Terça-feira, 27 de Maio de 2008

ϕοῖνιξ

 Já são dois dias seguidos - e em canais diferentes - que ouço os postilhões da cultura oficial dizerem "a sonda espacial Fónix"...
 Das cinzas do classicismo já só renascem imagens de marca foleiras.


Fenix auis vnica
Hartmann Schedel, Liber Chronicarum,
Nuremberga, Anton Koberger, 1493, apud Wikipedia.

Escrito com Bic Laranja às 12:15
Verbete | comentar | comentários (18)
Sábado, 17 de Maio de 2008

O cidadão que foi súbdito

Mercearia, Lisboa (A.Serôdio, 1964)
 

 Cidadão João Gonçalves (Travessa do) - Freguesia dos Anjos - Tem constituído até hoje um mistério, o nome desta pequena serventia que faz a comunicação entre o largo do Intendente e a avenida Almirante Reis. Que cidadão teria sido aquele? Qual João Gonçalves? Tem-se perguntado: o dr. João Gonçalves, de Vila Franca de Xira, que foi deputado às constituintes da república? Algum exaltado republicano do sítio? Algum livre-pensador? Ninguém tem sabido responder. Ora certo dia, (do ano de 1938), o sr. Matos Sequeira referiu-se ao mistério que constituía este dístico, num artigo publicado, salvo erro, no Século Ilustrado, e na semana seguinte recebeu uma carta do sr. Jacinto José Barbosa, de Vila Nova de Cerveira, na qual explicava quem era o cidadão João Gonçalves. Deitaram-se foguetes. E de posse da chave do enigma, o sr. Matos Sequeira, sabendo que nos interessam estes assuntos toponímicos, teve a amabilidade, que agradecemos, de nos oferecer uma cópia da carta, razão porque podemos informar hoje os nossos leitores que aquele cidadão foi merceeiro, proprietário de três mercearias, (ao cimo da Calçada de Agostinho de Carvalho, na rua de Arroios e na rua da Graça), foi um organizador de associações de classe e também fundador do Centro Eleitoral Republicano, nas freguesias dos Anjos e de S. Jorge de Arroios. Ainda segundo o mesmo informador, o cidadão João Gonçalves faleceu antes da implantação da república.
 Fica desvendado o mistério.

Luiz Pastor de Macedo, Lisboa de Lés a Lés, vol. III, 3ª ed., C.M.L., 1985, pp. 34, 35.


Imagem: Entrada de uma mercearia na Tr. Cidadão João Gonçalves, 6, Lisboa, 1964.
Armando Serôdio, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..
Escrito com Bic Laranja às 07:14
Verbete | comentar | comentários (18)
Sexta-feira, 16 de Maio de 2008

Mais que fazer

 Confesso que já não sei. Primeiro pareceu-me a má-criação habitual com delação a condizer pelos parasitas do costume. Ao depois admiti que fosse manobra para distrair o pagode do tracto duvidoso oleoso com o sr. Chaves da Venezuela, colhendo de caminho dividendos eleiçoeiros com uma fantochada de pecadilho e arrependimento.
 Mas não sei, já. Um logro assim exige afoiteza, inteligência; e eu só descubro na personagem descaramento e esperteza saloia.
 Talvez seja o muito tempo com os braços caídos... Meu, claro.
 Vede! A estes não lhes puxa o vício. Há mais que fazer...


Moços de frete; galegos com padiola, Lisboa, 1908.
Joshua Benoliel, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

Escrito com Bic Laranja às 07:21
Verbete | comentar | comentários (6)
Quinta-feira, 15 de Maio de 2008

Como o vício vem do ócio, inflama-se o vício e não o negócio

 Primeiro fica-se abismado. Mas então...
 Imaginai um sujeito espertalhão como poucos, com boa pinta mas má rês, apanhado a mentir diversas vezes e sempre forjando a verdade... Pois um farsante destes comete um pecadilho e põe-se de repente a pedir desculpas com uma tal ingenuidade, a ponto de invocar em sua defesa o desconhecimento das leis?! Logo ele que fez uma lei punindo o pecadilho que cometeu?!
 Pois pasmai! A dor de haver ofendido é tão profunda que em contrição promete o sujeito largar o vício. Mas não o negócio, que assim o risco deste se inflamar é muito menor...


Comboio cisterna, Olivais [ou Cabo Ruivo], 1962.
Artur Goulart in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

Escrito com Bic Laranja às 07:32
Verbete | comentar | comentários (10)
Quarta-feira, 14 de Maio de 2008

Cortina de fumo

Marcello Caetano à partida para o Ultramar, Lisboa, 1969
O presidente Marcello Caetano à partida para o Ultramar, Lisboa, 1969.
Fotografia: Inter TAP, nº 25, Abril-Junho de 1969.

 

 Ao contrário do que se poderia pensar não se voltou a poder fumar nos aviões da T.A.P.. A menos que se frete o avião. Nesse caso um havano ou uns bafos de haxixe tanto dá. - "Quem freta um avião pode usá-lo da maneira que quer" - afirmam do gabinete do sr. primeiro ministro. Mas o benévolo leitor calculará que isso se aplica mais a presidentes dalguma república ou dalgum conselho de ministros.
 Entretanto aumentou a gasolina.

Escrito com Bic Laranja às 17:00
Verbete | comentar | comentários (12)
Domingo, 11 de Maio de 2008

Tempo extra

 A consequência mais formidável da massificação do ensino é havermos o dr. Rui Santos por doutor, discorrendo cientificamente sobre todos os ângulos da bola para lá de 90 minutos em cada domingo à noite.


Fotografia do dr. Rui Santos na página do governo sobre o Congresso do Desporto, 2006.

Escrito com Bic Laranja às 22:49
Verbete | comentar | comentários (18)
Sábado, 10 de Maio de 2008

Da ratificação do tracto de Lisboa

« Os manes de hum Afonso Henriques, de hum Nuno Alvares Pereira, do grande Afonso de Albuquerque, e de tantos outros que nos precederam na carreira da gloria e do amor da Patria, não vos envergonheis de receber no vosso gremio as almas dos novos Heroes, que cahirão nos campos da honra para viverem eternamente e que sellárão com o seu sangue a nossa independencia: elles são dignos da vossa amizade, do nosso reconhecimento e da admiração da Posteridade.»

Gazeta de Lisboa, 17 de Abril de 1811, apud Joaquim Veríssimo Serrão, História de Portugal, vol. VII, 3ª ed., Verbo, Lisboa, 1983, p. 92.

 

Como tornassem a perder (os romanos) resolveram então subornar três coompanheiros do valente montanhês, que mataram o seu chefe enquanto ele dormia.
Traição a Viriato.
Ilustração: Carlos Alberto Santos in História de Portugal, 13ª ed., Agência Portuguesa de
Revistas, Lisboa, &c., 1968.

Escrito com Bic Laranja às 08:16
Verbete | comentar | comentários (6)
Sexta-feira, 9 de Maio de 2008

Noticiário

 O sr. Pinto da Costa foi suspenso de ser quem é por dois anos. Por conseguinte os c. de 10 minutos de tempo de antena concedidos pela R.T.P. na abertura do Telejornal foram da exclusiva responsabilidade dum cidadão anónimo.

Ardina e vendedor de capilé, Lisboa (J.Benoliel, 1908)
Ardina e vendedor de capileé, Lisboa, 1908.
Joshua Benoliel, in Arquivo Fotográfico da C.M.L.

Nota: a importância atribuída ao Tratado de Lisboa também pode medir-se pela bitola do Telejornal: a ratificação foi anunciada em meio minuto quando o telejornal já levava meia hora.

Escrito com Bic Laranja às 20:56
Verbete | comentar | comentários (6)
Quarta-feira, 7 de Maio de 2008

Av. 5 de Outubro, 38

 Na Av. 5 de Outubro nº 38 houve em tempos um palacete com jardim murado que dava até à Av. Duque de Ávila. Cuido até que foi desse jardim que um fotógrafo desconhecido bateu uma chapa em que se vêm dous palacetes que já publiquei sobre a Av. António Maria de Avelar.

 

Esquina da 5 de Outubro com a Duque de Ávila, Lisboa (A.Madureira, 1961)
Jardim com gradeamento na esquina da 5 de Outubro com a Duque de Ávila, Lisboa, 1961.
Arnaldo Madureira, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

 Mas tornando ao palacete do nº 38, puseram-no faz tempo à venda dando nota disso na parede do mostrengo envidraçado que lhe brotou no jardim: 

Vende-se palacete com 900 m2

Vende-se paacete, Lisboa, 2008.
Vende-se palacete
, Lisboa, 2008.


 

A marreca de vidro não está incluída.

Escrito com Bic Laranja às 07:30
Verbete | comentar | comentários (27)
Terça-feira, 6 de Maio de 2008

A cartilha proactiva

 O candidato ao P.S.D. Passos Coelho segue o lema que o futuro é agora. E afirmou agora na televisão que o agora é a formação e a excelência. 
 É um candidato do catálogo proactivo.


Imagem em ...

Escrito com Bic Laranja às 23:49
Verbete | comentar | comentários (11)
Domingo, 4 de Maio de 2008

Domingo à noite: música ao vivo


Chris Isaak - Can't Do A Thing To Stop Me

Escrito com Bic Laranja às 22:45
Verbete | comentar | comentários (2)

- Irra que é burro!

O burro sou eu.
 Preciso de estudar arduamente os pasodobles toreros pois a minha cultura nesse campo só me envergonha. Calculem bem que me enganei redondamente a titular o pasodoble da Semana de 25. Qualquer um que abrisse a ligação ao Tubo - mesmo sem ser versado no assunto - exclamaria logo com desdém:
 - Irra que é burro! Então este freguês nem ler sabe?! Não viu ele lá escrito Banda do Samouco - Campo Pequeno - "El Gato Montez"?!
 
Hei-de repetir 100 vezes para castigo: El Gato Montez; El Gato Montez; El Gato Montez...
 Tal a ignorância, tal o descuido, que só chegando a hoje dou pelo o aviso do bom amigo M..., aviso velado que jazia na caixa do correio desde praticamente que a asneira foi publicada (mais um descuido):  - Desculpe a intromissão - escrevia-me - mas o pasodoble que se toca é “O Gato Montês”.
 
Claro que é. E não me peça cá desculpa nenhuma. Só lhe tenho a agradecer. Há-de ser por burrices destas que o gráfico vai em queda. Enfim!...
 Pois Nerva é este pasodoble agora aqui pela Banda de Música da Sociedade Filarmónica Progresso e Labor Samouquense, actuação nas Festas das Angústias em Ayamonte, em 2007.


Banda do Samouco - Nerva
Concerto na Fundación Tejada, 2007.

Escrito com Bic Laranja às 11:13
Verbete | comentar | comentários (5)
Sábado, 3 de Maio de 2008

Policial

Já se descobriu quem matou a Laura Palmer?
E esta Mary aqui desta cantiga? Pode o benévolo leitor ouvi-la e tentar descobrir... Mas não merece a pena fazê-lo repetidamente. Acaba por enjoar.



Richard Marx - Hazard

Escrito com Bic Laranja às 13:02
Verbete | comentar | comentários (2)

As vantagens do novo

Os novos blogos (desde 1 de Março) tendem virtuosamente para o sossego.

Visitas e vistas de páginas no último anos (sitemeter)

Escrito com Bic Laranja às 12:05
Verbete | comentar | comentários (11)
Sexta-feira, 2 de Maio de 2008

Bolas de Berlim

 Dantes havia um grande problema com as bolas de Berlim e não era a A.S.A.E.. Era o creme: dificilmente chegava ao fim da bola. As padarias e as pastelarias cujas bolas tivessem creme até meio eram coisa rara. Na maior parte das vezes lá vinha uma desilusão; um embuste; o creme não passava duma tira à superfície e comer o resto da bola seca só com o açucar granulado era um tremendo sacrifício. Aos ciganos via-
-os eu comerem alarvemente até ao fim do creme e deitar o resto fora. A minha mãe nunca me deixou fazer isso. Que não eram modos de gente, dizia. Hoje talvez ela omitisse a gente, o que vendo bem continuaria sendo inteiramente apropriado...
 À tarde comi uma bola de Berlim muito refinada, com açúcar em pó e creme mesmo mesmo até ao fim. Um regalo quase obsceno numa civilização que deixa de cultivar pão para refinar biocombustíveis.

 
(A bola é de wax115, via 
A aba de Heisenberg.)

Escrito com Bic Laranja às 23:56
Verbete | comentar | comentários (23)

Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
13
14
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

arquivo

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS

____