Sábado, 31 de Agosto de 2013
Fotografia original

Lisboaanos4050a.jpg
Praça do Areeiro, Lisboa, c. 1954-55.
Colecção de Manuel Campos Vilhena.

 A fotografia original do Areeiro que o estimado confrade Manuel em tempos me ofereceu é a que aqui vai. O que publiquei há dias sobre a Sacor é apenas um pormenor.
 Numa do lado oposto, de 1957-58, vê-se claramente a janela onde o fotógrafo esteve quando  tirou. A árvore crescera um tanto...



Escrito com Bic Laranja às 21:36
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Sexta-feira, 30 de Agosto de 2013
Meios aéreos

 Os noticieiros inflamados contam para aí aviões e helicópteros às metades. Três meios aéreos são o quê? Um aéreo inteiro e mais metade...?


 ½ aéreo

 Os governantes não são melhores que os noticieiros, mas nisto, são de maior proveito... Desde os anos 90...

 Para todos aqueles que desconhecem a verdade, a prova está nas fotos [...] onde o sistema MAFFS e C-130 estão lado a lado... Nos anos 80 e 90 a Força Aérea Portuguesa combatia os incêndios com o C-130 Hercules, o sistema MAFFS e o Helicóptero AL III.
 A F.A.P. foi forçada pelos governos corruptos a desistir de apoiar as populações... em detrimento de privados e outros interesses obscuros... (alguém se deu a muito trabalho para fazer desaparecer estas fotos, felizmente a Internet não tem memória curta).
 [...] Em 1997, o Secretário de Estado Armando Vara entendeu (vá-se lá saber porquê!), que não competia à F.A. intervir nos incêndios mas sim que deveriam ser contratadas empresas civis. Compreende-se [...] A F.A. não paga comissões.

Ten.-Cor. Brandão Ferreira, «Incêndios em Portugal», in O Adamastor,  26/VIII/13.

'Aéreos' é na realidade o que andamos a despejar nos fogos. Por isso continuamos a arder...



Escrito com Bic Laranja às 12:59
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Berlina de viagem, c. 1910

image001.jpg
 Uma sobrinha de 8 pareceu-me há dias que jamais vira um relógio de corda. Ensinei-a, mas a falta de jeito para lhe dar corda admirou-me.
 Neste admirável mundo novo ainda se fabricam brinquedos de corda, não…?!


Imagem: Carrinho de corda (Berlina de viagem), c. 1910. Museu da rainha Victoria e do príncipe Alberto em....



Escrito com Bic Laranja às 08:59
Verbete | Comentar

Quarta-feira, 28 de Agosto de 2013
Tapumes da Sacor no Areeiro



 Mandou-me em tempos o confrade Manuel uma chapa batida do 245 ou 247 da Av. Almirante Reis com uns tapumes na base do arranha-céus do lado N do Areeiro.
 Topei hoje com esta de Amadeu Ferrari no arquivo da câmara municipal, dada pelo arquivista de entre 1950 e 1970. É muito. Não cuido que fosse precisa tanta extensão para datar a fotografia. O Arranha-céus  do lado N da praça do Areeiro foi concluído... em meados dos anos 50 --  não me recorda o ano ao certo -- e os tapumes, cuido, são indício da obra que bem se via pràticamente acabada.

FER006744.jpg

Praça do Areeiro, Lisboa, c. 1955.
Amadeu Ferrari, in Arquivo Fotográfico da C.M.L.


Adenda: reparo que os tapumes eram rematados com reclamos de néon da C.E.L.. Tínhamos um aparelho C.E.L. em casa, não me lembro já qual.



Escrito com Bic Laranja às 13:59
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Terça-feira, 27 de Agosto de 2013
Dos lugares da Portela e da Encarnação

 O mapa em baixo tem mais que se lhe diga, mas aqui vão apenas duas curiosidadezinhas.

 Uma, a Estrada de Sacavém, que tanta curiosidade me desperta e tanta história tem. A história é a das hortas e dos retiros, esses sítios de romagem castiça dos alfacinhas na Lisboa doutras eras, bastamente conhecida e numerosamente publicada. A minha curiosidade, porém, é muitas vezes geográfica:

  • em que terrenos pousava a velha estrada que já não existe?
  • que lugares, quintas, casas fidalgas, fontes ou ermidas havia no seu caminho?
  • que sobra deles (se sobra algo) e do seu serpentear dela, da estrada?...

 Pois no mapa temo-la bem marcada a verde no troço além da Rotunda do Aeroporto. Das referências viárias, legendadas à máquina, cuido que deduzirá sem equívoco o benévolo leitor por onde seguia, até, e além do aeroporto da Portela. Quem bem procurar no terreno pode ser que ache hoje alguma coisa que dela sóbre. Em sendo o caso, por favor não se esqueça de nos dar notícia cá.

 A segunda curiosidade é relativa a dois lugares bem assinalados no mapa: a Portela de Sacavém e a Encarnação.
 Se perguntarmos hoje a alguém onde é a Encarnação, dir-nos-há toda a gente que é lá, a baixo do aeroporto, onde há uns bombeiros, onde foi feito pelos anos 40-50 um belo bairro de casinhas de bonecas. E está certo.
 Da mesma maneira se perguntarmos onde é a Portela, responder-nos-hão sem hesitar que são umas grandes torres construídas nos anos 70 a cima de Moscavide, além já do perímetro da cidade de Lisboa.
 Todavia, não é em nenhum destes locais que o mapa nos indica os dois lugares.
 A Encarnação eram meia dúzia de casas numa encruzilhada de caminhos onde depois fizeram uma ampla rotunda e posteriormente um complexo lacete de estradas com umas umas modernas bombas de gasolina para quem se fazia à (ou chegava pela) auto-estrada n.º 1. Sucede que a esse lugar hoje chamamos vagamente RALIS ou nó do Prior Velho, conforme a Leste ou Oeste da auto-estrada. E o nome Encarnação desviou-se para o lugar da Panasqueira, segundo o mapa de 1940.
 A Portela, por seu lado, era um lugarejo que desapareceu por completo com a construção do aeroporto que lhe herdou o topónimo, mas que hoje o quase não ostenta. Ficava rigorosamente entre a novíssima Av. da Cidade do Porto, rasgada a partir da Rotunda do Relógio, e a aerogare (hoje terminal de partidas). E vede lá a onde foi dar o nome deste lugar, Portela de Sacavém: pois fora de portas, ao concelho de Loures.
 Comum a ambos os desvios geográficos: a construção de bairros novos e o seu baptismo com usurpação de nomes das adjacências que, em rigor, lhe não pertenciam. Quem cauciona esta prática? A fugacidade e o fraco rigor da nossa memória.

Projecto geral do Aeroporto da Portela de Sacavém (C.M.L./A.M.L., 78/DMPGU)
C.M.L./A.M.L., Projecto geral do Aeroporto da Portela de Sacavém (1935-40), 78/DMPGU, p.127.

(Revisto ás 10h25 da manhã de 28.)



Escrito com Bic Laranja às 23:03
Verbete | Comentar | Comentários (2)

O fim de Lisboa

O caso é que acabava logo, pouco além de Campolide.

Vista aérea sobre o Praque Eduardo VII, Lisboa (Pinheiro Correia, ante 1937)
Vista aérea do Parque Eduardo VII
, Lisboa, ante 1934.

Pinheiro Correia, in Arquivo Fotográfico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 07:45
Verbete | Comentar | Comentários (11)

Domingo, 25 de Agosto de 2013
Da falácia contumaz

 No relatório dos intendentes de S. Bento ao caco gráfico aparece a pp. 18-19 (4.2 -- Argumentos favoráveis ao Acordo) que «os defensores [do dito] consideram que há uma mudança linguística (fonética) em curso que tem vindo a ocorrer desde o princípio do séc. XX, evidente na forma como certas pessoas ainda articulam consoantes mudas e outras não. A dupla grafia agora admitida poderá vir a desaparecer.»

 Este parágrafo, só por si dava um tratado. Se fosse sério.

 Primeiro, a única defensora que alguma vez vi propor este argumento foi uma Helena Topa Valentim num artiguelho no Público em 19/2/2012 (cf. «Uma Helena tola no Público»).

 Depois, se há mais defensores, desconheço. Duvido, mas pode haver. Seria interessante sabermos deles para conhecermos em que se baseia a sua tese de que há uma mudança linguística (fonética) em curso -- não uma de devir lento e indefinido como é das leis do uso natural da linguagem, mas antes uma bem definida cujo rumo inequívoco é a síncope de consoantes dos grupos cç, ct, pç, pt, e mais alguns por aí que possam vir a calhar...
 Uma afirmação daquelas, pois, é duma barbaridade capciosa.

  •  Qual o corpus científico em que se baseia?
  •  Qual o âmbito humano, geográfico e histórico da recolha?
  •  Qual o método de estudo dos dados recolhidos que concluiu ser evidente [a] forma como certas pessoas ainda articulam consoantes mudas e outras não? [ E daí a poder-se acabar com elas...]

  E naquela inquestionada evidência quais afinal são os vocábulos ou famílias de vocábulos em que as ditas consoantes mudas

  1. nunca se articularam?
  2. se articularam, mas deixaram de articular-se, e/ou vice-versa?
  3. sempre se articularam?

 E onde, a que povos, quando e, se possível, como, sucederam tão evidentes fenómenos de mudança linguística (fonética)?

 Pois bem, enquanto o inventário dessa apregoada mudança não for dado a conhecer estamos perante publicidade enganosa, ou reles ciganice, como com maior propriedade se diria antes de tanta mudança em curso.
 O respaldo no relatório dos srs. deputados duma particular excrescência intelectual da activista de caprichos fracturantes Helena Topa, mai-la generalização operada com ele no remate do ponto 4.2 -- Argumentos favoráveis ao Acordo é artifício de propaganda. Não tem validade científica, procura só inculcar subliminarmente no leitor, como verdadeira, uma ideia de que não há uma chispa de prova. Uma contumaz falácia dos poderes políticos que regem Portugal.

Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico -- LEIA!    ASSINE!     DIVULGUE!

(Imagem da I.L.C. contra o Acordo Ortográfico.)

(Revisto às 9h10 da noite.)

 

Adenda em 21/III/15:

Caro responsável pela autoria deste post,
Sou Helena Topa Valentim. Um amigo, numa busca que fez procura de algo referente a mim, descobriu este seu texto e aí menção ao meu nome. Alertou-me e, com espanto, constato que o senhor se terá equivocado. Nunca me pronunciei publicamente em nenhum artigo do Público relativamente ao A.O. e acontece que, exactamente em virtude da minha formação e desempenho profissional, tenho uma posição crítica em relação ao mesmo. Sei o que se terá passado para que tenha incorrido nesta confusão: o artigo que refere é da autoria de Helena Topa, uma prima minha, mas não meu. Agradeço, por isso, que, por esta razão, elimine este
post. Peço-lho por favor e agradeço muito a sua compreensão.
Cordialmente. 

(Helena Topa Valentim)



Escrito com Bic Laranja às 15:36
Verbete | Comentar | Comentários (7)

Sábado, 24 de Agosto de 2013
— Esta vida de turista!...

Caras

 O Lincoln...
 O homem que devorava livros começa a parecer-me uma (des)ilusão. Desde 2008 [a final é 2009] que o só acho cá lendo o jornal.....................
 ......................
 Pensando agora de mim para mim o homem que devorava livros não (des)ilude; é uma boa personagem das férias na praia. Fôra eu escritor nem preciso era que existisse realmente o homem que devorava livros. Fôra eu escritor e tinha-o inventado à mesma, não no havendo ele. Nem precisaria eu ser grande escritor para isso, talvez... Seria de certo ele então, não sendo nada, maior devorador de livros do que já é.

O homem que devorava livros lendo jornal, Algarve - (c) 2005
O homem que devorava livros lendo o jornal, Algarve - (c) 2007

 Notícias da urbe nuí (...da urbe no )

 Passos: «Não me demito. Não abandono o meu país.» --  Depois de ter mandado a gente emigrar é um apêgo notável.

Ainda nuí (no )

 I: «Passos manifesta "supresa" [entre aspas] com a demissão de Portas.» -- Surpesa entre aspas?...

Mais nuí (vós já percebestes)

 «P.S.D. quer obrigar C.D.S. a ficar com a culpa do fim do govêrno.» -- E Portas assim, a armar uma cègada destas, é de se sentir inchado com ser novíssimo mandarete de Bilderberg?
 Portugal é um joguete.

Praia

 Vento fraco. Calmaria, ondas pelo artelho... Muito agradável, não fôra uma espuma intrigante à superfície...

Praia da Falésia, Algarve - (c) 2005
Praia da Falésia, Algarve - (c) 2005

Caras II

 O homem que devorava livros deve ter-me ouvido a pensar e desmente-me de há pedaço. Acaba de chegar e pôs-se já ali com um livro. -- Não vou documentar devidamente esta agora porque não trouxe a kodak; nem também dos senhores que têm estado sempre quando estamos e ficam mais ou menos aquém ou além donde ficamos e que até estavam ontem no resturante logo à entrada; sempre os vejo cá na praia lendo. Somam-se hoje ao homem que devorava livros e àquela família do homem montanha, que são uns quantos e todos lêem. Mas estes são mais de jornais e revistas.

Despesas

 Jornal: 200$00, bica... vestuário/calçado 3 542$40 ...

Chapéu de papel; chapéu de senhora; chapéu de praia; fabricado nana China

(— Esta vida de turista!..., 3/VII/13.)



Escrito com Bic Laranja às 22:00
Verbete | Comentar

Sexta-feira, 23 de Agosto de 2013
Da urbanização (ainda)

 Às vezes ainda dou comigo a imaginar como seria tal ou tal sítio antes de lá haver prédios. Um deles é a Av. dos Estados Unidos ali onde quem vira da Av. do Aeroporto, que já descobri. Esta é já quando os prédios se iam fazendo.

Av. dos E.U.A., Lisboa (J. Benoliel, post 1951)
Construção da Av. dos Estados Unidos da América, Lisboa, post 1951.
Judah Benoliel, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 14:40
Verbete | Comentar | Comentários (4)

A fotografia não é do do burro nem do Ferrari

 Lembrais-vos do fulano do burro contra o Ferrari? Mandou lavar a minha rua esta noute. Fez bem, enlameou-me foi o automóvel todo, que tive de o mandar lavar.
 A fotografia não é do do burro nem do Ferrari. É dum Porsche e dum muar...

 

Portugal - H. Colitz, Nurnberg 1965.jpg
Campanha da Porsche, Portugal, 1965.
H. Colitz, in Porsche 356 Portugal, apud Portugal Velho.



Escrito com Bic Laranja às 12:15
Verbete | Comentar

Galeria camiliana em 23 de Agosto

« Em 1815, um dos mais abastados mercadores de pannos da rua das Flores na cidade do Porto, era o senhor Antonio José da Silva. E a 23 d'agosto, do mesmo anno, o negociante da rua das Flores que mais suava, e bufava afflicto com a calma, era o mesmo senhor Antonio José da Silva. O senhor Antonio, como os seus caixeiros o chamavam, tinha razão para suar. As bochechas balofas e tremulas, dilatadas pelo calor do estio, ressumavam-lhe um succo oleoso, que descia em rêgos pelos tres rofêgos da barba, e vinha adherir a camisa ás duas grandes esponjas, que formavam os seios cabelludos do nosso amigo attribulado.
   O senhor Silva inquieto, e resfollegando como um hippopótamo, passeava no seu escriptorio. O seu traje era muito simples: andava de cuecas, e alpercatas de estôpa com sola de cortiça. Este vestido, com quanto singelissimo, e o primeiro talvez que se seguiu ao que trajou Adão no Paraizo, dava-lhe ares d'um sátyro voluptuosamente gordo.
   O negociante representava cincoenta e cinco annos, bem conservados. No ôlho direito tinha muita vida; o esquerdo, porém, n'esta occasião tinha um tersolho, e inflammado, de mais a mais, pelo calor.»

Camillo Castello Branco, A filha do Arcediago, 3.ª ed., Porto, Cruz Coutinho, 1868, p. 7.


~~~  \\  ~~~


Cartaz adaptado da C.M. duma póvoa de ortofónicos (com tersolhos).


(Revisto às 11h00.)



Escrito com Bic Laranja às 07:05
Verbete | Comentar | Comentários (12)

Quinta-feira, 22 de Agosto de 2013
Portugal racista dos anos 60?

Ou a sociologia do «Público» exposta à porta da loja...


Aula de Electrotecnia, Ultramar português, 196... (S.E.I.T., nº 354734, cx. 445, env. 26).
Fotografia gentilmente cedidas pelo sr. António Fernandes.



Escrito com Bic Laranja às 06:16
Verbete | Comentar | Comentários (3)

Mito integracionista


Aula de Cozinha, Ultramar Português, 196... (S.E.I.T./D.G.I./S.F., n.º 348693, cx. 445, env. 26)
Fotografia gentilmente cedida pelo sr. António Fernandes.



Escrito com Bic Laranja às 06:15
Verbete | Comentar

Ilustração do colonialismo português

[Ilha de Moçambique?] [Portugal. S.E.I.T./D.G.I./Secção de Fotografia] Nº 384695
Riquexó, Ilha de Moçambique[?], 196...
Portugal. S.E.I.T./D.G.I./Secção de Fotografia, n.º 384695.

(Fotografia amàvelmente cedida pelo Sr. António Fernandes)



Escrito com Bic Laranja às 00:01
Verbete | Comentar

Quarta-feira, 21 de Agosto de 2013
Tribalismo do Estado Novo

Angola - Sá da bandeira - Batuque de Huíla na Humpala Portugal. S.E.I.T./D.G.I./Secção de Fotografia Nº s/n, cx. 455, env. 22
Batuque de Huíla na Humpala, Sá da Bandeira, 196...
Portugal. S.E.I.T./D.G.I./Secção de Fotografia, s/n, cx. 455, env. 22.

(Fotografia amàvelmente cedida pelo Sr. António Fernandes)



Escrito com Bic Laranja às 23:59
Verbete | Comentar

Recumbir, v. intr.

 (Por me bem haverem relembrado disto...)

 É verbo latino (recumbō, is, ěre, cubŭi, cubĭtum); quer dizer recostar-se, deitar-se ou reclinar-se em português corrente. Em latim tomava ainda o sentido muito concreto de pôr-se à mesa; os romanos banqueteavam-se deitados. É verbo sinónimo de decumbō, is, ěre, cubŭi, cubĭtu, este com o sentido também de meter-se na cama (deitar-se, portanto), segundo informa António Gomes Ferreira no Dicionário de Latim-Português (Porto, Porto Editora, imp. 1995). Deles (ou melhor, dos seus particípios decubĭtus/recubĭtus, a, um) tomou o português por via erudita os nomes decúbito e recúbito que significam estar deitado ou encostado.




 O verbo recumbir vem nos dicionários modernos (Priberam; Porto Editora, 5.ª ed.), mas há-de ser rebuscado usar tal verbo em português. O Corpus do Português recenseia-o apenas por três vezes no séc. XX, numa única autora e obra: Fernanda Botelho, O Ângulo Raso (1.ª ed., 1957). Em séculos anteriores só o verbo em latim consta nas obras portuguesas do Corpus (em expressões latinas pròpriamente ou em dicionários de Latim e afins).
 A derivação recumbir > recumbente para qualificar um certo tipo de bicicletas (ou triciclos) em que o ciclista dá ao pedal deitado, à primeira vista não parece repugnar ao português (embora de pedir derivemos muito chãmente pedinte e de ouvir, ouvinte, a verdade é que de presidir derivamos presidente e de cair ainda fazemos melhor: cadente). Todavia cheira-me este recumbente a anglicismo. Se não inteiramente na forma, pelo menos no timing na oportunidade. E na facilidade. Também me cheira que há-de ser por esta última que o achais já tão prestes no Priberam, esse hostel albergue de todos os barbarismos.
 E podeis quedar-vos só por aqui.
 Ou...
 Se vos não satisfizerdes só com facilidades débeis procurareis então o bárbaro recumbent em dicionário apropriado. E achareis o seu significado, a saber, estar deitado.
 
Em decúbito ou recúbito, portanto.
 Logo, uma bicicleta em que se pedala deitado será... um velocípede de decúbito ou de recúbito.
 Em reforço (e talvez por ironia das débeis facilidades, embora nem todos hajam de saber latim) relembro que recubitūs (s.m. pl.) era simplesmente como os romanos designavam os leitos em que se deitavam a comer.

(Imagem de triclinium, in Triclinium.)



Escrito com Bic Laranja às 21:45
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Lógica de acordita

  (Duarte Afonso, «Disparates, mentiras e teimosia», Jornal da Madeira, 21/VIII/2013.)

 

 Pois é. Unificar é duplicar. Um acordita (o governo) raciocina deste modo.
 Como diabo se chama à razão um irracional?...



Escrito com Bic Laranja às 18:29
Verbete | Comentar | Comentários (3)

Terça-feira, 20 de Agosto de 2013
Negar Portugal com apoio da Antena 1

 Na semana passada, na emissora nacional (crismada Antena 1, uma subsidiária da Radiotelevisão Portuguesa Brasileira), deram destaque matinal a um artista baiano. Um rico destaque, como a todos vindos daquelas partes (imagino se aos que vão daqui lá sucede o recíproco).
 Na entrevista o cara revolvia-se e revirava-se a explicar o forró que trazia ao Coliseu de Lisboa. Procurava estribá-lo em tradições sanjoaninas «ibéricas» transpostas à Baía.
 Ibéricas.
 Lá numa vez recompôs o «ibéricas» com um «portuguesas»... Numa única vez.
 Não cuido que haja tradição baiana fundada em nada senão substratos índio, negro, e português.
 Pois... ibérico?!...
 Ibérico aqui é «espanhol» e na pulhice do cabra é habilidadezeca para encobrir o nome «português». -- Não querem lá, pois, ver o jagunço?!...
 Talvez me engane, mas gostaria de saber do artolas levar além Badalhouce o seu folclore de Zé Cabra, a ver o comprimento e a cor da passadeira lhe os ibéricos dali poriam. E qual o apoio da Rádio Nacional da Espanha, que dá no mesmo. Gostaria, pois!


(Imagem do «Apoio A1».)



Escrito com Bic Laranja às 18:30
Verbete | Comentar | Comentários (4)

[As] quebra agravaram [o] défice

Shot0001.jpg

 Com um léxico de aprox. 30 palavras qualquer um redige títulos de 1.ª página. Dispensa-se a sintaxe (ou mero uso de artigos, assaz incómodos). Só aguardo agora vir aqui um freguês dizer-me que devo eu actualizar os conhecimentos técnicos de economia [ou seria Economia?] para comentar uma notícia do deficit.

(Imagem do jornal Negócios, 20/VIII/13.)



Escrito com Bic Laranja às 12:30
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Segunda-feira, 19 de Agosto de 2013
— Esta vida de turista!...

Notícias da praia

 Comprei-me o jornal. A senhora comprou-se uma revista.
 A mar acalmou. Agoa um nadinha mai' fria. Não há vento. O marulhar calmo das ondas inspira sossêgo. Ajuda-o não haver aqui muitos cro-magnons. Os poucochinhos que há em redor estão calados, a desfrutar o sossêgo também, talvez; e os que passam caminham sem se ouvir, vão descalços...


Cro-magnons, Algarve - (c) 2007

 Um bando de gaivotas, só ele é que corta o marasmo grasnindo uns miados zangados.
 Olhando na outra direcção nem pareceria que há ela uma multidão apinhada à boca da praia. Deve ser o sentido gregário dos sapiens sapiens que lhes dita não se desviarem da entrada da praia espaço dum ou dois campos de football, para não estarem a cavalo uns nos outros. Isso e curteza de horizontes. Ou mandriice de procurar ver mais além o que seja...


Sapiens sapiens, Algarve - (c) 2009

Caras

 Ontem havia... Hoje só o Gaspar, na 1.ª pág. do jornal. Demitiu-se ontem. Colossalmente.

Notícia da urbe

 O Portas demitiu-se irrevogàvelmente hoje.


Despesas

Jornal + revista: 920$00;bica: 120$00;  1 bola de gelado: 320$00...

 

(Algarve, 2/VII/2013.)



Escrito com Bic Laranja às 18:45
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9

12
15
17

19
20
21
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Alpendre (O) (pub)
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Palaurossaurus Rex
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----