Domingo, 31 de Maio de 2015
Taça de...?

 Antigamente o telejornal durava meia hora e o noticiário da bola vinha no fim. Era uma maneira de ver o Mundo...
 Esta noute, como sempre que há bola (são muitas vezes) o primado foi o do esférico (que não o Mundo): no telejornal daquela TV com oráculo domingueiro levaram 20 minutos a estralejar os foguetes da bola antes de meter a publicidade ordinária; só então meteram uma (única) notícia da falência dos fundos de pensões em 2025, antes do paineleiro adivinho que entretanto já profetizara sobre a bola, à laia de preâmbulo, naqueles primeiros vinte minutos de foguetório futebolístico.
 O que tirei disto hoje é que a taça diz que é de Portugal, o povo no estádio nacional parece que era português, quem estava na tribuna para solenemente entregar o caneco consta que é presidente da República, mas aquela equipa que ergueu alvarmente o troféu era de -- como lhe chamam eles agora?... -- migrantes.
 Portugal é só já uma memória com atávicas formalidades.

Estádio Nacional, Lisboa (H. Novais, 1944)
Estádio Nacional, Vale do Jamor, 1944.
Estúdio de Horácio de Novaes, in Bibliotheca de Arte da F.C.G.



Escrito com Bic Laranja às 23:38
Verbete | Comentar | Comentários (12)

Bilderbergueiro



 Anunciou há pedaço a pitonisa que o confrade Zé Barroso continua em ascensão no novus ordo seclorum. O novo império romano-germânico ficou-lhe curto. Lá segue, pois, o Cursus Honorum do balsemónico patrono.



Escrito com Bic Laranja às 22:22
Verbete | Comentar | Comentários (4)

O dia do Estádio (*)

« E no domingo de bola, sobretudo no Estádio Nacional, é digno de ver-se o espectáculo da bicha de eléctricos, e das bichas dos passageiros [...]» (**)


António Lopes Ribeiro e Francisco Ribeiro, As rodas de Lisboa; um filme comemorativo do Cinquentenário da electrificação dos transportes urbanos, S.P.A.C., [1951].


(*) Porque o Estádio não tinha um único dia por ano, apenas, em que servia. Nem, fora dele, servia de sequer a desculpas para se andarem a alugar estádios a clubes em jogos da selecção portuguesa de maneira a encher-lhes o cofre com receitas extraordinárias à conta da Federação...
(**) No tempo em que dizer bicha/bichas era Português de quem não deve subserviência a dialectos.



Escrito com Bic Laranja às 16:53
Verbete | Comentar

Sábado, 30 de Maio de 2015
Artes de gravador doirador

Arte da encadernação -- (c) 2015(c) 2015



Escrito com Bic Laranja às 21:56
Verbete | Comentar | Comentários (5)

Sexta-feira, 29 de Maio de 2015
Av. de Fontes com lódãos

 Tomando a linha eléctrica do Lumiar [...] e seguindo-se sempre pela Avenida de Fontes Pereira de Melo, orlada de lódãos, notam-se várias casas dignas de registo &c. &c.
Raúl Proença, Guia de Portugal, 1º v., Generalidades; Lisboa e arredores, 1ª ed., B.N., Lisboa, 1924, p. 445 [Reed. da Fundação Calouste Gulbenkian, imp. 1991].

Av. de Fontes Pereira de Melo, Lisboa (E. Portugal, 1944)
Av. de Fontes Pereira de Mello, Lisboa, 1944.
Eduardo Portugal, in archivo photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 21:51
Verbete | Comentar

Desgraçada cidade

Av. de Fontes Per.ª de Mello, Lisboa (J. Benoliel, 195...)

 Com as obras do Metropolitano, em fins dos anos 50, perdêramos já a placa central arborizada na Av. de Fontes. Nestes dias, passados todos estes anos, caem finalmente os últimos três edifícios da primitiva Fontes que nos restam entre a Thomaz Ribeiro e o Saldanha -- n.ºs 39-43: dois palacetes e um prédio de rendimento. Na imagem, além deles, ainda se viam do edificado primitivo desta avenida o prédio do anjo, ao Saldanha, e a entretanto alterada moradia de estilo colonial que tornejava para a Rua das Picoas. O Monumental (também o podeis ver) é edifício de 2.ª geração, mas nem por isso durou...
 Depois do camartelo haverá no lugar retratado uma formidável torre -- a Torre da Cidade -- de nome pertinente e pomposo, principalmente porque em Lisboa, desde que Lisboa é cidade, jamais houve alguma torre, muito menos uma que pudesse dizer-se torre da cidade!...
 E com este notável melhoramento da nossa cidade, da primitiva Av. de Fontes Pereira de Mello sobram a abater dois palacetes -- o de José Moreira Marques (sede do Metro) e o Sotto-Mayor --, um gaioleiro entre a Thomaz Ribeiro e a Andrade Corvo e, entre esta última e a Martens Ferrão, três outrora ricos prédios de rendimento -- que os já ninguém salva --,  devolutos com pertinácia, semi-arruinados com diligência e, finalmente, pinchados por grafiteiros de nomeada com patrocínio municipal para lhes pôr o arzinho de urbano-depressiva ruína mais a condizer... -- Os excursionistas que comem esta pindérica Lisboa como gato por lebre fartam-se de os fotografar. Está bem uma para os outros. E levam estes uma estupenda recordação daqui de volta para a sua terra, havemos de conceder!...
 

Av. de Fontes Per.ª de Mello, Lisboa (J. Benoliel, 195...)

Fotografias:
Av. de Fontes Pereira de Mello, Lisboa. 195...
Judah Benoliel, in archivo photgaphico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 19:37
Verbete | Comentar | Comentários (7)

Racional da desgraça

  Há quem mande e não veja a lógica de não existir tal coisa como meios buracos... Vem daqui surgirem decretos, depois, procurando juntar duas desgraças e obter algo de jeito, não uma desgraça maior.



Escrito com Bic Laranja às 16:55
Verbete | Comentar

Quinta-feira, 28 de Maio de 2015
Da sombra mental

A7298.jpg

 
 Do atávico horror à árvore da saloiada alfacinha já falava Raul Proença. Ainda assim se lhe reconhece na esperteza saloia alguma forma de inteligência. Mas de se podarem ferozmente árvores frondosas quando temos aí o Verão à porta não vislumbro nem esperteza de espécie alguma. Só talvez inveja... da sombra das frondosas árvores competindo com a dos bestuntos destes saloios em má hora alcatruzados a presidentes da junta.
 Calcule o benévolo leitor que deram, agora, na alta Primavera, essas almas de vistas curtas e óculos ray ban em podar as árvores do jardim ante o Lyceu Camões. Um afã tão grande aproveitava-se se arranjassem antes a calçada dos passeios de Arroios que bem mais precisada está.

(Fotografia do coreto do jardim da Cruz do Tabuado de J.A.L. Bárcia, in archivo photgraphico da C.M.L., post 1909.)

 

Adenda pertinente:

 Portugal praticamente não tem floresta. O que temos são plantações de pinheiros e eucaliptos. É caso único no Ocidente pois até nos EUA cerca de 50% da floresta é pública e nativa. E em Portugal, o que há? A Margaraça, que ocupa apenas uma encosta na serra do Açor, ou a mata da Albergaria, a ocupar uma reduzida percentagem do único Parque Nacional que temos.

 Nas nossas serras a floresta nativa traria a necessária protecção aos solos contra a erosão, prevenindo assim a ocorrência de cheias. E uma boa gestão florestal geraria emprego e riqueza.

 Não é apenas problema dos arredores de Lisboa. No Alentejo e Algarve quase extinguiram os carvalhos. Na região Centro desnudaram as serras. No Norte houve mais respeito pela floresta mas depois veio o eucalipto, essa praga. As serras algarvias são hoje um mar de estevas.

 Faltam também árvores nas bermas das estradas, mas com as «limpezas» as autarquias não as deixam crescer. E nas sebes que dividem os terrenos ou nas galerias rípicolas, a acompanhar os cursos de água.

 E por que motivo em Portugal as autarquias não utilizam árvores portuguesas nos jardins, nas cidades? A nossa azinheira é usada em jardins na Irlanda e o nosso Quercus canariensis, árvore nativa da serra de Monchique, está em jardins ingleses. Temos o azevinho, o amieiro, o castanheiro ou o ulmeiro. Há ainda a rainha das árvores do Norte, o carvalho-roble, que dominou a paisagem portuguesa a Norte do sistema montanhoso Sintra-Montejunto-Estrela, estando ainda presente a Sul onde as condições climáticas permitem a sua ocorrência

 Os portugueses não conhecem a sua flora nativa e dedicam-se a espalhar espécies vegetais introduzidas que depois se tornam invasoras e causam prejuízos económicos e ambientais incalculáveis. Renegamos o que é nosso, ansiamos pelo que vem de fora. Isto diz muito sobre o estado em que nos encontramos.

(Do leitor Luís às 12h33.)



Escrito com Bic Laranja às 11:45
Verbete | Comentar | Comentários (16)

Avenida 28 de Maio, Lisboa

Av. 28 de Maio, Lisboa (A. Serôdio, 1961)
Av. 28 de Maio, Lisboa, 1963.
Armando Serôdio, in archivo photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 07:00
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Quarta-feira, 27 de Maio de 2015
Ainda o panorama de Benfica a Sintra

 No archivo photographico da C.M.L. acha-se mais esta. Adiantará pouco sôbre a de ontem, salvo poder aclarar um ou outro pormenor menos percebido na anterior -- alguma rua que se assim assim [veja] melhor... -- por ser tirada de maior altitude. Mereceria porventura uma legenda, mas, como me falecem agora o tempo e os meios, fica para depois. Entretanto o que lá foi dito serve agora com a mesma justeza.

Vista aérea sobre Benfica, Lisboa, 195...
C.M.L./D.E.P., in archivo photographico da C.M.L.

 



Escrito com Bic Laranja às 12:20
Verbete | Comentar

Terça-feira, 26 de Maio de 2015
Quando os burros zurram

 Faz amanhã anos que morreu. No canal da memória oficial anunciavam um programa sôbre o 'Quilino referindo-se-lhe como «um activista fervoroso da República». Ora! Quem aprendeu um nadinha da história da implantação da República em Portugal percebe logo que «activista fervoroso da República» é eufemismo de bombista. Ao 'Quilino bem pode servir a graça da Providência por ter vindo ainda a ser lobo uivante na literatura. Os das efemérides louvaminheiras enfardadas com sofismas eufemísticos é que não passam de burros que zurram. Só enganam os seus pares.

Aquilino, por Bual

O 'Quilino visto por Bual é do vento que passa.



Escrito com Bic Laranja às 14:01
Verbete | Comentar | Comentários (7)

Panorama de Benfica a... Sintra

 Sobrevoando o lugar de Benfica pouco mais ou menos sôbre a quinta da Granja nos anos 50. O panorama que se avistava até à serra de Sintra era o que pode o leitor apreciar. Para quem, como eu, nunca conheceu esta païsagem e suspira por fazer idéia de como foram os lugares adjacentes à estrada e ao lugar de Benfica -- lugares que sempre conheci com païsagem tão densamente edificada -- respirar uma imagem destas é um refrigério.
 Algumas referências que vejo situam-me o espaço, outras suspendem-me no tempo: dou adiante algumas que identifico de cor; conto com o leitor interessado mais entendido nos pormenores antigos do lugar para que, com paciência ou generosidade, ajude no que faltar.

Vista aérea sobre Benfica, Lisboa (C.M.L./D.P.P., anos 50)
Vista aérea sobre Benfica, Lisboa, 195...
C.M.L./D.E.P., in archivo photographico da C.M.L.

 

 Partindo do quadrante inferior esquerdo, vae a estrada de Benfica em boa parte bem definida pelo casario de r/c, 1.º e 2.º que ainda hoje a conforma no trôço que leva da Fonte Nova às Portas e, para lá delas, à Porcalhota e à Amadora, já no quadrante superior direito da imagem. Do seu serpentear solta-se, primeiro, à esquerda a Gomes Pereira e a fábrica Simões e depois, à direita, a Calçada do Tojal, com a igreja da Benfica marcando bem o lugar de encontro dessa serventia com a estrada de Benfica. No lado oposto à igreja o antigo campo do Fòfó, cujo limite do lado de cá é bem marcado pelos muros da Azinhaga das Garridas, velha serventia de que sobra um trôço e que, por inteiro, nestes tempos de outrora, levava a gente bucòlicamente do coração de Benfica à Buraca cruzando a linha de Sintra numa passagem de nível de que nunca vi imagem, mas que sei que existiu, a par do Retiro do Bom Pastor.
 Adiante da igreja de Benfica o casario mais denso até às Portas -- que as não descortino --, apenas identifico por ali a longa fiada de casinhas baixas da quinta das Fontaínhas, de que sobra hoje uma fracção.
 Na banda esquerda da imagem as moradias do bairro das Garridas e o do bairro de Santa Cruz de Benfica em construção; entre êles a mancha arborizada da mata de Benfica. Além de Santa Cruz, campos, e o incipente casario da Damaia (ou de A-da-Maia) e da Damaia de cima, esta já para lá do aqueducto que corta, solitário, a païsagem para a direita; na Reboleira nada...
 Na banda superior direita da imagem, além das Portas e do bairro da Venda Nova, a Estrada de Sintra (E.N. 249) em direcção à Amadora -- que se nota bem urbanizada até ao que me parece o Casal de S. Brás -- e, após, apenas o casario a define (à estrada nacional) da direita para a esquerda da imagem, até se ela perder para lá duma fita que se ainda avista além de Queluz.
 A serra de Sintra com uma luz diáfana fecha o scenário bucólico dêste tempo suspenso.



Escrito com Bic Laranja às 00:10
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Segunda-feira, 25 de Maio de 2015
Do jornalismo de última hora

 O jornalista p'ò demo de última hora -- pró-Buiça da antevéspera em descarado directo do museu que é legado da rainha D.ª Amélia -- abriu ontem sensacionalmente o telejornal com eufórica notícia da sirização da Espanha:
 -- Boa noite. Começamos pela revolução eleitoral e política que está acontecer em Espanha. O partido Pó Demos acaba de conquistar os dois municípios mais importantes do país [...] Quanto ao P.P., partido do governo, foi o mais votado na maioria das regiões, venceu em 11 das 13 [...]

P'ò Demos

 Uma revolução com o partido do governo a ganhar 11 em 13?!... -- A apresentar resultados eleitorais, sempre me saiu este pior que a cassete do P.C.P. Quem o não conheça que o compre!...


(Imagem do jornalismo de redacção sestra obtida em TVIsquerdóide.)



Escrito com Bic Laranja às 22:30
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Do jornalismo aos papéis

 Esta manhã tontelas da rádio e TV perdiam-se em Tondela. A subida dum clube das berças à 1.ª divisão da bola motivou compridas reportagens in loco: um pé de microfone da emissora nacional contava matutinamente que os jornais na terrinha haviam de estar com muita procura, embora o quiosque ainda estivesse fechado; vai daí confessa em directo aos ouvintes que se mudara para um café ali perto onde pôde estender a preceito o microfone ao empregado de mesa de serviço e encher o vazio da reportagem:
 -- O senhor, bom dia, ontem à noite a festa aqui foi grande, não foi?
 -- Ontem não estive cá, mas vi que sim.

Cocas repórter.jpg

 O tempo aqueceu e o Verão antecipou-se. Façamos que a inanidade jornaleira seja já a da «silly season».


(Imagem do jornalismo aos papéis em Papéis do Jornalista.)



Escrito com Bic Laranja às 20:16
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Sábado, 23 de Maio de 2015
S.I.C. transit gloria mundi

 Dantes o telejornal durava meia hora e o noticiário da bola vinha no fim; o noticiário era ordenado por um critério que vinha do sério ao lúdico, parece-me. Era uma maneira de ver o Mundo...
 Noto que hoje em dia os telejornais lambuzam as actualidades mais ribombantes da converseta de café como chamariz ao descuidado indígena e levam não mais de cinco ou seis minutinhos nessa vulgar quadrilhice para lhe em seguida jorrarem por cima do jantar 20-25 minutos de publicidade comercial; segue-se mais meia hora publicitária mais ou menos encapotada de notícia.
 Esta noute o primado foi outro: o telejornal daquela sociedade industrial de concentrados dita S.I.C. levou mais de meia hora a estralejar os foguetes da bola antes de meter a publicidade ordinária; só então meteram as actualidades de café e o paineleiro de turno com mais conversa sobre a bola.
 O que tiro disto é que o Mundo (o modo de olhá-lo) mudou: tem missa mercantil diária ao serão já depois da hora do terço. Salvo se houver bola.
 Ámen!

Campo da Luz, Lisboa (H. Novais, post 1954)
Campo do Benfica, Luz, post 1954.
Estúdio de Horácio de Novaes, in Bibliotheca de Arte da F.C.G.



Escrito com Bic Laranja às 22:54
Verbete | Comentar | Comentários (12)

Quarta-feira, 20 de Maio de 2015
Bic ornitólogo

     Praia do Barril, Tavira (c) 2014

          Praia do Barril, Tavira (c) 2014

               Praia do Barril, Tavira (c) 2014


Praia do Barril, Tavira (c) 2014



Escrito com Bic Laranja às 15:00
Verbete | Comentar

Segunda-feira, 18 de Maio de 2015
Bic ferroviário

O comboiozinho...



Escrito com Bic Laranja às 11:46
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Domingo, 17 de Maio de 2015
Bic peregrino

 width=Peregrinação... (c) 2014



Escrito com Bic Laranja às 09:09
Verbete | Comentar

Sábado, 16 de Maio de 2015
Bic sem sahida

Ria Formosa, Sancta Luzia de Tavira (c) 2014



Escrito com Bic Laranja às 18:31
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Vista aérea além de Benfica

 Onde se avista sucessivamente a orla da mata de Benfica e a quinta da Feiteira onde veio a fazer-se o mercado; a estrada da Damaia e a Rua Emília das Neves; a estrada de Benfica, até às Portas fiscais; a orla N do bairro da Venda Nova, a estrada militar, a quinta das Pedralvas, a fábrica das tintas Atlantic, o cimo da calçada do Tojal, uma banda do cemitério e a estrada dos Salgados que lhe passa deante e segue por além do Bairro da Venda Nova, caminho da Porcalhota; ao longe o bairro da Pontinha; além só campos...
 A fotografia e provável que seja dos anos 50.

Vista aérea sobre Benfica, Lisboa (C.M.L./D.E.P., 195...)
Vista aérea sobre Benfica, Lisboa, post 1940.
C.M.L./D.E.P., in archivo photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 00:24
Verbete | Comentar | Comentários (3)

Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----