Segunda-feira, 26 de Novembro de 2007
Mentalização
"  No noticiário hoje das oito na antiga Emissora Nacional a chamada para a notícia sobre a venda de Cabora Bassa era literalmente: - "Portugal devolve a barragem..."
 A página da R.T.P. fala até num beberete: "sete chefes de Estado [...] na cerimónia de reversão da Hidroeléctrica..."
 Proponho como exercício didáctico aos srs. redactores da notícia referi-
rem-na ao Castelo do Bode para ver se percebem o ilógico de se devolver o que nunca pertenceu a outrem e a insanidade que é reverter qualquer obra construída de raiz, a menos que se queira tê-la demolida.
 E já que me contam amiúde sobre o lápis azul devolvo-lhes que vai para cima de trinta anos que não risca nada; podem reverter o sopro de propaganda da Frelimo nas entrelinhas.


A imagem é do portal do governo.


Escrito com Bic Laranja às 12:11
Verbete | Comentar | Comentários (11)

Domingo, 25 de Novembro de 2007
Rita Iurte (*)


Fred Astaire e Rita Hayworth - So near and yet so far


(*) Rita Hayworth custa um bocadinho a dizer.


Escrito com Bic Laranja às 12:25
Verbete | Comentar | Comentários (11)

Sr. Emídio

 - Sabe! Estive para lhe pôr lá qualquer coisa na Rua Larga.
 - Imaginei que esse verbete lhe suscitasse interesse.
 - Eu até me lembro daquela rua antes de ter muros.
 - Pois olhe que há uma fotografia disso.

Rua Veríssimo Sarmento, Alto do Pina (E. Portugal, 1946)
Rua Veríssimo Sarmento, Lisboa, 1946.
Fotografia de Eduardo Portugal in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

 O amigo Fernando C. contou-me ao depois mais:
 - À esquerda dessa rua o caminho dividia-se ao pé duma casa: pela esquerda descia a Azinhaga da Fonte do Louro em direcção ao caminho de ferro; à direita, partia a azinhaga que ia dar à quinta das...
 - Olaias - completei. Verifiquei agora que a tal azinhaga passava antes de chegar às Olaias pela quinta do Monte do Coxo e talvez daí a hesitação do meu bom amigo. Mas confirmou.
 - Das Olaias. Ia-se por ali acima até ao portão da quinta. Logo ali, no princípio da azinhaga, era a casa do sr. Emídio que tinha umas hortas. Em pequeno era costume ir lá comprar...
 Pois agora, [que memória] passados que vão uns dias desta conversa, já não tenho a certeza. Cuido que era feijão. Ou favas?
 Em todo o caso também há uma fotografia disso. Da casa do sr. Emídio, quero dizer; era por esse caminho aí adiante.


Azinhaga das Olaias, Lisboa, [s.d.].
Fotografia de Arnaldo Madureira in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

 Pela Azinhaga das Olaias tenho a vaga ideia de uma vez me ter aventurado à descoberta. Sozinho, indo já por ela adiante - quem sabe se por perto da velha casa do sr. Emídio - dei comigo a ser perseguido por uns daquele bairro e, pernas para que te quero, que aquilo era território doutra matilha. Não me lembra agora onde fui dar, mas deve ter sido à serração que houve onde fora a quinta das Olaias - onde hoje está o centro comercial. Não me aconteceu mal.

Azinhaga da Fonte do Louro

 Na Azinhaga da Fonte do Louro embrenhei-me um par de vezes sem azares daqueles a caminho do Areeiro. Mas um atalho por uma íngreme ravina que era precisa trepar, ali por alturas hoje da Rua Sarmento Beires, tornava muito pouco apetecível aquela... acessibilidade.
 (E quem diria que eu havia de estar aqui quase trinta anos depois a falar de caminhos de cabras que ninguém já se lembra, com uma linguagem toda século XXI, hem?)
 Aquilo lá ao fundo são os Olivais.



Azinhaga da Fonte do Louro, Alto do Pina, 1967.
Fotografia de João H. Goulart in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 00:30
Verbete | Comentar | Comentários (17)

Sábado, 24 de Novembro de 2007
Gazcidla

 O Gazcidla é do meu imaginário infantil. Havia uma loja no Largo Mendonça e Costa, à Morais Soares, aonde ia com a minha mãe algumas vezes que me ficou na memória; descia-se umas escadas para dentro dela e tinha um ar moderno, com vidro grande e aparelhos a gás na montra. Outra coisa do Gazcidla que me ficou foram os reclamos ao longo das estradas. O Gazcidla via-se por muito lado no tempo em que as viagens se embrenhavam nas localidades que se atravessavam e tudo ao redor tornava as rodovias mais coloridas que as modernas auto-es-
tradas.
 Mais modestos (mas mais reais) que o camião branco das bilhas azuis dos meus Legos que sempre associei ao Gazcidla, vede aí em baixo uns triciclos de padiola à beira da E.N. 8, no Largo Major Rosa Bastos, Póvoa de Santo Adrião.


Triciclos do Gazcidla, Póvoa de Sto. Adrião, 1961.
Fotografia de João H. Goulart, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

 Quando a Dona T. me dedicou algumas belas fotografias do Gazcidla foi às lembranças disto que acima digo que apelou, muito embora o  amigo Réprobo faça uma leitura muito mai' generosa.
 Obrigado a ambos.



Escrito com Bic Laranja às 12:45
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Quinta-feira, 22 de Novembro de 2007
Acordo ortográfico

 Não partilho em geral as opiniões do Vasco Graça Moura. No entanto, sobre o estúpido protocolo de uniformização ortográfica do Português concordo inteiramente com o que ele escreveu no Diário de Notícias.
 O modo de ratificação do tratado (a ratificação por três dos signatários impõe o Acordo a todos os outros) é a prova (mais uma) da leviandade criminosa com que os portugueses de hoje encaram [lidam com] a soberania de Portugal. No caso da ortografia do Português nem por dez réis de mel coado a trocam; dão-na graciosamente - embora isto não tenha graça nenhuma porque, sabemos, na C.P.L.P. há estados sem a mínima capacidade para exercer a soberania no seu próprio território...
 E ao depois é a ignorância dos negociadores sobre o que pretendem tratar; mete dó ver-se que nem sabem que "fêmea" se escreve com acento circunflexo.



Escrito com Bic Laranja às 17:19
Verbete | Comentar | Comentários (9)

Terça-feira, 20 de Novembro de 2007
Vista da Amora

 Talvez tomada do alto da Arrentela.

Vista da Amora, Tomás d´Anunciação
Vista da Amora, 1852.
Tomás d' Anunciação, (1818-1879).
Óleo sobre tela, 67,5 cm x 88.5 cm, Museu do Chiado, Lisboa.



Escrito com Bic Laranja às 15:49
Verbete | Comentar | Comentários (10)

Domingo, 18 de Novembro de 2007
A Rua Larga

 A Rua Larga ligava ao bairro. Nela podiam cruzar-se dois autocarros, geralmente em boa velocidade. Os motoristas aceleravam e as chapas desconjuntadas das carroçarias de dois andares trepidando com o mau piso da rua faziam tal barulheira que o grosso ronco dos motores se deixava de ouvir. A rua tinha um muro de cada lado. Não era daqueles muros altos das azinhagas que não deixavam ver as quintas a quem passava. Tinham talvez um metro de altura e dum lado e doutro havia as terras das velhas quintas, de que sobejava só um nome mal lembrado e algumas hortas cultivadas pela gente dos bairros.
 O meu irmão ia sempre por cima do muro. Eu também, mas como era pequenino era a mãe que me punha lá em cima. Ao depois seguíamos: o meu irmão à frente - ele ia sempre à frente - e eu pela mão da mãe, não fosse desequilibrar-me e cair. No fim do muro, a chegar ao outro bairro, havia uns tapumes e depois uma padaria. Houve uma vez que a meio caminho na Rua Larga, indo como costume em cima do muro, pedi um bolo.
 - Que bolo queres? - quis saber a mãe.
 - Quero um que é de palha e tem creme lá dentro.
 A mãe não disse nada.
 Na padaria pegou-me ao colo para eu ver os bolos na redoma em cima do balcão alto.
 - Que bolo queres? - tornou-me a dizer.
 - Aquele - apontei.
 À saída ensinou-me:
 - Esse bolo chama-se um pastel de nata e não é de palha, filho; quem come palha são os cavalos.

Rua Veríssimo Sarmento, Lisboa (J.H.Goulart, 1969)
Rua Veríssimo Sarmento, Lisboa, 1969.
Fotografia de João H. Goulart, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 11:41
Verbete | Comentar | Comentários (10)

Sábado, 17 de Novembro de 2007
Problema de dicção
O carro. O burro.

 No Verão, enquanto estava de férias li no Sol que o Cristiano Ronaldo passou momentos difíceis quando veio para o Sporting por falar à madeirense. Vinha na 1ª página. Naquelas idades os moços são terríveis com os que são diferentes. Todavia, o esforço de aculturação [agora diz-se integração, eu sei] parece que foi excessivo.

S' eu não c'rrêss'
S' eu não m' m'xêss'
...

E eis os soluções do rendimento besta.






Imagem: Livro de leitura da primeira classe, 1973.


Escrito com Bic Laranja às 20:51
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Problema de expressão


Clã - Problema de Expressão



Escrito com Bic Laranja às 15:44
Verbete | Comentar

O modo jornalístico

Felisbela Lopes Há pedaço ouvi na televisão a comentadora Felisbela, professora doutora, enunciar jornalisticamente no modo enunciado: "Cavaco ontem terá dito..."
 O modo jornalístico é uma esquizofrenia, ou melhor, um embuste. Usa o modo indicativo dos verbos para dar o facto como certo, empregando como é hábito o futuro do presente composto, usado para exprimir incerteza. Como o modo conjuntivo denuncia o locutor como encarando a existência ou não existência do facto como coisa incerta, duvidosa, eventual, ou mesmo irreal, os noticieiros desaprendem-no (se é que o aprenderam).
 Voltando à comentadora Felisbela, professora doutora, vejo no caso como ela usa o advérbio 'ontem' para situar inequivocamente o que Cavaco disse ou não disse no passado (não dizer passa a ser um facto igual a dizer logo que um jornalista o enuncie no modo jornalístico). Pois neste caso o tempo verbal correcto seria o futuro do pretérito composto (que exprime a possibilidade de um facto passado), a saber: "Cavaco ontem teria dito..." Mas isso já seria complicação a mais.



Escrito com Bic Laranja às 11:45
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Sexta-feira, 16 de Novembro de 2007
Cristiano Ronaldo

 O nome das vedetas chamadas Ronaldo deve ser pronunciado "Rô-naldo" para dar mais ênfase. Não deve dezer-se nem ró... nem ru-naldo, por demasiado exagerado ou simplório, respectivamente.
 Já Cristiano pode dezer-se à vontade Questiano.

Cristiano Ronaldo (Rui Duarte, 2007)
(Caricatura de Rui Duarte.)



Escrito com Bic Laranja às 07:47
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Domingo, 11 de Novembro de 2007
Fotógrafo de Lisboa

Companheiros de recordações:

 Só hoje tive oportunidade de ler as vossas muito gratificantes referências às minhas fotos da querida Lisboa dum passado ainda recente, mas que já se perde nas brumas da nossa saudade. Não sou fotógrafo de profissão, apesar de ter continuado, de modo intermitente a fazer fotografia, porque é sempre muito agradável reviver alguns dos momentos que escreveram a nossa vida. Como Mia Couto, posso dizer que não sou um, sou muitos. Parto foi só um, mas fui tendo minhas outras vidas, sou mulato, não de raças mas de existências e numa delas fui «fotógrafo de Lisboa».
 Bem Haja [...],
 Um abraço do

 Artur Goulart
 (8/11/2007)

Av. E.U.A., Lisboa (A.Goulart, s.d.)
Av. dos Estados Unidos da América, Lisboa, [s.d.].
Artur Goulart in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

 


Nota: há tempo fiz um verbete em virtude dum feliz comentário recebido do sr. Artur Goulart. Os comentários que os leitores lá deixaram eram-lhe em grande medida dirigidos e dei-lhe deles notícia por missiva electrónica. A resposta do sr. Artur Goulart é a que vedes acima, e vem dirigida aos companheiros de recordações que visitam este blogo.


Assunto:

Escrito com Bic Laranja às 12:11
Verbete | Comentar | Comentários (26)

Sábado, 10 de Novembro de 2007
Bom fim-de-semana

 Recebido o recado, sigo o conselho e não me volto para a estante atrás... Hesito entre o dicionário e o Guia de Portugal aqui diante, na secretária; pego no Guia que está mais perto.

« Ir depois, em carruagem, à Batalha, avançar para Aljubarrota, tomando, em São Jorge, o caminho de Porto de Mós, donde no mesmo carro se pode alcançar a maior parte do percurso até ao ponto culminante da Serra dos Candeeiros.»

Raúl Proença, Guia de Portugal, 1º v., Generalidades; Lisboa e arredores, 1ª ed., Lisboa, B.N., 1924, p. 161. [Reedição da Fund. Calouste Gulbenkian, imp. 1991, que reproduz fielmente a 1ª ed. de 1924].


Mosteiro de Santa Maria da Vitória, Batalha, c. 1965-70.

 Se tenho pegado no dicionário também teria tido a sua graça (autoplastia; por pouco não seria autópsia, que é a entrada seguinte).
 Em todo o caso cá está o postal. Fui naquela camioneta da carreira de cores garridas, que leva mais gente que a carruagem. Mas noto que o cocheiro parou esta última ali à direita na sombra.
 O desafio fica com os visitantes 80061-80065.


Postal [em tempos] no foro dos Transportes XXI.



Escrito com Bic Laranja às 12:01
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Troco de 20

O sr. Carlos Freitas diz que nem por € 0,10 a troca.
E se for assim?
Dinheiro português


Dinheiro português em moedas.org.



Escrito com Bic Laranja às 10:42
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Sexta-feira, 9 de Novembro de 2007
Pátio dos Geraldes

Pátio dos Geraldes, Lisboa (A.F.C.M.L. - ant. 1933)
Pátio dos Geraldes, Lisboa, [ant. 1933].

« Em 1869 habitou aqui o Marechal Duque de Saldanha, razão por que o Pátio se chamou também do Saldanha.
   O palácio, com suas chaminés cónicas, das quais ainda há os vestígios da base (Maio de 1939) no quarteirão por edificar entre as Ruas Castilho e Rodrigo da Fonseca, com frontaria armoriada, sua capela de belo pórtico e seu agradável conjunto solarengo, teve história alfacinha, fidalga e política [...] »
Norberto de Araújo, Peregrinações em Lisboa, vol. XI, 1939.

Fotografia: Arquivo Fotográfico da C.M.L..


Escrito com Bic Laranja às 00:36
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Quinta-feira, 8 de Novembro de 2007
Duas civilizações urbanistas. Três.
Sta. Bárbara, Lisboa (A.F.C.M.L. - 1898-1908)
Largo de St.ª Bárbara 30-31, Lisboa, [1898-1908].
« Como notas pois, Dilecto, a um simples golpe de vista estão bem nítidas duas civilizações urbanistas: as casas da Rua de Santa Bárbara e das Barracas, os prédios do Largo e da Rua dos Anjos (tudo de meados de setecentos e século passado), e a parte moderna (1850 à actualidade) das Ruas Joaquim Bonifácio [hoje Jacinta Marto, no troço até à Rua de D. Estefânia], Passos Manuel, José Estêvão, Pascoal de Melo, esta mais ao Norte com toda a rede construtiva que hoje constitue o Bairro da Estefânia (de D. Estefânia, Rainha).»
Norberto de Araújo, Peregrinações em Lisboa, vol. IV, 1939.
Sta. Bárbara, Lisboa (A.F.C.M.L. - 1898-1908)
Largo de St.ª Bárbara, 32-40, Lisboa, [1898-1908].
Sta. Bárbara, Lisboa (A.F.C.M.L. - 1898-1908)
Largo de St.ª Bárbara, 41-47, Lisboa, [1898-1908].

 E eis a terceira...
 (Houve alguém falou em cabeça de giz, não foi?)

Sta. Bárbara, Lisboa (A.F.C.M.L. - 195...)
Largo de St.ª Bárbara, Lisboa, [195...].
Fotografia de Mário de Oliveira.


Fotografias: Arquivo Fotográfico da C.M.L..

(Revisto em 18/VII/14.)



Escrito com Bic Laranja às 22:26
Verbete | Comentar | Comentários (9)

Quarta-feira, 7 de Novembro de 2007
(Datação...)

 
A Vizinha do Lado
António Lopes Ribeiro - 1945
(Segundo a célebre comédia de André Brun)



Escrito com Bic Laranja às 00:08
Verbete | Comentar | Comentários (9)

Terça-feira, 6 de Novembro de 2007
Do lado nascente
Sta. Bárbara, Lisboa (A.F.C.M.L. - 1898-1908)
Largo de Santa Bárbara, 58-64, Lisboa, [1898-1908].


« Todos os prédios do Largo de Santa Bárbara, do lado nascente, e cujas traseiras caem sobre o Regueirão, assim como os da Rua dos Anjos, são muito anteriores à urbanização moderna, e datam em grande parte de reedificações logo a seguir ao Terramoto. Alguns têm na fachada as típicas caravelas lisboetas, que falam como uma data, outros notam-se ainda sobrepostos [pelo] nível actual da rua, mais alto cêrca de noventa centímetros do que era em 1840. Há mesmo um dêles, n.º 62 do Largo, datado de 1747.»

Norberto de Araújo, Peregrinações em Lisboa, vol. IV, 1939.

Sta. Bárbara, Lisboa (A.F.C.M.L. - c. 1949)
Caravela foreira, Largo de Sta. Bárbara, [c. 1949].
Sta. Bárbara, Lisboa (Fernando Martinez Pozal, A.F.C.M.L., 1954)
Escadas no [Largo de Santa Bárbara], Lisboa, 1954.


Fotografias: Arquivo Fotográfico da C.M.L..

 

(Revisto em 18/VII/14.)



Escrito com Bic Laranja às 20:58
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Segunda-feira, 5 de Novembro de 2007
«Aqui, no Largo de Santa Bárbara...»
Sta. Bárbara, Lisboa (A.F.C.M.L. - 1898-1908)
Largo de Santa Bárbara, 7, Lisboa, [1897-1908].
Sta. Bárbara, Lisboa (A.F.C.M.L. - 1898-1908)
Largo de Santa Bárbara, 11-12, Lisboa, [1897-1908].

« Aqui, no Largo de Santa Bárbara, foram demolidos há cerca de dois anos uns casebres do lado poente, quási à esquina da Rua de Joaquim Bonifácio [actualmente Rua Jacinta Marto], e no seu lugar, com frente ao largo n.os 7 e 9, se ergue esse grande prédio urbano moderno, de que é proprietário Joaquim Antunes da Silva.»

Norberto de Araújo, Peregrinações em Lisboa, vol. IV, 1939.

Sta. Bárbara, Lisboa (A.F.C.M.L. - 1898-1908)
Largo de Santa Bárbara 27-27A, Lisboa, [1897-1908].


Fotografias: Arquivo Fotográfico da C.M.L..


(Revisto em 18/VII/14.)



Escrito com Bic Laranja às 23:53
Verbete | Comentar | Comentários (14)

Pela Rua Direita dos Anjos...

... Em dia chuvoso. Quase quase a chegar à Ermida de Nossa Senhora do Resgate das Almas e Senhor Jesus dos Perdidos.
[O poste dos telefones também estava a pedir chuva.]

Rua Direita dos Anjos, Lisboa (A.F.C.M.L., 1901-08)
Rua Direita dos Anjos 198 a 208 [66?-70], Lisboa, [ant. 1901].
Arquivo Fotográfico da C.M.L.. 

 


Adenda: a datação da fotografia pelo arquivista foi 1898-1908; ora sabendo que a linha do Arco do Cego foi instalada em 1901 comecei por reduzir a margem para 1901-08; olhando com atenção vejo que não há cabos eléctricos, só os carris do chora ou do americano; a fotografia é portanto anterior a 1901.



Escrito com Bic Laranja às 00:14
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----