Sexta-feira, 31 de Outubro de 2008
Impressões do Oriente

 Com carroças, tendas e até barcos, em improvisados laboratórios ambulantes, os fotógrafos partiram na descoberta dos lugares mais longínquos [...]
 Mas se a apetência pelas "notícias fotográficas" de todo o mundo era notável, as imagens que chegavam da Síria, do Líbano, da Palestina, da Arábia e, sobretudo, do Egipto,  mereciam uma especial atenção.

ExposiçãoImpressões do Oriente. De Eça de Queirós a Leite de Vasconcelos, Museu Nacional de Arqueologia, 2008.

Chefe beduíno em Jericó.jpg
Chefe beduíno em Jericó, Palestina, séc. XIX.
Ferrier p.f.et Soulier; J. Levy Suc, Casa Museu Carlos Relvas.
 (c) I.M.C./M.C.



Escrito com Bic Laranja às 19:49
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Alcântara-Mar

Alcântara, Lisboa (M. Novais, c. 1955)
Passagem de nível e gare marítima de Alcântara, Lisboa,  [c. 1955].
Fotografia: Estúdio de Mário de Novaes (1933-1983), in
Biblioteca de Arte da F.C.G..



Escrito com Bic Laranja às 00:39
Verbete | Comentar | Comentários (15)

Quinta-feira, 30 de Outubro de 2008
Os teóricos

J.M. Graça Affreixo; H. Freire - 'Elementos de Pedagogia', 3ª ed., Livr. Campos Júnior, Lisboa, 1872.
 

 Parece-me que os teóricos da organização escolar dantes eram mais práticos. Talvez por isso menos ocos. Ou líricos, pondo de modo mais elegante. Com tudo o que para aí vai ocorre-me uma frase de Lopes de Mendonça - «Não há ideia, por mais absurda, que não se torne mais ou menos útil ...» (Panorama, 20 de Novembro de 1858) - que, calhando, pode servir à proposta dos teóricos do Conselho Nacional de Educação (Parecer 8/2008, Diário da República, 2.ª série, N.º 228, 24  de  Novembro  de  2008)
 Sobra dizer que Lopes de Mendonça se referia ao Sebastianismo...



Escrito com Bic Laranja às 06:30
Verbete | Comentar | Comentários (9)

Quarta-feira, 29 de Outubro de 2008
O método socrático da vida eterna

 Diz que vão acabar as reprovações na escola. Diz que é como se fez na Finlândia que é muito desenvolvida...
 Há muito que tinha ideia que reprovar na escola é parecido com morrer: podemos empenhar-nos mais na segurança para ninguém morrer em acidentes; podemos trabalhar mais na Medicina para curar todas as doenças; podemos com labor incansável resolver o problema de morrermos de velhice...
 Ou podemos simplesmente fazer um decreto proibindo todos de morrer.
 

Há, nas hortas, nabos...

(Imagem: Livro da Primeira Classe, 1954, in Santa Nostalgia.) 



Escrito com Bic Laranja às 16:29
Verbete | Comentar | Comentários (11)

Terça-feira, 28 de Outubro de 2008
Do escrivão da chancelaria

 Segundo as notícias a declaração final da cimeira Luso-Brasileira será divulgada (não deveriam dizer antes redi-
gida?) na nova ortografia.
 Significa que irá conter erros de Português.
 A menos que o decreto n.º 35.228, publicado em Diário do Governo, 8 de Dezembro de 1945, e o Decreto-Lei n.º 32/73 de 6 de Fevereiro, sejam como tanta lei agora. Podem aplicar-se ou não segundo o critério de cada indivíduo.



(
Ordenações Afonsinas, Livro I, Título X.)



Escrito com Bic Laranja às 19:37
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Segunda-feira, 27 de Outubro de 2008
A modesta via certa

A prova que em 1961 já se conhecia a solução para a circulação de carros eléctricos. Só que na época não havia sustentável nem amigo do ambiente...
Nem podia ostentar o nome 'corredor bus'.

Junto ao mercado 31 de Janeiro, Lisboa (A.J.Fernandes, 1961)
Junto ao mercado 31 de Janeiro, Av. Fontes Pereira de Melo, 1961.
Augusto de Jesus Fernandes, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

[E aquela carrinha é do homem das pastilhas, será...?]



Escrito com Bic Laranja às 22:07
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Prémio Valmor 1914 e o problema das moradias unifamiliares nas avenidas

Arquitecto: Norte Júnior, Manuel Joaquim, 1878-1962.
Actual sede do Metropolitano de Lisboa mais a empena do nº 30 que perdeu o prémio Valmor.
E o problema do estacionamento também.

Prémio Valmor 1914, Av. Fontes Pereira de Melo (P. Guedes, c. 1914)
Prémio Valmor de 1914, Av. Fontes Pereira de Melo, 28, 1969.
Artur Bastos Inácio, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 21:31
Verbete | Comentar | Comentários (5)

Prémio Valmor 1910

Arquitecto: Korrodi, Ernesto, 1870-1944 . Actual não sei o quê...

Prémio Valmor 1910, Av. Fontes Pereira de Melo (P. Guedes, 1910-14)
Prémio Valmor de 1910, Av. Fontes Pereira de Melo, 30, [1910-14].
Paulo Guedes, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 21:03
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Prémio Valmor 1914

Arquitecto: Norte Júnior, Manuel Joaquim, 1878-1962. Actual sede do Metropolitano de Lisboa.

Prémio Valmor 1914, Av. Fontes Pereira de Melo (P. Guedes, c. 1914)
Prémio Valmor de 1914, Av. Fontes Pereira de Melo, 28, [c. 1914].
Paulo Guedes, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 20:44
Verbete | Comentar

Domingo, 26 de Outubro de 2008
Andar de Metro

 Já devo ter entrado naquele nível de excentricidade alheia à realidade mais comezinha, de tantos que aí se vêem, que se diz que vivem num mundo da Lua. Sou capaz de palmilhar sem me perder ruas inexistentes na Mouraria; imagino até que ouço fado das janelas abertas sobre o arco do Marquês do Alegrete. Porém com uma coisa tão corriqueira como comprar um bilhete de Metro fico num desnorte: peço um bilhete na bilheteira que o não vende; salto de máquina em máquina à procura de botões que não vejo e que são no écran; olho intrigado para as portas que se não abrem sem encontrar rasgo para o bilhete...
 Quem me acompanhava e me deixou fazer esta figura ainda comentou: - "Nem parece que nasceste cá."


Estação de Metro das Picoas, Lisboa, 2007.
Fotografia de Arpels, in
Skyscraper City.



Escrito com Bic Laranja às 14:10
Verbete | Comentar | Comentários (20)

Outro dardo

 Acertou neste alvo mais um dardo vindo do benévolo leitor Luís Bonifácio da Nova Floresta. Traz apensas muito gentis palavras sobre este blogo que são sempre gratas de ouvir. Muito obrigado!



Escrito com Bic Laranja às 13:00
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Sexta-feira, 24 de Outubro de 2008
Fado Malhoa

 A senhora lá em cima à janela está com a telefonia ligada.

Praça Martim Moniz, Lisboa (M. Novais, post 1946)
Praça Martim Moniz, Lisboa,  [post 1946].
Fotografia: Estúdio de Mário de Novaes (1933-1983), in
Biblioteca de Arte da F.C.G..



Escrito com Bic Laranja às 21:01
Verbete | Comentar | Comentários (19)

Brilhante Weblog

 Obrigado!
 Publico alguns gostos pela via do blogo, é só. Naturalmente há sempre alguém que compartilha e se agrada. Talvez (muito raramente) tenha rasgos mas brilhante... Não. O amigo deste blogo José Quintela Soares, pela via da Opera per Tutti foi demasiado generoso comigo.
 Oxalá também me seja benevolente (é nisto que me falta brilhantismo) por causa de me escusar à regra de nomear sete blogos merecedores desta referência. Não saberia dizer só sete e, só pensar que viria a ser  injusto é-me penoso.
Muito obrigado!



Escrito com Bic Laranja às 19:20
Verbete | Comentar | Comentários (3)

Quinta-feira, 23 de Outubro de 2008
Abertura da Rua Nova da Palma

« Abertura da Rua Nova da Palma. - No século XVI possuía o Convento de S. Vicente-de-Fora uma grande horta intramuros, com assentamento de casas, poço, nora e chão de sequeiro dentro dos muros debaixo da porta de S. Vicente [depois mudada em Arco do Marquês do Alegrete] junto ao mosteiro de S. Domingos, no sítio das Ruas dos Canos e da Palma, onde havia 18 moradas de casas, que o Convento aforou em 1524 a um Fernão Dias e sua mulher, avós de Francisca Coelha, casada com um João de Palma, cavaleiro fidalgo da Casa de El-Rei, que em 1554 estavam senhores da horta.
 O Mosteiro de S. Vicente, querendo tirar proveito da horta, e fazer nela mais 30 casas, modificou em 10 de Outubro de 1554 o seu contrato com o enfiteuta, modificação também aceite pela mulher em 30 do mesmo mês, pelo que estes ficaram obrigados, sob certas condições, a fazer uma rua pelo meio da horta com 15p. (3m,3) de largura, desde o Mosteiro de S. Domingos até à rua que passava entre o muro da cidade e as casas que eles aí tinham [*], rua representada actualmente [1948] pelo começo inferior da Travessa da Palma.
 Foi pois nos terrenos dessa horta do Mosteiro de S. Vicente que, pelos meados do século XVI se rasgou, paralelamente à Rua dos Canos, intramuros, a rua de que é representante a Rua da Palma, entre as traseiras da Igreja de S. Domingos e o actual [1948] Largo do Martim Moniz.»

A. Vieira da Silva, A Cerca Fernandina de Lisboa, v. I, 2.ª ed., Lisboa, [C.M.L.], 1987.

Rua da Palma, Mouraria (E.Portugal, 1949)


 
 A fotografia mostra o troço inferior da Rua da Palma em 1949 (Eduardo Portugal, Arquivo Fotográfico da C.M.L.). Ao fundo, as traseiras de S. Domingos. A cerca fernandina cruzava a Rua da Palma por onde vai aquele eléctrico a descer; abria-se aí a porta da Rua da Palma.
 A Rua dos Canos [ou Rua Silva e Albuquerque], que circunscrevia a Nascente a ancestral horta do Mosteiro de S. Vicente, descia paralela à Rua da Palma;  ficava para onde davam frente as casas que se percebem já demolidas nas traseiras primeiro prédio à esquerda.
 O largo donde surgem o automóvel e o eléctrico aqui em primeiro plano tomou o nome de Martim Moniz, que era o nome da rua que vinha das Escadinhas da Saúde e seguia até à Calçada do Jogo da Péla. No lado Sul desta rua, no seu troço oriental houve o palácio do Marquês do Alegrete antes de ser demolido em 1946. Assim nasceu o Largo do Martim Moniz, essa chaga no meio de Lisboa.


[*] Mosteiro de S. Vicente, Livro B, arm. 48, n.º 37, fls. 15 a 23v. — Ao nosso amigo Gustavo de Matos Sequeira agradecemos a amabilidade de nos haver indicado a fonte das informações relativas à horta onde se rasgou a Rua Nova da Palma. [Nota do autor.]

 



Escrito com Bic Laranja às 19:01
Verbete | Comentar | Comentários (20)

Quarta-feira, 22 de Outubro de 2008
O mestre e o aprendiz

 Há uma espécie de jornalistas que sabe tudo e por isso não dá a palavra ao entrevistado. Faz-lhe perguntas por formalidade, mas provoca-lhe urticária deixá-lo responder.
 Hoje à tarde havia um desses na telefonia do carro. Passou por ser humilde ao confessar ao mestre entrevistado que não sabia distinguir carpinteiro de marceneiro. Pediu ao mestre que explicasse.
 O mestre começou por referir que ainda assim havia carpinteiros de limpos, que eram os que executavam por exemplo uma janela, mas acabou interrrompido pelo disparate.
 - E os outros serão o quê? Os carpinteiros de sujos?!...
 - De toscos - respondeu o mestre. - Além dos carpinteiros de limpos, há os carpinteiros de toscos - e explicou que seriam os que metiam barrotes, por exemplo, num telhado, para se depois porem as telhas.
 - E o marceneiro faz um trabalho mais artístico - atalhou então o jornalista com sabedoria incontida.
 O mestre lá foi conseguindo dizer que o marceneiro executa móveis ou ornamentos em madeira até que o jornalista intempestivo lhe atirou que...
 - Alguns marceneiros podem até fazer o design das peças que executam.
 O mestre hesitou, acabando por dizer:
 - Isso de design já não sei...

 


Nota: o mestre e a imagem são da Fundação Ricardo do Espírito Santo Silva; o jornalista é da rádio. Uma nota final; o texto pode eventualmente transmitir uma certa ironia por parte do mestre que, em boa verdade, não foi nunca percebida por mim durante a entrevista. O mestre foi mais genuíno do que o texto dá a entender.



Escrito com Bic Laranja às 20:39
Verbete | Comentar | Comentários (12)

Terça-feira, 21 de Outubro de 2008
Distinção

Prémio Dardos

"Com o Prémio Dardos se reconhecem os valores que cada blogueiro emprega ao transmitir valores culturais, éticos, literários, pessoais, etc. que, em suma, demonstram sua criatividade através do pensamento vivo que está e permanece intacto entre suas letras, entre suas palavras."


 Um mimo hoje da Menina Marota para este blogo, o qual me deixa duplamente orgulhoso. Já há dias o leitor Luís Maia me deixara em comentário uma singela nota de semelhante simpatia. Confesso que só agora atingi o alcance do seu comentário. Soa a desculpa de mau pagador, bem sei, mas é agradecimento tardio e penitência pela resposta (que agora soa) meia deselegante, que então lá dei...
 Obrigado a ambos pela gentil honra que me fizeram.
 Manda finalmente a regra que nomeie 15 blogos merecedores do prémio. Pois sejam todos os 15 ou mais abaixo do título Ligações à esquerda.
 Ou melhor: Ligações, à esquerda.

 


Adenda: Vi só hoje, 22, que há mais um lote de dardos, da Once (Twice, Three Times...) dirigido aqui. Obrigado também a ela pela simpática oferta!



Escrito com Bic Laranja às 20:57
Verbete | Comentar | Comentários (20)

Segunda-feira, 20 de Outubro de 2008
Sem emenda

 Vi hoje o Saldanha novamente engalanado. Com muitas bandeiras. Com publicidade a uma marca de carros.
 Essa espécie que governa, que se embucha de cidadãos e arrota democracia, não tem respeito por nada.


Cartazes de propaganda no monumento ao Duque de Saldanha, Lisboa, 1976.
F. Gonçalves, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 21:12
Verbete | Comentar | Comentários (11)

Domingo, 19 de Outubro de 2008
E.N. 117, será?

 Nunca vi este lugar assim. E no entanto parece-me familiar.
 As placas dão direcções de Carnaxide a 3 km, à mão esquerda, e Benfica à mão direita a outros 3 km. A legenda da fotografia não menciona data nem local, nem há sinais à vista que indiquem a próxima povoação adiante, mas cuido que seguindo em frente se vai à Amadora.
 Ou a Queluz, que se a conjectura está certa, este cruzamento é na estrada desse nome.


Estrada de Queluz (ou E.N. 117), cruzamento com a Estrada de Alfragide, Portugal,  s.d..
Fotografia: Estúdio de Mário de Novaes (1933-1983), in
Biblioteca de Arte da F.C.G..



Escrito com Bic Laranja às 21:58
Verbete | Comentar | Comentários (19)

O ieme

 A página do Instituto de Meteorologia parece dirigida a crianças; tem um prof. Salpico animado explicando aos meninos que ieme  é a abreviatura de imipê.
 Talvez a missão do I. M. tenda a esvair-se como a sua definição pela sigla: ieme diz pouco...
 Talvez por isso o Instituto de Meteorologia não dissesse ontem grande coisa sobre a borrasca em Lisboa e o seu termo.
 E talvez também porque fecha ao sábado.



Escrito com Bic Laranja às 13:29
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Marcas da civilização: ¼ de vigor

 O ¼ de vigor vem agora em pacotes Tetrapak com o desenho do ¼ de vigor.

 

qol_large_vigor.jpg ¼ de Vigor em Tetrapak

 

 

(Imagens do Monóculo e do Restaurante.)

 

 



Escrito com Bic Laranja às 10:06
Verbete | Comentar | Comentários (27)

Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----