Segunda-feira, 31 de Agosto de 2015
Dos aguadeiros certificados

 O desfecho adivinhava-se. Adivinhei-o, mas só em parte...
 Os aguadeiros municipalizados responderam-me tão cheios de razão, tão cheios de razão, que louvado seja Deus de me haverem telegrafado a resposta por e-mail. Se não, era certo e sabido que me custaria mais outro sêlo do correio.
 Assim foi. Tinham razão em me estimar consumos porque, de lei, só têm dever de ir ler o contador de seis em seis meses ou uma fórmula legal assim. Tinham por conseguinte razãozíssima em me cobrar sucessivas estimativas de acordo com o histórico, em vez da água (que não consumi) e, sobre tudo, nem lhes falha o inalienável direito a receber no prazo... — Só não sei onde orquestraram o meu histórico de consumo de água porque só passados meses do fornecimento foram lá ler o contador.
 Mas tinham ainda mais razão: extravios de facturas são da conta dos correios; nada consigo (com eles). Portanto consigo estava tudo certinho, contas são contas. De somarem à minha a cartinha rezistada com aviso de corte por extravio de facturas nos correios, nem me lembro o que disseram, se disseram alguma coisa...
 Ponderando e sendo-lhes claro agora o histórico do meu consumo de água ser zero, a estimativa verteu-se a nada (Aleluia!) — Nada, salvo seja... Salvas as taxas e taxinhas, suas (deles) ou do diabo do governo a cavalo neles. E todos eles a cavalo em mim. O acerto far-se-ia...
 Uma conclusão que tiro, limpinha: ando a financiar aguadeiros municipalizados, primeiro, pagando-lhes por sete meses água que não consumi; segundo, acabando seu credor em módica dezena e coisa de euros, aguento pacientemente o saldo de contas, factura a factura, mês a mês, por mais dois meses.
 Outra conclusão, que não vou tirar porque me havia de sujar com palavrões, é sobre a cobrança de juros de mora da factura extraviada em Maio e liquidada de boa fé em 23 de Julho. Não me queixo do valor, òbviamente. É da moral que rege toda esta m... — perdão, este comércio!...

Água com $elo de qualidade. $erviço público certificado &c. &c. &c...



Escrito com Bic Laranja às 21:16
Verbete | Comentar | Comentários (2)

...

Arco da Travessa do Monte, Graça (J.A Bárcia, 190...; A.P.C.M.L., A7602)
Arco da Travessa do Monte, Graça, 190...
José Arthur Leitão Bárcia, in archivo photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 21:16
Verbete | Comentar

Domingo, 30 de Agosto de 2015
Faca e alguidar, jornalismo e sindicalismo

 Do caso do homem que matou três pessoas com caçadeira, diziam nos telejornais que foi desentendimento antigo de vizinhos por causa dum cão — disseram há um pedacinho no canal de informação da R.T.P que o cão foi ponto da discórdia. —  Imagino o brado nas redes ditas sociais se tem morrido o cão...
 Também não sei que releva ao caso o comentário (ou comunicado) do sindicato da polícia pedindo mais meios...
Capturar.jpg



Escrito com Bic Laranja às 21:20
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Guardador de margens

  A toada do «Guardador de Margens» tem o langor de noites estivais. Como hoje. Sinto nela o mormaço de noites modorrentas em que para aqui estamos... — Grande poeta, o Tê. Estupenda interpretação ao vivo de Rui Veloso no já longínquo concerto do Coliseu. — 1987!... Onde ele vai... — O Jaime foi quem comprou o álbum. Passei os anos 80 desligado do Rui Veloso. Só lhe liguei lá pelo fim da década, em 88 ou 89, quando me soava o Rui Veloso ao Vivo da cassete que gravei do disco do Jaime e quando, também por esse tempo, ouvia as mesmas cantigas ao bonacheirão do Luís Duarte nas Noites de Luar e na Casa da Lina. Saudosos tempos!

  Deu-me agora aqui para isto; a soedade a bater deve ser do Agosto a avizinahar-se do Setembro e do Verão a acabar-se...


*   *

 

Enquanto a cidade inteira vai digerindo o seu jantar
E todas as ruas e praças se lavam com essência de luar
Enquanto as estátuas famosas bebem brandies e aveledas
E as tílias se entreolham meigamente nas alamedas

Vou guardando as margens
Velando os lírios do jardim

Enquanto à meia-noite encerra mais uma sessão
E o senso-comum ressona tranquilo e pesado no colchão
Enquanto a cidade inteira lava os dentes e faz toilette
E os taxistas recolhem as sombras que restam da noite

Vou guardando as margens
Velando os lírios do jardim

Enquanto a luz do promontório ensina a costa ao barqueiro
E arde o rum forte no zimbório e traz lucidez ao faroleiro
Vou pondo malha sobre malha com o labor dum tapeceiro
Palavra, acorde, o som, a talha e a devoção de um mestre oleiro

Vou guardando as margens
Velando os lírios do jardim

Enquanto a cidade inteira vai feliz na sua faina
E o Sol boceja na ladeira ao som do martelo e da plaina
Saúdo a bruma e o orvalho e a luz do dia madrugado
Guardo as cartas no baralho, meu sono é enfim chegado

Vou guardando as margens
Velando os lírios do jardim  


Escrito com Bic Laranja às 01:04
Verbete | Comentar

Sexta-feira, 28 de Agosto de 2015
Questões de semântica além da forma

 Peguei no vol. de el-rei D. Fernando da série dos reis de Portugal do Círculo e li três capítulos. Não peguei na crónica de Fernão Lopes da Livraria Civilização por menos trabalho. O português medieval encanta-me, mas justamente por ele dispersar-me-ia. O volumezeco de Rita Costa Gomes (prof.ª dr.ª) é de 2005, mais ligeiro; pareceu-me que havia de ir por ele mais a eito. Ou pensava eu...

  Há décadas que as cousas modernas por cá tendem aos baldões. Sem espanto notei que a onomástica e os topónimos no livro daquela prof.ª da Universidade Nova lhe saíam meios desgarrados. Fernão Lopes é tanto como é, como vem em ser «o cronista Lopes». Aleatòriamente. Estilo hesitante da autora, portanto.
  As personagens históricas ora vêm grafadas em português, ora não, embora a forma escolhida seja ao depois coerentemente continuada pela autora. Assim, D. João Manuel, grande de Castela e pai da rainha D.ª Constança Manuel — a que foi mulher do nosso rei D. Pedro —, é D. Juan Manuel. Mas D.ª Constança nunca é Constanza. Nem em solteira lá em Castela...
  A filha do rei D. Pedro, o Cruel, de Leão e Castela não é Constanza nem Constança; é Costança, mas deve ser gralha.
  Afonso XI de Castela não é Alfonso, mas a sua favorita é Leonor de Guzmán, não de Gusmão. Henrique de Trastâmara (Henrique II de Castela) também não é Enrique, valha-nos...
  João de Gante aparece sempre à portuguesa, o que lhe fica bem, mas é duque de Lancastre em vez de Lencastre.
  Inês — ou D.ª Inês — de Castro é «a Castro», não sei se pela tragédia se por desprezo... Sem porquê, sua irmã é Juana e não Joana de Castro.
 Critérios.

  Nos topónimos reparei que as terras castelhanas tendiam a vir em castelhano (Toro — onde Afonso XI teve prisioneira D.ª Constança Manuel antes de casar com o nosso D. Pedro I —, Ciudad Rodrigo...)
  Cuidei descobrir aqui um certo padrão: o pendor descai no português, salvo se for terra de Castela. Admitem-se excepções.
  Das «cidades prósperas» do «corredor europeu da Europa mais densamente povoada» [?!] como Bruges, Estrasburgo, Colónia, Basileia, Génova e Florença nada aponto ao uso destes topónimos consagrados. Estranha é a referência a «localidades estremenhas como Tomar, Abrantes, Leiria e Alenquer». Nem estremenhas no Ribatejo hão-de ser, incluída ou salva Leiria que não é lá...

  Edições decentes de livros de História, em português e não mui antigas, são já doutro tempo, e eram doutro modo, enfim!... Cuido se lhe punha maior rigor, havia regra de seguir o nosso cânone e a onomástica portuguesa consagrada. Talvez os vocabulários, prontuários &c. se hajam entretanto tornado supérfluos ante o internacionalíssimo novo saber da Academia portuguesa. Vai daí tornarem-se raridade manuseada só por certos bichos do mato.

  E ia em intermitências cogitando nisto através do 2.º ou do 3.º capítulo quando achei a rainha D.ª Beatriz de Castela, mãe de D. Fernando, «em estreita associação com a famosa D.ª Isabel de Aragão sua sogra». E adiante outra vez «D.ª Isabel de Aragão» (*).
  Bem verá o benévolo leitor, a custo, a sogra; trata-se da rainha Santa Isabel, a do milagre das rosas, rainha da paz, mulher de el-rei D. Dinis.
  Ora cá está outro padrão, deste não tenho dúvida: mil vezes falasse a autora na rainha Santa, mil vezes lhe omitiria a santidade, ainda que no-la ensine famosa e... sogra. É o padrão laico, republicano e socialista, o que vigora na Academia.

Rita Costa Gomes, D. Fernando, 1.ª ed., Círculo de Leitores e Centro de Estudos dos Povos e Culturas de Expressão Portuguesa [ah, pois é Portuguesa, é!], 2005.

 


(*) A tirada completa é D. Beatriz tinha vivido, ela mesma, em estreita associação com a famosa D. Isabel de Aragão sua sogra, da qual parece ter continuado muitas iniciativas e até um certo estilo de intervenção política em situações conflituosas e é, nos sublinhados que lhe ponho, não um certo mas todo um estilo do discurso corrente contemporâneo. O do jornalismo das TV e dos jornais. Ora vede se estreita associação em iniciativas de intervenção política não soa belìssimamente nos telejornais, hem!?...



Escrito com Bic Laranja às 23:02
Verbete | Comentar | Comentários (7)

Da vida em «pack»



 Tirei hoje umas calças lavadas do guarda-vestidos — a sexta-feira é o dia informal («queijoal» à «amaricana»), mas mesmo assim… — Achei-lhe 0,50 € na algibeira. Foram à máquina de lavar e à engomadeira sem se perderem. Olha, deram-me há pedaço para uma bica no «vending».  — Barato! Tive demasia…

«Vending», a realidade da apresentação


 Reflicto. O «vending» é tão bem apessoado!... Em loiça, cremoso, aromático, quase se cheira. A realidade é que vem em copo de plástico.
 Também há jornais assim, mas em saco...

(Sortido de imagens made in Google.)



Escrito com Bic Laranja às 11:15
Verbete | Comentar

Quinta-feira, 27 de Agosto de 2015
Dos gatinhos e doutros animais...

 Um gato vadio esparramou-se a mandriar num dos bancos esponjosos do pátio. Duas senhoras enternecidas prostram-se de ante em admiração e inquirem colegas de trabalho se querem um gato. Tal o enlevo!...
  Quando mo preguntam (*) respondo-lhes se já preguntaram ao gato se me quere ele a mim.
  Acham-me graça, creio dos sorrisos que me dirigem. Talvez me admirem a tirada de respeito pelo felino sem me medirem muito o alcance...
  Retiro-me com sua licença e com o recado de se me oferecerem um cavalo, aceito.

Campinos no Colete Encarnado, Vila Franca de Xira (A. Ferrari, 1950-70; A.P.C.M.L., FER006431)
Campinos, Vila Franca de Xira, 1950-70.
Amadeu Ferrari, in archivo photographico da C.M.L.

(*) V. preguntar / perguntar.



Escrito com Bic Laranja às 12:56
Verbete | Comentar

Quarta-feira, 26 de Agosto de 2015
A bravata serôdia, pois é!

 Com este também não vamos longe. Arrola ainda por cima o acordita Seixas da Costa para defender o português e resvala na «coação» (por «coacção»). Vê-se bem como anda: é como omite o caco gráfico. Conversa.

 O português não interessa senão aos Portugueses. Se interessou a outros foi sempre para sacarem qualquer coisa. Andar em quimeras de português «língua global» ou «língua internacional» não é trabalho; são enfeites. O português vale o que os portugueses valerem e não vale nada sem portugueses, com portugueses apátridas, ou a falarem «amaricano» porque sim, por causa da globalização, dos mercados, do chique, da estupidez, enfim!… O resto são quimeras. Usem os Portugueses naturalmente a sua linguagem e o resto (com licença) cagando e andando.
 Estes gajinhos todos -- todos! -- há muito venderam as mães: a língua e a progenitora.
 (Já pedi licença.)  P.q.p.!

Alto do Parque Eduardo VII, Lisboa, 2007 (in Adamastor)
Alto do Parque, Lisboa, Dezembro / 2007.
In Arquivo de Brandão Ferreira.



Escrito com Bic Laranja às 22:37
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Get Smart númbaro 1

18758650_6jdAe.jpeg

Enviado do meu Smart Phone...



Escrito com Bic Laranja às 20:15
Verbete | Comentar

Diario hypothetico d'uma republica menos revisionista

Diaro hypothetico d'uma republica menos revisionista



Escrito com Bic Laranja às 17:31
Verbete | Comentar | Comentários (3)

Terça-feira, 25 de Agosto de 2015
Trabalhar por objectivos

A criatura não deslarga

E o tempo urge...



Escrito com Bic Laranja às 21:55
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Palmyra

3903_001.jpg (O Diabo, 25/VIII/15.)


 O que diz o recorte é verdade, especialmente a parte dos humanos e o leão. Mas de Palmyra já alguém viu realmente o templo rebentado? Eu não. Nem, parece, os das notícias.

 Mais. Ao trophéu de caça ninguém aceita o frete de o transportar para a sala de caça do dentista caçador, mas as relíquias de Palmyra muitos hão-de comprar.



Escrito com Bic Laranja às 11:06
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Domingo, 23 de Agosto de 2015
Cousas!

 O programa «Visita Guiada» é interessante. Mostra cousas de ver. Do que tenho visto os convidados são claros e sóbrios na exposição. Aprende-se. Já da apresentadora, a M.ª Paula Pinheiro, nem sei que diga: louvaminheira em exagêro, evidenciando-se com gestos exuberantes, irritantemente interpeladora, interrompe a cada passo e a despropósito, para dizer o quê?
 Lugares-comuns. Tolices. Cousas que se esperaria do excursionista deslumbrado e inconsciente da própria ignorância, mas que à nata do jornalismo letrado, como parece que é a apresentadora...
 Ao biógrafo do abade de Baçal, João Jacob, chega a corrigir a referência a achados archeologicos como documento (histórico) chamando-lhe objectos. Velada, mas imediata foi a resposta: — fosse um documento escrito, fosse um documento archeologico. — Tal a curteza de vistas que não vejo como ela (ou quem realizou o episódio) o chegue a alcançar... Já no arranque do programa castigara a syntaxe do português: — Neste museu estão reunidos grande parte dos achados archeologicos &c.
  Grande parte estão
, ou grande parte está? — Pois!...
 Isto para nem falar do genérico bilíngue do programa, sendo ao depois a locução toda em... português.

Visita Guiada, Ep. 4, Museu do Abade de Baçal (R.T.P. 2, 1/VI/15.)
(Visita Guiada = Guided Tour, Ep. 4, Museu do abade de Baçal, R.T.P. 2, 1/VI/15.)



Escrito com Bic Laranja às 21:54
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Sexta-feira, 21 de Agosto de 2015
600 anos

 Os do canal da memória tiveram-na de hoje pôr o prof. Hermano Saraiva num dos seus Horizontes da dita sobre a tomada de Ceuta. Os telejornais nem sei se o lembraram. A rapaziada do governo, se ouviu de Ceuta, há-de ter sido por algum eco de import/export que por lá passasse...

 O prof. Saraiva terminou o programa evocando Camões, declamando-lhe versos salteados duma elegia escrita estando o poeta em Ceuta (*). O tema da elegia são os temores da infidelidade da amada que ficara em terras de Espanha. Separado dela pelo mar, inspira-se no alto do monte Ábila contemplando o Calpe, do lado das espanhas, onde se ela quedara.
 No exórdio Camões compara o seu destino infausto ao da ninfa Eco, condenada por Hera a não se fazer ouvir e poder apenas repetir as últimas sílabas dos outros; assim o poeta em Ceuta, condenado a sòmente ecoar o seu próprio ser primeiro em que teve a plenitude do amor.

Aquela que de amor descomedido
pelo fermoso moço se perdeu
que só por si de amores foi perdido,

despois que a deusa em pedra a converteu
de seu humano gesto verdadeiro,
a última voz só lhe concedeu;

assi meu mal do próprio ser primeiro
outra cousa nenhũa me consente
que este canto que escrevo derradeiro.

[...]

 Da tomada de Ceuta e da glória de Portugal tivemos oficialmente hoje menos que mitologia: nem eco.

José Hermano Saraiva, Horizontes da Memória.
(R.T.P., 2002, in Lusitano27BC)



(*) Sigo M.ª de Lourdes Saraiva, Lírica III, Imprensa Nacional, 1981.



Escrito com Bic Laranja às 21:15
Verbete | Comentar | Comentários (10)

Quarta-feira, 19 de Agosto de 2015
O nicho da imagem

 N' O Diabo da semana passada sugeriam um livro Segredos de Lisboa (Inês Ribeiro e Raquel Policarpo, Esfera dos Livros) nestes termos:

« Uma Lisboa desconhecida está à nossa espera num museu, num parque de estacionamento ou até numa improvável casa de banho [...] No Largo da Sé desça á casa de banho pública e depare-se com vestígios de um prédio anterior ao terramoto [...] Inês Ribeiro e Raquel Policarpo guiam-nos por uma Lisboa repleta de segredos &c. &c. »

 Casas de banho... Confronte-se o estilo com o de Júlio de Castilho a expor novidades antigas, mesmo se até melindrosas.
 O nicho da imagem era na esquina do Caracol da Penha com a Rua de Arroios e deu nome ao sítio, estendendo-se a uma quinta adjacente, a Quinta da Imagem de que já falei e tornei a falar: eis o que nos o mestre Júlio de Castliho contou. E como contava:

« O próprio Caracol da Penha (que parece tão calado), se o interrogarmos, dir-nos-á que ainda em 1857 não era mais que uma estreita e pitoresca azinhaga [...] Ora em 1753 morava no seu palácio junto ao campo de Santa Bárbara, defronte do senhor de Murça (o prédio Mesquitela) o conde de S. Miguel, velho; muito perto ficava o nicho da imagem; aí tinha então uma tenda certa mulher, cuja filha entreteve com o conde Álvaro um romance que não vem para aquí, e que desfechou afinal em ter de se recolher a tendeirinha para não sei que mosteiro.
   Convença-se o leitor que tudo são romances neste mundo, e de que as esquinas de uma cidade, grande e populosa como esta, têm mais histórias para contar do que Dumas ou Júlio Denís. O caso todo está em saber prestar ouvidos.»

Lisboa Antiga. Bairros Orientais, 2.ª ed., v. IX, C.M.L., Lisboa, 1937, p. 172.

 Cheira-me todavia que os ouvidos hoje perdem muito por falta de faro para contar o antigo, não sei... Ouvir as esquinas da cidade podia soar como cheirar aquela casa de banho d' O Diabo e no entanto...
 Deixo a imagem encantada do misterioso nicho da dita como possìvelmente impressionou o mestre Júlio de Castilho e lhe deu azo a várias histórias. Desencantei-a no archivo photographico. Infelizmente não na achei[-a] com melhor qualidade e consta[ndo] que a chapa do negativo em vidro se partiu.

 

Nicho da Imagem, Rua de Arroios, c. 1900  (A.P.C.M.L., A1300)Nicho da imagem outrora no gaveto da R. de Arroios com a Marques da Silva (Caracol da Penha), Lisboa, c. 1900.
Photographo não ident., in archivo photographico da C.M.L., A1300.

 

(Revisto. Remissões às dez e meia. Ampliação em 21, ao ¼ para as 2 da tarde, que permite ver o vulto uma quitandeira na soleira da porta que dava para o Caracol da Penha; identificar a placa de prohibido affixar annuncios n'esta propriedade e reconhecer uma caravela foreira à direita da sacada, no lado oposto do nicho da imagem.)



Escrito com Bic Laranja às 19:34
Verbete | Comentar | Comentários (5)

Terça-feira, 18 de Agosto de 2015
Marinha do Tejo

 Imaginar o Tejo coalhado de barcos castiços. Coisa dum tempo acabado...

Fragatas, doca da alfândega (J. Benoliel, 1912; A.F.C.M.L.A6887)


 Talvez não.
 Soube da Marinha do Tejo. Não estava a par. Tem por lema «alcança quem não cansa». — Por havermos, os portugueses, de trazer há tanto e tão esquecido este lema demos cabo a Portugal. Certa tropa cansada resolveu cansar Portugal inteiro em 74. Mas não vem ao caso...

 A propósito duma notícia ...zeca da regatta do Atlântico Azul que há dias comentei, um simpático leitor, patrão de canoa de vela panda, teve a gentileza de me dar completa notícia da Marinha do Tejo e da faina dela. A Marinha do Tejo é oficialmente o pólo vivo do Museu de Marinha e, na prática, o pólo sobrevivo da antiga náutica fluvial de Lisboa e arredores. Sim senhores, a faina do Tejo continua, pese em boa (ou menos boa) hora a faina fluvial ser hoje diferente... Mas nem tudo se perde.
 No livro de registo da Marinha do Tejo há embarcações com ano de construção de 1900 a 2015! — Neste tempo plastificado de hoje parece que ainda restam estaleiros, carpinteiros navais, mestres calafates, arrais, patrões e... catraios, varinos, faluas e canoas do Tejo. Algumas delas mais novas do que o século; há onze construídas no XXI. Fragatas é que não tornou a haver. Ainda talvez hajam de tornar...
 Nos cais de Lisboa há sete embarcações: a canoa «Ana Paula» e o catraio «Henriques» na marina do Parque das Nações; o «Gavião dos Mares» e a «Salvaram-me» na Doca do Espanhol; a «Senhora do Cabo» na Doca do Bom Sucesso.
 Em cais da margem sul esquerda, da outra banda a Salvaterra, há 71 embarcações, 71, segundo soube do prezado leitor.

 Pois também por gentileza deste prezado leitor recebi uma formidável reportagem fotográfica da regatta do Atlântico Azul. O autor das fotografias é o sr. Manuel Ventura. Estas em baixo são só três ou quatro. Não é admirável haver-se o Tejo ainda há dias ornamentado com dezenas de velas típicas? Um refrigério desse desencanto da Lisboa hodierna que me torna cada vez mais em alfacinha de secretária. Mérito à Marinha do Tejo.

Regatta do Atlantico Azul, Montijo – Caes das Columnas (Manuel Ventura, 15/VIII/15)

Regatta do Atlantico Azul, Montijo – Caes das Columnas (Manuel Ventura, 15/VIII/15)

Regatta do Atlantico Azul, Montijo – Caes das Columnas (Manuel Ventura, 15/VIII/15)

Regatta do Atlantico Azul, Montijo – Caes das Columnas (Manuel Ventura, 15/VIII/15)

Regatta do Atlantico Azul, Montijo – Caes das Columnas (Manuel Ventura, 15/VIII/15)




Marinha do Tejo:


Fotografias:

  • Fragatas com tempo fosco na doca da Alfândega, Lisboa. Joshua Benoliel, 1912, in A.P.C.M.L., A6887.
  • Regatta do Atlântico Azul, Rio Tejo (Manuel Ventura, 15/VIII/2015).


Escrito com Bic Laranja às 19:07
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Do feminino pelo feminino

 O vate versejou é tempo de Portugal ter uma mulher na presidência.
 Cousa tão bem dita nem precisa ser benzida porque é abençoada a priori. A Maria de Belém deve ir para Belém, sim, não por ser de Belém, mas por ser Maria. Simplesmente Maria.
  Acho o feminino pelo feminino um encanto e a imprensa, como os poetas, não cessam de o louvar. Portanto, a menos que hajamos aí Obama, louvada seja a Maria simplesmente.

ANÚNCIO: Admitem-se coristas para o coro dos Jerónimos. Audições na capela do Rato.

(Photomontagem com photographias a outro propósito de Leonardo Negrão/Global Imagens e do D.N.)



Escrito com Bic Laranja às 11:57
Verbete | Comentar | Comentários (10)

Domingo, 16 de Agosto de 2015
O prof. Marcelo e a Expansão Portuguesa

 A pitonisa do regime largou hoje às 9h15 uma nota sonora: 600 anos da conquista de Ceuta no próximo dia 21o começo da globalização.

 Já antes arrotara elogios à Assumpção Esteves do parlamento. Como também disse que é entendido em gastroenterologia não sei como não percebeu melhor o ar que lhe saía da canalização. Talvez afinal não tenha o tubo digestivo globaligado ao cérebro.

O prof. Marcelo e a Expansão portuguesa (fotomontagem a partir de imagens da «Bairrada Digital» e d' «O Diabo»)

 Entretanto, à conta da atmosfera... volátil que paira, vou ali resguardar uma História da Expansão Portuguesa do Círculo, uns volumes da Nova História da mesma da Estampa, umas Obras Completas do Jaime Cortesão e...


(Fotomontagem do fim da globalização a partir da «Bairrada Digital» e d' «O Diabo».)



Escrito com Bic Laranja às 23:27
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Jornalismo e cultura

 Num tempo em que a linguagem da jornalice doutrinária promove a adopção de cães nos exactos termos do perfilho de crianças;
TV hodierna — em que o detergente cerebral jornalístico anuncia para alívio geral dos povos que cães lançados a fugir dum canil por causa dum incêndio foram recolhidos temporàriamente em famílias de acolhimento (cf. R. Marinho, M. Cabrita, M. Carrasqueira, «Apelo gerou onda de solidariedade para encontrar animais do canil de Loures atingido pelas chamas, S.I.C., 11/VIII/15);

— em que um canídeo desgraçadamente achado num contentor, mas também condenado por padecer de leishmaniose canina se torna ràpidamente em jovem cão com continha bancária aberta a donativos salvadores quando a leismaniose é incurável nos cães e contagiosa para humanos...

 Pois bem, parece-me que num tempo como este, de bichos assimilados a gente, o mais natural é dormir gente há anos ao relento como bichos nos jardins Constantino e de Arroios sem ecos telejornaleiros.
 Ou que o homem mais condecorado em combate do exército português esteja em risco de ver penhorada a sua casa e seja omissa nos noticiários de referência a onda solidária e a conta de donativos em seu favor... (cfr. as notícias de Sérgio Vitorino, «Herói nacional arrisca-[se a] ficar sem casa», Correio da Manhã, 31/VII/2015 e de Humberto de Oliveira, «Marcelino da Mata — O dever de ajudar um Herói de Portugal», O Diabo, 31/VII/15). — Bem pode o nosso Ten.-Cor. Marcelino da Mata ficar ao relento como aqueloutros; o cão que acabará fatalmente abatido por doença incurável é que tadinho!... Ponham-lhe dinheiro na conta.

 E de falar em exércitos e combates: na notícia duma macaqueação patriótica turística da batalha de Aljubarrota lá para Alcobaça ouvi o exército de João I tomou posição no local escolhido por Dom Nuno Álvares Pereira Batalha de Aljubarrota recriada 630 anos depois», T.V.I. 24, 16/VIII/15); muito doutrinàriamente o Mestre de Avis é João I — sem Dom — e o Condestável (vá lá, vá lá!) é Dom Nuno Álvares Pereira.
  Do que venho vendo, só digo que ser rei de Portugal deve hoje em dia ser tido como polìticamente muito incorrecto porque não merece Dom, nem ganhando batalhas nacionais tão calhadas ao tourisme e ao proscénio televisivo.
  Já de ser-se cão...
  Ao depois é só pôr o microfone ante um dos farsantes do recreio batalheiro e ouvi-lo dizer com a gravidade das grandes verdades: — foi aqui [em Aljubarrota] que nasceram os Descobrimentos. E foi aqui também que acabou a cavalaria.
 
Cavalidade, porém, é o que se vê.

Exposição de Muares, Lisboa (A. Cunha, 19...; A.F.C.M.L., A18784)
Exposição de muares, P. Eduardo VII, [s.d.].
Alexandre Cunha, in archivo photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 20:22
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Jornalistas!

 Vi ontem uma reportagem da regata do Atlântico Azul que reuniu canoas, faluas e catraios (não houve notícia de fragatas) no Tejo. É daquele folclore «histórico» que se agora faz amiúde com patrocínio municipal e com ideia de chamar excursionistas, mas cujo retorno há-de ser menos dos munícipes que de hoteleiros e quejandos. Fica-se o munícipe pela sastifação do cortejo fluvial etnográfico — que é bonito — e com o gozo do notíciário que lhe proclama lìricamente imagens que relembram os tempos de glória dos descobrimentos portugueses Regata no Tejo proíbe o uso de motores e todos os barcos têm que içar a vela», S.I.C., 15/VIII/15).

Regata Atlântico Azul, Rio Tejo (S.I.C., 15/VIII/15)

 Não bastante, achei outros jornalistas menos épicos e subliminarmente mais doutrinários que colaram a esta glória dos descobrimentos com canoas do Tejo uma notícia atrasada das mesmas na reconstituição histórica da Viagem [sic] de João I [...] realizada no dia 19 do mês passado (Ana Rogado, «Regata do Atlântico Azul volta a “pintar o Tejo de cor”», Público, 14/VIII/15).
  Nem no justo dia dos 630 anos da batalha de Aljubarrota lhes mereceu el-rei de Boa Memória o Dom.
  Quereis estúpidos de maior dó?!...



Escrito com Bic Laranja às 13:57
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11

15
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----