Quinta-feira, 31 de Janeiro de 2013
Gramática super-dondoca

  Na gramática super-dondoca o superlativo absoluto analítico dos adjectivos forma-se agora com «super» em vez de «muito». O «super» refina super-mais com hífen -- aquele tracinho, não 'tá a ver?! -- e como o «muito» anda hoje tããão pouquérrimo...
  E bem assim o superlativo absoluto sintético forma-se super-glamourosamente com o sufixo «-érrimo» pelo que as tiíssimas, se forem, sei lá, super-, serão tiérrimas, 'tá a ver?!

Paulette Goddard, Dorothy Lamour & Veronica Lake (Star Spangled Rhythm, 1942)
Paulette Goddard, Dorothy Lamour & Veronica Lake
(in Cocktail de Estrelas, 1942).
Imagem nas Associações Livres do Dr. X.



Escrito com Bic Laranja às 13:45
Verbete | Comentar | Comentários (10)

Terça-feira, 29 de Janeiro de 2013
O papillon do garruço

 O papillon do garruço lamuriou-se na emissora esta manhã por causa impostos -- o aumento da carga fiscal é enorme (Contas do Dia, Antena 1, 29/1/13). -- Vai daí atamancou uma conversa sem nexo sobre prospecção de petróleo pela Repsol nas costas portuguesas como esperançoso milagre que venha reanimar a economia portuguesa e que eventualmente não torne os anos mais próximos tão sombrios como [i.e. que os torne menos sombrios do que] neste momento se prevê face a este brutal aumento de impostos &c. &c.
 Tem esta alma que nos guia sàbiamente a opinião há décadas duas coisas, a saber: uma, a ênfase no brutal aumento de impostos é sinal de que anda hoje às cabeçadas com o próprio ordenado de Janeiro, embora no exercício procure diluir-se no meio da populaça classe média [de que se demarca com o papillon] para mitigar o infortúnio; outra, a propensão para acreditar no Pai Natal em Artures Baptistas da Silva.

Papillon (Nicolau Santos)
(Imagem da rede da Internete outrora em Palaurossaurus rex.)

 


(Verbete revisto.)



Escrito com Bic Laranja às 12:37
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Segunda-feira, 28 de Janeiro de 2013
Depois de almoço...

Depois de almoço vinha eu subindo as escadas quando me cruzei com um estagiário moço, o Miguel.
— Boa tarde!
— Ora boa tarde xôr Miguel! Que tal vai isso?
— Vai-se andando.
— Vai-se andando? Mas veja lá, olhe que perde as calças.
— Diga?!...
— Vossemecê veja lá, ainda perde as calças.
— !... Ah, isto é mesmo assim.
— É mesmo assim? Pelas pernas abaixo?!...
— !... Sou eu que não as consigo encher...
— E já experimentou puxá-las para cima?

Valha-lhe que em saindo a porta lá ia decididamente a puxar as calças para cima.

Veramente pelas pernas a baixo, Vendas Novas -- (c) 2010
Vendas Novas — (c) 2010.



Escrito com Bic Laranja às 20:00
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Etymologia doce



 
Uma curiosidade adocicada: «açúcar» não é palavra árabe na origem; é persa (shakar) ou sânscrita (sharkara) e passou pelos árabes à Itália (zucchero), às Hespanhas (açúcar / açucre / azucar) e ao alto-alemão (zucura > zucker); deste ao francês (provavelmente no séc. XII) e daqui ao inglês (séc. XIII).
 No dicionário das Etymologias na rede da Internete leio:

 « O seu lugar no Mundo Antigo era a Índia (os companheiros de Alexandre magno admiraram-se do «mel sem abelhas») e manteve-se raro na Europa até os árabes o cultivarem na Sicília e na Espanha; só depois das Cruzadas começou a tomar o lugar do mel como adoçante no Ocidente. Os espanhóis lançaram cana de açúcar nas Índias Ocidentais em 1506; a primeira plantação em Cuba é de 1523; o cultivo no Brasil começou em 1532.»  (cf. Online Etymology Dictionary.)

 Por Espanha entendei a Hispânia, ou melhor, o Al Andaluz. Referem-se só implicitamente os portugueses, a par dos espanhóis, na menção ao Brasil (provavelmente os autores do verbete leram que o Robinson Crusoé possuía um engenho de acúcar no Brasil mas nunca aprenderam que eram  os portugueses, não os espanhóis, que lá andavam). O que o verbetezinho não diz de maneira nenhuma é que já no séc. XV os portugueses tinham lançado cana de açúcar na Madeira. Dos proventos desse cultivo nesse século se encomendaram inúmeras obras de arte na Flandres, hoje reunidas no museu do Funchal.
 Os britânicos hão-de só ter reparado na ilha da Madeira quando ali começou a haver vinho, suponho...


(Imagem do estúdio de Horácio de Novais, in Bibliotheca de Arte da F.C.G.)



Escrito com Bic Laranja às 13:00
Verbete | Comentar | Comentários (5)

Domingo, 27 de Janeiro de 2013
Espectáculo de variedades: Jazz


Dave Brubeck - Take Five (1966)
(Dave Brubeck - piano; Paul Desmond - saxofone alto; Eugene Wright - contrabaixo; Joe Morello - bateria.)



Escrito com Bic Laranja às 22:44
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Quarta-feira, 23 de Janeiro de 2013
Obras na Alameda

 Dei por que a fonte monumental da Alameda tornou a funcionar no Natal. Na última que dei conta de tão extraordinário sucesso foi sol de pouca dura. Pôs-se logo para obras -- cuido que desde 2006 a fonte não funcionava. Mas aposto que desta agora a obra tem garantia até às  autárquicas -- se não for do empreiteiro, há-de ser do município. -- Felizes tempos democráticos que dão ao transeunte já desabituado o desfrute pleno da monumentalidade da Alameda. Quase que faz esquecer o tempo da Laranjina C, quando a fonte se ligava diàriamente e se via sempre iluminada ao entardecer. O que era, era só em dias comuns porque, claro, não havia eleições.

Fonte luminosa, Alameda (H. Novaes, c. 1948)
Fonte Monumental, Alameda de Dom Afonso Henriques, c. 1970.
Estúdio de Horácio de Novaes, in Bibliotheca de Arte da F.C.G.



Escrito com Bic Laranja às 18:53
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Terça-feira, 22 de Janeiro de 2013
Campo Grande, Lisboa

 A rua oriental do Campo Grande com bom ar.

Campo Grande, Lisboa (A. Passaporte, 1960)Campo Grande, esquina da Avenida da Igreja, Lisboa, c. 1960.
António Passaporte, in Arquivo Fotográfico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 17:38
Verbete | Comentar | Comentários (3)

Segunda-feira, 21 de Janeiro de 2013
Nótulas do temporal

 Do temporal do fim de semana dei só conta da devastação no Campo Grande ontem à tarde. Como ando alheado de noticiários só me dou conta quando passo e vejo. Pois as árvores caídas, as pernadas arrancadas e as carradas de galhos espalhados davam bem a ideia do que terá sido. Hoje de manhã lá estava a mesma devastação de ontem. Somo-lhe a queda duma grande árvore que vi na Rua Andrade Corvo, na esquina da Sousa Martins. A raiz ao virar elevou o passeio sem contudo desfazer a calçada; as pedras viam-se lá, todas juntas, sem se soltarem da lomba que a raiz provocou. Coisa estranha.
 Abaixo do aeroporto uma árvore ainda maior, tombada por cima dos tapumes duma obra dum hotel novo que aí se faz, ao cimo da Av. de Berlim. A árvore estava no perímetro da obra e mostrava uma raiz duns 4 ou 5 m de diametro. Há-de ter tombado para a estrada; imagino se iam carros a passar. -- Ocorre-me se não caiu por lhe descalçarem a raiz com as obras do hotel... -- Mas talvez não. As copas são tão altas que as raízes as não podem segurar.
 Duma outra que caiu na Av. dos Estados Unidos recebi esta fotografia.  Vede só a fúria dos elementos para arrancar árvores deste porte.

Queda de árvore, Lisboa (M.M.Torres, 2013)
Queda de árvore na Av. dos E.U.A., Lisboa, 2013.
Fotografia amavelmente cedida por M.M.T.



Escrito com Bic Laranja às 19:16
Verbete | Comentar | Comentários (5)

Domingo, 20 de Janeiro de 2013
Variedades


Dionne Warwick - Walk on by
(Eirado da R.F.I., Paris, 1964)



Escrito com Bic Laranja às 21:25
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Rifão antigo

Em 20 de Janeiro tem uma hora por inteiro e quem lá chegar hora e meia lhe há-de achar.

 Feira de Vila Franca. Crianças à volta de uma banca de diversões, Vila Franca de Xira (Rey Colaço,  1917)

Feira de Vila Franca. Crianças em torno duma banca de diversões, Vila Franca de Xira, 1917.
Rey Colaço,  in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 19:02
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Sábado, 19 de Janeiro de 2013
De pregar

 Os vocábulos pregar e pregar são homógrafos. Sucintamente pregar pode ser uma de duas: pregar pregos ou pregar noutra freguesia. Graficamente não se distinguem, mas deviam; são coisas distintas e soam diferentes; na oralidade, por conseguinte, não se confundem… excepto – lembra-me agora – no caso do raspanete. Oiço pregar raspanetes mas pode bem melhor ser pregar raspanetes, como quem prega sermões...

 Pregar vem do latim plicare (= dobrar, enrolar, enroscar); não sei quando se deu o rotacismo passando o «l» a «r»; o «i» breve do latim clássico cuido que já era «e» no latim vulgar e o «c» também há-de ter abrandado em «g» no latim vulgar, mas não curei de o confirmar.
 Ignoro quando foi que o substantivo «prego» tomou o sentido de «cravo» (do lat. clavus, haste pontiaguda de metal com cabeça); no séc. XV aparece «prego» atestado com esse valor na Contemplação de São Bernardo (& deitaromno sobre a cruz & pregarom lhe a mãao direita com hũu prego muy forte) e o mais que sei é que em falando de «espetar pregos» Tito Lívio diria clauos pangere.

Prègar

 Pregar, porém, tem as seguintes etimologias: preegar <  b. lat. predegar < predigar < lat. praedicare (= dizer publicamente, proclamar, exaltar, celebrar); o ditongo ae do latim clássico deu simplesmente «e» no latim vulgar e veio a fundir-se com a vogal seguinte pela síncope do «d». A síncope do «d», cuido, sucedeu na fase do romanço anterior à formação do nosso idioma do mesmo modo que videre > veer > ver (*) ou  ex-cadescere > escaecer > esqueecer > esquècer. — A propósito de «esquecer» é interessante aprender o que nos ensina o Dr. José Leite de Vasconcellos nas Lições de Philologia Portuguesa (p. 149):

« Excadescere, verbo inchoativo, deriva de cadere «cahir», porque esquècer é como que cahirem da memória as ideias pouco a pouco; o prefixo ex- denota procedencia. O vb. excadescere tinha pois, no latim vulgar da Lusitania acepção metaphorica muito material. Este verbo parece que não se encontra noutras lingoas romanicas. A passagem da ideia de «cahir» para a de «esquècer» é um caso de Sesmasiologia ou Semantica.»

 Nos três casos apontados e em inúmeros outros (cf. Lições de Philologia, pp. 146 e ss.) de crase de vogais houve como consequência o reforço do timbre da vogal resultante. Esta é a razão de pregar manter há séculos o «e» aberto. O fenómeno da crase de vogais sobrevive no português e é bê-á-bá de filólogos. E é ele tanto mais notório ao comum indígena (de Portugal) quanto contrasta com a metafonia do português, esse fenómeno do nosso idioma que de padre faz padrinho, elevando a primeira sílaba de pá- a pâ- só do avanço da tónica. Dele, como entendereis, se tira a falsidade e má fé pregadas (pregadas ou pregadas?...) na nota explicativa do acordo ortográfico pelos seus autores. Eles não podiam ignorar que a supressão de consoantes etimológicas com valor diacrítico nos casos de acção, adoptar, objectivo &c. se não pode justificar com exemplos resultantes de crase em vogais átonas. — Como aduzem então como justificação corar (< coorare < colorare), padeiro (< paadeiro < pãadeiro < panadeiro < lat. panatariu) e pregar?!... (**) — Naqueles casos de acção, adoptar, objectivo &c. foi justamente de não haver nem crase nem nada que valesse às vogais átonas que logo na reforma de 1911 foi entendida a necessidade das consoantes etimológicas para marcar o timbre aberto da vogal átona precedente. Com vantagem de não desfigurar excessivamente o português em relação às demais línguas românicas. Pois os autores do «Acordo» de 90 desdizem esses ensinamentos e socorrem-se cavilosamente de exemplos doutra estirpe para virarem o bico ao prego às lições de sábios bem maiores do que eles.
 Se dúvida houvera, mais prova dessa má fé se lhes podia achar no arremesso dos exemplos franceses objet e projet contra as atendíveis razões de similaridade do português escrito com os outros idiomas românicos. Daqueles objet e projet apresentados por não conservaram o «c» latino no seu devir morfológico, a realidade que escamoteiam é que as formas derivadas objectif, projection &c o exibem garbosamente. O mesmo no cotejo com o castelhano, cuja Real Academia Española legitima objecto na 22.ª ed. do Diccionario de la Lengua Española; apesar de o tachar de arcaico face ao moderno objeto a verdade é que o não suprimiu. Tudo isto os embusteiros autores do dito acordo ortográfico omitiram conscientemente porque lhes não servia o óbvio propósito de submeter o português de 7 países, estável de mais de 60 anos, ao particular capricho brasileiro (cf. «Conservação ou supressão das consoantes...», Nota Explicativa ao Acordo Ortográfico de 1990).

 Tornando a pregar, apesar de a crase estar viva no idioma em casos que decorrem directamente do latim, como pregar e pregador (< lat. praedicator = proclamador público, arauto, elogiador, evangelizador), o certo é que os derivados castiços pregão, pregoeiro ou apregoar se não estribam o suficiente para lhes soar aberto o «e». Já na 1.ª ed. do Aulete (1881) a pronúncia indicada não dava o «e» aberto, o que é sintomático do forte pendor de emudecimento de vogais átonas no português. Tanto assim que já no manuscrito medieval da Coronica do Condestabre de Purtugall comprovamos a pronúncia de «o» átono por «u». É certo que mais cedo do que tarde, sem as consoantes etimológicas, palavras como actor, director e adopção hão-de soar como âtor, dirtor e adução. Esta última, escrita no Brasil sem o devido «p» há mais de meio século, soa muito por lá como à-dô-ção. Sem «o» verdadeiramente aberto, portanto.


(*) Em veedor / veador > vedor a crase é mais notória e deu-se já no português antigo, não no romanço.
(**) Nem o último exemplo que aduzem, oblação, lhes serve ao descaso. Oblação e todas palavras começadas por «o» seguidas de consoante são pronunciadas com ó aberto ou, se tanto, soam com ô. Os da reforma de 1911 não no deviam ignorar, tanto que obliteraram as consoantes duplas nas grafias de occidente, official, opposição &c. sem o pejo que puseram em casos como adopção ou nocturno. De toda a maneira sucede-me ouvir a transmontanos pronunciar como «u» o «o» inicial destes casos. -- Se porém queriam exemplificar que era o a de oblação que era aberto, ledo engano; é tão fechado como o segundo a de relação. Consulte-se o Priberam.



Escrito com Bic Laranja às 22:00
Verbete | Comentar | Comentários (14)

Sexta-feira, 18 de Janeiro de 2013
Do otário

 Um fulano lá da rua de cima que já me não lembra nome, um motoqueiro do género brutamontes, costumava dizer com gestos largos:  -- O Correio da Manhã?! O Correio da Manhã é aquele jornal que dá a notícia do cabo-verdiano que matou o irmão à facada e depois põe uma fotografia de onde o cabo-verdiano ia cagar.
 Foi a melhor definição do Correio da Manhã que já ouvi.

 O Correio da Manhã sobraçou há muito o desconchavo ortográfico. Cedo deu notícia que a seu tempo lá havia de submergir os seus leitores. Entretanto pôs-se manso, andou por aí mudo e quedo a prepará-la. Por isso se lhe nunca vislumbrou a menor centelha de condenação da tonga da mironga do cabuletê. Uma atitude muito própria das rolhas, que vogam placidamente à tona nas torrentes mais lamacentas. Pode ser rolha o que ali vai, mas ainda assim parece estranha a longa inércia e a aparente falta de oportunidade. -- Então logo isto agora, quando o Brasil se adianta para quebrar os trautos?!...
 Pois é! E ele escreve-se em murais rádioeléctricos da moda que o patrão do pasquim por excelência das histórias de faca e alguidar se perfila para abocanhar a brasileiresca R.T.P.. Ao depois, como o liquidatário é o doutor Gramados, afamado confrade aventaleiro e sabujíssimo homem de Letras simplificadas...
 Verosímil. Mas, como disse, a folha das pasquinadas de faca e alguidar de há muito que sobraçou (e finalmente abraçou; mesmo fora de tempo) a lição do facultativo Malaka. As rolhas são mesmo assim, vão conforme a maré lhes arrima. Quando a recauchutada ortografia brasileira da moda tornar para os seringais hei-de ver então o director Otávio Octávio (deve ter apanhado na corneta que se fartou, na escola primária, por não saber escrever o nome) com um ainda mais formoso ramalhete de explicações do que aquele que agora compôs a explicar a inexplicável «facultatividade ortográfica» (uma contradição de termos) optando por manter [a redacção] tal como na «escrita antiga». Optou, por conseguinte, por «manter» (!) a escrita aspeto, cato, carateres, conceção, receção e setor, recusando decididamente escrever pára sem acento (apesar de tal não ser facultativo) e afirmando virilmente que prefere fêmea a uma qualquer ilusória -- possivelmente presidenta -- fémea.
 -- É de homem Otávio! Mas não vai lá vossemecê a entender, homem, que assim desta maneira é como mais rescende a otário?...
 Enfim!...

OTÁRIO RIBEIRO
(Imagem adaptada.)



Escrito com Bic Laranja às 19:50
Verbete | Comentar | Comentários (20)

Domingo, 13 de Janeiro de 2013
Espectáculo de variedades


Dusty Springfield - The Look of Love
(1973)



Escrito com Bic Laranja às 22:05
Verbete | Comentar | Comentários (13)

Sexta-feira, 11 de Janeiro de 2013
Experimentem lá multar-me

Mais de 5 contos e seiscentos por um atestado assim...

Inspec%E7%E3o.jpg
(Relatório de Inspecção Técnica Periódica a automóveis pejado de erros.)



Escrito com Bic Laranja às 18:59
Verbete | Comentar | Comentários (10)

Das tangas

 No canal da memória rezam amiúde uma ladainha «utilize sempre sacos reutilizáveis». Não pregarem simplesmente «reutilize sacos» diz muito do raciocínio destes devotos da eco-religião.

image001.jpg
(Prova acabada do aquecimento global, in Ecotretas.)



Escrito com Bic Laranja às 16:00
Verbete | Comentar | Comentários (11)

Domingo, 6 de Janeiro de 2013
Domingo à noite: espectáculo de variedades


Dusty Springfield - Windmills of Your Mind
(1969)



Escrito com Bic Laranja às 23:25
Verbete | Comentar | Comentários (3)

Um punhado de saloios

Um punhado de saloios à roda da fonte deante da paroquial dos Santos Reis.


fotografia.JPG
Saloios na feira de gado
, Campo Grande, 1900-1919.
Foto: Charles Chusseau-Flaviens, in George Eastman House.



Escrito com Bic Laranja às 22:27
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Sábado, 5 de Janeiro de 2013
Pacote 'wireless' (ou mais simplesmente T.S.F.)

SHORPY_14502a.jpg

 

 O sr. Brent Daniel, do Laboratório de Rádio do Departamento de Padronização em Washington, com o primeiro Super-Heterodyne portátil, concebido por si. As sete válvulas, baterias, antena, altifalante e os outros componentes essenciais ajustam-se perfeitamnete na caixa. O sr. Brent conseguiu captar estações da costa do Pacífico com este equipamento. (T.S.F. portátil, Washington, c. 1924. In Shorpy.)



Escrito com Bic Laranja às 21:50
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Quinta-feira, 3 de Janeiro de 2013
Fogos-fátuos do nosso quotidiano

 A chouriceira chamada «Jornal da Tarde» procura enfardar-me o almoço com a rábula do Bibi. Vem-me à memória uma frase impressa numa parede da Alameda, lá pelos anos 80, uma era em que a pintura mural apolítica se resumia a vulgaridades tipo Zé Bastos. Esteve lá aquilo bem uns dez anos: Bibi é... -- Rábula não era bem o termo naquele tempo...

 Adiante.
 Uma moça sem ares de génio é entrevistada à porta da escola António Verney, no alto da Madre de Deus. Nossa Senhora lhe valha!
 -- Mónica, como foram as notas?
 -- Mais ou menos. Tive seis negativas.
 O pé de microfone vira-se para a mãe que ri alvarmente para a câmara, contentinha da vida com os seus riquinhos cinco minutos de fama. Dantes, quando não havia farturas sociais de (re)inserção de inúteis na moleza nem incentivo geral à falta de préstimo nos estudos, esta mãe havia de ter aprendido quanto a vida custava e adquirido um módico de pudor para não expor a burrice da filha. Talvez nem fosse pior vergonha a de lhe pregar alguma nas ventas pondo-a a toque de caixa caminho de casa para esconder a triste figura. Hoje é esta miséria, assim, exemplo digno de nos ser servido a par do almoço, quanto mais não seja para servir o propósito de propagandear um valiosíssimo Plano de Acompanhamento Pedagógico que substitui um já anteriormente precioso (estou certo) Plano de Recuperação. -- Precioso e valioso justificam-se sobretudo pelo sentido de preço, por custarem bom valor ao erário -- maiúsculas da designação já incluídas. --  Ele nas palavras dum professor José Eduardo entende-se tudinho muito melhor!...
 -- Um plano [de acompanhamento] pedagógico é um plano que substitui o plano de acompanhamento [não era de recuperação?] e de facto dá à escola condições para que possa acompanhar com eficácia (tentar acompanhar) os seus alunos, aqueles que na sua avaliação ao longo do primeiro período, neste caso, o conselho de turma detectou que eles teriam carências a nível de acompanhamento.
 Sem planos de acompanhamento pedagógico o ensino acompanhamento de alunos não seria nada, especialmente dos que têm carências na aprendizagem a nível de acompanhamento.
 E sem professores josés eduardos não andaria o ensino eduquês tão à nora, é o que é.


Junta da Província da Beira Litoral, Portugal, [s.d.].
Estúdio de Mário de Novais, in Bibliotheca de Arte da F.C.G.



Escrito com Bic Laranja às 23:46
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Quarta-feira, 2 de Janeiro de 2013
Um padre a S. Bento, por misericórdia!...

 Vasco Graça Moura fala hoje no cadáver adiado, mas há já cinco dias que Santos Passos lhe predizia [ao cadáver] a extrema unção.

« A presidente do Brasil, aquela, que prefere ser referida como presidenta (aliás, quando éramos prisioneiros no Presídio Tiradentes, eu era detento e ela detenta), adiou para 2016 a obrigatoriedade do tal Acordo Ortográfico. Ou seja, como na antiga história da notícia da morte do gato, o Acordo Ortográfico subiu ao telhado.»

Alberto Santos Passos, «Morte anunciada», in Meu Bazar de Ideias, 29/XII/12.


image001.jpg
Funeral do embaixador do Brasil, Francisco Regis de Oliveira, Chiado, 1916.
Joshua Benoliel, in Arquivo Fototgráfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 17:49
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11

15
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----