Segunda-feira, 30 de Novembro de 2009
Fraude histórica?

 Esta manhã ouvi uma notícia meia disparatada na telefonia: a Av. Frei Miguel Contreiras em Lisboa tinha que mudar de nome porque (segundo alguns investigadores) aquele frade nunca existiu. Investigadores falam em fraude histórica...
 Não me quero adensar muito na matéria historiográfica, mas o caso merece alguns comentários: 1) a tese que nega a existência de frei Miguel baseia-se na ausência de documentos coevos sobre ele; não sei se os há se não, mas mesmo não os havendo convém frisar que por si só a ausência de prova não é prova de ausência; 2) exagerar uma dúvida quanto ao maior ou menor relevo histórico do confessor da rainha D. Leonor como instituidor da Misericórdia de Lisboa, ao ponto de negar em absoluto que ele haja existido, é perfeitamente descabido; 3) rescrever a História tem pouca novidade, mas fazê-lo fundado em dúvidas a tal ponto de ditar tão disparatadamente o imperativo de apagar um topónimo é tão extraordinário que nem o sei qualificar; 4) por último a notícia do D.N. dá voz a uma historiadora que diz que o caso "é o testemunho da ignorância dos políticos sobre os conhecimentos que a investigação histórica produz"; como o topónimo foi dado em 1954 e os conhecimentos que a historiadora refere parecem recentes, deduzo que chamar ignorantes aos políticos agora tenha só em vista levá-los (aos de agora) a mudar rapidamente o topónimo, antes que a carapuça se lhes enfie; assim, a fazer figura de ignorante fica afinal só um jornalista papagaio que dá a autoria da obra O Carmo e a Trindade, não a Gustavo Matos Sequeira como é devido, mas a um tal Gustavo Matos Ferreira que - este sim - provavelmente nunca existiu.

Av. Frei Miguel Contreira, Lisboa (A.Passaporte, 195...)
Av. Frei Miguel Contreiras, Lisboa, 195...
António Passaporte, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 18:38
Verbete | Comentar | Comentários (7)

Domingo, 29 de Novembro de 2009
Literatura portátil

  Em todo o Algarve a mulher é a prenda da casa. Trá-la muito bem tratada, muito bem  fechada, restos da vida moura. A de Olhão, trigueira, de olhos negros e um lindo sorriso reservado passa pela mais bela da província, pela vivacidade e pela fartura do cabelo. Já em S. Brás de Alportel, ali perto, as cabeças têm reflexos doirados e os peitos são desenvolvidos. Sentadas mas esteiras sobre os calcanhares, nas casas forradas de junco ou de palma, fabricam as alcofas, a golpelha em que se transporta a alfarroba e o figo e as alcofinhas mais pequenas, chamadas alcoviteiras. Ainda há pouco tempo usavam cloques e bioco. O capote, muito amplo e atirado com elegância sobre a cabeça, tornava-as impenetráveis.

Raul BrandãoAlgarve, Alma Azul, Coimbra/Alcains, 2008, pp. 12, 13.
 


(Capa: Alma Azul com Amendoeira em flor de Vicente van Gogh)



Escrito com Bic Laranja às 21:30
Verbete | Comentar | Comentários (7)

Três vistas do Areeiro

Praça do Areeiro, Lisboa
Praça do Areeiro, LisboaPraça do Areeiro, Lisboa


Praça do Areeiro, Lisboa, 1958.
Fotografias: Armando Serôdio, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 07:55
Verbete | Comentar | Comentários (9)

Sábado, 28 de Novembro de 2009
Campo do Sporting Club de Portugal, 1939

 Há por aí agora um reclamo para ir à bola de transportes públicos. Dantes não lembraria a ninguém campanhas destas...
 Lembro-me de em cachopo ir à bola com o meu pai e irmos no Metro. Como os jogos a que o meu pai me levava eram por regra no estádio de Alvalade, fazia sentido apanharmos o Metro para, precisamente, Alvalade. Mas depois o estádio não estava no sítio certo. - Pois se o estádio era de Alvalade porque o haviam posto... no Campo Grande?!...
 Hoje é pior: chamam-lhe estádio quando na verdade não passa dum campo de futebol...

Campo do Sporting, Campo Grande (E. Portugal, 1939)

Campo do Sporting Club de Portugal, Campo Grande, 1939.
Eduardo Portugal, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 17:50
Verbete | Comentar | Comentários (16)

Quinta-feira, 26 de Novembro de 2009
Telefonema anulado

— Está lá?
— Está. Bom dia! Eu chamo-me Cláudia [não sei quê] da Euroexpansão e estou a ligar-lhe para uma sondagem...
— Quem lhe deu este número?
— Ninguém...
— Ninguém?!...
— Ninguém.
— Nesse caso a senhora não me telefonou. Este telefonema não existe.
— ... Sim senhor, desculpe. Com licença.



Escrito com Bic Laranja às 16:22
Verbete | Comentar | Comentários (19)

Terça-feira, 24 de Novembro de 2009
Quadros alentejanos

  — Duma vez apareceu aqui um figurão do Cercal que tinha fama de grande caçador. Trazia espingarda, mas dizia ele que era por causa dos maus encontros. A desculpa era ver se comprava uma porção de aveia, porque não a havia lá nos sítios, e a que recolhera não chegava para os gastos da casa. Eu sabia que ele vinha de propósito para me dar um bigode às perdizes, mas disfarcei como quem não quer a coisa, e perguntei-lhe se lá pelo Cercal havia muita caça. Vai ele diz que coelhos havia muitos, mas relativo a perdizes era uma cítula aparecer uma. Os caçadores do Cercal, para verem perdizes, têm que ir até perto de Sines ou Vila Nova de Mil Fontes... Na minha opinião é a caça mais bonita que há.
  «Disse-lhe que por aqui há muita perdiz, e que se ele quisesse iríamos dar uma volta, depois de almoço, por onde elas estão mais crençudas, não precisando andar muito para as vermos às dúzias.
  «Abalámos de casa, engolido o bocado, e quando chegámos àquele matinho ralo da lagoa da Ordem, muito farto de caça, eu disse ao sujeito: “— O chumbo fez-se para os pardais; às perdizes não se atira senão bala.”
  «O homem embezerrou, mas disse que sim, e tratou de meter balas na espingarda, uma rica espingarda de dois canos, que lhe tinha custado cinquenta e tantas libras em Lisboa.
  «Larguei-lhe então esta: “— Como o amigo é caçador afamado, fica justo que só atiramos à cabeça das perdizes.”
  «Ia-lhe dando uma coisa; mas das tripas fez coração e disse que sim, resmungando entre dentes: “— Veremos quantas derrubas.”
  «Por volta do sol-posto, quando demos a caçada por concluída, eu tinha dezoito perdizes na mochila, todas sem cabeça, e ele trazia um rico ánaco à cinta. Não quis jantar, o raio do homem, e abalou, note fechada, a caminho do Cercal, levando seis perdizes que eu lhe meti na mochila, sem ele dar por isso.

Brito Camacho, Quadros Alentejanos, 2ª ed., Bonecos Rebeldes, Lisboa, 2009, p. 27, 28.

 

B. Camacho, «Quadros Alentejanos», 2.ª ed., Bonecos Rebeldes, Lisboa, 2009
(Capa: Fernando Martins, in Aspirina B)



Escrito com Bic Laranja às 23:55
Verbete | Comentar | Comentários (14)

Rock da pesada

Muito aveludado, por sinal.
 


Whitesnake - Is This love
Londres, 2004



Escrito com Bic Laranja às 00:49
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Domingo, 22 de Novembro de 2009
Uma panorâmica de Lisboa

Panorâmica sobre as terras da Alameda e Areeiro, Penha de França (J.A.L. Bárcia, c 1900)
Panorâmica de Lisboa, 1890-1945.
José Artur Leitão Bárcia, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..


 O título vago que o arquivista deu a esta imagem é exactamente isso: vago. Com um pouco mais de poesia e partindo do âmbito cronológico conhecido (1890-1945) poderia titulá-la Hortas de Lisboa.
 — Bem! A Lisboa das hortas quadrava-se bem com a cronologia dada até 1910 ou, vá lá, 1920, não 1945...
 De todo o modo que vemos na fotografia?
 — Isso mesmo: hortas. Hortas, quintas, casario disperso, caminhos entre muros. E um panorama tirado do alto...
 Ponhamos por instantes a hipótese da Penha de França que é um monte alto (o Monte de S. Gens também é, bem sei, mas em 1890-1910 o panorama não era assim ermo). Ora o panorama tirado da Penha poderia dar logo abaixo o esparso casario de Arroios: a igreja e o hospital a um lado e, rodando o observador o seu olhar para nascente, mais algum casario veria trepando para o Alto do Pina (Rua Barão de Sabrosa); mais ao longe, continuando, veria o Alto de São João, e por aí até ao Tejo. Pelo meio disto mais não haveria senão... hortas, pois. E acompanhando o fio deste olhar à volta desde a Penha de França estaria logo abaixo a circunvalação de 1858, entre Arroios e o Alto de São João, ou seja: a Rua do Conselheiro Morais Soares, necessariamente entre muros nesse tempo da Lisboa das hortas. E assim sendo, a nesga do casarão que se vislumbra à esquerda na imagem vamos lá ver se não é o hospital de Arroios? — Ora bem! — Neste caso então, confirma-se que a estrada que rasga o panorama da esquerda à direita é a Rua Morais Soares no troço que parte hoje da Praça do Chile.
 O caminho que parte do fundo da imagem haverá pois de ser a antiga Travessa do Caracol da Penha (hoje Rua dos Heróis de Quionga) que liga a Rua Marques da Silva (antigo Caracol da Penha) à Morais Soares - umas casas que se vêem a encobri-la haviam de ser da Quinta do Saraiva. - E o caminho que serpenteia para Norte na margem direita da fotografia? - Só pode ser a Azinhaga do Areeiro (coincide grosso modo com as actuais ruas Carvalho Araújo e Abade Faria); perto do Arieiro entroncava esta azinhaga com a Estrada de Sacavém cujo casario disperso se espalha numa diagonal para o horizonte na imagem acima.
 Parece-me, pois, que é isto.
 Só mais uma nota: quem c.1900 subisse desde Arroios o troço reconhecido aqui da Morais Soares apanharia à sua mão esquerda a Horta da Cera cujo muro comprido — ao meio com portão — se vê nitidamente na imagem. Logo depois entrepunha-se-lhe o muro e as casas da Quinta da Brasileira estreitando a via; esta propriedade ocupava sensivelmente a área delimitada hoje pelas ruas Actor António Cardoso, José Ricardo e Edith Cavell, a N da Morais Soares. Quando finalmente chegasse por alturas da Calçada do Poço dos Mouros teria então, ainda à sua mão esquerda, o Retiro do Manuel dos Passarinhos que coincidia pouco mais ou menos com o actual Largo Mendonça e Costa. Neste pequeno percurso havia à direita a Quinta do Saraiva e, depois da Travessa do Caracol da Penha (Heróis de Quionga), a Quinta do Manuel Padeiro. Mas não sigamos mais...

Manuel dos Passarinhos, Lisboa (J.Benoliel, c. 1900)
Retiro do Manuel dos Passarinhos, Lisboa, c. 1900.
Joshua Benoliel, in Marina Tavares Dias, Lisboa Desaparecida, v. 1, Lisboa, Quimera, 1987.



Escrito com Bic Laranja às 16:09
Verbete | Comentar | Comentários (20)

Sábado, 21 de Novembro de 2009
Jorge Ferreira

 Nunca o conheci pessoalmente e tarde me dei conta de quem era o Jorge Ferreira. A tertúlia que são os blogos e o amor por Lisboa, porém, tornou-mo próximo. Foi com tristeza que soube hoje que partiu...

Cais das Colunas, Lisboa (H.C. de Barros,
Cais das Colunas, Lisboa, 1950-60.
Helena Corrêa de Barros, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 23:36
Verbete

Raul Alves Fernandes

Alameda, Lisboa (J. Benoliel, ant. 1957)


 Há dias quando publiquei algo sobre a embaixada da R.D.A., ao Alto do Pina, alguns comentários parecia que davam o mote para algo mais aqui sobre o lugar e sobre o benemérito Raul Alves Fernandes, que ali morara e dali fundara a sua obra de caridade.
 Da sua residência 'rodeada de vegetação alta', como a descreveu o benévolo leitor Attenti, encontrei uma imagem no Arquivo Fotográfico da C.M.L. (acima), tomada dum dos prédios de esquina da Alameda com a Rua Actor Vale. Quem conheça o lugar reconhecerá certamente a casa no fim do corpo de edifícios mais baixos que se estende para a direita da torre da igreja . Esta igreja, dos Santos Doze Apóstolos - obra sua, juntamente com o asilo "A Caridade" (1928) e o preventório de São José (1957?) -, dá a fachada para a Rua Barão de Sabrosa. É dessa rua a imagem abaixo, em que se vê só parte da casa.
R. Barão de Sabrosa, Lisboa (J.H. Goulart, 1967) 

 Sobre Raul Alves Fernandes (1888-1961) não se acha grande informação na rede. O Geneall.net, dá elementos sumários da família; aí se pode ver que o benemérito foi avô materno da cravista Cremilde Rosado Fernandes e do prof. Raul Miguel Rosado Fernandes, como de resto, aliás, o amigo Fernando C. nos já informara. A página da freguesia do Alto do Pina, porém, desconhece-o. A sua obra de caridade marcou a história do lugar - mereceria algumas linhas na página da Junta, talvez...
 Um seu feito como comandante da marinha mercante durante a Grande Guerra que pude ler num artigo gentilmente enviado pelo prezado Fernando C., merece aqui, creio, mais estas poucas linhas a seguir:
 Em 1917 o navio que comandava (o vapor Tungue - diz que dos melhores da nossa marinha) foi atingido por um torpedo alemão. Com coragem e sangue frio, Raul Alves Fernandes conseguiu salvar todos os que tinha a bordo e salvar-se a si mai-los valiosos haveres que lhe haviam sido confiados. O feito mereceu-lhe honras da marinha francesa, inglesa, italiana e japonesa, que escoltavam o Tungue. De temperamento despojado, as altas condecorações que recebeu nunca as usou.
 Ficou sepultado no talhão dos Comabatentes [Combatentes] da Grande Guerra no Alto de S. João.
 


Fotografias: Judah Benoliel (ant. 1957) e João H. Goulart (1967), in Arquivo Fotográfico da C.M.L..
(Revisto às 10h15 da noite.)



Escrito com Bic Laranja às 07:30
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Quinta-feira, 19 de Novembro de 2009
Trabalhos agrícolas

 Andam uns quantos europeus por aí em bolandas para achar um presidente para a Europa. Falou-se no Tony Blair, mas não. Parece que é inglês...
 Fala-se agora aí dum belga - soa melhor. A Bélgica é um óptimo não-país. Dará um convincente presidente da coisa.
 E no meio disto pergunto: que fica lá o Barroso a fazer?
 

Trabalhos agrícolas, Europa (H. Novais, s.d.)
Trabalhos agrícolas, Portugal, [s.d.].
Fotografia: Estúdio de Mário de Novaes (1933-1983), in
Biblioteca de Arte da F.C.G..



Escrito com Bic Laranja às 19:14
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Quarta-feira, 18 de Novembro de 2009
Mudança de óleo


Posto de Gasolina, Lisboa, [s.d.].
Fotografia: Estúdio de Mário de Novaes (1933-1983), in
Biblioteca de Arte da F.C.G..



Escrito com Bic Laranja às 23:55
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Terça-feira, 10 de Novembro de 2009
Da nulidade do que se sabe

 Há uma história que o professor Veríssimo Serrão gostava de contar.
 O Alexandre Herculano, enquanto andou metido na política, tinha naturalmente apoiantes dedicados e detractores acérrimos. Certa vez estavam dois desses num café do Rossio batendo-se de argumentos - um a favor, outro contra - quando o que defendia o Herculano, à míngua já de melhor defesa, se sai com esta: - Dizes mal do Herculano? Pois tomaras tu saber o que o Herculano sabe.
 Nisto levanta-se o Herculano, que ouvira doutra mesa a conversa sem ser notado e diz aos dois antes de sair: - Tomáramos todos nós saber o que o Herculano não sabe.
 

Abertura do ano judicial, 2006 (M.N.E.)
Abertura do Ano Judicial,  S.T.J., 2006.
(Portal do Governo)



Escrito com Bic Laranja às 22:20
Verbete | Comentar | Comentários (12)

Segunda-feira, 9 de Novembro de 2009
O muro da vergonha

 Enquanto alguns se ufanam do seu umbigo ser a razão da queda do muro de Berlim, eu exalto aqui Lisboa que, para lá de ser nome de Tratado europeu, também exibiu ela em tempos um muro da vergonha.
 Quando depois de 74 a Alemanha Democrática abriu uma embaixada em Portugal, foi num prédio novo de nove ou dez andares que fizeram no Alto do Pina. Tinha uma frente para a Rua Barão de Sabrosa e outra para a Alameda de Dom Afonso Henriques (uma rica vista). E tinha um muro a toda a volta, com gradeamento alto por cima, que só deixava metro, metro e vinte de passeio para se circular na rua. O povo das redondezas chamou-lhe logo o muro da vergonha. E com razão.
 Também este muro veio a ser demolido nos anos oitenta.
 

Embaixada da Alemanha Democrática, Alto do Pina (Vasques, s.d.)
Embaixada da R.D.A., Alto do Pina, [s.d.].
Vasques, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 21:30
Verbete | Comentar | Comentários (15)

O dominó da democracia deu doble branco

 Há gente que não perdia nada por estar calada. Mas vão lá eles entendê-lo, encandeados que estão pela própria luz, que ofusca até os holofotes.
  - As revoluções democráticas precursoras do movimento que levou à queda do muro foram as revoluções ibéricas... - é a leitura histórica do primeiro ministro Sócrates.
 Haja quem saiba ler...
 



Escrito com Bic Laranja às 20:08
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Domingo, 8 de Novembro de 2009
Variedades: Robert Palmer


Robert Palmer - She Makes My Day
(Heavy Nova, 1988)



Escrito com Bic Laranja às 20:32
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Sexta-feira, 6 de Novembro de 2009
€ 10.000,00

Dez mil euros é muito, é pouco...?
Depende.
Tenho para mim que se ajuíza melhor perguntando ao mercado. Pois assim sendo, se o que há para vender só se vende por € 10.000,00 parecendo que valeria mais, então é porque há excesso de oferta. Isto é o que diz o mercado.

Regimento dos preços por onde os boticários ham de vender suas medicinas...

(Da biblioteca do convento de Mafra.)



Escrito com Bic Laranja às 07:30
Verbete | Comentar | Comentários (9)

Quarta-feira, 4 de Novembro de 2009
Gireco

image001.jpg

E doutrinar em massa por correio electrónico, quanta energia gasta?
E respirar?



Escrito com Bic Laranja às 12:41
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Terça-feira, 3 de Novembro de 2009
A Boémia assinou o Tratado de Lisboa


Grande sarcófago de mármore...
( Água-forte, 420 x 560mm )
Piranesi, Le Antichità Romane, II,
34.



Escrito com Bic Laranja às 23:58
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Segunda-feira, 2 de Novembro de 2009
O processo nº 1792/EDI/2005

Campo-Grande 180 (fotografia: Cidadania Lx)

O tempo arrefeceu hoje muito mas naquelas casas no 180 do Campo Grande janelas havia há pedaço bem escancaradas. Ainda há pouco tempo li que ia decidir-se na Câmara Municipal sobre uma proposta qualquer para este prédio. Não sei o que se decidiu mas dá a impressão que não agradou aos trambiqueiros que o querem demolir.



Escrito com Bic Laranja às 18:12
Verbete | Comentar | Comentários (7)

Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9

12
15
17

19
20
21
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Alpendre (O) (pub)
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Palaurossaurus Rex
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----