Terça-feira, 30 de Junho de 2009
Um plágio sem querer

Dei-me conta agora que "Um desejo chamado eléctrico" já houve antes...

Um desejo chamado eléctrico, Porto (C. Romão, 2006)
Carro eléctrico nº 216, Porto, 2006.
Carlos Romão, in A Cidade Surpreendente.



Escrito com Bic Laranja às 23:58
Verbete | Comentar | Comentários (3)

Um desejo chamado eléctrico

Amarelo.
 

 Duma estética original com as suas molduras [das janelas] em bico, este carro construído em 1927 sobre uma zorra inglesa do tipo Peckham tinha uma suspensão pendular que oferecia um maior conforto. A série de doze viaturas idênticas viria a ser abatida em 1972. O itinerário ao longo da Avenida da Liberdade veio a ser suprimido aquando da inauguração do metro em 1959.



MTUIR, Os eléctricos europeus em 1950-60, Lisboa.



Escrito com Bic Laranja às 16:12
Verbete | Comentar | Comentários (16)

O carro eléctrico

 Andou onte' o governo assaz empenhado com o carro eléctrico para cá, o carro eléctrico para lá...
 Ele diz agora que o carro eléctrico é verde e sustentável, cousa maravilhosa de ver. O caso é que quando o carro eléctrico era amarelo... não prestava para nada!... Lá no bairro suspenderam o carro eléctrico há uma dúzia de anos; diz que foi provisoriamente - tanto quanto provisório é o definitivo. Os carris na' ruas foram ficando ou sendo alcatroados por cima por nã' haverem serventia. Pôr o velho carro eléctrico de novo nos trilhos teria graça e certo seria que aqui havia freguês. Mas agora este novo, verde, tão apregoadamente sustentável e tão graciosamente sustentado pelo sr. primeiro ministro - à laia das tabletes Magalhães -, este não me inclina nada sustentá-lo...

Carro eléctrico da Graça, Martim Moniz, [c. 1950]
Carro eléctrico da Graça, Martim Moniz, [c. 1950].
Fotografia: Estúdio de Mário de Novaes (1933-1983), in
Biblioteca de Arte da F.C.G..



Escrito com Bic Laranja às 12:20
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Segunda-feira, 29 de Junho de 2009
No frontão da casa vizinha
 Há tempos numa pizzaria vi umas fotografias antigas emolduradas decorando as paredes. Enquanto esperava o almoço apontei umas notas no caderninho. Não me recorda ao certo o que escrevi mas cuido ter anotado algo sobre uma certa luminosidade extraordinária nestas imagens antigas que não acho facilmente em Lisboa hoje em dia. Não sei se isto fará sentido, deve ser crença minha. Esta tarde porém, sobre o frontão da casa em frente pousava essa extraordinária luminosidade de fotografia antiga e prolongava-se no azul do céu, miraculosamente sem nuvens àquela hora neste chuvoso dia de Junho. Por um instante dissipou-se o bulício imparável da cidade. Por um instante cuido que entrevi ali, sobre o frontão e o telhado da casa em frente, aquela luz antiga dos retratos de Lisboa de há sessenta, setenta, oitenta anos.
 

Palacete Sotto-Mayor, Lisboa (Paulo Guedes, s.d.)
Palacete Sotto-Mayor, Lisboa, [ant. 1947].
Paulo Guedes, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 22:47
Verbete | Comentar | Comentários (4)

A régua da felicidade

 Uma das petulâncias mais enjoativas deste mundo contemporâneo é a de medir com uma régua o que não é palpável. Para medir a felicidade, por exemplo, a ideia que dá é que bastam uns tipos de bata branca colhendo cuspo numa proveta e, ao depois de centrifugarem as amostras na Bimby dum laboratório universitário, a conclusão se há-de ler, infalível, num talão de supermercado: 66 a 73% dos portugueses andam satisfeitos ou são felizes.
 Sem margens de erro como nas sondagens e com direito a editorial na telefonia amanhã às dez.
 Melhor só a indignação hoje do jornalista da rádio com o resultado: - "Como é possível?! Tantos portugueses não conseguirem aquecer a sua casa em noites frias de Inverno, não poderem gozar uma semana de férias, não poderem dar prendas no Natal, e apesar disso serem felizes?!..."
 Melhor ainda a conclusão a seguir: - "Pobres e resignados. Vem isto do Salazar" - que não sabe o jornalista se era bom economista, mas que - "era muito esperto e entendia muito bem a índole dos portugueses." - Mantê-los como eram, quando eles o eram por sua natureza foi uma maldade que não se faz.
 É um brilhante raciocínio. Com a mesma lógica, outros libertadores - talvez não podendo inculpar Salazar, por anteriores a ele - inculparam a Inquisição e o absolutismo. Para esses, tanto fazia que o regime de 1820 levasse de vigência mais de cinquenta anos moralmente superiores. Tal como não se desmerece agora a III República que leva 35 anos de acção libertadora da tenebrosa 'longa noite...' Nem tão pouco interessa - tornando ao caso - a esta moderníssima ciência de excelência que o I.S.C.T.E. se meta de fita métrica a medir, no presente - e do presente, não do tempo de Salazar - meros padrões de conforto do catálogo da Worten ou da barraquinha da Abreu montada à porta e conclua pateticamente 73% de felicidade para os portugueses.
 Pois disto, vede: a mim, se me inquirirem depois duma opípara sardinhada quanto, de 1 a 10, me sinto feliz, pode ser que até responda mais de 7,3 - dependerá do tinto.
 E também há-de ser culpa do Salazar.

Proveta e prof. Bunsen (Dos Marretas)
 (Imagem através do Google.)

(Ajeitado às18h10 para melhor clareza.).



Escrito com Bic Laranja às 12:15
Verbete | Comentar

Sábado, 27 de Junho de 2009
Regime de troca directa

 Eu largo a TVI se tu deslargares as eleições no mesmo dia.


Negociantes de Peles descendo o Misouri (Bingham, 1845)
Negociantes de peles descendo o Missouri, 1845.
George Caleb Bingham, (1811-1879).
Óleo sobre tela, 74 cm x 92 cm, Museu Metropolitano de Arte, Nova Iorque.



Escrito com Bic Laranja às 13:29
Verbete | Comentar | Comentários (6)

A ostentação do Poder

Dª Estefânia.jpg
Chegada a Lisboa de D. Estefânia em 18 de Maio de 1858, pelas 12:00 horas. 
Amédée Lemaire de Ternante. 19.8 x 23.6 cm.
 
 O Terreiro do Paço é uma praça de ostentação do Poder. Da arcaria monumental aos imponentes torreões; do majestoso rei Dom José a cavalo ao arco que triunfalmente o enquadra quando olho do cais das colunas, o Terreiro do Paço é toda uma alegoria ao Poder. Praça aberta ao rio, exibe esse Poder magnífico ao forasteiro que chega. Na arquitectura da primeira cidade do reino o Terreiro do Paço não se fez para mais que isto: a ostentação do Poder. Nesta medida, pois, cumpriu e cumpre a sua função. Ora vede vós as demonstrações: o Poder sumptuoso em desfiles e recepções reais; a anarquia, pois, no regicídio; o Poder férreo e orgulhoso nas aclamações e desfiles militares do Estado Novo; a solenidade do Poder executivo com o estabelecimento de ministérios. - Não foi à toa que o tomaram de assalto no 25 de Abril. - E ao depois da dita auspiciosa alvorada cá continua o Terreiro do Paço ostentando o Poder que nos rege: um ridículo Poder de polícias de giro à mangueirada a polícias em manifestação; um Poder folclórico de árvores de Natal publicitárias; um Poder miserável - isto custa - com mendigos dormindo em papelão debaixo das arcadas à porta de ministérios...
 Chegados a esta desgraça, se ainda há Poder ele é patético: só assim concebo que o Estado haja abdicado da jurisdição do Terreiro do Paço a favor duma qualquer sociedade comercial para ela o vestir em padrão Burberry para os bem-aventurados 100 anos do barrete frígio.
 Em continuação, segue-se, quiçá, o corridinho e o fandango de ranchos aventaleiros em padrão a condizer... Será mais uma ostentação do Poder. Para o bem ou para o mal, com ou sem farturas e churros ao domingo à tarde, o que o Terreiro do Paço mostrar, será a imagem do Poder que nos rege.

Padrão Burberry, Terreiro do Paço, 2009.
(Padrão Burberry onde se queira.)

(Texto revisto ás 9h00 da manhã e ajeitado à 1h00 da tarde.)



Escrito com Bic Laranja às 06:30
Verbete | Comentar | Comentários (11)

Sexta-feira, 26 de Junho de 2009
Europa: 1.666 km

Europa - 1.666 km.jpg

Eu bem tenho dito que a Europa não é cá.



Escrito com Bic Laranja às 12:17
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Nótula marginal à notícia do momento

 O locutor de serviço no canal das notícias, referindo-se a uma página da Internete da qual  lia em directo a nova do passamento do cantor Michael Jackson: - "Notícia de última hora avançada pelo site TMZ, onde se pode ler R.I.P., do inglês Rest In Peace..."
 Soubesse o locutor algum Latim e provavelmente ocorrer-lhe-ia Requiescat In Pace.
 Que a terra lhes seja leve. Ao cantor e ao Latim.
Lápida funerária de M. Marcius Niger, in «Imágenes e Palabras de Córdoba»



Escrito com Bic Laranja às 00:05
Verbete | Comentar | Comentários (9)

Quinta-feira, 25 de Junho de 2009
Vénus e Cupido

Lisboa (c) 2004
Conjunto escultórico de António Machado, 1774.
 Largo Dr. José de Figueiredo, Janelas Verdes, 2004.



Escrito com Bic Laranja às 08:30
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Quarta-feira, 24 de Junho de 2009
Dos bichos

 Há bichos na selva que marcam território urinando nas plantas. O seu cheiro assim espalhado avisa outros da espécie sobre quem manda no território. Na selva urbana os cães não perderam o instinto; na falta dum tronco de árvore mijam na roda dum carro...

Lisboa S.O.S., 2009

 Os mamíferos humanos, menos olfactivos, compram latinhas de tinta para serem como os bichos.
 


Texto revisto d' Os bichos; imagem adaptada de Lisboa S.O.S..



Escrito com Bic Laranja às 21:10
Verbete | Comentar | Comentários (9)

Terça-feira, 23 de Junho de 2009
Alegoria à Vitória

 No plinto do monumento ao Duque de Saldanha está a estátua duma figura feminina alada, muito bela, de bronze, em representação da Vitória. Dirigidos a quem sobe a Av. Fontes Pereira de Melo foram postos antes das eleições uns cartazes de propaganda pouco altos, talvez por pudor em ocultar a estátua do Duque no seu pedestal dórico. Ironicamente - não sei se os fautores do trabalho se deram conta - ocultaram a Vitória. Pois as eleições foram vai já para três semanas e as Libertas, mais os que não baixam os braços, lá continuam com a sua propagandazinha. A Vitória, sintomaticamente, permanece encoberta. 


Monumento ao Duque de Saldanha, Lisboa (Chaves Cruz, post 1909)
Monumento ao Duque de Saldanha, Lisboa, post 1909.
Chaves Cruz, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..


Nota: o monumento ao Duque de Saldanha foi inaugurado em 13 ou em 18 de Fevereiro de 1909. Fez, em todo o caso, agora 100 anos.



Escrito com Bic Laranja às 22:37
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Caracol da Graça

Caracol da Graça (c) 2004
Caracol da Graça, Lisboa, 2004.



Escrito com Bic Laranja às 08:35
Verbete | Comentar | Comentários (9)

Sábado, 20 de Junho de 2009
Da estética audiovisual...

... ao desempenho das artes.
 


The Corrs - Radio
(Concerto acústico)



Escrito com Bic Laranja às 11:03
Verbete | Comentar

Estética pop-rock...

The Corrs - Only When I Sleep



Escrito com Bic Laranja às 10:53
Verbete | Comentar

Quinta-feira, 18 de Junho de 2009
Dou razão ao sr. primeiro ministro

Zé Povo.jpg

 De relance passei ontem na entrevista do primeiro ministro Sócrates. Dizia gravemente S. Ex.ª à jornalista Ana Lourenço, chocado com tamanha barbaridade que por aí ouvira: - "Repare! Eu seria incapaz de afirmar que o casamento é para procriar!..."
 Ora bem, quando o marialvismo ainda era a contra-cultura dominante o casamento reservava-se muito a uma espécie de semental de ganadaria. Esse tempo de facto já passou. Modernamente a procriação tornou-se mais coisa de aviário regida — a democratização parece que tem destas coisas — por um conselho de sábios. E o casamento, esse, anda para ser entregue à bicharada como bem se há-de ver. O sr. primeiro ministro Sócrates tem, pois, boas razões para pôr um ar grave e se mostrar chocado com certas barbaridades...



Escrito com Bic Laranja às 18:41
Verbete | Comentar

Quarta-feira, 17 de Junho de 2009
O dom

O bama da América possui o dom da vida nas mãos. E o da morte à chapada.
 


Totem de cartão em
cubecraft.



Escrito com Bic Laranja às 20:57
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Terça-feira, 16 de Junho de 2009
Ao serão

 Ganhou a senhora o hábito há anos de, nestas noites quentes, desligar a televisão e pôr algo mais apropriado na grafonola. A estranheza que senti pela falta do fundo televisivo em casa ao serão - e no meu caso cresci com isso - não resistiu trinta segundos ao embalo desta cantora.
 


Diana Krall - The Look Of Love



Escrito com Bic Laranja às 23:20
Verbete | Comentar | Comentários (3)

Segunda-feira, 15 de Junho de 2009
Apesar da bátega (e também por isso...)

O Tempo

No Sapo, há 5 minutos, o boletim de tempo para hoje era este. Mas cheira-me que logo à noite virá aí pela televisão um vendaval de alterações climáticas...



Escrito com Bic Laranja às 16:58
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Trabalho árduo

"Ministra da Saúde evita alarme após confirmação de terceiro caso de gripe A" - li na primeira página do jornal.
 


Padaria e pastelaria de Castanheira & Fernandes, sucursal d' O Século, Jardim Constantino, 1910.
Joshua Benoliel, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 12:41
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

13
15
17

18
19
20
21
24

25
26
27
28
29
30


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----