Quinta-feira, 31 de Julho de 2008

Quem é que eles pensam que enganam?!...

Nuno Rogeiro

 Há um rapaz de cabelo curto bem aparado à volta das orelhas, sem melenas nem madeixas, que fala na televisão fazendo-se passar pelo Nuno Rogeiro.
 Ora! Toda a gente conhece o Nuno Rogeiro.

(Imagem do
motor de busca)

Escrito com Bic Laranja às 21:02
Verbete | comentar | comentários (11)
Domingo, 27 de Julho de 2008

Esta vida de turista!

Arrastão (8/VII/08)

Hoje houve arrastão na praia.
Hoje há conquilhas, amanhã não sabemos (Algarve, 2007)
Hoje há conquilhas, Algarve, 2007.

Correio

 Ontem à noite, a máquina de selos dos correios dos Olhos de Água deu-lhe a telha. Pus-lhe € 0,30 troca-
dos. Não me deu o selo. Saiu o recibo mas o selo não. Ora para mim o pago, pago está. O postal foi sem estampilha para dentro do marco. Vamos ver o que acontece…

Moleskine

Moleskine Faltam-me duas folhas para encher este caderninho e acabei de comprar um igual, mas desses novos com capa mole, que era só o que havia. Já me arrependi. O tom de grande novidade - a capa mole – no rótulo é o que se sabe. Se fosse coisa boa – e o clássico de capa rija já existe há tantos anos – não a tinham já inventado há muito?!...

Flinstones

 Ainda a propósito das esculturas de areia (este ano são sobre Hollywood). A tia Antónia lembrava-se que a filha dos Flinstones se chamava Pedrinhas, imagine-se.

Flinstones
 

Aquecimento fracturante

 Diz o noticiário que o gelo da Patagónia se fractura agora, em pleno Inverno austral. A água na praia tem estado fria, pois... Deve ser disso.

Meninices de ouro (9/VII/08)

 Ouço na televisão loas ao Paulo Rangel, o novo líder do grupo do P.S.D. na Assembleia, em véspera do debate do estado da nação. No Expresso de 28/6 uma reportagem com um título muito em voga, “O menino de ouro do P.S.D.", qualificou-o “inteligente, bizarro, brilhante, ambicioso” (bizarria no meio das melhores qualidades compõe muito bem hoje em dia porque é marca de rebeldia, ou fracturante, como é agora elegante também dizer-se).
 Há dias andou o dr. Dias Loureiro com outro menino de ouro ao colo – certamente penhorado (o dr. Dias Loureiro) a alguém ou a algum negócio (que tem muitos), pois que me pareceu ouvir que não conhecia o sr. engº Sócrates por aí além.
 O paradigma do regime é o duma confraria de elogios. Com uma colossal secretaria de propaganda nacional.

Hoje há conquilhas

Amanhã não sabemos.

Hoje há conquilhas, amanhã não sabemos (Algarve, 2008)
Arrastão na praia, Algarve, 2008.

Escrito com Bic Laranja às 00:00
Verbete | comentar | comentários (18)
Sexta-feira, 25 de Julho de 2008

Esta vida de turista, hem!

Bilhete postal (6/VII/2008)

 Já não há o hábito de escrever postais nas férias, agora com a rede da Internete e o correio electrónico... Nas férias não uso computador, evito-o. E muitas vezes recupero o velho hábito de enviar postais. Hoje comprei um para mandar a não sei quem. Que hei-de escrever? Que nós cá bem, obrigado, e vós aí todos com saúde, esperamos? Que quando chegámos o tempo estava quente e a praia esplêndida, mas que de terça para cá se levantou vento e o calor abrandou? Que descreio do aquecimento global que impingem por aí nos noticiários, pois que desde há uns anos noto o Verão assim, meio frescote, e o caldinho da água no Algarve já não é o que era, enfim?!...
 Ontem, sábado, passámos a tarde com os tios; almoçámos uma sardinhada e jantámos umas gambas que eles ofereceram. Agora vamos todos a Pêra ver as esculturas de areia. Ao depois contamos jantar no ..., o rei dos frangos, na Guia, que calha em caminho. Nesta vez pago eu.

 ..., o rei dos frangos

 Meia hora é quanto o empregado nos diz que leva a haver mesa.
 Não sei se o franguinho no ..., o rei dos frangos é melhor que no do costume. O meu paladar para galináceos da Guia não distingue esses detalhes. Todos me sabem bem, especialmente com fome. O que sei é que o ..., o rei dos frangos tira a freguesia toda às outras casas de pasto daquela freguesia. Enquanto espero comparo a imagem dum aviário com todos aqueles frangainhos sempre de roda da farinha na engorda industrial, com as carradas de bípedes sem penas que se apinham gulosos no ..., o rei dos frangos. Duas espécies de bípedes e duas espécies de aviário.

Na praia (7/VII/2008)

 Há sempre gente caminhando na praia; uns para cá outros para lá. Alguns deles ao depois voltam, como o vendedor das bolas de Berlim a quem comprámos duas há bocado. Ele bem olha a ver se queremos mais. Não era má ideia mas melhor é estar quieto. Daqui nada é hora de almoço.
 Uma horda de germânicos chegou agora e assenta arraial aqui ao lado. Começam a montar uns paus de tenda. Outro bando de nórdicos que chega abanca mais para lá, sem tendas; um enche um colchão a sopro; os outros nem tiram a roupa. É quase uma da tarde; dá-me ideia que estes bárbaros seguem o hábito de vir para a praia mal acordam. Aproveitam a praia para acabar de dormir. E aproveitam a noite para se deitarem tarde, aposto.
 O vento sopra inconstante. Pior quando chegámos de manhãzinha. O calor aumenta agora um tanto mas à sombra, debaixo do chapéu, faz fresco. A senhora queixa-se.
 Os veraneantes continuam a ir e vir. Há pouco passaram dois velhotes de camisa, conversando: um mais forte; outro mais magro. O mais forte fazia lembrar o tio Júlio com aquele panamá na cabeça. Talvez falassem da bola. Cuido que os já vi no ano passado, mas então eram três.

Algarve, 2007.
 Subo os olhos da linha do horizonte e vejo nuvens distantes. A atmosfera está límpida, porém. Entre o cabo de Santa Maria e a ponta do Castelo mar calmo; hoje não há sinal de ondas gigantes. Há pouca ondulação mas a água está gelada que se farta.
 - Quantas folhas te sobram no bloco? 
 - Quatro - respondo.
 - Óptimo! Fecha isso e vamos embora.

Escrito com Bic Laranja às 00:00
Verbete | comentar | comentários (13)
Quinta-feira, 24 de Julho de 2008

Rua dos Bacalhoeiros

Rua dos Bacalhoeiros (E.Portugal, s.d.)
Rua dos Bacalhoeiros, Lisboa, [s.d.].
Eduardo Portugal, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

Fundação Saramago

Epá! O Saramago não merecia isto.
Nem a Rua dos Bacalhoeiros...


Casa dos Bicos (Lisboa, s.d.)
Casa dos Bicos, Rua dos Bacalhoeiros, 50 [i.e., 10], [s.d.].
Arquivo Fotográfico da C.M.L..

Escrito com Bic Laranja às 06:10
Verbete | comentar | comentários (2)
Terça-feira, 22 de Julho de 2008

Esta vida de turista!... (2/VII/2008)

Vento

 Ontem já o temia. A brisa que se pôs deu numa ventania tal que nos soprou da praia. A premonição confirmou-se, infelizmente... Como era bom que amainasse.

Algarve, (c) 2007
Praia da Falésia, Algarve, 2007.

Franguinho do costume

 Fomos à Guia. Ao costume, como de costume. Tanto me dá  jantar neste como naquele, desde que não espere muito... Por isso - e porque sempre é mais rápido não gastar tempo a escolher outro - fomos ao do costume...

 Algarves

 A caminho da Guia noto a massa de casario, baixo, mas que se estende na paisagem a partir do cruzamento de Ferreiras; é uma larga malha de construção incaracterística sobre a paisagem. Já nem nos pastiches pegam...
  Aproximando-me da Guia, abaixo do centro comercial - este sim, um verdadeiro pastiche arquitectónico mexicano - a mesma coisa: a malha de betão adensa-se e espalha-se sobre o terreno como uma praga endémica. Todo o litoral sofre dela. Cuido que povoações castiças, pequenas, que acabavam logo ali numas terras de alfarroba depois duns armazéns talvez só na serra. Ou em Marrocos...

Mourisco, Algarve (c) 2007
Pastiche mourisco, Algarve, 2007.

Poirot

 Após o jantar passámos no centro comercial. Comprámos uma série de filmes do Poirot e metemos os serões de excelência dos canais públicos no contentor.

Hercule Poirot (Salty Goodness © Tom Madams 2008)

Excepcional

 A escola primária de Vale Verde na Guia exibe uns dizeres: Associação de Apoio à Pessoa Excepcional do Algarve. Sem beliscar um milímetro que seja a benemerência da instituição nem a filantropia dos associados, não consigo distinguir se o eufemismo politicamente correcto no nome é obra duma pessoa excepcional ou duma pessoa excepcional.

Escola Primária (Vale Verde, Guia, 2006)
Escola primária de Vale Verde, Guia, 2006.
 


Imagem do Poirot em www.saltygoodness.com

Escrito com Bic Laranja às 20:02
Verbete | comentar | comentários (2)
Segunda-feira, 21 de Julho de 2008

Aculturação

 Uma prova que os ciganos são gente perfeitamente aculturada nos valores democráticos de Abril - cidadãos comuns, portanto - é a manifestação nacional que pretendem convocar.
 Outra prova é o negócio de troca directa de votos por habitaçã' sociáli que têm feito com inúmeros edis.


Estendal da comunidade cigana, Ajuda, 2008.

Escrito com Bic Laranja às 11:59
Verbete | comentar | comentários (12)
Sábado, 19 de Julho de 2008

Esta vida de turista! (1/VII/2008)

Leitura

 À sombra. Na calmaria da hora da sesta o tempo dilui-se, sem conversa, sem ruídos humanos ao redor, sem televisão ou rádio marcando ritmos diários ou de qualquer espécie. Uma rola arrulha insistente, namoradeira talvez; atravessa o chilreio constante da passarada mais miúda. Aqui ou acolá soa um gaio. É o que se ouve, mais do que se vê. 
 Após longos minutos de inacção pego num livro. A senhora pergunta-me o que leio...

Na sombra, 1900-10 (Aurelia de Souza)

Ao Algarve por via marítima

  - Vários vapores fazem a viagem dos portos do Algarve, depois de terem tocado em Sines e Vila Nova de Milfontes. Realiza-se pelo menos uma carreira mensal (informar-se na Empresa Nacional de Navegação). Fazendo escala por Lagos, Portimão e Faro, chegam até Vila Real de Santo António, de onde seguem Guadiana acima, uns até Pomarão, outros até Mértola.

 - Nunca mais cá chegávamos.
 - O Guia é 27; quando a vida talvez tivesse o ritmo certo. Hoje há o sobressalto da produtividade que supera tudo.
 - Daí a excelência... 
 E em complemento da resposta ajeita-se na cadeira dando moleza às pálpebras.
 Eu por mim absorvo-me mais no tempo...

Ao Algarve por via fluvial

 « De Lisboa a Beja pelo caminho de ferro de Sul e Sueste; de Beja a Mértola e Mina de S. Domingos por estrada; da Mina a Pomarão pelo caminho de ferro privativo da companhia. Também se pode fazer a excursão fluvial a partir de Mértola. - São frequentes os vapores que descem o Guadiana e raros os dias em que se não efectua alguma carreira.

 De Pomarão para baixo (1) o Guadiana [...] corre esverdeado entre montes abruptos e severos, que à medida que o barco navega vão surgindo sempre uns atrás dos outros - à esquerda a Espanha, à direita Portugal -, os nossos mais pacíficos e às vezes cultivados até ao rio, os dos vizinhos austeros, pedregosos e bravios - grande uniformidade deserta onde aparece, isolada e perdida no cenário, uma ou outra casinha colmada. Diante de nós, a água que anima tudo isto, lisa e unida à proa do vapor, com veios longínquos mais quietos e riscos que estremecem à superfície; e naquela braveza de fragas e vegetação quase negra das encostas, irrompe de quando em quando uma amendoeira, que se entreabre no Inverno em milhares de pequeninas flores, como se toda ela criasse asas. Para longe avistam-se mais serras, serras desta Espanha que daqui se nos afigura esfarrapada e concentrada. E o barco segue, e os montes seguem-nos, encerrando o rio numa série de lagos dormentes, cheios dum encanto melancólico e selvático. Às vezes afigura-se-nos que vamos tocar naquela tremenda barreira lá no fundo, mas o vapor dá uma volta à procura do canal, e entramos noutro lago de encostas cortadas quase a pique sobre as águas. Outra volta, outro lago, este mais amplo, luminoso e azul, cujas margens se entreabrem para nos desvendar um cantinho cultivado e rústico - uma casa, algumas árvores e três palmos de erva muito verde. Desce-se, e o desfile, um pouco severo mas amplo, variado e cheio de luz, vai-se renovando sempre diante dos nossos olhos. É um cone formidável que se destaca dos outros montes; é Alcoutim num fundo risonho de Amendoeiras, com S. Lucar do Guadiana na margem oposta; é sobretudo a vida maravilhosa das águas, que se embebe de todos os tons do azul e dos montes, e que estremece, reluz e modifica a todos os momentos, com uma sensibilidade extraordinária. Os montes agora transformam-se em colinas verdes. Repetem-se com mais frequência as terras cultivadas na nossa margem e às vezes na da Espanha. Quando o monte não acaba a pique, vêem-se sempre na faixa à beira da água alguns pés de oliveira, a negra alfarrobeira e a vinha baixa que se estende até à água. Estamos no Torno da Pinta, que é um dos mais lindos cotovelos do Guadiana. De aqui em diante as curvas do rio são menos acentuadas e começam a distinguir-se os bronzes imóveis da serra de Alcoutim. As povoações surgem muito próximas, Álamos, Laranjeiras, Guerreiros, sempre na nossa margem - e o rio ganha uma amplidão luminosa. O céu esbranquiçou, perdendo e esmalte do Alentejo. O calor aperta mais. Outra povoação, a Foz, na confluência da ribeira de Odeleite, e quase logo na nossa frente uma grande superfície líquida entre terras que foram sucessivamente baixando, dum lado solitárias e envoltas em farrapos, do outro mais humanas e mais ternas. Sente-se já no rosto a viração do mar. Todo o rio estremece em escamas de luz até os grandes plainos verdes e indecisos. À esq. começa a ofuscar-nos a brancura voluptuosa de Ayamonte, tendo à mão direita a interessante vila de Castro Marim, apertada entre dois morros e com o seu castelo enegrecido. Mas já Vila Real tremeluz e aparece na linha baixa e confusa, mergulhada na água, perdida e afogada em sol.»
____
(1) Por Raul Brandão
.

 

[A margem espanhola era mais erma que a portuguesa. Pequenos nadas em que raramente pensam os que sabem que a independência de Portugal só pode ser trabalho do acaso. Por isso é vê-los esvaziar a raia.]

 


Notas:
Excertos de itinerários para o Algarve em Raul Proença, Guia de Portugal, vol. II, Estremadura, Alentejo, Algarve, texto integral que reproduz a 1ª ed. publicada pela B.N.L. em 1927, F.C.G., Lisboa, imp. 1991, pp. 212-214.
Óleo Na Sombra (1900-1910), de Aurelia de Souza, Bragança, Museu do Abade de Baçal.
O bilhete postal de Mértola - vista geral e castello foi circulado de Lisboa, Portugal, para Fontenay, França, em Agosto de 1905. Ed. de F. A. Martins, Camões, 35 – Lisboa. ©
Blog da Rua Nove.

Escrito com Bic Laranja às 10:45
Verbete | comentar | comentários (9)
Sexta-feira, 18 de Julho de 2008

Tem Éden

 A minha mãe era fã dos filmes americanos do tempo do Fred Astaire, da Rita Hayworth e por aí fora. Quando os filmes acabavam aparecia sempre aquela legenda The End. Então ela dizia com certa pena: - Tem Éden. Acabou.
 Eu também me dá pena ver as coisas boas acabarem.


Rita Hayworth - Put The Blame On Mame
(Gilda, 1946).

Escrito com Bic Laranja às 00:01
Verbete | comentar | comentários (17)
Quinta-feira, 17 de Julho de 2008

Esta vida de turista! (29/VI/2008)

O homem que devorava livros

 Todos os anos há caras que se repetem na praia. E escritos que se repetem no caderninho. No ano passado tomei nota disto; podia chamar aos repetidos da praia os cromos para a troca...
 Hoje o homem que devorava livros estava só a ler o jornal.

O homem que devorava livros (Algarve, 2007)
 O homem que devorava livros, Algarve, 2007.

Da oferta a pagantes

Moleskine (capa mole) Nas sociedades industriais não manda o mercado. Nem manda a procura. Manda a oferta. E assim o mercado tem tudo o que eu possa procurar. Desde que eu procure o que o mer-
cado oferece. O que o mercado oferece. Se, no mesmo cânone, eu procurar o que o mer-
cado ofereceu posso bem ficar tramado. A oferta é como um surfista cavalgando a onda; tem de ser a última; ele pode lá cavalgar-se a onda anterior que foi descontinuada na praia...
 Eu só queria um caderninho clássico de capa preta: com capa rija. E o mercado dizendo-
-me só:  - "Agora com nova capa mole!"
 Resisto.

Avô Sereno

 Por uma questão de partilhas antigas veio à baila o meu bisavô Joaquim Bernardo, pai da minha avó materna. A tia Mariana diz que o conheciam por Jaquim Sereno. Pois agora recorda-me: a mãe também falava dum avô Sereno...

Assento de baptismo (V.N.Rainha, 1875)

Europeu

 A Espanha lá foi campeã mas a única festa que se ouve lá fora são os grilos. E uma cigarra, também, parece...
 Ele há vantagens sem preço em estar na província.

Vives na aldeia?
Ilustr.: Maria Keil, Luís Filipe de Abreu, no Livro de Leitura da Segunda Classe.

Escrito com Bic Laranja às 06:30
Verbete | comentar | comentários (14)
Quarta-feira, 16 de Julho de 2008

Esta vida de turista! (28/VI/2008)

Rua da Falésia

 Desço a rua e vejo uma montanha de terra ao fundo em lugar do pinhal. E gruas. E betoneiras. Na praia é que haviam de construir: há areia e água com fartura; bastava só levar o cimento. Sempre se poupava o pinhal.

Algarve (c) 2008
Betoneira, Algarve, 2008.

Saco de plástico

 Tornei ao ritual do jornal na praia. Comprei o Expresso (o Sol ainda não havia, era cedo). E resolveu-se-me o dilema de qual dos dois comprar.

Ti Pedro

 - São dois cafés, por favor. Pode ser, Ti Pedro?!...
 - Pode sim. Separados?
 - Sim senhor! Em chávenas diferentes.
 - Ora aqui tem: dois cafés bem fresquinhos, acabadinhes de tirar.
 O Ti Pedro é o senhor da geladaria. Diz sempre bom dia num tom cantado, mesmo que seja boa tarde. Com ele consegue-se diálogos um tudo nada desconcertantes.

Areia

 O areal da praia este ano parece-me maior. Noutras eras só o mar seria arquitecto para tamanha obra. Hoje sei que podem ser as câmaras municipais…

Espesso

O Expresso pesa tanto como há dois anos (eis há quanto o não comprava). Contém:

  • 1 caderno principal;
  • 1 caderno de economia;
  • 1 guia Allgarve’ 08 (diz-se olgarve zero oito);
  • 1 revista Actual;
  • 1 revista Única;
  • 1 caderno de emprego;
  • 1 caderno Espaços & Casas;
  • 1 revista extra Seniores, Guia de Lifestyle;
  • 1 Guia do Estudante;
  • 1 Dossiê Especial: I.S.T., campus (diz-se campos) do Tagus Park (diz-se tagos parque);
  • 1 folheto de financiamento automóvel;
  • 1 catálogo da Moviflor.

Ah! E um saco de plástico.

Banho

 Conhece a manha – “Enriqueça! Envie-me € 100,00 e dir-lhe-ei como…”?
 O saco de plástico instrói “como poupar seis mil euros”. Mas só a quem lhes pague € 19,90 pelo compêndio dos descontos. Podiam ter-lhe juntado O Segredo com uma promoção pague 1 tome 2… banhos.
 Tomei antes dos a sério.


 


A lista telefónica é da periférica.org; o rol refere-se ao saco de plástico de 28 de Junho de 2008.

Escrito com Bic Laranja às 06:00
Verbete | comentar | comentários (8)
Domingo, 13 de Julho de 2008

Passando adiante a falésia

Parapente (nascente)
Praia da Falésia, Algarve, 2005.

Escrito com Bic Laranja às 19:00
Verbete | comentar

Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

arquivo

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS

____