Domingo, 30 de Agosto de 2009
Domingo à noite...

Nova Lisboa, alçado das ruas principais...
Prospecto das frontarias que hande ter as ruas principaes que se mandaõ edificar em Lixboa baixa arruinada e se dividem com colunelos para separaçaõ do uzo da gente de pé do das carruages.
Desenho a tinta-da-china, aguarelado a carmim, assinado por Sabastião Joseph de Carvalho e Mello e Eugénio dos Santos e Carvalho. Dim. 340 x 1000 mm. In
Monumentos, nº 21, Setembro 2004, p. 70.
 



 Na era dourada dos cursos da C.E.E. julgo que criei na mente uma espécie de aura de sonho com a descoberta da Lisboa pombalina. Não sei se isto se entende.
 Frequentei um curso da C.E.E. no Largo da Abegoaria (o Paulo Pires, aquele que faz teatro, também andou lá) e costumava subir da Baixa à Trindade observando ruas e casas. Tentava perceber-lhes nas fachadas sóbrias que marcas lhes davam a origem setecentista ou oitocentista: o ferro forjado raiado do tímpano duma porta que por vezes trazia data; o velho feitio das janelas de guilhotina; o esconso das escadas; o piso nobre de sacadas; o acanhado das trapeiras... Queria ver vestígios de cena pombalina que amalgamava na mente, com antiga gente imaginada nebulosamente nos seus distintos modos e roupagem. Um livro que resgatei por esse tempo na Barateira da Trindade (Suzanne Chantal, A Vida Quotidiana em Portugal ao Tempo do Terramoto, Livros do Brasil, Lisboa, s.d.) forçou mais o devaneio. Coisas da imaginação, ou pior.
 O fenómeno, quando o explico, adensa-se em algo mais extraordinário porque se dava com o walkman (o barbarismo derivou em fones e, até ver, no neobarbarismo hi-pod) nos ouvidos, nalgumas vezes com música pouco a condizer: uma cassete dos primórdios de Suzanne Vega. Pois com toda esta mistura, ouvir velhas cantigas da Suzanne Vega traz-me sempre a aura diáfana do devaneio em que naquele tempo punha a imaginação. Calculo que os meus itinerários da Baixa se gravaram em fundo na cassete da Suzanne Vega e no fim, refundida a cassete, plasmou-se tudo cá na ideia. Assemelha-se-me isto - agora que o conto - a uma involuntária lavagem ao cérebro, porque a busca incessante de vestígios do passado tornou-se-me numa mania em todos os caminhos que percorro. Não sei se é coisa que faça bem.
 


Suzanne Vega, Ironbound (Fancy Poultry)
Madrid, 1989.



Escrito com Bic Laranja às 21:45
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Crazy

 Em meio de Agosto de 91 - caneco, fez já 18 anos! - guiaram-me uns amigos para uma discoteca de Tavira... ou de Faro, já nem sei... Conhecia muito pouco do Algarve naquele tempo - particularmente discotecas - e essa vez até nem teve que contar. Apenas uma coisa: tocou na discoteca uma cantiga dum cantor que eu não sabia o nome mas cuja voz reconheci de outra cantiga que ele cantava e que eu gostava mais. De nenhuma das duas cantigas eu sabia também sequer o título. A que não passou na discoteca foi esta.
 


Seal - Crazy
Festival de Montreux, 2004.



Escrito com Bic Laranja às 01:08
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Sábado, 29 de Agosto de 2009
Do decoro

  No adro da igreja do Carmo dois rapazolas com um patinete (o bárbaro consagrado é skate) macaqueavam para lá e para cá. - Pás! Pás! - faziam naquela macaquice mesmo nas barbas da Guarda do quartel do Carmo.
 Abeirei-me da sentinela (vamos lá ver o que isto dá, pensei com os meus botões) e perguntei-lhe serenamente porque permitia a Guarda aquilo ali.
 - Não sei... - balbuciou - Não tenho ordens... Mas o senhor fale com o cabo da guarda - e tocou uma campainha.
 Veio o cabo e procurei-lhe então à mesma se à Guarda lhe não incomodava aquela macaquice ali ao pé.
 - Ali onde estão é o museu. Desde que não venham dali para cá - e apontou o pau da bandeira - não fazemos nada.
 - Mas o museu é monumento nacional... - e fitei-o.
 Hesitou, admirado, e repetiu a arenga: - Desde que não venham dali para cá... - Ao que depois aduziu: - Na verdade até agora ninguém se queixou. Mas se o senhor quiser pôr o caso ao comando... - e virou-se fazendo face ao quartel sem contudo me voltar as costas.
 - Não é caso para isso. Muito obrigado - despedi-me.
 Mais tarde calhei passar a S. Bento e pus-me a questão se ali a Guarda fará mais pelo decoro ou se será como no Carmo, meramente decorativa.


Convento do Carmo, Lisboa, [s.d.].
Fotógrafo não identificado. Arquivo Fotográfico da C. M.L..

(Texto revisto: 0h56.)



Escrito com Bic Laranja às 20:02
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Sexta-feira, 28 de Agosto de 2009
Jovem de 35 anos

Jovem de 35 anos...

Jovem de 35 anos! RTP Notícias
Notícia da RTP.

(Tristemente o jovem faleceu. Mas não é doutra coisa que aqui tracto.
)



Escrito com Bic Laranja às 21:00
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Sexta-feira
  1. A população do Reino Unido está a crescer pela primeira vez na história - solta-se duma locutora da TVI no café. Os locutores são assim, como as araras: dizem coisas.
  2. Revista de imprensa na telefonia: - "Hospitais a gastar acima do aceitável, uma notícia sobre saúde no J.N." - Sobre saúde? Qual saúde...?
  3. Ainda no J.N.: "P.S.D. reduz impostos às empresas." - Posto nestes termos parece que o P.S.D. já governa os impostos.
  4. Camilo Lourenço empolgado sobre juízes: "não pode haver actividade nenhuma da vida onde não seja medida a produtividade!" É o mercantilismo feito religião. Mas como é que se medirá a produtiva actividade de sermão e homilia dos fala-barato?
  5. Anúncio antes das notícias das 9h30: "A primeira ida de Jorge Gabriel à praia depois da lipo-aspiração, um exclusivo na Lux."

Hoje também há a greve nos aeroportos, mas basicamente é isto...

Bagageiro, Aeroporto de Lisboa, [s.d].
Bagageiro, Aeroporto da Portela, [s.d.].
Fotografia: Museu da TAP.



Escrito com Bic Laranja às 10:18
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Quinta-feira, 27 de Agosto de 2009
O melro

 O mundo está para acabar num espirro por causa da gripe pandémica. Tenho esperança que o ministério das máscaras ainda nos possa salvar cá em Portugal, vamos lá a ver... Vai ser trabalhoso, pois a gripe é pandémica porque sim. Como aquela outra gripe pandémica, também porque sim, dos pássaros. Isto é tudo muito sério e por tal estou até aqui meio ralado porque havia hoje um melro morto naquele pedaço ajardinado entre o 27 e o 28 lá onde trabalho e não consigo agora encontrar o nº azul da gripe aviária para avisar para lá. Já procurei em todo o lado e não consigo achar...

Melro de Novembro (Richard Allen)
Melro de Novembro.
Richard Allen, Aguarela, 27 x 32 cm.



Escrito com Bic Laranja às 22:38
Verbete | Comentar | Comentários (5)

Segunda-feira, 24 de Agosto de 2009
Da sinalética

 Fala-se muito por aí agora em sinalética (parece que é sinónimo de sinais, mas com mais ciência) que não é respeitada...
 Montado no Google Streetview eis um belo exemplo de sinalética: oficial e não oficial. Da não oficial parece que haveriam as autoridades oficiais de enquadrá-la no meio da diarreia legislativa em que se perdem - era o mínimo para mascarar a candente falta de autoridade. Da sinalética oficial sobra aquele aviso de Hospital ali para sinalizar em 2009 um hospital fechado e vendido, salvo erro, em 2004. À relaxada mulher de César (autoridades oficiais, leia-se) já tanto dá parecer séria como perra. Deixa-se andar, governa sem vergonha, improvisa sinalética oficial que não se consegue assimilar e cuida que salva a autoridade desde que lhe não grafitem o palácio. Entretanto enfarta-se de democracia e arrota eleições porque talvez assim se salve.

Hospital (Google Streetview, 2009)
Hospital de Arroios, Lisboa, 2009.



Escrito com Bic Laranja às 17:18
Verbete | Comentar | Comentários (12)

Domingo, 23 de Agosto de 2009
Eléctricos de Lisboa (fotografias antigas)

 Maravilhosa colecção de fotografias dos eléctricos de Lisboa em 1977. É um preciosíssimo inventário ilustrado de todas as carreiras que eu ainda conheci em circulação (acho que não houve nenhuma destas em que eu não tivesse andado). Noto o ar descuidado dos carros eléctricos (e da cidade em geral), estranhamente tão familiar na minha memória, que contrasta com imagens comparáveis dos anos 60 (cf. Praia e 24 - P. Chile) e com o brinco que é o 28 hoje em dia. Nalgumas fotografias outros pormenores passam à margem dos carros eléctricos a quem tenha a paciência do olhar atento; como aquela do 27 para o Poço do Bispo, no jardim da Praça Paiva Couceiro, onde uma família enlutada parece confortar-se sob o olhar do guarda-freio. O cemitério não é longe...
 

Eléctricos de Lisboa; fotografias antigas. Trams aux fils, 1977.



Escrito com Bic Laranja às 09:51
Verbete | Comentar | Comentários (42)

Redução de serviço

Com o objectivo de adequar a oferta à procura nos períodos de menor utilização do transporte público (sábados à tarde, domingos, feriados e período nocturno), no dia 23 de Agosto de 1982 (2ª feira) a carreira 23 de eléctricos [para S. Bento] é suprimida. O seu serviço continua a ser assegurado pelas carreiras 6 de autocarros, que é reforçada e passa a funcionar no período nocturno, e 26 de eléctricos.»
C. Filipe, A minha página Carris.


Eléctrico 23, C. Redondo (Trams aux Fils, 1977)
Eléctrico 23, Conde de Redondo, 1977.
Fotografia:
Trams aux fils.



Escrito com Bic Laranja às 07:45
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Sábado, 22 de Agosto de 2009
Reforço de serviço

 « A partir do dia 17 de Novembro de 1947 (2ª feira) a carreira 23 de eléctricos [para S. Bento] é reforçada

C. Filipe, A minha página Carris.


Rossio, Lisboa (H. Novais, s.d.)
Eléctrico 23, Rossio, c. 1948.
Horácio de Novais, in Biblioteca de Arte da F.C.G..



Escrito com Bic Laranja às 23:41
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Praça da Figueira

Muito provavelmente em vésperas da demolição.

Mercado, Praça da Figueira (E.Portugal, 1949)
Praça da Figueira, Lisboa, 1949.
Espólio de Eduardo Portugal, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 22:31
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Dias da rádio

Dias da rádio...



(Aparelho de rádio...)



Escrito com Bic Laranja às 22:07
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Quinta-feira, 20 de Agosto de 2009
Agosto de 1940

Av. da Torre de Belém, Lisboa (E.Portugal, 1940)
Avenida da Torre de Belém, Lisboa, 1940.
Espólio de Eduardo Portugal, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 00:01
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Quarta-feira, 19 de Agosto de 2009
Almanaque Disney

Escutas em Belém

Há escutas em Belém.



Escrito com Bic Laranja às 19:28
Verbete | Comentar | Comentários (3)

Dia do que se queira

 A folhinha do calendário diz que é dia de S. João Eudes, mas não é isso que diz no jornal. Diz que é dia da fotogra-
fia.

Rampa da estação do Rossio, Lisboa (E.Portugal, s.d.)
Rampa da Estação do Rossio, Lisboa, [s.d.].
Espólio de Eduardo Portugal, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

Adenda ao dia...

Travessa da Saúde, Belém (E.Portugal, s.d.)
Travessa da SaúdeLisboa, [s.d.].
Espólio de Eduardo Portugal, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

O mais notável desta é que o burro está do lado da universidade que depois ali houve...



Escrito com Bic Laranja às 16:14
Verbete | Comentar | Comentários (9)

Segunda-feira, 17 de Agosto de 2009
Da treta
Da treta  É a absurdamente estúpida a chachada que a televisão debita. Nem falo dos Gouchas, coisa perfeitamente chã dentro do género do arraial saloio.
 Um desses canais que debita "notícias" 24 horas por dia atirou-me perto das 11h00 da noite com uma reportagem de bonecos de Lego movendo-se dum lado para o outro como se fora uma grande demonstração científica. Doutrinadamente a treta ecoa com chavão panfletário - no domínio das tecnologias - acompanhada de recado igualitário - elas pedem meças a eles. Tecnologias serve para crismar bonecos de Lego em robots (coisa sofisticadíssima). Enquanto isto numas legendas em pé de página os 'robots' ajudam o combate à gripe A (!!!). Era o ingrediente desta anedótica civilização que faltava para salgalhar os melhores clichés da moda numa autêntica salada russa.
 Dantes havia governos - já o aqui disse - que pagavam excursões à Sibéria aos mais reticentes em assimilar a doutrina da ciência certa. Agora pago eu TV por cabo para me injectarem (o verbo aqui não é inocente...) a ciência certa em casa.
 Sem poder mais com a doutrinação desvio a atenção, não sem perceber ainda de raspão o sr. Nabeiro dizendo coisas sobre aquilo. Empreendedorismo e excelência hão-de ser os chavões que se seguem... Não quero saber mais. Ocorre-me só uma notícia desta manhã:90% das notas de dólar têm cocaína. Aí tendes a explicação desta sofisticada civilização da treta: é da droga. Não admira que se queira tudo cada vez mais verde e sustentável.

(A Verdadeira Treta é do
Mais Portugal.)


Escrito com Bic Laranja às 23:21
Verbete | Comentar

Capuchos, Lisboa

Jardim de Santo António dos Capuchos com casario algo castiço.
 


Alameda de Santo António dos Capuchos, Lisboa, 1940.
Eduardo Portugal, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 18:05
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Domingo, 16 de Agosto de 2009
Igreja de Arroios

 Tinha chegado eu ao largo de Arroios e... divergi. Retomando.

« Na sua simplicidade, fachada banal com uma única porta e com três janelas envidaraçadas, tudo liso, apenas com um apontamento arquitéctónico nas pilastras de ordem jónica - é esta a Igreja de S. Jorge de Arroios. Podemos fazer-lhe uma pequena visita.
  S. Jorge de Arroios é uma das mais pobres igrejas de Lisboa embora, cheia de claridade, e - simpática. Possue uma única nave. Ostenta quatro capelas laterais: do lado esquerdo, a começar da entrada do templo, a primeira capela é de S. Miguel, N.ª S.ª do Carmo e N. S. do Perpétuo Socôrro, e a segunda (antiga do Santíssimo) é do Senhor dos Passos e de N.ª S.ª das Dôres; do lado direito as capelas são do Sagrado Coração de Maria e de Santa Terezinha, a primeira, e do Sagrado Coração de Jesus e Santa Cecília, a segunda. Nos topos há os altares pequenos de Santo António e de N.ª S.ª de Fátima.
  A capela-mór guarda hoje o Santíssimo no centro do altar, e sôbre ela a imagem, tão graciosa, embora sem valor artístico, de S. Jorge; aos lados N.ª S.ª da Conceição e S. José.
  O grande interêsse da Igreja é, porém, o Cruzeiro - considerado monumento nacional.»

Norberto de Araújo, Peregrinações em Lisboa, IV, 2ª ed., Vega, Lisboa, 1993, p. 84.

Igreja de S. Jorge, Arroios (E. Portugal. c. 1940)
Igreja de S. Jorge de Arroios, fachada principal, Lisboa, 194...
Eduardo Portugal, in Arquivo Fotográfico da C.M.L.

 Este templo, acima descrito, foi levantado entre 1820-1828. O terramoto arruinou o templo anterior e a paróquia abrigou-se na ermida de Santa Bárbara até 1770. Nesse ano passou para a ermida do Senhor Jesus da Boa Sorte e Santa Via Sacra no largo das Olarias e finalmente, uns anos depois, para ermida de Santa Rosa de Lima, no palácio dos Senhores de Murça, depois Mesquitelas, na Rua de Arroios. Em 8 de Novembro de 1829 a paróquia tornou ao Largo de Arroios para a nova Igreja de S. Jorge; o próprio rei D. Miguel assistiu ao cerimonial (cf. Norberto de Araújo, loc. cit. e Luiz Pastor de Macedo, Lisboa de Lés-a-Lés, vol. I, Pub. Culturais da C.M.L., Lisboa, 1981, pp. 185 e ss.).
 Foi demolido este templo por volta de 1970 - diz - por ter sido considerado pequeno, dando lugar a outro mais amplo - diz também (apesar de no mesmo terreno) - mas para cujo gosto arquitectónico não acho qualificativo.



Escrito com Bic Laranja às 11:34
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Fábrica das cervejas Leão

 

 Há dias mencionava aqui a demolição da fábrica da Portugália fazendo a ponte para uma mais antiga fábrica de cervejas em Arroios: as cervejas Leão. Eis cá, pois, mais uma memória de Arroios industrial. As cervejas Leão ficavam na Rua de Arroios 46-48, com frente também para a Rua Frei Francisco Foreiro. O seu aspecto à volta de 1901...

Fábrica das cervejas Leão, rua de Arroios, [1901-1908].
Fábrica das cervejas Leão, Arroios, [1901-1908].
Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 09:45
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Sábado, 15 de Agosto de 2009
Largo de Arroios

« O largo de Arroios - diz Vilhena Barbosa - é célebre na história moderna de Lisboa pelas cenas populares de que foi teatro por ocasião da invasão francesa de 1810. A capital encheu-se de gente fugida das diversas terras do reino ao aproximar-se o exército do general Massena. Algumas praças de Lisboa, e entre elas o largo de Arroios, transformaram-se em acampamentos obstruídos de bagagens, por meio dos quais se aninhavam as famílias desoladas.
  O habilíssimo lápis do nosso querido pintor Domingos António de Sequeira fêz um quadro de uma dessas cenas, que consternaram tôda a cidade, desenhando o largo de Arroios, no momento em que se distibuía aos míseros fugitivos, por ordem do Govêrno, a sopa diária. Deste desenho de Sequeira fêz uma grande e excelente gravura Gregório Fernandes de Queiroz, discípulo do célebre Bartolozzi

Vilhena Barbosa, Arquivo Pitoresco, vol. VIII, p. 26, apud Luiz Pastor de Macedo, Lisboa de Lés-a-Lés, vol. I, 3ª ed., Pub. Culturais da C.M.L., Lisboa, 1981, p. 184.


Sopa de Arroios, Lisboa, 1810.
Buril e água forte: Domingos António de Sequeira, Gregório. Francisco de Queiroz, 1813, in  Biblioteca Nacional Digital.



Escrito com Bic Laranja às 22:29
Verbete | Comentar | Comentários (23)

Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9

12
15
17

19
20
21
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Alpendre (O) (pub)
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Palaurossaurus Rex
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----