Sábado, 31 de Julho de 2010

Dos caipiras

 Dizia-me há tempo uma mocinha de liceu:
 - Tenho uma colega brasileira que diz que agora, com o Acordo Ortográfico, aquelas palavras brasileiras vão tornar a ser portuguesas.
 - Errado, menina - respondi-lhe. - O Português é que se vai tornar brasileiro.

Urtigão (HQ Maniacs)
(Imagem em HQ Maniacs.)

Escrito com Bic Laranja às 22:44
Verbete | comentar | comentários (4)

De certos privilegiados

 Há gente que tem o privilégio de escrever em jornais de grande tiragem e parece intocável. Por muito pouco sagaz que demonstre ser.
 Um certo Raposo investe desembestado contra a A.D.S.E. ("Os privilegiados da A.D.S.E.", Expresso.pt, 23/7/2010) e o primeiro mal que lhe acha é que vem do tempo do dr. Salazar. — Bom! O Portugalinho metropolitano de Abril vem inteirinho do tempo do Estado Novo… — Mas não se ponha ele em tantos cuidados que isso tira-lhe a saúde… Descanse. Portugal está pouco menos que extinto, não há pesada herança do fachismo que muito mais reste.
 Quanto aos privilegiados que lhe motivam a codícia nos dois restantes e confusos parágrafos do pobre texto, visse ele o número deles antes e depois de 74 num quadrinho facilmente achado na Internete, e intuísse ao menos o tempo e o modo em que a «aristocracia sindical» — como muito bem diz — se constituiu, talvez então investisse mais certeiro ao forcado que às tábuas.


Portugal. Efectivos da função pública (Pordata, 31/07/2010)

Fonte de Dados: D.G.A.E.P./M.F.A.P. Inquérito aos Recursos Humanos da Função Pública (1979; 1983; 1986); 1º e 2º Recenseamentos Gerais da Função Pública (1996 e 1999).
Fonte: PORDATA (última actualização: 2/3/2010). 


 Este sr. Raposo parece-me um bom produto colhido de raiz no terrunho português revolvido em 74: é vago, não sabe estudar, não faz o mínimo de trabalhos de casa, chegou tarde aos exames e provavelmente também não vai a tempo de chumbar. E instrui-se muito de ouvido pelos foles da propaganda vigente. Eu estaria como ele se não trabalhasse por aprender melhor. Serei privilegiado se o conseguir.

Escrito com Bic Laranja às 10:29
Verbete | comentar | comentários (4)
Quinta-feira, 29 de Julho de 2010

Ainda Campolide, 1980

Quando comecei a ter o passo social era assim.


In Wood's Library.

Escrito com Bic Laranja às 19:03
Verbete | comentar | comentários (4)

Campolide, 1980

Campolide Lisboa (Wood's Library, 1980)
Campolide, Lisboa, 1980.
Título original:Ancient transportin Wood's Library.

Escrito com Bic Laranja às 00:04
Verbete | comentar
Terça-feira, 27 de Julho de 2010

Pólo de animação ambiental

 O ex-ministro do ambiente do consulado de Guterres convocou hoje uma conferência de imprensa para dizer solenemente à nação qualquer coisa com que se animou...

Pólo de animação ambiental, Alcochete, 2008
Pólo de animação ambiental, Alcochete, 2008.

Escrito com Bic Laranja às 21:04
Verbete | comentar | comentários (6)
Segunda-feira, 26 de Julho de 2010

Jackpot 81

 Na Frineve do Areeiro custava 425$00. Fui desencantá-lo por 395$00 já não sei onde. Tinha eu um gira-discos com uma agulha que parecia um prego. Risquei-o na faixa da Bette Davis Eyes logo na primeira ou segunda vez que  o pus. As gémeas pediram-mo emprestado. Tiveram-no uma semana e quando mo devolveram os riscos tinham desaparecido. A capa parecia mais nova e tinha uma etiquetazinha da Frineve na contra-capa com o preço escrito a caneta: 425$00. Não sei o que se terá passado. Não sei se o riscaram elas mais ou se cuidaram ter sido elas a fazer os riscos que já tinha. Compraram-me um disco novo.

Jackpot 81

Jackpot. Os Superêxitos 81, Valentim de Carvalho.
(In miau.pt)

Escrito com Bic Laranja às 23:05
Verbete | comentar | comentários (4)

Junho de 81

 No começo [ou meados] de Junho de 81 - estaríamos para acabar as aulas - lembro-me que houve uma sucessão de dias acima dos 40º. Num ou dois parece-me que chegou aos 43º. Desde essa altura que me não lembrava de o chuveiro me deitar água quente pela torneira da água fria. Hoje isso sucedeu-me.
 Associado a esses dias do começo de Junho de 81 vem-me sempre à memória também aquela cantiga do Chico Anísio (*). Ouvia-a amiúde nos discos pedidos enquanto procurava alguma aragem fresca pela tardinha, à janela (e ao mesmo tempo que ia também catrapiscando as gémeas lá na janela delas).

 


Kim Carnes, Bette Davis Eyes
(1981)

(*) She'll unease you, no 2º verso da 2ª estrofe da cantiga.

Texto revisto à 8h09 da tarde.

Escrito com Bic Laranja às 19:43
Verbete | comentar | comentários (10)
Domingo, 25 de Julho de 2010

Os domingos das corridas

 Não vou tão atrás quanto o Stewart e o Cévert ainda andarem nas corridas da Fórmula 1, mas recorda-me daqueles domingos domésticos que a Luísa conta. Recorda-me até de (é daqueles episódios de nada que por qualquer razão se nos gravam na memória e nunca mais esquecemos) certa vez, depois dum desses domingos de corridas certamente, no recreio do 1º ou 2º ano do ciclo andar eu sozinho a cogitar com os meus botões pouco mais duma dúzia de nomes de pilotos que o eco do locutor Adriano Cerqueira me deixara no ouvido: Niki Lauda, Mário Andretti, Ronnie Peterson, Carlos Reutemann, Clay Regazonni, Gilles Villeneuve, Patrick Depailler, Vittorio Brambilla, Jacques Laffite, Jody Sheckter, Jochen Mass, John Watson e, claro, o Fittipaldi. - A um brasileiro ouvi certa vez dizer que o Fittipaldi, desde que trocara a McLaren pelo Copersucar, cortava a meta sempre depois do último.
 Mas aficionado certo, seguindo fielmente os treinos e as corridas, foi só no Verão de 81, o melhor campeonato que me lembra.
 Meia dúzia de anos depois a Fórmula 1 perdeu todo o interesse, quando as corridas passaram a ser um contra-
-relógio de mecânicos mudando pneus nas boxes e o primeiro era sempre o invariável Schumacher.
 E já agora a propósito de locutores, creio que foi por essa altura que a R.T.P. lançou na Fórmula 1 aquele que é hoje  apresentador do TV Turbo. Na primeira vez que o mandaram às corridas saiu-se tão bem que o jornal Auto-Sport publicou uma caricatura com o Alain Prost e o McLaren nº 1 num poster na parede, em que se via perguntar a um candidato a locutor:
 - Conhece este piloto? - e apontavam o Prost.
 - Não... 
 - Conhece este carro? - e apontavam o McLaren.
 - Também não.
 - Muito bem! Está contratado para locutor da Fórmula 1.
 E claro que Monte Carlo é sempre fascinante.

 


Grande Prémio do Mónaco, 1972

Escrito com Bic Laranja às 20:57
Verbete | comentar | comentários (6)

«Iniciativa Novas Oportunidades»

Na escola (E. Soper)

 Por € 3,50 compra-se no Pingo Doce um livrinho que diz o óbvio. Pode parecer que não mas faz muita falta dizer o óbvio (embora canse a quantidade de vezes que vai de repeti-lo), dada a quantidade de mentecaptos incapazes de perceber que a neve é branca e que se não torna cor-de-rosa por decreto...

 Valorizando certamente um dado perfil, surgiu o «Curso de Jogador(a) de Futebol», com equivalência ao 9º ano, promovido pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional/Centro de Emprego e Formação Porfissional da Guarda, e iniciado em 2007. De acordo com o folheto, este curso destina-se a jovens entre os 15 e os 25 anos, com 6.º ou 7.º anos de escolaridade, e uma das actividades principais privilegia o saber «Utilizar a imagem pública na construção da carreira e do êxito pessoal, na divulgação da equipa e do clube que representa», alimentando a ilusão de um dia igualarem um dos muitos milionários do futebol, nacionais ou estrangeiros. Nada do que é exposto tem como objectivo a diminuição iliteracia ou o investimento na formação cultural dos candidatos, parecendo tudo resumir-se a «encontros de futebol, execução de exercícios físicos e tácticos, ou treinos de conjunto». Como é possível atribuir a este curso a equivalência ao 9.º ano, se, na realidade não se equivalem?

A resposta, desgraçadamente, é ainda mais óbvia:

 Vivemos, sem dúvida, em matéria de Educação e Instrução, no reino do Absurdo, deixando-nos manipular e seduzir por facilidades e contínuas ilusões que nos despojam das nossas próprias capacidades. Assistimos a um discurso do simulacro, que atinge a nossa dignidade humana, consentindo-o irresponsavelmente.


Maria do Carmo Vieira, O Ensino do Português, Fundação Francisco Manuel dos Santos/Relógio d'Água, 2010, p. 97.
(Gravura: Na Escola, Eileen Soper, 1922.)

Escrito com Bic Laranja às 15:37
Verbete | comentar | comentários (6)
Sábado, 24 de Julho de 2010

Dos triunfos libertadores da pátria

Kssse! Pedro! Kssse Kssse! Miguel! (Daumier, 1833)

« Durante a noite tudo esteve sossegado em Lisboa; na verdade nem todos sabiam que os ministros e a tropa tinham evacuado a capital. Fizeram contudo apenar durante a noite carros de toda a qualidade para lhes conduzirem as bagagense as famílias [...]
   Os ministros de D. Miguel haviam forçosamente de saber pelo telégrafo que eu me achava próximo, e eles também sabiam que quase sempre reina no Tejo um vento fresco durante o dia; atrevo-me a dizer que eles tinham uma inquieta suspeita de que eu forçaria o rio, o que sem dúvida tinha efeito nos seus temores, porém isto nada diminui os louros do duque [da Terceira]. Se o governador de Almada tivesse permanecido firme no seu posto, e os ministros nos seus, é mais que provável que o duque ficaria perdido. Molelos estava próximo; podia ter sido reforçado de Lisboa. S. Julião, o Bugio, e as numerosas baterias no Tejo estavam em boa ordem, e bem guarnecidas; o duque teria sido rodeado de inimigos, e por causa do pouco vento, eu não teria penetrado no Tejo antes do dia 27. Se ele se sustentasse, e eu conseguisse aproximar-me da cidade, o que deveria ser acompanhado de grande perda, poderia então atravessar as suas tropas para Lisboa, e provavelmente o inimigo seria aniquilado; porém, se eu falhasse na empresa, não havia retirada, e ver-me-ia obrigado a deitar fogo à esquadra, e reunir-me ao duque com os marinheiros, e soldados da marinha, e então só Deus sabe como terminaria a guerra. Contudo, do modo que aconteceu foi muito melhor; e no seguimento da obra mostrarei que os ministros de D. Pedro eram tão capazes de dormir a sesta como os de D. Miguel; e que se isso dependesse deles ter-se-ia perdido Lisboa com a mesma facilidade com que se ganhou.
   O duque do Cadaval achava-se ainda nas vizinhanças da cidade, e eu tinha consideráveis receios de que, tendo-
-se certificado da pequenez da nossa força, ele voltasse atrás, e convertesse a nossa alegria em dor e em luto. Em ponto de facto, se ele tivesse mostrado o mais pequeno grau de decisão, teria chamado a divisão de Molelos, e, ou nos teria repelido de Lisboa, ou nos bloquearia no Castelo de S. Jorge, em menos de quarenta e oito horas; pois, ainda que havia grande entusiasmo entre o povo, este não tinha a mais distante ideia de ser atacado. E em lugar de as autoridades mandarem imediatamente obstruir e entrincheirar as ruas, e fazer cortaduras em todas as direcções, não se cuidou em nada mais que comer, e beber, e regozijar-se.»

Charles Napier, A Guerra de Sucessão entre D. Pedro e D. Miguel, Caleidoscópio/Centro de História da Universidade de Lisboa, 2005, pp. 120-122.


Moral da história: 24 de Julho, de sempre, é mais copos que outra coisa. 

Escrito com Bic Laranja às 11:46
Verbete | comentar | comentários (2)
Sexta-feira, 23 de Julho de 2010

Acertando o tiro a uma chapa da Alameda

Ficha B091688, (A.F.C.M.L.)
 Há exactamente cinco anos publiquei um verbete "sem prédios" - uma ironiazinha sobre modos de edificar uma cidade, a propósito do assunto que devia ser candente na altura, a construção do novo aeroporto de Lisboa. - Pois bem, o que quero dizer não é sobre isso; é sobre a fotografia com que o ilustrei, cuja legenda tresladei do Arquivo Fotográfico da C.M.L. e cuja autoria é atribuída a Armando Serôdio com data de 1966. O autor até pode estar bem, caso tenha trabalhado no estúdio de Horácio de Novais na primeira metade dos anos 50, mas o ano está errado.
 Dei-me conta que publiquei a mesma chapa em Maio passado numa prosápia balofa sobre os primórdios da Alameda, desta vez colhendo a imagem doutra fonte (Biblioteca de Arte da F.C.G.) com muito melhor qualidade. O que mostra deixa circunstanciar a data da fotografia pela primeira metade dos anos 50 (cf. Dois prédios na Alameda). E obriga-me a 'corrigir o tiro' no verbete de há cinco anos.

(Ficha do catálogo do A.F.C.M.L.)

Escrito com Bic Laranja às 12:25
Verbete | comentar | comentários (2)

Esta vida de turista!...

  Em 2002 rumámos à terra do Chanquete, em férias. O pacote incluía uma semana de alojamento a meio quilómetro da praia; refeições e estender as toalhas no cascalho era por nossa conta. Ora deslocações de 500 metros de ida e volta a pé para a praia, de manhã e de tarde, mais estender as toalhas, haveis de imaginar, são uma grande canseira!... Por isso não admira que de súbito começasse a ouvir à senhora:
 - Esta vida de turista!...
 Um suspiro que se tornou puma piada nossa e muito calhado para título dalgumas crónicas de praia que às vezes escrevo. Estas são de...

Sábado, 3 de Julho de 2010

Ainda antes de pegar nas toalhas

 Manhã de sábado. Os noticiários só dão secutes (auto-estradas s/ cuts para o utilizador). A 'investigadora' Felisbela comenta na TV o assunto. Ouço-lhe no meio da conversa que "muita a gente usa as secutes: para ir trabalhar, ou indo de férias, e mesmo quem está no desemprego..." (?!)
Tintol (in Blogo do Ligeirinho) Vou a pé para a praia.

Saco de plástico

  Acabei com isso. Põem-lhe letras a menos e ainda assim pesa mais que um garrafão de cinco litros.

A banhos

 Devo ter tomado o banho de mar mais longo numa data de anos. Água ainda melhor que no sábado passado. Céu limpo. Visibilidade do cabo de Santa Maria à ponta do Castelo. Há muita gente na praia mas não identifico caras daquelas que sempre reconhecemos de ano para ano. Devem achar-se perdidas na multidão. Ou metidas em baixo, à conquilha.

À conquilha, Algarve - (c) 2009
À conquilha, Algarve - (c) 2009

 Esquecia-me de dizer: não há vento.

Meio-dia e meia

 Está calor e deixamos a praia. Uma mulher à minha frente tem o nome tatuado nas costas, logo abaixo do pescoço. Chama-se Manuel.


Escrito com Bic Laranja às 00:01
Verbete | comentar | comentários (4)
Quarta-feira, 21 de Julho de 2010

Do sexo dos anjos

 Do fundo duma televisão ali ligada ecoou há pedaço o sr. ministro da presidência dizendo (por outras palavras) a bizantinice que é querer agora rever a Constituição.
 É pois! Tal como o foi a vil revisão semântica do instituto do casamento.
 Mas sobre Constituições vale mais o que disse o prof. Hermano Saraiva: a melhor Constituição não torna bom um mau governante, nem uma má Constituição impede um bom governante de governar bem.

A Choldra. Semanário republicano...
A Choldra. Semanário republicano..., nº 10, 3/4/1926.
In Hemeroteca Digital.

Escrito com Bic Laranja às 22:30
Verbete | comentar

Um daqueles reclamos trajando de notícia séria

 Li no Sol (2 de Julho) um descarado anúncio requentado: "Edifícios do século XIX reconstruídos em Belém" (Casa.Sapo.pt, 22/6/2010).
 Estiveram estas casas ao abandono e à beira da derrocada. O IPPAR, ronceiro, fazia que classificava desde 1991. Queriam os donos lá um hotel - dito de charme, com charmoso incremento na volumetria. O plano director não deixava. A Câmara coagia a obras... E então arderam estas casas espontaneamente (O Carmo e a Trindade, 4/12/2006).
 Edifícios do século XIX reconstruídos em Belém. - Dito assim nem parece venda de andares.

Casa onde morou Almeida Garrett em 1852, Pedrouços (E. Portugal, 1940)
Casa onde morou Almeida Garrett em 1852, Pedrouços, 1940.
Eduardo Portugal, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

Escrito com Bic Laranja às 00:01
Verbete | comentar | comentários (6)
Terça-feira, 20 de Julho de 2010

Dois chatarrões de primeira apanha

O Alegre e o Coelho não vão de férias?

 

Algarve (c) 2010
Algarve. (c) 2010

Escrito com Bic Laranja às 22:09
Verbete | comentar | comentários (10)

Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

arquivo

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS

____