Segunda-feira, 31 de Outubro de 2016
Do pequeno almôço

 Os nossos antigos diziam desjejum (ainda se o ouve no desayuno castelhano) . Nós, portuguêsmente, afrancesámo-nos (os brasileiros, no caso, nem tanto): à letra, o déjeuner francês mais não é que o desayuno castelhano; afrancesámo-nos, portanto, apondo portuguêsmente o petit francês ao nosso almôço.

  — Um queque e ¼ de Vigor por desjejum.

Queque e ¼ de Vigor



Escrito com Bic Laranja às 07:45
Verbete | Comentar

Domingo, 30 de Outubro de 2016
Omissão e homilia

 Do que apanhei (ouvi mal o eixo, ontem, sob o espectro de morpheu), acerca do copioso vicejo de doutores de gargarejo, nem pio. Um silêncio eloquente.

 

(A «família disfuncional favorita dos portugueses» segundo o saco de plástico é dum semanário brasileiro que se pública para ai aos sábados.)



Escrito com Bic Laranja às 17:27
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Sexta-feira, 28 de Outubro de 2016
Da democracia para galegos

IMG_0410.JPG

 Hoje mais um licenciado de gargarejo no governo. Bi-licenciado. É continuar a escavar. Não parece haver limites à trampolinice. Quem haja aí que tenha pingo de dignidade há-de servir para galego. Com direito a voto.


Fotografia: Galegos carregadores de pianos e trastes de todo tipo, Estação do Rossio, c. 1910. Charles Chusseau-Flaviens, in George Eastman House.



Escrito com Bic Laranja às 20:52
Verbete | Comentar | Comentários (3)

Do progresso material e espiritual da província

José Hermano Saraiva, Nas margens do Tua
(Horizontes da Memória, R.T.P., 1997.)



Escrito com Bic Laranja às 11:30
Verbete | Comentar

Terça-feira, 25 de Outubro de 2016
As casas do conde de Soure no Monte Agudo

 Tenho aqui criticado pecadilhos e azelhices, mas justo é que louve quando haja de louvar. Talvez seja agora caso...
 O Fraga-hífen-Aurélio (Lisboa de Antigamente) que transcreve as Peregrinações de Norberto Araújo ilustrando-as com imagens do archivo photographico da C.M.L., publicou há dias uma chapa de José Arthur Leitão Barcia dumas casas e duma ermida na estrada da Penha de França; são umas velhas casas demolidas por volta de 1916 conhecidas ùltimamente por Pateos dos Condes de Soure e que povoaram até então o alto do Monte Agudo (*). Como são chãos onde hoje poisa a escola secundária de D. Luísa de Gusmão, que frequentei nos meus tempos do liceu, quando há uns anos li a passagem de Noberto Araújo acerca do lugar quis achar imagens do que me ele descrevia, mas foi em vão.
  Segundo o olisipógrafo as casas ali vinham do tempo de el-rei D. Sebastião e eram pertença de uns Carvalhos, gente boa e de haveres, que vieram à posse dos condes de Soure pelo casamento em 1693 duma dama sua herdeira com o 3.º conde daquele título, D. João José da Costa e Sousa. Foi essa dama D.ª Luísa Francisca de Távora, dama da Rainha, filha e herdeira de Henrique de Carvalho e Sousa, senhor da Azambujeira, morgado de Patalim (Évora), comendador da Ordem de Cristo e provedor das Obras do Paço. Estes títulos e privilégios entraram assim na casa de Soure, a par das casas do Monte Agudo.

Pátios do Conde Soure — Estr. da Penha de França, Lisboa (J.A.L. Barcia, ante 1916)
Pátios do Conde Soure e ermida de N. Sr.ª do Monte Agudo na Estr. da Penha de França, Lisboa, c. 1916.
José Arthur Leitão Bárcia, in archivo photographico da C.M.L.

 O achado da fotografia tem o seu mérito porquanto vem etiquetada no archivo photographico da Câmara como, imagine-se, Palácio do Conde de Sôr (sic); e localizam-na na Rua da Vinha ao B.º Alto. — Se trocar Soure por Sôr é já digno de encómio, que dizer dele quando quem no faz atribui tão sàbiamente o lugar retratado à Rua da Vinha, rua ela que entesta nada mais nada menos com a Travessa do Conde de... Soure?!... — Mas aproveitemos a chave. Pesquisando por Sôr em vez de Soure, acha-se outra do palácio, da sua demolição (v. infra). Não deixa dúvidas: o brasão que encima a porta é dos Carvalhos; as casas demolidas deviam vir do séc. XVII, antes de passarem à casa de Soure.
  Òbviamente o louvor ao Fraga-hífen-Aurélio vem inteiramente donde jazem o demérito e a asneira do archivista. Mas não é menor por isso. Parabéns!

Demolição do Palácio dos Condes de Soure no Monte Agudo, Lisboa (J.A.L.Bárcia, c. 1916)

Demolição do palácio do Conde Soure no Monte Agudo, Lisboa, c. 1916.
José Arthur Leitão Bárcia, in archivo photographico da C.M.L.

 


(*) O Monte Agudo, fronteiro ao Cabeço da Bola e sobranceiro ao B.º das Colónias, é hoje um topónimo pouco conhecido. Para ele confluem modernamente as ruas do Mestre Ant.º Martins e Heliodoro Salgado. A primeira é rua moderna, nada há a dizer. Mas a última é a antiga Calçada do Monte Agudo, topónimo do séc. XVII substituído por homenagem a Heliodoro Salgado (Santo Tirso 8/7/1861 - 12/9/1906), maçon fundador da Carbonária Lusitana e militante do Partido Republicano. Em 1944 e em 1950 a Comissão Municipal de Toponímia propôs que se tornasse ao topónimo seiscentista. O nome, porém, manteve-se. Imagino porquê...



Escrito com Bic Laranja às 00:01
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Segunda-feira, 24 de Outubro de 2016
Do palácio e quinta dos condes das Galveias

Mas o Palácio das Galveias tinha aquele aspecto de degradação horrível, pelos anos de 19...?

Palácio Galveias, Lisboa (A.J.L. Bárcia, 1915-28)
Largo do Dr. Afonso Pena e Palácio Galveias, Campo Pequeno, [1915-28].
José Arthur Leitão Barcia, in archivo photographico da C.M.L.


  Torno com esta fotografia porque suscitou uma pregunta que me deu mote para o que resumo a seguir.

 O palácio Galveias chegou ao estado em que se viu antes de ser expropriado e convertido em biblioteca municipal. Foi construído pelos Távoras no séc. XVII, de que é exemplar arquitectónico de casas nobres desse tempo, mas, com a desdita dessa família no tempo de Pombal o palácio (e quinta, que era maior do que se imagina) mudou de dono. Chegou às mãos dos Abreus e Castros [Melos e Castros, quero dizer], condes das Galveias pelos alvores do séc. XIX até que estes o finalmente venderam a um Braz Simões, salvo erro industrial ou capitalista, uma coisa assim. Este arrendou-o em fracções a gente pobre como sudedeu a outros palácios fidalgos como p. ex. os casebres do Loretto (Marialva) ou o palácio dos Telles da Sylva (Alegrete). Até que decaíu no estado em que o vemos na imagem. Acabou expropriado pelos anos 20 por se dar remate às avenidas Barbosa du Bocage, Elias Garcia e Defensores de Chaves. Com a posse do Estado c. de 1928/29, em boa hora decidiu-se restaurá-lo e vertê-lo em biblioteca com o solene aspecto que lhe reconhecemos hoje.

 Mais uma nota. Os cartazes de espéctaculos na frontaria do palácio anunciam os filmes mudos Cabiria no Politeama e Maciste no Olympia. São filmes italianos de 1914 e 1915. Não sei ao certo quando foram estreados cá, mas já li alhures que foi por 1916. Ora aqui está uma data verosímil para a imagem.

  Por fim, para vermos por onde se estendia antes das avenidas a quinta das Galveias com suas terras de semeadadura e com quem confrontava, fica uma planta do eng.º Ressano Garcia, de 1902.

 


Frederico Ressano Garcia, Planta da zona de Picoas até ao Campo Grande, que inclui a avenida Ressano Garcia, actual avenida da República, a estrada de Picoas, o matadouro, o largo da Cruz do Taboado, a propriedade da condessa de Camaride, a estrada do Arco do Cego, a avenida Fontes Pereira de Melo, a praça de Touros, a propriedade do conde das Galveias, a estrada de Entrecampos [a quinta de Francisco Isidoro Viana] e o mercado Geral de Gados, C.M.L.,1902 (PT/AMLSB/CMLSB/UROB-PU/09/01928), apud Francisco de Matos et al., Do Saldanha ao Campo Grande: os originais do Arquivo Municipal de Lisboa, Lisboa, C.M.L., 1999, pp. 26-27.



Escrito com Bic Laranja às 12:12
Verbete | Comentar | Comentários (7)

Sábado, 22 de Outubro de 2016
Salazar, por Franco Nogueira

Franco Nogueira, Salazar, 6 vols., Coimbra/Porto, Atlântida/Civilização, 1977-1985

  Acabadinhos de chegar do encadernador. Os 6 volumes por c. de 5 contos de réis. A encadernação foi... soma algumas vezes isso...



Escrito com Bic Laranja às 14:39
Verbete | Comentar | Comentários (10)

Sexta-feira, 21 de Outubro de 2016
Dores de cabeça

Olivais Sul, Rua B-3, Lisboa (J. Goulart, 1966)

Rua B-3 (R. Vila Cabral), Olivais Sul, 1966.
João Hermes Cordeiro Goulart, in archivo photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 11:00
Verbete | Comentar | Comentários (5)

Quinta-feira, 20 de Outubro de 2016
Largo do Dr. Afonso Pena

 Na senda de imagens do Campo Pequeno para ilustrar ontem o verbete do cruzamento Av. João XXI com a Defensores de Chaves (seja lá isso onde for), topei com esta muito curiosa em que o palácio Galveias se estende muito para o lado da Rua do Arco do Cego (ou Estr. do Campo Pequeno). Tanto que se nem ela lá percebe.
 A inferior mostra o lugar com um aspecto mais contemporâneo.
 Ambas são do tempo em que o terreiro fronteiro ao palácio Galveias se chamava Largo do Dr. Afonso Pena.

Largo do Dr. Afonso Pena e Palácio Galveias, Lisboa (J.A.L. Bárcia, s.d.)
Largo do Dr. Afonso Pena e
Palácio Galveias, Campo Pequeno, [s.d.]
José Arthur Leitão Barcia, in archivo photographico da C.M.L.

Palácio Galveias, Lisboa (A. Salgado, 1945)
Palácio Galveias e Largo do Dr. Afonso Pena
, Campo Pequeno, 1945.
André Salgado
, in archivo photographico da C.M.L.

 

Adenda às sete da tarde: a planta 10 M do levantamento topográfico de Lisboa (J.A.V. da Silva Pinto, C.M.L.,1904-1911) ajuda a perceber a imagem superior: a frente do palácio que dava para a Rua do Arco do Cego tinha uma faixa de jardim com renque de árvores orlando o palácio por chãos que são hoje rua pública; o muro de base do gradeamento prolongava-se ele mesmo para ao longo da estrada, além do limite da fachada N do palácio. É o muro branco que se vê na banda esquerda na fotografia de cima e que por ilusão de óptica me pareceu prolongar-se para Nascente através da dita Rua do Arco do Cego.
 A planta em concreto, da autoria do agente técnico de engenharia Alberto de Sá Correia, é de 1908. Quando foi a rua alargada à expensas daquela orla do jardim do palácio Galveias não sei. Talvez em 1929, que o limite ad quem dado no arquivo àquela fotografia lá em cima.

Planta 10M (1908)



Escrito com Bic Laranja às 17:43
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Quarta-feira, 19 de Outubro de 2016
Noticiário da cidade

Av. dos Defensores de Chaves, Lisboa (A. Goulart, 1966)

 Rebentou hoje um colector de águas no Campo Pequeno, em Lisboa, na embocadura da Av. dos Defensores de Chaves. Para lá do transtorno aos automobilistas e do contratempo ao trânsito, ouvi dizerem na emissora nacional que o incidente afectara o metropolitano havendo sido fechada a estação do Campo... Grande. Disseram-no e repetiram-no tal qual, sucessivas vezes: estação do Campo Grande. Isto a par da preciosa informação de a ruptura no colector ser no cruzamento da Av. dos Defensores de Chaves com a Av. João XXI.
 Haviam os informantes da emissora de apontar-me no mapa de Lisboa se tal cruzamento existe e se fica a bem dizer no Campo Grande. Mais ou menos, vá lá!...

(Fotografia: Av. dos Defensores de Chaves, Lisboa, 1966. Artur Goulart, in archivo photographico da C.M.L.)



Escrito com Bic Laranja às 17:30
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Segunda-feira, 17 de Outubro de 2016
Vida e obra de Fernando Pessoa

João Gaspar Simões, Vida e Obra de Fernando Pessoa (1.ª ed., Bertrand, 1951)

 «Vida e Obra de Fernando Pessoa; História de uma geração», de João Gaspar Simões, 1.ª ed., Bertrand, 1951. — Por ventura o livro que atravessou Isabel da Nóbrega no caminho de João Gaspar Simões…
 Chegou-me hoje às mãos a encomenda: 2 vols.; da Holanda. Muito mais em conta do que os 19 contos de réis que um alfarrabista da nossa praça pede pela mesma edição. E a pesar dos portes.
 A primeira edição duma obra em português que torna a Portugal.



Escrito com Bic Laranja às 11:36
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Domingo, 16 de Outubro de 2016
O Diário de Torga por abrir e o x-acto

Lisboa — (c) 2016


 Companhia intimista de serões de Inverno ou de tardes bucólicas de Outono.



Escrito com Bic Laranja às 16:20
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Sexta-feira, 14 de Outubro de 2016
Nobel do mergulho no Tejo

República do inglês macarrónico

 A faceta de comentador de tudo e um par de botas do inquilino de Belém é cada vez mais exasperante. A colagem a todo o acontecimento de cartaz é doentia; a pesporrência de lugares-comuns em comunicados inanes, uma aflição. E a aculturação ao amaricano, uma pobreza. — «The times they are a-changin'» nem bom inglês é.



Escrito com Bic Laranja às 15:31
Verbete | Comentar | Comentários (6)

R.T.P. em directo

Corrida de gala á antiga portugueza, Campo Pequeno (R.T.P., 2016)

 Corrida de gala á antiga portugueza, Campo Pequeno (Radiotelevisão Portuguesa, 2016)



Escrito com Bic Laranja às 00:00
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Quinta-feira, 13 de Outubro de 2016
Qualquer dia temos outro Saramago

 Se aí o comentário político televisivo anda já remunerado como direitos de autor, porque me espanto eu da quadratura do Nobel?!!

Quadralgaduras.JPG

Quadralgaduras do circo apanhadas no Sol.



Escrito com Bic Laranja às 20:35
Verbete | Comentar

Domingo, 9 de Outubro de 2016
Dos fracos já reza a História
 Uma cousa pequena ou uma palavra faz conhecer melhor os costumes das pessoas que as disseram que os infinitos inimigos mortos em batalhas e as cidades destruídas e reinos conquistados.
José Hermano Saraiva (anot. e com.), Ditos Portugueses Dignos de Memória; História íntima do século XVI, 3.ª ed., Mem Martins, Europa-América, 1997.

*     *     *

J.A. Saraiva, «Eu e os Políticos» (Gradiva, 2016)

 Eu e os Políticos pôs em alvoroço os fidalgos de pagode que vicejam na scena política do portugalinho dos nossos dias. A promiscuïdade da política com o jornalismo é a constante que lhe subjaz, mas o carácter do «escol» nacional impressa ali em letra de fôrma foi o que deu polémica. No fundo os jornais são papel de embrulho de todos os fretes e o livro descobre-o, bem temperado com as idiossincrasias da politicagem de turno.

 Alguns aí como José Manuel Fernandes afoitam-se em louvor velado do livro já arrolado ao índex da democracia, mas diminuem-no em que se só lá acha o que todos sabem. — Todos sabem? Quem são todos? — Os do meio: jornalistas e políticos, pois!... Sobra o povoléu: o às vezes cidadão comum, passe a redundância tão necessária aos todos, esses outros cidadãos não comuns, lordes da democracia, que, enfim, sabem sempre mais. — Ao cidadão ninguém lho diria abertamente, mesmo que rumores corressem. Mas agora só não sabe quem não quiser ler. O testemunho foi dado.
 Outros, também aí, porém, não têm contemplações: Luís Pedro Nunes afirmou que José António Saraiva, havendo como director do Expresso sido o jornalista mais poderoso do país e tendo perdido esse poder, escreveu o livro por ressentimento; a Fernanda Câncio, vedeta visada, diz que interpôs uma providência cautelar para banir o livro. — Jornalistas censurando jornalistas. — Ou comadres exhalando liberdade de expressão!... — Sintomático!...

 Para não haver dúvidas o autor escreve na apresentação o seu objectivo: deixar testemunho para a História. É bom argumento; esperançoso quanto ao objecto focado, mas, que importa?!... Sabemo-lo filho e sobrinho de historiadores; está-lhe nos genes; deve ser mais forte do que ele... E é de valor. Quanto não daríamos por crónica viva assim, dum contemporâneo das personagens que rodearam D. Afonso Henriques, D. Dinis ou D. João II, legando-o a nós vindouros, dando-nos a conhecer o carácter particular e íntimo dos actores da autêntica História, grandes e pequenos? — Grandes ou pequenos os julgaríamos nós melhor por conhecê-los em retrato intimista e coetâneo. — Pois podem agora os nossos vindouros fazê-lo desta gente de agorinha mesmo — gente menor, ínfima, bem entendido, mas toda ela símbolo dum tempo. É o que há para legar, paciência!... O valor desta fonte de História quase íntima, os vindouros lho darão, portanto. Se não vier a ser convenientemente apagada.

 Se estes actores da História recente são o que são, se valem o que valem, são todavia os que apareceram a figurar. — Castigo da Providência, má fortuna nossa... — Quereriam que o deixássemos na obscuridade? Mas não é a sacrossanta democaracia isto mesmo: o alçar da maioria, que é a mediocridade, por boa? Se o quadro em que figuram os farsantes é miserável, eles o necessàriamente assim compuseram — não há omoletes sem ovos.
 Da promiscuïdade entre política e jornalismo (este mera câmara de ressonância daquela) que o livro dá imagem, verificamos que o principal (único?) objecto da política é, ao cabo e ao resto, a sua própria publicidade. Ora o livro demonstra essa desgraça dando de caminho a degradação de costumes, a falta de carácter, a ânsia de protagonismo, a vaidade, a ganância, a ostentação e o vício dos protagonistas retratados. Serem eles com isso tudo que os identifica a transmitir a pequena História deste tempo desgraçado e pela pena dum deles, jornalista, é irónico. Talvez daqui o maior choque e raiva que o livro causou. Essa gente menor não queria ficar assim impressa para o futuro? Mas, que dizer? Eles merecem!...

 — Que a democracia lhes seja pesada! — Eis o valor do livro do arq.º Saraiva.



Escrito com Bic Laranja às 16:32
Verbete | Comentar | Comentários (13)

Sábado, 8 de Outubro de 2016
Horizontes da Memória

 O canal da memória tornou esta semana com os programas do prof. Hermano Saraiva: os Horizontes da Memória. Durante muitos anos os seus programas foram os únicos que me marcaram hora de ver televisão. Esta série dos Horizontes da Memória lembra-me de quando começou em 1996. Andava eu nessa altura meio solitário. Ver televisão — hábito que perdera pelo fim da década de 80 — remediava e apercebi-me então dos programas do prof. Hermano Saraiva, que julgava aposentado. Teria ele por ali 77 ou 78 anos e estava rijo, graças a Deus! Quando fui apanhado pelos seus programas ainda foi na série das Lendas e Narrativas e recorda-me bem que a mudança da série me pareceu desnecessária. Só o genérico aparentemente mudava e, dele, até a música se mantinha. Tudo o mais — os temas, o estilo, a produção — me pereceu idêntico às Lendas e Narrativas. Noto agora, porém, que naquele tempo havia uma formalidade (um certo timbre magistral) ligeiramente maior do que mais adiante nesta série dos Horizontes da Memória e ao depois na Alma e a Gente. Mas tudo no programa me embalava (e embala): desde a música do genérico, à cadência intimista e cativante do contar das histórias, passando pelos cenários e planos de enquadramento, não descurando ainda a montagem e as músicas de fundo a envolver a narração. No episódio que deixo, o 2.º da série, podeis confirmá-lo. Escolhi-o porque é dos que gosto mais. 
 Salvo erro o programa ia para o ar naquele tempo ao domingo pelas dez, onze da noite, no 2.º canal. Era uma doce maneira de encantar as noites de véspera duma semana de trabalho: o prof. Hermano Saraiva alegremente contando lendas e narrativas que se perdiam nos horizontes da memória; uma forma poética de saudade.


José Hermano Saraiva, Se os Abutres Falassem
(Horizontes da Memória, R.T.P., 1996.)


————
Nota: o prof. Hermano Saraiva faria 97 anos no passado 3 de Outubro, dia em que repuseram os seus programas. Imagino se foi coincidência fortuita.



Escrito com Bic Laranja às 23:31
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Quinta-feira, 6 de Outubro de 2016
Portugal depois do fim

 Dês que se deitou a perder o Ultramar e se escangalhou Portugal, sòmente por duas vezes vi a caqueirada político-partidária & jornalística afinar em uníssono por uma causa; foi naquela vez pela causa de Timor e, agora, por causa dum tacho para Guterres.

hqdefault.jpg

Imagem de Contra-Informação.



Escrito com Bic Laranja às 17:44
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Segunda-feira, 3 de Outubro de 2016
Da segurança

 Naquela história da moirama escapando por entre os dedos do gentio na Portela do Humberto Delgado, a fotografia que lá pus a ilustrar é boa, mas não foi a primeira escolha. Esta aqui, sim. Lembrei-me dela, mas não tive tempo de a achar ao compor o verbete. Como vêdes, é muito mais ilustrativa, pois, observando-a com entendimento e ponderação, aquela cêrca baixa era muito mais segura do que todas as polícias e parapolícias que lhe juntas montam guarda hoje.
 Duvidais?

Aeroporto da Portela, Lisboa (H. Novaes, c. 1943)
Aeroporto da Portela, Lisboa, c. 1943.
Horácio de Novais, in Bibliotheca d' Arte da F.C.G.



Escrito com Bic Laranja às 10:35
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Domingo, 2 de Outubro de 2016
Não Faz Mal

 Em 1943 cinco ou seis B-24 Liberator aterraram em Portugal ficando internados. Em 1944 foram entregues à Aeronáutica Militar. Há dias publiquei a fotografia de um: o Não Faz Mal (L2). A fotografia é muito provàvelmente do ano de 44, quando a frota dos seis Liberator foi exibida numa grande parada militar que se fez pelo 28 de Maio.

Consolidated B-24 Liberator «Não faz Mal», Portugal, [1944-46 ?]

 

 Dos seis (matriculados L1 a L6) reza a memória de quatro haverem pintura verde-azeitona militar onde foram substituídas as insígnias americanas pela Cruz de Cristo e pintada a bandeira nacional nos estabilizadores verticais; é o caso do Não Faz Mal. Os restantes dois, talvez por provirem dos 479.º ou 480.º Grupos Anti-Submarinos, haviam uma camuflagem inferior marinha e a carlinga frontal com o beiço descaído, por assim dizer. É justamente um desses que se vê atrás do nosso Não Faz Mal na fotografia d' «O Século». Estes mais extravagantes, alcunharam-nos as vacas.

B-24D Liberator / PB4Y (Anón., in Wings Palette)

 
 Em Dezembro de 1943 chegou a Portugal uma missão comandada pelo major Willard Wilson acompanhado de quatro pilotos e oito mecânicos com o objectivo [de] pôr a voar meia dúzia de B-24 e duas dezenas de caças [P-38 e P-39] que se encontravam internados (Carlos Guerreiro, Aterrem em Portugal, Pedra da Lua, 2008). Instruíu-se a nossa gente para operar com os aviões, fizeram-se umas missões, expuseram-se na parada militar de Maio, mas... Foram abatidos logo em 1946 e desmantelados.

 O B-24 era um bombardeiro pesado que nos não servia nesse propósito, de modo que foi desarmado e apenas usado em missão de transporte. Daqui não fazer mal.
B-24D Liberator / PB4Y (Anón., in Wings Palette)

Gravuras: Wings Palette.



Escrito com Bic Laranja às 21:44
Verbete | Comentar

Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----