Segunda-feira, 31 de Janeiro de 2011
Cuanza

 Li no Jornal da Madeira que agora é Angola a exigir que Cuanza figure escrito Kwanza no Vocabulário Ortográfico Comum — o que o aborto gráfico diz que se ia publicar em 1993, que a Academia das Ciências não fez até hoje, mas que uma congénere academia de Angola deve estar para fazer não tarda!...
 O Português deriva do Latim, não do colonialismo, como tantos se convenceram. Ora nem o grego 'k' nem o barbaresco 'w' são do alfabeto latino (o português, afinal). São aceitos no idioma como integrantes de nomes bárbaros, nada mais (e parece-me que o aborto gráfico do ladino Malaca e restantes rastejantes de cá, apesar de tudo lá mantém a regra). Mas será 'Cuanza' nome estrangeiro? Significa que os cafres de Angola o diziam com 'k' e 'w' quando os portugueses os acordaram da pré-história?!... Enfim! Percebe-se o intento; ordenar o crioulo como Português quando do Português até o abecedário atrapalha. E assim cuida esta tribo dos N'golas sublimar os traumas coloniais pela bisonha felicidade de "civilizar" os que lhes levaram as letras. Nem se dão conta de quão infelizes são. 
 Dignos de dó a valer, porém, são uns que se prestam aí com ignominioso labor a algozes do idioma. Até os adivinho já por afanosos despachos e decretos ditando à Armada Portuguesa como há-de escrever Cuanza.

 

NRP Cuanza P1144, S. Gião da Barra de Lisboa (A. Monteiro?, s,.d.)
(Fotografia in NRP Álvares Cabral F336.) 



Escrito com Bic Laranja às 07:45
Verbete | Comentar | Comentários (18)

Domingo, 30 de Janeiro de 2011
Nos ermos do Bom Sucesso
Gaiola de vidro

Como paredes através das quais
o mundo vemos pelo ser dos outros,
quem vamos conhecendo nos rodeia,
multiplicando as faces da gaiola
de que se tece em volta a nossa vida.

No espaço dentro (mas que não depende
do número de faces ou distância entre elas)
nós somos quem nós somos: só distintos
de cada um dos outros, para quem
apenas somos uma face em muitas,
pelo que em nós se torna, além do espaço
uma visão de espelhos transparentes.

Mas o que nos distingue não existe.

 

Travessa do Arco da Torre [adjacente ao Largo da Princesa], Bom Sucesso (E. Portugal, 1939)
Travessa do Arco da Torre [adjacente ao Largo da Princesa], Bom Sucesso, 1939.
Eduardo Portugal, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

 

«[...] No entanto a palavra gaiola retinha, no contexto, uma alusão à liberdade que cada vez mais eu via que não há, e que, contraditoriamente nenhuma solidão me daria. Levantei-me para ir visitar a Torre. Mas, quando já descia uma das azinhagas [...] vi um homem, que me olhava com pasmo, encostado numa das esquinas, ao sol. Por certo espantava-se de ver um fulano parado na rua a escrever e, ou já ali estava e observara-me enquanto eu escrevera, ou parara precisamente assistindo à cena para ele insólita. É possível que a minha insatisfação com o final [do poema] tivesse já sido a intromissão, de que eu não fora consciente, de um olhar fito em mim.. Guardei apressadamente o papel no bolso e estuguei o passo [...]»

 

Rua do Arco da Torre, Bom Sucesso (E. Portugal, 1939)
Rua do Arco da Torre [estrada do Forte, adjacente à Fábrica do Gás], Bom Sucesso, 1939.
Eduardo Portugal, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

 

« Estava já perto da Torre, cuja imagem me distraiu. Não a via completamente, porque a muralha [da Fábrica do Gás] que se continuava do baluarte do Forte [do Bom Sucesso] me encobria a sua parte mais baixa. De resto, o que aparecia à minha frente, ao seguir pela estrada de macadame escuro, era a porta do Forte, que se abriria na parede inclinada, se não estivesse, como estava, apenas entreaberta, e sem sentinela à vista. Diante dela, obliquei à esquerda, entre o baluarte e um muro vermelho acima do qual brilhavam montes de carvão. Passada a aresta do baluarte, um não extenso descampado, com esparsas ervas altas e pequenos montes de lixo e caliça, prolongava-se até à borda da muralha. Fui por ali em direcção à Torre, tal como, pelas azinhagas e sem vê-la, me orientara até à estrada do Forte. Nas proximidades da Torre, e contornando-a a alguma distância só pelo lado de que eu vinha, a muralha descia em rampa meio desfeita para uma praia suja. À beira de água, corriam e saltavam rapazes, uns de cuecas rasgadas, outros inteiramente nus, cujos montes de escassa roupa coloriam espaçadamente o sopé da Torre. Quando me vislumbraram descendo à praia, uns correram a esconder-se atrás da muralha que avançava do Forte, enquanto outros precipitadamente corriam para as roupas. Por certo me haviam tomado por qualquer guarda que os impedia de tomar banho ali, ou que por vezes passava para impor decência aos que andassem nus [...] Eu afastei-me para contornar o monumento e achar a entrada, do outro lado. Na sombra, junto das escadas enterradas parcialmente na areia estavam duas mulheres com dois homens que pararam de rebolar-se por cima delas, quando assomei na esquina. A porta estava de facto fechada. Os quatro, sacudindo-se da areia, ficaram a olhar-me suspeitosamente. Muito mal-encarados, os dois homens pareciam avaliar a minha carteira. As duas mulheres eram menos que prostitutas: no riso alvar que lhes estagnara nos rostos, havia a marca de vadias de arrabalde, entregando-se por uns cobres atrás de um tapume, sobre um monte de lixo. Para mostrar que era a Torre o meu fito, subi os degraus e bati à porta. Um dos homens, atrás de mim, disse: — Não está aí ninguém.»

Jorge de Sena, Sinais de Fogo, Público, Lisboa, 2003, pp. 504-509 passim.

 

Forte do Bom Sucesso, Pedrouços (E. Portugal 1939)
Forte do Bom Sucesso, Lisboa, 1939.
Eduardo Portugal, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

 


Notas:

1) O tempo da narrativa é 1936, concretamente na véspera da Revolta dos Barcos (8/9/1936). Segundo diz D.ª Mécia de Sena na introdução desta edição dos Sinais de Fogo, Jorge de Sena percorreu os arredores da Torre de Belém em Setembro de 1939, no regresso duma temporada na Figueira da Foz. Foi nessa ocasião que escreveu o poema Gaiola de Vidro. Transpôs circunstâncias reais desse episódio da sua vida para o tempo do romance fundindo-as com a História; também no romance, Jorge, tornara a Lisboa vindo da Figueira. A descrição da porta entreaberta do Forte, o façanhudo sargento da guarda desvendando que o Forte está em prevenção, o laxismo da sentinela que o autor relata pouco depois neste episódio do livro são, talvez, uma ironia ao desfecho da Revolta dos Barcos, pois, insinua o autor, o governo sabia da iminente revolta e deixou-a dar-se para daí colher dividendos políticos. A bateria do Forte do Bom Sucesso, a par da do Alto do Duque, detiveram os dois navios amotinados (o aviso Afonso de Albuquerque e o contratorpedeiro Dão) de desertarem para se juntarem aos Republicanos na guerra civil de Espanha; logo depois foi criada a Legião Portuguesa e endurecida a vigilância do Estado contra actos sedição.
2) O caminho do Largo da Princesa para a Torre descia pela Travessa do Arco da Torre, passava debaixo da casa do arco onde se abria uma largo, e seguia após cruzar a linha de caminho de ferro, direito ao Forte do Bom Sucesso pela Rua do Arco da Torre — esta rua ainda hoje existe com os seus muretes através do jardim agora fronteiro ao monumento aos soldados do Ultramar; em frente à porta do Forte passava a rua que ligava a Torre de Belém à praia de Pedrouços, já a jusante do Forte. Jorge de Sena não se refere ao caminho de ferro que se entrepunha entre a casa do arco e a rua que levava ao Forte, no entanto refere-se à rua que ia do Forte à praia de Pedrouços, uma estrada militar, por onde a ludibriada sentinela deixou seguir Jorge a troco dum cigarro.



Escrito com Bic Laranja às 09:45
Verbete | Comentar

Panorâmica sobre Belém

Panorâmica do ar sobre Belém, Lisboa (Espólio de E. Portugal, c. 1935)
Panorâmica do ar sobre Belém, Lisboa, c. 1935.
Espólio de Eduardo Portugal, in Arquivo Fotográfico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 00:07
Verbete | Comentar

Sexta-feira, 28 de Janeiro de 2011
«O Burguês Fidalgo» (1.ª e 2.ª árias dos Espanhóis)

(Collegium Musicum Bednarska - Anton Birula, Varsóvia, 2010)



Escrito com Bic Laranja às 07:35
Verbete | Comentar

Os 24 violinos do Rei

 Para calcar o verbete anterior para baixo deixo o excerto final dum pequeno documentário sobre a reconstrução de três tipos de violinos barrocos desaparecidos há 200 anos [ou 300 anos]. A orquestra câmara do rei, Os 24 Violinos do Rei, compunha-se com tais instrumentos e a tentativa de recuperar a sua sonoridade barroca original propunha o desafio. Os instrumentos perdidos foram recriados pelos artesãos (luthiers) Antoine Laulhère e Giovanna Chitto e vêmo-los aqui ensaiados pela primeira vez em conjunto pelos músicos do ensemble Barroco das Folies Françoises. A peça ensaiada parece-me que é uma jiga (1ª ou 2ª ária de espanhóis?) d' «O Burguês Fidalgo» de Lully mas não sei agora precisar bem...
 O documentário é do canal Arte, tem sei partes e merece a pena; infelizmente não está legendado.

 



Escrito com Bic Laranja às 01:14
Verbete | Comentar

Quinta-feira, 27 de Janeiro de 2011
Só à bengalada

Cláudio César Henriques


 Este cavalheiro, que não usa as regras ortográficas de acentuação no seu nome próprio, que diz que é bacharel em Letras, e que é mais um a mamar na teta do aborto gráfico, disse isto, muito sonso, ao jornal Ponto Final de Macau: Porque é que o português tinha duas ortografias? A gente que estuda a língua portuguesa sabe que a história da ortografia da língua portuguesa é sempre uma história de conflitos, de alguém que concorda com outro e depois, como dizemos no Brasil, rói a corda, rompe.
 Pois a gente não precisa de estudar a língua portuguesa para saber quem na história dos conflitos sobre a grafia (orthographia é outra coisa) do Português concordou sempre primeiro e quem, de sempre, deu em roer a corda; justamente por voracidade sobre o idioma, sintoma aliás duma psicose mal resolvida do Brasil com a sua identidade portuguesa e que sai de jorro naquela (in)subordinada como dizemos no Brasil que irónica e expressivamente faz servir a carapuça a quem rói a corda.
 Este freguês não é um bacharel em Letras. É um doutor em tretas.

(Imagem in Ponto Final, 21/9/2010.)



Escrito com Bic Laranja às 11:46
Verbete | Comentar | Comentários (19)

Av. da República/Av. João Crisóstomo

 Uma perspectiva mais larga...
 Percebe-se o conjunto das lojas do nº 20 da João Crisóstomo antes da mutilação do edifício; mais de acordo com a fachada. E virando a esquina, nos prédios que se Vêem de frente, a demonstração que havia mais do que comércio nos r/c (e mais do que serviços nos restantes andares) da Av. da República. Havia vida. Mas extinguiu-se...


Terreno que aguarda construção, Lisboa, 1961.
Augusto de Jesus Fernandes, in Arquivo Fotográfico da C.M.L., A34669.



Escrito com Bic Laranja às 07:30
Verbete | Comentar

Quarta-feira, 26 de Janeiro de 2011
«O Burguês Fidalgo»

Jean-Baptiste Lully, Abertura d' «O Burguês Fidalgo»
(Moliére, comédia satírica em 5 actos, 1670)



Escrito com Bic Laranja às 23:49
Verbete | Comentar

Terça-feira, 25 de Janeiro de 2011
Um conto surpresa

Burrinho  como era, o príncipe foi em busca da tal princesa, mas bolou um plano infeliz já que tinha certeza de que não conseguiria cumprir [...]

 

 O estado a que esta miséria de país chegou já dá para tudo, até para professores preguiçosos e escolas verdadeira-
mente desqualificadas como a do 2º e 3º ciclos de Paredes darem exercícios em português dos trópicos aos alunos. Será que os meninos de Paredes não merecem melhor aprendizado em Português do que um copy/paste a partir duma infeliz professora (?) brasileira? A senhora pode ser bem intencionada mas ler o destrambelho que ela redige dá dó, com os tropeções nos pronomes e o desatino com os verbos. É isto Português? É este o nosso fado agora?
 É o que continuo a dizer: o exercício das letras pode ser para todos (em tese), mas nem todos são para o exercício das letras. O benévolo leitor que tenha paciência veja o conto até ao fim na página da iniciativa contra o aborto gráfico.

Um Conto Surpresa (Janaina, Spolodorio)



Escrito com Bic Laranja às 20:30
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Segunda-feira, 24 de Janeiro de 2011
Técnica e arte

Exemplo técnico da arte possível.


Av. Casal Ribeiro, 56, Lisboa, 2011.

Estuques

Exemplo possível de arte acabada.

 

Estuques, Saldanha, 2011

Estuques, Saldanha nº 4-8, 2011.



Escrito com Bic Laranja às 07:30
Verbete | Comentar | Comentários (3)

Domingo, 23 de Janeiro de 2011
Saldanha, quadrante sul-americano

Saldanha,4-8, Lisboa. (c) 2011
Saldanha,4-8, Lisboa. (c) 2011. 

Fundación a poia...

Saldanha, 8, Lisboa. (c) 2011

Saldanha, 8, Lisboa.(c) 2011.

  Muito se aprende. Uma reclamação que fiz por causa desta pouca-vergonha não passa de voz de burro. Pode chegar à Câmara, mas não chega ao céu, pois que nas altas esferas a voz corrente é que só se dão dos melhores negócios... necessariamente pelos que possuem a omnisciência das artes e a omnipotência de empregar verdadeiros artistas. Nada diferente dos grandes aristocratas do passado, salvo o gosto. No caso, resigno-me ao alto critério desses semi-deuses e ao gosto elevado da fundação Pampeiro, instituição com a qual não tenho questão, até porque não bebo rum e, do que nos chega da Venezuela, não sei dizer nada. Se soubesse, quiçá me viesse mais inspiração...
 Dado o estado da arte confessar-me-ei aliviado com qualquer resposta (ou nenhuma) que brote dos labirintos da vereação à minha burra reclamação. Não passará de formalidade asseada e forma de ocupar algum desses valiosos assessores que enxameiam a Câmara. Salvam-se as aparências e justifica-se o emprego daquelas alpacas. De resto, eu, pelo burro que sou nem bem ideia fazia do coio em Portugal se tornou...

 

(Revisto a um quarto para as sete da tarde.)



Escrito com Bic Laranja às 14:31
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Av. da República/Av. João Crisóstomo, 22/22

 Da mesma esquina de ontem em ângulo ligeiramete desviado. Sinais doutras vidas agarrados às paredes interiores. Vidas dum r/c, 1º e 2º, não mais, escala de construção impossivel na barbárie das avenidas. Na nesga do prédio à direita percebe-se o género de portas das lojas que lhe compunham a fachada antes da mutilação empreendedora – este é todo um outro tema...

Terreno proveniente da demolição do prédio nº 22 situado na Av. da República, esquina da Av. João Crisóstomo, Lisboa (A. Madureira, 1960)
Terreno proveniente da demolição do prédio nº 22 situado na avenida da República, esquina da avenida João Crisóstomo, Lisboa, 1960.
Arnaldo Madureira, in Arquivo Fotográfico da C.M.L., A31706.



Escrito com Bic Laranja às 10:46
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Sábado, 22 de Janeiro de 2011
Da civilização urbana

 Esta fotografia tem tudo o que se queira: fervor sinalizador (olhai a segurança!), obras (vai uma requalificaçãozinha eleiçoeira?), mobiliário urbano (ex.: vidrão – um mimo de design a merecer destaque nesse M.U.D.E.), passeios vedados e intransitáveis (pedimos desculpa pelo incómodo; estamos a melhorar a mobilidade), edificado histórico devoluto (aqui podia morar gente ) caindo em ruína (vai uma sandes de pato-bravo?), fachadas antigas abastardadas (a aposta no empreendedorismo) e edificado moderno do melhor gosto... Tudo o que se queira. Do melhor da civilização urbana.

Av. João Crisóstomo, Lisboa - (c) 2011
Av. João Crisóstomo, Lisboa, 2011.



Escrito com Bic Laranja às 15:02
Verbete | Comentar | Comentários (14)

Sexta-feira, 21 de Janeiro de 2011
Pelo arrabalde do Bom Sucesso nos anos 30...

Torre de Belém e Fábrica do Gás tomada das traseiras do Largo da Princesa, Bom Sucesso (E. Portugal, 1939)
Torre de Belém e Fábrica do Gás tomada dumas casas traseiras ao Largo do Chafariz da Princesa, Bom Sucesso, 1938.
Eduardo Portugal, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

 

«Tomei um carro eléctrico até Belém, mudei para outro até Algés, que estava parado a fazer horas, com duas ou três pessoas dentro, e o guarda-freio e o condutor [o pica-bilhetes] no banco da frente, a conversar e a fumar. A massa branca do Mosteiro dos Jerónimos fez-me pensar que eu nunca vira por dentro a Torre de Belém, apenas entrevista por trás de montes de carvão e misturada com gasómetros, quando se passava no comboio do Estoril. Eu nem sabia como se chegava lá, aonde se descia do eléctrico. Fui perguntar ao condutor. Ele e o guarda-freio discutiram o caso. Nenhum deles tinha a certeza, mas concordaram que o caminho para lá devia ser o mesmo que para o forte [do Bom Sucesso]. O melhor era eu descer no Largo da Princesa [...] Voltei a sentar-me. Uma das pessoas já sentadas dobrou-se para trás no seu banco: era à Torre que eu queria ir? Havia lá um guarda, ele até o conhecia, que morava perto. Mas o homem, coitado, cansava-se de estar a tomar conta duma coisa onde ninguém ia e onde se gelava de frio mesmo no pino do Verão, e nem sempre lá estava. Se ele não estivesse, eu que perguntasse no forte ao lado da Torre. O guarda costumava deixar a chave às sentinelas. Mas para que queria eu ver a Torre por dentro? Aquilo por dentro não tinha nada, ele já lá tinha entrado. E fitava em mim uns olhos inquiridores. Era um homem de meia-idade, muito grisalho, com ar de sapateiro ou qualquer profissão assim doméstica. Vestia modestamente um fato coçado que perdera a cor e que podia ter sido castanho ou pardo. Tinha, porém, gravata: muito esfiada e cheia de nódoas.»

 

Largo da Princesa, Lisboa (E. Portugal, 1939)
Largo da Princesa, Bom Sucesso, 1939.
Eduardo Portugal, in C.M.L., Belém/Bellem; Reguengo da Cidade, Porto, Asa, 1990.

 

«[...] Apeei-me e fiquei defronte do largo. Muitas vezes passara ali de eléctrico, vagamente reconhecendo a existência daquele largo que nunca vira. Ao atravessar as linhas dos carros e ao pisar nele, que era calçado irregularmente de pedras arredondadas cuja curvatura o tempo não delira [mais que perf. do v. delir], umas azuladas, outras brancas, todas à mistura e que não formavam passeio à beira da rua, mas desciam continuamente para uma valeta pouco funda, reparei que o largo era fechado por três lados com uma balaustrada de pedra, a que se encostavam antigos bancos de pedra também, daqueles que são uma laje de bordas trabalhadas, assentes em dois enormes pés recortados em voluta, semelhantes esses bancos aos que, de espaço a espaço, havia ao longo da rua. O chafariz erguia-se elegante daquele espaço de cuja calçada, e alteando com as invisíveis raízes, brotavam, esguias e grossas, árvores esparsas. A um lado e outro do largo desciam azinhagas, e outra havia por trás dele. As casas — modestas e antigas como ele — emergiam do outro lado das azinhagas, com as janelas dos andares à altura do balaústre, o que as fazia distantes e próximas, ao mesmo tempo. Os bancos ao longo da rua eram como que uma separação entre dois mundos: um, em que já havia carros eléctricos passando por entre muros velhos, e outro, ali recolhido, em que o tempo se suspendera uns dois séculos atrás, e onde apenas se ouvia o gorgolejar ténue da água caindo de uma das troneiras do chafariz. Deserto o largo, quietas as casas, a brisa que sacudia levemente as folhas e as sombras nas pedras azuis e brancas da calçada acrescentava a tudo, não um ar de sonho, mas de realidade perdida, de espaço não ocupado pelo tempo circundante.»

Jorge de Sena, Sinais de Fogo, Público, Lisboa, 2003, p. 503, passim.

 

Largo da Princesa, Bom Sucesso (P. Guedes, 19...)
Largo da Princesa, Rua de Pedrouços, 19...
Paulo Guedes, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 18:31
Verbete | Comentar | Comentários (12)

Quarta-feira, 19 de Janeiro de 2011
Eduardo Gageiro. Retratos com histórias

 No meio da  tralha (poucochinha, felizmente) da correspondência electrónica que me arriba ao correio vinha hoje um powerpoint diaporama com fotografias de Eduardo Gageiro. São retratos notáveis de gente nossa, notável, com legendas do próprio Eduardo Gageiro que as enchem ainda mais de alma; são imagens raras - a do Welles diz que é no Guincho mas eu diria poder ser na Praia das Maçãs; a do dr. Salazar... à laia duma de Rosa Casaco; a da Amália é da sequência duma aqui...
 Leio agora (a notícia tem dias) que são duma exposição com o título do diaporama: Retratos com Histórias. Saíram no Público em Dezembro de 2010. Cuido que a compilação que circula chegou seja dum sr. João de Miranda. Vale a pena ampliar o projector do Google de modo que se vejam bem as legendas. O som de fundo perdeu-se na conversão do Google Docs mas não se perde nada.

 

 


 

Adenda já tarde na noite: de candeias às avessas com o Google Docs – que parecer não se dar com o blogo – dei-me a um longo serão de produção audiovisual (arte em que sou inepto). Vai o diaporma agora com Satie mas com degradação das fotografias; para as ver com mais qualidade e para ler as respectivas legendas, o que aconselho, melhor será o benévolo leitor seguir o diaporama mudo do Google Docs.



Escrito com Bic Laranja às 18:43
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Terça-feira, 18 de Janeiro de 2011
Electro-livro

Diálogo do Sítio de Lisboa, 1608

Sabeis aquelas crianças que carregam um brinquedo novo para todo lado?... pub



Escrito com Bic Laranja às 12:37
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Segunda-feira, 17 de Janeiro de 2011
Nevoeiro em Lisboa

Nevoeiro, Lisboa (Cmdt. Jos+e Costa, 2010)
Nevoeiro, Lisboa, Dez. 2010.
Fotografia: Cmdt. José Costa (A320, TAP).



Escrito com Bic Laranja às 15:13
Verbete | Comentar | Comentários (10)

Domingo, 16 de Janeiro de 2011
Programa de Variedades: James Brown


James Brown, It's A Man's Man's World
(c. 1966)



Escrito com Bic Laranja às 22:45
Verbete | Comentar

Nos ermos do Bom Sucesso...

«[...] Sentei-me num dos bancos, e fiquei a saborear aquela paz, aquele isolamento, aquela claridade que a passagem de um eléctrico de quando em quando amarelava fugidiamente. Às vezes, percorrendo distraidamente certas porções de Lisboa, houvera à minha volta, ou deslizara a meu lado, alguma atmosfera como aquela. Outras vezes, numa rua modificada ou alargada, em que demolições inconclusas enchiam de escombros e de lixo, ou de paredes interiores semi-demolidas em que sinais de vida ainda se agarravam, um dos lados da rua, eu sentira que, do lado oposto e não atingido pelas modificações, um velho palacete ou uma correnteza de humildes casas, projectavam uma aura semelhante àquela [do Largo da Princesa, à Rua de Pedrouços], apenas já marcada por uma condenação senil. Ainda outra vezes, como por exemplo na Graça, na Estrela, nas Amoreiras, ou na Costa do Castelo para Alfama, a atmosfera mantinha-se, mas mais palpitante, como quando, ao silêncio que só os passos cortavam, se sobrepunha no ar um eco de vozes, de gritos longínquos, de burburinho feito de agitação tranquila em muitas ruas diversas. Mas, ainda que em lugares mais vetustos, mais pitorescos, mais sujos de passado eu pudesse ter sentido mais fortemente ou mais sugestivamente uma atmosfera assim, talvez nunca antes me penetrasse tanto, e tão pacificadoramente como na simplicidade quase mesquinha daquele largo agora, uma consciência de que o passado pode ser, sem história e sem memória, sem azedume ou saudade, sem culpa ou inquietação, um espaço em que se pára, menos para regressar a ele, que para estar nele sem regresso algum. Um espaço que se não procura ou se nos não impõe teimosamente, mas um espaço que se encontra sem que ele tenha de comum connosco mais que uma coincidência de estar ali.»

Jorge de Sena, Sinais de Fogo, Público, Lisboa, 2003, p. 504.

 


Quinta do Seabra na Rua de Pedrouços [adjacente ao Largo da Princesa], Bom Sucesso, c. 1939.
Eduardo Portugal, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

 Jorge, a personagem da narrativa, entremeia meditações num episódio em que decide de súbito visitar a Torre de Belém. A descrição daqueles ermos arrabaldinos em Agosto 1936 (tempo da narrativa) não deixa de supreender. A fisionomia do largo é hoje diferente, o caminho até à Torre (pela Rua do Arco da Torre) ou a fauna humana que se encontrava por aquelas bandas estranhamo-la hoje conhecendo o lugar...



Escrito com Bic Laranja às 13:00
Verbete | Comentar | Comentários (5)

Quinta-feira, 13 de Janeiro de 2011
Os burros de Samatra

 Tomemos o topónimo Barroso. É uma terra transmontana. Se o ensinarmos a um inglês é natural que ele o aprenda e depois o repita com a sua característica pronúncia britânica Barroso (bʌr.oʊzo). Se o vier a transmitir oralmente a conterrâneos seus — Barroso (bʌr.oʊzo) — e algum deles precisar de escrevê-lo, para não se esquecer p. ex., há muita possibilidade que essoutro venha a escrever Burroso (bʌr.oʊzo, tal e qual), que é coisa assaz conforme à fonética do idioma inglês. Ora perante um escrito desses — Burroso — só um indígena de cá em sendo burro não emendará: Barroso.
 Ficam, pois, explicadas todas as Sumatras de toda imprensa do país do Barroso.

 

Peregrinação de Fernão Mendes Pinto, Lisboa, Pedro Crasbeeck, 1614, f. 1
Peregrinaçam de Fernam Mendez Pinto... / escrita pelo mesmo Fernão Mendez Pinto.
- Em Lisboa : por Pedro Crasbeeck: a custa de Belchior de Faria Cavaleyro da casa del Rey nosso Senhor,
& seu Livreyro, 1614, fl. 1.



Escrito com Bic Laranja às 17:07
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

13
15
17

18
19
20
21
24

25
26
27
28
29
30


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----