Sexta-feira, 31 de Janeiro de 2014
Descubra o dux (*)

 Saloios com o gado manso da praxe deante de... -- Bom! Do edifício onde vem a ser a Universidade Lusophona. Estas voltas teem a sua ironia; a feira, o gado, a saloiada... Enfim, mais rito menos avental, mais batina menos barrete, a praxe á bovinidade tem aqui o seu quê ancestral.



Feira de gado, Campo Grande, 1890-1910.
Charles Chusseau-Flaviens, in George Eastman House.


(*) Dux é nominativo latino cujo plural é duces e não duxes, como dizem por ahi commentadores d' alto coturno e licenciaturas de saldo. Claro que é irreal querer achar noções de latim na mole indigente dicta mais preparada de sempre (ou mais bem..., como sói ouvir-se d' aquelles mesmos taes). Dux é latim para dizer caudilho, chef, leader. -- E só d'esta pequena amostra de synonimos noto como fraqueja o idioma português em vocabulario para designar quem commande, salvo se for o rei. A palavra duque chega-nos do francês duc, não do latim dux (ou ducem), com seu pleno sentido de titular nobiliarchico; título d' alta nobreza mas não de realeza, é bom de notar. Symptoma d' aversão a auctoridade que não a do rei?...



Escrito com Bic Laranja às 16:31
Verbete | Comentar | Comentários (11)

Quarta-feira, 29 de Janeiro de 2014
Païsagem com alfinetes

IMG_4688.JPG
Alcochete -- (c) 2012



Escrito com Bic Laranja às 18:15
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Idanha-a-Velha, 2013

Ou como por pouco nos não cruzámos...


Museu Lapidar Igeditano, Idanha-a-Velha, 2013.
Cliché de Luiza Gonçalves.



Escrito com Bic Laranja às 17:58
Verbete | Comentar | Comentários (3)

Domingo, 26 de Janeiro de 2014
Do «emprehendedorismo» (como agora se diz)

 Já o cá disse. Era da indústria millennar que os marcos viarios fossem de pedra bem affeiçoada e feitos para durar. E também disse então que a indústria (leia-se arte e engenho de fazer algo bem feito) já não se quere millennar; quere-se emprehendedorismo -- e viva o moderno! -- Ora, quaesquer dous dedos de intelligencia depressa concluem que emprehender como fim em si mesmo é uma boa trêta: um vazio de fanfarrões deslumbrados que não emprehendem nada senão show-off. Tenho aqui a prova do emprehendedorismo em acção e o resultado da acção emprehendida, ou emprehendedora, que é como se agora apregoa.
 Valha-nos de as peneiras dos exhibicionistas que inventaram marcos em lata lhes dictarem não botar os côtos no marco antigo. Ou valha-nos o peso da pedra de que foi feito.


E.N. 354, km 20, Idanha-a-Nova (prox.), 2013.


(Revisto.)



Escrito com Bic Laranja às 18:44
Verbete | Comentar | Comentários (3)

Sábado, 25 de Janeiro de 2014
No tempo das amendoeiras em flor


Scena campestre, Algarve, [s.d.].
Arthur Pastor, in Archivo Photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 22:40
Verbete | Comentar | Comentários (3)

Rua Pereira Carrilho

Attachment-1.jpeg

 Chapa de Eduardo Portugal em 1953 (quiçá no mesmo dia da do Largo do Leão). Arruamento moderno assente num troço da velha circumvallação de 1858, teve o primitivo nome 'Rua do Conselheiro Pereira Carrilho'. Por voltas da I.ª Republica tinha metade da largura actual e muros de contenção do lado S; do N algumas casas terreas e quintaes; começava a edificar-se um ou outro gaioleiro -- v.g. o de esquina com o Largo do Leão (ou estrada das Amoreiras), em primeiro plano, que ainda resiste.
 Aqui com todos seus gaioleiros que entre tanto lhe deram feição urbana, mai-la placa central arborizada do tempo em que o gosto pequeno-burguez procurava dar aos arruamentos alfacinhas um ar de 'boulevard'. Os lampiões de pé ajudam ao pittoresco.

Photographia:
«Rua Pereira Carrilho», Lisboa, 1953.
Eduardo Portugal, in Archivo Photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 14:31
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Quinta-feira, 23 de Janeiro de 2014
Largo do Leão

 O Largo do Leão em 1953 pela lente de Eduardo Portugal. Desafogado, alguma construcção moderna e bom arvoredo. Um lugar aprazivel.
 Em fim de Novembro, início de Dezembro de 2013, as arvores foram cortadas. Tôdinhas. Zêlo do vereador do ambiental e do sustentavel, por alguma moléstia, de certo...
 (Não estou a ver que a madeira das árvores ultimamente abatidas em Lisboa seja grande negócio... É?)

Largo do Leão, Lisboa (E. Portugal, 1953)
Largo do Leão, Lisboa, 1953.
Eduardo Portugal, in Archivo Photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 12:43
Verbete | Comentar | Comentários (3)

Segunda-feira, 20 de Janeiro de 2014
Hesperia

 Como não apprecio o Inverno e me desgostam os dias curtos venho por aqui muito em 20 de Janeiro com o rifão popular. Por elle lembrou-me ha annos o confrade Manuel d'outro -- «por S. Sebastião, laranjinha na mão» -- a proposito da data do calendario.
 Se em 20 de Janeiro me inspira a dias maiores, laranjinha na mão em dia de S. Sebastião aviva-me o Algarve (elle até ha agora um annúncio), provincia cá muito dos meus dias estivaes, os mais longos de todo o anno, terra de moiras encantadas, jardim das hesperides...



 Rezam as etymologias que as laranjas vieram da Asia á Europa no tempo das Cruzadas. A Historia affirma-o sem azedar, mas ao depois conta d'uma variedade mais doce de laranjas trazida ao velho continente pelos portuguezes, na torna-viagem da India.
 Tenho para mim que ha trama dos deuses n'estas voltas de portuguezes com laranjinha na mão.
 -- Não são as laranjas, afinal, as «maçãs» d'oiro que Gea (Terra) offereceu a Hera quando esta desposou Zeus?

 -- E não era Hesperia (do gr. έσπερος = entardecer) nos mythos antigos um jardim de laranjaes a occidente, velado por nymphas, as hesperides?
 Pois o Algarve, o Occidente da moirama, era já o Occidente dos poetas da Antiguidade; o limite terrestre à beira do grande rio Oceano que contornava a Terra, onde o Sol se punha e ainda n’estas tardes tem o seu occaso. E... onde as árvores por encanto davam (e dão) «maçãs» d'oiro.
 Chamavam os gregos Magna Hesperia á Italia só porque se lhes quedava immediatamente a occidente.  A Ultima Hesperia, porém, o verdadeiro jardim das hesperides -- que Estrabão situou na região de Tartessos --, vem com isto a ser o nosso Algarve. As moiras encantadas só podem descender das nymphas. E os laranjaes de «maçãs» doiradas ainda lá estão, para ninguem no desmentir.
 Quanto ao equívoco geographico dos gregos, tractaram os deuses de emmendá-lo: laranja em grego diz-se πορτοκάλι. Certamente para que apprendam.

 

(Imagem de APSmedia para a Compal.)



Escrito com Bic Laranja às 22:05
Verbete | Comentar | Comentários (7)

Rifão de 20 de Janeiro

Em 20 de Janeiro, vae uma hora por inteiro. Quem no bem souber contar, hora e meia lh' há d' achar.

Lavrador com juncta de mulas, Alem Tejo, 19... Arthur Pastor, in Archivo Photographico da C.M.L.
Lavrador com juncta de mulas, Alem Tejo, 19...
Arthur Pastor, in Archivo Photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 12:35
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Domingo, 19 de Janeiro de 2014
De «tu» ser longe de mais...

-- Então vocês ainda se tratam assim, com essa cerimónia?!...
-- Pois como nos havíamos de tratar, prima?!
-- Ora essa! Como namorados...
-- Não, prima; entre mim e o João Garcia nunca houve senão camaradagem... Cá uma simpatia... Como é que hei-de dizer? Calhámos. Talvez da parte dêle, não digo que não... Um
flirt... Mas um flirt não é caso para «tu». Ah! «tu», não; era ir longe de mais...

Vitorino Nemésio, Mau Tempo no Canal, Bertrand, Lisboa, [1944], p. 55.

Mau Tempo No Canal, Lisboa, Bertrand, [1944] (desenho da capa de Bernardo Marques)

(Imagem d' outro tempo.)



Escrito com Bic Laranja às 10:59
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Sexta-feira, 17 de Janeiro de 2014
Da invernia feita «fenomeno extremo»

 «Fenomenos de chuva e vento extremos» dizem na emissora nacional.
  O verdadeiro fenomeno é esta linguagem -- os franceses chamam-lhe lingua de pau. E extremo, só o exaggêro feito lugar-commum por mentes diluvianas de trivialidades.
  (Uma donzella na televisão, em conversa de circumstancia, diz que ama uma bagatella qualquer; nem faz por menos: appreciar, agradar-se, deleitar-se, folgar, gostar, regalar-se não caberiam em tão grande coração, não é...?)
  A infantilização das gentes por tutores aparvalhados dá n'isto: Invernos papões, em que borrascas, intemperies, tempestades, temporaes, tormentas ou trovoadas são fenomenos, não naturaes, mas extremos.
  Com humanos moldados assim, o fenomeno mais natural são as alterações climaticas, pois é...


«O Ribatejo inundado», Ilustração Portugueza, n.° 313, 19 de Fevereiro de 1912, in Hemerotheca Digital.


Nota: e cá está; o automovel da redacção d' O Seculo que o A.C.P. editou em postal com o título Desempanagem com reboque.



Escrito com Bic Laranja às 12:46
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Quarta-feira, 15 de Janeiro de 2014
Loulé 8 (ou Quarteira 3)


E.N. 396, km 24, Quarteira (prox.), 2013.



Escrito com Bic Laranja às 22:47
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Benafim 2,5 (ou B. do Velho, 16,6)


E.N. 124, km 54, Benafim (prox.), 2013.



Escrito com Bic Laranja às 22:44
Verbete | Comentar | Comentários (1)

Benafim 8


E.M. Matos a [Benafim?], Rib.ª de Algibre, 2013.

 Não só os há com Al-. Benafim é um daqueles topónimos de origem árabe que se reconhecem pelo prefixo Ben-. Como... -- exactamente -- Benfica.



Escrito com Bic Laranja às 22:29
Verbete | Comentar | Comentários (7)

Loulé 12


E.N. 270, km 18, Poço de Boliqueime, 2013.

 Este marco rodoviário tem história comigo. Na minha primeira vez ao Algarve -- primeira em carro meu, eu ao volante; houve outra antes, à pendura... -- dei boleia a um magala. Apanhei-o em Setúbal. Tinha viva a minha tropa e as boleias de tantos automobilistas que me não custou nada dar boleia àquele.
 Pois bem, larguei o magala por aqui porque ia eu para Loulé e ele mais para o Sotavento. A estação de Boliqueime era a um passo e a Nacional 270 só me servia a mim, não a ele. Larguei-o, pois, e fiz-me à 270. Andados uns metros, porém, vi o marco a anunciar-me 12 kms até Loulé. Um passinho, depois dos duzentos e tal palmilhados. Ia eu com tempo ao que ia e era hora de jantar. Tornei atrás logo ali, ao entroncamento com a 125 e parei num restaurante. Antes telefonei duma cabina a avisar de que ia jantar e não tardaria.
 E assim foi. Comi lulas à sevilhana.
 Foi no tempo do meu carro preto. O restaurante fechou.



Escrito com Bic Laranja às 22:13
Verbete | Comentar | Comentários (5)

Domingo, 12 de Janeiro de 2014
Da livre e democrática América

 Há algum tempo li um artigo de opinião no Público em que o autor referia uma entrevista do Dr. Salazar ao jornal Il Tempo de Roma. O artigo era não sei já sobre quê, mas não deixava de mencionar que a dita entrevista fora publicada com cortes no volume Entrevistas; 1960 -1966 (Coimbra Editora, 1967, pp. 101-109) que completa a colecção dos Discursos de Oliveira Salazar. -- Na altura perguntei-me se a menção à publicação parcial da entrevista em Portugal não seria uma alfinetada metida na censura do Estado Novo, coisa habitual na espuma jornalística que nos salpica os dias.
 Não sei se foi.

Oliveira Salazar, «Entrevistas, 1960-66», Coimbra Editora, 1967, p.101

 Conto aqui o caso porque o Estado Novo tem sempre as costas largas para tudo em que a imprensa actual resolva tachá-lo, mormente pela censura. Pois se a omissão das passagens em falta foi por censura oficial, bem mal o conseguiu com aquela nota dada ao leitor da data e do jornal que publicou integralmente a entrevista. -- Perante isto dir-me-ão muitos democráticos que o regime era tão nefando quanto á liberdade de imprensa, como estúpido em cerceá-la. -- É uma ideia que vai bem com a bazófia moralona dos arautos da democracia. Claro que, pela superioridade moral, ninguém os bate em razão. O curioso no arrazoado, porém, é que no tal volume de Entrevistas, o texto que antecede a entrevista de algumas passagens do Dr.. Salazar a Il Tempo de Roma é duma entrevista concedida á americana Life e que a revista publicou com algumas deturpações no número de 4 de Maio de 1962.
 
Na democrática e livre América a imprensa não censura nadinha; apenas deturpa as palavras dos outros.



Escrito com Bic Laranja às 23:30
Verbete | Comentar | Comentários (7)

Quarta-feira, 8 de Janeiro de 2014
...

 O exame previo do Estado Novo -- ou censura como preferem os ciosos antifascistas -- tem costas largas. A verdade é que as omissões dos democratas, ainda durante o Estado Novo e depois d'elle, sommadas ao ruido distractor, deram e dão no mesmo: censura deliberada e ludibrio descarado de opinião pública.
 A III.ª Republica é tão ou mais censoria que o Estado Novo. Peor; acoberta-se na imperiosa Liberdade para passar por democracia. Um logro em todas as medidas.
 Na Porta da Loja publicam-se paginas d'O Seculo e do Republica com retrospectiva do anno de 1973. Graças ao exame previo, e independentemente d'elle, cada jornal abafava o que não agradava á sua linha editorial: -- o Republica alardeava os actos da opposição ao govêrno em extensos paragraphos, mas os successos adversos á sua lucta dava-os de raspão; assim, o caso da capella do Rato valeu columna e meia [inteira] de jornal, em quanto a eliminação do Amilcar Cabral pelos proprios camaradas do P.A.I.G.C. foi mettida n'uma phrasezinha, não mais. -- O Seculo, por seu lado, mencionava (bem) a visita de Marcello Caetano á Inglaterra, como retribuição da visita a Portugal do principe Philippe pelos 600 annos da Alliança Luso-Britannica; não dava conta da manifestação internacionalista contra Portugal nem das diatribes do padre Hastings ou de Mário Soares nessa occasião, em Londres.

República (Dez. de 1973)

 Vê-se que havia mais censores e mais fórmas de censura, que não o conhecido exame previo do govêrno, mas hoje ninguem o diz...
 Recorda-me a proposito do prof. Marcello Caetano pouco depois, em Março de 1974, commentando mais um ruidoso clamor da opposição (sempre sonnante, apesar do exame previo) sôbre notícias que havia ou deixava de haver ácerca da intentona das Caldas:

 Há por aí frequentes queixumes de que não temos por cá uma informação completa. Nada, porém, que de verdadeiro se passa que ao público interesse, deixa de ser trazido ao conhecimento dele.

 Pois bem. Da triumphal informação completa parida como cravos em G3, alguem diga se por ventura ouviu notícia d'este passado caso:

 Nos primeiros dias de Outubro [de 2013], ocorreu uma situação assaz grave no Centro de Tropas Comando, na Carregueira [...] O caso conta-se em poucas linhas. Naquela noite, dois praças entraram no gabinete do oficial de dia e agrediram violentamente o capitão que estava de serviço.

Ten.-Cor. Brandão Ferreira, «Acontecimento grave no seio das Forças Armadas», in O Adamastor, 13/XII/2013.

 A censura acabou, não dizem? Portugal tambem.


Prof. Marcello Caetano, Conversas em Família (R.T.P., 1969-74)


Imagens: jornal República, in Porta da Loja; prof. Marcello Caetano, in Praça da República.



Escrito com Bic Laranja às 21:30
Verbete | Comentar | Comentários (25)

Terça-feira, 7 de Janeiro de 2014
Que tem Eusébio com o marxismo?

 De há muito que o discurso esquerdóide da nossa imprensa ultrapassou o mero salivar pavloviano se rememora o tempo do Estado Novo. Tornou-se, para todo e qualquer acontecimento, paranóia obsessiva.
 Ontem o editorial do «Público» dizia: num tempo em que ser português era sinal de opróbrio e de vergonha, Eusébio resgatou o nosso orgulho e devolveu-nos a dignidade (cf. «É sempre a "meme" coisa: o mito de Eusébio e a lenda dos três efes», Porta da Loja, 6/I/14).
 Neste apropriar  despudorado da memória admira-me como se não ensaiaram a dizer que cada golo de Eusébio fôra um golpe no regime ou que cada chuto na bola era um pontapé em Salazar. -- Que teve Eusébio contra o Estado Novo ou com a Abrilada?! Cuidam com aquela conversa endeusar mais Eusébio por o colectivizarem?...
 Que mentes doentias, sempre a recomporem-me a História e a realidade com delírios fantasmagóricos.
 

(In Ser Benfiquista.)



Escrito com Bic Laranja às 21:00
Verbete | Comentar | Comentários (10)

Sábado, 4 de Janeiro de 2014
Invernia
Em 1912 já havíamos cheias em Portugal. Deve ter sido das alterações climáticas...

N313, p9.jpg
Ilustração Portugueza, n.° 313, 19 de Fevereiro de 1912, in Hemerotheca Digital.

E onde vi já eu este automóvel d' O Seculo?


Escrito com Bic Laranja às 21:03
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Regresso aos mercados, não é?

Mercado de rua, Albufeira (A. Pastor, 198...)
Venda de fructa
, Albufeira, 198...

Arthur Pastor, in Archivo Photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 08:39
Verbete | Comentar | Comentários (10)

Abril 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13

17
18
19
20
22

24
27
28
29

30


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Alpendre (O) (pub)
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Palaurossaurus Rex
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----