Quinta-feira, 31 de Julho de 2014
Dos reflexos condicionados

 Testes de laboratório o comprovam; o mero enunciar do nome de Salazar provoca reflexos condicionados numa vasta legião de primatas. -- Faxismo! e o desfiar de chavões antifaxistas primários assimilados como as morcelas assimilam o sangue e a gordura do porco são o urro pavloviano feito lugar comum que dali resulta.
 O que novos testes de laboratório têm vindo a provar é que já nem é preciso enunciar o nome de Salazar, basta insinuar obra da sua época.
 Nesta imagem da abertura do troço inferior da Rua Alexandre Herculano em Lisboa, em 1940, mal houve alguém louvando o novo asfalto de 1940 (por acaso era empedrado) bem assente e sem crateras, não tardou a desencabrestar-se o pide antifaxista de serviço...



 Ferrei-lhe uma garrochada na cernelha, rematada com adorno à C.M.L. que se quis fazer desentendida da lide, talvez por se livrar de coices dalguma cavalgadura que lá presida...




 A imagem em boa resolução da abertura do troço inferior da Rua Alexandre Herculano em 1940 para desfrute do leitor inteligente e interessado. Prima para fazer zum ampliar, s.f.f.


Rua Alexandre Herculano, Lisboa, 1940.
Eduardo Portugal, in Archivo Photographico da C.M.L.

(Gralhas revistas às dez para as cinco da tarde.)



Escrito com Bic Laranja às 13:45
Verbete | Comentar | Comentários (3)

Quarta-feira, 30 de Julho de 2014
No tempo da Volta e mais...

 No tempo do Trindade e do Nicolau consta-me que o ciclismo ainda era o desporto mais popular. O football tem pergaminhos mais burgueses...
 Aqueles dois, Trindade e Nicolau, correram a rivalidade entre o Sportem e o Benfica de Norte a Sul e, com ele, contagiaram Portugal. Até hoje. Como tudo na vida o Ciclismo era mais duro que hoje. Nas célebres corridas do Porto - Lisboa diz que os ciclistas era costume pararem nalguma taberna à beira caminho quando lhe dava a fome, trincarem uma sande de presunto, beberem um copinho de três, tornando então a montar na bicicleta para continuarem a corrida. Foi numa disputa destas que se o meu pai fez do Sportem.

Ciclismo (Spor.jpg
Equipa de ciclismo do Sporting, Albergaria-a-Velha (Rui Paiva, 1961).



Escrito com Bic Laranja às 16:30
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Terça-feira, 29 de Julho de 2014
Fotografia forjada pela reacção



 Aspecto da Rua de São João dos Bem Casados antes da República, mas já no tempo do carro eléctrico. É irónico o garotito estar de cabeça enfaixada e o amigo maiorzinho ver-se ao lado com um cacete na mão, mas não é só ele...
 Hum!...
 Fato prompto a vestir por 4$000 (lê-se quatro mil réis). Percebe o benévolo leitor como o cifrão marcava o milhar, decerto...
 A República deslocou a unidade para a casa do milhar e chamou-lhe ESCVDO. Dividiu a nova unidade em centavos e eliminou assim a ancestral unidade monetária portuguesa, o real, que nos vinha do séc. XV, salvo erro.
 Percebemos-lhe (aos republicanos) o apagar de memória na reforma monetária. A voz popular, porém, guardou ainda por quase cem anos o uso dos nomes antigos do dinheiro. O fato prompto a vestir pode ter passado (sem inflação) a custar 4$00 (quatro escudos) na República de 1910, mas sabemos como o povo o continuou a dizer -- quatro mil réis ou quatro «merréis», o que é o mesmo -- até nos virem uns vendilhões de pátrias para cá com o dinheiro estrangeiro da Europa. -- Cuido que foi em Jorge de Sena que li (nos Sinais de Fogo) que os portugueses tinham o Escudo e contavam em tostões. É verdade! Nas fracções continuaram por dezenas de anos os populares a contar com base no tostão (100 rs. e depois $10) e mesmo no cruzado (400 rs. ou quatro tostões) até no fim restar ainda memória viva nos 10, 15 e 25 tostões que a minha geração aprendia, pouco dizendo um escudo, um escudo e cinquenta centavos nem dois escudos e cinquenta centavos. Aliás, mais depressa me calhava dizer dois [mil] e quinhentos ou cinco coroas por 2$50 (o preço duma tablette regina de morango ou laranja na mercearia do sr. Albino) do que o exótico dois escudos e cinquenta centavos. Centavos no dinheiro português foi paridela republicana que as gentes raramente usavam na fala corrente, eu me parece. Já não fui do tempo do meio tostão, mas dificilmente acredito que alguém o haja habitualmente dito 5 centavos, como cunhado nas moedas.
 Feitas as contas, ao cabo e ao resto, se bem que o vintém (20 rs.) ou o pinto (480 rs.) hajam esquecido, o real permaneceu vivo da silva a cavalo no escudo, tanto nos mil réis como nos contos de réis que todos, sempre ou quase, diziam. E ainda que para o fim do dinheiro português se omitissem os réis nos contos da linguagem corrente, eles não podiam deixar de estar implícitos, já que conto é a forma primitiva de dizermos milhão em português: dizer um conto de réis ficou até aos nossos dias como a única forma de dizer um milhão de reais ou réis. -- Cuido ser escusado dizer aqui ao benévolo leitor que réis é a forma sincopada do plural reais porque o já entendeu; posso todavia acrescentar com proveito dalguns, talvez, que réis por reais se começou a usar tão cedo ou tão tarde como o reinado de D. Sebastião, vede só donde vem isto!
 Pois da vetusta antiguidade do dinheiro português quero voar prestes para a modernidade do prompto a vestir e que inclui barretinas e barretes de toda a sorte, mercadejados agora em euros...
 A imagem presumirá o benévolo leitor que é anterior à República. É falso. Não se deixe enganar: a democrática e sempre sábia R.T.P. garantiu-nos já pelos 40 anos do 25 de Abril grande acidente nacional que andar na moda antes da revolução não era fácil para qualquer português, era muito difícil, porque não havia pronto a vestir, e depois do 25 de Abril [grande acidente nacional] tudo se tornou mais fácil [...] (Telejornal, 1.º Canal, 11/IV/2014.)
 Pois é. Tornou-se tudo tão fácil como falsificar a imagem do princípio do séc. XX com um prompto a vestir necessariamente pós-abrilino. Nem o talho n.º 46 no outro lado da rua podia então existir. Bifes, torresmos e sobretudo enchidos são conquistas do aviadas ao povo... em Abril, ou podia lá não ser?!...

Fotografia:
Rua de São João dos Bem Casados (ou de Silva Carvalho), Lisboa, 1901-1908. Arquivo Fotográfico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 07:45
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Segunda-feira, 28 de Julho de 2014
De que outra forma havíamos de salvar o planeta?

 O sumo sacerdote da religião do cicloturismo saiu-se com a nova de o seguro dos automobilistas dever pagar por acidentes causados por ciclistas. A imprensa deu-lhe cobertura. O caso não é brincadeira, portanto.
 Entendo que sim e até mais.
 Entendo que todo o ás do pedal que se desmorone duma bicicleta e esmurre o trombil no asfalto deve poder reclamar indemnização ao automobilista mais próximo num raio de légua e meia, independentemente de haver sido ele (o automoblista) parte ou não no acidente. O Mundo há-de perceber que o cicloturista é um sacerdote do velho templo rodoviário dado agora como oblata à Suprema Divindade Ambiental; como tal é legítimo que sacrifique uma rês automobilista sempre que tenha o infortúnio de tombar do seu altar das duas rodas.


Bicicletas Liberator, 1899.
Poster de Jean de Palealogue (PAL), in Ride Vintage.



Escrito com Bic Laranja às 21:23
Verbete | Comentar | Comentários (12)

Domingo, 27 de Julho de 2014
Espectáculo de variedades: Walk On By


Dionne Warwick, Walk On By



Escrito com Bic Laranja às 23:25
Verbete | Comentar | Comentários (1)

Carmen la de Triana

Imperio Argentina, Los Piconeros
(Carmen la de Triana, 1938)



Escrito com Bic Laranja às 12:54
Verbete | Comentar

Sexta-feira, 25 de Julho de 2014
Carmen la de Ronda


Sara Montiel, Los Piconeros
(Carmen la de Ronda, 1959)



Escrito com Bic Laranja às 23:23
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Concessão á [brazileira] R.T.P.

R.T.P. em directo (50.ª Corrida TV, 2014)

 
 Vi hontem a 50.ª Corrida TV. Parecem os da R.T.P. ter ganho vergonha; tornaram a transmittir uma corrida. -- Digo isto porque  já annunciaram nova transmissão para 25/7 e pareceu-me que teem mais transmissões na agenda, para Agosto.
 Havemos de ver se percebi bem.
 A S.I.C. e a T.V.I. escusaram-se sorrateiramente da Tauromachia a dada altura. Emquanto lhe pareceu chic era vê-las a compôr o ramalhete da própria tourada com o inúmeros fofos e giros do high life. Á primeira investida dos defensores animalejos mostraram os cabrestos que são e acolheram-se aos curros. Tão mansos que nem para cernelha dão.

(4/VII)

 


(Imagem: 50.ª Corrida TV, R.T.P., 2014.)



Escrito com Bic Laranja às 22:00
Verbete | Comentar | Comentários (3)

Duas d' «O Diabo»:

- Uma, para somar à daquela burrinha...

Alfabetiza??o .jpg


- Outra, pelo continuado empenho em me alfabetizarem...

Cultura estranha (O Diabo, 15/VII/14)

Há muito que batemos no fundo, mas podemos ir continuando a escavar.
(Recortes d' O Diabo de 15/VII/14.)



Escrito com Bic Laranja às 12:59
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Terça-feira, 22 de Julho de 2014
Amália anima o mais português dos quadros a óleo


Amália, Fado Malhoa.



Escrito com Bic Laranja às 21:29
Verbete | Comentar | Comentários (3)

Segunda-feira, 21 de Julho de 2014
Móvel gira-discos

E a melhor versão de «This Masquerade».

Gira-discos Grundig


Gira-discos em móveis-rádio; álbum dos Carpenters da loja da Amazon.
(Publicado com o título «Pela noite dentro» em 14 de Setembro de 2008.)



Escrito com Bic Laranja às 22:30
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Regresso de Sidónio Pais de sua visita Algarve

Regresso de Sidónio Paes da sua visita ao Além Tejo e ao Algarve (Attr. a J. Benoliel, 1918)
Regresso de Sidonio Paes de sua visita ao Alem Tejo e ao Algarve,
Lisboa, 1918.

Joshua Benoliel (attr.), in Archivo Photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 09:45
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Domingo, 13 de Julho de 2014
... Algarve...

Chaminé. Algarve (A. Pastor, 1970)
Algarve, 197...
Artur Pastor, in Archivo Photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 17:08
Verbete | Comentar

Sábado, 12 de Julho de 2014
No tempo da Quarteira modernista

Quarteira, Algarve (A. Pastor, s.d.)
Remendando as redes, Quarteira, [s.d.]
Artur Pastor, in Arquivo Fotográfico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 09:01
Verbete | Comentar | Comentários (2)

No tempo não sei de quê mais...

Quarteira, Algarve (A. Pastor, 198...)
Quarteira, Algarve, 198...
Artur Pastor, in Arquivo Fotográfico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 08:30
Verbete | Comentar

Sexta-feira, 11 de Julho de 2014
No tempo não sei de quê

Quarteira, Algarve (A. Pastor, 198...)
Hotel Atlantis, Quarteira,198...
Artur Pastor, in Arquivo Fotográfico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 08:32
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Quinta-feira, 10 de Julho de 2014
No tempo do Legolândia

Vilamoura, Algarve (A. Pastor, 198...)
Vilamoura, Algarve, 198...
Artur Pastor, in Arquivo Fotográfico da C.M.L.


Assunto:

Escrito com Bic Laranja às 08:38
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Segunda-feira, 7 de Julho de 2014
No tempo do Algarve assim...

Moradia, Quarteira (A. Pastor, 198...)
Moradia, Quarteira, 198...
Artur Pastor, in Arquivo Fotográfico da C.M.L.

... Ou no tempo em que sobrava Algarve

Aldeamento, Quarteira (A. Pastor, 198...)
Aldeamento algarvio, Quarteira, 198...
Artur Pastor, in Arquivo Fotográfico da C.M.L.


Assunto:

Escrito com Bic Laranja às 09:12
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Domingo, 6 de Julho de 2014
No tempo da Aldeia das Açoteias

 Lembro-me desta imagem. Não sei se em cartazes de agências de viagens, mas recorda-me. No tempo em que o Algarve não era para todos.
 Foi empreendimento afamado. O Sporting, nos anos 80, fez os seus estágios de pré-campeonato anos a fio na aldeia olímpica deste empreendimento, onde dispunha dum ginásio e dum campo relvado. O cross das amendoeiras em flor corria-se no pinhal adjacente. Em redor pouco mais havia.
 A primeira pernoita da minha primeira incursão no Algarve foi num dos apartamentos, cuido que já contei a história...
 Nos alvores dos anos 90 tornei a andar por lá em aventuras juvenis e devaneios namoradeiros. Onde isso já vai!... -- Mas tocou-me o espírito do lugar. Há lugares assim, onde habita um genius loci. Sinto que ainda se acha pelo pinhal, quando lhe não calha cavalgar os ventos sobre a falésia. Mas noto-lhe de ano a ano os tombos no betão...
  ...
 Tudo isto decaíu. Hoje até o troço final da estrada das Açoteias que desemboca neste exacto ponto se avergonha; diz que é a Rua da Exposição Canina, veja-se lá a importância que certas coisas tomam...
 Talvez a moça se conserve.

Aldeia das Açoteias, Algarve (A. Pastor, 198...)
Aldeia das Açoteias, Algarve, 198...
Artur Pastor, in Arquivo Fotográfico da C.M.L.

(Redigido na noute de S. João de 2014.)



Escrito com Bic Laranja às 08:31
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Sexta-feira, 4 de Julho de 2014
No tempo das calças à boca de sino (e do Algarve ainda branco)

Algarve branco, Albufeira (A. Pastor, 198...)

Albufeira, Algarve, 198...
Artur Pastor, in Arquivo Fotográfico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 09:00
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----