Quinta-feira, 31 de Outubro de 2013

Da burra que sabia da carochinha

-- Sei, calculo que houvesse camaradas seus que desertaram, que fugiram...
-- !...
-- ... para não ter de cumprir....
-- Fugiram quando?
-- Não sei. Mas para não ter de cumprir o serviço militar, obrigatório, que os portugueses impunham.

«Que os portugueses impunham», diz a gaja de modo a nem se misturar. Realmente portuguesa não é. É licenciada. Em História. Da carochinha.


Sargento Monteiro dos Comandos da Guiné Portuguesa.
(Prós & Contras, R.T.P., 2007 [?].)

Escrito com Bic Laranja às 19:17
Verbete | comentar | comentários (7)

39 anos de internacionalismo

HALO-UÍNO

 Pela mão de muitas professorazinhas que conspurcam a escola pública, as criancinhas do Minho ao Corvo andam hoje a celebrar a histórica e portuguesa festividade de umas bruxas americanas que vieram para Portugal durante o reinado de D. Dinis. Foram elas (está tudo na Torre do Tombo) que o ensinaram a escrever as cantigas de amigo à luz de velas metidas em abóboras. Diz também a História que D. Fuas Roupinho casou com uma delas, quando fazia surf na Nazaré e que o Professor Karamba vai candidatar-se à compra de 3 escolas. Tens razão, Almada, «isto não é um país, é um sítio e ainda por cima mal frequentado».

João Roque Dias (Livro das Fuças, 31/X/13).

~~ « » ~~

Exposição «30 anos de Cultura Portuguesa: 1926-56», Lisboa (M. Novais, c. 1957)
Exposição «30 Anos de Cultura Portuguesa: 1926-1956» [Henriquina]. Lisboa, c. 1957 [1960].

Estúdio de Mário de Novais, in Bibliotheca d' Arte da F.C.G.

Escrito com Bic Laranja às 16:51
Verbete | comentar | comentários (7)
Quarta-feira, 30 de Outubro de 2013

O senhor feudal



 A maior fidalguia da gleba nacional socialista acorreu ao alardo em aclamação geral daquele grande senhor com nome de filósofo grego futebolista brasileiro por ter ele escrito lançado um livro.
 Na Idade Média a feudo-vassalagem compunha-se em juramento cerimonial de serviço e protecção entre vassalos e suserano e dali deverem os primeiros de acorrer aos alardos, ao reunir das hostes, em no suserano chamando.
 Diz que o feudalismo foi decapitado na Revolução Francesa, de modo que nem sei agora se a descabeçada feudo-vassalagem se transvestiu entretanto em fraternidades de rito escocês ou se mais prosaicamente descambou em cidadania de rabos de palha. Do que para aqui vejo hoje, no feudo que substituiu Portugal, ou a Idade das Trevas se encafuou mesmo debaixo do avental dos filhos da viúva, ou a tenebrosa P.I.D.E. há-de ter sido um côro de meninos ante os mozartianos S.I.S., S.I.R.P., S.I.E.D. e não sei que mais.
 Calhando são ambas à uma, se não vejamos.
 Vassalagem e/ou rabo de palha bem parece ter sido o que em tempos forçou o fidalgo Dias Loureiro a caucionar uma meninice de ouro. O seu desagravo do jugo louvaminheiro em que se viu foi o «vim cá mas não conheço o menino de ouro de lado nenhum» que debitou à imprensa. É sabido o vilão em que entretanto se tornou (ou foi tornado).
 O caso no meio deste grande alardo agora é que se saiu o irmão do dr. Tertuliano a reverenciar «o engenheiro de Coimbra», evidenciando-lhe assim gritantemente a macaquice da Universidade Independente. Soa-me mais a desagravo do que a senilidade. Desagravo de ter de ali ir pendurado por algum rabo de palha, embora a desculpa na manga de havê-lo apenas dito por estar gagá possa dar jeito.



 Pois se não temos aí um poderoso (e caprichoso) senhor feudal, como se lhe justificam também os meses de prègação autorizada em púlpito do Estado com govêrno adverso, ou a magna aclamação em praça pública, agora, de tão duvidosa tese de mestrado?

(Imagens do pasquim Correio da Manhã, in Porta da Loja, 24/X/2013 [adaptadas em português correcto] e do D.N., 1/VII/2008.)

Escrito com Bic Laranja às 23:58
Verbete | comentar | comentários (7)
Terça-feira, 29 de Outubro de 2013

Língua portuguesa no sistema mundial




ECONOMY

Production at Autoeuropa for another 10 days

In November there will be no downdays but in December Palmela plant for four days and seven days in January.



ECONOMIE

Production à l' Autoeuropa pour 10 jours supplémentaires

En Novembre il n'y aura «downdays» (jours sans produire), mais en Décembre l'usine de Palmela pour quatre jours et sept jours à Janvier.

 O «sistema mundial» deve andar aí à nora para entender os ziliões de luso-papagaios que se exprimem tão triunfalmente sem nexo. Mas é moderno. Quem há ai que não queira cacarejar a língua da moda? Vamos lá, velhos do Restelo! Só os burros é que não mudam, não dizia o outro?
 -- Arre Casteleiro para O.N.U., que o lusofonês já lá está, a cavalo nos acorditas!

Escrito com Bic Laranja às 19:05
Verbete | comentar | comentários (6)
Segunda-feira, 28 de Outubro de 2013

Omigo

Da jukebox do careca da leitaria para a blogosfera.



Black Slate, Amigo
(1980)

Escrito com Bic Laranja às 19:59
Verbete | comentar | comentários (3)

Policromia em preto e branco

 Os baixos relevos do ceramista Jorge Barradas na fonte monumental da Alameda começaram por ser coloridos (a estatuária medieval também o era). São alegorias ao trabalho; nelas achamos representadas as artes da lavoura, da pastorícia, da pesca, e trabalhos tradicionais das mulheres e dos homens.
 Não conheço fotografias a côres destes baixos relevos, de quando ainda exibiam a policromia original. E cuido que poucos daquele tempo se recordam de os ver assim -- a minha mãe era desse tempo e não me recordo de me falar neles. -- Só destas fotografias tive a noção de os baixos relevos terem tido côr. Descorados passam mais desapercebidos e, com ele, também a tradicional divisão dos trabalhos; muitos já nem fazem ideia do que isso era e um punhado doutros, hoje, não deixará sequer que tal se sonhe senão para publicitar as trevas do passado. Disto ocorre-me que a policromia original daqueles baixos relevos diminuída hoje no monolítico cinzento das pedras é por si uma outra alegoria, moderníssima: a dos defensores acérrimos da neo-ortodoxia a que chamam polìticamente correcto.

Baixos relevos, Alameda (H. Novais, c. 1948)

Baixos relevos, Alameda (H. Novais, c. 1948)

Fonte Monumental, Alameda (H. Novais, c. 1948)


Fotografias: Fonte Monumental, Alameda de Dom Afonso Henriques, c.1948.
Estúdio de Horácio de Novaes, in Bibliotheca de Arte da F.C.G.

(Revisto aos vinte para as oito da noite.)

Escrito com Bic Laranja às 17:12
Verbete | comentar | comentários (11)

Sabujice avergonhada?

 Não sei se foi reclamação dalgum vizinho mas esta minha nota há oito dias -- vi há pedaço, antes de almôço -- perdeu razão. Hoje, vinte e nove dias depois da feira dos votos, a fonte monumental da Alameda tornou a trabalhar. Oxalá siga eu perdendo razão sôbre a aparente sabujice.

Fonte Monument.jpg
Fonte Monumental, Alameda de Dom Afonso Henriques, post 1948.
Estúdio de Horácio de Novaes, in Bibliotheca de Arte da F.C.G.

Escrito com Bic Laranja às 14:00
Verbete | comentar | comentários (4)
Sábado, 26 de Outubro de 2013

À espera (da última tiragem)

Correio. Marco 591, Lisboa (R. Kahan, 1940)

Correio (marco 591), Lisboa, 1940.
Rogério Kahan, in Portugal Velho.

Escrito com Bic Laranja às 22:31
Verbete | comentar | comentários (2)
Sexta-feira, 25 de Outubro de 2013

Começar com nada para acabar com tudo...

 Lutando contra carências de toda a ordem, lançamo-nos ao «arranque» dos T.A.P. [...]
 Para começar não havia pistas, nem para DC-3, na Guiné e S. Tomé. O aeródromo de Luanda consistia numa pequena pista de macadame, com pouco mais de mil metros, e um hangar que, simultaneamente, servia de oficina de manutenção aos aviões da Divisão de Transportes Aéreos do Serviço dos Portos, Caminhos de Ferro, e Transportes, de Angola, e improvisada aerogare.
 Lourenço Marques, embora dispondo de três pistas entrecruzadas, também em macadame, e de uma pequena aerogare, não oferecia condições para a operação com aviões do porte do DC-4, Skymaster.
 Em Angola o apoio rádio era feito pelas estações de radiotelegrafia dos C.T.T. locais, não havia radiofaróis para o serviço aeronáutico, nem serviço meteorológico que fizesse previsões de rota ou de aeródromo.
 Dada a urgência com que o governo desejava a abertura da linha, só o DC-3 estaria em condições para operar na futura linha, e, mesmo assim, nos limites que as suas extraordinárias «performances» permitiam.
 Mesmo antes das viagens experimentais era patente que a linha de África iria ser explorada em condições inaceitáveis de rendibilidade, de extrema incomodidade para os futuros utentes, e que não passava de um anacronismo aeronáutico. Tudo isso reconheceu o Governo, mas entendeu que o «interesse nacional», mais uma vez, se sobrepunha aos problemas de ordem técnica.
 O Serviço de Instrução e o de Operações compartilhavam uma barraca em madeira montada nos terrenos dos Aeroporto de Lisboa. Foi nesse barracão que instalámos a Sala de Navegação, de onde «saíram» os planos de voo para as viagens experimentais.
 Para «arrancar» com a nossa Linha Imperial, como chamavam á nossa linha d'África, há que reconhecer que arrancávamos... com modéstia!

Eduardo Alexandre Viegas Ferreira de Almeida, «Quarenta Anos de Aviação», Martins & Irmão (impressor), 1995, pp. 71-72.

 Não havia nada de coisa nenhuma. Havia a fazer... tudo. Sob a batuta do homem que atrasou o País, fez-se. Particular (agora diz-se «privado», à parva) interessado em sequer começar a empreender tudo do nada, não se acharia jamais -- não compensaria a trabalheira nem o investimento. Depois de tudo pronto e a laborar livremo-nos da modéstia e despreze-se a herança. Venda-se tudo ao desbarato para pagar festanças...
 Triste nação em liquidação total.

Aeroporto de Bissau, Guiné Portuguesa, 196...
Aeroporto de Bissau, Guiné Portuguesa, 196... (S.E.I.T., nº 237535, cx. 445, env. 19).
Fotografia gentilmente cedida pelo sr. António Fernandes.

Escrito com Bic Laranja às 12:45
Verbete | comentar | comentários (2)
Terça-feira, 22 de Outubro de 2013

Dos piores que tudo

 A entrevista de Maria Luís Albuquerque à SIC revela dela uma inconsciência social grave ao referir-se aos seus rendimentos e padrão de vida. Não tenho dado atenção à senhora ao ponto de dela ter uma imagem da sua capacidade. Apenas noto que ou não percebeu como vive a maioria dos portugueses ou acha que se pode comparar com essa maioria.

Manuel, H Gasolim Ultramarino, 21/X/13.

 O dr. Salazar, dos da I.ª República, dizia que «uns eram piores que tudo, alguns melhores que os outros». Os que se por ventura ainda aproveitavam, ensinavam-nos, e eles lá aprendiam um módico de humildade que os levava a procurarem encavalitar-se aos ombros de gigantes para, em fim, alcançarem horizontes mais largos.
 Hoje o escol que temos é qualquer coisa que nem sei dizer o nome: encarrapita-se aos ombros de anões para conseguir ver diante os muros da universidade da moda -- de preferência com graffitti para ser parecer modernaço. A percepção da realidade vai dali aos muros do condomínio e só se desvia no caminho da cabeleireira, antes de dar nas TV.

(«Uma escolha pessoal de Passos», Sol, 5/VII/2013.)

Escrito com Bic Laranja às 13:05
Verbete | comentar | comentários (6)
Domingo, 20 de Outubro de 2013

Do sabujo Costa

 As eleições foram quando, já...?!
 Há três domingos, pelo menos, que não vejo a fonte monumental da Alameda ligada. Não era perciso ser bidu para adivinhar que a garantia das últimas obras daria só até à lotaria autárquica. Era?

Fonte monumental, Alameda (H. Novaes, c. 1960)
Fonte Monumental, Alameda de Dom Afonso Henriques, c. 1960.
Estúdio de Horácio de Novaes, in Bibliotheca de Arte da F.C.G.


Adenda...
Escrito com Bic Laranja às 21:34
Verbete | comentar | comentários (5)
Sexta-feira, 18 de Outubro de 2013

Saramago quá quá!

 O agramatical Saramago teve-se muito na conta de semi-deus. Ao depois de nobelizado as televisões endeusaram-no o resto que faltava. Das diabruras saneadoras no Diário de Notícias ou de aconchegar a roupa ao pêlo da primeira mulher nem pio. E também não consta que tenha agradecido o jeito nobelitante ao Sousa Lara. Enfim! Desde Homero que é consabida a sobranceria dos inquilinos do Olimpo mai-lo seu caprichoso pôr e dispor dos mortais.
 Por estas e por outras nem estranhei quando lhe ouvi que o olímpico Acordo Ortográfico não era muito consigo. Sabia ele ser bem aquilo mais um capricho dos deuses para amofinar os mortais e que, no fim, o paganismo anti-católico ou os arremedos da musa do samba é que são sagrados.
 Não estranhe o benévolo leitor, pois, os ínfimos Job e Caim -- ou a bíblica Sodoma -- saramagalmente grafados com minúscula. Nem se admire de ser Deus um senhor surdo como um velho qualquer. Os diabretes dos revisores lá estão, e guardam a saramagal escritura como os anjos do texto, pontapeando aspas em discurso directo ou demais pontuação. Mas o diabo, o diabo, é sambar com o pato!

Saramago, Caim, Caminho, 2011.
Saramago, Caim,, 12.ª ed., Caminho, 2011.
Imagem de João Roque Dias no livro das fuças, apud Aventar.

Escrito com Bic Laranja às 19:20
Verbete | comentar | comentários (17)
Domingo, 13 de Outubro de 2013

Vinhais

Placa toponímica, Vinhais (Luísa Gonçalves, 2013)
Placa toponímica, Vinhais, 2013.
Cliché de Luísa Gonçalves.

~~~~ * * ~~~~

 Vale a pena parar para visitar o que resta do pequeno castelo. A torre de menagem e outras torres foram apeadas, com a pedra fez-se a igreja da vila velha. Tudo ali é ainda extremamente arcaico, tudo consserva o selo de não violada genuinidade e não é nenhum delírio pensar que o pequeno burgo, com algum restauro, podia servir de exemplo do que foram as pequenas vilas medievais que serviram de base para o arroteamento da terra transmontana e ao mesmo tempo de exposição permanente do fumeiro do enchido, famoso por estes lados mas difícil de achar. Isso justificar-se-ia se alguma vez se concretizasse a aspiração dos moradores de abrir a fornteira com a Espanha, que aqui está perto, duas dezenas de quilómetros. «Fronteira aberta, boa estrada, umas piscinas nesta serra, e isto mudava como a noite para o dia», diz-me o sr. Lopes, com quem me acho a conversar. «Mas há muita construção nova, a mostrar progresso», arrisco. «É obra do Fundo de Fomento da Habitação. Aqui não há futuro. A gente nova vai-se toda embora. Não há uma fábrica. Tudo vem da agricultura, mas os leirões da terra, em socalco até lá a baixo ao rio, não aguentam máquinas e têm de ser surribados à força de braços. Ora neste mundo já não há braços para isso!» A paisagem, caindo abruptamente sobre o vale confirma o argumento. «Mas é muito bonita esta vista», digo por dizer. A resposta vem cerce: «Se as pessoas vivessem da vista não precisavam de barriga.»

José Hermano Saraiva, O Tempo e a Alma. Itinerário Português, 2.º vol., Círculo de Leitores, imp. 1987, p.171.

~~~~ * * ~~~~


Vista de Vinhaes, Illustração Portugueza, n.º 296, 23 Out. 1911, p. 514
(Illustração Portugueza, N.º 296, 23 Out. 1911, p. 514.)

Escrito com Bic Laranja às 21:34
Verbete | comentar | comentários (8)
Sábado, 12 de Outubro de 2013

Feira de burros

 Em Vimioso -- aprendi há dias -- em Outubro... é Outono. E a índole cultural do concelho está patente no seu «cartaz».
 Notoriamente.
 Recomendo a feira de burros no domingo, 13, em S. Joanico, com repasto na aldeia e desfile asinino pelas ruas, depois, até ao fim da actividade.
Quem lá não possa ir assistir tem aqui a consolação do desfile asinino na redacção do cartaz, mai-lo pedaço de asno que o assina.

 

À câmara de Vimioso


(Agenda cultural da câmara, Vimioso, 2013.)

Escrito com Bic Laranja às 11:35
Verbete | comentar | comentários (6)
Sexta-feira, 11 de Outubro de 2013

De «roer a corda» e da nua realidade (revisto)

« Já agora, um pormenor curioso: a Convenção [Ortográfica Luso-Brasileira] de 1945 nunca chegou a ser um tratado bilateral. Para haver um tratado solene bilateral ambas as partes têm de o ratificar. Ora, o Brasil apenas ASSINOU a C.O.L.B.; nunca [a] chegou a ratificar. A assinatura produz alguns efeitos nos termos codificados pela Convenção de Viena sobre Direito dos Tratados, de 23 de Maio 1969, mas não vincula plenamente os Estados. Por isso, ao contrário do que se diz por vezes, em 1945, o Brasil não "roeu a corda". Simplesmente nunca ratificou o Tratado; e, para as coisas serem mais claras, revogou o acto de assinatura (isso, sim, é um acto contrário ao princípio da boa fé e de não atentar contra o objecto e fim do tratado (art. 18.º, al. a), da C.V.D.T.).»

Ivo Barroso em acção contra o Acordo Ortográfico no Livro das Fuças, 10/X/13.

 Em bom português, qualquer um entenderá, «roer a corda» há-de ser eufemismo bem simpático para qualificar quem cometa um acto contrário ao princípio da boa fé. E pior: tal acto de -- digamo-lo mais puramente -- má fé do Brasil foi, na prática e para todos os efeitos, atentar contra o objecto e fim daquele tratado, cujo alcance era, recorde-se, a mera unificação ortográfica entre duas partes, Portugal e Brasil, e não apenas uma, Portugal (coisa estulta e sem sentido, mas que é o que acaba sempre por ser...)
 Perante a miserável pantomima do Acordo Ortográfico de 1990, uma única atenuante da má fé brasileira em 1955 (e não em 1945) poderia eu conceder: a de que foi muito mais clara, imediata e definitiva na quebra dos trautos do que o cínico vício de mérito do 2.º protocolo modificativo, cujo expediente foi o insidioso arregimentar pelo Brasil de dois arquipélagos irrelevantes para somar três ratificações, torcendo a lógica e necessária unanimidade subjacente ao propósito duma ortografia única, válida com seriedade para as sete (ou oito) partes signatárias. E a coisa foi, como se nada fosse. Ora que índole se tira disto?
 Ou que índole se vê agora daqueles tratantes que já procuram decalaradamente fazer tábua rasa do que quiseram viciar, para elevar finalmente a sua perfídia a um novo patamar...? -- Não andará o Brasil paulatinamente a tomar de assalto o idioma Português para com ele acobertar e fazer vingar o seu enjeitado crioulo?
 Tenho para mim que esta rábula é deveras eloquente da materialização da boa e da má fé no mundo em 1945 e hoje. Desta elaborada vigarice, não descurando obviamente o seu repugnante teor, forçar a nação portuguesa a ter de pactuar com o tratado do Acordo Ortográfico de 1990 é sobremaneira humilhante. Pois humilhar-nos parece ser só do que os nossos governantes são capazes nestes dias...


(Imagem da Loja Frenesi.)


(Revisto às dez e vinte e cinco da manhã de 12.)

Escrito com Bic Laranja às 13:04
Verbete | comentar | comentários (6)

Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
13
14
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

arquivo

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS

____