Sábado, 31 de Outubro de 2009
Fischer Z

 Esta semana tem sido por aqui muito dada à música. Com imagens a acompanhar  (talvez ande eu a fingir que faço telediscos). Esta agora é do tempo em que fui para o liceu - ou escola secundária, como diz com mais propriedade esta república igualitária... - O John Watts canta aqui que perdeu a namorada. Vê-se-o algo agitado no fim mas o abandono não teve mal. Lembro-me dele logo a seguir nesse tempo, gritando exuberantemente por uma Marliese no concerto da Febre de Sábado de Manhã no estádio de Alvalade. Nunca gostei da Marliese, sempre preferi esta cantiga do So Long, mais rara de ouvir na rádio naquela altura. Em 2005 lembrei-me de gravá-la num disco compacto que fiz para levar para férias...
 Voltando ao John Watts e à Febre. Ao depois duma data de anos do concerto em Alvalade o simpático Júlio Isidro convidou-o a tornar cá para a festa dos 25 anos da Febre. Apareceu algo decrépito sem cantar grande coisa. Tanto assim, que o bom do Júlio Isidro chegou a comentar: - "O John Watts desta vez veio para segurar o microfone, e os dois que o acompanhavam vieram para segurá-lo a ele".
 


Fischer Z - So Long
(1980)



Escrito com Bic Laranja às 19:59
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Alto de Santo Amaro, traseiras da Ermida de Santo Amaro

Alto de Santo Amaro. Vista da Junqueira, Lisboa (E. Portugal, 1944)
Alto de Santo Amaro, traseiras da Ermida de Santo Amaro. Vê-se, em baixo, a Junqueira, Lisboa, 1944.
Eduardo Portugal, in Arquivo Fotográfico da C.M.L.. 



Escrito com Bic Laranja às 07:40
Verbete | Comentar | Comentários (9)

Ermida de Santo Amaro, fachada principal

, Lisboa (A. Serôdio, 1970)
Ermida de Santo Amaro, fachada principal, Lisboa, 1970.
Armando Serôdio, in Arquivo Fotográfico da C.M.L.. 



Escrito com Bic Laranja às 07:35
Verbete | Comentar

Ermida de Santo Amaro em Lisboa

« Festejos e outras notícias — Como se sabe, Santo Amaro, abade e bispo, é o advogado das pernas e braços partidos, e muitos devotos oferecem ainda as suas promessas de cera, com a forma daqueles membros, que se vêem pendurados no arco e paredes da capela-mor.
  A ermida, construída há 396 anos, segundo reza a inscrição existente,

[ COMECOVSE A EDIFICAR ESTA ERMIDA DE SANTO AMARO A DOZE DIAS DE FEVEREIRO DO ANO DE 1549 ANOS E AVIA SETE ANOS QVE HERA AQVI EDIFIQVADA A QVE AGORA SERVE DE SAMCRISTIA ]

  foi encerrada à devoção dos fiéis, profanada e roubada após a implantação do regime republicano em 1910, e acha-se novamente restituída ao culto desde 15 de Janeiro de 1927.
  Existia ali uma confraria, de que fizeram parte alguns dos mais ilustres nobres doutros tempos.
  Nela se faziam antigamente grandes festas ao seu patrono, que começavam em 15 de Janeiro e se prolongavam ordinàriamente até 2 de Fevereiro. No seu adro organizavam os galegos das companhias de aguadeiros de Lisboa, um arraial e danças ao som de gaitas de foles, e nele apareciam, além dos vendedores dos artigos que era uso negociarem-se em todas as festanças populares portuguesas, mulheres vendendo rosários de pinhões de Leiria.
  Com a evolução dos tempos estas festas têm desaparecido pouco a pouco e dos antigos galegos frequentadores do arraial, ainda há cinco anos (1930) lá apareceu o último, que, com a sua gaita de foles, animou uma dança impovisada no adro, e até na sala de oração.»

Augusto Vieira da Silva, Revista de Arqueologia, t. III, 1934, apud Dispersos, vol. II, 2ª ed., Lisboa, C.M.L., 1985, pp. 290, 291.

Ermida de S. Amaro (Dirk Stoop, séc. XVII)
Gravura de Dirk Stoop, séc. XVII.



Escrito com Bic Laranja às 07:25
Verbete | Comentar | Comentários (3)

Quarta-feira, 28 de Outubro de 2009
Dança de imagens (com chapéu preto)


(2.ª edição. Revisto e augmentado em Julho de 2013.)



Escrito com Bic Laranja às 23:10
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Terça-feira, 27 de Outubro de 2009
Trafaria

Trafaria - (c) 2005
 (c) 2005



Escrito com Bic Laranja às 00:35
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Rio Tejo

Rio Tejo - (c) 2005
 (c) 2005

Margem direita

Central Tejo - (c) 2005
 (c) 2005

Margem esquerda

Cristo Rei - (c) 2005
 (c) 2005



Escrito com Bic Laranja às 00:30
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Segunda-feira, 26 de Outubro de 2009
...


António Pinho Vargas - Dança dos Pássaros
(R.T.P., Deixem Passar a Música, 1987)



Escrito com Bic Laranja às 23:50
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Belém

Belém - (c) 2005
(c) 2005



Escrito com Bic Laranja às 23:10
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Lisboa

Lisboa - (c) 2005
(c) 2005



Escrito com Bic Laranja às 00:29
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Domingo, 25 de Outubro de 2009
Conquista de Lisboa aos Mouros em 1147

“ Tomada Lisboa — conta o minucioso António Coelho Gasco, autor de um precioso inédito conservado na Biblioteca Nacional — o victurioso e sancto Rey se foy apousentar nos passos [i.e. paços] delrey mouro, que são hoje os d'alcaceva, nome corrupto de alcacer, que quer dizer em lingua Arabea Castello. E a mesquita dos mouros nesta alcaceva, a mandou sanctificar e alimpar, e chamou-lhe Sancta Cruz, por amor do dia da tomada desta Cidade”.
  Depois de arvorada a cruz na tôrre maior da Alcáçova, deu el-Rei a volta a pé aos muros do Castelo [...]
   A Alcáçova inundada do nosso formosíssimo sol de Outubro, que não tem rival, queria sorrir-se, obrigaram-na a sorrir-se, e rutilava de colchas e pendões.
  As tôrres da muralha, em parte derrocadas e feridas, presenciavam mudas aquele definitivo aproximar dos odiados cristãos; e ao longo do nosso Tejo a Ribeira resplandecia de luz, e formigava de gente [...]
  A tudo isto se seguiu, como conseqüencia, o render-se logo o castelo de Sintra, e o de Palmela, desamparado pela fuga da guarnição; e depois o de Almada; tudo no mesmo mês.

Júlio de Castilho, Lisboa Antiga, vol. II, 2ª ed., Lisboa, S. Industriais da C.M.L., 1935, p. 223 e ss..


Lanço da muralha Norte do Castelo de S. Jorge, onde se abre a porta de martim Moniz (J. Sendim, 1838)



Escrito com Bic Laranja às 00:01
Verbete | Comentar | Comentários (9)

Sábado, 24 de Outubro de 2009
...


Madredeus - Moro em Lisboa
(Um Amor Infinito, 2004)



Escrito com Bic Laranja às 21:51
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Sexta-feira, 23 de Outubro de 2009
Da alarvidade de expressão

Silêncio

 Há pedaço perguntava com certa astúcia o escritor Saramago no programa do Mário Crespo: — Para quê? Para que criou Deus o mundo?
 — Para termos aqui o senhor - ouviu-se baixinho o jornalista Mário Crespo.
 A liberdade de estar calado não tem nada destas coisas: um escritor livre de dar à estampa as alarvidades que entenda; um deputado não sei das quantas livre de mandar escritores à fava; e um jornalista, livre de estupidamente verbalizar um insulto ao entrevistado-ídolo sem se dar a mínima conta.
 Realmente!... Deu-se Deus ao trabalho para isto.
 
(Imagem em "Vas te Faire Foutre", Notícias da Cidade, 2/9/2007.)



Escrito com Bic Laranja às 22:22
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Quarta-feira, 21 de Outubro de 2009
A vaca sagrada

Clarabela ou vaca sagrada? Um deputado da Europa que nunca ouvi falar exortou o escritor Saramago com rudes palavras a abjurar a cidadania portuguesa (como se isso anulasse o ter nascido cá).
 O deputado Fernando Rosas encarniçou-se com o deputado da Europa: que era inadmissível, antidemocrático, que bulia com a liberdade de expressão. Um correligionário do tal deputado da Europa amenizou sem deixar porém de o criticar: que não devia ter dito aquilo; que o seu partido tem ideais democráticos e respeita a liberdade de expressão; que o outro deputado da Europa - é por todos sabido - também perfilha esses ideais do partido e do Sá Carneiro...
 Enfim!... Só o Saramago é que pode chamar nomes...



Escrito com Bic Laranja às 17:36
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Terça-feira, 20 de Outubro de 2009
A Avenida Marginal de Lisboa ao Sul do Arsenal da Marinha

Notícia Histórica

« Começou finalmente a realizar-se a tão ardente aspiração da ligação da Baixa de Lisboa com a parte ocidental da cidade, por uma via pública com dimensões suficientes para a actual circulação citadina entre aqueles locais.
   Primitivamente a comunicação dos arredores ocidentais de Lisboa com a Baixa, isto é, com o bairro situado entre os montes de S. Francisco e do Castelo de S. Jorge, fazia-se ùnicamente pelas ruas que são actuais representantes a Rua Garrett e a Calçada do Combro.
   Mais tarde começou a formar-se um caminho pela praia que, com o andar dos tempos se transformou nas actuais ruas do Corpo Santo, de S. Paulo e da Boavista.
   Depois do terramoto de 1755 abriu-se a Rua do Arsenal, que os arquitectos do Marquês de Pombal julgaram bastante para a circulação durante alguns séculos.
   Mas ainda não era decorrrido pouco mais de um quando se reconheceu que tal via pública, bem que larga, era insuficiente para as necessidades da viação, e começaram a estudar-se alvitres para as remediar.
    [...]
   Todos estes e outros projectos foram por nós descritos na Revista Municipal, nºs 8  9, de 1941, e desconhecendo pormenorizadamente o projecto adoptado, deixamos todavia consignado que a nossa opinião é a que todos os projectos estudados sobreleva o patrocinado pela Sociedade Propaganda de Portugal, não só pela elegância do traçado da nova avenida, seguindo uma curva sensìvelmente no prolongamento do eixo da Avenida 24 de Julho, o que reduz ao mínimo a extensão da nova via pública, como conserva íntegra a monumental ala da Sala do Risco do Arsenal, a que estão ligadas memórias gloriosas da nossa história.
   O estudo do arranjo definitivo das novas vias públicas e construções nos terrenos do Arsenal da marinha não está ainda concluído, mas [...] o início da abertura da nova avenida e a esperança da sua conclusão breve são porém motivo de grande regozijo para todos aqueles que são toda a população actual de Lisboa, que têm tido ùltimamente a necessidade e a desventura de transitar pela Rua do Arsenal. Seja pois bem-vindo este melhoramento citadino.»

Augusto Vieira da Silva, A Voz, 25 de Agosto de 1947, apud Dispersos, vol. III, Lisboa, C.M.L., 1960, p. 277 e ss.






 Melhoramentos citadinos na Ribeira das Naus, hoje, garantidamente são menos em função da faina dos lisboetas e mais em função do turismo. A pé, de bicicleta ou de observação europeia da toxicodependência...

Av. Ribeira das Naus, Lisboa (J.Benoliel, 1959)
Avenida da Ribeira das Naus, Lisboa, 195...
Fotografias: Judah Benoliel, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

(Revisto em 30/VII/13.)



Escrito com Bic Laranja às 07:50
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Segunda-feira, 19 de Outubro de 2009
Falando em particular de obras públicas

"A Frente Tejo,S.A. convidou dois dos melhores ateliers de arquitectura..."


Ribeira das Naus, Lisboa, [próximo futuro].
Projecto do consórcio
P R O A P, GLOBAL & Consulmar, in cm-lisboa.pt.

Sobre os melhores 'ateliers' de arquitectura, também nada melhor que o alto critério da Frente Tejo S.A.. Já sobre a melhor administração pública...



Escrito com Bic Laranja às 07:20
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Domingo, 18 de Outubro de 2009
25 de Fevereiro - 1909

« Visita ao Coelho de Carvalho, que está doente, e mora num velho palácio, na Rua do Arco do Cego. Móveis Império, uma cama imponente com golfinhos doirados e espelhos, falsos quadros de mestres nas paredes de estuque, onde todos os caiadores de Lisboa pintam sempre o mesmo friso azul-ferrete, e salas que se sucedem com alguns móveis antigos isolados. São restos de grandeza duma existência de artista...»

Raul Brandão, Memórias, Tomo I, Relógio d'Água, Lisboa, 1998, p. 180.


 Um velho palácio na Rua do Arco do Cego? Olha se fosse...  Teríamos aqui meia descrição do interior.

Rua do Arco do Cego, Lisboa (E.Portugal, 1940)
Rua do Arco do Cego [vista de metade do palácio do Conde de Sintra à dir.], Lisboa, 1940.
Eduardo Portugal, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 16:00
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Pop de fato e gravata

 E risco ao meio (viola baixo).
 Há quem diga New Wave (nova vaga) e julgo que a designação se colou modernamente ao dicionário da Gestão - parece-me até que haverá copiosa edição de livros sobre isso [em vagas sucessivas]. O fato e a gravata também são do figurino da pesudo-ciência, só o risco ao meio é que não sei. 
 Um comentário perdido no Tubo diz que esta aqui é do programa Top of the Pops de quinta-feira 18 de Outubro de 1979, que foi apresentado por Lee Travis. Os Buggles eram nº 1 nessa semana no Reino Unido.  Há lá outro comemtário que pergunta se esta cantiga é sobre coca, o que não é descabido do figurino descrito um parágrafo acima. Não me refiro ao risco ao meio.



New Musik - Straight Lines
(TOTP, 1979)


(Este verbete foi redigido em 15/2/2009 e posto a hibernar.)



Escrito com Bic Laranja às 08:00
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Sexta-feira, 16 de Outubro de 2009
Antecipando a nova comissão liquidatária


Lalo Schifrin & BBC Bigband, Mission: Impossible


Entretanto a anterior concluiu a missão com cozido à portuguesa. Sintomático.



Escrito com Bic Laranja às 23:39
Verbete | Comentar | Comentários (2)

100 anos do Lyceu de Camões (progressos lexicais)

 Um lyceu do tempo da monarquia vertido requalificado (o que eu aprecio este palavreado da moda) em escola secundária por uma república de terceira...
 

Lyceu de Camões, Lisboa (A.C. Lima, c. 1909)
Lyceu de Camões, Lisboa, c. 1909.
Carlos Alberto Lima, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

(Título Revisto.)



Escrito com Bic Laranja às 12:35
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9

12
15
17

19
20
21
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Alpendre (O) (pub)
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Palaurossaurus Rex
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----