Terça-feira, 31 de Janeiro de 2012
Da cambada...
A.N.T.T., Jornal «O Século», J. Benoliel, Lt. 09, cx. 04, neg. 10

«O sr. D. Carlos tambem hontem não assistiu á tourada no Campo Pequeno.

(Dos jornaes).

 


 

 — Está aqui tudo?
 — Creio que não falta nada. Poz a mala em cima d'uma cadeira, para não estar a dobrar-se muitas vezes, e foi tirando peça por peça. D'ahi a pouco estava inteiramente transfi­gurado. As suissas assentavam-lhe na perfeição, e os oculos de ouro, com vidros sem grau, transformaram-lhe de tal modo a physionomia, que nin­guem, mesmo dos seus familiares, o conheceria sob aquelle disfarce. As calças é que lhe ficavam um boccadinho justas nas pernas, e o collete, se fosse um tudo nada mais comprido, dir-se-ia ter sido feito para elle — por medida e com prova. Pegou na bengala, de castão de prata, poz na cabeça um Panamá, quebrado na frente, e carregou no botão d'uma campainha electrica.
 — Se não soubesse...
 — De primeira ordem, não é verdade?
 — Uma transfiguração á Rocambole.
 — Obrigado pelo cumprimento; mas como tu é que me escolheste a farpela...
 — Limitei-me a cumprir fielmente as indicações recebidas.
 — De modo que não haverá perigo...
 — Absolutamente impossivel conhecel-o, disfarçado como está.
 — Pois olha, já que entrei n'este caminho, quero fazer a coisa completa. Has de comprar-me um bilhete de sol.
 Quando entrou na praça, ainda as cortesias não tinham começado. Arranjou um logar ao pé da musica, e poz-se a fumar um cigarro ainda por dis­farce. Á hora marcada, com uma pontualidade fóra do costume, a função principiou. Estava interessado, contente e ancioso, como se pela primeira vez assistisse a um espectaculo ardentemente desejado. Surprehendia-se a gritar com toda a força, quando o sol inteiro gritava e ainda teve o chapéu na mão, para o atirar ao redondel, enthusiasmadissimo com um cambio.
 No intervallo, como não sahisse o visinho da direita, pedindo-lhe fogo, entrou a dar-lhe conversa.
 — Vê-se que o amigo é amador.
 — Como poucos. Isto é um divertimento real.
 — Lá isso real...
 — Pois sim... Mas o rei vem aqui muitas vezes?...
 — Vinha muitas vezes, é o que você quer dizer...
 — E agora já não vem?
 — Acho que cortou a coleta.
 — Elle, afinal, tudo aborrece.
 — Ora ahi está. E foi exactamente por ver que aborrecia, que elle deixou de apparecer. Sabe o amigo uma coisa? Tenho estado a reparar que você se parece... 
 Não acabou a phrase. Já o outro se tinha levantado, a fingir que alguem o chamava.
 D'ahi a pouco, no mesmo quarto em que mudára de farpela, dava-se a um trabalho de mil demonios para se desembaraçar das calças, muito justas nas pernas.
 — Ninguem desconfiou, é claro?
 — É claro que des
confiaram. Um gajo que estava sentado ao pé de mim, se me não safo tão depressa...
 — E disse-lhe alguma inconveniencia?
 — Lá bem inconveniencia...
 — O melhor, para outra vez...
 — O melhor para a outra vez, é não ir lá. Corto definitivamente a coleta.
 — E a quadrilha?
 — Lá isso fica como estava.
 E atirando com as suissas para cima da cama, a meia voz com despreso:
 — Isto é que é uma cambada!...»

Brito Camacho, Ao de Leve, Guimarães, Lisboa, 1913, pp. 60-62.

 

Fotografia: A.N.T.T., O Século, Joshua Benoliel, lt. 09, cx. 04, neg. 10.



Escrito com Bic Laranja às 07:30
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Segunda-feira, 30 de Janeiro de 2012
Além do fim do mundo

A.N.T.T., «O Século», J.Benoliel, lt. 08, cx. 10, neg. 04.


«O sr. João Franco acompanhou o Principe Real á festa das creanças, e pronunciou alli um grande discurso.

(Dos jornaes).

 


 

 — Muito interessante a festa, não é verdade?
 — Sim, foi interessante.
 — Muitas creanças, muitas flores, um dia lindo de sol... Aposto que estava a saltar-te o pé para o meio do rancho, rindo e brincando como todos, como se fossem todos do mesmo collegio?
 — Tu estás doida, avósinha? Comprehendo muito bem os deveres do meu cargo, e em nenhuma situação me esqueço de quem sou, e do que repre­sento.
 — Bravo, meu filho! gosto de te ouvir falar assim, porque isso me prova que serás um dia o representante illustre dos teus illustres antepassados.
 — Assim o espero.
 — Assim o creio. E falaste ás creanças?
 — Não, avósinha. Ninguem me disse para lhes falar, nem eu sabia o que havia de dizer-lhes.
 — Por certo, não sabias; mas se isso fosse uma razão para não falar, muita gente estaria calada n'este paiz de palradores. Quem falou então?
 — Houve só um discurso...
 — Sim, está claro, falou s. ex.ª. E o que disse?
 — Para te falar com franqueza, avósinha, eu pouco ouvi do que elle disse. Mesmo na minha frente estava um garoto vestido de marinheiro, muito in­teressante, que passou todo o tempo a fazer cocegas no pescoço de uma senhora muito gorda, de nariz abatatado, que estava adiante d'elle, na fila immediata. De cada vez que o rapazinho lhe passava um canudinho de papel, muito delgado, pela pennugem do cachaço, atraz das orelhas, a velha fazia umas caretas muito exquisitas, aflicta, com medo de perder a linha em momento tão solemne. Não imaginas como era divertida a velhota. Diver­tida e estupida, porque nunca desconfiou do garoto, que se encolhia todo para não desatar ás gargalhadas. De modo que...
 — De modo que não ouviste o discurso de s. ex.ª.
 — Não ouvi tudo, é certo; mas alguma coisa ouvi. Por exemplo, ouvi-lhe dizer que n'outros tempos os povos eram dos reis, e que hoje os reis são dos povos. Que quer dizer isto, avósinha?
 — Quer dizer, meu filho, que n'outro tempo, os creados recebiam ordens dos patrões, e cumpriam-n'as; hoje os patrões recebem ordens dos cre­ados, e cumprem-n'as.
 — Credo! Mas isso é o fim do mundo.
 — Pede a Deus que não seja o fim da dynastia.»

Brito Camacho, Ao de Leve, Guimarães, Lisboa, 1913, pp. 63-65.

 

Fotografia: A.N.T.T., O Século, Joshua Benoliel, lt. 8, cx. 10, neg. 4.



Escrito com Bic Laranja às 08:05
Verbete | Comentar

Domingo, 29 de Janeiro de 2012
Gatos de alfândega
 Brito Camacho, Ao de Leve (Guimarães, 1913)

« O governo resolveu supprimir todas as gratificações por serviços extraordinarios.

(Dos jornaes).

 


 

   Iam alli implorar a protecção de S. Ex.ª.
   — De que se trata então?
   — Somos tres chefes de familia, tres honrados servidores do Estado que vimos...
   — Está bem; mas o que desejam?
   — Como V. Ex.ª sabe, acabaram as gratificações, e aquelle de nós tres que mais ganha não chega a ganhar trinta mil réis men­saes, sujeitos a descontos.
   — Perfeitamente; mas os senhores são empregados...
   — Saberá V. Ex.ª que da Alfandega.
   — Ora é isso mesmo, da Alfandega. Eu não posso augmentar-lhes o ordenado, e como a verba das gratificações foi supprimida.
   — Se V. Ex.ª dá licença...
   — Como a verba das gratificações foi supprimida, e não depende de mim restaural-a...
   — Se V. Ex.ª quizesse ter a bondade de se interessar por nós, mesmo sem nos augmentarem os ordenados e sem restabele­cerem as gratificações...
   — A accumulação de serviços equivale a uma gratificação...
   — Queira V. Ex.ª desculpar, mas tudo se arranjaria facilmente se o sr. conselheiro quizesse ter a bondade de nos tomar sob a sua protecção...
   — É que não vejo maneira...
   — O que nós pedimos é muito pouco, e não é preciso tiral-o ao Estado, ou a quem quer que seja.
   — Em summa, o que é que os senhores desejam?
   — Nós desejávamos ser nomeados... gatos da Alfandega.
   — Gatos da Alfandega?!!...
   — É verdade, sr. conselheiro, gatos da Alfandega. Isso daria uns 9$000 réis por mez, a cada um, o que seria uma ajudasinha para a renda da casa.
   — Os senhores vieram aqui para se divertirem commigo?
   — Ó sr. conselheiro, pelo amor de Deus! Nós viemos aqui implorar a valiosissima protecção de V. Ex.ª, juramol‑o pela bôa saude das nossas mulheres e dos nossos filhos...
   — Gatos da Alfandega! Mas então os senhores perderam o juizo?
   — Não, senhor conselheiro; o que nós perdemos foi a gratificação.
   — Ou anda tudo doido, ou eu não sei onde tenho a cabeça. Mas o que vem a ser isso de gatos de Alfandega?
   — Saberá V. Ex.ª que havendo milhões de ratos na Alfandega, sem respeito nenhum pelas mercadorias que alli se acham depo­sitadas, e havendo todos os dias reclamações por causa dos prejuizos que estes causam, foi creada a corporação dos Gatos da Al­fandega, para a sustentação da qual ha uma verba de proximamente trinta mil réis por mez.
   — Está bem; mas se essa verba é para sustentação dos gatos...
   — Desculpe V. Ex.ª; mas se esses empregados cumprem rigorosamente o seu dever, apanhando os ratos, não precisam que os sustentem, porque arranjam elles proprios os seus sustentos; e se alli estão só para receberem o ordenado, deixando os ratos em liberdade, não é justo que se gaste com elles um dinheirão, ao passo que honrados chefes de familia...
   — Pois está bem; vou informar-me do caso e prometto-lhes interessar-me pelos senhores.
   — Muito obrigado, sr. conselheiro, muito agradecido a V. Ex.ª.
   Tinham dito a verdade os honrados chefes de familia, e porque o conselheiro não era homem que faltasse á sua promessa, foram os tres nomeados gatos da Alfandega, como poderiam ser nomeados secretarios do ministro, ou revisores do caminho de ferro.
   Os verdadeiros gatos emigraram, e uma commissão de ratos foi cumprimentar os tres honrados chefes de familia, quando viram as nomeações no Diario do Governo

Brito Camacho, Ao de Leve, Guimarães, Lisboa, 1913, pp. 84-88.



Escrito com Bic Laranja às 17:35
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Sábado, 28 de Janeiro de 2012
Casa Sonotone (finalmente!)

«Promiscuidade gráfica», [s.l.] (Alves Pereira, 2011)

 Até aqui era mal de ouvido. A gente queixava-se da asneira, bradava sonoramente contra o engano e parecia tudo surdo. Depois agora, com a «promiscuidade gráfica a campear», como tão apropriadamente diz o meu correspondente que em boa hora me enviou esta imagem, parece que alguns começam a ver a asneirada cacográfica com que apedrejaram a nação que os elege. Por certo foram a alguma loja do Grupótico à procura de óculos com que pudessem ler a vergonha gráfica dos diários da Assembleia e da República e vai daí, ledo engano, saiu-lhes uma prótese auditiva. — Olha! Melhoraram das otites; soa que alguns do meio do Atlântico já ouvem, finalmemte, as consoantes «mudas».

Deputados do P.S.D./Açores na Assembleia da República defendem Aplicação do Acordo Ortográfico deve ser suspensa em Portugal

 Os deputados do P.S.D./Açores na Assembleia da República pretendem saber se o Acordo Ortográfico vai ser suspenso em Portugal.
Num documento remetido ao ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, os deputados Mota Amaral, Joaquim Ponte e Lídia Bulcão referem que «agora que a aplicação do Acordo Ortográfico se tornou obrigatória nos documentos oficiais, vai surgindo com evidência o empobrecimento da língua portuguesa dele decorrente» [...]
(in Diário Insular
, 28/1/2012, apud I.L.C.A.O.. Sublinhado meu.)

 


Fotografia gentilmente cedida pelo sr. Alves Pereira.



Escrito com Bic Laranja às 16:33
Verbete | Comentar | Comentários (12)

Pais contra a cacografia no ensino

Já avisou na escola que não deixa a filha aprender as normas do Acordo Ortográfico. E acredita que a lei está do seu lado

 Um pai está a tentar impedir que a filha de oito anos aprenda Português com as novas regras do Acordo Ortográfico (A.O.). «Já falei com o professor e expliquei à directora que não aceito que ela seja ensinada assim», explicou ao SOL José Manuel Bom, que acredita que o A.O. não está em vigor. «Nada revogou o decreto-lei de 1945 que define as regras da ortografia que usamos», defende o consultor, que ainda não obteve da escola qualquer reacção. «Até ao momento, ainda não tive resposta». De resto, o SOL tentou também sem sucesso ter uma resposta do Agrupamento de Escolas Eugénio dos Santos, em Lisboa, que não fez qualquer comentário.

Pais à procura de apoio jurídico

 José Manuel Bom acredita, contudo, que não está sozinho. «Há na internet vários pais que anunciam em blogues que não querem os filhos a aprender regras absurdas», conta o encarregado de educação que se queixa de não perceber a forma como a filha pronuncia as palavras escritas com a nova ortografia. «Há palavras que ficam irreconhecíveis. Por exemplo: deixa de haver uma maneira de diferenciar para’ e ‘pára’, porque o acento do verbo desaparece».
 Já a resistência por parte dos professores pode ser muito mais difícil. «Têm-me chegado denúncias de professores que anunciaram que não iriam aplicar o Acordo e que, por isso, começaram a ter as piores turmas e os piores horários e a ser alvo de verdadeiras perseguições por parte das direcções», revela João Pedro Graça.
 O Ministério da Educação e Ciência (M.E.C.) assegura, contudo, não ter conhecimento de qualquer situação em que pais se estejam a recusar a que os filhos estudem com a nova ortografia.

Margarida Davim, «Resistentes ao acordo ortográfico», Sol, 27/1/2012, apud I.L.C.A.O..


 Acabei de remeter ao gabinete do Exmo. Sr. Ministro Crato um recado com esta notícia. Para já, o Ministério da Educação não pode continuar a assegurar não ter conhecimento de qualquer situação em que pais se estejam a recusar a que os filhos estudem com a nova ortografia. Depois exorto todos os Pais e Encarregados de Educação a reclamarem directamente a S. Exc.ª o Sr. Ministro Crato para que ele aja, como é de seu dever.

RECLAME! O novo Portal do Governo foi pago com os seus impostos...

(Prima na imagem. RECLAME!) 



Escrito com Bic Laranja às 13:52
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Reclamação - 01912002578

C.G.D. - Reclamação
Prezados srs.,

 

 Recebi V/ carta de 23/1/2012 sobre seguros de vida. Extensa, e redigida nessa grafia manhosa que o Conselho de Ministros e a Assembleia agora recomendam por meio de duas resoluções. Ora nenhuma resolução do governo ou da Assembleia se sobrepõe legalmente a decretos-lei em vigor, logo a ortografia portuguesa não pode deixar de ser a do Decreto n.º 35.228 de 8/12/1945, com as alterações do D.L. 32/73 de 6/2 (*).
 Exposto isto, acrescento-vos: nada do que me chegue redigido nessa cacografia crioula que pretendeis crismar como português me é legível. Tropeço nos erros e um asco incontrolável tolhe-me toda a leitura. Por conseguinte não me escrevais mais desta maneira ou vereis rejeitada a v/ correspondência.

Cumpts.
[Cliente muito bem identificado]


De: CGD Espaço Cliente
[cgd.espaco.cliente@cgd.pt]
Enviado: sábado, 28 de Janeiro de 2012 12h54
Para: [Cliente muito bem identificado]
Assunto: Reclamação - 01912002578

Exmo(a) Senhor(a) [Cliente muito bem identificado],

 As exposições dos nossos Clientes merecem-nos toda a atenção e são entendidas como um meio privilegiado para identificar oportunidades de melhoria que permitam aumentar a qualidade do serviço prestado pela Caixa. Neste contexto, agradecemos o seu contacto, registado com o número - 01912002578, a que responderemos com a maior brevidade. Esta referência pode ser utilizada em futuros contactos.

Com os melhores cumprimentos,
Gabinete de Apoio ao Cliente

Nota: Por favor não responda para esta caixa de correio electrónico, que se destina exclusivamente ao envio de mensagens.
Caixa Geral de Depósitos



Escrito com Bic Laranja às 13:01
Verbete | Comentar | Comentários (1)

Sexta-feira, 27 de Janeiro de 2012
Diz a S.I.C. que adoptou o Acordo Ortográfico, não foi?

Telejornal, S.I.C., 27/I/2012
Jornal da Noite, S.I.C., 27/1/2012.
Via mural de «'Tá bonito» no livro das fuças.



Escrito com Bic Laranja às 22:23
Verbete | Comentar | Comentários (9)

O mecânico de aviões Lobato

 O mecânico Lobato põe em movimento a hélice do avião n.º 30.

 

O mecãnico Lobato, [s.l.] (A.N.T.T., SEC-AG-2247I.)
O mecânico Lobato, [Vila Nova da Rainha?], 1934.
A.N.T.T., Arquivo do Jornal O Século, ref.ª PT/TT/EPJS/SF/001-001/0031/2247I.



Escrito com Bic Laranja às 19:07
Verbete | Comentar

Quinta-feira, 26 de Janeiro de 2012
Afundaram o quê?

Linguagem de pretos...



Escrito com Bic Laranja às 14:00
Verbete | Comentar | Comentários (3)

Que país mais atrasado!

DESTAK20120126.jpg 
(Destak, 26/I/2012)



Escrito com Bic Laranja às 12:05
Verbete | Comentar | Comentários (15)

Terça-feira, 24 de Janeiro de 2012
Os críticos inteligentes

« Os criticos intelligentes que accusaram O CRIME DO PADRE AMARO de ser apenas uma imitação da FAUTE DE L'ABBÉ MOURET não tinham infelizmente lido o romance maravilhoso do snr. Zola que foi talvez a origem de toda a sua gloria. A semelhança casual dos dois titulos induziu-os em erro.
  Com conhecimento dos dois livros, só uma obtusidade cornea ou má fé cynica poderia assemelhar esta bella allegoria idyllica, a que está misturado o pathetico drama d'uma alma mystica, ao O CRIME DO PADRE AMARO que, como podem vêr n'este novo trabalho, é apenas, no fundo, uma intriga de clerigos e de beatas tramada e murmurada á sombra d'uma velha Sé de provincia portugueza.
  Aproveito este momento para agradecer á Critica do Brazil e de Portugal a attenção que ella tem dado aos meus trabalhos. 
  Bristol, 1 de janeiro de 1880.

Eça de Queiroz
(Nota da 2.ª edição)

 

O Crime do Padre Amaro (Eça de Queiroz, Porto, Chardron, 1901)
Eça de Queiroz, Crime do Padre Amaro (Scenas da Vida Devota), 4.ª ed., Porto, Livraria Chardron, 1901.

 
Isto a propósito de algumas bojardas...



Escrito com Bic Laranja às 10:27
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Segunda-feira, 23 de Janeiro de 2012
«Portugal devastado pelas agoas. Os temporaes de dezembro»

Rua de Cascais, Alcântara (J. Benoliel, 1910)
Rua de Cascaes em Alcantara, Lisboa, 1910.
A.N.T.T., O Século, Joshua Benoliel, cota desc. 018.



Escrito com Bic Laranja às 21:42
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Domingo, 22 de Janeiro de 2012
Mãi

 Há uma reforma ortográfica que é a da «mãi» (Portaria 7:117, Diário do Govêrno n.º 126/31, I.ª Série, de 27 de Maio cf. § 5.º). Para irmos ao encontro do Brasil...

 Quem leia de Machado de Assis as «Histórias Sem Data» (Rio de Janeiro, B. L. Garnier, 1884) encontra lá quási um quarteirão de «mãis», dois pares e meio de «mamãis» mais ou menos bradadas (— «Mamãi, mamãi», bradou Ernestina entrando na saleta) e, para compor, meia dúzia de «mães».
 Ontem entrevi a «boa Mãi» de José de Alencar quando lia «Como e porque sou um romancista» (Rio de Janeiro, B. Leuzinger & Filhos, 1893); a boa senhora «assistia ao preparo de chocolate com bolinholos, que era costume offerecer aos convidados por volta de nove horas» — vem a pp. 18 e merece o episódio relatado um aparte, tem graça e valor histórico.

« Uma noite por semana, entravam mysteriosamente em nossa casa os altos personagens filiados ao Club Maiorista de que era pesidente o Conselheiro Antonio  Carlos e Secretario o Senador Alencar.
   Celebravam-se os serões em um aposento do fundo, fechando-se nessas occasiões a casa ás visitas habituaes, afim [sic] de que nem ellas nem os curiosos da rua suspeitassem do plano politico [antecipar a entrega do governo a D. Pedro II], vendo illuminada a sala da frente.
   Em quanto deliberavam os membros do Club, minha boa Mãi, assistia ao preparo de chocolate com bolinholos, que era costume offerecer aos convidados por volta de nove horas, e eu, ao lado com impertinencias de filho querido, insistia por saber o que alli ia fazer aquella gente.
   Conforme o humor em que estava, minha boa mãe ás vezes divertia-se logrando com historias a minha curiosidade infantil; outras deixava-me fallar ás paredes e não se distrahia de suas occupações de dona de casa.
   Até que chegava a hora do chocolate. Vendo partir carregada de tantas gulosinas a bandeja que voltava completamente destroçada; eu que tinha os convidados na conta de cidadãos respeitaveis, preoccupados dos mais graves assumptos, indignava-me ante aquella devastação, e dizia com a mais profunda convicção:
   — O que estes homens vem fazer aqui é regalarem-se de chocolate.»

 Adiante. Tornando à «boa Mãi» de Alencar em menino, o seu humor parece que se reflecte também na escrita do autor: Mãi/mãe.
 Com isto, não chegando a mães-de-santo nem nada que o valha, podia cuidar eu ainda assim, serem as «mãis» mais tropicais do que reinóis quando, já não sei por que estranho acaso, abri «O Crime do Padre Amaro» (4.ª ed., Lello, Porto, 1901) e li:
 « — Adeus Ruça! estás magrinha: pega-te com a Senhora Mãi dos Homens.»
 É na página 70.


Varias rimas ao Bom Jesus e à Virgem Gloriosa Sua Mãi e a Santos Particulares (Diogo Bernanrdes, Lisboa: na Of. de Miguel Rodrigues, 1770)
Diogo Bernardes, Varias Rimas ao Bom Jesus, e á Virgem Gloriosa Sua Mãi.., Lisboa, 1770.
(Biblioteca Nacional de Lisboa http://purl.pt/181/3/)



Escrito com Bic Laranja às 13:36
Verbete | Comentar

Quarta-feira, 18 de Janeiro de 2012
Subsídio de férias!

Desembarque de caixotes com ouro destinados ao Banco de Portugal («O Século, 31/III/1937)
O desembarque de caixotes com ouro destinado ao Banco de Portugal, Porto de Lisboa, 1937.
A.N.T.T., Dp6/Sl1/Arm1 (O Século, 31/3/1937).



Escrito com Bic Laranja às 17:00
Verbete | Comentar | Comentários (13)

Domingo, 15 de Janeiro de 2012
Concerto


John Williams & Orquestra da B.B.C., Concerto de Aranjuez (J. Rodrigo), 1.º andamento.



Escrito com Bic Laranja às 22:30
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Adéga Regional

 Adega não leva acento. Não me lembro já em que livro (há-de ter sido naquela época em me deleitava a descobrir, fascinado, grafias antigas em velhos alfarrábios a que ia deitando a mão, coisa lá da segunda metade dos anos oitenta) aprendi que os antigos diziam adêga, tal como também diziam côche. Cousa de que os modernos já nesse tempo haviam perdida a noção... — Em boa verdade estas cousas não são tão lineares mas recorda-me de que eu e um camarada da demanda destas novidades antigas, naquele tempo, simplificávamos assim e orgulhávamo-nos de recuperar assim a esquecida prosódia, se possível a par duns quantos arcaísmos. Os antigos sabem sempre melhor, era a noção implícita que tínhamos, e corrigíamo-nos certas vezes quando o hábito de dizermos adéga e cóche aflorava naturalmente sobrepondo-se ao que descobríramos ser o melhor português. Erudito que nos ouvisse havia de ficar impressionado com tão ecléctico alardear de meros rapazolas. E os comuns só ganhavam em nos ouvir.   Esta vaidade imberbe havia de ter dado em vergonha mais tarde, quando ganhámos o hábito de veranear por Colares...

Adéga Regional de Colares (A.N.T.T., c. 193...)
Adega Regional, Colares, 1937.
O Século (29/3/929), in A.N.T.T., PT/TT/EPJS/SF/001-001/0042/0395L.



Escrito com Bic Laranja às 15:07
Verbete | Comentar | Comentários (11)

Sábado, 14 de Janeiro de 2012
Ál-var-o

Ál-var-o, executivo da tróica

 — « É importantíssimo fazermos as reformas laborais que tróica determinou.»
 Se não foi isto anda perto — o que o ministro (?) Álvaro disse na televisão.
 Tão desgraçada sujeição dum ministro de Portugal, fosse ele reflectido e houvesse um mínimo de brio, não na haveria nunca de revelar assim diante das câmaras. Agora, quando a esperteza nem para aprender a estar calado dá, imaginai só que trabalho acabará por produzir...

(Imagem do Álvaro a fazer de ministro na página da comissão liquidatária.)



Escrito com Bic Laranja às 00:30
Verbete | Comentar | Comentários (10)

Sexta-feira, 13 de Janeiro de 2012
Da fuga de capitais

  Os prostitutos do idioma inventaram agora a «deslocalização de capitais». Dantes dizia-se fuga de capitais mas a chularia politicamente correcta deve andar a querer amaciar os desvios.

Cadeia do distrito de Colômbia (Harris & ewing, 1919)
Cadeia do distrito de Colômbia, E.U.A., 1919.
Harris & Ewing, in Shorpy.



Escrito com Bic Laranja às 23:42
Verbete | Comentar | Comentários (6)

A polícia da saúde

Até aqui os fumadores quedavam-se à porta como os cães. Agora quere-se que vão morrer longe.

Times Sq., Nova Iorque (J.Vachon, 1943)
Anúncio aos cigarros Camel na Times Square, Nova Iorque, 1943.
John Vachon, in Shorpy.



Escrito com Bic Laranja às 21:55
Verbete | Comentar | Comentários (3)

Agenda cultural da câmara

Cara [Correspondente],

Repare no texto (7.ª linha):
«[…] prostituição nas ruas realiza-se na terceira terça-feira de cada mês e tem encontro marcado às 10h30 no café A Brasileira.»

Ainda continuei a ler até às «arquiteturas» mas confesso que tais arqui-preeminências aliadas ao texto anterior me intimidaram um tanto.
De toda a forma obrigado pela agenda.
Cumpts.

[Do blogo Bic Laranja]


De: [Correspondente identificada]
Enviado: 13 de Janeiro de 2012 11:14
Assunto: Azulejos em Lisboa


Prostituição nas ruas... (Agenda Cultural da C.M.L., 13/1/2012)

(Agenda cultural da C.M.L., 13/I/12.)



Escrito com Bic Laranja às 17:15
Verbete | Comentar | Comentários (16)

Abril 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13

17
18
19
20
22

24
28
29

30


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Alpendre (O) (pub)
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Palaurossaurus Rex
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----