Terça-feira, 31 de Março de 2015
Equação económica (*)

Parafraseando o Dragão, podem gravar na pedra, porque é dito por um americano.

P.I.B. e per capita nas províncias ultramarinas, 1962-1970 (J. Cann, «Counterinsurgency in Africa») -- Exceptuando a Rodésia e a República da África do Sul, o P.I.B. per capita na África portuguesa durante as campanhas do Ultramar excedia o dos outros países da África subsariana.

  Na continuação, o autor diz:

 Em 1965, quatro anos desde o início da guerra, o orçamento da defesa atingia 48% do orçamento geral do Estado. Comparando, este valor superava o doutras nações europeias, do Canadá, ou dos E.U.A.; o segundo mais alto era o dos E.U.A., 42%, seguido do do Reino Unido, 34%. Os analistas, porém, tendem a descurar o contributo das províncias ultramarinas na sua defesa. A soma dos recursos ultramarinos permitiu a Portugal não só poder despender mais como sustentar a defesa por 13 anos. As três províncias contribuíam em 16% do orçamento de defesa no fim do conflito. Este contributo, assim como a ponderação económica do Ultramar, significa que Portugal despenderia na defesa, em média, sòmente c. 28% do seu orçamento, com um pico de 34% em 1968. Estas percentagens mostram um gasto imediato mais sustentado e põem Portugal equitativamente a par dos orçamentos de defesa nacional doutros países. Deve também notar-se que grande porção do orçamento de defesa se destinava a programas de benefício aos povos, na saúde, na educação e na agricultura, contribuindo directamente para o fomento económico da África portuguesa.

(John P. Cann, Counterinsurgency in Africa;The Portuguese Way Of War, Helion, 2012; traduzi eu.)

index.jpg

(*) Para paladinos do novo primado civilizacional da Economia na vida das poleis.



Escrito com Bic Laranja às 17:23
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Domingo, 29 de Março de 2015
Os comentários de...

 Marcelo Rebelo de Sousa, há pedaço, disse que já leu o livro do Sócrates e que lhe parecia ser ele o autor.
 Ele também me parece que o farol de Portugal leu a lista telefónica toda e gostou muito.


(A lista de Marcelo outrora na periférica.)



Escrito com Bic Laranja às 22:04
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Sábado, 28 de Março de 2015
Maior aproximação ao padrão da hora...

Caes do Sodré, Lisboa (j Benoliel, c. 1950)
Caes do Sodré, Lisboa, c. 1950 [post 1955].
Judah Benoliel, in archivo photographico da C.M.L.

 



Escrito com Bic Laranja às 19:01
Verbete | Comentar | Comentários (11)

Rocha

Rocha, Lisboa (A. pastor, c. 1970)
Rocha do Conde de Óbidos, Lisboa, 197...
Artur Pastor, in Archivo Photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 14:59
Verbete | Comentar

Sexta-feira, 27 de Março de 2015
Do kamikaze dos Alpes

 Esta contou o Carl Sagan. Certa vez, quando os astrónomos viraram os telescópios para Vénus, observaram o planeta coberto por uma camada de nuvens. Por mais que olhassem não viam senão nuvens. Naturalmente supuseram que Vénus teria muito vapor de água. Com vapor de água a cobrir todo o planeta, natural era que a superfície fosse húmida, pantanosa. Ora em havendo pântanos, havia de talvez haver cobras, crocodilos e répteis assim; quem sabe dinossuros, até...
 Bem... Observação: não se vê nada. Conclusão: dinossauros.

 Uma que se lhe assemelha contou o prof. Hermano Saraiva do duque de Saldanha. Disse ele que o Saldanha não tinha uma única ideia na cabeça. E como não tinha ideia nenhuma na cabeça podia ter todas. Viu-se nas saldanhadas todas que armou na sua longa carreira político-militar, sempre por ideias sopradas àquela cabeça de vento...

 Aos Alpes:

 Quando soou que se despenhara um avião nos Alpes ouvi logo pegada à notícia uma certeza de que não fôra terrorismo. Sabia-se ainda e só que se despenhara o avião, mas foi imediatamente certo não ser terrorismo.
 Pois bem, do que já disse tiro daquela máxima de não haver nada nas cabeças que, havia ela de dar para admitir tudo, até revoluções ou dinossauros... -- Mas terrorismo, não, não...
  Dizem agora que foi demência. Que é afinal o terrorismo?
German Wings Cockpit Voice Recorder (Reuters, 2015

 

E que será entretanto isto?...

Merkel, Hollande & Rajoy  à cata de «souvenirs» do A320, Alpes, 2015

Répteis à cata de souvenirs nos Alpes?!...



Fotografias: Caixa negra (gravador de comunicações do cockpit) da Reuters; répteis in Bamada.net, 2015).



Escrito com Bic Laranja às 18:25
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Quarta-feira, 25 de Março de 2015
Do arquivo da Câmara de Lisboa à procura do Sr. Artur Goulart

 Há anos publiquei um gratificante comentário do Sr. Artur Goulart, autor de inúmeras chapas no Arquivo Fotográfico da C.M.L. que tanta vez aqui mostro. Foi um extraordinário encontro. Mas único e sem sequência.

 Esta manhã recebi um pedido da Sr.ª Ana Saraiva, investigadora do arquivo municipal, procurando-me elementos biográficos ou alguma forma de contactar o Sr. Artur Goulart. Infelizmente não possuo nem uns nem outra. Naquela única vez que o Sr. Artur Goulart me comentou cá não deixou contacto para resposta.

 Considerando o caso, o melhor que posso fazer para ajudar é publicitá-lo aqui. Oxalá haja resposta.

Pavimento de passeios, Rotunda, (A. Goulart, c. 1960)
Rotunda, Lisboa, c. 1960.
Artur Goulart, in archivo photographico da C.M.L.

 



Escrito com Bic Laranja às 12:42
Verbete | Comentar | Comentários (3)

Terça-feira, 24 de Março de 2015
Da perda da memória e do rescrever da história

Santa Joana (Manuel Ferreira e Sousa).JPG

 Tenho visto representações anacrónicas de muitas cenas históricas, cSanta Joana com o Menino (João Baptista Pachim)omo nos quadros de Manuel Ferreira e Sousa dos passos da vida de Santa Joana Princesa (em cima) ou, como neste (à direita), de João Baptista Pachim, representando Santa Joana com o Menino. Nestes exemplos temos figuras notoriamente barrocas representando em cenas do séc. XV. Tenho ideia que tal sucede por simples perda da memória. Nos exemplos dados medeiam dois séculos entre as histórias e a sua representação, mas no mínimo basta uma geração emudecer para a seguinte acabar surda.
 Foi o que aconteceu ontem numa notícia da Rádio Renascença à 1h15 da tarde sobre a mudança do Museu dos Coches. Ao landó real chamou a locutora repetidamente landau por erradamente ler à portuguesa o étimo francês. E a pronúncia esquecida côche, ensinada pelos dicionários ainda há uma década ou duas, tornou-se já cóche, com a legitimação do erro a ser-nos servida sem justificação pelo lamentável Priberam.



*

*        *


A Família Real transportando-se no landó (acompanhada por Mouzinho de Albuquerque?), Mouraria, ant. 1/2/1908.
Fotografia de Joshua Benoliel, in Arquivo Fotográfico da C.M.L..

 
(Texto revisto a 1/4 para as sete da tarde.)



Escrito com Bic Laranja às 13:15
Verbete | Comentar | Comentários (3)

Segunda-feira, 23 de Março de 2015
Do paganismo desconexo

 Hoje é dia da Meteorologia, dizem-me na emissora. O almanaque diz-me que é dia de São Toríbio de Mogrovejo, mas como agora o missal é pagão, vale o outro... -- Que celebrem, pois, então, a Meteorologia e por ela libem agora aí oficiosamente os novos entes pagãos Mar, e Atmosfera, e o Ambiental, e as fontes, e os pássaros, e... -- E pois, bem, que o façam, mas ponham-lhe acertado sincretismo, como o bom povo sàbiamente faz e todos entendem; celebrem a Meteorologia em dia de S. Pedro ou de Santa Bárbara e não em dia de São Toríbio. Assim é que era democrático (outro deus). E inteligente. Mas estou a pedir de mais, não?...

Robinson Crusoé e o Sexta-Feira. John Charles Dollman (1851-1934)
John Charles Dollman (1851 -1934), Robinson Crusoe e o servo Sexta-Feira.
Óleo s/ tela, 127 x 103 cm.

 



Escrito com Bic Laranja às 12:04
Verbete | Comentar | Comentários (3)

Vista aérea do arrabalde do Campo Grande

Campo Grande, Lisboa (P. Correia, c. 1934)
Vista érea sobre o Campo Grande, Lisboa, c. 1934.
Pinheiro Correia, in archivo photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 07:28
Verbete | Comentar | Comentários (3)

Domingo, 22 de Março de 2015
Observação fundamental sobre a orthographia portugueza

«Orthographia da lingoa portugueza ensinada em quinze lições pelo systema da Madureira, rectificado pelos principios da grammatica philosophica da lingoa portugueza de Jeronimo Soares Barbosa, acompanhada das principaes regras da boa pronunciação, e seguida de um copioso catalogo das palavras portuguezas por ordem alphabetica, com a indicação de suas significações no uso actual, e dos erros mais ordinarios do vulgo na escriptura e pronuncia de algumas dellas por Tristão da Cunha Portugal», Aillaud, Monlon, Pariz, 1856, p.4
Orthographia da lingoa portugueza ensinada em quinze lições pelo systema de Madureira, rectificado pelos principios da grammatica philosophica da lingoa portugueza de Jeronimo Soares Barbosa, acompanhada das principaes regras da boa pronunciação, e seguida de um copioso catalogo das palavras portuguezas por ordem alphabetica, com a indicação de suas significações no uso actual, e dos erros mais ordinarios do vulgo na escriptura e pronuncia de algumas dellas por Tristão da Cunha Portugal. -- Segunda Edição. Pariz. -- V. J.-P. Aillaud, Monlon e C.ª, Livreiros de Suas Magestades o Imperador do Brasil e el-Rei de Portugal. -- Rue de Saint-André-des-Arts, 47. -- 1856 (p.4).



Escrito com Bic Laranja às 19:04
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Sábado, 21 de Março de 2015
Vista aérea de Lisboa

Avenida da Liberdade e Parque Eduardo VII, Lisboa (A. Nunes, c. 1953)
Vista aérea da Avenida, Rotunda, Parque Eduardo VII &c., Lisboa, c. 1953.
Abreu Nunes, in archivo photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 23:05
Verbete | Comentar

Sexta-feira, 20 de Março de 2015
Canção da Primavera


Natalia Pikoul (piano e arranjos), Richard Tomes (violino), Canção da Primavera n.º 1 (Francisco Filipe Martins)
(Concerto na Biblioteca Joanina, Coimbra, 26/10/2013.)



Escrito com Bic Laranja às 22:15
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Quinta-feira, 19 de Março de 2015
Do dia de S. José

 O Dia do Pai é mais uma dessas derivas com omissão do santoral e propaganda ideológica de novos missais.
 Esta manhã a progressista emissora nacional apregoava no éter o corolário a que chegámos: fundada numa reportagenzeca de encher jornal (cf. Marta Cerqueira, «Pais do século XXI são afectuosos, mudam fraldas e dão a papa», jornal I, 18/III/15), o dia do pai resulta já em, nada mais nada menos, que... emancipação da mulher.

 O pai de João Miguel Tavares nunca mudou uma fralda [...] A «parte chata» de dar papas, escolher a roupa, pôr a dormir e dar banho é dividida de forma quase igualitária com a mulher: «Digo quase porque a mulher continua a mandar mais dentro de casa.»

 Ora bem!... Levem lá a bicicleta.


(A bicicleta como naperon da emancipação da mulher em...)



Escrito com Bic Laranja às 12:19
Verbete | Comentar | Comentários (7)

Quarta-feira, 18 de Março de 2015
O melhor peixe do mundo é português

É setor. Parece que dá aulas ao pescado.

Professora peixe dá aulas ao pescado (Mundo ... coiso....)

(Fotografia do setor peixe, in Mundo Português, 20/III/15.)



Escrito com Bic Laranja às 23:15
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Terça-feira, 17 de Março de 2015
De Camillo



  Vão ampliar a casa de Camillo, ouvi na emissora 2 esta manhã. Já lhe haviam encolhido o nome -- Camillo passou a Camilo, Castello a Castelo e o Branco acha-se sujo com grafias cada vez mais absurdas. -- Agora ampliam-lhe a casa. Leio no «Público» que para mais acolhimento a visitas e ampliação do «serviço educativo a crianças».
 Bom! Eu do que queiram ensinar de Camillo aos meninos pequeninos não sei; sei é o que deviam ensinar ao locutor da emissora 2 que disse haver sido nesta casa que Camillo escreveu grande parte da sua obra incluindo o Amor de Perdição.

(O recorte pejado de erros é da Casa de Camillo ponto org.)



Escrito com Bic Laranja às 13:01
Verbete | Comentar | Comentários (10)

Segunda-feira, 16 de Março de 2015
-- Inteligência!...

Intelligencia!...

O que está por provar é que não sejamos animais.



Escrito com Bic Laranja às 15:22
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Sexta-feira, 13 de Março de 2015
De «preguntar»...

Em 1945, a A.C.L. e a A.B.L. assinam novo acordo que só Portugal respeitou, porque, apesar de o Decreto-Lei nº 8 286, de 05-12-45, o ado[p]tar oficialmente, os brasileiros não aceitaram as regras, mais próximas fonicamente dos portugueses, nem as letras mudas como em «acto» ou «espectáculo», usadas em Portugal. («Delírio reformista», I.L.C., 17/XI/014.)

 Tem graça. Ruy Ribeiro Couto, Olegario Marianno, José de Sá Nunes, um deles ou outro da delegação brasileira que negociou o Acordo de 1945 foi célere em cantar vitória num telegrama do Rio de Janeiro publicado pelo Diário Popular de Lisboa em 22 de Dezembro de 1945. Se temos hoje inquestionada a grafia «perguntar» (pràticamente só brasileira em 1945) foi por imposição brasileira. Do genuíno e generalizado «preguntar» português («90% dos portugueses -- cultos e incultos preguntam» -- V. B. de Amaral, «Bases da Ortografia Luso-Brasileira», p. 18) não há nem memória, salvo nuns iletrados populares que falam como dizem e pronto. Outro capricho brasileiro deu-nos, aos portugueses, em 1945, «quer» por «quere», «cacto» por «cato», «tecto» por «teto», «corrupção», por «corrução», «aspecto» por «aspeto». E se damos alvíssaras e não «alvíçaras» a tantas destas coisas devemo-lo ao Dr. José de Sá Nunes, que chefiou a delegação brasileira para fixação da ortografia em 1945. Devem ser estas as regras mais próximas fònicamente dos portugueses que à boca cheia se apregoam e repetem.

 Pondo doutro modo: 1) muitas das consoantes abominadas pelo caco gráfico de 1990 foram reintroduzidas na ortografia da língua portuguesa em 1945 por causa dos brasileiros; por causa da fala dos brasileiros, que as pronunciavam e pronunciam e, por conseguinte (bem), não abdicaram delas; os portugueses submeteram-se; 2) o vetusto vernáculo preguntar dos portugueses foi extirpado do português correcto e respeitável (e em poucas gerações do falar popular, até) porque... Enfim, porque os brasileiros dizem pêr-gun-tar!
 Estes são singelos exemplos. Mais haveria.
 E daqui remeteu-se Portugal a uma dignidade serôdia mantendo uma ortografia com regras fabricadas em larga medida em 1945 por brasileiros que logo as renegaram com pregão à falsa fé, até hoje, de ser aquela uma ortografia... lusitanizante! -- Pois não havia de sê-lo nada, nem um só pedacinho?!... 
 E para cúmulo flagelar-se disso Portugal por complexo de não sei quê, rebaixando-se a uma indignidade imprópria por tornar ainda a negociar com os párias do português, tomando-lhe agravos como se nada fossem, indo a ponto de descurar o valor diacrítico das consoantes etimológicas para a linguagem escrita e falada dos portugueses apenas e só porque os brasileiros esquizofrènicamente as desprezam como desprezam o que seja português.
 Se não é isto mania, fixação obstinada, prazer mórbido em servir de capacho, não sei o que seja.



Escrito com Bic Laranja às 00:15
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Segunda-feira, 9 de Março de 2015
Do cheiro que se sente

O presidente parece que farejou (salvo seja) a pré-campanha e resolveu dizer que não entra em lutas partidárias. -- Por acaso teve razão, o olfacto não no enganou. -- O seu caso é que, ventilando lá o que ventilasse ou calando ali o que houvesse, não tinha como não cheirar também. Odores que há muito nos chegam democràticamente ao nariz. Normalmente antes de impostos...

 

Revolução dos Cravos Grande Acidente Nacional, Lisboa, 1974.
Henri Bureau, in Corbis.



Escrito com Bic Laranja às 21:48
Verbete | Comentar | Comentários (5)

Domingo, 8 de Março de 2015
Variedades: artista de casino

Tom Jones, Fly Me To The Moon
(1969)



Escrito com Bic Laranja às 20:35
Verbete | Comentar | Comentários (5)

Rio de Janeiro: factos e lendas

Ataque português ao Forte Coligny, Ilha das Palmeiras (Vilaganhão, R.J.), 1560 (Anónimo, 1567)

«Em 1 de Março de 1565 [Estácio de Sá] funda a nova cidade de S. Sebastião do Rio de Janeiro na terra firme, em lugar em que há água e com acesso próximo a mantimentos (História da Expansão Portuguesa, v. 1, 1.ª ed., Círculo de Leitores, 1997, p. 211).»

 É um facto. A data de fundação do povoado de S. Sebastião na baía de Guanabara foi em 1 de Março de 1565. Dele elaborei há 8 dias um tanto sobre aparentes contradições: Rio de Janeiro em Março; S. Sebastião, cujo dia se celebra em 20 de Janeiro, para orago dum povoado fundado... em Março; confusão de rio com baía (de Guanabara).


*
*     *

 O rei de França teve pretensões a um império à custa dos portugueses e cobiçou o Brasil. Por 1555 Vilaganhão guiou uma expedição; com um punhado de colonos que não sabiam bem se eram calvinistas ou católicos, mas que eram na essência ex-presidiários, levantou uma paliçada na ilha das Palmeiras, uma ilha sem água na baía de Guanabara. A História chamou ao grande feito a França Antárctica.
 Da sua efémera história rezam as crónicas do fervor religioso de Vilaganhão que obrigava os colonos que se naturalmente juntavam com nativas a casarem-se catòlicamente e, ao mesmo tempo, forçava os Tamoios a acabarem com a sua tradicional antropofagia. Como reforços ao esforço civilizador recebeu de Genebra uma seita de calvinistas. As lutas religiosas entre católicos e protestantes em França replicaram-se na França Antárctica...

 Pois, Estácio de Sá foi lá e deu uma vassourada naquilo. Os franceses que se safaram fugiram para a mata (não rezam as crónicas de os Tamoios os cozinharem), mas para segurar definitivamente o lugar nas mãos dos que o descobriram e baptizaram em 1502, fundou então Estácio de Sá o povoado de S. Sebastião, entre a Cara de Cão e o Pão de Açúcar. Foi isto em 1 de Março, como já ficou escrito. Chamar S. Sebastião ao povoado talvez se explique nalguma lenda encoberta...

 Não curo agora de saber se é do tempo desta vassourada nos franceses a lenda das Águas de Março, mas sei que é dele a lenda da garota de Ipanema.
 A lenda é que foi um gaiteiro de Miranda que ia na armada do Estácio de Sá em 1565 que, enamorado da bela filha do chefe dos Tamoios, compôs a famosa cantiga. Como os marotos dos Tamoios andavam aliados aos franceses contra os portugueses foram todos colonialmente dizimados e aí o nosso gaiteiro desistiu das cantorias, desencantado de amores impossíveis. -- Càiu nà rèau, né! -- Os pergaminhos em que escrevera a notação musical da cantiga enterrou-os num baú no areal de Ipanema juntamente com um fio de cabelo da amada e umas libras de Tours pilhadas aos franceses. E lá ficaram até quando um cão desenterrou nos anos 60 o baú e apareceu com ele na boca diante do Vinicius e do António Jobim que desfaziam a sede e o calor com uns chopes no bar do Veloso, à esquina da Rua do Montenegro em Ipanema...
 As moedas deram à justa para pagar mais uma rodada.


Rio de Janeiro (A. Cicarelli, 1844) 


As imagens do ataque português ao forte de Vilaganhão (Autor anónimo, 1567) e Rio de Janeiro em 1844 (Alexandre Cicarelli) são da enciclopédia coiso.



Escrito com Bic Laranja às 20:30
Verbete | Comentar

Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11

15
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----