Sexta-feira, 30 de Janeiro de 2015
Rua n.º 8 do sítio de Alvalade

 Tendo ao fundo os pavilhões do Júlio de Matos logo supôs o archivista tratar-se aqui da abertura da Av. de Roma.  Nada mais fácil, que vos parece?
 Pois trata-se da abertura, sim, do troço inferior da futura rua de Fausto Guedes Teixeira (edital de 1948), como a observação atenta ao casarão meio encoberto pelo muro permite perceber. Os terrenos onde passeia a vereação da Câmara (?), onde escavam os operários, onde acampam ciganos, eram a orla Sul da antiga Quinta dos Castelinhos em que se edificou o hospital de Júlio de Matos.
 Apreciável desbaste de terras para rasgar a serventia que ali havemos hoje. Cuido que o muro cujos restos se viam era de contenção de terras, que para lá teriam cota ainda superior à das terras que vemos para cá dele.

Rua de Fausto Guedes Teixeira, Lisboa (J. Benoliel, c. 1948)


A27271.jpg

Rua de Fausto Guedes Teixeira (J. Benoliel, c. 1948)


Fotografias:
Caboucos da rua n.8 do sítio de Alvalade (futura de Fausto Guedes Teixeira) nos alvores do bairro desse nome,
Lisboa, c. 1948.

Judah Benoliel, in archivo photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 08:57
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Quinta-feira, 29 de Janeiro de 2015
Passagem de nível

 Passei ontem no sítio retratado no postalinho e a passagem de nível foi evidente. -- Ironias!... -- O nível da passagem é inferior -- um desses túneis de má catadura, sombrios e ajavardados pela... arte urbana, parece que dizem... -- É o nível da cultura em direcção ao último estado da civilização: para baixo.
 Do ponto do fotógrafo a vista avistava a estrada de Algueirão ladeada de casinhas portuguesas à Raul Lino, alcançando o horizonte: um outeiro com pinheiros (Casal da Cavaleira?). Em Portugal havia este lugar aprazível para morar ou para ir de comboio. Tome o benévolo leitor por lá modernamente as vistas nos sapatos do fotógrafo a ver a pós-moderna e tão apregoada mobilidade barrada (e borrada) nos muros que segregam a gare de embarque das ruas adjacentes. -- Não fora a derrocada do comunismo e Berlim mai-los subúrbios da Alemanha oriental haviam de se desmoronar de inveja. -- A vantagem no entanto é de quem embarque no comboio se não agonia com ver do lado de fora as ruas apinhadas de automóveis, redecoradas com os modernaços condomínios que filharam o chão às moradias e o romantismo ao lugar. Um aviso lhe faço, porém: se houver de comprar viagem nos tranvias saiba que não paga só a viagem; é-lhe exigido que adquira disciplinada e prèviamente o direito de poder comprar bilhete: um cartãozinho de 100 mil réis. Mas, sossegue: a companhia dos caminhos de ferro que lhe solìcitamente vende o bilhetinho de comboio vende-lhe com a mesma generosidade o direito prévio obrigatório de poder comprá-lo. Sem direito a reembolso.

Algueirão-Mem Martins -- Passagem de nível (A. Passaporte, c. 1953)
Algueirão - Mem Martins -- Passagem de Nível, c. 1953.
Postal de Ant.º Passaporte, in archivo photographico da C.M.L.

(Revisto.)



Escrito com Bic Laranja às 17:44
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Quarta-feira, 28 de Janeiro de 2015
O calvário da linguagem

 Um orante rezando o terço ao fim da tarde pronuncia «crucifixão».
 Bom! Há séculos que sabemos da Crucificação e de crucifixos. «Crucifixão», a não ser um crucifixo muuiiiito grãããande e pesado, há-de ser um novo calvário: o de desaprendermos agora tudo, até não sabermos a mais elementar linguagem.

Retábulo do Crucificado, Igreja de S. Jerónimo Real (S. Francisco), Braga (R. Smith, 1962-64)
Retábulo do Crucificado
, Igreja de S. Jerónimo Real (S. Francisco), Braga, 1962-64.

Robert Smith, in Bibliotheca d' Arte da F.C.G.


Nota: claro que o Priberam cauciona já o estúpido vocábulo; como cabe lá tudo, até sniper, Deus nos valha!



Escrito com Bic Laranja às 12:44
Verbete | Comentar | Comentários (11)

Terça-feira, 27 de Janeiro de 2015
A armar aos estadistas

 O presidente do Intendente, primeiro-ministro do Rato, tem dois buracões a empecer a viação no cimo da Almirante Reis, ao Areeiro, e na Cruz do Tabuado, mas deve andar entretido noutras m...

O estadista (imagem na Radio Faial, entre outras)
(Imagem na Radio do Faial, entre outras.)



Escrito com Bic Laranja às 17:05
Verbete | Comentar | Comentários (9)

Arrimando à Grécia a despeito da rima

 Não sei se a Sophia (à grega) alguma vez ancorou em Hidra nem se por lá avistou Pessoa ou se foi devaneio poético.
 Sei de se ontem a emissora 2 pôr a cavalo na aluvião grega destes dias, estribada na Sophia evocando Fernando Pessoa em Hidra -- ou Hydra, à grega. Puseram com isso no ar um fonograma -- ou phonogramma, à grega -- declamado por Luís Cintra, ou Sintra, à portuguesa. Estranhei uma tónica aguda -- ou oxytona, em grego -- no Cintra a dizer Hidrá no primeiro verso, destoando do natural paroxítono grego Ύδρα -- que portuguesmente soa Hidra -- e a desarrimar-se ainda mais do terceiro verso debrucei-me ávida.
 Liberdade poética, dir-me-ão. Pois, mas no descaso na liberdade da rima e da métrica, ancorou em
Hydrá... debrucei-me avidá também dava ao poemeto...



Em Hydra, evocando Fernando Pessoa

Quando na manhã de Junho o navio ancorou em Hydra
(E foi pelo som do cabo a descer que eu soube que ancorava)
Saí da cabine e debrucei-me ávida
Sobre o rosto do real ― mais preciso e mais novo do que o imaginado

Ante a meticulosa limpidez dessa manhã num porto
Ante a meticulosa limpidez dessa manhã num porto de uma ilha grega

Murmurei o teu nome
O teu ambíguo nome

Invoquei a tua sombra transparente e solene
Como esguia mastreação do veleiro
E acreditei firmemente que tu vias a manhã
Porque a tua alma foi visual até aos ossos
Impessoal até aos ossos
Segundo a lei de máscara do teu nome


Sophia de Mello Breyner, in Os Poemas sobre Pessoa, apud Aprender até morrer.



Rebelo Gonçalves, Tratado de Ortografia da Língua Portuguesa, Atlântida, Coimbra, 1947, pp. 8-9.
Rebelo Gonçalves, Tratado da Ortografia da Língua Portuguesa, Atlântida, Coimbra, 1947.



Escrito com Bic Laranja às 16:30
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Segunda-feira, 26 de Janeiro de 2015
Os atiradores furtivos das traduções atiram ao português

Atirador especial; atirador furtivo; atirador de escol; atirador de elite; franco-atirador; atirador...


Siga a rafeirização do idioma.



(Imagem do Efeito dos Livros.)



Escrito com Bic Laranja às 16:21
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Grândola vila morena

Vende-se democracia a povos que não distinguem um preso político dum político preso.

 


Distribuição de propaganda, Saldanha, 191...
Joshua Benoliel, in archivo photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 00:01
Verbete | Comentar

Domingo, 25 de Janeiro de 2015
CP reforçou comboios para trazer fãs da Violeta



Escrito com Bic Laranja às 23:50
Verbete | Comentar | Comentários (7)

Av. dos Estados Unidos numa alta manhã antiga

Tirada do lado da pastelaria Luanda.

Av. dos Estados Unidos da América, Lisboa (S.A. Fernandes, 195...)
Av. dos Estados Unidos, Lisboa,  c. 1953.
Salvador de Almeida Fernandes, in archivo photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 13:07
Verbete | Comentar

Sábado, 24 de Janeiro de 2015
Arquitectura no B.º de S. Miguel

Três choupos num gaveto perdido do B.º de São Miguel. Isto é arquitectura, benévolos leitores!

Rua de António Ferreira; gaveto da de Frei Amador Arraes, Lisboa (A. Serôdio, 1964)

Gaveto da Rua de António Ferreira com a de Frei Amador Arraes, Lisboa, 1964.
Armando Serôdio, in archivo photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 21:01
Verbete | Comentar | Comentários (5)

Dia de praça

Dia de praça, Alvalade (J.C. Alvarez, 1949)
Mercado do Levante, B.º de Alvalade, 1949.
J.C. Alvarez, in archivo photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 11:32
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Sátiros

 Ontem de manhã o pé de microfone da emissora nacional reportava grave e oficialmente de Atenas. Dizia das sondagens darem em primeiro o Siriza, em segunda a Nova Democracia e em terceiros os neonazis, e que isto é que era perigoso.
 
Os neonazis em terceiros eram os perigosos; comunistas em primeiros, nada...

Sátiros (Praxíteles), Museu Arqueológico de Atenas, 2007.
Sátiros (Praxíteles), Museu Arqueológico Nacional de Atenas. (c) 2007.



Escrito com Bic Laranja às 10:45
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Sexta-feira, 23 de Janeiro de 2015
O que é «o privado»?

 

 Hoje a notícia na emissora nacional.

 Há doentes com sucessivos agendamentos e cancelamentos de cirurgias para que administrações hospitalares não paguem operações no privado (Frederico Moreno, «Hospitais enganam utentes com falsos agendamentos de consultas e cirurgias», R.T.P./Antena 1, 23/I/2015).

 «No privado»?! Agora falamos todos assim, não é verdade?...
 Dantes falava-se a alguém em particular, agora só se faz tal coisa em privado. -- Não que esteja mal, mas, porquê tudo privado?...
 Um paisano, um individuo qualquer, é um particular ou é um privado?
 Dantes telefonavam por engano para minha casa, perguntavam se era do Liceu Felipa e respondíamos: -- Não senhor! É uma casa particular. -- Se isto viesse a dar-se hoje com um jornalista, responderia: -- Não senhor! É uma casa privada. (?!)

 «Privado» é o particípio passado do verbo «privar» que tem o sentido de tirar ou recusar a posse de, o direito a ou, simultaneamente, de conviver intimamente com...
 «Privado» é também adjectivo para dizer o que não é público.
 Adjectivo!

 Vender os bens nacionais a gente que financie a ideologia (ou a falta dela) no poder é moda desde pelo menos 1834... Sabemos que de sempre a jornalistagem abraça de alma e coração as modas e se agacha ao poder, mas, como actualmente não sabe mais de 30 palavras nem conhece a Gramática passou a dizê-lo (ao «privado») como substantivo, designando assim pessoa ou coisa particular. -- É isso aquele «paguem operações no privado.» -- O abuso do «privado» e a supressão do «particular» é mais um desses casos do amaricano a fazer de muleta a papagaios que não lêem, não aprendem, desprezam dicionários, ignoram o Português, e que devêm em parvajolas tão falhos de léxico corrente, trivial e quase infantil como ruir, derruir, desabar, desmoronar; claro que se despencam estrepitosamente do jornalismo, a colapsar, só a colapsar porque é o que lhes ressoa do amaricano.
 Dizer «privado» por «particular» é anglicismo que já enjoa, senhores! Derivar «privatizar» (e porque não «privadizar», ou «privadar»...?) de «privado» é engano; grossa estupidez a cavalo do amaricano «private»; pois se privado deriva já de privar, porquê o rodriguinho dum novo verbo para dizer vender?!

 É toda uma aculturação de quem desce ao seu buraco mcdonaldiano na civilização.

(Revisto. A imagem é dum repórter d' «A Patada» por .)



Escrito com Bic Laranja às 12:43
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Quinta-feira, 22 de Janeiro de 2015
Escritor

O escritor de livros detrás do subdirector apresentador detrás da infectologia da S.I.C. também diz sekéstro.

Infectologista
(Imagem catada no livro das fuças.)

 



Escrito com Bic Laranja às 12:33
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Quarta-feira, 21 de Janeiro de 2015
A língua evoluída

 Sabe o que é impatante? E sujacente?
 Trítico?...
 Elítico...?
 Não sabe...

Elítico.JPG


 Bom, não digo que tamanhos disparates me admirem dada a mole de indigentes escolarizados que Portugal tem obrado para pendurar nas estatísticas. Mas não deixa de chocar o rol de bojudas asneiras que a I.L.C. desfia há semanas. Aldrabões e politiqueiros ditaram lei a afinar a ortografia pelos bestuntos mais imbecis, cretinos, ignorantes e iletrados que pode haver (o português modernaço); ora esses, impiedosamente, aplicaram-na. Agora  cubram-nos de diplomas de doutor.
 O recorte do escudo elítico é da página do Governo.



Escrito com Bic Laranja às 17:30
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Terça-feira, 20 de Janeiro de 2015
Rifão de dias mais compridos

 Em 20 de Janeiro, vae uma hora por inteiro. Quem no bem souber contar, hora e meia lhe há-de achar.

Saloios numa carroça de hortaliça, Loures (A. Pastor, c. 1950)

Saloios com uma carrada de hortaliças, Loures, 195...
Artur Pastor, in archivo photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 12:15
Verbete | Comentar | Comentários (11)

Segunda-feira, 19 de Janeiro de 2015
Azores

 O Vasco dos Açores está aborrecido com a debandada dos «camones». É chato. O Vasco e gente como o Vasco, que sem centelha de patriotismo se empenha em vender-nos mediante comissão a quem der mais, já está por tudo; até o exército popular da China lhe servia para cobrir a retirada dos «camones» -- No domingo à noite, o presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, defendeu a possibilidade de as instalações da Base das Lajes, na ilha Terceira, serem usadas por chineses (Marta Moutinho e Mariana Adam, «Governo afasta China da base das Lajes», Económico, 19/1/2015). -- É curioso este Vasco não ter sugerido para ali os espanhóis; sempre capitalizava  sem mais despesa aquele www.azores que é a marca registada do alcouce em que Portugal, com tratantes mercantilistas como esse Vasco, se tem tornado.



Escrito com Bic Laranja às 19:07
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Sexta-feira, 16 de Janeiro de 2015
De Brandeburgo...


Bach, Concerto de Brandeburgo n.º 3 em Sol maior [3.º and. -- Allegro].
(Ensemble de Música Antiga de São Francisco, Voices of Music)



Escrito com Bic Laranja às 21:41
Verbete | Comentar | Comentários (8)

É Brandeburgo. Vem no prontuário!

 Esta gente do jornalismo, hoje em dia, é de dó. Que os bípedes que se locomovem por aí em geral leiam pouco mais que A Bola e nada mais saibam, ainda é como o litro; que se esperaria?! Mas que uma mole acreditada em viçosas licenciaturas ressoe essa vulgar estupidez iletrada nos noticiários, Deus nos valha!
 Trasanteontem uma locutora moça tão ignorante como lhe quem lhe redigiu o teleponto noticiava um acontecimento no «portão de Brademburgo» (Brá-dem-bur-go). Foi na abrasileirada R.T.P. e daí o disparatado «portão» em vez de «porta». Já Brademburgo!... Donde brotou tal coisa!?
 No canal ao lado, uma mais madura -- portanto com idade de poder ter adquirido um nadinha mais de cultura geral -- chapava em cheio, não com o portão, mas com a porta, vá lá! -- Mas de quê?
 De Bràdemburgo, outra vez!
 Em simultâneo, a esta última, aparecia no rodapé outra rafeirice... Desgraçada língua!


Jornal da Noite, S.I.C., 13/1/15.



Escrito com Bic Laranja às 20:10
Verbete | Comentar | Comentários (25)

Quinta-feira, 15 de Janeiro de 2015
Ró-naldo

 Ganhou hoje foro de notícia radiofónica a velha questão de dizerem ró-naldo ou ru-naldo. Vão mais de sete anos que emiti sentença com moderado meio termo, mas, como dizia o outro, só os burros não mudam. Vem assim a ser que, empreendendo novamente na questão e achando agora a vedeta inflada com três balões doiro e eternizada em bronze a ombrear com as melhores representações da fertilidade, não podemos em nenhum caso dizer senão ró-naldo, com primeiro ó bem aberto, ao modo mais fadista e gingão.


Penedo Comprido ou Menir do Oiteiro, Monsaraz (prox.), s.d..
In Guia da Cidade.



Escrito com Bic Laranja às 12:31
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9

12
15
17

19
20
21
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Alpendre (O) (pub)
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Palaurossaurus Rex
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----