calçada de Santana. Acá da mesma c. do Moinho, o casario parece o mesmo que persiste, incluindo (por esta ordem) o Instituto Alemão, a Embaixada Alemã, o antigo e avarandado prédio do Patriarcado (antes não sei de que Visconde), o prédio (também patriarcado) que foi da família Geraldes Barba, e penso só o último (hoje substituído por um de azulejo verde a fazer canto com a Alameda de S. António dos Capuchos, onde está o restaurante "Clara") desapareceu. Mas lá se vê por detrás a mole imponente do Convento e Igreja de S. António dos Capuchos, hoje hospital da mesma apelação.

  Lembrou-me de fazer uma adenda com o comentário mas o verbete ia já extenso e ao depois merece-me o assunto ser tratado agora com melhor cuidado aqui.
 A correnteza de casas descrita pelo nosso confrade é como vedes abaixo, da direita para a esquerda, que o mesmo é dizer desde (quase) a Alameda dos Capuchos até ao Torel.


Ajardinamento do Campo dos Mártires da Pátria, Lisboa, post 1907.
Fotografia de Paulo Guedes in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

 O primeiro (o último que o confrade refere na correnteza) espreitava para a Alameda dos Capuchos; foi demolido e substituido pelo dos azulejos verdes.
 O Palácio Patriarcal (Geraldes Barba?), sem expressão arquitectónica, no dizer de Norberto de Araújo, onde sobre o portal duma capela se lê a inscrição: «Edificada em 1730 pelo arquitecto Ludovice, que foi de Mafra...» Na década de 1900 foi este palácio habitado pelo ministro da Alemanha, conde de Tattenbach, e aí foram recebidos o imperador Guilherme e o rei Frederico Augusto de Saxe no tempo de el-rei D. Carlos.


Visita do rei do Saxe; legação da Alemanha, Lisboa, 1907.
Fotografia de Joshua Benoliel, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

 Continuo com Norberto de Araújo. O edifício era no começo do séc. XX duns irmãos Costa Lobo - e aqui fico na dúvida sobre os Geraldes Barba. Um deles legou a sua parte à Santa Casa; a parte do outro ficou para a viúva, uma senhora francesa, Dª Josephine da Costa Lobo. Em 1913 o palacete foi arrendado para instalação do Patriarcado...
 Se o avarandado prédio do Patriarcado que o confrade refere é o seguinte, a sul deste que acima falo, julgo que foi onde funcionou a Faculdade de Direito depois que veio da Escola Politécnica. O palacete foi mandado construir pelo visconde de Valmor; em 1939 ainda pertencia a umas herdeiras daquele titular. Hoje não sei...
 Sobra a restante correnteza e todo o campo mais além na tal fotografia.
 Lá iremos, lá iremos. Preciso encher o tinteiro...


Palácio do Patriarcado do visconde de Valmor, antiga Faculdade de Direito, Lisboa, [c. 1975]
Arquivo Fotográfico da C.M.L..

 


Adenda:
 Fica tudo mais claro lendo o comentário que o prezado confrade Je Maintiendrai gentilmente me cá deixou esta manhã:

Obrigado! Eu sabia que o tinteiro do confrade da Bic estava cheio... Mas penso que poderei precisar: a 1ª fotog. é expressiva e mostra que as coisas não mudaram muito a ocidente. De facto, só terá sido derrubada a simpática casa das duas grandes águas furtadas (extrema direita) hoje substituída pelo prédio dos azulejos verdes e restaurante Clara. A seguir, está casa mais alta (hoje serviços do Patriarcado) onde creio morou com sua numerosa família o Dr. Francisco Geraldes Barba, filho dos Viscondes de Trancoso, médico ilustre que tb. o foi de meu Avô. Só depois (fotog. com a carruagem) a casa Costa Lobo/Ludovice, onde esteve o Kaiser, até há pouco tempo residência dos Patriarcas, cenário do infame "cerco do Patriarcado" em 75 e poiso do S.P. João Paulo II numa das suas visitas a Lisboa. Só depois (última fotog., q. por equívoco colocou como Patriarcado) o palácio dos Valmores, que foi Faculdade de Direito, e que hoje está dividido entre a Embaixada Alemã (metade a norte) e o Goethe Institut, vulgo Instituto Alemão (metade a sul). E obrigado por me fazer passear por este bocado de uma Lisboa que já não calcorreava havia muito...

 O tinteiro poderia estar cheio mas a tinta escorreu e faltava-me, como direi... mata-borrão. Agora percebo que a legação da Alemanha se desviou para o palácio da antiga Faculdade de Direito (ou do visconde de Valmor) e que o Patriarcado se fixou nos palacetes do dr. Geraldes Barba e Ludovice. Obrigado sou eu pelo esclarecimento.



Escrito com Bic Laranja às 23:23
Verbete | Comentar | Comentários (9)

Sexta-feira, 26 de Outubro de 2007
A praça de touros do Campo de Santana

« No sítio onde assenta a Escola [Faculdade de Medicina] existiu a Praça de Touros do Campo de Sant'Ana, de tradições na vida alfacinha, com a sua aura fidalga e popular a um tempo. Foi aquela Praça inaugurada em 3 de Julho de 1831, tempos do Senhor D. Miguel, que assistiu à «festa», sendo corridos dezasseis touros das manadas reais; à noite, com motivo no acontecimento tauromáquico, houve «luminárias» e «fogo de vistas». A Praça do Campo de Sant'Ana era pequena e quase tôda de madeira, sem o tipo clássico dos redondéis hispano-árabes, uma arena muito para «brinco de touros», mas que fêz as delícias dos nossos avós.
   Até 1915 uma «maquette» desta Praça encontrava-se no Club Tauromáquico, ao Chiado; foi por essa época destruída num assalto político àquele Club, e dela resta, apenas, a memória numa fotografia feita um pouco antes pelo Sr. J. A. Barcia. A Praça do Campo de Sant'Ana, que sucedera á do Salitre, esta inaugurada em 4 de Junho de 1790, foi demolida em 1891, para dar lugar à do Campo Pequeno, inaugurada em 18 de Agôsto de 1892.»

Norberto de Araújo, Peregrinações em Lisboa, vol. IV, 2ª ed., Vega, Lisboa, 1992, p. 33.

Panorâmica do Desterro, Lisboa, ant. 1891
Panorâmica do Desterro e do Campo de Santana tirada da Senhora do Monte, Lisboa, [ant. 1891].

 A única fotografia da praça de touros do Campo de Santana que descobri no Arquivo Fotográfico da C.M.L. é esta. A qualidade não é famosa mas é uma fotografia muito antiga. Trata-se duma panorâmica tomada do Largo da Nossa Senhora do Monte sobre o Desterro; arrisco dá-la ao 3º quartel do séc. XIX. A praça do Campo de Santana é aquele corpo negro no quadrante superior esquerdo; para a sua direita estende-se o casario ocidental do Campo de Santana (ou Campo dos Mártires da Pátria); ao fundo avisto nitidamente o Monsanto.
 Em baixo, à direita, o Hospital do Desterro.
 Em primeiro plano um pequeno largo onde confluem a Travessa da Bica do Desterro (hoje Rua Nova do Desterro) e a Calçada da Bica do Desterro (Calçada do Desterro), lugar onde hoje se encontra uma fonte monumental que foi removida do Largo do Intendente. Quase na base da fotografia apercebo-me da Rua da Palma entre muros e em traçado menos regular do que hoje no troço vindo do Socorro; no canto inferior direito lá segue ela para o Intendente, sem vislumbre da Av. Rainha Dª Amélia (Almirante Reis).
 Além da fotografia sobra no Arquivo Fotográfico da C.M.L. a gravura a seguir, que é do espólio de Eduardo Portugal.


Praça de Touros do Campo de Santana, desenho, Lisboa, [s.d.].

Este verbete dedico-o à Dona T., onde há mais pitoresco sobre as corridas nesta praça de touros.



Escrito com Bic Laranja às 23:29
Verbete | Comentar | Comentários (11)

Quinta-feira, 25 de Outubro de 2007
Lissibona, cristã, 25 de Outubro de 1147, sábado, dia da festa de S. Crispim

« Habitada por selvagens da idade prè-histórica; na posse de íberos, celtas e celtíberos depois, na de fenícios, gregos e cartagineses no último século antes de Cristo; de romanos até 409 da nossa era, de vários bárbaros e finalmente de visigodos até 711, de árabes mouros até 1147 - Lissibona ou Aschbouna ia passar para sempre às mãos do primerio Rei português.
  ... O Sol vai ainda alto! Doira Lisboa, e inunda de luz, rutilante nas muralhas vetustas, o Castelo - teatro do drama. Temos tempo adiante de nós.»

Norberto de Araújo, Peregrinações em Lisboa, vol. I, 2ª ed., Vega, Lisboa, 1992, p 28.


Panorâmica sobre o castelo, Lisboa (A. Passaporte, 1944)Panorâmica da encosta do Castelo de São Jorge, Lisboa, 1944.
António Passaporte in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

 



Madredeus — Moro em Lisboa




Escrito com Bic Laranja às 00:01
Verbete | Comentar | Comentários (10)

Terça-feira, 23 de Outubro de 2007
A biblioteca de turma
minha madrinha tinha o condão de adivinhar prendas que me deliciavam. Quando fiz oito ou nove deu-me um livro grande, ilustrado, do Robinson Crusoe. Naquela época já tinha visto várias vezes o Robinson Crusoe na televisão e conhecia a história. Uma daquelas vezes na televisão fora em francês: Robinson pronunciava-se Ro-ban-sôm. As aventuras do Robinson Crusoe fascinavam-me. Fragmentos e coisas de nada das viagens marítimas no séc. XVII vinham nas ilustrações do livro e a minha imaginação povoava-se de piratas, tempestades, naufrágios, ilhas perdidas, antropófagos, amotinados de navios ingleses, &c.. Adorava aquele livro e estimava-o muito bem.
  No 1.º ano, não sei se por vaidade se por generosidade resolvi  apesar do melhor conselho de minha mãe — levar o Robinson Crusoe para a biblioteca de turma que a professora de Português organizou. Cada aluno devia levar um livro  ela também  e cada um depois escolheria dessa pequena biblioteca improvisada algum outro que não o seu para levar e ler. No fim do ano lectivo todos devolveriam e os livros tornariam ao seu dono. O livro fez um vistaço e suscitou a cobiça; ouvi até a professora:  "Olhem que livro tão bonito, já viram?"  e inchei.
  A biblioteca não me impressionou: um Tio Patinhas, alguns livros mais infantis da Anita, um dos Cinco e outro dos Sete que já lera e não me lembra já mais o quê. Acabei com um sobre o Edison que foi quem inventou a lâmpada eléctrica, uma novidade para mim (o Edison, não as lâmpadas). E vi o Rui Pires Cardoso arrebanhar o Robinson Crusoe; ele fora da minha aula na primária e confiei no zelo que poria no meu livro. Mas a decepção já me dava arrependimento; acho que sonhara lá encontrar mais livros do género do meu: uma Ilha do Tesouro, talvez.
  Com o passar do ano a biblioteca esmoreceu. Poucos devolviam o que levaram, talvez porque o não lessem, talvez porque a professora o não estimulasse. E em casa a minha mãe dizia:  "Eu bem te disse. Ainda ficas sem o livro."
  Com o ano lectivo a terminar fechou-se a biblioteca de turma e os livros tornaram aos donos. Não sei se todos os outros; o meu não. E com o pouco caso que a professora fez, fiz eu um ultimato ao Rui Pires Cardoso:  "À saída vais comigo à tua casa e dás-me o livro. Se não vou lá na mesma e digo à tua mãe.  O Rui Pires Cardoso foi e devolveu-me a medo o livro todo rebentado e com os cadernos mal pendurados na costura. Se não fosse a sua mãe aparecer quando me zanguei com aquilo o Rui Pires Cardoso tinha ficado com a lombada mais maltratada que o Robinson Crusoe. E não sei se o nariz lhe não ficaria pela costura...
  Isto a propósito do Plano Nacional de Leitura
.


Ilustrações de Balter in Daniel De Foe, Robinson Crusoe, Didáctica, [s.l.], [s.d].


Escrito com Bic Laranja às 00:04
Verbete | Comentar | Comentários (17)

Sexta-feira, 19 de Outubro de 2007
Tratado das Lezírias

A Europa não é cá. Mas há por aí uns que fazem que sim. Julgam-se arraçados de campinos; não passam de flexicabrestos.

Campinos na Lezíria (H. C. de Barros, 1950-60)
Campinos na Lezíria, Ribatejo, [1950-60].
Fotografia: Helena Corrêa de Barros, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 00:45
Verbete | Comentar | Comentários (7)

Quinta-feira, 18 de Outubro de 2007
Campinos, dançando o fandango

 «Fandango do Ribatejo (Cafe Accordion Orchestra, 1996)).



Fotografia: Helena Corrêa de Barros (1950-60).



Escrito com Bic Laranja às 22:41
Verbete | Comentar | Comentários (7)

Quarta-feira, 17 de Outubro de 2007
Campino na ponte Marechal Carmona, sobre o rio Tejo


Fotografia: Helena Corrêa de Barros (1950-60).



Escrito com Bic Laranja às 13:03
Verbete | Comentar | Comentários (11)

Segunda-feira, 15 de Outubro de 2007
Jet set


 Nos anos 60 viajar de avião ainda era ocasião de cerimónia. E sendo a jacto, isso sim, era requinte; os passageiros vestiam-se a preceito, tinham modos. Daqui a expressão jet set.
 
Quando se viaja de avião hoje em dia percebe-se ao que chegámos. Viajar a jacto orientou-se do passageiro para o cliente, o que é dizer, da qualidade para a quantidade: o cliente tornou-se passageiro indiferenciado; tanto faz ser um grego boçal que se refastela na cadeira sem respeito pelo vizinho, ou que seja a secretariazinha descarada e atiradiça do presidente da associação dos patos bravos europeus que estende malcriadamente os pés (bastante grandes, por sinal) por cima do banco da assistente. É o jet set dos dias de hoje. Está certo.



Escrito com Bic Laranja às 18:24
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Airbus 380

 O interior da cabina do A380, visivelmente orientado para o cliente; próprio para rebanhos de 525 a oitocentos e tal clientes. Já faltou mais para a supressão da tripulação de cabina e a introdução de máquinas de sandes.

A380, Interior
Interior da cabina do A380 via Weblog Aero de Régis Saleur.



Escrito com Bic Laranja às 18:01
Verbete | Comentar | Comentários (9)

Artistas de casino (versão séc. XXI)

Só para animar aqui o blogo.

Tom Jones Sex Bomb

 


* Cf. Artistas de Casino, na versão séc. XX.

 



Escrito com Bic Laranja às 13:31
Verbete | Comentar

Sexta-feira, 12 de Outubro de 2007
Gore e o aquecimento

E agora o Nobel.

Máscara de teatro, Atenas © 2007
Máscara de teatro, Museu Arqueológico de Atenas, 2007.



Escrito com Bic Laranja às 10:59
Verbete | Comentar | Comentários (7)

Quinta-feira, 11 de Outubro de 2007
Por caminhos... empoeirados
 O certo é que às vezes, na poeira dos caminhos, topam-se coisas magníficas emergindo da vegetação...

Hephaesteion, Atenas © 2007
Hephaesteion (Theseion), Atenas, 2007.


Escrito com Bic Laranja às 20:39
Verbete | Comentar | Comentários (7)

Sábado, 6 de Outubro de 2007
Por caminhos...

Jamor © 2007
Jamor, Lisboa — © 2007



Escrito com Bic Laranja às 15:43
Verbete | Comentar | Comentários (7)

Quinta-feira, 4 de Outubro de 2007
Bem haja sr. Artur Goulart

 Do autor de inúmeras fotografias que matam a sede do passado lisboeta a este blogo recebi esta sentida mensagem:

Achei extraordinário e fiquei muito sensibilizado ao encontrar reproduções de fotografias que bati, em 1961, para os arquivos da C.M.L.. Bem hajam por me darem a oportunidade de rever estes meus trabalhos.
Artur Goulart

Enviado por Artur Goulart em 03/10/07 às 12:13 AM

 Muito obrigado sou eu pela oportunidade de ver a cidade de há 40 anos!

Marco fontanário 
Marco fontanário, Prazeres, 1961.
Fotografia: Artur Goulart in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 06:40
Verbete | Comentar | Comentários (26)

Quarta-feira, 3 de Outubro de 2007
Verde

Rio Paiva, Portela de Lá © 2006
Rio Paiva, Portela de Lá — © 2006.



Escrito com Bic Laranja às 00:03
Verbete | Comentar | Comentários (12)

Abril 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13

17
18
19
20
22

24
27
28
29

30


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Alpendre (O) (pub)
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Palaurossaurus Rex
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----