Terça-feira, 31 de Julho de 2012
Palacete que houve

 ...
 Estava aqui meio para ver o que me saía do título para dizer sob o palacete e diz-me a senhora: -- «Palacete couve? E palacete alface, não há?»
 Calhou bem o trocadilho, que assim já me sai escrita alguma coisa sobre esta casa da Avenida Ressano Garcia, na esquina com a Visconde de Valmor. Ficava onde é hoje o 45 da Av. da República. O palacete a seguir (à direita), mais modesto, temos a ventura de o ter lá. -- Mais um milagre!...
 Bom, e no meio disto acabei por dizer à senhora o óbvio; palacete alface não sei; não conheço. Há, sim, pátios e Pateo alfacinha. Mas não era deles que ia tratar. É do que se opunha diametralmente ao clube de empresários, na esquina da Visconde de Valmor com a Ressano Garcia...
 Fazia lembrar uma escola primária.

fotografia.JPG
[Av. Ressano Garcia] Av. da República, 45, Lisboa, c. 1905.
Paulo Guedes, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 22:00
Verbete | Comentar | Comentários (2) |

Sábado, 28 de Julho de 2012
R.T.P. em directo

Olé! (R.T.P., Corrida TV Norte, 2012)

Olé!


(Imagem da R.T.P.: Corrida TV Norte, 2012.)



Escrito com Bic Laranja às 13:46
Verbete | Comentar | Comentários (13) |

Fraca protecção solar...

« O snr. Manoel Pires, pharmaceutico approvado por outro pharmaceutico que não foi approvado em parte nenhuma, estabeleceu a sua botica n'uma aldêa do concelho de Carrazedo de Monte Negro. O seu laboratorio chimico era um fogareiro e uma retorta de vidro, emendada no collo por um cylindro de lata. A sua livraria era o Medico lusitano, in folio; uma Pharmacopeia, edição de 1700; e um pequeno volume intitulado ― Segredos da natureza. Os lotes, que eram seis, continham garrafões de barro vidrado, atapulhados de hervas, que tinham o merecimento chronologico de serem contemporaneas dos garrafões. Afóra isto, não sei que liquidos verdes e amarellos e azues variegavam um dos lotes, que, pelos modos, continha os remedios heroicos, como oleo de amendoas dôces, extracto d'amoras, solimão, e oleo de mamona.»

Camillo Castello Branco, «Aventuras d'um boticario d'aldêa», in Scenas Contemporaneas, 2.ª ed., Porto, Cruz Coutinho, 1862, p. 43.


A «diretora» desta nem com óleo de mamona lá vai.

Pharmacia com f..., Lisboa, 2012

Pharmacia com f... de fraquinha, Lisboa, 2012.



Escrito com Bic Laranja às 13:40
Verbete | Comentar | Comentários (5) |

Canábis?!...

Canábis?, Lisboa, 2012

Lisboa. (c) 2012.



Escrito com Bic Laranja às 13:05
Verbete | Comentar | Comentários (5) |

Sexta-feira, 27 de Julho de 2012
Casas demolidas

 Em Portugal devemos ser muito ricos. Muito ricos ou loucos. Só gente muito rica ou demente pode ser perdulária assim... — Veja o benévolo leitor! Veja as soberbas mísulas que suportam as varandas das casas geminadas. — Sabe o que lá fizeram?

 


Av. da República, 25-33, Lisboa, post 1908.
Paulo Guedes, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 22:21
Verbete | Comentar | Comentários (16) |

Inacreditável

 Por um qualquer milagre este casarão (moradia, segundo o arquivista) está de pé. Está à venda há um par de anos. Como foi classificado e não se pode demolir ninguém o compra.
 Pode o benévolo leitor vê-lo na Av. da República ante o Campo Pequeno. Mas para deliciar-se com os horizontes daquele lugar -- o forte do Monsanto dum lado e o arvoredo da Azinhaga das Freiras (Rua da Beneficência) lá para os altos da Torrinha -- prima a imagem se faz favor.


Av. Ressano Garcia, 77, Lisboa, 1907.
Paulo Guedes, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 21:43
Verbete | Comentar | Comentários (11) |

Fruto de certa concepção...

 Hoje falaram-me numa (apareceu-me diante, escrito) colega concetora e formadora...
 Os espanhóis têm a Inmaculada Concepción. Não sei se para os portugueses há alguma Nossa Senhora da Concepção. Nossa Senhora da Conceição há há muito; é padroeira do reino de Portugal (que já acabou) e é do tempo em que o bom povo português ditongava de seu natural em -ei-, -eu-, -oi-, -ou- e -ui- os grupos -pt- e -ct- latinos. Daí ter o génio da língua (o bom povo desses tempos) concebido «conceição» (< conceptionem) e gerado fruito (< fructum). Desde, porém, que a instrução passou formação (uma espécie de moldagem) Nossa Senhora deixou de guiar o bom povo e passaram a ser os governos. Governos de doutos (< docti) letrados que alatinaram o idioma tornando cá prenhes da concepção e dos fructos. E, finalmente, governos de analphabetos licenciados que são gênios concetores. Seus fruto é qui são azedo.

Portal da Língua, «Concetor» -- Palavra não encontrada



Escrito com Bic Laranja às 13:50
Verbete | Comentar | Comentários (6) |

Quinta-feira, 26 de Julho de 2012
Ódio a quê?!...

 Um artigo de 17 de Julho no Jornal de Oleiros — «Acordo Ortografico? Não, obrigado» —, pelo advogado dr. António Moreira, provocou uns perdigotos dum João acordita que cuspiu, «a verdadeira base da aversão ao A.O. [de] 90 em Portugal» é o «ódio latente antibrasileiro». — Formidável! — E logo ali, como português contrito de o ser, bolça que a reforma de 1911 é que feriu os brasileirinhos durante décadas, tadinhos; a eles, pobres ostracizados, mai-la sua ortoépia (ele diz prolixamente «traços de fonética e de sintaxe levados pelos 'valentes marinheiros' e 'heróis do mar'») de antigo e genuíno sabor português. Como contraponto, a nós portugueses (quais insectos), borrifa-nos de cacofonia (ele chama-lhe «mal falar»...) pelo castiço nortenho «vâlho» e «Tâjo» (notai já agora que o étimo latino aqui é Tagus — está justificado o «a»).
 Pois bem, por desfastio larguei-lhe lá uma rabecada que vai levar tempo a publicar. E por certo não na há o destinatário de entender. Mas aqui o benévolo leitor entende-me.

« Ódio latente antibrasileiro? Não desvie a questão. Porque haverão os portugueses em Portugal de sujeitar-se a uma grafia brasileira quando o Brasil firmou de livre vontade o Acordo de 45 e não honrou a palavra? Ainda agora, depois desta despropositada e desqualificada reforma [de 90], o Vocabulário da Academia Brasileira ignora imperialmente os neografismos absurdamente portugueses como "receção", "deceção", &c. [v. «Busca, Malaka! Busca!»]
  Pior do que chamar ódio latente antibrasileiro ao sentimento pátrio legítimo dos portugueses (ou não podem já os portugueses pugnar pelo que é seu sem serem enxovalhados como racistas?), pior que isso, dizia, é o comprovado desprezo da Academia Brasileira pelo português legítimo (*) dos portugueses; tão legítimo como o português de qualquer outro. Foi isso que Angola tão bem entendeu e por tal se não sujeitou a ditame tão abrasileirado na forma como no motivo.
  O Brasil roeu a corda ao acordo de 45 e desafio quem quere que seja a mostrar-me uma palavra de ódio antibrasileiro dos portugueses quando se isso deu em 1955. Os brasileiros sim, faltando à palavra, destilaram ódio aos colonizadores portugueses (**) esquecendo-se (ou não no sabendo entender) que os colonizadores do Brasil são aqueles mesmos que lhe regeram e regem o destino. Tratantes falhos de entendimento e sem palavra que intentam agora despudoradamente colonizar Portugal, Angola, &c.
   Em suma, vergar a cerviz em 1990 a quem não teve palavra em 45 e negociar o que já fora negociado rastejar como se nada fosse é duma humilhação inqualificável. Proclamar um presidente de Portugal em 2008 o ratificar da humilhação em terra brasileira, e dizê-lo assim — e dizê-lo assim! — que foi por pressão de algo ou alguém (***), isto então é já qualquer coisa que nem sei dizer o nome! — Mas talvez venham daí os acorditas novíssimos do Restelo esclarecer-me que este presidente de ópera bufa nutre um ódio antiportuguês latente, a verdadeira base da imposição do A.O. de 1990 em Portugal.»

As vergonhas do Malaca
(O. Braga. Série d' «As Vergonhas do Malaca».)

 


(*) O português dos portugueses é por definição legítimo. Por mais abastardado que se torne. O mesmo se diria do brasileiro dos brasileiros...
(**) «[...] à mistura com o Acordo, segundo consta o anedotário, os distintos Senadores brasileiros consumiram largo tempo a discutir os malefícios da colonização lusitana e o ouro levado do Brasil, no tempo de D. João V [...]». António Viriato, «O Trigo e o Joio, a propósito do Desacordo Ortográfico», in Alma Lusíada, 23/III/2011.
(***) «Quando fui ao Brasil em 2008, face à pressão que então se fazia sentir no Brasil, o Governo português disse-me que podia e devia anunciar a ratificação do acordo, o que fiz.» Cavaco Silva sobre o seu papel na ratificação do Acordo Ortográfico («Cavaco elogia Acordo Ortográfico mas confessa que em casa ainda escreve à moda antiga», Público, 22/V/2012.)



Escrito com Bic Laranja às 23:02
Verbete | Comentar | Comentários (12) |

Quarta-feira, 25 de Julho de 2012
Rodando mui ligeiramente a vista

Abarcando á esquerda a Av. Antonio Maria Avellar.


Avenidas Novas em construcção, Lisboa, c. 1900-10.
A.N.T.T, «O Século», Joshua Benoliel, Lote 9,cx. 2, neg. 8.



Escrito com Bic Laranja às 09:01
Verbete | Comentar | Comentários (6) |

Segunda-feira, 23 de Julho de 2012
Avenidas Novas em construcção

 Há algum tempo topei com esta no Archivo da Torre do Tombo, na collecção d' O Seculo. Ao fundo, á esquerda, topa-se o Campo Pequeno; a deante um palacete. Pelo angulo pareceu-me que o gaioleiro que se constroe podia ser na Av. José Luciano (agora Elias Garcia) ou na Barbosa du Bocage, n'um dos quarteirões occidentaes da Av. Ressano Garcia (agora dicta da República). Succede que o palacete, que é a melhor referência, não se assemelha ao que houve em tempos no n.º 50 da hoje chamada Av. da República antes da construcção do horrendo mamarracho onde há uma B.D.O.; nem pode ser a Avenida José Luciano (ou Elias Garcia) porque o gaveto d'esta com a Av. Ressano Garcia (ou da República) é preenchido por um largo predio de rendimento da auctoria do architecto Ventura Terra, que jaz por lá esventrado (o predio de rendimento, não o architecto) por umas obras que faz que andam mas não andam.
 ...
 Podia ser na Visconde de Valmor (esta não foi chrismada pelos carbonarios não sei porquê) e o palacete ser n'êste caso o n.º 40 da dicta Av. da República, ainda de pé (quanto mais durará) — uma casa adjacente ao Club de Emprezarios. — Mas será...?

Av. Barbosa du Bocage, Lisboa (A.N.T.T., s.d.)
Avenidas Novas em construcção, Lisboa, c. 1900-10.
A.N.T.T, «O Século», Joshua Benoliel, Lote 9, cx. 2, neg. 8.



Escrito com Bic Laranja às 22:57
Verbete | Comentar |

Sábado, 21 de Julho de 2012
Av. da República, esquina com a Av. de Berna

Pouco mais duma dúzia de anos volvidos da demolição do palacete da Av. da República, 77 parece que havia um maior orgulho no edifício novo ali plantado. Tanto que a câmara mandou lá o fotógrafo João Goulart tirar-lhe o retrato. Hoje parece que não é já prédio de apreciar. Pelo menos a julgar das telas de publicidade que sempre o tapam...

Av. da Reública, esquina com a Av. de Berna, Lisboa (J.H. Goulart, 1970)
Av. da República, 77, Lisboa, 1970.
João H. Goulart, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 12:53
Verbete | Comentar | Comentários (9) |

Sexta-feira, 20 de Julho de 2012
Um português
O Professor José Hermano Saraiva aposentou-se. Foi Deus hoje servido de o ter em descanso. Amou as gentes e as coisas portuguesas. Ofereceu-nos um legado homérico de histórias, lendas e narrativas de Portugal. Para jamais a gente esquecer a nossa terra, a nossa História, a nossa alma. Fez o seu último da série "Alma e a Gente" ainda há pouco, no fim do ano passado; foi para o ar na própria noite de Natal a aconchegar-nos mais a Consoada. Enfim! Reformou-se o aedo da nossa alma de portugueses. Deus tenha a sua em descanso.

fotografia.JPG
(Imagem na Alma Algarvia.)

Escrito com Bic Laranja às 17:51
Verbete | Comentar | Comentários (23) |

Quarta-feira, 18 de Julho de 2012
Para ajustar ao verbete anterior


All About Eve, Martha's Harbour
(Top Of The Pops, c. 1988)



Escrito com Bic Laranja às 21:55
Verbete | Comentar |

...


Praia da Falésia, Algarve, 2011.



Escrito com Bic Laranja às 09:35
Verbete | Comentar |

Domingo, 15 de Julho de 2012
...

Praia da Falésia, 2011
Algarve, 2011.



Escrito com Bic Laranja às 12:00
Verbete | Comentar | Comentários (8) |

Agosto 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
14

17
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Visitante


Contador

Projecto de lei
Assinaturas: 14 112 (faltam 20 899)

Rejeita o Acordo Ortográfico e procura um meio de acabar com ele? Subscreva a Iniciativa Legislativa de Cidadãos! São dois passos:

  1. Assine em PDF ou em Word
  2. Remeta para:

  3. Apartado 53
    2776-901 Carcavelos (se por CTT)

A ILCao, não é uma Petição, é um Projecto de Lei redigido por um grupo de cidadãos para submissão ao Parlamento, sem qualquer patrocínio ou instituição subjacentes. A ILCao, é a forma directa e apartidária de exprimir a vontade popular à Assembleia da República.

A ILCao está redigida e publicada. Todas as informações estão disponíveis no sítio oficial http://ilcao.cedilha.net

  • NÃO SE RESIGNE. ASSINE!
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chez George Sand
Cidade Surpreendente (A)
Combustões
Corta-Fitas( pub)
Delagoa Bay (The)
Delito de Opinião
Dias que Voam
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
Garden of Philodemus
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Jansenista (O)
Lisboa
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Palaurossaurus Rex
Perspectivas(pub)
Pipàterra
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Pena e Espada(pub)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Fides