Quarta-feira, 31 de Dezembro de 2014
Ano bom!


(Ben E. King, Don't Play That Song, 1962.)



Escrito com Bic Laranja às 23:59
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Rossio

Rossio, Lisboa (A. Pastor, 1973)
Rossio, Lisboa, 1973.
Artur Pastor, in archivo photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 10:37
Verbete | Comentar

Terça-feira, 30 de Dezembro de 2014
Em Dezembro, treme de frio cada membro

(Este verbete quase repete um de há anos.)

 Em menino achava maturidade nos crescidos. Os avós, os pais, os tios, a sr.ª D.ª Maria do Rosário que foi minha professora primária falavam assisadamente, soavam como gente grande e não me parecia que dissessem disparates. Estivesse frio diziam-me agasalha-te! sem muitos nhanhanhãs; se porventura perguntasse por que estava frio diziam-me que o Inverno é a estação do tempo frio. Isso mesmo também dizia o livro da 2.ª classe...

Inverno, «Livro de Leitura da Segunda Classe, 1968»

 Nas TV das notícias sobre o cão que mordeu o homem informam a cada hora do frio de Dezembro. Parece que haverá temperaturas abaixo de zero pelo Norte...

 Extraordinário! 

 O corolário são uns conselhos em português... ceboleiro: -- Aconselha-se o uso de várias camadas de roupa!

 A geração rasca (a minha) não ensinou sequer a dizer «agasalhe-se!» a esta nova geração diluviana de trivialidades e agora parece que há uma desgraça em cada estação do ano. Duas gerações cuja mentalidade hibernou na creche debaixo de muitas camadas de roupa de marca. Essa a desgraça!...

 


Página do Livro de Leitura da Segunda Classe (Ministério da Educação Nacional, 1968), in Santa Nostalgia.



Escrito com Bic Laranja às 20:41
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Efacec

fRestauradores, Lisboa (A. Pastor, 1973
Praça dos Restauradores, Lisboa, 1973.
Arthur Pastor, in archivo photographico da C. M.L.



Escrito com Bic Laranja às 09:24
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Segunda-feira, 29 de Dezembro de 2014
Av. de Dom Rodrigo da Cunha

 Av. de Dom Rodrigo da Cunha ao amanhecer em Dezembro de 73. Sem risco de UVA A nem UVA B, portanto... 

Av. de Dom Rodrigo da Cunha, Lisboa (A. Pastor, 1973)

Av. de Dom Rodrigo da Cunha tomada da do Aeroporto, Lisboa, 1973.
Arthur Pastor, in archivo photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 08:51
Verbete | Comentar | Comentários (7)

Domingo, 28 de Dezembro de 2014
Do baú dos anos 70

Ou da juke box da leitaria lá da rua. Ressoa-me agora isto, sei lá eu porquê...


Adriano Celentano, Don't Play That Song (You Lied)
(Versão de 1977 ao vivo em 2008.)



Escrito com Bic Laranja às 21:15
Verbete | Comentar

Do imperativo de «trazer»

« Na educativa (!!!) rubrica da RTP destinada a pôr o rebanho a falar segundo o chamado acordo ortográfico assisti hoje ao [seguinte] exemplo:

  • Traz o teu amigo também
  • Trás o teu amigo também

  Depois das perguntas da repórter pela rua sobre se traz se escrevia com «z» ou com «s» e acento, a decisão chegou, sábia, de que era com «z», porque correspondia à terceira pessoa do singular do presente do indicativo do verbo trazer.

  Perante isto, é imperativo fazer qualquer coisa. Ou mesmo fazer qualquer coisa na terceira pessoa do singular do presente do indicativo [...]»

Nelson Reprezas, «É IMPERATIVO fazer qualquer coisa», in Espumadamente, 18/XII/14.

*   *   *

 Já cá disse da dissolução cultural do índígena por esse instrumento do abastardamento pátrio que é a R.T.P., mas não só... O caso é todavia mais fundo pois mesmo os que queremos, procuramos e nos esforçamos por escapar dos camadões de ganga estrangeira com que nos forram a burrice avulsa e com que nos ferram a imprensa, a rádio e a TV, já nos havemos com defeito.
 No tempo e no modo em que a voz do bom povo ditou a Gramática por gerações não havia grande dúvida: a 3.ª pessoa do singular de trazer nunca se confundiria com a 2.ª do imperativo. Para fazer qualquer coisa pelo problema bem posso dizer: traze os amigos todos e, se tens amigas, traze-as também... Ainda assim seremos nada. A civilização de subúrbio importada pelos suburbaninhos mais ilustrados tomou conta da cultura.

V_Trazer.jpg
Cunha, Cintra, Nova Gramática do Português Comtemporâneo, 14.ª ed., Sá da Costa, Lisboa, 1998.



Escrito com Bic Laranja às 14:18
Verbete | Comentar | Comentários (15)

Martim Moniz soalheiro em manhã encoberta

 Martim Moniz de sobre os telhados orientaes da Rua da Mouraria (o que restava dela). A esperteza das demolições para desanuviar o trânsito na Rua da Palma não conseguiu mais do que atrofiá-la em acto contínuo com a notável edificação do Hotel Mundial....
 O autocarro (um Daimler Fleetline) devia ser o 8 e o eléctrico do modelo caixote, talvez o 12. Apesar dos prédios decadentes e do estacionamento por tudo quanto é lado, conseguia ter mais encanto do que hoje.

Martim Moniz, Lisboa (F.L. Pinto, 1970)
Martim Moniz, Lisboa, c. 1970.
Francisco Leite Pinto., in archivo photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 11:49
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Sábado, 27 de Dezembro de 2014
Passagem de nível

Viaduto de Alcântara-Mar, Lisboa (Anón., 1970)
Passagem de nível, Lisboa, c. 1970.
Autor não ident., in archivo photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 10:28
Verbete | Comentar | Comentários (12)

Quinta-feira, 25 de Dezembro de 2014
Do baú dos natais esquecidos

 No tempo das tardes de Natal com o circo do Billy Smart e das manhãs de Ano Novo com saltos de esqui na televisão também havia irmos ao cinema: havia os filmes do Trinitá ou do Gendarme no Avis com o pai do Zé, o sr. Possidónio; ou da Música no Coração no Roma ou da Heidi com lotação esgotada no Apollo 70, com a tia  D.ª Margarida do Luís. São tudo rememorações de infância que me saem agora do baú, amalgamadas. Calhando algumas aí são do tempo da Feira Popular do Joselito do Poço da Morte, não do Natal. Importa pouco porque num caso ou noutro o hábito era assim, quando os crescidos que se dispunham a levar alguma miudagem do bairro, em rancho, ao cinema; tal como o era, ao depois, revivermos e tornarmos a encenar em brincadeiras de rua as maluqueiras vivas do Gendarme e do cowboy insolente (a Música no Coração era para meninas). -- Aquela do chapadão no mexicano aos 2'10" é que era. E o assovio da melodia não havia quem no não soubesse, todos o sabíamos.


Trinitá Cowboy Insolente, 1970.



Escrito com Bic Laranja às 15:13
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Quarta-feira, 24 de Dezembro de 2014
Piruns

Venda de perus, Calçada do Lavra (C.Ferreira, s.d.)
Venda de perus, Calçada do Lavra, [s.d.].
Cunha Ferreira, in archivo photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 11:45
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Terça-feira, 23 de Dezembro de 2014
Rua Nova do Almada

Decorações de Natal, Rua Nova do Almada (A. Pastor, 1973)
Decorações de Natal, Lisboa, 1973.
Artur Pastor, in archivo photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 09:30
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Segunda-feira, 22 de Dezembro de 2014
Rua da Prata [i.é, Rua Augusta]

Decorações de Natal, Rua Augusta (A. Pastor, 1973)
Decorações de Natal, Lisboa, 1973.
Artur Pastor, in archivo photographico da C.M.L.

Adenda ao meio-dia e meia: apercebo-me agora de que é a Rua Augusta, tomada de N para S um pouco acima da Rua de Santa Justa; o archivista pôs a etiqueta mal e eu fui na conversa.



Escrito com Bic Laranja às 09:05
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Domingo, 21 de Dezembro de 2014
Chiado

Chiado, Lisboa (A. Serôdio, 1965)
Iluminação de Natal, Chiado, 1965.
Armando Serôdio, in archivo photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 21:55
Verbete | Comentar

Rua do Carmo, 1959

 Sr.ª Feliz e sr. Sorridente no cimo da Rua do Carmo, diante dos Grandes Armazéns do Chiado no Natal de 1959. O sr. Sorridente sorria por disfarçar a sua visceral oposição ao Estado Novo escondida no bolso esquerdóide da gabardina.

Rua do Carmo, Lisboa (A. Serôdio, 1959)
Iluminação de Natal, Rua do Carmo, 1959.
Armando Serôdio, in archivo photographico da C.M.L.


 O cavalheiro de chapéu de aba à porta dos armazéns é indisfarçado agente da P.I.D.E. que não suspeita da actividade subversiva do casal sr.ª Feliz e sr. Sorridente, mas só nós hoje é que democrática e òbviamente o podemos saber. Por causa do Vinte e Cinco DAbril e da liberdade...!

 Desejos dum Natal feliz e sorridente!



Escrito com Bic Laranja às 18:45
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Sábado, 20 de Dezembro de 2014
Feliz Natal !

 

Boucher,-adoração-(1750).jpgFrançois Boucher
Adoração dos Pastores
Óleo sobre tela
(Museu de Belas-Artes de Lião)


*
*    *

 


Aos benévolos leitores que
generosamente visitam este blogo,
sinceros votos de um
SANTO E FELIZ NATAL .


A todos,


FESTAS FELIZES!

 

 

*    *
*



Escrito com Bic Laranja às 14:35
Verbete | Comentar | Comentários (7)

Sexta-feira, 19 de Dezembro de 2014
Criatura

Sérgio Monteiro (T.V.I. 24, 18/XI/14)

 Esta criatura meia alucinada aparece-me em todo o lado. Ontem esteve nos púlpitos da R.T.P. e da T.V.I. 24; só não deu na S.I.C. porque o ministro se empoleirou por lá primeiro. Esta manhã pregava no areópago da T.S.F.. Tão magno fervor e omnipresença assim numa criatura, se não é obra dos céus é diabrura do mafarrico. Certeza certezinha é ser sua única missão terrena vender a TAP.

(Fotograma: «Política Mesmo», T.V.I. 24, 19/XI/14.)



Escrito com Bic Laranja às 14:39
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Quinta-feira, 18 de Dezembro de 2014
Súmula de enriquecimento

torneira de dinheiro.jpg  Anteontem passei de raspão no noticiário da Anna Lourença e ouvi um manuel dos Espíritos Santo dizer que naquilo dos submarinos «eu não intervi». Repetiu-o e ficou claro que não quando lhe ouvi «quem interviu foi a E.S.C.O.M.».
 Bom, ele não interviu mas intervejo eu (eu intervejo, tu intervês, &c.; do verbo interver...) e intervedes vós que o caso deste manuel dos Espíritos Santo não foi de submarinos; foi de somarinos, pois o único que lhe calhou em trabalho foi ele somar...
 Cuidei de mim para mim que isto havia de ter o seu quê de imoral: vá lá da justiça de alguém somar só porque sim, só porque calhou em estar para ali sem mais, sem sequer haver de comprar bilhete da lotaria antes nem nada! Òbviamente equivoquei-me nesta ideia porquanto ontem passei novamente de raspão no noticiário da Anna Lourença e ouvi-a dizer, exactamente como escrevo, que aquilo dos submarinos havia já, afinal, «prescrevido».
 Vamos ver que a moral passou do prazo, vai daí somar por nada.


Dinheirama a jorrar ...



Escrito com Bic Laranja às 17:55
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Quarta-feira, 17 de Dezembro de 2014
Parangona de arrebitar cristas

Estrangeiros autorizam portugueses a pescar mais 2/3 de carapau no mar de Portugal.


Naufrágio do «Senhora das Dores», Aveiro, 1922. In Memórias de Aveiro, Naufrágios.



Escrito com Bic Laranja às 10:00
Verbete | Comentar | Comentários (12)

Linha de Évora

fotografia.JPG
Horário 33 d' Os Caminhos de Ferro.



Escrito com Bic Laranja às 07:50
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

13
15
17

18
19
20
21
24

25
26
27
28
29
30


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----