Domingo, 30 de Novembro de 2008
Dr. João das Regras

[ Um verbetezinho pelo meu pseudónimo na enciclopédia livre em 17 de Fevereiro de 2005. Impedido de o eliminar de lá pelos senhores daquilo uso-o aqui mais enriquecido, com ilustração do Clube Filatélico de Portugal.]

 Dr. João das Regras. Postal ilustrado com a sua imagem, editado Sociedade Histórica da Independência de Portugal, com selo de 1$60 azul cinzento CE433 da 2.ª emissão Independência de Portugal, obliterados com carimbo de Lisboa (29.11.27 - 1.º dia de circulação).

 Jurisconsulto nascido em data desconhecida em Lisboa, onde faleceu em 3 de Maio de 1404. Filho de João Afonso das Regras e de Sentil Esteves e, após o segundo casamento da sua mãe, enteado de Álvaro Pais, perpetuou o seu nome em virtude da magistral representação da causa do mestre de Avis nas cortes de Coimbra de 1385 cujo corolário foi a aclamação de D. João I como rei de Portugal.

 De acordo com Fernão Lopes esteve em Bolonha, e é verosímil que tenha estudado na universidade daquela cidade de Itália. Foi professor da Universidade de Lisboa, onde mais tarde desempenhou o alto cargo de encarregado ou protector, equivalente, segundo alguns, ao cargo de reitor (Carta Régia de 25 de Outubro de 1400). Tal como o seu padrasto, teve uma acção importante no levantamento de Lisboa que alçou o mestre de Avis por regedor e defensor do Reino. Conselheiro e chanceler do mestre, a sua acção na crise de 1383-1385 culminou na inteligente argumentação em que, omitindo o nome do mestre, negou validade às prentensões dos outros candidatos ao trono.

  • A D. Beatriz, filha do falecido rei de Portugal, nega o dr. João das Regras quaisquer direitos por nulidade do casamento de D. Fernando com Leonor Teles, que era já casada com João Lourenço da Cunha quando o rei a desposou; por incerteza quanto paternidade de D. Fernando, dado o comportamento irregular de Leonor Teles; por haver contraído um casamento com o rei D. João I de Castela, seu parente (a mãe do rei de Castela era tia-avó de D. Beatriz) sem a dispensa do papa legítimo Urbano IV, em vez do antipapa Clemente VII;
  • Ao rei de Castela, por ser herege, refuta João das Regras o direito a ser rei de Portugal pois reconhecera o antipapa e fora excomungado pelo legítimo papa; porque o seu parentesco com o rei D. Fernando se dava pela linha feminina (as suas mães eram irmãs), o que pelo direito consuetudinário hispânico não dava direitos de sucessão.
  • Os infantes D. Dinis e D. João, filhos de el-rei D. Pedro I e de Inês de Castro, portanto, irmãos de D. Fernando, não podiam ter direito ao trono porque eram ilegítimos: D. Pedro nunca casara com Inês de Castro; além disso fizeram guerra contra Portugal aliados a Henrique II e a D. João I de Castela.

 Inteligentemente, a sua estratégia demonstrara que o trono estava vago pois nenhum dos pretendentes tinha direito ele. Pertencia assim às cortes escolher livremente um novo rei, sendo o mestre, «per unida concordança de todolos grandes e comum poboo» aclamado rei de Portugal.

 O rei concedeu muitas mercês ao dr. João das regras: fê-lo cavaleiro de sua casa, senhor das vilas de Castelo Rodrigo, Tarouca e Beldigem; senhor de Cascais e seu termo, do reguengo de Oeiras, das dízimas das sentenças condenatórias de Évora, da jurisdição da Lourinhã e das rendas da portagem de Beja. Fernão Lopes refere-se a ele «como notável barom, comprido de ciência [e] mui grande letrado em leis [...]». Jaz sepultado na igreja de S. Domingos de Benfica, em Lisboa.


Bibliografia:

  • Fernão Lopes, Crónica de D. João I, vol. 1, [s.l.], Civilização, imp. 1994.
  • Joel Serrão (dir.), Dicionário de História de Portugal, [s.l.], Iniciativas Editoriais, imp. 1963.


Escrito com Bic Laranja às 08:00
Verbete | Comentar | Comentários (12)

Sábado, 29 de Novembro de 2008
Rua Larga de São Roque


Bando precatório de estudantes a favor das vítimas do terramoto de Benavente, Lisboa,1909.
Joshua Benoliel, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 18:17
Verbete | Comentar

Rua da Misericórdia

" A Rua Larga de S. Roque foi mandada abrir por carta de D. Sebastião para o Senado da Câmara, datada de 8 de Janeiro de 1569 (1). Sucedeu a um antigo caminho que das Portas de Santa Catarina subia pela encosta do monte de S. Roque para os moinhos de vento e arrabaldes ao norte da cidade.
  Chamava-se, como já vimos, Rua Direita do Mosteiro de S. Roque, ou Rua pública que vai de N. S.ª do Loreto para S. Roque, ou Rua de S. Roque
(2), ou Rua Larga de S. Roque (3), denominação esta que perdurou até à implantação do regime republicano. Mudou-se-lhe então o topónimo para Rua do Mundo, e depois para Rua da Misericórdia (4)."

A. Vieira da Silva, A Cerca Fernandina de Lisboa, vol. I, 2ª ed., [C.M.L.], Lisboa, 1987, pp. 150, 151.

 


Notas do autor:
(1) Livro 2º de El-Rei D. Sebastião, p. 49, apud Matos Sequeira, O Carmo e a Trindade, vol. I, p. 278.
(2) Summario, por C.R. de Oliveira, ed. de 1755, p. 22.
(3) Corografia Portugueza, pelo Pe. A. Carvalho da Costa, tomo. III, 1763, p. 473.
(4) Deliberações camarárias respectivamente de 29 de Outubro de 1910 e de 12 de Agosto de 1937, e editais respectivamente de 18 de Novembro de 1910 e de 19 de Agosto de 1937.

Rua da Misericórdia, Lisboa (A. Serôdio, 1967)
Rua da Misericórdia, Lisboa, 1968.

Armando Serôdio, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 10:57
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Quinta-feira, 27 de Novembro de 2008
De Architectura

Av. da República (c) 2008
Av. da República, 14-28, Lisboa, 2008.



Escrito com Bic Laranja às 06:05
Verbete | Comentar | Comentários (10)

Quarta-feira, 26 de Novembro de 2008
Vitrúvio

Deve querer significar vidro...

Monumental (c) 2008

Monumental, Lisboa, 2008.



Escrito com Bic Laranja às 06:50
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Assunto: Lei 12/2008 de 26 de Fevereiro

 Sobre este inútil assunto são já duas as cartinhas que a EDP me manda. Se bem entendi: 1) uma lei da República dá-me o direito a receber uma factura da luz por mês; 2) o regulamento da E.R.S.E. admite a possibilidade de as partes acordarem diferentemente da lei; 3) para que a EDP cumpra a lei e não o regulamento da E.R.S.E. eu devo enviar-lhe o canhoto devidamente preenchido e assinado.
 Já me tinha dado conta que as leis da República eram postulados e que o costume é que faz lei.



Escrito com Bic Laranja às 00:01
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Segunda-feira, 24 de Novembro de 2008
Rabos de palha

 O perigo dos rabos de palha é a sua natureza altamente inflamável. Se pegam fogo e ateiam ao palheiro bem pode o feitor vir com o corpo nacional de bombeiros que o maioral da quinta não há-de passar, pelo menos, sem se engas- gar com o fumo.


Lisboa: prisão modelo, c. 1890-1910.
Foto: Charles Chusseau-Flaviens, in
George Eastman House.



Escrito com Bic Laranja às 21:30
Verbete | Comentar | Comentários (8)

24 | P.Chile

Tornando à esferográfica azul.

Eléctrico 24, Lisboa (MTUIR 1963)
24, Largo do Carmo, 1963.
Colecção do MTUIR.


Adenda:

 Este modelo de carro eléctrico, conhecido como "caixote" começou a ser fabricado nas oficinas da Carris, em Stº Amaro, a partir do final da II Guerra. Dediquei-lhes um òdiozinho de estimação, na minha infância. É que estes eléctricos eram feios. Com aquelas linhas direitas, pareciam cortados a machado. Ainda por cima, as janelas, com vidros de baixar, que não recolhiam completamente, deixando uns centímetros de fora, davam-me pelo ombro, além de terem portas que nos isolavam do bulício do exterior.
 E os atrelados ainda eram piores. Nesses as janelas davam-me pelo queixo. Para cúmulo, era sempre para aí que o meu pai me rebocava. Que raio de predilecção aquela! Os outro modelos, sim! Reboludinhos, com vidros de subir que escancaravam janelas onde, de cotovelo apoiado no peitoril víamos, de camarote, a rua a desfilar. Em vez de portas, tinham grades, que deixavam o mundo ao alcance da mão e ainda davam para confraternizar com a malta da "pendura". Eram outro luxo!
Os "caixotes" começaram a ser retirados a partir de 1992, sem que eu, traumatizado, tivesse feito as pazes com eles.
Actualmente, existe apenas um exemplar, para amostra, no Museu da Carris.
A.v.o.

Comentário de Atentti al gatti, 26 Nov 2008.



Escrito com Bic Laranja às 06:55
Verbete | Comentar | Comentários (19)

Domingo, 23 de Novembro de 2008
Domingo: programa de variedades


Dionne Warwick, Walk On By



Escrito com Bic Laranja às 21:30
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Prémio Foto

 Recebi de José Quintela Soares, do blogo Lisboa Antiga, o "Prémio Foto". Obrigado! Mas o mérito não é verdadeiramente meu, pois que as melhores que se cá neste blogo acham são doutrem.
 Manda a regra que publique agora uma fotografia à minha escolha e nomeie oito premiados para propagar o prémio. Faço todavia doutro modo; publico oito fotografias à laia de nomeação e quebro os grilhões para não acorrentar os seus autores. Conto que me assim perdoem o abuso de pôr cá as suas fotografias sem consulta prévia. A ordem foi ao calhas [mais ou menos, por causa daquelas três na vertical]..
 

Luísa,
 
Nocturno

Cais das Colunas (c) Luísa

 

Alexa,
 
Mercado de Bem-Fica

Pátio Ripamonti (c) Alexa

Maria Isabel
 
Aguaceiro

Sexta-feira (c) Maria Isabel

 

Rosa
 
Blogo de Cheiros 

Carvalho americano (c) Rosa

Platero,
 Click Portugal

Sé de Évora (c) Platero

Dona T.,
 
Dias que Voam

Feira da Ladra (c) Dona T.

Carlos Romão,
 A
Cidade Surpreendente

Parque de Serralves (c) Carlos Romão

Manuel,
 
H Gasolim Ultramarino

Sesimbra (c) Manuel

 


Nota: relacionado com prémios obrigado especialmente (e tardiamente) à srª Dona T. que ofereceu o prémio dos dardos a este blogo antes de ninguém, em 28 de Setembro, e que eu não agradeci propriamente quando aqui dei notícia do assunto. Desculpe-me a desatenção!



Escrito com Bic Laranja às 08:20
Verbete | Comentar | Comentários (12)

Sábado, 22 de Novembro de 2008
Camarada

Saldanha (c) 2008
Saldanha, Lisboa, 2008.



Escrito com Bic Laranja às 14:13
Verbete | Comentar | Comentários (16)

Sexta-feira, 21 de Novembro de 2008
Avante Saldanha

 O par do reino converteu-se do grande capital a paladino da classe operária. Mas quando há pedaço lá via as bandeiras do P.C.P. drapejando deu-me pena: o camarada Saldanha, além de diabético, é bipolar.
 


Monumento ao marechal duque de Saldanha, Lisboa, post 1909.
Chaves Cruz, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 15:03
Verbete | Comentar

Ministros, cães de fila e perdigueiros

 O sr. dr. Menezes foi ameaçado por ex-ministros de Portugal. Ao que chegámos! Noutro tempo havia maneiras próprias para tratar de certas maçadas. Um ministro de Portugal não seria facilmente achado num assunto assim... Coisas da democracia!



 Falando em ministros de Portugal, no caso, havemos de os ligar dalguma maneira a três partidos na Assembleia. Pois cheira-me que dois deles já se puseram em campo para poderem farejar...
 Coisas da democracia, mais uma vez.
 


Gravura dos perdigueiros de artista desconhecido; publicada por Brown & Bigalow, 194...



Escrito com Bic Laranja às 00:01
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Quinta-feira, 20 de Novembro de 2008
Português arruinado

 No guião do simulacro de resposta a um terramoto que a protecção civil vai fazer e que circula aí pelas caixas de correio electrónico não encontro menção a ruínas ou edifícios arruinados. Antes noto por lá um certo barbarismo, espécie de carne picada do amaricano  (é tão fácil almoçar no MacDonald), que parece derivado de colapso. Na realidade não é. O substantivo colapso entrou no Português por via erudita sem necessidade de vertê-lo em verbo; havia melhor vocabulário para se dizer ruir. E eis-nos, pois, chegados à progressiva sociedade do co-
nhecimento, mais justa e igualitária; aquela que dos escombros do odioso regime das palavras caras democratizou o colapso em regular verbo da 1ª conjugação e foi tornando inteligente qualquer mentecapto.

Colapso
Dicionário da Lingua Portuguesa 2004, Porto Editora, 2003.


Texto ligeiramente revisto às 8h30 da noite porque aqui, pelos vistos, também se mete água.



Escrito com Bic Laranja às 17:42
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Desfile de eléctricos

Esta é a só a 2ª parte. A 1ª é um nadinha mais longa e está em exibição aqui



Comemoração do Dia dos Museus.
António Gonçalves,
C.E.C., 2008.



Escrito com Bic Laranja às 06:50
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Quarta-feira, 19 de Novembro de 2008
O profano, o sagrado e o santo ofício

 Na Atenas clássica a tirania era um instituto sério da democracia previsto para situações graves que ameaçassem a pólis. A histeria com o sacrílego dito da srª drª Manuela Leite só se compreende, portanto, porque a democracia entretanto se tornou religião.
 Sucede que foi destaque também hoje nas notícias o julgamento dum padre de Argoncilhe - de Argoncilhe - porque desobedeceu à Guarda Republicana.


Auto de Fé



Escrito com Bic Laranja às 21:10
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Av. 28 de Maio, nº 2

Demolido, que era para construir um mais bonito. Ou é uma perspectiva errada?!...
A morada está mal...
 

     

Fotografias: Estúdio de Mário de Novaes (1933-1983), in Biblioteca de Arte da F.C.G.



Escrito com Bic Laranja às 12:09
Verbete | Comentar | Comentários (7)

Terça-feira, 18 de Novembro de 2008
Do enjoo

 A caminho de Lisboa, descendo de Linda-a-Velha pela auto-estrada do estádio intrigou-se-me no domingo a senhora com o que parecia ser uma árvore de Natal que se via na outra banda. Era a base do Cristo-Rei que estava iluminada, mas afinal não era nenhuma árvore de Natal.
 O meu bom amigo Fernando C. trouxe-me hoje um recorte de imprensa. Notai a verborreia da notícia que passa ten-
ta passar a ignóbil apropriação do património como veste-se de luz, reabilitação urbana, imagem renovada, iniciati-
va, fórmulas criativas,
e que diz tudo sobre o tipo de gente que promove este odioso tracto.
 Quando me deu o recorte o meu amigo não conteve um enjoado "se o país era todo para vender...?"

Cristo-Rei vende electrodomésticos

Expresso,15 de Novembro de 2008.



Escrito com Bic Laranja às 17:45
Verbete | Comentar | Comentários (12)

Segunda-feira, 17 de Novembro de 2008
Cabo Espichel, 2005

Cabo Espichel (c) 2005



Escrito com Bic Laranja às 23:01
Verbete | Comentar | Comentários (9)

Sesimbra, 2005

Sesimbra (c) 2005



Escrito com Bic Laranja às 20:00
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----