Quarta-feira, 30 de Setembro de 2015

Anti feudo esquerdóide


Alameda de Dom Afonso Henriques, Lisboa, c. 1950.
Mário de Novais, in Bibliotheca d' Arte da F.C.G..

Escrito com Bic Laranja às 16:59
Verbete | comentar | comentários (4)
Segunda-feira, 28 de Setembro de 2015

De Espanha nem bom vento nem bom casamento

Martí Bas, Front de Victoria i de Libertad (1936)  A alternadeira semanal do Nicolaço — a emissora nacional agora alterna o Nicolaço com uma outra nas Contas do Dia — anunciou esta manhã pràticamente a independência da Catalunha; nem sei, do tom, se a não proclamou mesmo, à revelia de castelãos e catalães: — Já nada vai ser como antes! — quereis recado mais peremptório?!... — Nem importa lembrar a revolta da Catalunha de 1640 que levou a que tudo tornasse exactìssimamente a ser como antes (que pena!...) com o fim da monarquia dual, a restauração de Portugal e a subjugação da Catalunha, pois claro. Mas exemplos da História importam só ser contados com o devido jeito. Já lá vamos...
 Ao depois, então, a alernadeira do Nicolaço distribuiu avisos sérios a Madrid e a Bruxelas, que devem cuidar dos sonhos dos povos. — É preciso não deprezar o povo e os sonhos dos cidadãos — e lembrou que há modelos federalistas que podem satisfazer os sonhos das populações...
 Ora bem! Cá está! Já me havia cheirado o velho propósito iberista por via duma federação de nações da Espanha que para aí se aloja nalgumas irmandades. Para isso há-de-se escavacar primeiro o reino de Espanha e derrubar-lhe a monarquia, desbravando assim caminho a uma república federal. O corolário será encavar Portugal na tal federação das espanhas resultante.
 Delírio?
 Algum irmão que assome por aí à soleira da loja e mo desminta enquanto limpa as mãos ao avental.
 Ou algum iniciado arrependido que no-lo confirme.
 O caso com que esta alternadeira do Nicolaço, com seus modelos federalistas de algibeira, bons recados a Madrid sobre os sonhos de autonomia dos povos espanhóis e... sinecura na Lusófona... é que tem currículo muito ajustado a doutrinadora de povos, nomeadamente do português: — A falta de inteligência em gerir os sonhos dos povos pode ser dramática — pelo que, inteligentemente, o Ultramar havia de ter sido descolonizado de mão beijada ao primeiro sopro dos ventos da (pré-)história. — Só não esclareceu, do exemplo dado, se era com abandono e generosa dádiva da gente portuguesa que lá houvesse ou se era em debandada como, em fim, a descolonização exemplar...
 E o caso de ontem com a Catalunha é que, ao contrário do que troa em toda a imprensa portuguesa — e esta jornalista alternadeira disse-o, mas só entredentes (que gozona!) —, os separatistas não tiveram metade sequer dos votos expressos (v. resumo da coisa). Convenço-me da nossa imprensa e da sua agenda doutrinária que os sonhos de autonomia dos povos se hão-de contar também em votos... sonhados.
 Do que se não parece já sonhar em Portugal, porém, é que convulsões em Espanha nunca nos trouxeram cá bom vento. Sei de ser o jornalismo de alternadadeira avesso à História, mas nem precisaria estudá-la; bastava-lhe tão só a noção dela pelo ditado. Pois nem isso.

(Front de victoria i de llibertat!, Marti Bas, 1937, in Loja cartazes de História Social[ista].)

Escrito com Bic Laranja às 21:41
Verbete | comentar | comentários (10)

Feudo esquerdóide

Alameda em 28/IX/15, Lisboa — © 2015
Alameda em 28/IX/2015, Lisboa  — © 2015

Escrito com Bic Laranja às 17:28
Verbete | comentar
Sexta-feira, 25 de Setembro de 2015

Batalha do Lago ou Guadalete

Batalha de Guadalete (Mariano Barbasán Langueruela, 1882)

 

  Acercou-se Rodrigo com a flor da nobreza espanhola e os filhos dos seus reis, os quais, ao verem o número e disposição dos muçulmanos, tiveram uma conferência e disseram uns aos outros:
  — Este filho de má mulher [refere-se ao rei Rodrigo] fez-se dono do nosso reino sem ser de estirpe real, mas [é], ao contrário, um dos nossos inferiores. Aquela gente [os mouros] não pretende estabelecer-se no nosso país. A única coisa que deseja é ganhar boa presa: conseguida esta, marcharão e nos deixarão. Empreendamos a fuga no momento da peleja e o filho de má mulher será derrotado.
  E foi nisto que acordaram.
  Rodrigo dera o mando da ala direita do seu exército a Sisberto e o da esquerda a Opas, ambos filhos do seu antecessor Vitiza e cabeças da conspiração indicada. Aproximou-se, pois, com um exército de cerca de 100 000 combatentes e tinha este número (e não outro maior) porque houvera em Espanha uma fome que (principiou ano de 88 e continuou durante todo o ano e os de 89 e 90) e uma peste durante a qual morreram metade ou mais dos habitantes. Veio depois o ano de 91 (9-XI-709 a 28-X-710) que foi ano em Espanha que, por sua abundância, recompensou os males passados e no qual se efectuou a invasão de Tárique.
  Encontraram-se Rodrigo e Tárique, que permanecera em Algeciras num lugar chamado o Lago, e pelejaram encarniçadamente. Mas as alas direita e esquerda, a mando de Sisberto e Opas, filhos de Vitiza, puseram-se em fuga. E ainda que o centro resistisse algum tanto, no final Rodrigo foi também derrotado e os muçulmanos fizeram grande matança nos inimigos. Rodrigo desapareceu em que se soubesse o que lhe havia acontecido, pois os muçulmanos só encontraram o seu cavalo branco com sela de ouro, guarnecida de rubis e esmeraldas e um manto tecido de ouro e bordado de pérolas e rubis. O cavalo caíra num lodaçal e o cristão que caiu com ele, ao arrancar [a] pé, deixara um tesouro no lodo. Só Deus sabe o que se passou, pois não se teve notícia dele nem se encontrou vivo ou morto.

Ant.º Borges Coelho, Portugal na Espanha Árabe, 2.ª ed., vol. 2, Caminho, Lisboa, 1989, p. 45.


Batalha de Guadalete (Mariano Barbasán Langueruela, 1882).
Óleo sobre tábua, 21,9 × 50,2 cm.

Escrito com Bic Laranja às 18:35
Verbete | comentar
Quinta-feira, 24 de Setembro de 2015

Andam faunos pela cidade


 Os do partido dos animais, noutro tempo, haviam de por devoção e fé professar num convento de franciscanos. O espirituoso amor à bicharada ascèticamente enquadrado no claustro dar-lhes-ia decerto o céu...

 No Campo Grande, no passadiço de ante a universidade que diplomou o Relvas com a distinção que a imprensa aclamou, pende uma faixa: PAN, PESSOAS – ANIMAIS – NATUREZA. Parece-me um lema excessivo porque, como o bodejar panteísta do Pan testemunha e a teoria dos conjuntos corrobora, bastava dizerem a natureza, que lògicamente contém os animais, e estes contêm, por sua vez, a multidão de primatas que por convenção muitos designam pessoas, quando não mesmo pessoas humanas. A menos que o lema indique o percurso naturista pessoas > animais > natureza, três passinhos na re-volução da cultura à natura.

 Mais um partido progressista propondo o paraíso, este Pan.

Escrito com Bic Laranja às 13:49
Verbete | comentar | comentários (4)

A invasão

Tárique ibne Ziade (T. Hosemann, séc. XIX)

  Quando isto viram (os muçulmnos) desejaram passar prontamente para lá. E Muça nomeou chefe da vanguarda um liberto seu, chamado Tárique ibne Ziade, persa de Hamadane — ainda que outros digam que não era seu liberto, mas da tribo de Sadife —, para que fosse a Espanha com 7000 muçulmanos, na sua maior parte berberes e libertos, pois havia pouquíssimos árabes. E passou no ano 92 (29-X-710 a 18-X-711) nos quatro barcos mencionados, os únicos que tinha, os quais foram e vieram com infantaria e cavalaria, que se ia reunindo num monte muito forte, situado à beira-mar, até que esteve completo todo o seu exército.
  Quando o rei de Espanha soube as novas da correria de Tárique, considerou o assunto uma coisa grave. Estava ausente da corte, combatendo Pamplona, e dali se dirigiu ao meio-dia, tendo reunido contra este (Tárique) um exército de cem mil homens ou coisa semelhante, segundo se conta.
  Mal esta notícia chegou aos ouvidos de Tárique, escreveu a Muça pedindo-lhe mais tropas e dando-lhe parte de que se apossara de Algeciras e do Lago, mas que o rei de Espanha vinha contra ele com um exército que não podia defrontar. Muça, que desde a partida de Tárique mandara construir barcos e já tinha muitos, mandou-lhe com eles 3000 homens de modo que o exército chefiado por Tárique chegou a 12 000. Tinha já cativas muitas e importantes personagens; e com ele estava Julião, acompanhado de bastante gente do país, o qual lhe indicava os pontos indefesos e servia para espionagem.
  Acercou-se Rodrigo com a flor da nobreza espanhola...

Ant.º Borges Coelho, Portugal na Espanha Árabe, 2.ª ed., vol. 2, Caminho, Lisboa, 1989, p. 45.


(Gravura de Tárique de Teodoro Hosemann — 1807-1875).

Escrito com Bic Laranja às 00:05
Verbete | comentar | comentários (4)
Quarta-feira, 23 de Setembro de 2015

Três vistas do Areeiro (*)

Praça do Areeiro, LisboaPraça do Areeiro, LisboaPraça do Areeiro, Lisboa


Praça do Areeiro, Lisboa, c. 1955.
Fotografias: Horácio de Novais, in Bibliotheca d' Arte da F.C.G.

(*) Os canastrões da Fundação Gulbenkian etiquetaram estas três vistas como Praça Francisco Sá Carneiro, antiga do Areeiro. Uma tentativa espúria, a par do município, de impingir toponímia política, sectária, de regime, num lugar com topónimo natural e ancestralmente sabido da gente. Areeiro e mai' nada é como dizem os alfacinhas —Toma! — O Metro e os autocarros também; se estes mudarem perceberemos a vontade do regime democrático em democràticamente ditar a sua democrática vontade ao povo à gente.

Escrito com Bic Laranja às 20:34
Verbete | comentar | comentários (13)

Monumentalidade de Maio, melhoramentos de Abril...

  Quem, vindo de automóvel das Picoas ao Campo Grande, se encaminhe pelo túnel no Campo Pequeno apanha com as ventas duma cavalgadura bem diante, num cartaz eleitoral.
  É. A democracia tem custo imaterial que não é barato...
  Pois bem, tenho encarado com aquilo diàriamente, mas ontem vi que alguma alma caridosa rasgara uma tira de alto a baixo no meio do cartaz; desgraçadamente a fronha retratada via-se à mesma, sem dano... — Bom, quando hoje tornei a passar já alguém restaurara o cartaz; do rasgão nem sinal; uma diligência partidária assaz capaz em compor um estrago, honestamente. O diabo é que o figurão que se apresenta no cartaz mortinho por reger o que resta da nação esteve oito anos como presidente da C.M.L. e já de lá cavou. E nesse tempo todo conseguiu escavacar a Praça do Areeiro sem a nunca restaurar. Cá está como ficou. Até hoje.

Areeiro degradado (In O Corvo).jpg
Pr. do Areeiro calcetada em betão-relvado, Lisboa, 2015.
In O Corvo.

Escrito com Bic Laranja às 20:26
Verbete | comentar | comentários (2)

Professor cavalo

Escrito com Bic Laranja às 16:35
Verbete | comentar | comentários (7)
Terça-feira, 22 de Setembro de 2015

Lutas civis e traição na Espanha visigoda

 

 Nisto morreu o rei de Espanha, Vitiza, deixando alguns filhos, entre eles Opas e Sisberto, que o povo não quis aceitar. E alterando o país, tiveram por bem eleger e confiar o mando a um infiel chamado Rodrigo, homem resoluto e animoso que não era de estirpe real, mas chefe e cavaleiro.
 Os grandes senhores de Espanha costumavam mandar os seus filhos, varões e fêmeas, para o palácio real de Toledo, na altura fortaleza principal da Espanha e capital do reino, a fim de que estivessem às ordens do monarca a quem só eles serviam. Ali se educavam até que, chegados à idade núbil, o rei os casava, provendo-os para isso de tudo o necessário.
 Quando Rodrigo foi proclamado rei, prendeu-se da filha de Julião e forçou-a. Escreveram ao pai o sucedido e o infiel guardou o seu rancor e exclamou.
 -- Pela religião do Messias, que hei-de transtornar o seu reino e hei-de abrir uma cova debaixo dos seu pés.
 Mandou em seguida a sua submissão a Muça: conferenciou com ele, entregou-lhe as cidades colocadas sob o seu mando, mediante um pacto que concertou com vantagens e condições seguras para si e seus companheiros. E tendo-lhe feito uma descrição de Espanha estimulou-o a que procurasse a sua conquista. Acontecia isto no fim do ano 90 (20-XI-708 a 8-XI-709).
 Muça escreveu a Alualide (califa de Damasco, chefe supremo do Islão) a nova destas conquistas e do projecto apresentado por Julião, ao que o califa respondeu dizendo:
 -- Manda a esse país alguns destacamentos que o explorem e tomem informes exactos. E não exponhas os muçulmanos a um mar de ondas revoltas.
 Muça respondeu-lhe que não era um mar, mas um estreito que permitia ao observador descobrir de uma parte a forma que o lado oposto revestia. Mas Alualide replicou-lhe:
 -- Ainda que seja assim, informa-te por exploradores. Enviou, pois, um dos seus libertos, chamado Tárife e de cognome Abú Zara, com 400 homens, entre eles 100 de cavalaria, o qual passou em quatro barcos e arribou a uma ilha, chamada ilha de Andaluzia, que era arsenal (dos cristãos) e ponto donde largavam as suas embarcações. Por ter desembarcado ali tomou o nome de ilha de Tárife (Tarifa). Esperou que se lhe juntassem todos os seus companheiros e depois dirigiu-se em algara contra Algeciras. Fez muitos cativos como nem Muça nem os seus companheiros tinham visto semelhante; recolheu grande roubo e regressou são e salvo. Isto foi no Ramadã (sic) do ano de 91 (Julho de 710). 
 Quando isto viram (os muçulmanos) desejaram...

Ant.º Borges Coelho, Portugal na Espanha Árabe, 2.ª ed., vol. 2, Caminho, Lisboa, 1989, pp. 43-44.


(Imagem em ...)

Escrito com Bic Laranja às 22:46
Verbete | comentar | comentários (2)

Do ímpio desacato

 Ah! a Volkswagen!
 Aldrabar testes de emissão de carbono para a atmosfera é atroz sacrilégio! Comparável aos piores crimes punidos outrora pela Santa Inquisição. A Volkswagen só não acaba na fogueira porque um auto-de-fé seria condenado pelo Santo Ofício do Ambiente por razões fáceis de perceber. Não havendo auto-de-fé, porém, há no entanto Autoeuropa. — O Nicolaço lamuriou já esta manhã na emissora nacional as consequências para a Autoeuropa em Portugal. À falta de se lhe alguma vez plantar no bestunto qualquer ideia de auto-Portugal na Europa (ou sòmente em Portugal, que seja), fica-lhe bem a preocupaçãozinha com isso das coiso-Europas em Portugal. Quase tão bem como o papillon. E é para o que as nossas élites estrangeiradas dão...

 Mas deste nefando desacato ando curioso: em caindo (e sendo apanhado) num pecado ambiental da ordem dos 9 dígitos como é possível não se haver comprado uma indulgência por, sei lá, um dízimo disso... E assalta-me a dúvida, terrível: é só a Volkswagen?!...

image001.jpg

Carocha eco lógico em Carros & Clássicos.

Escrito com Bic Laranja às 19:53
Verbete | comentar | comentários (2)
Segunda-feira, 21 de Setembro de 2015

O mouro Muça



 Muça dirigiu-se contra as cidades da costa do mar onde havia governadores do rei de Espanha que se tinham tornado donos delas e dos territórios circunvizinhos. A capital destas cidades era chamada Ceuta. E nela e nas comarcas mandava um infiel, de nome Julião, a quem Muça ibne Noçáir combateu, mas achou que tinha gente tão numerosa, forte e aguerrida como até então não tinha visto. E não podendo vencê-la, voltou para Tânger e começou a mandar algaras que devastassem os arredores, sem que por isso lograsse a sua rendição, porque, entretanto, iam e vinham de Espanha barcos carregados de víveres e tropas e eram, além disso, amantes do seu país e defendiam as suas famílias com grande esforço. Nisto morreu o rei de Espanha (...)

Ant.º Borges Coelho, Portugal na Espanha Árabe, 2.ª ed., vol. 2, Caminho, Lisboa, 1989, p. 43.


(Gravura do mouro Muça em Almusafir.)

Escrito com Bic Laranja às 21:33
Verbete | comentar | comentários (2)

Migrantes, não é?...

 Dos canais nacionais aos «sky news» desta vida a transumância de gente pelo globo passou a equivaler-se à migração das andorinhas: temos só migrantes, portanto.
 Compreende-se. A civilização das andorinhas é de bandos e não faz caso de fronteiras. A da gente, porém, é mais complexa e, como tal, os gregos que se abstiveram ontem ouvi-os hoje referidos pelo papillon como... emigrantes. Tem graça. Além do desvalorizar a abstenção em eleições — coisa que fica muito melhor a um democrata do que usar lacinho — os gregos, pertencendo a um grémio de estados que faz descaso das fronteiras internacionais entre si, são emigrantes. Os bandos de asiáticos e africanos à procura de raptar a Europa, são migrantes, pois, como as andorinhas...
 Dantes os internacionalistas pagavam estadias por tempo adequado em estâncias de evangelização aos que desconhecessem a Revelação. Evangelização e catecismo ficavam por conta daqueles missionários da Boa Nova. Hoje o catecismo é servido por sermão e homilia liberal, democrática e pluripartidária na casa de jantar do cidadão eleitor ao preço tele-eucarístico do pacote do cabo. Paga o cidadão, bem entendido, porque nem democracia nem partidos hão-de ser diferentes dos almoços. O que espanta no meio deste roncar plural (cada partido sua sentença) é o diabo da força global que há aí capaz de pôr os noticieiros dos quatro cantos da democracia universal no ecuménico coro dos «migrantes» para referir as bárbaras e cafreais hordas que invadem a Europa. — Será a força geral da falta de nervo individual? Pois se é, não tarda a polícia e a tropa serem só de andorinhas migradoras... Roma desfez-se certa vez assim.


Ilustração: Carlos Alberto, História de Portugal, 13ª ed., Agência Portuguesa de Revistas, [s.l.], 1968.

Escrito com Bic Laranja às 17:22
Verbete | comentar | comentários (8)
Domingo, 20 de Setembro de 2015

Da liberdade de informação

FullSizeRender.jpg

FullSizeRender-1.jpg

FullSizeRender-2.jpg

Os três canais de informação livre e plural. Portugal, 20/IX/15.

Escrito com Bic Laranja às 18:49
Verbete | comentar | comentários (4)
Sexta-feira, 18 de Setembro de 2015

Vocabulário dos Descobrimentos

Vocabulário náutico

CEVADEIRA — Vela que pendia de uma verga atravessada no gurupés.

ESCOTA — Cabo de que uma extremidade se fixa no punho inferior (isto é, no canto inferior) de uma vela e que serve para esticar a vela de maneira que receba bem o vento.

ESCOVÉM — Abertura na proa, por onde passam as amarras que se prendem às âncoras.

GÁVEA — A segunda vela do mastro grande, a que está acima da vela grande. Gávea de proa: segunda vela do mastro de proa, a que está acima do traquete.

PAPA-FIGOS — As velas redondas mais baixas, isto é, a vela grande e o traquete.

TRAQUETE — A mais baixa e maior vela redonda do mastro de proa. É um dos papa-figos. Primeiramente chamou-se «traquete» a qualquer vela redonda em geral, e «traquetes de gávea» ao que depois se chamou «gáveas».

AMANTILHOS — Cabos que, fixos nas pontas das vergas, as seguram para os mastros a fim de as manter horizontais quando as velas estão colhidas.

AMARRA - Cabo grosso que se prende à âncora para
fundear o navio, ou com que se segura o navio para terra.

CHAPITÉU — Parte do navio mais elevada, à popa; castelo de popa.

ENXÁRCIA — O conjunto dos cabos fixos que, para um e outro bordo, aguentam os mastros reais, descendo até às mesas.

GURUPÉS — Mastro colocado na extremidade da proa, para diante, formando com a horizontal um ângulo de 30 a 40 graus.


In Ant.º Sérgio (adapt.), História Trágico-Marítima, 10.ª ed., Sá da Costa, Lisboa, 1996.

Escrito com Bic Laranja às 12:42
Verbete | comentar | comentários (4)

Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
13
14
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

arquivo

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS

____