Domingo, 27 de Fevereiro de 2011
Variedades: “It's a Man's Man's World”

Uma versão aveludada do James Brown. Ainda assim nada, nada má.

 
Seal - It's A Man's Man's World
(Wetten dass...?
, ZDF, 2009.)



Escrito com Bic Laranja às 22:30
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Que triste!...

Nunca mais ouvi notícia do Manel Alegre. Perdeu-se da História?...

Homo Neanderthalensis
Recriação dum homem de Neanderthal (Homo neanderthalensis).
Imagem da Enciclopédia Britânica.



Escrito com Bic Laranja às 11:42
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Sábado, 26 de Fevereiro de 2011
A revolta do pê do Egipto

 E eis que hoje, decorridos 7 min 21 s do Telejornal, o locutor Adelino Faria pronunciou audivelmente o pê do Egipto. Como não acredito na sabotagem do teleponto (textos na R.T.P. são só em brasileiro de excelência), temo pelo subversivo locutor...

Locutor Adelino Faria (R.T.P.)
(Imagem ainda não abrasileirirada in R.T.P.)

Revisto às dez para as onze da noute.



Escrito com Bic Laranja às 20:12
Verbete | Comentar | Comentários (15)

Sexta-feira, 25 de Fevereiro de 2011
Rua Paschoal de Mello – Lisboa

Rua Paschoal de Mello, Lisboa (Arquivo de Marina Tavares Dias)
Rua Pascoal de Melo, Lisboa, post. 1902.
In Arquivo de Marina Tavares Dias.


 

" Vieram os eléctricos e durante muitos meses os pavimentos ficaram revolvidos. Era o progresso, a civilização à porta. Ainda me lembro da tardinha calmosa em que passou o primeiro [4/5/1911?], com a bandeirola a dizer «Experiência», vagaroso, tacteando os carris novos, cheio de pessoal, até parecia uma gaiola de estorninhos. Foi um acontecimento. O comércio animou-se. Houve quem desse palmas! Os pinocas do bairro aprenderam a subir e a descer com o carro em andamento: alguns estampavam-se. As meninas caseiras punham-se à janela para ver quem subia e quem descia. As criadas vinham com um banquinho, para que as patroas de saia travadinha pudessem trepar ao estribo, duma altura vertiginosa. Nesse tempo ainda havia lugar nos electricos, seu Apolinário: e «carros do povo» e carros do Chora a fazer concorrência!"

José Rodrigues Miguéis, «Saudades para a Dona Genciana», in Léah e Outras Histórias, Círculo de Leitores, [s.l.], [1971], pp. 192-193. 



Escrito com Bic Laranja às 21:17
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Quinta-feira, 24 de Fevereiro de 2011
O princípio da macacada

 A humanidade está cheia de gente que se dá a ares, especialmente com o último grito da moda. Em cima da secretária duma coleguinha vi ontem pousado um decálogo de como escrever em brasileiro. Fez-me lembrar daquela outra que foi daqui das berças para o Rio de Janeiro e que quando lá chegou se matriculou a correr numa escola para aprender bem Português com sotaque.
 A esta agora já lhe encomendei uma destas. Há-de-lhe servir como uma luva.

 

Desacordo Ortográfico
(Imagem em http://desacordo.wikidot.com/loja.)



Escrito com Bic Laranja às 22:10
Verbete | Comentar | Comentários (20)

Terça-feira, 22 de Fevereiro de 2011
Xadrez de cérceas

Av. da República, Lisboa - © 2011
Av. da República, Lisboa, 2011.



Escrito com Bic Laranja às 20:05
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Segunda-feira, 21 de Fevereiro de 2011
Quem rege a escrita?

Orthographia da Lingoa Portugueza... 1856


 Há dias transcrevia-se aqui, em palavras da Priberam (um editor de dicionários), que "o texto do Acordo de 1990 não prevê soluções para muitos dos problemas que cria". Em havendo pingo de senso neste país, só por si isto seria razão para arrumar de vez com a aberração. Mas não, e o cúmulo é vermos um editor de dicionários à nora para se conseguir desenvencilhar do texto do Acordo dizendo e repetindo em desespero que o dito acordo "é lacunar, ambíguo ou incoerente".
 Em 29/1/2011 Helder Guégués, no blogo "Assim Mesmo" ("O prefixo «re-» no A.O.L.P.", post 4372), apontava ao corrector da Priberam um erro de hifenização nas palavras com o prefixo re- quando se lhe seguia palavra iniciada com a mesma letra. Dias depois ("Diz a Priberam", post 4387) justificava-se longamente Helena Figueira, do Departamento de Linguística da Priberam, com a letra do texto da Base XVI, 1º, alínea b) do Acordo Ortográfico de 90, que é inequívoco relativamente ao uso de hífen com um prefixo que termina na mesma vogal com que se inicia o elemento seguinte; dá uma única excepção: o prefixo co-. A interpretação que a Priberam faz do texto da Base XVI é a única possível. A leviandade com que foi redigido o Acordo de 90 parece que acabou por introduzir no Português formas tão extravagantes como re-eleger, re-embolso, re-encarnação, re-encontro, re-entrar
 Parece mas não foi.
 O Brasil, usando da prerrogativa que lhe assiste já do costume de não cumprir nenhum acordo ortográfico, cozinhou unilateralmente uma excepção à Base XVI no seu V.O.L.P. (o tal que foi solenemente oferecido ao Presidente da República Portuguesa e que este subservientemente se dispôs a receber). — E fundamentado o Brasil em quê para introduzir uma excepção não acordada ao Acordo? — Ora vede lá bem: “por coerência e tradição lexicográfica” (*). A mesma coerência que decepa consoantes etimológicas e conserva o ‘h’? Ou a que dita epiléticos sofrendo epilepsia e egípcios habitando o Egito?
 E a tradição lexicográfica é a que nega a Portugal o primado do idioma?!...
 Posto isto em que ficamos; com o Acordo ou com a Academia Brasileira das Letras?...
 O vocabulário do I.L.T.E.C. (o do governo do eng.º Sócrates) fez tábua rasa do texto da Base XVI acerca do prefixo re- e segue a cartilha brasileira. E “os recursos linguísticos da Priberam têm vindo a ser alterados desde 25 de Janeiro de 2011 para seguir a excepção instituída pelo V.O.L.P. da A.B.L.” — O ano lectivo, pois é…
Pois bem, mas se o texto do Acordo é para fazer gato-sapato, que regerá ele afinal?
Ora, nada! A Academia Brasileira das Letras e cada burro escrevem por si.


(*) Nota explicativa ao V.O.L.P. da Academia Brasileira das Letras, pp. LI a LIII.



Escrito com Bic Laranja às 23:14
Verbete | Comentar | Comentários (30)

Domingo, 20 de Fevereiro de 2011
Amor com duas pedrinhas de gelo


Neil Diamond, Love On The Rocks
(in O Cantor de Jazz, Ricardo Fleischer, 1980)



Escrito com Bic Laranja às 22:25
Verbete | Comentar | Comentários (2)

E também sabem consultoria...

Instituto de Meteorologia: também dão consultoria

Evidentemente que as actividades correctas seriam ingrícolas.

 

Actualização: o erro foi corrigido na pág. do I.M. em 22/2/2011.



Escrito com Bic Laranja às 08:55
Verbete | Comentar | Comentários (14)

Sexta-feira, 18 de Fevereiro de 2011
Revolta do Cairo vista da América


Rita Hayworth, Dança dos Sete Véus em Technicolor
(Guilherme Dieterle, Salomé, Columbia, 1953)



Escrito com Bic Laranja às 23:40
Verbete | Comentar | Comentários (7)

Quinta-feira, 17 de Fevereiro de 2011
Metodologia tudológica

O primeiro passo é reconhecer que é parvo (in Portugal dos Pequeninos)

 Nas cartas à directora do Público há hoje uma dum leitor sobre as novas canções de protesto. Diz que a canção Parva... da Deolinda troa em todos os meios de comunicação mas a canção do T.G.V. do Paco Bandeira, do mesmo género, muito pouco ou nada. E dá ideia - segundo o leitor - duma subtil ou velada censura à canção do Paco. - Dá pois! - Esta é daquelas que não se prova mas que todavia se pode demonstrar pelo método tudológico do achismo. A censura informal é a cesura dos media. A Parva... da Deolinda conforma-se muito bem ao figurino (sub)urbano das televisões (como acontece com o Bloco); logo serve ao recorte dos media... Isto mais se mostra na cópia de Deolindas conversadeiras e assaz (sub)urbanas, muito afins das redacções jornaleiras, como sabeis, que debitam ciência a toda a hora na televisão. A ortodoxia é sensaborona, não se ajeita ao que sabemos que o telespectador ou rádio-ouvinte querem; muito menos a poeirenta ortodoxia das cassetes, como o P.C.P. ou a música do Paco Bandeira. Quando muito vai uma pitadinha, muito ao leve, para dar um certo gostinho democrático ao caldo; mas só ingredientes muito refinados colhidos em cultura urbana.
 Portanto, eu acho que é por isto que há muitos mais paineleiros por ex. do B.E. que do P.C.P. a dar nas TV, quando no fundo todos são comunistas com direitos adquiridos.
 E acho também que eis como a Parva... da Deolinda leva-a o vento e o Paco Bandeira não drapeja por falta de sopro.

 

(Imagem do Portugal dos Pequeninos.)



Escrito com Bic Laranja às 12:01
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Quarta-feira, 16 de Fevereiro de 2011
Portugal

Só falta o Fado. Talvez a alma não esteja de todo perdida...

 

Portugal na década de 1960 (TWA) de Gonçalo Ramos Ferreira in Vimeo.
(Via Portugal dos Pequeninos e Corta-fitas.)



Escrito com Bic Laranja às 00:15
Verbete | Comentar | Comentários (10)

Terça-feira, 15 de Fevereiro de 2011
O estatuto nacional do Português

Ervedosa, Foral de D. Dinis, 1288

 O deputado da Europa Ribeiro e Castro bradava hoje ao longo de 900 palavras no Público (cf. no Facebook) contra um projecto de registo europeu de patentes unicamente em três línguas: francês, inglês e alemão. Uma «discriminação linguística» — diz. — «Um camião T.I.R. contra a língua portuguesa». 
 Pois quando os de cá encomendam já o Português ao Brasil, esperava o quê, o deputado Ribeiro e Castro? Que fossem os bárbaros a preferir o Português às suas barbarescas linguagens?!... E diz ele que nesta agora das patentes só o partido do C.D.S. se pronuncia «em defesa do estatuto internacional do Português»; que os dos outros partidos nem debatem nem dizem o que pensam. — Ora! Lá hão-de pensar o que sempre são capazes: nada.
 E o sr. Ribeiro e Castro e seus correlegionários do partido do C.D.S. na assembleia nacional; têm pensado bem, ultimamente, no estatuto nacional do Português? — É que, sem 'nacional', o 'inter' não passa dum prefixo vazio. — Ou será que em Portugal agora vamos já só com o mirandês?

(Imagem: Ervedosa. Carta de foral de D. Dinis, 1288.)



Escrito com Bic Laranja às 00:10
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Segunda-feira, 14 de Fevereiro de 2011
Cena galante

Av. da república, 38, Lisboa - (c) 2010
Av. da República, 38, Lisboa, 2010.



Escrito com Bic Laranja às 10:45
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Domingo, 13 de Fevereiro de 2011
Sá de Miranda

Sá de Miranda, «A Egipcíaca Santa Maria»

Dedicado aos EGICÍACOS de léxico mutilado.



Escrito com Bic Laranja às 23:50
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Da antiga Quinta da Imagem

Rua Marques da Silva, 50/Rua de Arroios, 88, Lisboa (J.H. Goulart, 1967)
Lugar da antiga Quinta da Imagem no Caracol da Penha, nº 1.

Rua Marques da Silva, 50/Rua de Arroios, 88, Lisboa, 1967. 
João H. Goulart, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

*

  Num verbete antigo mereceu-me alguma atenção a Quinta da Imagem que marcou o lugar onde o velho Caracol da Penha aflorava à Rua de Arroios. Vali-me então, e muito, do que o Mestre Castilho deixou dito e do que Luiz Pastor de Macedo aduziu. Se bem me lembro, uma das cousas que o ilustre olisipógrafo da Lisboa da Lés-a-Lés aduziu foi: «A propriedade rústica foi primeiro classificada como horta, depois como quinta, e por fim misturou-se o rústico com o urbano e passaram a chamar-lhe Vila Imagem».
  Consultando há dias o Roteiro das Ruas de Lisboa e Concelho de Loures (por Queiroz Vellozo, 6ª ed., Typographia da Rua do Ouro, 1890, pp. 119 e 193) acerto com a minha curiosidade nas duas primeiras designações (mas não a última, talvez demasiado moderna). O mais interessante, porém, é a luz que se reacende sobre a desconhecida imagem que nem o Mestre Júlio de Castilho achou meio de nos desvendar: - «Há na esquina sul desta travessa (o Caracol da Penha) para a rua de Arroios uma pequena casa, de mesquinha aparência, em cujo cunhal se vê um nicho, hoje tapado, mas que antigamente tinha por habitante não sei que santo ou santa, com o indispensável pingente da sua lanterninha. ...Chamava-se por causa dele, ao sítio, o Nicho da Imagem.» (Lisboa Antiga; Bairros Orientais, 2ª ed., vol. IX, p. 165).
  Em nota de pé de página no dito Roteiro, Queiroz Vellozo informa-nos afinal que àquela quinta, também a denominavam «da Conceição». Quem se deita a adivinhar agora a santa cuja imagem deu nome à quinta...?



Escrito com Bic Laranja às 20:21
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Sábado, 12 de Fevereiro de 2011
Caramulo a 41 km.

Caramulo, 41 km. Museu (Viseu,  2006)
Caramulo a 41 km., Museu, Viseu, 2006.



Escrito com Bic Laranja às 11:07
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Quinta-feira, 10 de Fevereiro de 2011
Alberto Gonçalves, "Dizer asneiras"


(In Sábado)


Adenda muito pertinente do leitor Carlos Portugal:

 Toda esta desgraça advém de uma técnica já ensaiada no pós-abrilismo entre nós, e com origem nos Estados Unidos na década de 1950 e em época desconhecida na ex-U.R.S.S., que se designa por «programação mental» — por outras palavras «lavagem ao cérebro» — que agora se denomina «programação neurolinguística».
 Assim, logo após a desgraçada abrilada, fomos inundados por termos como «garante» (usado como substantivo: «o garante da democracia»), «repúdio» por tudo e por nada e outras aberrações do género. A finança já tinha imposto o imbecil «investimento» e o verbo «investir», de cunho claramente tauromáquico, em substituição de «aplicação» e de «aplicar», o fisco o termo «contribuinte» em vez de «espoliado» (o termo em uso implica um acto voluntário que, dadas as circunstâncias, não o é).
 Depois, veio a enxurrada de telenovelas brasileiras, cuidadosamente escolhidas, indo inicialmente das com algum interesse e léxico mais cuidado, para o lixo puro e simples, com o passar dos anos, de forma «adaptar» as pessoas à degeneração linguística.
 Agora, é o «festival» (nos Açores diz-se «folia», se não me engano) a que Alberto Gonçalves se refere. Qualquer manual de «programação neurolinguística» é claro quanto ao que se está a passar.
 O «acordo» ortográfico vem rematar exactamente esta canga que nos querem impor: como as classes mais cultas de cidadãos não engolia o lixo televisivo, comercial e financeiro, remetendo-o para a classificação de calão departamental mais ou menos bárbaro, tentam impor a programação por decreto. Mas, o mais espantoso, é que o decreto nem sequer é português, mas sim brasileiro (Decreto Legislativo no 54, de 18 de Abril de 1995), ratificado depois por «decreto» do Presidente da República Portuguesa (Decreto do Presidente da República nº 52/2008 - dizem que é para «ratificar o acordo»)! Ora, a portaria que impõe que as escolas portuguesas o apliquem, não tem força de lei, pois as ditas portarias apenas servem para regulamentar leis ou decretos-lei, e que eu saiba, um decreto presidencial (ainda falam das ditaduras) não tem essas características. Assim, a dita portaria é legalmente inválida. Para nós, cidadãos, mesmo que fosse válida, não se poderia aplicar, pois só tem acção dentro de organismos estatais, não nos podendo vincular.
 Ou seja, meu Caro, tentam programar-nos («neuroprogramar-nos») para que sejamos uns imbecilóides semi-analfabetos, a bater palmas às inanidades jorradas das cloacas da política.
 Ao pé destes trastes, o Dr. Josef Goebbels era um aprendiz...
 Há assim que lutar por todos os meios contra esta enormidade.

 Cumprimentos.



Escrito com Bic Laranja às 23:43
Verbete | Comentar | Comentários (21)

Domingo, 6 de Fevereiro de 2011
Bairro de São Miguel, Lisboa

 Uma das coisas que mais me impressiona nas fotografias de Lisboa de há 60, 70 anos, é quão arejados que eram os bairros novos. Mesmo quando, como nesta rua, o horizonte são os altos prédios da Av. de Roma. Vistos das traseiras. O que se passou para perdermos tudo isto? Bom, o tempo. O tempo e os homens que descaracterizam tudo...

Av. Frei Tomé de Jesus, Lisboa (M. Novais, c. 1950)
Av. Frei Tomé de Jesus, B.ª de S. Miguel, c. 1950.
Mário de Novais, in Biblioteca de Arte da F.C.G..



Escrito com Bic Laranja às 22:32
Verbete | Comentar | Comentários (29)

Verbete que havia de ser de ontem

E.N. 16, Viseu, 2006
E.N. 2 16, Viseu (Abraveses), 2006.



Escrito com Bic Laranja às 22:11
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Abril 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13

17
18
19
20
22

24
25
26
27
28
29

30


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Alpendre (O) (pub)
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Palaurossaurus Rex
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----