Terça-feira, 30 de Outubro de 2012
Campinos (Ribatejo em Lisboa)

 Cismava se esta era em Lisboa. Pelo porte, e pelo estilo, o palacete dizia-me que sim. Na Avenida da Liberdade? No Campo Grande? -- Parecia-me familiar, o palacete e, todavia, não atinava em lembrar-me.
 E aquele arvoredo à ilharga...
 Estaria de pé? -- Possível; um palacete de tão bom porte. -- E por outro lado, se falamos de Lisboa, a gosma e o mau gosto lá haviam de fazer das suas...
 Afinal é isso! O palácio Sabrosa, à Rotunda. E os campinos diante.


Campinos, Rotunda da Avenida (Ch.-Flaviens / G.E.H., 1900-1919)
Portugal. Picadors, Lisboa, 1900-1919.
Foto: Charles Chusseau-Flaviens, in George Eastman House.



Escrito com Bic Laranja às 12:18
Verbete | Comentar | Comentários (7)

«Couvent dos Jeronimos de Belem»


Lisbonne. Couvent dos Jeronimos de Belem, 1900-1919.
Foto: Charles Chusseau-Flaviens, in George Eastman House.



Escrito com Bic Laranja às 11:00
Verbete | Comentar

Segunda-feira, 29 de Outubro de 2012
Acordo ortográfico: um perigo para a saúde

 O artigo da tradutora Paula Blank, ontem no Público, é oportuno. Mais do que a ridícula tradução brasileira, o artigo aflora o problema (sério) da clareza das instruções de manuseio de equipamento hospitalar. A complexidade do equipamento e os riscos de mau manuseio são para os doentes, òbviamente, enormes. A displicência de alguns fabricantes (apesar da lei) para poupar tostões num tradutor nacional roça o criminoso. -- Se é para salvar vidas que fabricam equipamento hospitalar tão complexo, que sentido faz pô-las em risco com a tradução incompreensível de manuais de instruções? -- Eles, os fabricantes, não querem saber de avisos que os façam gastar dinheiro. E bem hão-de poder alijar a culpa, mormente por serem levados na falsa crença de a «unificação» ortográfica tudo resolver, indiferentemente, em termos de tradução para Portugal ou para o Brasil. Vede só até onde o reflexo do desconchavo ortográfico, com a mentirosa propaganda de união do português com linguagem portuguesa brasileira, pode levar o seu efeito nefasto.
  O «acordo» ortográfico, não só faz mal à saúde, como põe a vida em risco.


Manual (apesar de tudo sofível) duma máquina de lavar roupa. Serve de ilustração.

(Revisto às seis  e vinte da tarde.)



Escrito com Bic Laranja às 12:05
Verbete | Comentar | Comentários (15)

Domingo, 28 de Outubro de 2012
O «português» dos 200 milhões (*)

Na tradução do manual de um ventilador, feita por um tradutor brasileiro, lê-se:
« Usar o ventilador de maneira diferente como foi instruída pode causar danos ao digitalizar de RM [Ressonância Magnética].»


É isto português?

 

 

 

(*) Em 2008 ainda a cifra dos caipiras era só de 180 milhões...



Escrito com Bic Laranja às 20:30
Verbete | Comentar | Comentários (3)

Sábado, 27 de Outubro de 2012
Desvanecer, v. tr.

 Há dias perguntava-me um estimado correspondente se o verbo «desvanecer» podia ser intransitivo. Não me disse onde o achara.
 O Priberam diz que sim. O Aulete, na 1.ª ed. (1800 e carqueja), dá-o como transitivo ou pronominal. Só. E chega. Cheira-me a modernice; essa crioulização dos verbos pronominais que para aí esvoaça em perdigotos de mentecaptos: afastou o papel p[a]ra um lado, também fechando o tinteiro — e enfim desvaneceu. (Francisco Dantas, Cartilha do Silêncio, São Paulo, 1997). Uma das maiores revelações da literatura brasileira, a crer na descrição do produto...
 Com esta ainda não topara eu. Fico-lha a dever. Como conspurcação crioula ficamo-la todos a dever a quem bem sabemos.

Desvanecer, v. tr. e pr. (Aulete, 1881)
Diccionario Contemporaneo da Lingua Portugueza [Aulete], Lisboa, Imprensa Nacional, 1881.



Escrito com Bic Laranja às 23:21
Verbete | Comentar

Comboio de Chelas
fotografia.JPG

 Típica paisagem ribatejana em Lisboa.
 Ninguém me tira da ideia que é esta tirada do viaduto da Av. do Aeroporto sobre a linha de cintura. Até não há muitos anos a paisagem abaixo do Areeiro era assim como o Ribatejo. Com muita terra e o «pouca-terra, passa campo, passa serra...»
 Alguém que me convença daqueles contornos de casas na neblina da manhã não serem da quinta da Nossa Senhora da Conceição, da quinta das Hortas e lá longe, mais sumida, da do Armador? Lá, na cumeada da Maruja, cujas faldas desciam à Fonte do Louro.

Fotografia: «Comboio de Chelas», Areeiro, c. 1950. A.N.T.T.. Autor não identificado.


Escrito com Bic Laranja às 21:22
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Conversando da bola

Estádio do Benfica no tempo do 2.º anel. Jornalistas desportivos, calhando. E o porteiro, talvez...

fotografia.JPG
Fotografia: «Jornalistas [?]», Estádio do Benfica, [s.d.]. A.N.T.T.. Autor não identificado.



Escrito com Bic Laranja às 20:30
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Quinta-feira, 25 de Outubro de 2012
Dos reformadores e da estupidez em acção



Há tempos topei com um naco de prosa que diz bem o que são os reformadores de ortografias.

« É tão disparatado afirmar que escrever uma palavra com menos letras aproxima a grafia da fonética como afirmar que imaginar um cisne com menos penas torna a nossa imagem mental do cisne mais "próxima" do cisne real.
  Uma das motivações da reforma de 1911 era a ideia de que a "ditadura da etimologia" contribuía para o aumento do analfabetismo. Mas sendo assim não se compreende como os utentes do inglês não são maioritariamente analfabetos. Será que afinal não há qualquer correlação entre a ortografia e o analfabetismo? Na verdade, a ideia de "aproximação" à fonética para combater o analfabetismo é apenas um disfarce para o preconceito social. Escrever "filosofia" com "f" em vez de "ph" simplifica a escrita mas isto nada tem a ver com "aproximação" à fonética. A ideia subjacente é que os pobres são muito burros e precisam de uma ortografia muito simplificada, em vez de receberem simplesmente um ensino de qualidade. Dizer que assim ficamos mais "perto" da fonética é uma forma equivocada de dizer que as palavras ficam mais acessíveis ao escrevinhar do povo, tornam-se mais "intuitivas", do mesmo modo que a música pimba é mais "intuitiva" do que a música de Bach. É mais uma vez a defesa da ideia de que mais vale dar um peixe do que ensinar a pescar. Em vez de dar às pessoas os instrumentos para escreverem bem, reforma-se a ortografia.
   [...]
  Ciente disto, Fernando Pessoa recusou a imposição dos reformadores e continuou a escrever "monarchia", "cysne", "philosophia", "physica", etc. A reacção dos reformadores é tipicamente paternalista: se os "artistas" querem escrever "philosophia", nenhum mal daí vem ao mundo. Os "excêntricos" serão sempre excêntricos. "Com o tempo habituam-se". Aparentemente as reformas destinam-se àqueles que os reformadores consideram que estão abaixo de si, daí sentirem-se tão naturalmente no direito de impor-nos as suas ideias ortográficas

Vítor Guerreiro, «Ortografia, fonética e grafia», in Crítica [revista de filosofia], 20/V/2009 [sublinhado meu].

 Esta categoria de gente paternalista, que se cuida por sobranceira razão ungida dos deuses para cuidar da felicidade alheia, gira na espiral da sua estupidez, inconsciente. Evangeliza nos corredores da política, missiona nos gabinetes do eduquês, catequiza nos microfones da rádio e TV. Uma raça pegada de estúpidos de serviço e idiotas úteis, toda uma civilização brota destes calhaus, uma nova idade da pedra, em que os amanhãs cantam já hoje.

*
*    *


 Tenho para mim que a estupidez em se pondo a girar é um moto-contínuo. Na sua voragem dá connosco, azémolas ou não, numa raça de asnos. Cuido que em caindo por si na bárbarie mais primeva, esta raça asinina em gestação não há-de senão extinguir-se catastròficamente por cúmulo de vulgar asneirada. A estupidez consome tudo em redor e consumir-se-á por fim até se exaurir -- paradoxal demonstração, esse laborar autofágico da estupidez, da certeza das leis da termodinâmica que dão como impossível, afinal, um moto-contínuo. -- Até chegar a esse fim derradeiro, porém, a razão mais avisada que clame em alerta é irremediàvelmente devorada pela maldita estupidez. Em abono dela anda aí o gramático Bichara, cuja tarouquice me vai infrene derretendo o português: no pasquim mais expressamente acordita não há boa razão que vingue; só a saga da estupidez lá prospera, seguindo no seu devir de tragar jornalistas, leitores e qualquer memória futura que sobejasse de atributo sério ao papel de jornal. Veja-se, pois, se não é?

« Num dos suplementos do Expresso de hoje, o filólogo brasileiro Evanildo Bechara, que desatrema no acordismo, diz que "Fernando Pessoa não aderiu à Reforma de 1945". Não aderiu nem deixou de aderir: morrera dez anos antes. O que Pessoa nunca aceitou em vida foi a reforma ortográfica de 1911. Mas o desatino foi impresso assim mesmo, sem pudor do académico nem emenda do entrevistador.»

Bruno de Oliveira Santos, «Jornalismo de referência», in Jovens do Restelo, 20/X/12.

Desastre na Av. do Brasil, Lisboa (A.N.T.T., s.d.)

 


Fotografias: Duas perspectivas dum desastre diante do manicómio, Av. do Brasil, [s.d.]. A.N.T.T.. Autor não identificado,



Escrito com Bic Laranja às 22:05
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Segunda-feira, 22 de Outubro de 2012
Falha de corrente ou curto-circuito?



 No vocabulário ortográfico da Academia Brasileira de Letras (dito da língua portuguesa) há mais de duzentas entradas com o radical elect-. Há termos tão electrónicos como electrônica, tão electrizantes como electrocussão, tão negativos como electrão; há compostos jaculatórios como electrojacto e electrojato (este notoriamnete menos jactante); há compostos culturais como electrocultura -- provavelmente um ambiente social electrolítico onde se geram os electrófagos (?) que a A.B.L. também regista. -- Há electrodiálise, electrotomia, electrodissecação... Electropositivo (mesmo apesar da carga negativa dos electrões), electrodinâmica e electrostática e por aí fora...
 Mas o chocante é haver  tudo isto e mais a electrogénese na A.B.L., sem lá haver electricidade!




Escrito com Bic Laranja às 19:24
Verbete | Comentar | Comentários (20)

Quinta-feira, 18 de Outubro de 2012
Ideia barata, palavras caras

 Enquanto se besuntam de impostos — incluído um sobre produtos petrolíferos — os do governo vendem agora aí ao desbarato a ideia duma bombinha de gasolina barata por cada posto gasolineiro. Chamam-lhe «low cost». Nome pomposo com que cuidam encarecer muito mais a ideia.


Bomba de gasolina, Lisboa (V. G. Figueiredo, s.d.)
3 Minutos. Lavagem automatica, Rotunda da Encarnação, [s.d.].
Vasco Gouveia de Figueiredo, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 23:08
Verbete | Comentar | Comentários (11)

Conversa fiada

 Hoje à uma havia um homónimo do defenestrado a dizer coisas na telefonia. Um tal Cadilhe ou Cadilho, uma dessas autoridades morais sábias em inúmera coisa.
 Sabeis se chegou ele a pagar a sisa daquele andar que comprou?

Rua das Amoreiras, Lisboa (A.F.C.M.L., 1898-1908)
Rua das Amoreiras, Lisboa, 1898-1908.
Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 18:50
Verbete | Comentar | Comentários (7)

Quarta-feira, 17 de Outubro de 2012
Os erros e os outros

 Vinha ouvindo a telefonia do automóvel e deu no noticiário daquele empregado do P.S., o Tozé. Dizia que ficou todo satisfeito duma chachada que o Holanda da França disse e que era estarmos a pagar caros (*) os erros cometidos por outros. Este outros, deve referir-se àqueloutro empregado do P.S., um que meteu sabática e foi estudar para a sua terra (sua, do Holanda da França).

Tozé Seguro enfia barrete francês (in «Comunicador»)


(*) Em rigor, nas notícias escrevem pagar caro (não caros) os erros, que dá no mesmo.
(Empregado Tozé do P.S. com barrete francês no Comunicador.)



Escrito com Bic Laranja às 19:41
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Sábado, 13 de Outubro de 2012
Do B.º da Madre de Deus a Alvalade em vista aérea

  Desta agora nem sei se consigo dizer tudo. O benévolo leitor ajudará se souber. Prima a imagem para ver à lupa e cfr. com o que vem de Alvalade à Madre de Deus em vista aérea.
 No quadrante inferior esq. a vila Dias a par da linha do Norte. Ao centro, as traseiras da Fábrica das Varandas (Fábrica de Fiação e Tecidos Oriental). Na dir. em baixo ainda se apanha o Grilo. Mais acima, também á direita e bem marcada, serpenteia a Azinhaga da Salgada até desembocar nas quintas das Conchas e das Conchinhas, acima de Chelas, que estiveram dadas à Fábrica da Pólvora. O Convento de Chelas, ele mesmo se vê mais ou menos centrado no quadrante superior direito, logo ali, onde o ramal de concordância de Xabregas entronca na linha de cintura (est. de C.F. de Chelas). Ao longo desse ramal todo (diagonal do quadrante sup. dir. ao inf. esq.) o vale de Chelas, com uma nesga da Rua Gualdim Paes e vislumbre da Estrada de Chelas; no meio delas fábrica das chitas (que houve no tempo da primeira revolução industrial); mais à esquerda, no limite da imagem, a banda oriental do cemitério oriental de Lisboa: o do Alto de São João; entre ele e a Estrada de Chelas, a Calçadinha de Santo António demarcando as quintas de S. João de Baixo e do Lavrado. Até à Picheleira, a Calçada do Carrascal. Até à quinta da Curraleira a Rua do Sol a Chelas. Separando a Picheleira do Alto do Pina a quinta Nova ou do Gago e o Casal Novo, antes de chegar à quinta das Olaias já para lá do bairro da Picheleira.
 Na Picheleira, o antigo Casal dos Ladrões [ou Casal da Porciúncula] dantes da edificação do bairro (e poiso de «rebeldes» em Setembro de 1833 a par do Alto de S. João, no tempo das lutas liberais), acham-se bem visíveis os campos de bola do Vitória e do Padre (depois campo dos Telefones); o primeiro em cabeço terraplanado, a quinta do Grilo; o último em planalto resultante de aterro sobre o vale da quinta da Conceição de Baixo (que separava o casal do Pinto da quinta dos Embrechados).
 Do convento de Chelas para lá acha-se uma tira de caminho -- a Azinhaga do Armador -- que nos guia o olhar por cima das quintas até ao limite urbanizado de detrás da Igreja de S. João de Brito: é o bairro adjacente à Av. de Dom Rodrigo da Cunha. Além dela adivinhamos talvez o Pote de Água ou as fitas pretas das pistas da Portela a raiar o topo sup. direito da imagem. E mais cá, ainda no vazio de cidade do quadrante sup. dir., podemos se quisermos, adivinhar as quintas da Rosa, de São Pedro, de S. Pedro dos Peixes, do Armador, da N.ª Sr.ª da Conceição, da Penha, do Malapinho, do Malapo (ou Malapados?), Nova da Bela Vista, dos Mouzinhos, da Flamenga, dos Poiais Vermelhos, dos Alfaiates, do Alpoim, das Teresinhas, quiçá da Graça, já não sei...

Vista aérea do B.º da Madre de Deus a Alvalade, Lisboa (M. Oliveira, 1955)
Vista aérea do B.ª da Madre de Deus a Alvalade, Lisboa, 1955.
Mário de Oliveira. Arquivo Fotográfico da C.M.L..

(Revisto em 14 de Outubro às cinco para as 11h00 da manhã.)



Escrito com Bic Laranja às 21:30
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Sexta-feira, 12 de Outubro de 2012
De Alvalade à Madre de Deus em vista aérea

 Prima o benévolo leitor na imagem para ver à lupa. Daqui lá identifica-se o bairro das Estacas, o bairro de S. João de Deus, o Areeiro -- o novo e o velho --, o Alto do Pina, a Picheleira...
 Além da Avenida do Aeroporto, à esq. da linha de cintura, as quintas da N.ª Senhora da Conceição, do Armador, dos Peixinhos, da Maruja, das Conchas, das Conchinhas, da Salgada, o vale de Chelas e o Convento; mais além a da Bela Vista, a do Marquês de Abrantes ou dos Alfinetes; à dir. da linha de cintura, a da Holandesa, do Casal Vistoso ou das Ameias, do Monte do Coxo, das Olaias até ao fio de casas da Calçada da Picheleria -- os montes do Casal Vistoso encobrem a quinta dos Arciprestes na velha Fonte do Louro; os montes do Coxo e das Olaias encobrem a quinta dos Machados [e do Dr. Villaça], cuja casa [desta última] assentava onde é hoje a escola das Olaias e cujo nome estoutro deitou no esquecimento. -- Na orla do Tejo,  Marvila com a Escola Afonso Domingues e a Soc. Nacional de Sabões. A querer sair da metade superior dir. da fotografia a mata e o bairro da Madre de Deus. Isto assim de cór.

Vista aérea de Alvalade ao Tejo
Vista aérea do B.º de Alvalade à Madre de Deus, Lisboa, 195...
Mário de Oliveira. Arquivo Fotográfico da C.M.L..


Ah! Faltou dizer a quinta mais antiga: a dos Lagares de El-Rei, na clareira à esquerda.(Adenda às 9h30 da noite.)



Escrito com Bic Laranja às 19:03
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Sábado, 6 de Outubro de 2012
Grande herói do Cinco de Outubro

 Devem ser poucas as terras em Portugal que não têm uma rua Almirante Reis (ou Cândido dos Reis). Já gente que saiba dos seus feitos ou quem foi o almirante Reis há-de ser pouca. Pois o almirante Reis é um grande herói do 5 de Outubro que se suicidou em… 4 de Outubro de 1910. O seu feito heróico foi meter-se a derrubar a monarquia e matar-se... quando lhe pareceu que a revolta fracassara (uns barcos da Marinha não largaram as canhonadas que haviam de dar em sinal de se sublevarem).
 Sem alento, passou por casa das irmãs nos ermos de Arroios; parece que entrou mudo e saiu calado e, ao amanhecer o dia 5, jazia morto na Azinhaga das Freiras, pertinho da das irmãs. O feito mortal valeu-lhe de pregarem logo o seu nome, não na azinhaga esconsa onde o acharam — que essa apesar do jacobinismo republicano permanece hoje dada às freiras —, mas na melhor avenida das adjacências: a Avenida D.ª Amélia.
 Ficamos a saber, pois, o que fez o almirante Reis para ter o seu nome propagandeado em tanta rua da República Portuguesa. O que lhe foi na alma, aqui, naquela noite trágica ao pé desta capelinha, só ele o soube.

A8813.jpg
Azinhaga das Freiras a Arroios
, Lisboa, 1911.
Joshua Benoliel, in Arquivo Fotográfico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 00:23
Verbete | Comentar | Comentários (13)

Sexta-feira, 5 de Outubro de 2012
Homenagem...

... com erros de ortografia.

 

Homenagem com erros de ortografia. Lisboa, 2012
Chamusca, 2012.



Escrito com Bic Laranja às 20:19
Verbete | Comentar | Comentários (12)

Ó dr. Graça Moura!

Sobram-lhe umas cavalgaduras pensantes, hem?!


Bê de besta, Belém, 2012
B de... bestas, pois então!, Praça do Império, 2012.

 


Adenda:

De Me a 10 de Outubro de 2012 às 01:55
 Antes do Dr. Vasco Graça Moura suspender a utilização do acordo já havia "estragos" feitos... por uma questão económica, o que já estava feito, ficou.. tudo o resto foi suspenso! Esclarecidos?!

 

De Bic Laranja a 10 de Outubro de 2012 às 09:52

 Fico mais descansado. Mas diga o dr. Graça Moura que se o problema de corrigir aquele cartaz é dinheiro, eu pago a substituição. Ele que me fale.
biclaranja[arroba]sapo.pt
Cumpts.


Escrito com Bic Laranja às 19:10
Verbete | Comentar | Comentários (13)

O idioma em saldo

Idioma em saldo, Lisboa, 2012
O idoma em saldo, Lisboa, 2012.



Escrito com Bic Laranja às 18:28
Verbete | Comentar | Comentários (9)

Corredor do palácio

DSC01669.jpg

Queluz - (c) 2004



Escrito com Bic Laranja às 07:30
Verbete | Comentar | Comentários (11)

Quarta-feira, 3 de Outubro de 2012
Maranhão

Se me perguntardes se fui ao Maranhão... Já vim de lá.

Maranhão (prox.), Avis, 2012

Maranhão (prox.), Avis, 2012.



Escrito com Bic Laranja às 07:25
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11

15
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----