Domingo, 31 de Outubro de 2010
Orthographia da Lingua Portugueza

 

 

 Há por aí uma ideia feita que o 'p' de óptimo e o 'c' de director são consoantes mudas. Pois mudas não são. Se alguém há que as não ouça, deve ser surdo.



Escrito com Bic Laranja às 23:08
Verbete | Comentar

Auto da fé

 Os da S.I.C., na certa para encher o vazio que lhes ocupa as 'cachas' cranianas, abriram há pedaço um enlatado sobre abóboras e chapelinhos de bruxa.
 Enfim! Parece que tenho que aturar cada vez mais este folclore de segunda porque aqui a parvónia, de há um tempo para cá anda só povoada de imbecis que esqueceram completamente de que terra são.
 É nisto que vamos: uma arca pré-fabricada cheia de animalejos deslumbrados com brindes de cereais e descontos nos hamburgos. Depois duma geração rasca e do dilúvio que se lhe seguiu, bem podem ir fazendo todos os 'pugreides' que isto como vai já não leva melhora. Nesta apagada e vil tristeza nacional nem seria mau recuperar um velhinho auto da fé, daqueles em que se queimavam espantalhos feitos de palha: o mais que não fosse, para judiar com este bullying sistémico parido dessas cabeçorras de abóbora que por aí vegetam enfeitadas com chapéu de bruxa.

Representação de um Auto da Fé [Visual gráfico. - [Lisboa : Typ. Maigrense, 1822].



Escrito com Bic Laranja às 18:17
Verbete | Comentar | Comentários (3)

Ruas de Lisboa

Gomes-de-Brito,-Ruas-de-Lis.jpg

Água forte: Martins Barata, Rua de S. Miguel (Alfama).

 É curioso que apesar da capa, nesta obra póstuma de Gomes de Brito não existe verbete próprio da dita Rua de São Miguel, embora lhe haja referências esporádicas ao longo dos três volumes. Uma delas a propósito do Beco do Mexias:  — « Não duvido que assim esteja nos dísticos, mas devem emendar-se, tirando-se-lhe o s final; Mexia é apelido de família antiga e desta forma se encontra no Itinerário lisbonense, de 1818: [o beco é] o primeiro à esquerda na rua de S. Miguel de Alfama, vindo do nascente e termina no chafariz de Dentro.» — Mexia e não Mexias, portanto, porque é nome de família antiga...

 Ainda por isto de mexias e da coisa de mexer [cá nos bolsos] e da sua muita antiguidade, logo na introdução (vol. I, pp. VII e VIII) da obra, António Baião dá-nos a descrição dum códice do arquivo da Câmara muito estudado por Gomes de Brito para dar corpo às Ruas de Lisboa:

« Em 1563, reunidas as côrtes n'esta cidade, prometteram os povos a el-rei, para satisfação de suas dividas, a quantia de cem mil cruzados (40:000$000 reis).
  Tratou a corôa de promover o desempenho da promessa, expedindo ás camaras do reino o alvará do lançamento, acompanhado do regimento para cobrança e mais diplomas inherentes a este serviço.
  Em Lisboa, os vereadores e procuradores da cidade e dos misteres d'ella, reunidos em sessão, elegeram os lançadores, nomearam os sacadores, attribuiram ao thesoureiro da cidade, André Luiz o encargo de arrecadar o cobrado, e commetteram, emfim, a Bastião de Lucena, futuro «procurador da cidade», em companhia do seu collega Alvaro de Moraes, que tambem estava a servir pela primeira vez, o trabalho de arrolamento, ou, como hoje [1897] diriamos, do recenseamento dos contribuintes [posteriormente, creio, muitos dirão sabiamente elencagem].
  Fez-se este arrolamento conforme o alvará mandava.
  Completo, bem encadernado e bem conservado, atravessou os seculos e suas vicissitudes, guardado no Archivo da Camara [...]»
 

Mais adiante (vol. II, p. 67):

« Nesta derrama não figura senão o povo. O clero e a nobresa tiveram processo áparte. Do povo, só não contribuia quem tinha praça de bombardeiro, quem tinha emprego na casa de Sua Alteza, quem era familiar do Santo Officio.
  Nos officios, os unicos mechanicos privilegiados eram os moedeiros. Privilegio do Estado, que aproveitava a funccionarios seus.»

 Um códice com toda a actualidade. É uma pena que não contenha uma certa notável fotografia dos velhos e novos Andrés Luizes, Bastiões Lucenas, e Álvaros de Moraes...

 


Ref.ª: J.J. Gomes de Brito, António Baião (pref.), Ruas de Lisboa: Notas para a história das vias públicas lisbonenses (3 vols.), Sá da Costa, Lisboa, 1935.



Escrito com Bic Laranja às 13:00
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Sexta-feira, 29 de Outubro de 2010
O esteiro do Tejo

Esteiro do Tejo em 1147 (Castilho,

« Se o taboleiro do Rossio era alagadiço ou não, que o demonstre a inesperada chuva que em Lisboa caiu desde 8 de Outubro a 31 de Dezembro de 1755 [i.e. 1575]. “Da cópia das águas — diz Barbosa Machado — se formou um lago, que cercava a praça do Rossio e a rua Nova”; e enfim que o demonstrem certas demonstrações da autoridade; por exemplo: a ordem de el-Rei D. Manuel I para se esgotar [encanar para esgoto] uma vez a água da dita praça.
  Aí mesmo havia havia um cano de vasão junto aos Estáus (depois sede da Inquisição, depois paço da Câmara, depois Tesouro público, Teatro de D. Maria II [...]), até à Caldeiraria na freguesia de S. Nicolau, o qual cano mandou el-Rei D. Manuel tapar (talvez por já inútil) e que a Câmara aforou, para o cobrirem e fazerem casas sôbre ele.
  Além do Rossio passavam as águas do esteiro no sítio onde veio a fundar-se o Convento de S. Domingos [...] Aí mesmo cortavam [cruzava] as águas a antiga Corredoura chamada no século XIV Carreira dos Cavalos, depois rua das Portas de Santo Antão [...] 
  As águas torciam-se aí numa volta, ao sopé duma espécie de promontório que forma o monte de Sant' Ana, e alastravam-se para o nascente, por aquela região plaina que no século XVI se chamava os canos de S. Vicente, por causa da proximidade da porta de S. Vicente [antigo Arco do Marquês do Alegrete, diante da ermida da Senhora da Saúde, hoje no largo do Martim Moniz]. Esses tais canos, segundo se depreende das narrativas que Frei Luiz de Sousa nos deixou das medonhas inundações de S. Domingos, eram valas de escoante abertas para as águas confluentes das encostas visinhas [...] Além disto, em vários pontos da cêrca do Hospital de Todos-os-Santos (área hoje ocupada pela praça da Figueira) vejo no meu plano sinais de charcos, que bem revelam a natureza da formação daquele terreno.
  Por causa dessas tendências para o charco, motivadas pelas águas das encostas visinhas, que por vezes eram torrentes, serviam para muito os sabidos canos da Moiraria; e observo que depois do terramoto de 1755, logo em 27 de Novembro, o alto espírito do homem que se chamou Pombal ordena ao Senado da Câmara de Lisboa, em decreto especialíssimo que, “pela indispensável necessidade... de se desentulharem os aquedutos da rua do Canos... antes que as grossas inundações das águas que por êles se evacuam, sendo estagnadas, se corrompam com irreparáveis prejuízos”, se proceda prontamente ao desentulho.

Júlio de Castilho, Lisboa Antiga; Bairros Orientais, 2ª ed., vol. I, Lisboa, C.M.L., 1939, p. 275 e ss..



Escrito com Bic Laranja às 22:30
Verbete | Comentar | Comentários (5)

Alerta!

É Outono e está a chover.

 

DSC10854.jpg
Lisboa - (c) 2009



Escrito com Bic Laranja às 09:45
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Quinta-feira, 28 de Outubro de 2010
Edição de postais: Mértola

Mértola - © 2010



Escrito com Bic Laranja às 13:35
Verbete | Comentar | Comentários (7)

Quarta-feira, 27 de Outubro de 2010
Campanha

 O sr. Jacinto Apóstolo propôs e está em votação no Orçamento Participativo da C.M.L. uma obra de recuperação do Casal Vistoso, ao Areeiro. Orgulho-me que um modesto escrito meu aqui possa ter valido dalguma coisa a uma ideia muito mais valiosa: transformar num aprazível jardim, com parque infantil e de merendas, um grosso matagal e umas lastimáveis ruínas donde já quase se não tiram sequer memórias.
 O projecto é o 813 e pode votar-se até ao próximo dia 31 de Outubro.

Quinta das Ameias ou do Casal Vistoso, Areeiro, c. 1990
Quinta das Ameias ou do Casal Vistoso, Areeiro, c. 1990.



Escrito com Bic Laranja às 07:45
Verbete | Comentar | Comentários (5)

Terça-feira, 26 de Outubro de 2010
Estribilho...

Janela, Cais do Sodré, 1989
Cais do Sodré - (c) 1989

Haverá ainda no mercado oportunidades sem janela?



Escrito com Bic Laranja às 13:25
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Segunda-feira, 25 de Outubro de 2010
Jornal de [poucas] letras

Jornal de [poucas] letras, 21/10/2010

Adenda: 
 
O Jornal de [poucas] Letras não põe 'c' em 'recto'. Faz bem, mas não é assim que se livra de brasileiradas...
 No artigo retratado diz que o romance Sargento Getúlio, de Ubaldo Ribeiro, foi publicado no Brasil nos anos 60; foi publicado na América em 78; e ao depois foi traduzido para um ror de línguas. E agora rejubila: «O leitor português ganha agora, finalmente, numa louvável iniciativa [...] a sua primeira edição.» - Pois é! Faltava ser traduzido para português. Afinal no Jornal de [poucas] Letras sempre sabem que o que se escreve no Brasil não é bem português.
 (Em 27/X/2010, à meia-noite e meia.)



Escrito com Bic Laranja às 23:11
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Figuras d' hontem e d' hoje...

Cláudia Muzo, Nova Iorque (Bain News Service, 1922)
Cláudia Muzo e o cãozinho, Nova Iorque, 1922.
Bain News Service, in Shorpy.



Escrito com Bic Laranja às 16:20
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Programa da noite

Mrs. Harry S. New, 1924 (Shorpy)
(Imagem: Shorpy.)




Escrito com Bic Laranja às 00:05
Verbete | Comentar

Sábado, 23 de Outubro de 2010
Cartão postal em 1 x 1

Lua cheia - (c) 2010



Escrito com Bic Laranja às 01:36
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Sexta-feira, 22 de Outubro de 2010
Genesis ao vivo

Os telediscos dos Genesis tem tendência para se apagar. Vamos se este dura...

 


Genesis, Follow You Follow Me
(Roma, 2007)



Escrito com Bic Laranja às 23:55
Verbete | Comentar

Quinta-feira, 21 de Outubro de 2010
Português (*)

Português (= 10 cruzados), reinados de D. Manuel I e D. João III (Forum dos numismatas)

 Aquela sr.ª dr.ª Manuela Leite - que se não foi ministra das Finanças quando o €uro entrou, andou perto - ecoou anteontem de Badajoz de molde [i.e., de modo] a ter algumas dúvidas sobre a nossa independência econó-
mica
 [os Estados ou são independentes, de todo, ou não são, mas enfim...].
 Pois anteontem também, na demasia de € 5,00 que dei para pagar não sei o quê, recebi € 1,00 com cunho da República Francesa, outro com cunho da italiana e mais duas moedas com efígie do rei dos espanhóis.
 Aquela dr.ª Manuela Leite não calha muito lidar com trocos. Se não, talvez do molde dos cunhos [aqui aplica-se molde] tivesse já ela deduzido a verdadeira natureza da asfixia que em tempos por aí apregoou. E com isto assim trocado por miúdos podia ser que pudesse intuir alguns porquês do T.G.V. também. Antes que lhe falte o ar...

 


(*) « Português foi o nome dado por D. Manuel I, às grandes moedas de ouro, do valor de 10 Cruzados [=4$000 rs.], que mandou lavrar para que Vasco da Gama levasse na sua armada para mostrar ao Mundo a moeda do rei de Portugal, e ainda há as que foram cunhadas com ouro vindo da India, não só no reinado de D. Manuel I, mas também no de D. João III. Tal era a sua magificência e prestigio que era imitada por vários locais da Europa, dando origem aos Portugaloser.»
In Forum dos Numismatas, Moeda #9.



Escrito com Bic Laranja às 22:57
Verbete | Comentar | Comentários (3)

A [nova] bênção dos bacalhoeiros

Bêncção dos bacalhoeiros, Belém (A. Passaporte, c. 1940)

 Um cavalheiro que bota discurso muitas (e também poucas) vezes – um que entaramela as sílabas e lhe só sai um retorcido 'pugresso' – calhou-lhe hoje uma ainda mais tramada: imperetivelmente. Um estranho caso em que falar custa mais que ter feito naufragar a marinha mercante por inteiro, mais toda a frota de pesca.
 (Quem não esteja para gramar a arenga toda, é aos 9min 40s.)

 

Fotografia: António Passaporte, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 22:20
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Edição de postais

Mértola - © 2010



Escrito com Bic Laranja às 13:25
Verbete | Comentar

Terça-feira, 19 de Outubro de 2010
Da despesa do Estado

 Perdido no aparato de notas do badalado calhamaço sobre Salazar há uma história engraçada.
 Em Novembro de 1940 o dr. Salazar adquiriu dois dicionários. – Naquele tempo o afã de Salazar por manter a guerra longe de Portugal era grande e por tal acumulava as pastas da Guerra e dos Estrangeiros, além da Presidência do Conselho (não sei de que ganhasse por três ministros, mas tudo é possível...) – Pois bem. Os dicionários, um de Português-Inglês/Inglês Português e um Westminster English Dictionary – certamente pelos trabalhos de diplomacia em mãos –, foram comprados na livraria Sá da Costa. O primeiro sabe-se que custou 180$00 pois há recibo. E no recibo Salazar anotou: "Na Bertrand pediram 200$00".

«O Século», 21/6/1938 (?), in «Salazar. O Obreiro da Pátria»
(Imagem in «Salazar. O Obreiro da Pátria».)



Escrito com Bic Laranja às 16:13
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Segunda-feira, 18 de Outubro de 2010
O 98 da Duque de Loulé

Av. Duque de Loulé, 98 (Lisboa S.O.S., 2009)
«O 98 da Duque de Loulé», in Lisboa S.O.S., 5/IV/09.


 Um comentário hoje ao verbete do «Projecto cor..., Crono», que escrevi há dias, dum cavalheiro que não diz o nome, afirma não ser correcto eu fazer comparações entre besuntar com grafitti um prédio em ruínas e a real recuperação do edifício. Lá lhe respondi que pelo preço do m2 deve a administração municipal estar a oferecer a artistas duvidosos os cavaletes mais caros do mundo. Por conseguinte, e porque andamos numa fase de contar tostões, pergunto se é correcto a Câmara Municipal ser tão perdulária. Perdulária por não conseguir fazer simples contas de merceeiro ao m2 de terreno, porque quanto a avaliar artística e arquitectonicamente o produto, melhor é esquecer. Por menos aritmética que seja precisa, seria necessário haver por aí entre os mamíferos que tomaram de assalto a coisa pública uns que soubessem ao menos distinguir um fresco dum mural. Mas como ele é mais boys para um palácio...


(Revisto às 11h00 da noite.)



Escrito com Bic Laranja às 21:29
Verbete | Comentar | Comentários (14)

Domingo, 17 de Outubro de 2010
Leite com chocolate

 Em menino, na véspera de ir para a primeira classe, andava angustiado com a escola. Falaram-me de ter que ir para a escola e ter de obedecer a quem lá mandava; professores, contínuas; e sobretudo devia estar quietinho e calado na sala de aula. Lembro-me de uns dias antes andar a treinar o 'a' num caderninho como que para espantar o medo. Lembro-me de num desses dias a D.ª Adelina, uma senhora rija, já perto dos 80, que visitava amiúde a minha mãe para tomar chá e conversar, me ensinar o 'e'; para o caderno não ser só 'aa'. Lembro-me de achar o 'e' feio; tão feio que nem devia ser uma letra a sério; devia ser invenção da D.ª Adelina.
 Pois bem. No primeiro dia de escola a angústia deu em pânico. Soube que iria para a sala da D.ª Idalina. O Vijó, o meu amigo de brincar ao Bonanza, não era dessa sala. Era da da D.ª Maria do Rosário. O pânico deu num choro copioso, tanto que a minha mãe nesse dia já me não obrigou.
 No dia seguinte, porém, levou-me com ela às compras de manhã (as aulas eram de tarde, da uma e meia às cinco e meia). Comprou-me uma tablete - eu gostava de chocolates. E lá me ia dizendo que a sala da D.ª Idalina também era boa; havia lá o Zezinho da D.ª Joana. Eu era amigo do Zezinho, não era?...
 Era, mas era pouco. O pânico dava já em birra. Por conseguinte a minha mãe lá tratou duma troca e, por fim, no portão da escola só me disse: - "Tu agora vais para a sala do Vijó. Vais aqui com a D.ª Alda (a contínua). Mas ouve bem: se no fim ela me diz que te portaste mal, eu lá em casa logo te digo!..."
 Sentença lida, lá fui. Quando se abriu a porta da sala o Vijó levantou-se logo acenado-me. Foi imediatamente repreendido pela professora: - "David Jorge, sente-se!" - E a mim mandou ela friamente sentar na carteira da Ana Maria que tinha um lugar livre. Sem mais, tornou à lição: estava a ensinar a letra 'i'...
 O leite com chocolate foi na hora do recreio. Os meninos, íamos na forma à cantina onde a D.ª Alda e as contínuas nos davam um pão com mateiga e uma garrafa de leite com chocolate. Eu não gostava de leite, nem sendo com chocolate. Bebi-o todo, a custo, enjoado, e sem queixas. À hora do recreio tinha noção certa de que o crédito para caprichos se havia esgotado.

Garrafas de leite com chocolate pirogravadas(OLX Leilões)
(Imagem em OLX Leilões.)



Escrito com Bic Laranja às 10:06
Verbete | Comentar | Comentários (23)

Sábado, 16 de Outubro de 2010
Gótico alentejano

Ermida de Santa Clara, Vidigueira - © 2010
Ermida de Santa Clara, Vidigueira, 2010.


Ermida de S. Sebastião, Alvito (Luísa Gonçalves, 2010)
Ermida de S. Sebastião, Alvito. Cliché de Luísa Gonçalves (c) 2010.


Escrito com Bic Laranja às 20:55
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11

15
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----