Sexta-feira, 31 de Agosto de 2012
O maçon (o outro)



 Certa vez — e dei conta dele aqui — vinha o meu bom amigo S. dois passos atrás do maçon (mas não vinha com ele) e, ao ver-me, desviou-se do caminho a segredar-me muito baixinho — «Aquele pertence a uma sociedade secreta. Toda a gente cá sabe que ele é maçon.»
 Pois é caso agora de eu procurar o meu bom amigo S. a dizer-lhe: «Epá! Toda a gente na internete sabe que tu pertences a uma sociedade secreta

(Verbete revisto às sete e vinte.).



Escrito com Bic Laranja às 12:44
Verbete | Comentar |

Quarta-feira, 29 de Agosto de 2012
Hora de...

E.N.224, Portugal (L. Gonçalves, 2011)

E.N. 224, salvo erro -- não me deu agora para o ir ver... É uma que leva de Arouca a Castelo de Paiva através da Serra de... Montemuro. Por ali...
Cliché de Luísa Gonçalves, 2011. Ideia do título plagiada ao Manuel do Gasolim.



Escrito com Bic Laranja às 23:30
Verbete | Comentar | Comentários (12) |

Terça-feira, 28 de Agosto de 2012
Vergonha, Ciberdúvidas!

« Ao mesmo tempo que verbera e zurze o «Público», o Ciberdúvidas — numa prova de grotesca parcialidade — não faz qualquer referência aos barbarismos que o «Expresso» e outros meios e entidades que — supostamente — grafam segundo o A.O.L.P. 90. Não se ouve nem se lê uma palavra no Ciberdúvidas acerca dos *patos (por pactos), *impatos (por impactos) *compatos (por compactos), *adetos (por adeptos), *fatos (por factos), *factos (por fatos), *contatos (por contactos), *adatações (por adaptações), *conveções (por convecções), *retos (por reptos), *fição (por ficção), *seção (por secção) — et caetera et ad nauseam —, com que o «Diário da República», C.P.L.P., a Administração Pública, a Lusa, o «Expresso», o «D.N.», o «Record» [melhor fôra «Recor»], «A Bola» e outros «abrilhantam» a língua portuguesa.  Vergonha, Ciberdúvidas! Contemplem o resultado de uma reforma "ortográfica" deficiente, lançada sem preparação adequada e sem instrumentos de suporte. Abram os olhos, abandonem a vossa mesquinha e cega parcialidade e vejam o estado de choldra ortográfica que se vive em Portugal.»
Rui Duarte, «Repreensão ao Ciberdúvidas», Ciberdúvidas, 27/VIII/12.

Arte & Emoção.
(Imagem da R.T.P., programa «Arte & Emoção».)



Escrito com Bic Laranja às 22:17
Verbete | Comentar | Comentários (16) |

Génio(s) constitucional(ais)

 No domingo o prof. vate Marcelo, e hoje também o prof. macróbio Adriano, agitaram a lei das doze tábuas do caminho para o socialismo por causa da R.T.P. (um frete velado às amesendadas carpideiras que ecoam, é o que é). Tem graça invocarem a Constituição porque a última grande coisa que ouvi dela, e por eminentes constitucionalistas, foi que por não dar agora jeito só valia em 2013.


(Revisto às vinte para as sete da tarde.)



Escrito com Bic Laranja às 16:35
Verbete | Comentar | Comentários (4) |

Segunda-feira, 27 de Agosto de 2012
O jornalista que vá e diga à vítima
image.jpeg

O dono do cão que matou uma mulher na sexta-feira em Matosinhos garante cumprir os requisitos exigidos por lei.
Lusa / Sol
, 27/VIII/12.


(Imagem da S.I.C. Notícias.)

Escrito com Bic Laranja às 22:12
Verbete | Comentar | Comentários (7) |

Investidores dispostos a perder dinheiro...?

Marco alemão

« A Alemanha voltou hoje a realizar um leilão de dívida com juros negativos, angariando 1.975 mil milhões de euros [= 1 975 000 000 000,00 € (!) ] (*) a uma taxa de juro média de -0,025 por cento. O sucesso do leilão significa que os investidores estão dispostos a perder dinheiro para...»

«Alemanha volta a financiar-se com juros negativos», Sol, 27/VIII/12.


Para nâo ganharem juros num simples depósito bancário?!...


(*) Naturalmente... o jornalista verteu 1.975 billion euros em 1.975 mil milhões deixando de traduzir o ponto decimal dos saxónicos pela vírgula do português. O resultado foi o disparate que se lê por extenso como mil novecentos e setenta e cinco mil milhões, ou seja, um bilião e novecentos e setenta e cinco mil milhões, quando a cifra da noticia, em rigor e em português corrente, era mil novecentos e setenta e cinco milhões de euros (1 975 000 000,00 € ou, como estranhamente tanto gostam agora os jornalistas de apresentar estas cifras, 1,975 mil milhões de euros). Soubessem eles ler o que escrevem... (Nota às dez para a meia noite.)



Escrito com Bic Laranja às 20:23
Verbete | Comentar | Comentários (4) |

Sábado, 25 de Agosto de 2012
R.T.P. em directo

Olé!

Olé!


Imagem da R.T.P.: 7.ª Grande Corrida da R.D.P./R.T.P.



Escrito com Bic Laranja às 14:56
Verbete | Comentar | Comentários (4) |

Sexta-feira, 24 de Agosto de 2012
A soberania?! Lembraram-se agora?!...
image.jpeg

 É formidável a vozearia patriótica da rádio e da TV a agitar pendões e a soprar trombetas por causa da alienação da R.T.P. e do fecho do 2.º canal. Quando escancararam as alfândegas a Bruxelas e venderam o Escudo aos alemães não se ouviu clamor de gente tão patriota! E quando agora renderam a nacionalíssima R.T.P. ao português do Brasil, qual destes patriotas se lembrou da soberania? Não perceberam que nas mãos em que Portugal anda metido tudo é mercadoria e que na oportunidade certa também lhes despachariam o tacho? Tadinhos!

(Fotografia sem legenda. A.N.T.T., Colecção d' «O Século», Espólio de Joshua Benoliel.)

Escrito com Bic Laranja às 21:08
Verbete | Comentar | Comentários (6) |

Icebergue em português lê-se aicebergue

 Sabia que o «i» em português já se lê «ai» como no amaricano? É na palavra «icebergue». A pronúncia correcta é dada adiante do vocábulo. A mosca já caiu na sopa do Priberam, mas a larva veio do esterco de dicionário que a Academia das Ciências de Lisboa editou sob a batuta do formidável Malaca. E o Portal do português brasileiro do I.L.T.E.C. exibe-o lá, também. Em ambos os casos (da Academia das Ciências e do I.L.T.E.C.) o dinheirinho para a obra foi dos contribuintes portugueses. Deve ser por isso que nem o Houaiss nem o Vocabulário Ortográfico que Academia Brasileira das Letras atirou ao presidentinho (*) Cavaco incluem a barbaresca aberrração; não lhes tocou nada... (O Aulete estranhamente menciona «icebergue», não sei porquê, mas não diz que se leia «aicebergue».)
 Icebergue (aice) com «i», benévolo leitor. Ai se... Ai se...




(*) Os diminutivos e aumentativos do(as) presidentes variam coloquial ou depreciativamente em género; assim: presidentinho, presidentona, é como cada um o mereça...



Escrito com Bic Laranja às 17:33
Verbete | Comentar | Comentários (10) |

Quarta-feira, 22 de Agosto de 2012
Henry Mancini, «Moon River»


(Festival de Maiorca, 1975.)



Escrito com Bic Laranja às 22:21
Verbete | Comentar | Comentários (3) |

Domingo, 19 de Agosto de 2012
Talhões da Espanha
Castelo de Olivença, in «Livro das Fortalezas» de Duarte das Armas

 Essa vedeta de «vaudeville» que é o chamado prof. Marcelo festejou agorinha mesmo, ao vivo e a cores, um não sei quem que aguentou a [igreja] matriz manuelina de Olivença por mais uma semana, ou lá o que foi, na corrida ao pódio dos melhores rincões de Espanha. Para aquela ave rara Olivença é um cantinho Espanha?! Quere ele que seja só Olivença, não quererá o Portugalinho inteiro?! Ele os muchachos da banda castelhana que se não acanhem e abocanhem afoitamente os Jerónimos e a Torre de Belém como pérolas do manuelino espanhol, vá!

(Imagem do «Livro da Fortalezas» de Duarte das Armas in «Montalvo e as Sciencias do Nosso Tempo».)

Escrito com Bic Laranja às 21:30
Verbete | Comentar | Comentários (2) |

O ar da minha terra no virar do séc. XX

 Uma imagem meia desconcertante do Chão da Feira. Há como que um certo rústico na scena: o ermo do lugar, o arvoredo esparso na parada do Castelo (e o horizonte até lá), a muralha descascada, a terra batida, as casas além do arco. Nem o gailoeiro à esquerda mai-la silhueta do lampião contradizem esta atmosphera. Bem pelo contrário...

Chão da Feira, Lisboa (Bárcia, c. 1900)
Chão da Feira, Lisboa, c. 1900.
José Arthur Leitão Bárcia, in Arquivo Fotográfico da C.M.L.

(Verbete revisto às 4h00 da tarde.)



Escrito com Bic Laranja às 11:04
Verbete | Comentar | Comentários (9) |

Quinta-feira, 16 de Agosto de 2012
Camillo, Byron e os bárbaros

« Entre os rapazes meus conhecidos da provincia, o meu inseparavel companheiro dos passeios a Carreiros era um mancebo de trinta annos, que tem hoje os seus sessenta e um, e está litteralmente escangalhado, como eu que o digo. Então era elle esbelto, e galhardo, amigo de mulheres novas e vinho velho, como Byron, que elle vira no theatro de S. Carlos em 1813, e affirmava que bebeu com elle uma garrafa de aguardente de canna no Nicóla, botiquineiro do Rocio. Parece-me pêta, porque Byron, se emborcasse uma botelha de aguardente em Portugal, não nos chamava barbaros. Paiz onde um inglez se embebedar, será sempre um paiz civilisado.»
Camillo Castello Branco, Scenas da Foz, 2.ª ed., Porto, Cruz Coutinho, 1860, p. 13.

Cork Convent, Cintra, 1840 (Stanfield, Elliot, Finden)
Cork Convent, arredores de Cintra (c. 1840).
Desenhado por C. Stanfield, a partir dum esquisso do Cap. Elliot. Gravação de E. Finden.
(Imagem do Blogo da Rua Nove.)



Escrito com Bic Laranja às 17:23
Verbete | Comentar | Comentários (4) |

Terça-feira, 14 de Agosto de 2012
Aljubarrôta

« E ante huũ pouco espaço q̃ se a batalha começasse : vinte ou trinta homẽs de pee portugueses : com grande medo se sayrõ dãtre a carriagẽ hõde estauã pera fugijr: pera Porto de Moos. E os ginetes de Castella q̃ ja andauam darredor da carriagẽ de Portugal os vyrem : e forom a elles : e elles se colherom a huũs vallados de siluas que eram contra Porto de Moos pera hõde elles fugiam. E como porcos aa calcada os matarom todos aas lãçadas que nom ficou nenhuũ. A qual cousa cõ a graça de Deos esforçou mujto aos portugueses que jamais nẽ huũ nom olhou pera fugir : ante dezião que todos queriã morrer como homẽs que morerem como porcos como aquelles que fugiram morrerom. E seendo oras de noa pouco mais ou menos se começou a batalha mortall (...) »

Coronica do Condestrabre de Purtugall Nuno alvarez Pereyra, principiador da Casa q̃ agora he do Duque de Bragãnça, sem mudar a antiguidade de suas palauras &c, Capitolo LI.




Escrito com Bic Laranja às 12:59
Verbete | Comentar | Comentários (4) |

Segunda-feira, 13 de Agosto de 2012
«O Preço da Juventude»

«O Preço da Juventude» teve estreia em Portugal em 24 de Maio de 1952, dia da inauguração do Império. Esta há-
-de ser desses dias.


Cinema Império, Lisboa (H.Novais, 1952)
Cinema Império, Lisboa, [1952].
Estúdio de Horácio de Novaes, in Bibliotheca d' Arte da F.C.G.



Escrito com Bic Laranja às 21:29
Verbete | Comentar | Comentários (13) |

Outubro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

17
18

21
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Visitante


Contador

Projecto de lei
Assinaturas: 14 112 (faltam 20 899)

Rejeita o Acordo Ortográfico e procura um meio de acabar com ele? Subscreva a Iniciativa Legislativa de Cidadãos! São dois passos:

  1. Assine em PDF ou em Word
  2. Remeta para:

  3. Apartado 53
    2776-901 Carcavelos (se por CTT)

A ILCao, não é uma Petição, é um Projecto de Lei redigido por um grupo de cidadãos para submissão ao Parlamento, sem qualquer patrocínio ou instituição subjacentes. A ILCao, é a forma directa e apartidária de exprimir a vontade popular à Assembleia da República.

A ILCao está redigida e publicada. Todas as informações estão disponíveis no sítio oficial http://ilcao.cedilha.net

  • NÃO SE RESIGNE. ASSINE!
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chez George Sand
Cidade Surpreendente (A)
Combustões
Corta-Fitas( pub)
Delagoa Bay (The)
Delito de Opinião
Dias que Voam
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
Garden of Philodemus
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Jansenista (O)
Lisboa
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Palaurossaurus Rex
Perspectivas(pub)
Pipàterra
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Pena e Espada(pub)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Fides