Sexta-feira, 30 de Setembro de 2011

Reconstrução de pavimentos (*)

« Por motivo de reconstrução de pavimentos, a partir do dia 30 de Setembro de 1955 (6ª feira) é encerrado o troço da Avenida de Roma entre a Rua Silva e Albuquerque e a Avenida da Igreja. Assim, a partir daquela data o percurso da carreira 7 é provisoriamente alterado naquele troço em ambos os sentidos, passando a efectuar-se pelas Ruas Silva e Albuquerque, ligação à Rua Maria Amália Vaz de Carvalho, Rua Maria Amália Vaz de Carvalho, Rua Marquesa de Alorna e Avenida da Igreja.»
C. Filipe, A minha página Carris.

Avenida de Roma e Av. dos E.U.A., Lisboa (A.Pastor, 1960-69.
Avenida dos Estados Unidos no cruzamento com a Av. de Roma [pormenor], Lisboa, 1960-69.
Artur Pastor, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..
 


(*) «Reconstrução de pavimentos» é um do mito dos tempos da fundação de Lisboa por Ulisses.

Escrito com Bic Laranja às 07:00
Verbete | comentar | comentários (2)
Quinta-feira, 29 de Setembro de 2011

Escrito pela aluna Maria há cerca duma hora

« Estou no 11º ano, comecei agora o ano lectivo e todos os dias entro em “luta” com a minha professora português por causa deste assunto. Todos os professores parecem submissos e conformados, mas eu simplesmente não me consigo conformar e faz-me ainda mais confusão a posição dos professores (especialmente os de português) em relação a isto. Em português, quando se começar a avaliar nos testes como erro (disseram-me que seria em 2014), não prejudicarei a minha nota por não querer escrever assim, mas recuso-me a escrever nos meus cadernos e em tudo quanto seja MEU de uma maneira que eu considero ridícula! E a minha professora de português anda a “impingir-nos” o acordo ortográfico, e o manual este ano já está todo adaptado... É horrível, frustrante, não consigo sair de uma aula de português sem me sentir frustrada e irritada. Anda a ser mesmo complicado. E hoje descobri que a gramática também mudou! Por isso, muitas das coisas que durante 10 anos de escolaridade andei a decorar e a considerar como correctas, agora do nada mudam! (Imaginem as pessoas que estão na faculdade, em cursos de Letras!) Eu não percebo como querem que nos adaptemos a isto, ainda por cima a gramática não é o forte de muitas pessoas na escola. Ainda se fosse acrescentar algumas coisas, se calhar até faziam isso de vez em quando e nem nos apercebíamos. Mas não, mudaram os nomes, acrescentaram coisas só para complicar, sem necessidade justificada! Os complementos circunstanciais agora são os modificadores e muito mais coisas mudaram e tornaram-se mais complexas, sem necessidade nenhuma; não percebo nada; nem eu nem ninguém; vai ser horrível ter que reaprender imensas coisas de gramática, completamente diferentes/modificadas, com as quais já não conseguimos criar associações porque não sabemos o que são. E a minha professora insiste que não é necessário termos uma aula para nos mostrar tudo o que foi modificado: o que era x passa a ser o quê; mas que tudo se vai mostrando “sem pressas, quando surgir”. Estou completamente à toa, e o mais chato é que eu não quero isto para mim, nem para a minha língua, mas tenho que me adaptar na escola! Todos os meus colegas se sentem revoltados, ainda que uns mais que outros, mas sei que muitos vão acabar por se conformar. Mas eu sinto-me DESESPERADA por que isso não aconteça! Queria que tudo o que as pessoas acham viesse a público e mudassem isto! Que se fizessem ouvir! Meios de comunicação, manifestação, qualquer coisa! Só assim alguém nos ouve, infelizmente! (Visto que nem sequer nos requisitaram voto na matéria!) Não consigo conformar-me, não vou fazê-lo. A nossa língua é linda, das nossas maiores heranças, dos nossos maiores potenciais. Isto é um ATENTADO ao português! Eu queria muito assinar, mas não tenho mais de 18 anos por isso não tenho número de eleitor. Não haverá outra maneira de eu poder assinar?»
Comentário da estudante Maria, in «Assinar a I.L.C.», I.L.C. Contra o Acordo Ortográfico.

«As duas línguas ou a Grammatica Philisophica...», por Jeronymo Soares Barbosa, Coimbra, na Real Impressaõ da Universidade, 17...


Adenda: resposta do 1º Subscritor da I.L.C., em 30/9/2011 (ver em baixo).

Escrito com Bic Laranja às 23:25
Verbete | comentar | comentários (24)

Que é dele o padeiro?

Mota do padeiro, Av. dos E.U.A. (A.Pastor, 1960-69)
Mota do padeiro, Av. dos Estados Unidos da América, 1960-69
Artur Pastor, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

Escrito com Bic Laranja às 12:30
Verbete | comentar | comentários (34)
Quarta-feira, 28 de Setembro de 2011

Jardim

Jardim, Praça de Londres (A.Pastor, 1960-69)
Jardim, Praça de Londres, 1960-69.
Artur Pastor, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

Escrito com Bic Laranja às 12:30
Verbete | comentar | comentários (4)

Anúncio

Anúncio

Escrito com Bic Laranja às 11:45
Verbete | comentar | comentários (11)
Terça-feira, 27 de Setembro de 2011

Escritos de Eva

 
 Recebi da estimada leitora Eva uma florida medalha (muto obrigado!) e a incumbência de dizer seis ou sete coisas que aprecio. Já em tempo me calhou dizê-lo nas «Correntes da memória» e repeti-lo ao depois em «Seis coisas como elas são». Adapto agora o rol anterior ao jogo actual.
 Sete coisas que gosto: 1) dias longos e noites abafadas; 2) conservar hábitos; 3) limites à superprodução galopante (vulgo P.I.B.) de bens inúteis; 4) uso da linguagem com propriedade; 5) ignorar o telefone; 6) melão, no Verão. Acrescento mais uma: 7) a Lezíria do Ribatejo.

Campos da Barroca d' Alva, Alcochete - (c) 2010
Barroca d' Alva, Alcochete - (c) 2010.

 Preciso agora de passar o testemunho a seis blogos. Pondero meia-dúzia no rol aqui ao lado...

Escrito com Bic Laranja às 23:52
Verbete | comentar | comentários (7)

Lampadinha

lampadinha.jpg

 Sua Exc.ª o ministro Álvaro da Economia exprime-se com brilho: ouvi-o na telefonia dizer do aumento da electricidade para consumidores (30%) e para empresas (55%). Cuido, portanto, que quem acenda a luz seja um de dois, consumidor ou empresa. Tertium non datur.
 Que tamanho brilho não encandeie o último a sair...

(O Lampadinha é do Prof. Pardal e do Walt Disney.) 

Escrito com Bic Laranja às 17:31
Verbete | comentar

Av. João XXI

Av. João XXI, Lisboa (A.Pastor, 1960-69)
Avenida João XXI, Lisboa, 1960-69.
Artur Pastor, in Arquivo Fotográfico da C.M.L.. 

Escrito com Bic Laranja às 12:30
Verbete | comentar | comentários (8)
Segunda-feira, 26 de Setembro de 2011

Efeméride

« No dia 26 de Setembro de 1971 (domingo) a carreira 7 de autocarros é prolongada ao Cais do Sodré, passando a assegurar o serviço da carreira 16 e reforçando a oferta na Avenida Almirante Reis. A partir do Cais do Sodré a carreira circula pela Avenida Ribeira das Naus, Praça do Comércio, Rua da Prata, Rua do Comércio, Rua da Madalena, Largo do Caldas, Poço do Borratém, Martim Moniz, Rua da Palma e Avenida Almirante Reis, Rua Pascoal de Melo, Rua António Pedro e Rua Pereira Carrilho até à Avenida Manuel da Maia, de onde segue pelo percurso habitual até à Calçada de Carriche. No sentido inverso, a partir da Alameda Afonso Henriques circula pela Rua Quirino da Fonseca, Rua Alves Torgo, Rua José Falcão, Rua Francisco Sanches, Avenida Almirante Reis, Rua da Palma, Martim Moniz, Rua Dom Duarte, Praça da Figueira, Rua dos Fanqueiros, Praça do Comércio, Rua do Arsenal e Rua Bernardino Costa. »
C. Filipe, A minha página Carris [sublinhado meu].

Autocarro 7, Alameda, 1960
Autocarro 7, Alameda, 1960.
Fotografia do Museu da Carris, in 255 Preservation Group.

Escrito com Bic Laranja às 23:30
Verbete | comentar | comentários (11)
Domingo, 25 de Setembro de 2011

Heliporto Moniz

IMG_3329.JPG
Hemi-heliporto, Porto Moniz, 2011.

Escrito com Bic Laranja às 14:54
Verbete | comentar | comentários (8)
Sábado, 24 de Setembro de 2011

O VI.º Império

Nas palavras de Fernando Cristovão, 1986 é o ano que marca a nascença da lusofonia. A grandiosa lusofonia está, obviamente, acima da mera língua portuguesa.

Miguel Esteves Cardoso, «O Acordo Tortográfico», in Explicações de Português, 2ª ed., Assírio & Alvim, 2001, apud I.L.C. Contra o Acordo Ortográfico.


Condóminos da língua?!
Não há Google lusofonês (ainda). Medindo a grandiosa lusofonia com os Google possíveis temos: 

  • Páginas de Portugal (google.pt) – 1 470 000 6 530 000 (4/3/2012);
  • Páginas de Brasil (google.com.br) - 194 000;

A lusofonia é portuguesa. O português que fique para o Brasil.

 

 

Escrito com Bic Laranja às 10:24
Verbete | comentar | comentários (9)
Sexta-feira, 23 de Setembro de 2011

Do machismo

 Na língua portuguesa, palavras como vida, alma e esperança pertencem ao género feminino.
Discurso da presidente do Brasil na Assembleia Geral da O.N.U., in O Planeta Osasco, 21/IX/11. (*)

Pois Dilma é do género masculino. Assim como «trolha».


Bairro da Madre de Deus, Lisboa (E.Portugal, 1944)
Bairro da Madre Padra de Deus; abertura de ruas, Lisboa, 1944.
Eduardo Portugal, in Arquivo Fotográfico da C.M.L.


(*) Note o benévolo leitor, se puder, o caso que faz este periódico brasileiro do famosíssimo Acordo Ortográfico.
(Verbete revisto.)

Escrito com Bic Laranja às 12:15
Verbete | comentar | comentários (6)
Quinta-feira, 22 de Setembro de 2011

Faísca

fotografia.JPG
Cais do Sodré, Lisboa, c. 1960.
Fotografia do Museu da Carris, in 255 Preservation Group.

Escrito com Bic Laranja às 23:01
Verbete | comentar | comentários (4)
Quarta-feira, 21 de Setembro de 2011

Prolongamento de percurso

« No dia 21 de Setembro de 1952 (domingo) a carreira 1 é prolongada, passando a servir o novo Bairro da Encarnação. A carreira segue pelo percurso habitual desde o Cais do Sodré até ao Aeroporto, seguindo depois pela Estrada de Sacavém [Av. da Cidade do Porto] até à Rotunda da Encarnação, onde passa a efectuar terminal.»
C. Filipe, A minha página Carris.

Autocarro 1, Rotunda da Encarnação, 1952
Autocarro 1, Rotunda da Encaranação, 1952.
Fotografia do Museu da carris, in 255 Preservation Group.

Escrito com Bic Laranja às 06:00
Verbete | comentar | comentários (14)
Terça-feira, 20 de Setembro de 2011

Outono escreve-se com maiúscula

  Outono escreve-se com maiúscula, «Livro de Leitura da Segunda Classe.

« Hoje tive a primeira reunião de turma da minha filha mais nova, e disse à professora... aquilo que ela já sabia: o que ela ensinar à Adriana pela «via acordista» eu, depois, corrijo. O que, aliás, já aconteceu hoje, primeiro dia de aulas: ela disse às crianças que agora os meses e as estações do ano se escrevem (primeira letra) em minúsculas... e eu instruí a minha garota quanto à forma correcta. Praticamente todos os outros pais e encarregados de educação concordam comigo. Ficou a ideia de marcar uma outra reunião, com outras professoras, incluindo a responsável principal, do agrupamento em que a escola se insere. Mas esta é uma guerra que se afigura muito difícil...»

In Portugal dos Pequeninos, 16/9/2011.


 É guerra mais trabalhosa do que difícil. Um trabalho de Hércules. Todavia possível. Até lá é de ir fazendo a necessária guerrilha...
 Tenho ouvido relatos doutros pais contrariados com o absurdo cacográfico em que o governo prossegue, e que o manifestam, deseperados, aos professores. E ouço também que estes se reduzem ao rebanho assalariado e amorfo em que os tornaram, escusando-se a repudiar a ignorância das letras como bons mestres haveriam de fazer. Para agravar, há aí novos livros que, sem ser proscritos... são mal escritos.
 Comigo, livro escolar em mau português não haveria filho meu de ter que lhe não pusesse eu o devido quinau; a grosso e a vermelho para ficar bem visível. Cada emenda nos livros seria uma lição para professores que se apascentam mais pela cartilha administrativa do que se regem pela dedicação ao saber e à cultura. Em suma, aos imprestáveis.
 Isto podem todos os pais fazer já que os livros são seus.
 Não cuidem também, nem se deixem refrear por mentiras que correm de que a simplificação da escrita segundo o Acordo Ortográfico faz os meninos aprenderem melhor. Se assim fosse, os meninos brasileiros aprenderiam melhor as letras do que os portugueses, já que no Brasil não andam «atrapalhados» pelo «p» de «óptimo». Não deixe, benévolo leitor, pai ou encarregado de educação que lhe comam as papas na cabeça; procure o índice de analfabetismo em Portugal e no Brasil no programa da O.N.U. para o desenvolvimento de 2007/2008 e veja. O índice de analfabetismo do Brasil é o dobro do de Portugal. — E no Brasil até já se ensina que «nós pega os peixe» como sendo correcto! — Ora a prova, se precisa ela fosse, de que a ortografia dum idioma, qualquer idioma, nada tem que ver com o analfabetismo dum povo mede-se muito bem pelo francês e pelo inglês; em ambas as línguas a ortografia de farmácia segue o étimo grego pharmakeía (pharmacie – fr.; pharmacy – ing.), porém o índice de analfabetismo em França, na Inglaterra, no Canadá ou nos Estados Unidos é de menos de 1%. Quem há aí em Portugal que ache que um filho seu se haveria de baralhar para aprender a escrever pharmácia?
 O que vai dito vale o que vale e o Acordo Ortográfico está aí, é que que todos dizem. Mas não baixemos os braços. Se não há tino no governo nem nos professores contra o ensinar burrice às nossas crianças, o que sobra aos pais empenhados e encarrregados de educação honestos em Portugal é fomentar o talho da alarvidade (orto)gráfica através da divulgação e assinatura duma proposta de lei, concreta, redigida à margem de partidos, para revogação imediata do Acordo Ortográfico. A Iniciativa Legislativa de Cidadãos para esse fim segue em curso e cada vez recolhe mais assinaturas. Faz falta que todos assinem. São precisas 35.000 assinaturas para levar a proposta de lei à Assembleia. É muita assinatura para um país tão pequeno, um dos trabalhos de Hércules. Mas cada um de nós, por si, preencher e assinar um impresso não é tarefa tão hercúlea, afinal.


(Imagem do Livro de Leitura da Segunda Classe, in Santa Nostalgia.)

 


Adenda:

« Também sou contra o novo acordo e como docente não está a ser fácil! Ando sempre munida com um prontuário, porque não me entendo com a nova grafia! Mas de facto como professora sou mesmo "obrigada" a usar o novo acordo ortográfico. Como sou professora de Matemática, à partida não teria muitos problemas... mas tenho de ter atenção aos sumários! Peço é por favor que entenda o papel da professora da sua filha! Ela não tem culpa de que como professora, seja "obrigada" a usar a nova grafia! Nós não temos a quem nos queixar ou suplicar para [não] usar o novo acordo ortográfico. Por favor não trave uma luta com a professora da sua filha. Um professor estar colocado já é um milagre e por muito que se pense o contrário, trabalha-se muito na nossa profissão! Não crie um problema [...] à "minha" colega [...] »

Comentário duma professora em 21/9/2011, que diz do que se passa com os professores.
(Sublinhados meus.)

 

 Põe aspas em ser «obrigada», e bem: 1) até 2016 não é obrigada a nada nem mal lhe pode advir, especialmente na redacção dos sumários; 2) como professora de Matemática pode escudar-se justamente nisso, na Matemática, e escusar-se ao resto; 3) pode assinar a I.L.C. contra o acordo ortográfico; diz que é contra, já assinou?
 Por fim, a reclamação dos pais não é centrada na pessoa do professor, mas na Escola como instituição. Se são os pais contra um ensino errado, como agentes activos da educação dos filhos, natural é que reclamem, que se façam ouvir em toda a medida, e que a Escola através dos seus responsáveis faça chegar essas vozes ao ministério. Porque das duas uma: ou somos contra a burrice e queremos acabar com ela; ou somos complacentemente contra e então nada feito.

2.ª Adenda:

« Só lhe tenho a dizer que a minha escola é T.E.I.P. e como tal tem autonomia para decidir se quer ou não adoptar o novo acordo. A resposta é positiva [adoptou-o]! E a autonomia da escola também se estica à contratação de docentes! Não posso levantar "poeira" estando numa situação precária. E nós docentes cumprimos ordens, assim como os empregados duma empresa! E sim já assinei a I.L.C.! »

Tréplica da mesma professora em 23/9/2011.

Escrito com Bic Laranja às 18:55
Verbete | comentar | comentários (32)

Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
13
14
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

arquivo

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS

____