Domingo, 30 de Setembro de 2012
Calçada da Glória

Calçada da Glória, Lisboa (Ch-Flaviens, G Eastman House, 1900-19)
Calçada da Glória
, Lisboa, 1900-1919.
Foto: Charles Chusseau-Flaviens, in George Eastman House.



Escrito com Bic Laranja às 20:00
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Quinta-feira, 27 de Setembro de 2012
O fim do Verão da Fórmula 1

 Há uma frase sobre o Alain Prost em 1981 que me ficou: «Um salto no vazio canadiano e adeus forçado despique do título.» Nunca mais me esqueceu. Vinha no jornal Auto-Sport, na reportagem do G.P. do Canadá, o penúltimo do campeonato de 1981. Aquela frase li-a na legenda inspirada duma fotografia do Prost e se a imagem então não era esta agora, mas em papel de jornal, bem podia.

Alain Prost (Renault RE-30), Montreal, 1981 Esse Verão de 81 começou uma semana antes de começar, com 43º em Lisboa. Quinze dias antes fora o G.P. de Espanha, cheio de interesse -- terminaram cinco carros no mesmo segundo. O Gilles Villeneuve ganhou. Empecilho nas curvas, imbativel nas rectas... Ninguém tinha carro para bater a potência do Ferrari turbo em aceleração. E ninguém tinha engenho de bater o lento Villeneuve nas partes sinuosas do circuito de Jarama. Na bandeira de xadrez, os cinco primeiros acabaram a corrida no mesmo segundo.

 Por uma dessas razões que se não explicam, elegi o Prost como meu ídolo ao depois em Julho, num dia em que nem vi a corrida; fui para a praia o dia todo e quando vim à tardinha vi no telejornal a notícia do Prost ter ganho o G.P. de França. Talvez eu apreciasse o amarelo dos Renault no preto e branco da televisão...

 Certo foi que ganhei entusiasmo pela Fórmula 1 e com ele contagiei os meus inseparáveis da vida airada nesse Verão: o Zé, o Jaime e o Pedro. Mas eram eles pelo Piquet, coisa trivial e desenxabida por o fulano ser brasileiro. O Helder de Sousa, o Adriano Cerqueira e o Jorge Pêgo, comentadores do éter em VHF e em FM fomentavam-no, era notório. A verdade, sei-o hoje, era que para se ser pelo Piquet não era precisa nenhuma imaginação. Só uma perfeitinha e acabada falta de originalidade.

 O Pedro, porém, foi de logo pouco convicto do Piquet. Tanto que se fez adepto depressa do Pironi (um nome giro que fazia lembrar a sirene duma ambulância: pi-ro-ni, pi-ro-ni...) Mas esse ano o Pironi andava pouco ganhador, de modo que foi andando o Pedro mais pendurado no Villeneuve nesse Verão. -- No fundo era ferrarista, era o que era. -- Numa coisa estávamos de acordo todos. O piloto mais detestado era o australiano Alan Jones, o campeão de 1980. Mas também essa opinião os comentadores do éter fomentavam...

 Verão adiante, com o entusiasmo firmado na modalidade, descobri o semanário Auto-Sport, que publicava as reportagens dos treinos e das corridas. Saía às quintas e era uma impaciência esperar desde o domingo a quinta para ver a história da corrida contada no jornal. O primeiro que comprei foi depois do G.P. de Inglaterra em Silverstone. O John Watson ganhou inesperadamente e, segundo reza, ficou no circuito a celebrar até de madrugada. Mesmo quando ficou só ele a festa continuou.

 A seguir a este, no G.P. da Alemanha, o Jaime apareceu com o jornal da especialidade numa quarta-feira. Trazia o Piquet na primeira página, o vencedor em Hockenheim. Era o jornal Motor, que eu não conhecia. Acabava por dizer o mesmo que o Auto-Sport à quinta, mas sem imagens a cores.

 O Verão correu assim, com este entusiasmo e, depois de Monza, em meado de Setembro, o campeonato só aumentou de interesse: havia 5 ou 6 pilotos nas contas para campeão do mundo. O Prost, como vencera em Monza estava lá, claramente nessas contas. E foi então que, acabado já o Verão e com a outoniça chuva de Montreal, o Alain Prost deu o tal «salto no vazio canadiano»... -- Soube-o eu com menos poesia do que a posta na legenda do jornal, pela F.M. da Rádio Comercial, que mandou ao Canadá o locutor Jorge Pêgo. -- Adeus!... Ganhou o Laffite. -- E assim na última corrida sobravam no baralho só três valetes (Laffite, Piquet, e Reutemann) para se tirar um campeão. O G.P. dos estados Unidos, que montou tenda no parque de estacionamento do Palácio do César das Veigas (ou Caesar's Palace de Las Vegas), deu, pois, na sorte das cartas o valete brasileiro. Festejaram em cheio o Jaime e o Zé (ainda hoje festejam) o fim do Verão de Formula 1.


Notas:
O G.P. do Canadá de 1981 foi em 27 de Setembro.
Imagem de Motorpasión.



Escrito com Bic Laranja às 23:30
Verbete | Comentar | Comentários (18)

Quarta-feira, 26 de Setembro de 2012
Leiteiro à frente de duas unidades produtivas

Leiteiro, Lisboa, c. 1900.
Foto: Charles Chusseau-Flaviens, in George Eastman House.



Escrito com Bic Laranja às 19:06
Verbete | Comentar | Comentários (3)

Leiteiro a cavalo no macho


Lisboa: leiteiro, [Estr. de Benfica -- Jardim Zoológico], post 1902.
Foto: Charles Chusseau-Flaviens, in George Eastman House.



Escrito com Bic Laranja às 00:05
Verbete | Comentar

Domingo, 23 de Setembro de 2012
Praça do Chile

 O postal foi publicado pelo Sr. Agostinho Sobreira nas Ruas de Lisboa com História. É uma curiosa fotografia tomada dos andares cimeiros do velho Hospital de Arroios. O leitor que queira saber da Praça do Chile e dos marcos interessantes, antigos e modernos, nas suas adjacências pode ler com proveiro o blogo do Sr. Agostinho. Conto que me ele não leve a mal o tomar-lhe este postal porque me serve para explicar um detalhe de menor interesse acerca daquele prédio à direita da fotografia, cuja empena é tão notória. Dá ele a impressão que a harmonia da Praça do Chile fica ali cortada; o edificado não se conjuga com o círculo da praça.
 Pois bem, antes de haver ali qualquer praça, ou qualquer deste edifícios, o lugar era atravessado pela Estrada da Circunvalação, apenas. Mas não pense o benévolo leitor que essa estrada cruzava diametralmente o largo da Praça do Chile. Não. A Circunvalação era mais chegada lá e não coincidia com o primeiro troço da Rua Pereira Carrilho. Ela seguia junto ao lote daquele prédio cuja empena é tão notória em direcção à Estrada de Sacavém (hoje Rua Alves Torgo) alinhando-se precisamente com o enfiamento das escadinhas da Travessa das Amoreiras a Arroios. E a cêrca do convento (depois hospital), estendia-se até esse troço de via depois suprimido, que se desviou em alternativa mais para cá, para se alinhar com o caminho do Largo do Leão que hoje chamamos Rua Pereira Carrilho. Este nome estendeu-se naturalmente ao novo troço aberto pelos terrenos sul do Hospital de Arroios. O velho troço suprimido foi loteado e ali se construiu não tão em redondo; daí aquele lado menos harmónico na Praça do Chile.

Praça do Chile, Lisboa, 1942



Escrito com Bic Laranja às 23:56
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Sexta-feira, 21 de Setembro de 2012
Anúncio de tratantes

 O meu bom amigo Fernando C. dizia-me hoje que a Leya se prepara para fazer um feira de livros no Rossio, mas sobre o Acordo Ortográfico nem um pio.
 Pois é. A Leya é aquela editora que despede em Portugal e aposta no Brasil. E vem agora aí mancomunada com a Câmara Municipal do Intendente -- que lhe alugou o Rossio -- impingir-nos a livralhada que imprime em português mutilado. Mais. Há música, poesia, performance [?], vídeo e tudo. Só nos fica, por conseguinte, bem, a nós portugueses, ir agora ali comprar a tais tratantes.

Leya e Câmara do Costa fazendo pouco dos portugueses, Arroios, 2012

Literatos e não sabem escrever?, Arroios, 2012.



Escrito com Bic Laranja às 19:45
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Quinta-feira, 20 de Setembro de 2012
Da «performance»

Circular. Festival de...

« [...] A  8ª edição do Circular Festival de Artes Performativas apresenta novas criações que percorrem diferentes áreas artísticas como a dança, a performance, a música e o cinema.»


 Música, cinema, dança... todos sabemos o que são. Pelo contexto -- e com a ênfase que noto em «novas criações» -- soa-me a animação cultural esquerdóide (passe a redundância), tão absurda como falha de engenho. Algo como mimos de cara pintada ou o rapaz do realejo oferecendo «arte» às massas no metropolitano; tudo filmado «em vídeo-amador» para exibir como curta metragem a público pós-moderno.
 É bonito, pá! E moderno...  Mas performance?! Que género de arte é performance?...
Alto patrocínio ...



Escrito com Bic Laranja às 23:50
Verbete | Comentar | Comentários (5)

Terça-feira, 18 de Setembro de 2012
Resiliência

Como sobrevivíamos antes de haver esta palavra?



Trabalhávamos por objectivos?



Escrito com Bic Laranja às 19:24
Verbete | Comentar | Comentários (10)

Sexta-feira, 14 de Setembro de 2012
Queres fiado?

Ontem o primeiro ministro deu uma entrevista na TV e hoje todos comentam. O melhor comentário:

Zé Povinho das Caldas...
(Toma! - Zé Povinho das Caldas, de Raphael Bordallo Pinherio, surripiado na dita Enciclopédia Livre.)



Escrito com Bic Laranja às 13:45
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Quinta-feira, 13 de Setembro de 2012
Ricercati, «Rosa das Rosas»

(Cantigas de Santa Maria, X)



Escrito com Bic Laranja às 00:05
Verbete | Comentar | Comentários (5)

Quarta-feira, 12 de Setembro de 2012
«Há» por... «há»

Grammatica Portugueza pelo Methodo Confuso, Rio de Janeiro, 1928 

 Em «há» por «havia» houve alguns leitores a dizerem-me dos matizes do discurso directo e do tempo do enunciado (tempo do narrador) como motivo para emprego de «há» e não «havia». É verdade, mas sucede que um caso assim é outro caso (passe a repetição). Vede um exemplo mui antigo.

« — Señor amigo [...] saberdes [1] q̃ me prouue e praz serdes asy prestes como dizẽ que sodes [sois] porq̃ dias ha [2] q̃ esta mesma vontade tijnha [3] eu de vos hyr buscar hõde q̃r que fossees [fôsseis] [...]»
Mendes dos Remédios (rev.), «Chronica do Condestabre de Portugal», França Amado, Coimbra, 1911, p. 175.

 O caso é que «há» não se acha aqui por «havia». Acha-se «há» por si mesmo, por «há», como fácil é de entender.
 Epiphanio Dias diz-nos na sua «Syntaxe Historica Portuguesa» (§ 253. a) 1): — «Designa-se com o imperfeito o que tendo começado anteriormente, continuava ainda no tempo em que se deu um facto: Estava naquella casa havia 4 meses.» — Quanto se não ouve nem vê hoje: estava naquela casa 4 meses? — Se a coisa parece confusa, cheia de matizes, ou caucionada pelo uso e entrevista até em autores de noemada, pois bem: os nossos antigos não se equivocavam. Não achei um único desacerto do tempo na «Coronica» do Condestável (cfr. com Correio da Manhã). O levantamento é exaustivo.

— « E como quer que muyto tempo auia [2] que a ella chamauam dona [...] » (p. 11)
— « [...] por que pouco tempo auia que entrara e correra [4] grande parte dAntretejo e Odiana:» (p. 17)
— « [...] e q̃ dias auia que o muyto desejaua.» (p. 46)
— « [...] dias auia que o conhecia por boõ.» (p. 47)
— « [...] ja auia hũ dia q̃ Nunalurez era na cidade.» (p. 55)
— « [...] poucos dias auia que vierõ [4] de Guimarães.» (p. 105)
— « [...] porque dias auia que pera ello [isso] eram chamados e percebidos.» (p. 135)
— « E veendo como auia dias q̃ se nom fezera [4] nenhuũ a obra da parte dos portugueses:» (p. 164)
— « [...] porque auia muyto que nom forom [4] em nenhuũa obra.» (p. 165)
— « [...] dias auia que tijnha em vontade.» (p. 174)
— « E que a sua mercee sabia bem que dias auia que lho auia outorgado [...]» (p. 192)
— « Ca [porque] elle nõ as tinha tẽpo auia.» (p. 205)


[1] Não é novidade (literalmente) o tratamento antigo dum interlocutor na 2.ª pessoa do plural, uma elegância de linguagem completamente perdida que nos só empobrece o idioma. Já quando a aprendi na instrução primária, era sempre a conjugação mais difícil; o sr. Diniz foi o único interlocutor da minha infância a quem na eu ouvia correntemente.
[2] Uso medieval mais comum do verbo no fim da oração — «dias há»/«tempo havia» — mais próximo do Latim.
[3] Em «a mesma vontade tinha eu» (pret. imperf.) surge-nos só aparentemente a acção no passado; vem, com «tinha» a acção elipticamente a ser no presente, no tempo do narrador que nos fala previamente na primeira pessoa do presente: «me prouve e praz serdes assim»; por conseguinte, «vontade tinha [e tenho] eu de vos ir buscar». Demonstrado está que este caso não é de «há» por «havia».
[4] Forma do pretérito mais-que-perfeito que os nossos antigos empregavam pelo imperfeito e pelo condicional («Mas, em tanto que cegos e sedentos // andais de vosso sangue, ó gente insana, // não faltarão cristãos atrevimentos // nesta pequena Casa Lusitana: //  de África tem marítimos assentos; // é na Ásia mais que todas soberana; // na quarta parte nova os campos ara; // e, se mais Mundo houvera, lá chegara.» Lusíadas, VII, 14).

(Imagem surripiada dum sebo brasileiro e adaptada. Verbete ligeiramente revisto em 14/IX.)



Escrito com Bic Laranja às 17:03
Verbete | Comentar | Comentários (20)

Domingo, 9 de Setembro de 2012
«Há» por «havia»

Há oito dias zurzi a primeira página do Correio da Manhã por causa duma construção desengonçada. A leitora Maria deu uma redacção alternativa «... estava [separada] desde há três anos» em que lhe pareceria aceitável aquela oração restritiva «há três anos» com o verbo haver no presente. Ora  a redacção com «desde há» falha também a concordância de tempo. O tempo da narração é posterior ao passamento da senhora (vítima); a acção é inteiramente passada; a subordinada restritiva «há três anos» refere-se à copulativa «e estava separada do marido». Logo, «havia três anos» de separação no tempo em que decorreu a acção principal. Não vejo como a interpolação de «desde» permita mudar o tempo da oração subordinada.

Há por havia...

 Esta confusão de «há» por «havia» é demasiado corriqueira para que ouvidos hodiernos lhe notem o erro — gente grada diz p. ex. poderem haver municípios; o verbo «haver» faz-lhe confusão. — A Gramática assenta na lógica e as cabeças de hoje balizam-se entre as orelhas vazias dela, mormente as que botam discurso em televisões, de modo que nada nos salva... O erro alastra a tradutores e revisores, já o aqui mostrei a propósito do «Salazar» de Filipe de Meneses (Arte da Grammatica, 20/IX/2010). Pior. Notei-o em autores contemporâneos de nomeada. Em Jorge de Sena nos Sinais de Fogo, de cuja conta dei num comentariozinho no blogo Assim Mesmo, e nos autores clássicos — de que o comentador Montexto, lá no mesmo blogo, pedia exemplos sem crer que se achassem — pois...

  • A quarta pagina das gazetas andava, ha muito, alugada aos varios barateiros que se denominam numericamente como as dynastias... (Camillo Castello Branco, Noites de Insomnia, n.º 1, Chardron, Porto, 1874, p. 13).
  • E como nos não víamos muito, fomos cear juntos ao restaurante; (E. Queiroz, Contos, 3.ª ed., Lello, Porto, 1913, p. 49).
  • Queriam tambem pôr fóra os gregos, quando estes se lembraram de pedir o soccorro dos romanos, que andavam ha muito tempo de rixa velha com os Carthaginezes... (P. Chagas, Historia Alegre de Portugal, D. Corazzi, Lisboa, 1880, p. 7).

 O caso desta discordância de «há» por «havia» vem pelo menos da 2.ª metade do séc. XIX, já vemos. Pela literartura do séc. XX não há-de ter melhorado. Vai hoje como há-de ir — pior que nunca. Da maneira que o futuro do português se antevê, com a porcaria (orto)gráfica a meter no ensino klássicos em lugar dos clássicos, não deve sobrar muito que fazer. Ou sobra. Um trabalho (como se diz?) colossal...



Escrito com Bic Laranja às 11:35
Verbete | Comentar | Comentários (14)

Quinta-feira, 6 de Setembro de 2012
Discriminação injusta

 Havia hoje no noticiário da hora de almoço uma notícia de descriminação de ciganos. É realmente grande injustiça discriminarem-se os ciganos. Justamente porque não temos notícia de ciganos cometerem maldades. Não há nenhuma! Até pelo contrário...

image.jpeg
Criança da família Meneses em trajo de cigana, Jardim do M.N.A.A., 1926.
Eduardo Portugal, in Arquivo Fotográfico da C.M.L.


Adenda: É um facto que existe uma cultura antropológica portuguesa, diferente, por exemplo, da subcultura cigana. Essa cultura portuguesa tem características multi-seculares que se distinguem da subcultura cigana. E é um facto que a cultura cigana adquiriu, mediante pura observação empírica, algumas características que não abonam em favor do seu prestígio social — não estamos aqui a falar de preconceito: estamos a falar de constatação empírica de factos e de acontecimentos. &nbspQuando falamos em «ciganos» temos a tendência — e bem — a fazer um juízo universal, porque não há outra forma de pensar logicamente. As excepções à regra não definem a regra (não são a regra). E, ou neste caso a regra [de que os ciganos não são de fiar] é falsa e trata-se de preconceito, ou sendo verdadeira não a podemos objectivamente ignorar.
Orlando Braga, Perspectivas, 7/IX/12.



Escrito com Bic Laranja às 20:28
Verbete | Comentar | Comentários (13)

Terça-feira, 4 de Setembro de 2012
Pinhal da Falésia (o que resta dele)

Mais dois anos, menos 6 dias, mais cinco minutos.
Ou vice-versa.

 


14/VII/2010, 10h53.


8/VII/2012, 10h57.



Escrito com Bic Laranja às 07:55
Verbete | Comentar | Comentários (14)

Segunda-feira, 3 de Setembro de 2012
Edição de postais

IMG_2451.jpg



Escrito com Bic Laranja às 07:35
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Domingo, 2 de Setembro de 2012
Domingo à noite...

 

Telefonia antiga


(Aproveitando também para empurrar aqueles dois para baixo.)



Escrito com Bic Laranja às 23:54
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Alvares

A élite

Bava alvar (Expresso, 2/VII/2010)
Z. Bava, Expresso, 2/VII/2010.

O primeiro ministro

Pedro Coelho (O Diabo, 21/VIII/2012)
Pedro Coelho, O Diabo, 21/VIII/2012.



Escrito com Bic Laranja às 20:42
Verbete | Comentar | Comentários (21)

Regência de «arriscar(-se)»

Verbo transitivo: arriscar em... ou arriscar a*... (arriscar na lotaria ; arriscar a vida ). Verbo pronominal: arriscar-se a... (arriscar-se a ficar paralisado). Será muito difícil?...

Arrisca-SE.jpg

«Correio da Manhã», 2/IX/12.


(Deus queira que não! O moço de forcado...)




* O «a» ali veio a mais, não há proposição; o verbo «arriscar» é transitivo directo. Emenda às seis e meia da tarde.


Escrito com Bic Laranja às 11:37
Verbete | Comentar | Comentários (9)

Há por havia

H%E1-por-havia.jpg

«Correio da Manhã», 2/IX/12.



Escrito com Bic Laranja às 11:25
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11

15
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----