Quinta-feira, 17 de Agosto de 2017
Noticiarismo bombá... gem



José dos Santos — Boa tarde! MORTE EM BARCELONA! 💥💨 ... (R.T.P., 17/VIII/17).

Morte em Barcelona! Que bombo de locutor que se não atura. Mudo de canal e torno ao começo.


FullSizeRender.jpg

Rodrigo de Carvalho — Boa noite. Barcelona está em alerta máximo, no que é já considerado um ataque terrorista: uma carrinha avançou pelo famoso passeio das Ramblas e atingiu um número indeterminado de pessoas. Estão confirmados 13 mortos e 50 feridos &c. &c. (Jornal da Noite, S.I.C., idem).

Cuidaria eu que 13 mortos e 50 feridos só seriam um número indeterminado para quem não soubesse fazer contas. Vejo que também o é para telejornalistas.



Escrito com Bic Laranja às 20:44
Verbete | Comentar

Quarta-feira, 16 de Agosto de 2017
Longes terras... queimadas

José Hermano Saraiva, A Rama do Castanheiro
(R.T.P. 15/VII/2007)



Escrito com Bic Laranja às 15:50
Verbete | Comentar

Segunda-feira, 14 de Agosto de 2017
Sabores de infância

 Vim saborear de novo a infância aos gelados da Rua Actor Vale.

 

Sorvete, Rua Actor Vale — © 2017

Sorvete, Rua Actor Vale — © 2017.



Escrito com Bic Laranja às 14:19
Verbete | Comentar | Comentários (7)

Domingo, 13 de Agosto de 2017
Rumba em noite de Verão


Paco de Lucía & Ramón de Algeciras — Entre dos aguas
(R.T.B.F., 1981)



Escrito com Bic Laranja às 23:58
Verbete | Comentar

Sábado, 12 de Agosto de 2017
Quando rasguei o pé

Vista aérea sobre o campo do Vitória (M. Oliveira, c. 1955)
Vista aérea sobre o campo do Vitória, Lisboa, 1955.
Mário de Oliveira. Arquivo Fotográfico da C.M.L..



  Esta história havia de sair no dia 16, quando faria — cuidava eu — 40 anos que aconteceu... — Há pedaços de infância assim, perdidos em terças-feiras do passado que conseguimos reconstruir, como os Legos, justamente, dessa mesma infância.

  Pois bem! Mas o caso deu-se duas semanas antes. Enquanto remontava aqui os Legos desta história, eles não encaixavam no dia 16: o dia a seguir ao feriado de Agosto era quando seria sempre certo estarmos para a terra. E esta história deu-se, não na terra, mas nas terras; umas que caíam em ribanceira do alto do campo do Vitória para o lado da linha de cintura. A ribanceira era alta e a pique. Eu e o Tonico fomos lá dar por fora da rede, contornando o campo, a ver se conseguiríamos entrar nele. Não na saltámos porque tinha ela uns bons 5 m de altura. Como lhe não achávamos buraco raso, fomos dando a volta. Até que chegámos ao beco sem saída donde se ligava a rede do campo com o muro da escola primária. Para não andarmos a volta toda ao contrário, volta longa, resolvemos descer a ribanceira ali e atalhar pelos Embrechados, que sempre seria mais perto. Eram umas seis para sete da tarde e nenhum de nós aparecera para lanchar. A minha mãe não, mas a madrinha do Tonico haveria de lhe chegar umas lambadas, só disso, logo que tornasse a casa.

   Muito bem! Até aqui, que tem a história de especial? Uma história de miúdos, dir-me-eis. Pois, mas ao resolvermos enfrentar a ribanceira ali naquelas terras a coisa tomou foros de alpinismo. Sem arneses nem petrechos que hoje fazem de actividades que tais brincadeira de meninos. E putos como eu e o Tonico enveredámos assim por uma descida a pique só com mãos agarradas a ervas e pés em barrancos de terra solta. Com esforço, foi só no sopé do cabeço terraplenado em que era e é o campo do Vitória, quando o declive se tornava menos acentuado, que se deu o caso: dispusemos-nos a enfrentar ali a descida de frente para a base do monte como caminhada mais fácil, e não já dependurados às ervas, de costas, como alpinistas de ocasião em escalada descendente. Ainda assim o plano era demasiado inclinado e as pernas logo aceleraram em passo de corrida mal a gravidade lhe mostrou a sua força. Na corrida desenfreada ribanceira abaixo, com as pernas em alta rotação a ver se nos aguentávamos sem tombar, senti um arranhão no pé e pensei — Já me aleijei! —, mas o que me doeu não me deu grandes cuidados. Porém, logo que parei no fim da descida e olhei para o pé, vi um rasgão enorme na carne fina do artelho e, através, uma visão irreal: o meu osso, branquinho, branquinho, a espreitar.

   Apavorei-me.

   — Já me aleijei! — gritei ao Tonico. Quis chorar mas não conseguia. Corri para casa — Ó mãe! Ó mãe! — aflito.

  Em casa, a minha mãe não achou graça ao ferimento. Lavou-mo com água oxigenada (sim, ainda a havia nas caixas de primeiros socorros), ligou-me o pé e chamou um táxi (naquele tempo havia água oxigenada, mas não havia I.N.E.M.). Fomos ao hospital de S. José. Coseram-me a ferida com nove pontos. Portei-me como um herói. Nem chorei como um outro que lá estava na enfermaria e que berrava desalmado, coitado, enquanto o cosiam de ter caído sobre umas garrafas partidas no meio duma briga. O gajo era maior que eu...

  De regresso, em casa, eram só mimos comigo: pedi uma almofada para pôr sob o pé como vira ao meu irmão quando estivera lesionado com um joelho de água dos juvenis dos Vitória onde jogava a suplente. Foi ele mesmo que ma foi buscar, coisa extraordinária! E foi ele que me deu a notícia, que sabia me iria animar, de no sábado seguinte a Radiotelevisão tornar a dar o Espaço 1999. Cá está o marco que me permite situar no tempo exacto a memória: de acordo com as Catacumbas do Espaço 1999 cuidei que esta história se passara na terça-feira anterior à estreia na R.T.P. da segunda série do Espaço, no sábado de 20 de Agosto de 1977. As Catacumbas dizem que se basearam no anuário da R.T.P. — Má fonte: a data está errada. A cronologia não bate com o hábito de estarmos na terra depois do feriado de Santa Maria de Agosto. Consultei, a tirar dúvidas, pois, os Diários de Lisboa de Agosto de 77 (para alguma coisa, além do simples sorver dinheiro ao erário dos portugueses, a fundação do irmão do Dr. Tertuliano havia de servir) e a conclusão é inequivoca: vi aterrado pela primeira e única vez na minha vida uma porçãozinha do meu esqueleto em 2 (e não em 16) de Agosto de 1977. A segunda série do Espaço estreou-se em 6 de Agosto de 1977, para minha enorme sastifação, então.

Diário de Lisboa, suplemento 7x7, 6/8/1977
Diário de Lisboa (supl. 7 x 7), 6/8/1977.

 

  Esta manhã doía-me o artelho deste pé, mas deve ser reumático.



Escrito com Bic Laranja às 16:32
Verbete | Comentar

R.T.P. em directo

LIII Grande Corrida TV, R.T.P. – Figueira da Foz, 11/VIII/17

LIII Grande Corrida TV, R.T.P., 11/VIII/17.



Escrito com Bic Laranja às 00:18
Verbete | Comentar

Quinta-feira, 10 de Agosto de 2017
Inglês de praia

Algarve — © 2017
Algarve — © 2017



Escrito com Bic Laranja às 14:41
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Segunda-feira, 7 de Agosto de 2017
In A Lifetime

 Nunca numa vida inteira esperei vir a ver a Fátima Campos Ferreira cantar em dueto com o Rui Vitória. Ele ao princípio pode não parecer muito o treinador do Benfica, mas ao depois é.

Clannad, Brian Kennedy e grupo coral Anúna — In A Lifetime.
(Catedral da Santíssima Trindade, Dublin, 2011.)



Escrito com Bic Laranja às 21:13
Verbete | Comentar

e-Clips lunar

e-clips lunar


Para quem não conseguiu ver o fenómeno.



Escrito com Bic Laranja às 20:35
Verbete | Comentar

Domingo, 6 de Agosto de 2017
Barroco rockabilly

 Barroco rockabilly, ou a formidável reedição das célebres pasquinadas sobre D. João V segundo a douta recriação histórica da Radiotelevisão Portuguesa. — Esta frase é mais barroca, ela, do que todos os episódios da série Madre Paula. Só não é mais rockabilly porque nada consegue bater o penteado da personagem do infante D. Manuel Bartolomeu, irmão de el-rei.

Barroco Rockabilly («Madre Paula», ep. 5, R.T.P., 2017)

Cena da «Madre Paula», ep. 5, R.T.P., 2017.



Escrito com Bic Laranja às 18:45
Verbete | Comentar | Comentários (4)

Quarta-feira, 2 de Agosto de 2017
A memória musical de Verão

 Desde então deixei-me disso, mas há uma dúzia de anos ainda me deu a ideia de gravar um disco compacto (à maneira das cassetes) com um rol cantigas que me apeteceu levar para férias. Repesquei do baú da música ligeira umas velharias que me ainda não cansara de ouvir, para ao depois ouvir a caminho e, por lá, onde veraneava e veraneio (aprecio de há muito o viver habitual, até nas férias). Cançonetas, então, a recordarem-me agradáveis Verões havia muito passados e que cristalizaram, daí cá, em memória musical da última dúzia de verões. E o caso é que desde 2005 sempre que as ouço, dentro ou fora de época, os sons trazem-me um devaneio de bem estar em férias em que me de imediato  deixo levar. A selecção de 2005 cristalizou-se em memória musical dos meus verões. A selecção de 2005 cristalizou-se-me n' a memória musical de Verão.
 Esta é 3.ª da ordem. É como é.

 

Bruce Hornsby & The Range — The Way It Is
(1986)



Escrito com Bic Laranja às 20:42
Verbete | Comentar | Comentários (9)

Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11

15
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Visitante

Contador
Selo de garantia
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Apartado 53
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chove
Cidade Surpreendente (A)
Corta-Fitas(pub)
Delito de Opinião
Dragoscópio
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Eternas Saudades do Futuro
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Lisboa
Lisboa de Antigamente
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Paixão por Lisboa
Pena e Espada(pub)
Pequena Alface (Da)
Perspectivas(pub)
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Santa Nostalgia
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

RSS
----