Terça-feira, 30 de Abril de 2013
Salazar em discurso directo e em retórica de papagaios

 Ando às vezes com Salazar debaixo do braço. Ontem vinha com o primeiro volume dos Discursos porque queria passar a forma electrónica as páginas do prefácio à 4.ª edição. O que nele pude ler em escassas 40 páginas assombrou-me pela clareza da exposição de todo um pensamento político e pela capacidade de o sintetizar sem perda em tão pouco papel. Admira-me tamanha simplicidade tanto mais que sei o penoso que me é redigir coerentemente a partir duma meada de ideias que me amiúde assalta e a que tanta vez não acho o fio.
 A admiração por Salazar, nem que seja por um mero prefácio, não se deve verbalizar, nem muito nem pouco (é exactamente isto a censura) pois o papaguear de chavões e ideias feitas (o ruído -- a censura de hoje) que se ouve em reposta é quase pavloviano. Mesmo que comece por uma admiração formal -- Ah! era ele duma inteligência muito superior. Entendia muito bem os problemas. E acho que era sério. Só fez uma coisa mal: o analfabetismo...
 O anlfabetismo?! A que propósito agora esta...?
 Parece que para dizer que com intuito de manter o povo dócil pela ignorância.
 Como consegue alguém concluir isto doutrem quando lhe acaba de afirmar uma inteligência superior e uma índole séria espanta-me. Mas não vou estar (como não estive, no caso) a perder-me em grande retórica para rebater estes ditos que se dizem. Basta-me um quadrinho com o número dos indígenas cá no reino pelo séc. XX e a porção deles que eram analfabetos, com o bocejo de ver o progresso de 2 milhões e 700 mil que sabiam as letras em algo menos de 7 milhões de portugueses (1930), e compará-lo com 6 milhões e 400 mil alfabetizados numa população de oito milhões e 600 mil (1970); eis aí o trabalho feito do começo ao fim do Estado Novo.
 Cada um perceba os factos consoante seja mais ou menos analfabeto ou deixe-se meramente andar na crença em vive.

 


Evolução da população e regressão

do analfabetismo em Portugal

 (1900-2001)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Anos

total

analfabetismo (*)

alfabetos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

1900 …………

 

73%   

 

1911 …………

5 049 729

69%   

1 567 941

1920 …………

6 032 991

65%   

2 099 481

1930 …………

6 825 883

60%   

2 709 193

1940 …………

7 722 152

52%   

3 694 278

1950 …………

8 510 240

42%   

4 955 513

1960 …………

8 851 289

33%   

5 930 364

1970 …………

8 648 369

26%   

6 399 793

1981 …………

9 833 041

21%   

7 768 102

1991 …………

 

11%   

 

2001 …………

 

9%   

 

Fontes:

Censo da População, I.N.E. - Lisboa;

(*) António Candeias et al., Alfabetização e Escola em Portugal nos Séculos XIX e XX. Os Censos e as Estatísticas, Fund. C. Gulbenkian, 2007.

 

 

(Revisto às 5h30 da tarde.)



Escrito com Bic Laranja às 13:05
Verbete | Comentar | Comentários (11)

Segunda-feira, 29 de Abril de 2013
A lógica dos chonés

« É uma discussão intensa há já algum tempo no seio da equipa de tradução portuguesa do WordPress, adotar [sic] ou não o Acordo Ortográfico para a Língua Portuguesa (AO90). Dessa discussão destacam-se dois consensos alargados: a oposição quase unânime ao AO90 e uma enorme resistência em aplicá-lo ao WordPress pt-PT.
  Todavia, houve um entendimento geral de que se deveria avançar para a adoção [sic] do AO90
(Wordpress Portugal, Wordpress em português: pré ou pós-AO90?
).

  Muitas pessoas nos perguntam (e ainda mais pessoas se perguntam a si mesmas) o que diabo pode levar alguém a adotar o AO90. Pois bem, a transcrição acima esclarece espectacularmente o insondável mistério: há quem adote porque sim e há quem adote porque também.
   Existe uma oposição quase unânime ao AO90 mas não faz mal, adota-se na mesma.
  Há uma enorme resistência em aplicá-lo mas pronto, assim como assim, aplica-se de qualquer forma.»

J.P.G., «É a adoção por entendimento geral, estúpido!», in I.L.C. contra o Acordo Ortográfico, 26/IV/13.

Ballet dos chonés
Ballet da ovelhada choné em ...



Escrito com Bic Laranja às 09:10
Verbete | Comentar | Comentários (5)

Domingo, 28 de Abril de 2013
Do ruído e do pensamento

 Abril é sempre pasto do maior ruido. A somar ao zunir doutrinador da gente habitual nos jornais, rádio e TV, em Abril os trombeteiros arengam à cidade e ao orbe o sublime catecismo da Liberdade e das liberdades. Arengam mas não explicam.
 Ou melhor, explicam... com o Salazar...
 Com Salazar, pois bem, noto que a História tem uma ironia tramada.

 « Problema nevrálgico não só para as democracias mas para o Mundo civilizado é o respeitante à amplitude e garantias das chamadas liberdades, e à roda dele se tem complicado a questão das formas de governo. Talvez a situação se esclarecesse se pudéssemos entender-nos acerca deste ponto: em que medida dependem as liberdades públicas da forma de organização do Poder? Em que medida ou grau são aquelas liberdades efectivas segundo o regime político ou têm de ser sacrificadas ao interesse comum? Deve notar-se que, repetindo-se quase os diversos textos constitucionais, o uso e garantia das liberdades públicas são mais fruto das leis ordinárias e dos regulamentos que das Constituições, e a execução das leis é mais fruto dos hábitos sociais e da educação dos povos que da vontade dos legislador.»

Oliveira Salazar, in pref. da 4. ed. dos Discursos (vol. I, 5.ª ed., Coimbra, 1961, p.  XXXVII).

 Calassem as trombetas e escutassem livremente o pensamento calado e talvez aprendessem.

Dr. Salazar, Terreiro do Paço (H. Novais, 194...)
Salazar (28/4/1889 - 27/7/1970), Terreiro do Paço, 194...
Estúdio de Horácio de Novais, in Bibliotheca de Arte da F.C.G.



Escrito com Bic Laranja às 21:25
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Sábado, 27 de Abril de 2013
Há 85 anos

Salazar discursando na tomada de posse na sala do Conselho de Estado, 27/IV/1928 (


CONDIÇÕES DA REFORMA
FINANCEIRA
1

   Sr. Presidente do Ministério2: — Duas palavras apenas, neste momento que V. Ex.ª, os meus ilustres colegas e tantas pessoas amigas quiseram tornar excepcionalmente solene.
   Agradeço a V. Ex.ª o convite que me fez para sobraçar a pasta das Finanças, firmado no voto unânime do Conselho de Ministros, e as palavras amáveis que me dirigiu. Não tem que agradecer-me ter aceitado o encargo, porque representa para mim tão grande sacrifício que por favor ou amabilidade o não faria a ninguém. Faço-o ao meu País como dever de consciência, friamente, serenamente cumprido.
   Não tomaria, apesar de tudo, sobre mim esta pesada tarefa, se não tivesse a certeza de que ao menos poderia ser útil a minha acção, e de que estavam asseguradas as condições dum trabalho eficiente. V. Ex.ª dá aqui testemunho de que o Conselho de Ministros teve perfeita unanimidade de vistas a este respeito e assentou numa forma de íntima colaboração com o Ministério das Finanças, sacrificando mesmo nalguns casos outros problemas à resolução do problema financeiro, dominante no actual momento. Esse método de trabalho reduziu-se aos quatro pontos seguintes:

  1. Que cada Ministério se compromete a limitar e a organizar os seus serviços dentro da verba global que lhes seja atribuída pelo Ministério das Finanças;
  2. Que as medidas tomadas pelos vários Ministérios, com repercussão directa nas receitas ou despesas do Estado, serão previamente discutidas e ajustadas com o Ministério das Finanças;
  3. Que o Ministério das Finanças pode opor o seu veto a todos os aumentos de despesa corrente ou ordinária, e às despesas de fomento para que se não realizem as operações de crédito indispensáveis;
  4. Que o Ministério das Finanças se compromete a colaborar com os diferentes Ministérios nas medidas relativas a reduções de despesas ou arrecadação de receitas, para que se possam organizar, tanto quanto possível, segundo critérios uniformes.

   Estes princípios rígidos, que vão orientar o trabalho comum, mostram a vontade decidida de regularizar por uma vez a nossa vida financeira e com ela a vida económica nacional.
  Debalde porém se esperaria que milagrosamente, por efeito de varinha mágica, mudassem as circunstâncias da vida portuguesa. Pouco mesmo se conseguiria se o País não estivesse disposto a todos os sacrifícios necessários e a acompanhar-me com confiança na minha inteligência e na minha honestidade – confiança absoluta mas serena, calma, sem entusiasmos exagerados nem desânimos depressivos. Eu o elucidarei sobre o caminho que penso trilhar, sobre os motivos e a significação de tudo que não seja claro de si próprio; ele terá sempre ao seu dispor todos os elementos necessários ao juízo da situação.
   Sei muito bem o que quero e para onde vou, mas não se me exija que chegue ao fim em poucos meses. No mais, que o País estude, represente, reclame, discuta, mas que obedeça quando se chegar à altura de mandar.
  A acção do Ministério das Finanças será nestes primeiros tempos quase exclusivamente administrativa, não devendo prestar larga colaboração ao Diário do Governo. Não se julgue porém que estar calado é o mesmo que estar inactivo.
   Agradeço a todas as pessoas que quiseram ter a gentileza de assistir à minha posse a sua amabilidade. Asseguro-lhes que não tiro desse acto vaidade ou glória, mas aprecio a simpatia com que me acompanham e tomo-a como um incentivo mais para a obra que se vai iniciar.

 


   1 Na sala do Conselho de Estado, em 27 de Abril de 1928, no acto da posse do Ministro das Finanças, segundo as notas do jornal Novidades.
   2 General Vicente de Freitas.

(Oliveira Salazar, Discursos. Volume Primeiro: 1928 -- 1934, 5.ª ed., Coimbra Editora, [imp. 1961], pp. 3-6.)



Escrito com Bic Laranja às 23:40
Verbete | Comentar | Comentários (11)

Início de leitura

[Em voz alta, para a senhora, lendo consontes mudas e a todas as outras lettras...]

A
FILHA DO ARCEDIAGO
POR
CAMILLO CASTELLO BRANCO

____


TERCEIRA EDIÇÃO
______


PORTO EM CASA DE CRUZ COUTINHO—EDITOR
18 E 20 — CALDEIREIROS — 18 E 20

----
1868

PORTO — TYPOGRAPHIA DO JORNAL DO PORTO
rua Ferreira Borges, 31



  Leitores! Se ha verdade sobre a terra, é o romance, que eu tenho a honra de offerecer ás vossas horas de desenfado.

  [-- E em que me interessa isso?
   -- Em nada. É só rhetorica.]

  Se sois como eu, em cousas de romances (que no resto, Deus vos livre, a vós, ou Deus me livre a mim) gostareis de povoar a imaginação de scenas, que se viram, que se realisaram, e deixaram de si vestigios, que fazem chorar, e fazem rir. Esta dualidade, que caracterisa todas as cousas d'este globo, onde somos inquilinos por mercê de Deus, é de per si um infallivel symptoma de que o meu romance é o unico verdadeiro.
  Eu sou um homem, que sabe tudo e muitas outras cousas. Não espreito a vida do meu proximo, nem ando pelos salões atraz d'uma ideia, que possa estender-se por um volume de trezentas paginas, que, depois, vil espião, venho vender-vos por 480 reis. Isso, nunca.
  Tudo isto que eu sei, e muito mais que espero saber, é-me contado por uma respeitavel senhora, que não vai ao theatro, nem aos cavallinhos, e que tem necessidades organicas, mas todas honestas, e, entre muitas, é predominada pela necessidade de fallar onze horas em cada dez.

  [-- Vá lá! Pensei que fosse coisa peor.]

  Desde que tive a ventura de conhecel-a, não invejo a sorte de ninguem, porque vivo debaixo das mesmas telhas com esta boa senhora, e posso satisfazer a mais imperiosa necessidade da minha organisação, que é estar calado. É que não podemos fallar ambos ao mesmo tempo.
  E, depois, a sua conversação, escassa d'arrebiques, e despretenciosa, abunda em riquezas naturaes, em thesouros impagaveis para o escriptor publico, em estudos sociaes adquiridos no testemunho de factos da vida, que não vieram ás locaes do jornalismo, porque a imprensa, ha poucos annos que denuncia os casamentos, os obitos, e os suicidios.
  Ingrato seria eu, se não significasse aqui, com toda a cordialidade de que sou susceptivel, o meu reconhecimento á dita pessoa, que promette elevar-me á importancia de escriptor veridico, n'um genero em que todos os meus collegas mentem sempre.
  No momento infausto em que os sêllos do tumulo me fecharem este livro do passado, obliterar-se-ha a fecunda veia de romancista, d'onde tenho havido uma barata immortalidade para mim, e para a minha collaboradora. O publico, maravilhado da minha esterilidade, dirá então que os meus romances eram d'ella; e um nome, hoje obscuro, será exhumado do esquecimento para quinhoar da gloria dos escriptores-fêmeas d'esta nossa terra tão escassa — ainda bem — d'esse contra-senso.

A FILHA DO ARCEDIAGO


CAPITULO I
...

[Sigamos...]



Escrito com Bic Laranja às 11:29
Verbete | Comentar

Quinta-feira, 25 de Abril de 2013
Efeméride

Procissão da Senhora da Saúde

Procissão da Senhora da Saúde, Rua da Palma (AFCML, 1973)

« No dia 25 de Abril de 1971 (domingo) realiza-se a procissão da Senhora da Saúde, estando a circulação interrompida nos seguintes arruamentos.

  a partir das 14h

Martim Moniz, Rua do Arco do Marquês do Alegrete, Poço do Borratém, Rua dos Condes de Monsanto, Praça da Figueira, Rua da Betesga, Rua Dom Duarte, Rua da Palma e Avenida Almirante Reis até à Rua de Angola

  a partir das 16h15
Rua Augusta e Rossio (nascente)

  A circulação de autocarros e eléctricos pela Rua da Palma faz-se, apenas no sentido descendente, até às 15h25. As carreiras que circulam pela Rua Augusta são desviadas para a Rua do Ouro.»

C. Filipe, Minha Página Carris.

Rua da Palma, L. do Soccorro (A. Serôdio, 1790)


Fotografias:

A.F.C.M.L., A77479 (fot. não id.) e A72135 (Armando Serôdio, 1970).



Escrito com Bic Laranja às 04:20
Verbete | Comentar | Comentários (5)

Terça-feira, 23 de Abril de 2013
Mais acorditas que abrileiros...?



Ou simplesmente estúpidos. Profundamente...

(-01 de J. A. Machado.)



Escrito com Bic Laranja às 20:04
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Segunda-feira, 22 de Abril de 2013
Das mentes tortuosas

 Passei há pedaço na Rotunda e vi as mentes tortuosas que devem enxamear a câmara. -- Que rematada trapalhice fizeram ali!
 Em tempos pus cá esta imagem do lugar com o excerto de Raul Proença no Guia de Lisboa. O autor figurava a cidade nova como se de realeza se tratasse; o diadema da Rotunda a cingir o boulevard de Rosa Araújo, irradiando para as avenidas novas de Ressano Garcia. O Guia é 24 e a imagem da primeira metade da década de 50.
 Um conselho ao benévolo leitor do séc. XXI. Se tiver de ali passar de automóvel não queira saber de diademas doutras eras nem de falsários de melhoramentos citadinos. Faça-se -- olhe! -- toupeira; passe por debaixo do chão, pelos túneis, para não ter trabalhos, nem pena, nem cuidados.

Marquês de Pombal, Lisboa, (A.Passaporte, c. 1953
Praça Marquês de Pombal, Lisboa, c. 1953.
António Passaporte, in Postais de Lisboa, [Lisboa], C.M.L., [1998].



Escrito com Bic Laranja às 16:45
Verbete | Comentar | Comentários (14)

Domingo, 21 de Abril de 2013
Egreja de Nossa Senhora do Amparo

 O archivo da Camara traz esta ás avéssas...

Igreja de N. Sr.ª do Amparo, Benfica (P. Guedes, c. 1900)
Egreja de Nossa Senhora do Amparo, mais conhecida por egreja de Bemfica, no termo da cidade de Lisboa, c. 1902.
Paulo Guedes, in Archivo Photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 21:50
Verbete | Comentar | Comentários (10)

Rua Francisco Metrass, 28

Rua Francisco Metrass, 28
Rua Francisco Metrass, 28, Lisboa, 1932.
Estúdio de Mário de Novaes, in Bibliotheca de Arte da F.C.G.

 O filme «O Patriota» (1928), de Ernst Lubitsch, estreou-se em Portugal em 4 de Novembro de 1929. A ser a datação da fotografia correcta (e não no estou a negar), trata-se aqui duma reposição. Dois anos e pico depois da estreia do filme, com grandes enchentes, em Portugal, segundo o Diário de Lisboa (v. Pelos Cinemas, D.L., n.º 2678, 2/I/930). Uma reposição, portanto, num novo cinema modernista dum bairro com ruas no estado em que se viam.
 O Europa Cinema durou menos de trinta anos; sucedeu-lhe o cinema Europa (1958) que, como animatógrafo (ou cinematógrafo), durou menos; fechou em 81. Aguentou-se como estúdio de concursos televisivos mais vinte e tal anos (v. «Cinema Europa», in Restos de Colecção, 31/X/11) e em 2010 deitou-se-o a baixo para fazer andares de luxo.
 Da maneira que vejo o enguiço, naquele gaveto da Metrass com a Almeida e Sousa nada dura mais do que uma geração. O filme em cartaz em 1932 também foi dado como perdido. Diz porém que se salvou um trailer, que é mais do que Europa Cinema. Boa sorte, pois, a quem for ali morar.



Escrito com Bic Laranja às 00:00
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Sábado, 20 de Abril de 2013
Rua Almeida e Sousa, 35

Rua Almeida e Sousa, 35, Lisboa (M. Novaes, 1932)
Rua Almeida e Sousa, 35, Lisboa, 1932.
Mário de Novaes, in Bibliotheca de Arte da F.C.G.



Escrito com Bic Laranja às 23:59
Verbete | Comentar

Europa Cinema

 O Europa Cinema foi inaugurado, segundo se repete na rede, em 1930. Ora bem, Maria João Janeiro, na cronologia do seu Lisboa. Histórias e Memórias (Livros Horizonte, 2006, p. 454) dá-o em 1931 sem mencionar fontes (que os que repetem 1930 na rede também não indicam). Não achei notícia da inauguração do Europa Cinema, mas no cartaz de animatógrafos do Diário de Lisboa acho-o pela primeira vez mencionado numa sexta-feira 20 de Fevereiro de 1931, o que parece corroborar Maria João Janeiro. Diz que tinha sessão todas as noites.
 Nesta aqui aprecie-se o estilo modernista e veja-se o filho da leiteira e esta entre a porta antes do sol-pôr.

Europa Cinema, Campo de Ourique (M. Novaies, 1932)

Europa Cinema, Campo de Ourique, 1932.
Mário de Novais, in Biblioteca de Arte da F.C.G.



Escrito com Bic Laranja às 23:58
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Cais da alfândega

Cais da alfândega, Lisboa (M. Novaes, post 1955)
Cais da Alfândega, Lisboa, post 1955.
Estúdio de Mário de Novaes, in Bibliotheca de Arte da F.C.G.



Escrito com Bic Laranja às 16:51
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Sexta-feira, 19 de Abril de 2013
Orthographia

 Do estimado leitor mujahedin recebi uma generosíssima trasncripção que para aqui traslado porque merece ampla divulgação. Quizesse Deus que os peralvilhos da moderna sociedade entendessem o que n'ella se diz. Mais actual não podia ser.


 Caro Bic, conforme prometido, aqui fica, do Diccionario Contemporaneo (oxalá o fosse ainda), a transcripção da parte intitulada ORTOGRAPHIA.


ORTHOGRAPHIA

« Adoptàmos a orthographia etymologica para os termos de origem erudita e historica, e para as palavras populares a forma popular. Todavia a tendencia moderna é ir substituindo o elemento popular pelo etymologico. Hoje, geralmente, escreve-se egreja em vez de igreja; egual em vez de igual; similhante em vez de semelhante; logar em vez de lugar, não obstante este uso contrariar as leis da nossa morphologia.
 O systema que se funda na imitação do som, denominado orthografia phonetica, não tem outro principio regulador senão o capricho individual, e as suas regras pertencem ao dominio da imaginação. Hoje os grandes philologos não se occupam d'ella. Os phonetistas, em face da actual sciencia linguistica, representam o papel dos alchimistas da edade media em busca da transformação dos metaes.
 O fim secundario da orthographia é pintar os sons, o primario é dar-nos a conhecer a palavra, dizer-nos a sua origem e a sua historia.
 A orthographia phonetica trata de pintar, e mal, os sons que necessariamente se modificam de dia para dia, e concorre para a instabilidade das linguas; a orthographia etymologica tende ao contrario a fixal-as e determinal-as.
 Na littertura e na sciencia não se póde prescindir do estudo da origem das palavras e da sua historia. Succede com as palavras o mesmo que com os homens.
 Ignorando-se a filiação de uma pessoa e sua vida, ha uma certa hesitação em tratar com ella. N'esta mesma difficuldade ou embaraço se acha muitas vezes o escriptor em relação ao emprego das palavras. Não tendo segurança na sua procedencia e formação, fica perplexo sobre a legitimidade, propriedade ou conveniencia do seu emprego. O elemento etymologico é o certificado que nos justifica a filiação do vocabulo, o que dá grande satisfação e confiança ao escriptor que se preza de correcto.
 O que ignora que a origem commum dos vocabulos aurora e doirado é o termo latino aurum, não hesitará em empregar a phrase vulgar doirada aurora; que equivale etymologicamente á expressão ouro dourado. Os que não conhecem os elementos etymologicos do termo vangloriar-se, empregam como é vulgar este verbo como synonymo de gloriar-se; quando o verbo vangloriar-se só se póde applicar para exprimir uma jactancia ingloria e vã. A palavra manquejar é a fórma frequentativa do verbo mancar, formado do radical mão. Os que ignoram esta procedencia applicam-no aos homens aleijados dos pés, que claudicam, que coxeam. O termo autonomia é de procedencia directa latina e indirecta grega; exprime o direito que os romanos davam a certas cidades do imperio de se governarem pelas suas proprias leis, e elegerem os seus magistrados. Os que não conhecem esta procedencia empregam-no na accepção de independencia.
 O termo candidato, de origem latina, significava entre os romanos o cidadão que aspirava a algum cargo ou dignidade, e como taes se apresentavam vestidos de uma toga branca, candida.
 Por allusão dava-se este nome aos que aspiravam ao suffragio do povo.
 E, todavia, não ha muito, vimos que a imprensa chamava a el-rei D. Fernando candidato ao throno de Hespanha, quando elle não só não se propunha áquella suprema dignidade civil, mas pelo contrario se recusava formalmente a acceital-a.
 Vulgar é encontrar o verbo obcecar escripto com s (obsecar); os que sabem que o radical secare significa cortar, sorriem da troca.
 O elemento etymologico serve ainda em grande numero de vocabulos de distinguir dois termos que na linguagem falada estão envolvidos nas trevas do homonymo; taes como: assento e accento, cella e sella; anhelar e anellar, annular e annullar, valle e vale, buxo e bucho, sega e cega, sem e cem, chama e chamma, gema e gemma, era e hera, laço e lasso, sumo e summo, tensão e tenção, etc.
 Um partidario da orthographia phonetica escrevia ha pouco - El-rei matou dois servos. Elle queria dizer dois cervos (veados).

 Outra ordem de idéas, postoque de menos valia, recommenda a orthographia etymologica.
 A orthographia etymologica é a parte esthetica da palavra.
 Assim as palavras historicas monumentaes, que nos trazem á imaginação a veneração por um heroe ou as recordações gloriosas de um grande povo, melhor falarão ao nosso enthusiasmo, quando a sua fórma concorrer para excitar a nossa sensibilidade.
 A orthographia phonica apresenta o esqueleto da palavra, a orthographia erudita mostra-nos o verbum tal qual elle viveu no vigor e brilho da sua existencia.
 A orthographia sabia fala á intelligencia e ao coração, a phonica apenas se dirige ao sentido de audição.
 Quando lemos a palavra homem, a lettra morta h traz-nos á phantasia a grande civilisação romana filia o homem actual n'essa gloriosa pleiade de heroes latinos, cujas acções maravilhosas ainda hoje assombram o mundo.
 Para bem se apreciar quanta influencia exerce no nosso espirito a apparencia das cousas adduzâmos um exemplo: Dispam-se ao grande apostolo das Indias os seus habitos talares e substituam-se pelos requintes da moda do ultimo figurino parisiense; e a figura evangelica de S. Francisco Xavier deixará de nos enthusiasmar a imaginação, confundindo o heroe da fé christã com os peralvilhos da moderna sociedade.»
Diccionario Contemporaneo da Lingua Portugueza [Aulete], Lisboa, Imprensa Nacional, 1881, pp. XIX-XX.

Desvanecer, v. tr. e pr. (Aulete, 1881)


Escrito com Bic Laranja às 12:35
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Quarta-feira, 17 de Abril de 2013
O fim (i. é, o objectivo) da crise...

... e a pesada herança do fascismo.

 [Megan Green da Maverick disse que] a crise atingiu um ponto em que menos doloroso seria Chipre procurar uma «separação amigável» da zona Euro e livrar-se dos grilhões.
 Decerto. E como falamos nele, procuremos uma «separação amigável» para todos: para Portugal, para a Irlanda, para Espanha, para Itália e, acima de tudo, para a Alemanha, pois que todos eles são prejudicados de diversa maneira pelo projecto infernal (da moeda única). Todos eles são vítimas das suas élites.
 [...]
 Devia ser já óbvio que as solenes promessas dos senhores da zona Euro são balelas. Mudam de conversa quando lhes convém e quando a política dos seus países o exige.
 Chipre pode não ser um ensaio mas é nitidamente um aviso a qualquer outro país da zona Euro a braços com a dívida externa, doravante. Os credores podem ir longe para evitarem assumir perdas. Vemos já que as reservas de ouro são o que têm poder de alcançar. Que irá suceder com a economia portuguesa a afundar-se na voragem recessiva e com o
deficit encalhado perto dos 6% do P.I.B., apesar da carga fiscal, e a dívida pública a raiar 5/4  do P.I.B.?
 Portugal possui (a expressão do inglês é
holds = guarda, que não remete exactamente para ideia de posse) 382 t de ouro, 14.ª maior reserva nacional do Mundo, mais do que a Grã-Bretanha ou a Espanha. -- Por delicadeza passo os métodos de Salazar em no adquirir (por delicadeza, realmente, calava o calunioso despropósito).
 Portanto, irá a Troika mandar Portugal entregar a sua reserva de ouro se o país pedir um 2.º resgate como vaticinam inúmeros analistas na City de Londres?

Ambrósio Evans-Pritchard, «A trama da zona Euro adensa-se enquanto os credores cobiçam a reserva de ouro de Chipre», The Telegraph, 11/IV/13 (trad. e comentários meus).

 Portugal tinha em 25 de Abril de 1974 mais de 900 t de ouro. Hoje tem 382 t. E sobre o método de o adquirir veja-se se já em 1937 vinha com suástica.

 

Desembarque de caixotes com ouro destinados ao Banco de Portugal («O Século, 31/III/1937)
O desembarque de caixotes com ouro destinado ao Banco de Portugal, Porto de Lisboa, 1937.
A.N.T.T., Dp6/Sl1/Arm1 (O Século, 31/3/1937).



Escrito com Bic Laranja às 12:49
Verbete | Comentar | Comentários (9)

Terça-feira, 16 de Abril de 2013
A factura da E.P.A.L.
Acaba de me ligar uma sr.ª Catharina Guerra da E.P.A.L. a propor-me aquilo que mais interessa à dita E.P.A.L.: que eu receba a factura da água por via electrónica.
-- É gratuito.
(Gratuito será, pois, para a E.P.A.L., que assim se livra da despesa dos C.T.T.)
-- A sr.ª deve estar a referir-se a fâ'turas, que eu, da E.P.A.L., há muito não recebo facturas.
-- ?
-- Minha sr.ª. No dia em que a E.P.A.L. me tornar a enviar facturas -- fac-tu-ras, note bem, com «c» -- redigidas sem o Acordo Ortográfico eu respondo-lhe a isso que me pergunta. Portanto escreva aí: o cliente quer facturas com o texto redigido sem o Acordo Ortográfico porque receber facturas em linguagem estrangeira na sua própria terra o ofende.
-- (...pede facturas sem o Acordo Ortográfico.) Eu vou ter de falar com o meu chefe a ver se é possível e entretanto muda-se já...
-- Não senhora. Não muda nada. Primeiro a E.P.A.L. que me responda, ao depois muda-se o que for de mudar que tanto me dá, está bem?
-- Sim senhor.
-- Muito bem. Então vamos aguardar a resposta
-- Muito obrigado. Boa tarde.

A imagem é do dono das Agoas Livres...


Escrito com Bic Laranja às 18:40
Verbete | Comentar | Comentários (10)

Estrada de Benfica
Cruzamento com a Rua de Campolide (oculta), à mão esq., e com a travessa das Laranjeiras, à mão dir. O muro é do Jardim Zoológico.

Estrada de Benfica, Sete Rios (Col. d' «O Século»)
«Estrada de Benfica», Sete Rios,195...
A.N.T.T, «O Século», Joshua Benoliel...


Escrito com Bic Laranja às 00:09
Verbete | Comentar | Comentários (13)

Domingo, 14 de Abril de 2013
Jazz em Viena


Diana Krall, Temptation
(Jazz à Vienne, 2010).



Escrito com Bic Laranja às 21:30
Verbete | Comentar

blogs.sapo.ao (Ria!...)



Escrito com Bic Laranja às 12:30
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Sexta-feira, 12 de Abril de 2013
A notícia que nenhum jornal quis dar

Governo ameaçou a Academia das Ciências por objecção ao Acordo Ortográfico

  O responsável da área cultural no [XVII.º] governo ameaçou inclusive o presidente da Academia das Ciências [prof. Adriano  Moreira] de extinguir a Academia – sim, sim, de extinguir a Academia! – pelo facto de ela não estar ao lado do governo nessa matéria -- foram as palavras de Anselmo Soares, em 28 de Março na audição do grupo de trabalho da Assembleia da República que acompanha a aplicação do Acordo Ortgráfico.

  O prof. Anselmo Soares, actual vice-presidente da Academia, declarou ainda aos deputados do grupo de trabalho que aquela instituição é, segundo a lei, o órgão consultivo do governo em matéria linguística, e que não foi ouvida acerca da ratificação do Acordo. Disse-o por três vezes, querendo frisar -- Não foi ouvida. Isto é um dado objectivo factual. Não foi ouvida.
 
Antes dissera já, procurando enquadrar os deputados com o problema, que os trabalhos preparatórios para a entrada em vigor do Acordo nunca se fizeram. E durante vinte anos estivemos a olhar uns para os outros [...] E justamente ao fim de vinte anos, um membro do governo de então, que antecedeu a professora Gabriela Canavilhas na [pasta] da Cultura, decidiu, com argumento político, pôr em vigor imediatamente o Acordo. Sem ouvir ninguém. E tornou a sublinhar. A Academia não foi ouvida.
 
O prof. Anselmo Soares manifestou-se equidistante de posições extremadas, dizendo-se a favor do Acordo naquilo que não mexe com a fala, e deu o exemplo do caso do «espectador» em que agora as televisões já estão a pôr o «c»; porque chegaram à conclusão que era uma vergonha o «espectador», não é? -- dando a entender que as consoantes mudas são necessárias ao português.


 
   Informou a este propósito os deputados de que o Vocabulário da Academia das Ciências recentemente publicado tem o lexema «ótico» e tem o lexema «óptico», respondendo-lhes à admiração com veemência: – Tem o «p»! – Tem o «p», com certeza! Para os olhos. Para distinguir os olhos dos ouvidos. Mas é inacreditável! As pessoas não pensam, não raciocinam. Querem-nos obrigar à força a escrever contra a nossa fala. Contra a nossa fala.
 
Referiu-se a colegas da Academia como sumidades indialogáveis, a favor e contra. E sobre Malaca Casteleiro não se conteve: -- Quem ouve o meu colega Malaca Casteleiro parece que ele sabe tudo. Francamente!


 ----
 A transcrição ipsis verbis da audição do prof. Anselmo Soares foi ontem publicada na página da Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico (ilcao.cedilha.net) onde pode ser lida na íntegra. A gravação áudio é facultada na página do grupo de trabalho da Assembleia que intende à aplicação do Acordo Ortográfico.
 Até este momento (1h00 da tarde de 12 de Abril de 2013) não tive notícia de nenhuma notícia deste teor difundida na imprensa. Ficam desde já os jornais livres de publicar esta.


(Ultima revisão às 4h50 da tarde.)



Escrito com Bic Laranja às 13:00
Verbete | Comentar | Comentários (21)

Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11

15
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----