Domingo, 29 de Junho de 2008
Variadades: edição enlatada

Enlatada antes de abalar. Ou implementada proactivamente, pondo numa perspectiva orientada para o cliente.
A faixa 2...


Urge Overkill - Girl, You'll Be A Woman Soon
(Da banda sonora de Pulp Fiction)



Escrito com Bic Laranja às 22:15
Verbete | Comentar | Comentários (9)

Sábado, 28 de Junho de 2008
Sobre a falésia


Paraquedista [pára-quedista] sobre a falésia, Algarve, 2005.



Escrito com Bic Laranja às 06:45
Verbete | Comentar | Comentários (10)

Sexta-feira, 27 de Junho de 2008
Selecção de 2005: nº 7

 Há meia dúzia de anos deu-me a ideia de gravar um disco compacto (à maneira das cassetes) com cantigas que me apetecia levar para férias. Fazia por seleccionar umas cantigas novas que me soubesse bem ouvir lá por onde veraneio. Novas cantigas nas colectâneas, que por via de regra só escolhia velharias; coisas, afinal, que me traziam Verões há muito passados... E assim agora trazem-me novos Verões; passados eles também. Esta é a faixa 7 da selecção de 2005.
 Entretanto deixei-me disso.


Chris Isaak - Wicked Game



Escrito com Bic Laranja às 23:00
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Ao fresco...


Carly Simon - You're So Vain

E a banhos

Conquanto o vento seja mais ameno que ali em cima.

A banhos (do livro da 2ª classe)



Escrito com Bic Laranja às 18:30
Verbete

Quarta-feira, 25 de Junho de 2008
Avenida João Crisóstomo, 34

 Ou Avenida António Maria de Avelar (soa bem melhor que 5 de Outubro, não soa?) nº 52, donde se bateu a chapa em que se avistava a Rua das Cangalhas.
  Fico sem saber quem seria o fotógrafo.

Av. João Crisóstomo, 32-34, Lisboa
Av. João Crisóstomo, 32-34, Lisboa, 1898-1908.
Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 20:45
Verbete | Comentar | Comentários (9)

Terça-feira, 24 de Junho de 2008
Rua das Cangalhas
A Rua de S. Sebastião, percebe-se pela irregularidade - quem se deite a pensar nestas coisas, bem entendido -, é caminho muito antigo que sobrevive apesar da Av. António Augusto de Aguiar. O mesmo com a Rua de São José e a de Santa Marta, que entroncam nela, em relação à Avenida. Os planos de Ressano Garcia que estão na origem da expansão de Lisboa nos finais de Oitocentos e início de Novecentos tiveram, além de tudo o mais, o mérito de respeitar estradas antigas e caminhos rurais que se desprendiam de Lisboa campos afora. Nem o Estado Novo nem os que se lhe seguiram tiveram esse condão. São esses velhos caminhos sobreviventes, apanhados hoje na malha urbana, mais ou menos perceptíveis pela sua extravagância no plano das avenidas novas projectadas, mesmo apesar de regularizados. Um de que há pouca ou nenhuma memória é o que prolongava a Rua das Picoas até ao Rego. Chamava-se Rua das Cangalhas, que foi entretanto regularizada e promovida. Chamam-lhe avenida, Conde de Valbom, mas num bom pedaço confunde-se com um jardim diluido na Marquês de Tomar, e no troço final não passa actualmente dum beco.
 Av. Conde de Valbom, 92-94, Lisboa, 1965.
 Augusto de Jesus Fernandes, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..
 A fotografia acima à direita, não o posso garantir, mas tem todo o ar de ser um prédio sobrevivente da velha Rua das Cangalhas na Av. Conde de Valbom. Não vos admireis: veio a ser demolido.
 A imagem abaixo, a alguns benévolos leitores que gentilmente visitam este blogo pode à primeira vista parecer que a já publiquei quando cá escrevi sobre a Av. António Maria de Avelar. Retrata o mesmo lugar que a que lá pus e foi tirada do mesmo sítio, mas não se trata da mesma fotografia. Dá-me impressão que o fotógrafo repetiu a chapa por ter surgido entretanto um motivo novo diante da lente...
 Menos verosimilhança que esta insinuação teve então a minha conjectura do local da chapa, em que a propus batida do antigo jardim do palacete da Av. Cinco de Outubro, 38. É mais provável que tenha sido do jardim doutro palacete sito na esquina a seguir, no nº 52 (ou dum casarão na João Crisóstomo 34), apontando a ocidente, dando a ver o Monsanto ao fundo, mostrando à esquerda a feitura da dita João Crisóstomo e, atrás dos palacetes em primeiro plano, uma velha casa rústica meia de esguelha; perecebe-se atrás dela o eixo da Conde Valbom oblíquo em relação ao plano ortogonal das avenidas. Presumo ver ali a velha Rua das Cangalhas, prolongando naturalmente o que sobeja ainda hoje da Rua das Picoas.
Av. António Maria de Avelar (hoje dita de Cinco de Outubro, nº 67-73), Lisboa, 1898-1908.
Av. António Maria de Avelar (hoje dita de Cinco de Outubro, nº 67-73), Lisboa, 1898-1908.
Arquivo Fotográfico da C.M.L..

 



Escrito com Bic Laranja às 23:55
Verbete | Comentar | Comentários (15)

Segunda-feira, 23 de Junho de 2008
O Mané-Mané

O Mané-Mané era um velhote que morava numa barraquinha de platex, cartão e lata. Usava sempre uma boina à francês, preta, e andava ao papelão. Sempre que alguém lhe dava alguma coisa ele dizia obiado! e seguia agradecido até casa repetindo o agradecimento. A miudagem da rua, gostávamos de o ouvir dizer aquilo; dávamos-
-lhe caixas de cartão que arranjávamos só para o ouvir repetir obiado! obiado! obiado!, rua abaixo até casa.
 Depois o Mané-Mané nunca mais se viu e esqueceu. Lembrou-me ainda dele uns tempos após, quando ao depois vi isto no programa Abre-te Sésamo.

 
Os Marretas, Manã-Manã (ou Mané-Mané, cá no meu conceito).


Texto corrigido às 11h35 da noite.



Escrito com Bic Laranja às 21:00
Verbete | Comentar | Comentários (20)

Domingo, 22 de Junho de 2008
Espectáculo de variedades


Neil Diamond - Girl, You'll Be A Woman Soon
(Ao vivo na TV em 2001)



Escrito com Bic Laranja às 22:45
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Sábado, 21 de Junho de 2008
Da fábula

 Taxa do Robin dos Bosques? Mas não são todos os impostos na essência uma contribuição dos cidadãos a favor da comunidade?!
 Esta civilização confunde-se com Hollywood. Com o Walt Disney. Só num estado de infantilização colectiva (e colectivizante, por meio dos media) é que a realidade pode ser encarada como conto de fadas.
 Há dias era a EDP - uma empresa riquíssima e cujos ganhos do confortável monopólio vão sendo embolsados por particulares - que ia começar a cobrar aos justos pelos não pagadores... Uma espécie de sobretaxa Robin dos Bosques mas a favor da oligarquia monopolista edepiana. Eu custa-me a crer que os poderosos humilhem tão descaradamente as pessoas. É uma grosseria que não concebo. Mais agora esta elaboração da taxa do Robin dos Bosques sobre o lucro da Galp? Não é a Galp do Estado? Não é mais simples o dono ditar à empresa a venda da gasolina ao preço de custo? É que, à excepção do duvidoso Euro 08 Ambition Bus, os lucros fabulosos da Galp não passam disso mesmo - uma fábula - na bolsa da comunidade.


Robin dos Bosques da Disney ao som do tema Men In Tights (ou Homens de Ceroilas, se preferirdes).



Escrito com Bic Laranja às 11:04
Verbete | Comentar | Comentários (5)

Verão


Gershwin, Porgy & Bess: Summertime
Do filme Rhapsody In Blue (1945)
(Soprano: Anna Brown)



Escrito com Bic Laranja às 00:08
Verbete | Comentar | Comentários (1)

Sexta-feira, 20 de Junho de 2008
Viola no saco

 Esta tarde ainda estavam com o avião da selecção...
 O menino ali de frente ia depois dos jogos da selecção para a janela todo contente gritar: POR-TU-GAL! Um amigo crescido na janela ao lado fazia coro como ele: POR-TU-GAL! POR-TU-GAL! Ontem não dei pelo menino à janela e já após o outro jogo se não deve ter ouvido; nem ele nem o amigo crescido da janela ao lado. Só os pés de microfone (*) das televisões e das rádios é que, depois de ontem, ainda não meteram a viola no saco. 


(*) A expressão é usada pelo Emídio [juiz] Rangel no Destak, segundo me disseram.
A imagem do Euro 08 Ambition Bus da campanha da Galp (uma empresa portuguesa) é do Briefing, um jornal português...



Escrito com Bic Laranja às 23:13
Verbete | Comentar

Terça-feira, 17 de Junho de 2008
Vives na cidade?


Então lê atentamente:
 1 - Sai da escola a passo.
 2 - Segue pelo passeio.
 3 - Atravessa nas passadeiras.
 4 - Antes de pores o pé fora da passadeira, repara no trânsito.
 5 - O meio da rua é para os carros.
 6 - Auxilia aqueles que têm dificuldade em andar na rua.
 7 - Anda nos eléctricos e nos autocarros como os adultos.
 8 - Entra e sai com o eléctrico e o autocarro parados.
 9 - Quando saires do eléctrico ou do autocarro, deixa-os seguir e só então atravessa.
10 - Afasta-te dos carros que vão começar a andar.

Judite Vieira, Manuel Ferreira Patrício e Silva Graça, Livro de Leitura da Segunda Classe, 1ª ed., Atlântida, Coimbra, 1968, p. 35.

 

Isto foi na longa noite da vida na cidade quando não havia publicidade marcas comerciais nos livros escolares. Agora há mais liberdade...
 


Ilustr.: Maria Keil, Luís Filipe de Abreu.



Escrito com Bic Laranja às 23:20
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Domingo, 15 de Junho de 2008
Variedades: Aretha Franklin


Aretha Franklin - I Say A Little Prayer
(Cliff Richard Show, 1970)



Escrito com Bic Laranja às 21:30
Verbete | Comentar | Comentários (12)

Lisboa, c. 1925

Ou talvez 1930...


Fotografia de Ferreira da Cunha, in Rocio-Rossio: Terreiro da cidade, Porto, Asa, 1990.



Escrito com Bic Laranja às 20:27
Verbete | Comentar | Comentários (8)

E quando o eléctrico chegava à churrasqueira?


Palácio Valença-Vimioso, Campo Grande, 1940.
Eduardo Portugal, in Arquivo Fotográfco da C.M.L..



Restaurante do Campo Grande, Lisboa, 1959.
Arnaldo Madureira, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 08:05
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Sábado, 14 de Junho de 2008
Verbete sobre eléctricos

- E as maletas de coiro brilhante para o dinheiro? E o cordão também de coiro puído para a campainhada da paragem? E a mudança da peça metálica do timão, quando o eléctrico chegava ao fim da linha e havia de mudar de sentido?

- Isso! Isso! E o trolley que também virava no término? Mai-los bancos dos passageiros. E as janelas que se abriam por inteiro, ora para cima, ora descendo, deixando apanhar o vento fresco? E as cortinas de lona para quebrar o sol...?


Pequena unidade duma série de 1901 que a Carris abateu definitivamente em 1961, Lisboa, 1961.
Nota: a legenda diz Rossio mas trata-se da Praça da Figueira. Imagem do AMTUIR.
 

E o prego da serradura para as rodas não derraparem nos carris? E o volante do travão para segurar o eléctrico nas ladeiras mais íngremes? E as grades de lagarto? E as portas guarda-vento da plataforma para a coxia? E os nove pontos do timão donde resta a expressão 'ir a nove' que quer dizer ir à velocidade máxima...? E o plim plim? E o Tio Zé Lapa? E...



Escrito com Bic Laranja às 23:31
Verbete | Comentar | Comentários (17)

Na calmaria da noite


Diana Krall - Cry Me A River
Olympia, Paris, 2001</span>



Escrito com Bic Laranja às 01:02
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Verde

" Cor. De Lisboa é caso para dizer que até os daltónicos lhe discutem a cor. Veja lá, de preferência o ocre pombalino, recomenda um byroniano de passagem. O verde, o verde, contrapõe alguém logo aseguir, com os olhos no Tereiro do Paço, «até o cavalo de D. José vai ficando verde, comido de mar», já lá dizia Cecília Meireles."

José Cardoso Pires, Lisboa, Livro de Bordo, 6ª ed., Dom Quixote, Lisboa, p.31.

Terreiro do Paço (Lisboa, c. 1970)
Terreiro do Paço, Lisboa, c. 1970.



Escrito com Bic Laranja às 00:31
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Sexta-feira, 13 de Junho de 2008
A carreira política do "premiê"

José Sócrates durante o debate quinzenal no Parlamento (12/6/08) Melhor que o sr. premiê bradar na Assembleia naquele tom empolgado que lhe é característico que o Tratado de Lisboa é fundamental na sua carreira política, foi vê-lo justificar-se mediocremente da impante vaidade: o Tratado é bom para Lisboa. Percebe-se porquê, não é verdade?!...
 A carreira política do sr. primeiro ministro é mero eufemismo para o seu incontido afagar do ego. E se ele fica todo vaidoso por causa do enorme feito político de assinar um duvidoso tratado internacional, Lisboa também deve ficar toda inchada por o tratado lhe levar o nome. Pois a vaidade cega muito mas factura pouco. Pela cartilha da moda, que põe tudo à venda, eu digo: o tratado devia era pagar pela ostentação da marca.
 


A imagem é do Expresso e o 'premiê' é da Lusa, Agência de Notícias de Portugal (http://www.agencialusa.com.br/). Auguro que o Tratado Ortográfico também venha a ser fundamental para a carreira política do 'premiê'.



Escrito com Bic Laranja às 07:25
Verbete | Comentar | Comentários (5)

Terça-feira, 10 de Junho de 2008
Raça de gente...

 Ontem ouvi o sr. presidente da República invocar o 'Dia da Raça' para desajeitadamente se escusar a comentários sobre a raça dos carroceiros... 
 Dia da raça? Que é lá isso?!...
 Então a democratização não fez disto tudo uma raça pegada? A que raça se refere ele? À má raça que é mal vista por defender-se no Ultramar porque os terroristas eram então mais bem vistos?
 Ou será à tal raça pegada de agora que já pode mandar tropa para o Líbano e para o Afeganistão para guardar a comunidade internacional porque os terroristas agora já estão todos mal vistos?


Chaconne d' Arlequin por Pierre-François Dollé
(Jean-Baptiste Lully, Le Bourgeois Gentilhomme, 10, Chaconne des Scaramouche)



Escrito com Bic Laranja às 17:09
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----