Quarta-feira, 31 de Agosto de 2016

Dos misantrôpegos do comunismo subreptilício

 Uma Carla Russo dizia esta manhã na emissora 2 que era «claustrofóbica às multidões». Dizia-o por ir actuar na festa do Àvante, uma grande festa, se bem que com uma «índole subreptìciamente política». Esta Carla Russo deve ser artista de nomeada; a falar assim e logo no posto radiofónico da música erudita...

 Subreptìciamente política, não foi que disse?...

Antena 2 subreptìciamente

Fotocomposição do twiter chilrear da emissora 2 com pin/crachat broche do P.C.P.

Escrito com Bic Laranja às 21:06
Verbete | comentar | comentários (3)
Terça-feira, 30 de Agosto de 2016

O caracol da pinha

 Tome-se esta introdução:

O Caracol da Penha
[Actual Rua Marques da Silva]


 Em primeiro plano vê-se a Rua de Arroios, e paralela a esta, o troço da Av. Almirante Reis, compreendido entre a as ruas Marques da Silva (antigo Caracol da Penha) e a futura Rua Pascoal de Melo, que será rasgada, por volta de 1910, nos terrenos que se vêem do lado esq. da foto; no cimo, a Igreja e antigo Convento de Nossa Senhora da Penha de França.

Lisboa de Antigamente [aliás Fraga-hífen-Aurélio], O Caracol da Penha, 23/3/16.

Refere-se o seu curioso autor a esta imagem (a legenda nela é minha):

Vista do Jardim Constantino sobre a Penha de França, Lisbo (s.n., s.d.)
Vista s/ o Jardim Constantino, R. Passos Manuel, Av. D.ª Amélia e Penha de França, Lisboa, c. 1903.
Photographo n/ ident., in archivo photographico da C.M.L.


 Consegue o benévolo leitor entender o título «Caracol da Penha»? Consegue identificar o dito Caracol da Penha na imagem? 

 Consegue, pois! — É uma serventia que se mal percebe na banda direita da imagem entre dois prédios lá para 4.º plano e de que depois vemos o ziguezagueante troço final encosta acima, caminho da Penha.
 «Caracol da Penha» parece-lhe um título pertinente para a imagem?...

 E a legenda: em primeiro plano vê-se a Rua de Arroios?!...
 É preciso observar, perceber e saber descrever (uma trabalheira): em primeiro plano vê-se o arvoredo do Jardim Constantino encobrindo o troço superior da Rua de Passos Manoel (c. dos actuais n.ºs 112-124); a Rua de Arroios não se vê, adivinha-se, ao fundo do vale donde se vêem sobressair os telhados do casario à esquerda (3.º plano) e depois à direita, ante aquele prédio com dois frontões em águas furtadas.
 Não adianta corrigir mais palermices. O benévolo leitor saberá por si muito bem achar na Toponímia de Lisboa a data dos editais que dão a abertura das Ruas de Passos Manuel e de Pascoal de Melo. Certo é que a Rua Pascoal de Melo (em terraplenagem, à esquerda) não era futura em 1910 nem será rasgada por volta disso; o rasgo (ou nem tanto) seria achar a data da construção do viaduto para datar a chapa; o projecto é de 1900-01, permutas de terrenos para a sua construção ocorriam ainda por 1903...

 O Caracol aqui não é, pois, da Penha. É da pinha. Um enfeite de cacholas inteligentes sobretudo quando o cérebro não colabora.

Escrito com Bic Laranja às 18:56
Verbete | comentar | comentários (6)

Dias do factor 50

O autocarro da selecção

 Um quarto para as seis da tarde; ligo a TV; para ver o autocarro da selecção: — Já está a dar, olha! O autocarro da selecção já está a dar, pá!



Os matraquilhos

 Vão à final do campeonato. Bem dizia um que eu li: — Não jogam nada. Ainda vão à final. — A R.T.P. deu a casa da mãe do guarda-redes e a Musgueira...

Musgueira (R.T.P., 6/7/2016)

— Ponham o autocarro!

(Algarve, 6/7/2016.)

Escrito com Bic Laranja às 13:11
Verbete | comentar | comentários (2)
Segunda-feira, 29 de Agosto de 2016

Merdina

 Das 9 ou 10 árvores cortadas nas obras na Av. de Fontes Pereira de Mello concluo que ao presidente enxertado e excelentíssima vereação não é o amor à natureza que os move. É o Feng Xui: árvores adultas nos passeios da avenida não calhavam bem; árvores novas no meio do asfalto é que sim. Para a harmonia municipal ser completa só falta agora plantar o óbvio e natural 'r' a dois terços do Medina.

Av. de Fontes Pereira de Mello, Lisboa (Joshua Benoliel, c 1910)
Av. de Fontes Pereira de Mello, Lisboa, c. 1910
Joshua Benoliel, in archivo photographico da C.M.L.

Escrito com Bic Laranja às 18:06
Verbete | comentar | comentários (3)

Da vida de turista

Concessão ao manicómio

 Dois dias que ligo o telejornal, duas vezes o alinhamento dá o presidente entertainer só depois do primeiro ministro do Rato. E este por sua vez só após o campeonato dos matraquilhos. Eis o protocolo do mundo!

 Este anno pintou-se muita casa no pinhal (ex-pinhal). Mas não pintaram (ou se pintaram deixaram-nas) aquelas casas ali com aquela fiada de ninhos de andorinhas. — Em dizendo isto, observa-me a senhora que sou mui observador. — O bom destes dias é o tempo na contemplação de pequenos nadas como este. Melhor que contemplar essas vidas que se expõem em casas de ante ou no caixote que lixou o mundo. Precedência às andorinhas, eis o protocolo das férias!


Algarve — © 2014

 

Fialho, «Contos»...

  • «Outro que fosse — regougava — outro que fosse...», expressão repetida (p. 94) cujo significado será «quem havia de ser?!» — A minha mãe lembra-me ouvi-la «quem havia de senão ser!»
  • Menajeiro = manajeiro.
  • Vida ao ritmo dos sinos: «conforme antiga usança, ainda agora, nas vilas do Alentejo toca a reccolher, nove horas dadas, o sino da câmara» (nota na p. 93).
  • «Tocar a padres...»
  • «Não dei notícia dele» (p. 96) — dar por saber: não soube, não dei fé dele; deliciosa voz popular que ouvi pela primeira vez por 1991 ou 92 no barrocal algarvio a uma comadre Bia Soisa (Maria de Sousa). Pois justamente...
  • doutor Soisa = dr. Sousa (p. 93).
  • Jerolmo = Jerónimo (bem calhada ao comunista).
  • prove = pobre.

 «Contos» e vozes populares (ref.ª à ed. do Círculo, Alfragide, 1991).

Fialho, Obras (Círculo, 199_).jpg
 [A pilha de obras (semi)completas de Fialho é duma leiloeira...]


Smart 4Desligados

 Há quatro dias nesta vilegiatura e parece — a sensação que dá — é de alheados do mundo. Confesso que no domingo tentei pôr uma photographia do entardecer no blogo, tal o encantamento neste doce desterro. Não no consegui e ainda bem. Se é para desligar, não é para ligar. Desligados assim seremos, pese a tentação destes aparelhos agora que nos querem enredar socialmente a cada instante.

O espírito do lugar

 Sinto-o quieto; calhando anda passivo por isso a tentação que me deu de ligar ao mundo; ou calhando anda só latente e fazendo-se notar subtil no frustrar da tentação... Em sendo activo haveria de notar-se inequìvocamente toldando vivamente os sentidos com encantamentos de meros nadas: o arrulhar das rolas, o aroma do pinhal no vento rumorejante, o marulhar das ondas, as cigarras na canícula, o cheiro estival da casa, os grilos à noite, o céu polvilhado de estrelas e o sossêgo calmante de trás disto tudo.

Ex-pinhal do concelho, Albufeira — © 2012
Ex-pinhal do concelho, Albufeira — © 2012

(Algarve, 5/7/2016.)

Escrito com Bic Laranja às 15:45
Verbete | comentar
Quinta-feira, 25 de Agosto de 2016

R.T.P. em directo

IMG_8035.JPG

LII Grande Corrida TV, R.T.P., 25/VIII/16.

Escrito com Bic Laranja às 23:44
Verbete | comentar | comentários (2)
Quarta-feira, 24 de Agosto de 2016

Conjecturando a Estr. de Benfica e mais além

 Em Novembro do anno passado conjecturei cá esta imagem nas Portas de Benfica e expliquei:

 A legenda desta no archivo da C.M.L. é simplesmente «Pessoas passeando», Paulo Guedes, 19...
 Conjecturo a Estrada de Benfica. Se não, vede: contra o horizonte o Monsanto, despido; contra o Monsanto, à direita, o arvoredo da mata de Benfica; contra o arvoredo algumas casitas na estrada da Damaia (ou de A-da-Maia); no campo entre a estrada em que conjecturo estarmos e aquela percebe-se o valado duma ribeira — de Alcântara; as piteiras e o barranco à mão esquerda são da quinta do César que se entrepunha entre a estrada e a quinta das Pedralvas às Portas de Benfica.
 Posto isto, o telhado que sobressai do chapéu do cocheiro é o da Vila Ana. A estrada serpenteia caminho da Igreja de N.ª Sr.ª do Amparo cuja torre se não vê por causa do arvoredo diante. O fotógrafo virou costas às portas de Benfica e apontou a Nascente. O Sol baixo do quadrante S denuncia uma tarde de Inverno
  É ou não é?

Estr. de Benfica, Lisboa (P. Guedes, 19...)
Estr. de Benfica, Lisboa, 19...
Paulo Guedes, in archivo photographico da C.M.L.

 *  *  *

 Não vinha isto agora por nada senão por que um cavalheiro sem pejo de replicar imagens e legendas e até reflexões cá do blogo Bic Laranja sem no nunca referir em nada do que publica, um cavalheiro chamado Fraga-hífen-Aurélio (fraga é penedo e o hífen são peneiras) conseguiu com dedução autobrilhante a partir do seu próprio neurónio (o que é extraordinário) ligar a imagem de cima (sem legenda no archivo photographico municipal) a uma outra de Paulo Guedes (em baixo) legendada ali como Estr. das Laranjeiras.
 Como o fez?
 Elementar: o grupo de damas enchapeladas mai-los meninos que se vêem passeando algures na primeira imagem é justamente o mesmo que se vê na segunda; e se a segunda é na Estr. das Laranjeiras, onde seria, pois, a primeira?...

Quinta de São Miguel, Falagueira (P. Guedes, s.d.)
Quinta de S. Miguel, Falagueira, 19...
Paulo Guedes, in archivo photographico da C.M.L.

 Pois bem, o Sherlock hífen-Aurélio (aurélio, no caso, não de ouro, mas de orina), com premissa duma legenda dada e arregaçada, exibe óbvios dotes de dedução, mas falece-lhe desastradamente dom de observação que vá além da indumentária de quem passa e, assim como no arquivo se acham corriqueiras imagens de Benfica grosseiramente às avessas, assim se acharão legendas enganadas (ainda ontem na Paixão por Lisboa havia um caso).
 Já dizia o velho cronista que em coisa de grande antiguidade certeza não pode haver; por conseguinte impõe-se análise mais fina e algum estudo, a ver no que dá: a fisionomia do casarão e a longa recta plana daquele estradão não se quadram com a Estr. das Laranjeiras (v. mapa). — Que sobra? — A pista das Portas de Benfica. Ficariam a estrada e aquele casarão aquém ou além delas?
 A resposta está contida na legenda.

————
Nota: sendo uma conjectura mais do que verosímil, ocorre-me que o lugar é na Estrada Real, palmilhada numerosas vezes por Eça e Ramalho, fossem a Sintra, fossem ao coelho à Porcalhota, fossem até cumprimentar o dono desta quinta, Luís do Rego da Fonseca Magalhães; Eça viu de certeza esta païsagem; quem sabe não reconheceria o próprio filho do afamado tribuno parlamentar Rodrigo da Fonseca ali na imagem diante do portão de sua quinta de S. Miguel da Falagueira.  — Outras conjecturas!...

Escrito com Bic Laranja às 17:11
Verbete | comentar | comentários (2)
Domingo, 21 de Agosto de 2016

Cantiga de noites brandas



Rui Veloso - Sei de uma Camponesa

Escrito com Bic Laranja às 21:20
Verbete | comentar
Sábado, 20 de Agosto de 2016

Prosaico

 Ouve-se dizer aí do oportunismo de Paulo Portas no congresso do M.P.L.A.

 

Catherine Deneuve, Oportunidades...


 E rabos de palha?...

 

————
(Catherine Deneuve via Guglo.)

Escrito com Bic Laranja às 21:26
Verbete | comentar | comentários (7)

Heminotícias

 Dos dois do Iraque que corre notícia de pregarem um enxerto de porrada num moço da Ponte de Sor ouvi nos seminoticiários: 1) da imunidade diplomática e o caso; 2) do Santos Silva sobre os negócios estrangeiros e o caso; 3) de juristas sobre a diplomacia e o caso; 4) da família da vítima, vitima da poderosa imunidade diplomática dos poderosos no caso e; 5) um gentio de brincos e tatuagens dizendo, instado por um pé de microfone, que só quando viu os ténis e o relógio (os adornos que marcam o prestígio na tribo?) é que reconheceu o Rubem (o moço agredido) diante de si, todo partidinho, ele que com o Rubem «andamos todos os dias, ele vai a minha casa eu vou a casa dele, somos como irmãos»...
 Em tudo quanto ouvi nas seminotícias, não ouvi notícia do motivo de o Rubem ter apanhado daquela maneira. Quase me convenço que foi por nada. Mais agora que o dos afectos telefonou para Santa Maria a inteirar-se do inocente moço.


Imagem via Guglo.

Escrito com Bic Laranja às 19:57
Verbete | comentar | comentários (3)

A central...

 Basta ver as primeiras págs. dos principais jornais para se perceber como o 4.° poder actua! (Skeptikos, in Dragoscópio, 20/8/16.)

Basta ver as primeiras págs. dos principais jornais para se perceber como o 4.° poder actua (Skeptikos, in Dragoscopio, 20/8/16.)

Escrito com Bic Laranja às 14:22
Verbete | comentar | comentários (6)
Quarta-feira, 17 de Agosto de 2016

Salazar em inauguração de Abril

Diário de Notícias* dixit.

Salazar na inauguração da Ponte 25 de Abril (D.N., 2016)

* Matutino brasileiro que se publica diàriamente em Lisboa.

————
(Devo o postal de caricata legenda ao sr. M.V., a quem agradeço.)

Escrito com Bic Laranja às 21:35
Verbete | comentar | comentários (7)
Segunda-feira, 15 de Agosto de 2016

Electrostupidez em corrente contínua

 Já tinha dado fé duns One Diretion por cá. Hoje a Radiotelevisão Portuguesa brasileira anunciou Amor Eletro nas Festas do Mar de Cascais.


(Anúncio de Festas do Mar de 2016, in R.T.P. Memória, 15/8/16.)

Escrito com Bic Laranja às 21:50
Verbete | comentar | comentários (14)
Domingo, 14 de Agosto de 2016

A batalha mortall

 E seendo oras de noa pouco mais ou menos se começou a batalha mortall: e logo no começo erã as pedras muytas que lançauã os homẽs de pee de hũa parte aa outra. E da parte da uenguarda [vanguarda] dos castellaãos forom logo lançados certos troõs o que aos portugueses fez huũ pouco despanto pollos não auerem em husso [uso]. E porque na auenguarda em que o Condeestabre era, hũa pedra dos troõs que asy lançauam matou dous boõs escudeiros que diziam que eram jrmaãos. E entom se começarõ de ferir das lanças muy rrijgamẽte [rijamente]. E o Cõdeestabre jndo ante a sua bãdeyra: forom em elle postas [foi alvejado de] muytas lãças: e em breue forõ todas as lanças de hũa auenguarda e da outra quebrãtadas: e [o] vallado dellas feyto [cheio]. E entõ vierom as fachas [machadinhas? de combate]: e logo elrey com a rreguarda [retaguarda] cõ grade aguça [sagacidade] se ajũtou aa uguarda feryndo de facha tantos e taes golpes que eram asperos de atender aaquelles que os soffriam: como vallẽte rey: ajudando seus naturaes: e sua real coroa defendendo. E o Condeestabre nõ lhe cansaua dizendo:
 — « A [Ah] portugueses! pellejar, filhos e senhores, por vosso rey e por vossa terra! »
 E forõ logo hy [aí] mortos huũa gram cama [camada] de castellaõs; e asy bastos como som os feixes no rrestolho do boõ trigo, e bem basto: especialmente morrerõ logo todos a mayor parte chamor[r]os [*] que entõ chamauã aos maáos portugueses que cõ elrey de Castella vijnham.

Coronica do Condestrabre de Purtugall Nuno alvarez Pereyra, principiador da Casa q̃ agora he do Duque de Bragãnça, sem mudar a antiguidade de suas palauras &c, Capitolo LI.

 

 

————
[*] O Priberam diz que chamôrro é nome injurioso que outrora os castelãos davam aos portugueses. Da Crónica se depreende que é nome ancestral que os portugueses dão aos seus próprios traidores e que sobrevivia justamente com esse sentido ao tempo da Guerra Civil de D. Pedro e D. Miguel.

Escrito com Bic Laranja às 22:48
Verbete | comentar | comentários (10)
Sábado, 13 de Agosto de 2016

Deixa arder!

Recomeçou o campeonato.

Masturbatório futeboleiro, R.T.P. 3, 2016/17

Escrito com Bic Laranja às 00:10
Verbete | comentar | comentários (1)

Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
13
14
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Visitante


Contador

Selo de garantia

pesquisar

Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

arquivo

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS

____