Quinta-feira, 30 de Março de 2017
Hepatético

Piruças quase de mãos postas rezando a sua ladainha na SIC-N em 29/III/2017.

 O Piruças sobre a o surto de hepatite A, citando de cór:

— Não é coisa nova. Já cá a tivemos, antes de 1974, com a pobreza que havia. Ao depois, com o saneamento básico desapareceu. (Uma conquista de Abril!...)
— Não há grupos de risco. Há comportamentos de risco... (Bons costumes!)
— O vírus é expelido nas fezes dos infectados e o sexo oral sem protecção &c. &c.... (Que terá o cu que ver com...?!)

 Concluamos todos o recado: antes do 25 de Abril grande acidente nacional a doença era a figadal pobreza. Com a riqueza e bons costumes conquistados... Ámen!

 

(O Piruças quase de mãos postas rezando a sua ladainha, na SIC-N em 29/III/2017.)



Escrito com Bic Laranja às 12:08
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Terça-feira, 28 de Março de 2017
A sociedade de cervejas e a bebedeira...

... do pugr€sso.

Rua Pascoal de Melo no cruzamento com a Ant.º Pedro, Arroios (M. Novais, c. 1950)
Rua António Pedro no cruzamento com a Pascoal de Melo, Arroios, c. 1950.
Mário de Novais in Bibliotheca d'Arte da F.C.G.



Escrito com Bic Laranja às 19:02
Verbete | Comentar | Comentários (7)

Segunda-feira, 27 de Março de 2017
A Gùiana

Mapa da Gùiana, 1656

 O Fernando Alves perorava há pedaço sôbre a Gùiana francesa, êsse dept.º ultramarino da França. Claro que êle dizia Guiana sem ler o «u». Dizia e repetia. Repetiu sempre, porque não sabe, porque não aprendeu e nunca leu êste blogo. Mas lá do «quadro geral de instabilidade social» que lhe fere o sentido gramsciano com «acutilância social» e lhe inspira a veia social evangelista, disso sabe êle: quis morigerar a França por desprezar a sua possessão ultramarina, mas não pelo colonialismo — ele lá chegará... — Verberou-a, à França, porque na Gùiana, «uma em quatro famílias vive abaixo dos limites [há mais que um?] da pobreza» e porque «o desemprego na Guiana [sic] francesa atinge os 22%, enquanto na França metropolitana ronda os 9%». Eis já o colonialismo a aflorar pela faixa da esquerda, mesmo que se lhe pressinta, ao Fernando Alves, uma certa complacência de oratória neocolonial por êste «lugar recôndito», «parcela ultraperiférica da União Europeia» que «se sente abandonada» pela metrópole. Eis cá um dept.º ultramarino (não confundir com censuráveis províncias) duma França pós-colonial que hoje por hoje até sabe a pato porque… é «território da União Europeia». Isto é: é nosso, atributo de «favores mediáticos» bem calhado para legitimar todo o anticolonialista-neocolonialista-colectivista em geral, e o Fernando Alves em particular, no dever missionário de botar voto de faladura na matéria e enfiar por ali o bedelho à conta da sua moral social exclusiva e da impante solidariedade contra o desprêzo metropolitano. Tudo sem fascismo. Este é um ultramar que vem a calhar...

 O Ultramar português, em tempos, é que estava mal. Para começar era português. Depois tinha muita (demasiada) atenção da metrópole — um estôrvo. E enquanto cá penso nele, o Ultramar português, de sempre, esteve errado. Logo de há séculos, a julgar de como foi parida não só esta Gùiana «dept.º ultramarino da França», «território ultraperiférico da União Europeia», mas outrossim as suas gémeas inglesa e holandesa. É que desde que os portugueses se afoitaram ao mar e extenderam seus domínios — muito até por se não quererem meter em questões de castelhanos e outros dalém Pirenéus — que essoutros daí, pouco inventivos, mas mui cobiçosos, sempre lhe procuraram lançar a gadanha. É com isto que vêm a fabricar as Gùianas, êsses entalhes açucarados esculpidos do Brasil português e tão a jeito de lhe não deixar falecer, a essoutros, um quinhão do rendoso trauto açucareiro. Para êsses gulosos do açúcar do Novo Mundo, a geometria do encontrão e do latrocínio fazia escola já desde a pirataria atlântica (não sabiam navegar até mais longe) contra as naus da carreira da Índia. E de tal maneira lhes corre a inveja no sangue que só lhes podia infectar os bestuntos, como infectou, com requinte de régua e esquadro na partilha de África. Alemães e Belgas, incompetentes antes e após a conferência de Berlim na fabricação de impérios (ou reinos metropolitanos homogéneos que fosse), mas inchadíssimos de bazófia, melhor não arranjaram do que imperialmente se instalarem em África a abocanhar talhões portugueses. O Sudoeste africano alemão, o Sudeste africano alemão e a coutada pessoal de Leopoldo II, rei dos Belgas, são exemplos acabados duma velha história de esbulho e parasitagem advinda de terras de puritanos, modernamente sublimada nos foros do Direito Internacional e do concêrto das nações com o lindo nome de «autodeterminação dos povos», uma habilidade neocolonial.
 Aqueles outros (isto é irónico), brutos como bárbaros ou covardes como ratos, logo houveram de perder em África os impérios que nunca construíram e lhes fôram servidos de bandeja. Por cá também fizeram escola.
 Ora da França e da sua Gùiana, hoje, o melro Fernando Alves que assovie às massas a moral exclusiva que lhe aprouver. Mas, como orador que se quere de nomeada, aprenda a dizer Gùiana com todos os sons.

 

http://7.fotos.web.sapo.io/i/oa6140b94/17408127_eJ5bs.png

(Recorte de Rebelo Gonçalves, Tratado de Ortografia da Língua Portuguesa, Atlântida, Coimbra, 1947, p.182.) 

(Revisto.)


Assunto:

Escrito com Bic Laranja às 19:02
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Do tempo

 A árvore ao fundo da rampa já se reveste de verde. As olaias na Av. da Cidade do Porto também, depois de nas últimas semanas andarem frolidas em rosa-shock. Uma novidade: no meu telhado apareceu um melro; há dias sondava, ontem assoviava timidamente. Este tempo invernoso é que não anda calhado...

Vista aérea dos Olivais ao aeroporto, Lisboa, 195... C.M.L./D.E.P., in archivo photographico da C.M.L.

Vista aérea dos Olivais ao aeroporto, Lisboa, 195...
C.M.L./D.E.P., in archivo photographico da C.M.L.

Legenda )

 



Escrito com Bic Laranja às 12:53
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Domingo, 26 de Março de 2017
Av. Almirante Reis à noute

Irreconhecível, entre a Portugália e Praça do Chile.

Av. Almirante Reis, Lisboa (M. Novais, c. 1955)
Av. Almirante Reis à noute, Lisboa, c. 1955.
Mário de Novais, in Bibliotheca d'Arte da F.C.G..



Escrito com Bic Laranja às 23:46
Verbete | Comentar | Comentários (8)

Sábado, 25 de Março de 2017
Amanhã à manhã...

... ou à tardinha por esta hora, será de dia.

Av. do Aeroporto, Lisboa (M. Novais, c. 1955)
Av. do Aeroporto à noute, Lisboa, c. 1955.
Mário de Novais, in Bibliotheca d'Arte da F.C.G..



Escrito com Bic Laranja às 19:21
Verbete | Comentar | Comentários (2)

Bran-de-bur-go

 As nojícias na sociedade industrial de concentrados (S.I.C.-N) forram-se da melhor cultura de contentor. Do escriba do teleponto, à menina locutora, como mesmo à madame, sai Bràdemburgo por Brandeburgo.
 E ainda há quem aflore a benzer este jornalixo. Farto-me de rir. Nem tomam noção do ridículo.

 

«Portas de Brandeburgo» in Infopédia, Porto, Porto Editora, 25/III/2017.


(Este verbete verbera a Edição da Noite, S.I.C.-N., às 21h59 do dia seguinte ao atentado de Londres do ano de 17 — Na Alemanha, também muita gente a querer prestar homenagem às vítimas dos atentados [não foi só um?] em Londres; as portas de Bràdemburgo foram iluminadas &c. — O verbete da acordita Infopédia é apresentado com ortografia correcta e publicidade a causa nobre por consideração ao benévolo leitor.)



Escrito com Bic Laranja às 12:18
Verbete | Comentar | Comentários (9)

Quarta-feira, 22 de Março de 2017
Qual terrorismo em Londres, qual quê! Portugal allez!

— Muito boa noite! Há um português entre os feridos ligeiros do ataque em Londres. Trata-se de Francisco Lopes, de 26 anos, que esta noite estava ainda a receber tratamento no hospital à espera de alta para voltar a casa. É pelo menos essa a informação que tem sido avançada por diversos órgãos de comunicação s'cial. Ele foi apanhado no meio da confusão sobre a ponte de Westminster.

(Abertura da Edição da Noite às 9h00, SIC-N, 22/3/2017.) 

 Fora já de qualquer confusão do que seja realmente a notícia segue-se que irão «actualizar toda a informação sobre este dia fatídico em Londres.» E bem que se lhe confunda desde logo tudo o que há a saber (para já) sobre o apanhado português que ia a passar (falta só descobrir onde mora lá em Londres e mandar urgentemente para lá um pé de microphone a entrevistar o dono do pub onde o Chico Lopes bebe uma caneca de vez em quando), acerca do terrorista só se diz que é «um lobo solitário». Cheira-me que se o gajo fosse meio cenoura e sardento, ou se se simplesmente chamasse Carstairs ou Fairfax, saber-se-ia já de quem era súbdito e que vestia cuecas da cor do Arsenal e não do Tottenham. Assim não sendo... melhor é irmos ligeiros com o bom do Chico Lopes entre os feridos, ligeiros, graças a Deus. Ou com testemunho duma outra portuguesa fulana de tal achada a passar por Westminster àquela hora também, «de bicicleta», segundo a preciosa Edição da Noite, e que «foi das primeiras pessoas a ajudar as vítimas». Ou o do Sonasa da portaria do parlamento... Ou qualquer espécie de portuga que, com ou sem sotaque, se apresente a contar seus feitos heróicos.

image.jpeg


 Os portugueses são os maiores, quarago! E venham de lá mulheres e cerveja. Esqueçam os bárbaros ou os mouros.



Escrito com Bic Laranja às 22:06
Verbete | Comentar | Comentários (9)

Alcântara-Mar

2713449493_babd988908_o.jpg
Passagem de nível de Alcântara-Mar, Lisboa, [c. 1955].
Fotografia: Estúdio de Mário de Novaes (1933-1983), in
Bibliotheca d'Arte da F.C.G..



Escrito com Bic Laranja às 10:10
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Sábado, 18 de Março de 2017
Jornalixeira das 7

 A sociedade industrial de concentrados (S.I.C.) papagueava às sete, no jornal das ditas, que o terrorista o «homem» do atentado ao aeroporto de Orly era mouro, perdão francês. Chamava-se Ziyed Ben Belgacém.

 Outra notícia suculenta logo logo a seguir a esta foi que explodiu um prédio na Bélgica. Mostraram o prédio que explodiu e viu-se um buraco no lugar do dito, mas diz que a explosão foi de gás. Não chegaram a dizer, mas aposto que o gás era belga.

 

Explosão de prédio, Bruxelas (Gilles Martin, 2017)
Explosão de prédio de três andares, Bruxelas. (Gilles Martin, Instagram, 2017).



Escrito com Bic Laranja às 19:17
Verbete | Comentar | Comentários (3)

Estrada de Sacavem

 Duas chapas batidas do Largo de Arroios onde se vê o início da Estrada de Sacavem (ou Rua de Alves Torgo — Edital de 5/11/1925: Era um trôço da Estrada de Sacavem que começa na esquina da Igreja de Arroios e termina...)
 Na primeira imagem (vê-se) construia-se o predio que occupou o n.º 16 (actual); o casario que se lhe seguia não era cidade; era campestre, sem signal da Rua de José Falcão. A segunda mostra a païsagem urbanizada com predios de rendimento e, bem perceptivel já, o entroncamento da Rua de José Falcão (a primeira à direita).
 Em ambas se acha a via aerea do electrico. O electrico é de 1901. O prédio que se construia tem processo de obra requerido por um Thomé da Silva Coelho em 29/12/1902. São ambas as imagens, por conseguinte, posteriores... A segunda é inda mais tardia...
 

Igreja de Arrroios e primitiva Estr. de Sacavém, Arroios (J.A.L. Bárcia, s.d.)
Largo e igreja de Arroios, Lisboa, c. 1903.

Igreja de Arroios e Estr. de Sacavém edificada, Arroios (J.A.L. Barcia, post 1901)
Largo e igreja de Arroios
, Lisboa, post 1909.


Photographias: José Arthur Leitão Barcia, in archivo photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 14:02
Verbete | Comentar | Comentários (7)

Estrada de Sacavem

 Estrada de Sacavem a seguir ao convento de N.ª Sr.ª da Conceição de Arroios, séc. XIX. Ambos os edifícios à esq. permanecem (semi-arruinados). Correspondem à Rua Quirino da Fonseca, 2. A estrada de macadame é anterior à instalação dos trilhos do americano. A casinha e o muro à direita há muito que desapareceram para alargamento viário. Por ali — por onde se enfia a caleche da direita — é a Travessa das Freiras a Arroios, serventia menor onde foi achado o almirante Reis morto na madrugada de 5 de Outubro de 1910. O seu nome, porém, tomou ecos de propaganda e usurpou a avenida mais importante das redondezas, a Av. da Rainha D.ª Amélia.

Estrada de Sacavém, Arroios (Anón., séc. XIX)

Estrada de Sacavém, Arroios 18...
In archivo photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 12:37
Verbete | Comentar | Comentários (3)

Quinta-feira, 16 de Março de 2017
A Hollanda (homilia variæ sanctorum)

 Na emissora nacional o foco das notícias da homilia esta manhã foi «a extrema direita não ganhou as eleições na Hollanda». Isto logo em abertura dos noticiários de homilia, às 8h00 e às 8h30.
 Na T.S.F. (não há paciência para tanta lavagem ao cérebro da emissora nacional), ás 9h00 , o foco foi quem ganhou. — Melhor! —  Mas em reportagem — uma daquelas reportagens como na bola, à porta do estádio, em que o pé de microphone entrevista o primeiro cão ou gato que lhe passe de ante — não escondiam o «alívio» por não ganhar quem não ganhou; enunciaram-no — o alívio —  várias vezes.

Ramalho Ortigão, «A Hollanda», 4.ª ed., Parceria A.M. Pereira, Lisboa, 1910

Ramalho Ortigão, A Hollanda, 4.ª ed., Parceria A.M. Pereira, Lisboa, 1910. In bibliographias.

 



Escrito com Bic Laranja às 17:33
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Terça-feira, 14 de Março de 2017
Da antiguidade

 Corre hoje que faz anos a TAP: diz que são 72. A mesma TAP publicitava em 1 de Junho de 1973 o seu 20.º aniversário. Não será caso de haver sido um certo engenheiro secretário-geral a fazer as contas, mas...

Dakota CS-TDC (?) dos T.A.P. estacionado no aeroporto da Portela, Lisboa (M. de Novaes, c. 1946)

Dakota DC-3 CS-TD... (C?) dos T.A.P. estacionado no aeroporto da Portela, Lisboa, c. 1946.
Mário de Novais, in Bibliotheca d'Arte da F.C.G.

Notícia do que lhe sucedeu (ao CS-TDC, o terceiro avião dos T.A.P.) aqui.



Escrito com Bic Laranja às 16:14
Verbete | Comentar

Drogaria

2817630347_e1bfe1e4b1_o.jpg

Benamôr (pub), Pefumaria Nally (M. Novaes, s.d.)

 

Campanha publicitária de produtos de beleza da perfumaria Nally, fabricante dos produtos Benamôr (com circunflexo). Fotografia sem data produzida durante a actividade do Estúdio de Mário de Novais: 1933-1983. In bibliotheca d'Arte da F.C.G.



Escrito com Bic Laranja às 10:43
Verbete | Comentar

Segunda-feira, 13 de Março de 2017
Como se desafinava em 1981

Até a dançar:

Orchestral Manoeuvres In The Dark — Electricity
(The Theatre Royal, Drury Lane, 1981)



Escrito com Bic Laranja às 21:17
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Sábado, 11 de Março de 2017
Marquises art déco

 No tempo em que o prédio de rendimento era tachado como architectura menor que desvalorizava o presumido bom gôsto das avenidas novas, já a moda de fechar marquises pegava. Succede que os materiaes vidro e ferro ainda se perdiam em arrimos «art déco». Nada que se assemelhasse ao alumínio de régua e esquadro a 90º em sublime gôsto eurocaixilho.

 Rua dos Açores, 59 a 59-J em 1961: descubra as diferenças! (Não existem soluções.)

Rua dos Açores, 59 e seguintes, Lisboa (A. J. Fernandes, 1961)
Rua dos Açores, 59 a 59-J, Lisboa, 1961.
Augusto de Jesus Fernandes, in archivo phtographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 12:37
Verbete | Comentar | Comentários (19)

Lisboa, 1961

 Grémio Nacional dos Industriais do Ensino de Condução Automóvel, Av. de João Chrisostomo, 21, com fachada de azulejaria, cantaria limpa e janelas de peitoril e sacadas de ferro forjado trabalhado.
 Descubra as diferenças!

Grémio Nacional dos Industriais do Ensino de Condução Automóvel, Av. João Crisóstomo, 21 (A. J. Fernandes, 1961)
Grémio Nacional dos Industriais do Ensino de Condução Automóvel, Lisboa, 1961.
Augusto de Jesus Fernandes, in archivo photographico da C.M.L.



Escrito com Bic Laranja às 12:03
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Sexta-feira, 10 de Março de 2017
Sabeis que são tóricos?

 A Caixa Geral de Depósitos teve prejuízos tóricos — ouvi no noticiário da T.S.F. às 2h00 da tarde.

 

A Capital, 2/VII/1910.

 

Se são os prejuízos tóricos, já a roubalheira tem ela linhagem ancestral...


Agradeço o informe da novidade antiga ao confrade A.C., da Paixão por Lisboa.



Escrito com Bic Laranja às 18:12
Verbete | Comentar | Comentários (11)

Quarta-feira, 8 de Março de 2017
Oremus

 O dia de São João de Deus (Montemor-o-Novo, 8/3/1495 – Granada, 8/3/1550) torna-se cada anno mais sagrado para os missionários do europaganismo Mercantil & Igualadeiro, Ilimitd.ª. A cúria bruxeleante deu hoje Bula aos púlpitos me®diáticos da prègação ordinária para proclamação urbi & orbi duma oração-estudo de que a discriminação das mulheres prejudica a economia. Devem os eurofiéis rezá-lo co-noticiosamente pela emissora nacional como quem reza o Têrço com a Renascença ao fim da tarde!

« Esta é a conclusão de um estudo apresentado esta quarta-feira, no Dia Internacional da Mulher.  O Produto Interno Bruto (P.I.B.) da União Europeia (U.E.) pode crescer quase 10% nas próximas décadas, se forem registados avanços nesta área. Se forem dadas mais oportunidades às mulheres, serão também criados mais de 10 milhões de novos empregos.  O estudo é do Instituto Europeu para a Igualdade de Género, que é revelado em Bruxelas, como nos conta a correspondente [missionária] da Antena 1, Andrea Neves.»

 Palavra da salvação.



Escrito com Bic Laranja às 11:08
Verbete | Comentar | Comentários (6)

Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11

15
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----