Domingo, 31 de Janeiro de 2016
Programa de variedades

The Shadows, Apache
(Playback de 1969)



Escrito com Bic Laranja às 22:35
Verbete | Comentar | Comentários (7)

Quinta-feira, 28 de Janeiro de 2016
Onde fica a 1.ª Circular?

(Publicado originalmente em 16/I/16 ao meio-dia e vinte seis, revisto às quatro menos vinte da tarde e tornado a publicar em 28/I/16 porque a gente não lê.)

 

Pedro A. Santos, «Onde fica a 'primeira circular'», in O Diabo, 12/1/16 A lógica da 2.ª circular é análoga à da 3.ª idade -- conhece-se-a sem caso donde haja a(s) anterior(es).
 N' O Diabo desta semana (12/I/16) Pedro A. Santos põe, a propósito das obras farónicas dos socialistas e da que está na calha para a 2.ª Circular em Lisboa, a questão de «Onde fica a 'primeira circular'». Uma curiosidade a que responde com a conjectura que me também ocorreu há muito, fruto dalgum conhecimento da história da nossa cidade, mas que não é verdade. Associa ele a 1.ª circular à esquecida estrada de circunvalação de 1852 que de Alcântara, pela Rua Maria Pia, Marquês de Fronteira, S. Sebastião, Duque de Ávila, A. Cego, Visconde de Santarém, L. Leão, Morais Soares (Poço dos Mouros), Alto de S. João e Calçada das Lages (Afonso III), chegava à Cruz da Pedra, entre S.ª Apolónia e a Madre de Deus.
 Bom, a verdade é que a circunvalação de 1852 nada tem para a contagem da 2.ª Circular que hoje havemos e onde ùltimamente a vereação cismou em plantar árvores dê lá por onde der. A 2.ª Circular é fruto dos planos de urbanização e expansão de Lisboa do tempo do Estado Novo gizados pelo Eng.º Duarte Pacheco e ordenados num plano de avenidas radiais e circulares. O esquema é também conhecido por Plano Director de 1948 ou plano De Groer. As circulares, contadas do exterior para o interior, seriam:

  • a 1.ª, de Moscavide a Algés pelo N do aeroporto, Lumiar, Pontinha, Buraca e exterior do Monsanto.
  • a 2.ª, de que muito se fala, mas que poucos entendem cabalmente, pois que no plano De Groer ligaria o Cabo Ruivo a Pina Manique, entroncando aí na 1.ª; digo que poucos a entendem porque lhe chamam «circular» sem noção de que para sê-lo, a Av. do Marechal Gomes da Costa é parte integrante; em lugar disso chama muita gente (todos, tenho impressão) 2.ª Circular ao troço (radial) da Av. do Marechal Craveiro Lopes paralelo à Av. da Cidade do Porto.
  • a 3.ª, de Alcântara a Xabregas, pelo vale da ribeira (Av. de Ceuta), Sete Rios, Entrecampos, Av. E.U.A. e vale de Chelas;
  • a 4.ª, da Cruz da Pedra ao Areeiro pela Afonso III, Alto de S. João, Quinta das Olaias e dali pela João XXI, Av. de Berna e Av. Calouste Gulbenkian até entroncar na 3.ª e;
  • a 5.ª, a mais interior, pela Infante Santo, Estrela, Rato, Conde de Redondo, Anjos, Sapadores e St.ª Apolónia.

 O plano foi servindo como orientação e sendo adaptado amiúde conforme as circunstâncias até estar esquecido. Mas, como vemos, a circunvalação de 1852 nem considerada estava.

P.D.U.L. (De Groer, 1948)
Plano Director de Urbanização de Lisboa, 1948.
In Lisboa — Breve História dos Planos Urbanísticos.



Escrito com Bic Laranja às 21:26
Verbete | Comentar | Comentários (23)

Ainda a 1.ª Circular

«Segunda Circular», 24 Horas,  08/VII/1998 
 Contrariando a insciencia geral e a falsa conjectura de Pedro A. Santos sôbre o nome da 2.ª Circular em particular, esclareci há dias por cá eu o que pude do caso. Não imaginava era vir tarde. O Dept.º de Contôlo de Trafego da C.M.L. há mais de [quase] 20 annos o esclareceu e explicou a um leitor do extincto diario 24 Horas. E com admiravel entendimento de causa.
 Registo que da 2.ª Circular os serviços do municipio soubessem já em 1998 do século passado que era uma avenida — Marechal Craveiro Lopes de seu nome. — Descuraram foi esse nome ser só metade... isto é, ¼ de circular, justamente o trôço do Campo Grande ao Relogio, que d'elle ao marco 0 da auto-estrada n.º 1 a dicta avenida é radial. Por dizer ficou a outra metade, o trôço dicto do General Norton de Mattos, do Campo Grande a Benfica e à Buraca, quiçá por vergonha de ser toponimo postiço a esconder o original, do Marechal Carmona, supprimido por «necessidade de eliminação dos nomes afrontosos para a população, pela sua última ligação ao antigo regime» (Edital 161/74, de 30 de Dezembro).
 Pormenores que não interessam.
 Não obstante a confusão de radial com circular e de circular inteira com metade ou ¼ d'ella (ou por môr d'isso tudo)  lá aventaram de sciencia certa (ou de certa sciencia) na resposta ao indagante leitor do jornal  o conceito de que tinham, a final, vaga noção, exemplificando, não nunca com a circumvallação de 1852 como Pedro A. Santos (seria estulto esperar tal conhecimento da Historia da cidade na Camara), mas com uma amálgama da 3.ª circular do plano De Groer (de que fizeram segrêdo e baralharam a sequência) com a Av. Central de Chellas (quereriam em vez dizer Estr. de Chellas e R. Gualdim Paes, mas que importa), no que demonstraram sem espantar a sua idéa duma 1.ª Circular que, no entanto, nunca «pegou».
 
Puderao
E a 2.ª

 Tornaram hontem ou antehontem as trombetas noticiosas com a propaganda à idéa fixa da vereação municipal para a 2.ª Circular.
 Conheço a predilecção do pessoal politico d'estes valhacoutos municipaes pelo cimento e pelo alcatrão. Mas, como é negócio que anda deprimido, cheira-me que se propuseram agora aquelles em desbravar novos mercados; como flôres dão pouco (mas já se viu como destruiram os brasões da Praça do Imperio para opportunamente contratarem nova jardinagem politicamente mais correcta) e, como massacrar o arvoredo dos jardins e avenidas da cidade são migalhas que mal pagam a pateada que os votantes alfacinhas hão-de dar nas urnas, vemos os tractantes municipaes n'estes dias empenhados em plantar árvores com tanto ardor que scismam até cravá-las entre alcatrão e cimento; a 2.ª Circular, se não acabar numa Amazónia dos pequeninos há-de vir ser a Floresta Negra de Entre-Monsanto-e-Aeroporto.
 Perdão! Floresta Marechal Craveiro Lopes.

2.ª Circular à Az. das Galhardas, Telheiras (A Goulart, 1961)
Segunda Circular à Az. das Galhardas e a floresta autoctone, Lisboa, 1961.
Arthur Goulart, in archivo photographico da C.M.L.

 

(O recorte do 24 Horas devo-o ao estimado Plúvio.)

(Revisto.)



Escrito com Bic Laranja às 14:05
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Quarta-feira, 27 de Janeiro de 2016
Uma forma de prostituição

 No tempo dos campeonatos da 1.ª, da 2.ª, da 3.ª divisões nacionais, com todas as zonas e séries, mai-los campeonados distritais com suas divisões 1.ª e 2.ª também, o dinheiro não abundava. Jogava-se em campos pelados, os sócios quotizavam-se, os putos até aos 14 entravam à borla a par dum adulto — ó vizinho deixe-me entrar consigo! — e... a bola era uma festa, de amadores no genuíno sentido do termo; o bairro ou as gentes da terra não esmoreciam, jogavam ou apoiavam; os clubes não faliam nem acabavam assim... — Ainda há dias o Benfica jogou com o Oriental em Marvila a fazer lembrar esse tempo; clubes de bairro no campeonato nacional da 1.ª Divisão?! E, pregunto-me, se hoje o campo ainda é pelado.
  — Ná! Podia lá ser!...
  Com tanto fausto para aí agora, tanto profissionalismo, tudo Sociedades Anónimas Desportivas Futebol Club, e não há dinheiro que chegue para tudo nem dinheiro para nada. Hoje há campeonatos organizados por uma liga de clubes (ia dizer rameiras) em que tudo se põe à venda. Daqui, por isso, a prostituição em que os vejo.

Subida do Vitória à III Divisão, Picheleira (V. da Silva, 1977)
Festa rija da subida do Vitória à III Divisão Nacional de futebol, Picheleira, 1977.
Cliché do sr. Vieira da Silva, in
De Cabelos em Pé.



Escrito com Bic Laranja às 00:24
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Terça-feira, 26 de Janeiro de 2016
Bem comem do prato em que cospem

 Dizem que é historiadora, mas, tenho impressão que é burguesa com cabeça boa para franja. — A rebrilhante Pimentela fez hoje o necrológio do architecto do franjinhas. Lá lhe catou da biographia, para contraste, a linhagem catholica monarchica, o parentesco no Estado Novo, a militancia no Nacional Sindicalismo, o alistamento na Mocidade Portuguesa, o activismo falangista e... — E ao depois diz que por volta da II Grande Guerra a anglophilia lhe virou o tino contra o regimen dando d' ahi em guiar-se — quiçá por iniciatica inspiração — para a luz que guia offuscantemente a Pimentela: a P.I.D.E./D.G.S. Por quatro vezes viu o architecto a luz a que se guiou, tanto que ganhou resplendor.
  Abençoada P.I.D.E., sem a qual não haviamos heroes, nem tinha esta Pimentela entretém.

Capturar.JPG
(Photomontagem burguesa do pasquim censurado com fragmento do ganha-pão.)



Escrito com Bic Laranja às 21:48
Verbete | Comentar | Comentários (9)

Govêrno-sarna
 

  Soou a notícia há semanas ou coisa. O govêrno ensaia-se em decretar metade do assucar nos pacotinhos da bica. Depois de tê-los — aos do govêrno — besuntando-se-me na torrada do pequeno-almôço meio-sal, hei-de tê-los agora dissolutos no meu café meio assucarado. Ainda um dia destes hei-de deitar-me e acho o govêrno empulgado-me a cama.

 

Capture.JPG

(Revisto.)



Escrito com Bic Laranja às 12:50
Verbete | Comentar | Comentários (7)

Domingo, 24 de Janeiro de 2016
O Marcelinho da «Gente»

 N’ A Porta de Marfim o prof. Marcello Caetano refere em remate duma longa carta o, nestes dias depois do fim, eleito presidente da coisa.

« É certo que, à parte as de 1969, não consegui fazer eleições que se impusessem pelos seus resultados, porque os adversarios as boicotavam e nos deixavam sozinhos em campo. As oposições não eram ao Governo, mas à Constituição e ao regime, e todos os esforços que fiz para criar uma força política que dentro da órbita constitucional competisse com a A.N.P. (grupo de deputados liberais, SEDES, de que fui o único fundador...) tudo isso esbarrou com a incompreensão e espírito contestário dos meus próprios amigos. Agora têm o que merecem... Mas participam, partilham... Das anedotas que o Marcelinho R. de S. conta perfidamente na «Gente». Estão felizes.»

(M.ª Helena Prieto, A Porta de Marfim, Lisboa, Verbo, 1992, p. 108.)

 Curiosamente a entrada de comentário da autora à carta é.... 24 de Janeiro de 1983 e escreveu unicamente: «A 9 de Maio de 1978 respondias-me com amigável malícia.»

 

 

 

(*) Título revisto, inspirado no comentário de Manuel.



Escrito com Bic Laranja às 21:22
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Sábado, 23 de Janeiro de 2016
Belem, reguengo da cidade e a tracção animal

A alegoria de amanhã.

Carro americano, Atêrro (J.C.Cruz, 1880)

Carro americano, Atêrro, 1880.
José Chaves Cruz, in archivo photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 21:59
Verbete | Comentar

Sexta-feira, 22 de Janeiro de 2016
Da harmonia architectonica occulta

Corte transversal da basílica da Batalha (J. Murphy, 1795)

In James Murphy, Plans Elevations Sections and Views of the Church of Batalha, in the Province of Estremadura in Portugal by Fr. Luis de Sousa; with remarks. To which is prefixed an Introductory Discourse on the Principles of Gothic Architecture, London, I. & J. Taylor, High Holborn, 1795. 



Escrito com Bic Laranja às 14:52
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Quinta-feira, 21 de Janeiro de 2016
Da estética que nos vendem

Bloco das Águas Livres, Lisboa  (F. M. J. Matias, 1959)

Bloco das Águas Livres, Lisboa, 1959.
Architectos: Nuno Teotónio Pereira, Bartolomeu da Costa Cabral; prémio da I.ª Exp. Gulbenkian, 1955.  Photographia: Fernando Manuel de Jesus Matias, in archivo photographico da C.M.L.


 Do substantivo bloco para designar o que se rotula Arte, aos prèmiozinhosprèmiozões que o corroboram, há todo um sentido do Belo, assaz insensato incensado, que emana não sei donde e resvala para não sei quê. E nós dele con... vencidos.
 Deixá-lo!

 



Escrito com Bic Laranja às 12:46
Verbete | Comentar | Comentários (23)

Quarta-feira, 20 de Janeiro de 2016
Das cousas que as gentes dizem (diziam)

 Como tenho pouco gôsto no Inverno e aprecio dias maiores, em dia de S. Sebastião não sou só laranjinha na mão, mas repito-me sempre que em 20 de Janeiro vai uma hora por inteiro e que quem bem souber contar, hora e meia lhe há-de achar.

Campinos, Ribatejo (A. Ferrari, 1950-70)Campinos, Ribatejo, 1950-70.
Amadeu Ferrari, in archivo photographico da C.M.L.

 



Escrito com Bic Laranja às 12:57
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Terça-feira, 19 de Janeiro de 2016
Laranjeiras

 O eléctrico 13 que se via ainda ontem para Carnide numa garganta da Estrada das Laranjeiras ia justamente aqui, só que se via vindo de lá para cá. O prezado leitor José Lima foi quem catou bem o ponto no mappa: Estr. das Laranjeiras 218, na exacta confluência da Rua das Laranjeiras com a Estrada das dictas. — Se me não engano agora, a Rua das Laranjeiras (à esq.) designou-se Azinhaga da Ponte (ou Fonte) Velha; descia, como ainda desce, da Palma — lugarejo ancestral que se por ali conserva encravado entre edificado pós-modernista-ò-pós-modernaço e rodovias xpto.

Estrada e Rua das Laranjeiras, Lisboa (E. Portugal, 1944)


 Um pouco adeante, caminho de Sete Rios, achava-se o chafariz das Laranjeiras ante a quinta do conde de Farrobo, que marca ainda agora o entroncamento da Estrada das sobredictas Laranjeiras com a Calçada da Palma de Baixo. O progresso não lhe deu cabo (ao chafariz) mas deu-lhe uma reviravolta...

Chafariz das Laranjeiras, Estr. das Laranjeiras (E. Portugal, 1944)

Calçada da Palma de Baixo e Estr. das laranjeiras, Lisboa (E. Portugal, 1944)

 
 Na Calçada da Palma de Baixo, nº 2 (photo em cima, à dir.) via-se na primitivamente o portão e placa da Quinta das Rosas, tal qual se o ainda lá pode ver agora, afortunadamente; o alargamento da Calçada da Palma de Baixo fez-se à custa do largo do chafariz.

 Justamente na calçada, imediatmente a seguir ao portão da Quinta das Rosas há hoje uma serventia de acesso à Quinta das Palmeiras onde, segundo a leitora Zazie, era o colégio do Infante de Sagres. Cuido que fosse assim.

Colégio do Infante de Sagres, Palma de Baixo (K. Pinro, 195…)


Photographias: 1) Rua e Estr. das Laranjeiras, 2) Chafariz das Laranjeiras e 3) Calç. da Palma de Baixo (Ed. Portugal, 1944); 4) Col. do Infante de Sagres (Kurt Pinto, 195...). In archivo photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 17:59
Verbete | Comentar | Comentários (21)

Basilica da Estrella

 Qualquer venerável que se fine passa por ela. Que terá a franco-maçonaria com a basílica da Estrella?

Basílica da Estrela (M. Novaes, s.d.)

Photographia de Mário de Novaes, in Bibliotheca d' Arte da F.C.G.



Escrito com Bic Laranja às 13:02
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Estrada Nacional

O marco que se vê dá os 300,9, 500,9 ou 700,9 metros num km desconhecido. [Estupidez. O marco indica os 700 m do km 9. Parece-me que hoje se queda por lá o marco dos 10,1 kms. A estrada cresceu!]

 


Estrada Nacional ...? Portugal, [s.d.].
Mário de Novais, in Bibliotheca d' Arte da F.C.G.



Escrito com Bic Laranja às 12:42
Verbete | Comentar | Comentários (15)

Segunda-feira, 18 de Janeiro de 2016
13 — Carnide

Eléctrico de Carnide, Estr. da Luz (J. Benoliel, c. 1950)
Eléctrico de Carnide,
Palma de Baixo (Estr. da Laranjeiras), c. 1950.

Judah Benoliel, in archivo photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 20:40
Verbete | Comentar | Comentários (10)

Estrada da Luz (viaducto da)

2.ª Circular no cruzamento da Estr. da Luz, Lisboa (A. Goulart, 1963)


 A pregunta dum benévolo leitor suscitou-me a lembrança dumas fotografias da Estrada da Luz que mostram que a feitura do viaducto da 2.ª circular ali veio a desviar aquela velha estrada do seu leito primitivo. E de facto a casa que vedes à esquerda na 2.ª e 3.ª imagens a seguir (está de pé mas não há-de ser por muito pois há annos que se acha destelhada nas traseiras, que sempre dá menos nas vistas) tem um alinhamento excêntrico ante estrada actual. Nada menos que o alinhamento primitivo da Estada da Luz.
 Simples curiosidade.

Obras do viaduto da Luz na 2.ª Circular, Estr. da Luz (A. Serôdio, 1965)

Obras do viaduto da Luz na 2.ª Circular, Estr. da Luz (A. Serôdio, 1965)

Viaduto da Luz, Estr. da Luz (A. Serôdio, 1966)

Prédios em demolição, Estr. da Luz (A. Madureira,1968)


Photographias: 1) 2.ª Circular no cruzamento da Estr. da Luz, Lisboa (A. Goulart, 1963); 2) e 3) Obras do viaducto da Luz na 2.ª Circular, Estr. da Luz (A. Serôdio, 1965); 4) Viaducto da Luz, Estr. da Luz (A. Serôdio, 1966); 5) Prédios em demolição, Estr. da Luz (A. Madureira,1968). In archivo photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 19:56
Verbete | Comentar

Metrologia de Estado

Estação de Serviços, S. Jorge de Arroios (H. Novais, 1930-80)

 Os papagaios das notícias «avançaram» hoje que as bombas de gasolina vão ser fiscalizadas. Não eram?!...

 Até ao início do corrente ano, o controlo metrológico em Portugal era assegurado pelas Direcções Regionais da Economia — entretanto extintas, pelo que o Instituto Português da Qualidade procedeu à qualificação de empresas privadas para o exercício destas atribuições, actualmente, e que são designadas Organismos de Verificação Metrológica (O.V.M.). Estes O.V.M. verificam a conformidade dos instrumentos de medição dos postos de abastecimento, emitem o respectivo certificado e procedem, ainda, à selagem dos equipamentos garantindo, assim, a sua conformidade legal com as respectivas normas que regulamentam o controlo metrológico, e que acima estão identificadasControlo Metrológico como nova atribuição da E.N.M.C.», Min. da Economia/E.N.M.C,16/12/15).

 Pelo Decreto-Lei 291/90, de 20 de Setembro, a superintendência do controlo metrológico das bombas de gasolina cabe ao Instituto Português da Qualidade. O I.P.Q. pode reconhecer e delegar em terceiros a verificação e fiscalização das bombas (art. 8.º, n.º 1). Como manda mas não executa, incumbiu as Direcções-Regionais de Economia (apesar de não haver regionalização, parece que tem havido regionalização administrativa) de coordenar, fiscalizar e verificar as bombas (art. 8.º, n.º 2). Com a sua extinção (das D.R.E.) a fiscalização e aferição das bombas foi então trespassada a empresas qualificadas pelo próprio I.P.Q. em Organismos de Verificação Metrológica que, vem ver-se, carecem de ser elas próprias fiscalizadas.

 Assim, resumindo:

  1. O I.P.Q. superintende a coisa;
  2. as D.R.E. faziam a coisa, mas acabaram;
  3. o I.P.Q. comete então a coisa a empresas que qualificou e qualificadamente designou O.V.M. capazes de levar a coisa a cabo e;
  4. Cria-se em fim uma Entidade Nacional para o Mercado de Combustíveis para fiscalizar os qualificados e designados do ponto 3...

 Talvez os O.V.M não sejam de fiar, mas, como sabemos se a E.N.M.C., o I.P.Q. e as ex-D.R.E. são/eram? — Porque sejam públicos estes e particulares aqueles? — E neste caso se nos fiamos mais dos órgãos do Estado porque não faz simplesmente a nóvel E.N.M.C. o que faziam as ex-D.R.E. a haver-se de chamar particulares ao processo? Sairá porventura mais em conta pagar aos de O.V.M. para fazer o que faziam as ex-D.R.E. havendo ainda de pagar a E.N.M.C. para fiscalizar os O.V.M.?

Confusos? — Pois então explicai-me também da competência dos municípios na aferição metrológica...

 

(Fotografia da estação de serviço da Soc. Comercial Guérin na Rua José Estêvão em Lisboa de Horácio de Novais, na Bibliotheca d' Arte da F.C.G.)



Escrito com Bic Laranja às 12:39
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Domingo, 17 de Janeiro de 2016
Programa de variedades

Paco de Lucía, Entre Dos Aguas



Escrito com Bic Laranja às 23:00
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Sexta-feira, 15 de Janeiro de 2016
Da desagregação dum Estado

Capture.JPG

 A Assembleia da República, órgão legislativo por definição constitucional, padece duma maioria de esquerda. Daí me não espantar do resumo do Diário da República de hoje: três resoluções — não leis, notai! —, mas três resoluções que são palavras de ordem. A assembleia foi tomada por agitadores panfletários que — isto é extraordinário — tendo o poder legislativo nas mãos não passam do seu estado primário: a propaganda por via de, não leis, torno a dizer, mas resoluções e recomendações ao Executivo. Qual é o imperativo duma recomendação?...

 O decreto regional, por seu lado, e o seu objecto, são o exemplo acabado da desagregação institucional e da entropia posta na ordem jurídica do Estado. Comparável desagregação das instituições do Estado português, nem nas invasões francesas tenho impressão; garantidamente nem nos tempos filipinos.

(Revisto às dez menos vinte da noute.)



Escrito com Bic Laranja às 12:50
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Quinta-feira, 14 de Janeiro de 2016
Ordenações

Transpõe a Directiva que altera a Directiva que altera o Decreto pela sexta vez... — Bate certo.

Capture.JPG



Escrito com Bic Laranja às 11:18
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
13

15
16
17
18
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----