Sexta-feira, 29 de Fevereiro de 2008
Pridie Kal. Mart. (pridie Kalendas Martias)

 Os romanos contavam para trás os dias que faltavam para as nonas, idos, ou calendas seguintes (Kalendae, Nonae, et Idus e por abreviação Kal., Non. et Id.). As calendas eram o primeiro dia de cada mês, as nonas eram o dia 5 e os idos o dia 13, excepto nos meses de Março, Maio, Julho e Outubro em que as nonas eram a 7 e os idos a 15. Nos anos bissextos Fevereiro tinha também 29 dias em lugar de 28: contavam os romanos duas vezes o 24 de Fevereiro (a.d. VI Kal. Mart.). Ora este era o sexto dia das calendas de Março (ante diem sextum Kalendas Martias). Sendo contado uma segunda vez (o dia 24) diziam-no os romanos ante diem bissextum Kal. Mart. (*). Daqui os anos que têm mais um dia se chamarem bissextos. Este é o primeiro 29 de Fevereiro que calha aqui escrever...
 Mas onde tínha eu ficado nas peregrinações?! -- Exactamente! Foi na fábrica de cervejas Leão à Rua de Arroios.
 -- Vai uma fresquinha?


Rua de Arroios, 46-48 [fábrica das cervejas Leão], Lisboa, [1901-1908].
Fotografia in Arquivo Fotográfico da C.M.L..


(*) Não vos esqueceis que contagem era para trás, razão pela qual o bissexto dia das calendas de Março vinha antes do sexto (cf. Index dierum calendarii Romani). 



Escrito com Bic Laranja às 22:04
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Quinta-feira, 28 de Fevereiro de 2008
Da linguagem de caserna

 O presidente dos Correios (escamado por causa dum estudo...) disse há pedaço na S.I.C. Notícias a um senhor da D.E.C.O. que não lhe admitia linguagem de caserna.
 - Fónix!

Imagem duma espécie de caserna.



Escrito com Bic Laranja às 22:16
Verbete | Comentar | Comentários (7)

Deve ser a regionalização técnica (*)

 Já não é o aeroporto. Agora ele é os aeroportos. O das Pedras Rubras reclamam-no (exigem-no) as forças vivas da região. - Quando ouço forças vivas vejo só empresários. O resto da gente ou não tem força ou não está viva, o que dá no mesmo, obviamente.
 O de Faro cobiçam-no os algarvios. Gente de negócios. Hoteleiros. Como se os hoteleiros mais poderosos no Algarve não fossem as cadeias internacionais...
 Mas o que vejo é o grande afã regionalista na demanda dos aeroportos. Só o Estado português é que não quer nenhum.


Rosa dos Ventos. Decoração do hall do edificio do Aeroporto, Lisboa, 1942.
Fotografia de Ferreira da Cunha in Arquivo Fotográfico da C.M.L..


(*) CfTaifas.



Escrito com Bic Laranja às 21:35
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Domingo, 24 de Fevereiro de 2008
Um aeroporto com 30 anos

O aeroporto na perspectiva dos Motors...

Motors, Airport (1978)

 



Escrito com Bic Laranja às 23:50
Verbete | Comentar | Comentários (11)

Sábado, 23 de Fevereiro de 2008
Amy taberna?

 Bem me parecia que o dom não era assim tão extraordinário. Era mais publicidade, muito à conta da moda que o que é rebelde é de categoria, que outra coisa. Desgraçadamente há sempre quem vá na conversa que a menina é fora-de-série e daí tenha patrocinadotradução [de bolso] para cantiga. Vi-a ontem ou anteontem irradiar da televisão legendada em Português. É tremendo ver traduzir desintoxicação por reabilitação. É tóxico.



Anna Coralee - Rehab



Escrito com Bic Laranja às 23:02
Verbete | Comentar | Comentários (10)

O centro de saúde é num prédio comum

 Há gente de toda a sorte no centro de saúde. Gente que consome 'saúde'. Para amolecer a gente servem-se manhãs inteiras de doutrina Goucha na sala de espera. Imbeciliza a gente o bastante para não percebermos que no centro de saúde há mais Goucha por utente do que consultas. Não fosse por isso, julgo que também teriam já criado uma taxa moderadora para o consumo de Goucha nos centros de saúde.

 Gente de toda a sorte


Robert Palmer - Every Kind Of People



Escrito com Bic Laranja às 22:08
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Quinta-feira, 21 de Fevereiro de 2008
D. João VI

D. João VI (D.A.Sequeira, 1822)
D. João VI
Domingos António de Sequeira (1822), M.N.A.A., Lisboa.
Fotografia de José Pessoa, D.D.F./I.P.M.


" A ama que o criou habitava na estrada de Queluz, perto desta localidade. Conta-se que, em dias certos, D. João VI mandava parar a sua carruagem à porta daquela mulher, a quem chamava em voz alta: - «Ó ama! Ó ama!» - Esta corria logo a trazer-lhe uma galinha assada, que êle vinha depois comendo pausadamente até Lisboa, enquanto os transeuntes viam voar os ossos do galináceo pelas portinholas da carruagem! "

Tinop, Lisboa de Outrora, vol. II, Amigos de Lisboa, 1938, pp. 47-63.



Escrito com Bic Laranja às 23:23
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Terça-feira, 19 de Fevereiro de 2008
Casal dos Ladrões

 A quinta do Casal dos Ladrões descia na maior parte pela encosta oriental duma colina em cuja cumeada corria a Azinhaga do Carrascal. Confinava a N com a Calçada da Picheleira, a S com a Quinta dos Embrechados e com a Quinta do Carrascal, a E com Quinta da Conceição de Cima (depois dita Casal do Pinto); a O e SO julgo que o limite era o vale da Quinta Nova. O Levantamento da Planta de Lisboa (1904-1911) não apresenta qualquer construção nesta quinta salvo o casal propriamente dito. Pela sobreposição com o mapa actual ficaria este casal situado sensivelmente pelas traseiras do 64 da R. Capitão Roby.
 O Arquivo do Arco do Cego guarda documentos do Anteprojecto de arruamentos destinados a habitações económicas, com datas entre 1927 e 1937 e cuja concessão de construção foi entregue a um tal Francisco Lopes da Costa. O Casal dos Ladrões foi vendido em conjunto com a Quinta Nova, mais uma certa Quinta do Manteigueiro (que não consegui identificar), por 1.749.842$00. A escritura de quitação existe no mesmo arquivo; foi dada por Francisco Perfeito de Magalhães e Menezes, José de Magalhães e Menezes Vilas-Boas e outros em 1949. Presumo que estes Menezes Vilas-Boas sejam da família dos condes de Alvelos mas só mais aturado estudo o poderá confirmar.
 O nome da calçada (da Picheleira) donde partia a Azinhaga do Carrascal veio naturalmente a dar nome ao bairro que veio a ser construído sobrepondo-se ao pouco fiável topónimo Casal dos Ladrões cuja origem parece facilmente explicável, embora em concreto eu a não saiba determinar.

Antigo Casal dos Ladrões, Lisboa (M.Oliveira, c. 1955/6)
Fotografia aérea do cemitério do Alto de S. João, Lisboa, c. 1955/56.
Fotografia de Mário de Oliveira, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

 No verbete Questão de Preço em que apresentei primeiramente esta fotografia deixei no ar uma melhor identificação do local (o arquivista equivocou-se dizendo que era a parada do Alto do S.João), bem como a sua datação. Farei esse trabalho agora na legenda:
 1) Quinta dos Embrechados (roxo): pequena quinta onde se construiu a nova escola primária; perdida a noção dos seus limites foi o nome dos Embrechados estendido a toda a área de hortas (depois bairro de lata) entre a escola e as traseiras da Capitão Roby (3).
 2) Escola da Câmara (ou da Cambra, na fala popular): a escola primária masculina nº 28 concluíu-se em 1956 e o primeiro aluno a matricular-se foi um Joaquim Alves Lavado; é com base neste dado que procedo à datação da fotografia, onde se vê a escola primária em construção. Actualmente chama-se Escola do 1º Ciclo Engº Duarte Pacheco.
 3) Rua Capitão Roby (amarelo): visível o troço do 53 ao 77 (ímpares) e do 64 ao 92 (pares); a numeração segue de N para S (da base para o topo da fotografia), ao contrário do habitual em Lisboa, mas que denuncia que a construção dos arruamentos foi feita a partir da Calçada da Picheleira (antes dita azinhaga, cujo nome original sobreviveu até aos anos 60 no troço que vinha do lado do Jardim da Nêspera, ao Alto do Pina). O tipo de habitações económicas originais do bairro eram as moradias térreas que se identificam nos nos 53, 57 e 59.
 4) Rua Frei Fortunato de São Boaventura (verde): a rua de cima da Capitão Roby também numerada a partir da Calçada da Picheleira; o seu troço inicial truncou a primitiva Azinhaga do Carrascal.
 5) Calçada do Carrascal (vermelho): primitivamente chamada Azinhaga do Carrascal, cujo alinhamento e alargamento rebaptizou em calçada. A numeração das casas, ao invés da das ruas de baixo, começa na Rua do Sol a Chelas (10), ou seja, do lado do Tejo como é tradicional.
 6) Praça Sócrates da Costa (castanho): a praceta, no falar do bairro; aparenta ter plano distinto do original do bairro; não parece enquadrar-se no plano original de habitações económicas. Mas posso estar enganado...
 7) Quinta do Grilo (rosa): em cujo planalto se fez o campo do Vitória Clube de Lisboa. Na parte visível na imagem vieram a edificar-se as bancadas e as cabinas (balneários).
 8) Quinta do Carrascal (verde azeitona).
 9) Quinta Nova (grená): segundo me contaram há não muito, nos anos sessenta ainda nesta quinta se cultivavam cereais.
10) Rua do Sol a Chelas (laranja): já aqui falei dela mais do que uma vez. Caminho meio rural (entre muros) que ligava a Estrada de Chelas à R. Morais Soares. Subsistem os troços inicial e final, soterrado que foi o resto com as recentes terraplanagens que produziram largas ruas que vão das Olaias à Paiva Couceiro.
11) Quinta de São João de Baixo (azul): antiga quinta na vertente NE do cemitério, limitada a nascente pela Calçadinha de Santo António, um curioso carreiro que seguia pela meia encosta oposta à da linha de cintura (a do túnel de Xabregas) e que entroncava na Estrada de Chelas depois dumas escadinhas, um pouco mais a sul. Nos terrenos desta quinta que se aí vêem arados julgo que fez a Câmara uma E.T.A.R. ou algo que o valha.
12) Quinta do Pinheiro (amarelo): extensa quinta que ia até à quinta do Manuel dos Passarinhos (Largo Mendonça e Costa), ao fundo da Calçada do Poço dos Mouros. Também conhecida como quinta do Abel, aonde se podia ir ao leite.
13) Cemitério oriental: ou do Alto de S. João.



Escrito com Bic Laranja às 00:03
Verbete | Comentar | Comentários (18)

Segunda-feira, 18 de Fevereiro de 2008
Enxurrada...

 Com Lisboa alagada como estava (mais por drenagem deficiente que pelo caudal de chuva), os que noticiam o Apocalipse todos dias diziam hoje na telefonia que estatisticamente ainda estamos em seca.
 Se eu comer uma galinha e o jornalista não comer nenhuma, esse jornalista, estatitisticamente, está saciado.
 Bom proveito!


Inundações, Rua de Xabregas, 1946.
Ferreira da Cunha, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 16:22
Verbete | Comentar | Comentários (9)

Domingo, 17 de Fevereiro de 2008
Ensino supletivo da Música


Elton John e os Marretas - Muppets Crocodile Rock



Escrito com Bic Laranja às 23:06
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Questão de preço

 Andam os escritos que aqui deixo dispersos por caminhos, estradas, azinhagas e carreiros arrabaldinos. O pendor deste blogo não é para Lisboa, como pode parecer, mas para o seu termo. Este pendor centrífugo em relação ao bulício da cidade é sonhador, tal qual eram bucólicos e românticos os caminhos arrabaldinos de Lisboa serpenteando pelo meio de quintas, hortas, arvoredos, casais...
 Mas a dinâmica urbana galga os caminhos de fuga. A ideia de uma cidade com menor densidade de construção e entremetida de quintas e hortejos é hoje tão irreal quanto as prateleiras dos supermercados porem ovos. E no entanto as prateleiras põem-nos. No mesmo modo, em sendo mugidas (as ditas prateleiras do super) não deixam de dar leite em pacotes. É tudo questão de querer ou poder pagar. Talvez por isto (ou pelo seu contrário) os arrabaldes alfacinhas e as suas antigas quintas onde se ia ao leite e aos ovos se hajam atrofiado em capoeiras de betão, quando não degenerado mesmo em estrumeiras.

Antigo Casal dos Ladrões, Lisboa (M.Oliveira, c. 1955/6)
Fotografia aérea do cemitério do Alto de S. João, Lisboa, c. 1955/56.
Fotografia de Mário de Oliveira, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

 A fotografia que aqui fica parece-me sugestiva; as quintas rodeiam o bairro: quinta de S João de Baixo, quinta do Pereira Pinheiro, quinta Nova, &c.. O arquivista datou-a da década de 50. Tenho a impressão que é de 55 ou 56. Havemos de ver...
 A nesga do cemitério que se vê justifica a legenda, mas a imagem não mostra a parada do Alto de S. João, como catalogou o arquivista...



Escrito com Bic Laranja às 01:13
Verbete | Comentar | Comentários (9)

Sábado, 16 de Fevereiro de 2008
O túnel do Rossio

 Ouvi há pedaço na S.I.C. Notícias que o sr. primeiro ministro vai inaugurar o túnel do Rossio (está a discursar neste momento). Estes grandes actos definem a substância dos homens. E das coisas. O túnel do Rossio foi inaugurado em 1890. Ora, se há seriedade, uma obra não se inaugura duas vezes. Se vão inaugurar o túnel em 2008, deve ser então outro túnel do Rossio. Um novo, meio desviado do que se rasgou em 1890. Pareceu-me perceber isto - o desvio do túnel - nalgumas notícias que há dias ouvi na telefonia, mas confesso que posso ter percebido mal; não desfiei ainda a meada para procurar certeza. Em todo o caso se se rasgou um túnel novo justifica-se a inauguração.
 Calculo que o empreendimento previsto para a Artilharia 1 já possa começar...

Chefe dando a partida
Chefe dando a partida (jornal O Século e o quotidiano ferroviário) in Portugal de Comboio, Guia Expresso, vol. 3, 2007.



Escrito com Bic Laranja às 12:06
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Sexta-feira, 15 de Fevereiro de 2008
Ela disse que sim

 Da badalação geral do calendário lembrou-me de aqui contar das gémeas da Ana das gémeas — e já agora dizer que quando andava na 2.ª classe ainda não tinha nascido o S. Valentim (nem os senhores noticieiros iam ruidosamente para as escolas primárias publicitar datas formidáveis para comprinhas e de caminho imbuir a criançada no espírito mercantil para garantir o futuro desta civilização).

 Quando andava na 2.ª classe dizia havia a Ana das gémeas (que já andavam na 3.ª) que me tinha dito uma vez no salão da sede que se eu quisesse namorar com ela podia pedir-lhe. Eu sabia que era a Ana das gémeas e não a irmã porque nessa vez ela trazia um vestido cor-de-rosa às flores amarelas e a irmã um que era azul. Normalmente andavam as duas de igual. E como elas também eram iguais...
 De todo o modo, talvez por timidez, talvez por falta de jeito (mais esta), não tive arte nem coragem... Resolvi ao depois, passado um tempo, escrever-lhe uma cartinha pedindo-lhe namoro e disse ao Zezinho o meu plano: «Escrevo a carta e falo no que me ela disse na sede. Ao depois vou ao prédio das gémeas e ponho-a no correio delas.»
 O Zezinho resolveu nesse momento que gostava da Isabelinha do prédio do Rui e que lhe ia mandar uma carta também. Era boa ideia. A Isabelinha também era muito gira. Mas eu gostava mais da Ana das gémeas; gostava dela mesmo sem a distinguir da irmã porque ela era a mais bonita das duas.
 Escrevemos as cartas. Ele copiou a minha parece-me que também copiou aquela parte da sede e deu uma ideia: enfeitar a carta com desenhos e flores e escrever «viva o Benfica» no fim. Também era boa ideia, mas eu na minha ia pôr o Sporting. Quando acabámos dobrámos as cartas em quatro e fomos botá-las no correio das pretendidas.
 Uma semana depois, nada; era o desânimo. Pior foi que nesses dias o Rui me gozou na rua: «Querias namorar com a Ana das gémeas. Mandaste-lhe uma carta mas ela não gosta de ti!» Como soube ele da carta?! Só se fora o Zezinho!... Só podia...
 Bom! As gémeas no dia a seguir a isso chamaram-me da janela. A Ana atirou-me um bilhetinho em que dizia para lhe escrever mais cartas mas para as não pôr no correio porque a mãe as podia apanhar. Tinha gostado dos desenhos e também era do Sporting (isso já eu sabia). E lá de cima veio a resposta que faltava pela boca da irmã: «Ela diz que sim!»

 Pois lembrou-me ontem de cá contar esta historieta da Ana das gémeas; pareceu-me que poderia ter graça, não fora o Zezinho ainda estar à espera da resposta da Isabelinha do prédio do Rui.


Gravura de Eileen Soper (1925).


Escrito com Bic Laranja às 06:24
Verbete | Comentar | Comentários (13)

Quarta-feira, 13 de Fevereiro de 2008
12 palavras e a informação
Respondendo ao desafio do Réprobo para aqui deixar 12 palavrinhas que me agradam, eis a lista:

AgirMenos enviesado para designar acção que todas as iniciativas e implementações com que me enchem o quotidiano.
AldeãoMais genuíno que cidadão; de mais a mais quando os arautos da cidadania tanto se pelam pelo cidadão comum. Se os há comuns também os haverá especiais...
AzinhagaEm conjunto com beco e travessa: caminhos em vias de extinção, não pela dimensão ou direcção, mas pela designação cheia de rodriguinhos dos novos que se constroem (vielas que se dizem avenidas, becos que se dizem largos, caminhos e estradas que se dizem acessibilidades...)
ErmamentoIronia ao deserto de ideias (e de vocabulário) dos inventores de designações peneirentas mas ocas, como ordenamento do território.
InstruçãoPelo valor de ensino, treino, somando o sentido etimológico de edificar, construir. Para contrariar formação que almeja moldar as gentes na forma (ô) da doutrinação. Um dos moldes mais usados é a in-formação...
MestriaPara banir o know-how, fruto de muita formação, mas que só demonstra bárbara instrução.
NauCatrineta. A ladainha dos nossos fados.
PergaminhoDe bom coiro. Para registar a tradição.
ReinoComo se dizia Portugal.
SilêncioPorque é de ouro.
Valor(es)Para contrariar amorais mais-valias, que é só o que hoje se sabe dizer.
Vós2ª Pessoa do plural; muito desusada em favor da 1ª do singular.


 São estas como podiam ser outras. Mas das que estão completo o que digo na instrução sobre a forma doutrinária da informação, porque ouvi no jornal da meia-noite da S.I.C. Notícias, a propósito das comemorações das invasões francesas em Madrid, dizer singelamente que a Espanha deixou passar a tropa do Napoleão que vinha invadir Portugal. Um pecado por omissão que a Espanha não cometeu em 1807. Na altura invadiu-nos tanto como os franceses.



Assinatura do Tratado de Fontainebleau



Escrito com Bic Laranja às 00:06
Verbete | Comentar | Comentários (12)

Segunda-feira, 11 de Fevereiro de 2008
Questão de cores

 O Manuel dizia há tempo ser da última geração a ter as memórias pessoais em preto e branco. Mas dos antepassados tudo o que há é assim. Ou em sépia. E em nos referindo à memória colectiva - digo eu - a coisa vai substancialmente pelo mesmo. O Mundo é como se de fins do séc. XIX a meados do séc. XX não houvesse tido cor. Há um naco inteirinho de História numa gigantesca paleta de cinzentos.
 E agora isto...

Soldado francês, Reims, 1917
Almoço dum soldado francês (poilu), Praça Real (Reims, Marne, 1 de Abril de 1917).
In Fotografias a cores da 1ª Grande Guerra.

 A descoberta foi do Jansenista. Imagens da Grande Guerra a cores são coisa estranha de se ver. Estas mostram um mundo irreal, singularmente desolado.



Escrito com Bic Laranja às 23:34
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Domingo, 10 de Fevereiro de 2008
Lisboa - (Portugal). Jardim de S. Pedro de Alcântara

 Diz que acabaram as obras. É uma boa notícia. A última vez que lá parei foi em 2005 e vi o lugar mui descuidado. Depois disso, com os taipais das obras cerceando as vistas, dei ainda assim daqui algumas espreitadelas: Velha Lisboa; S. Pedro de Alcântara (2ª edição); Fado Iberista; e Vistas de S. Pedro de Alcântara.

Lisboa - (Portugal) Jardim de S. Pedro de Alcântara
Jardim de S. Pedro d'Alcantara, Lisboa, [190...].
Editor: F. A. Martins, Lisboa.

Curioso aquele letreiro em primero plano (à direita): "Fornecem-se utensilios de jardinagem para recreio das creanças."
Quem sabe vou lá jardinar mai' logo.


Postal in José Manuel da Silva Passos, Bilhetes postais antigos do Largo do Rato à Praça D. Luís, Lisboa, Horizonte, 1994, nº 34.



Escrito com Bic Laranja às 07:37
Verbete | Comentar | Comentários (10)

Sábado, 9 de Fevereiro de 2008
Destaques: agradecimentos
Arte Y Pico

 Procurava eu tornar aqui à pacatez quando surgiram mais menções honrosas a este blogo. Ontem o amigo Réprobo brindou este blogo que tropegamente aqui vou alinhando com um prémio internacional Arte Y Pico, dedicado a blogos dotados de arte e engenho. Agradeço-lhe especialmente as nobres palavras que dedica a este espaço e peço desculpa por não conseguir esculpir outras de igual eloquência para mais justamente louvar o caríssimo autor d' As Afinidades Efectivas. Cuido que me perdoe também a incapacidade de estender a apenas cinco blogos o prémio, como é de regra. Haveriam de ser muitos mais e não os consigo aqui nomear todos sem me esquecer de nenhum.
 Anteontem, os destaques no portal do Sapo quase rebentaram com o conta-voltas ali ao lado. Foram 1600, 1700 visitas, nem sei bem, quando o normal ronda 200. Obrigado em dobro à equipa do Sapo. Imagino que só excepcionalmente destaquem os blogos da plataforma velha.
 E agora torno à pacatez do viver habitualmente.



Escrito com Bic Laranja às 07:45
Verbete | Comentar | Comentários (11)

Sexta-feira, 8 de Fevereiro de 2008
Do desvario e da obra

 Em menos de meia hora ouvi na televisão os 'especialistas' discorrer desvairadamente sobre não sei quantas 'novas travessias sobre o Tejo', inclusive uma 'travessia em túnel' (dizer-se singelamente ponte ou túnel soa fraquinho; travessias e acessibilidades é que é).
 - Vede! lá estão eles outra vez! - Agora é com tegevês (a sigla deve significar tomboio...). Novamente as travessias. Muitas; umas a montante; outras sabe-se lá... Estudos e mais estudos, Le Necs, futuras estações de tegevês na Portela e nessa altura de Metro também (ainda há lá um aeroporto, como sabeis...). E ao depois pontes para linhas de alta velocidade; pontes para linhas de Metro ligando ao novo aeroporto de Alcochete. E o desvario não pára. Portugal está cheio de visionários prenhes de futuro. Todos tão competentinhos que foram capazes de pôr duas linhas do metropolitano passando a 1 ou 2 km do aeroporto da Portela e nunca o Metro ali chegou.
 Que cambada de inúteis!

Autocarro nº 201
Autocarro nº 201, o primeiro de dois pisos a integrar a frota da Carris, Praça do Areeiro, post 1947.
António Ventura, História da C.C.F.L. (1946-2006), v. 3, Carris e A.P.H., Lisboa, [2008], p. 115.

 Ao menos os antigos, quando pensavam em grande ainda se via alguma coisa... E até chegava ao aeroporto.



Escrito com Bic Laranja às 22:20
Verbete | Comentar | Comentários (9)

Da confiança
Este blogo mantém a confiança no sr. ministro da Justiça...

Evite acidentes!

Imagem in História da C.C.F.L., v. 3, Lisboa, Carris e A.P.H., 2008, p. 40.


Escrito com Bic Laranja às 16:56
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Quinta-feira, 7 de Fevereiro de 2008
...


Beverly Craven - Promise Me



Escrito com Bic Laranja às 00:01
Verbete | Comentar | Comentários (9)

Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

13
15
17

18
19
20
21
24

25
26
27
28
29
30


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----