Sábado, 2 de Maio de 2009
Quinta da Imagem

Quinta da Imagem, Lisboa (F.Folque, 1858)
Quinta da Imagem, Arroios, 1858-1910.
Cartas: Filipe Folque, Atlas da Carta Topográfica de Lisboa, 1858 (excerto da pl. 13); Levantamento da Planta de Lisboa: 1904-1911 (excerto da planta 11 J)Arquivo do Arco do Cego da C.M.L..

 

" Em 1889, quando Mestre Castilho escrevia a sua Lisboa Antiga, a quinta da Imagem ainda ensombrava o sítio: « Há - diz ele - na esquina sul desta travessa (do Caracol da Penha) para a rua de Arroios uma pequena casa, de mesquinha aparência, em cujo cunhal se vê um nicho, hoje tapado, mas que antigamente tinha por habitante não sei que santo ou santa, com o indispensável pingente da sua lanterninha. ...Chamava-se por causa dele, ao sítio, o Nicho da Imagem.» (Bairros Orientais, 2ª ed., vol. IX, p. 165).
  A propriedade rústica foi primeiro classificada como horta, depois como quinta, e por fim misturou-se o rústico com o urbano e passaram a chamar-lhe Vila Imagem, segundo vimos num registo da 1ª Conservatória Predial.
Em 1879 era «uma horta situada na travessa do Caracol da Penha n.os 1 e 3, da freguesia de S. Jorge (de Arroios). O nº 3 era uma rua de parreiras[1] sobre pilares de pedra em direcção à casa de habitação[2] que constava de lojas com sobrados, e contíguo um telheiro[3] e uma casa separada ao sul da horta[4] com um assento de barracas que servem de oficinas, tudo em mau estado». Tinha poço[5] com engenho real, tanque, almácega[6], algumas ruas de parreiras sobre esteios de madeira, chão de semadura, um pequeno olival e em redor da horta, que era toda murada, um renque de oliveiras[7]. Na frente da casa, da tal casa que nos fala Castilho, havia um pequeno jardim[8] (Liv. B 17, fl 193v. - 1ª Conservatória).
  A quem pertencia ela então? Não sabemos; mas em 1887 pertencia a Júlio Dolbeth [ou Dolbelth] que lá morava e que nesse ano deliberou vender a propriedade. É então que por escritura de 24 de Agosto a quinta da Imagem passa para a posse de João Marques da Silva pelo preço de 13 000$000 réis (Liv G7, fl116v. - idem). Este comerciante e proprietário, deu assim o primeiro passo para que o seu nome ficasse gravado, através dos tempos, nos cunhais duma artéria da capital...
   Hoje, claro está, nem a casinha com o nicho nem a quinta, lá estão. Tudo isso foi engulido [sic] pela rua António Pedro e pelos edifícios que por ali, desde a rua de Arroios até à avenida Almirante Reis, se fizeram. De resto, o aspecto rústico da íngreme serventia desapareceu quási por completo. Só lá ao cimo [da Rua Marques da Silva], num dos cotovelos que forma, existe um desmantelado portão com ar de fora de portas que dá ingresso a uma quinta, ou talvez melhor, a uns terrenos que foram quinta. Tem esse portão as letras G. J. e a propriedade chamou-se - o leitor desculpe - Quinta do Cagaçal, nome por que aqueles terrenos ainda são conhecidos.

*

  Há pouco tempo, no dia 22 de Fevereiro de 1937, faleceu na casa nº 81, onde morava, o antigo governador Civil de Lisboa, António Miguel de Sousa Fernandes."

Luiz Pastor de Macedo, Lisboa de Lés-a-Lés, vol. IV, Pub. Culturais da C.M.L., Lisboa, 1968, pp. 58-59.

* *

 O detalhe da descrição acerta-se com o levantamento topográfico de Filipe Folque em 1858. Importa aqui completar a legenda; os caminhos existentes em 1858 na área representada nos mapas decifram-se: A) Rua de Arroios; B) Caracol da Penha no eixo da actual Av. Almirante Reis e; C) Caminho da Cruz do Tabuado ou Rua Aquiles Monteverde, que parte da esquina SO do Largo de Arroios.
 A quinta da Imagem tinha uma planta em L invertido, cuja base acompanhava pelo norte o Caracol da Penha, estendendo-se da Rua de Arroios até altura daquilo que é hoje a Rua Francisco Sanches; no seu talhão mais oriental (a haste do L) prolongava-se até quase ao início da Rua Pascoal de Melo, abarcando todo o quarteirão da actual Av. Almirante Reis oposto à Portugália. Passando o cursor do rato sobre as cartas pode o benévolo leitor perceber o como se sobrepuseram os arruamentos modernos aos terrenos da quinta.
  No arquivo do Arco do Cego existe um Prospecto do muro que Júlio Dolbelth pretende reedificar e embelezar na quinta da Imagem, sita na travessa do Caracol da Penha de França nº 1 e 3, fazendo frente para a rua Direita de Arroios, freguesia de S. Jorge em Arroios. O documento, que seria curioso consultar, é de 1875 e indica que o muro da quinta estaria por essa altura em ruínas, se é que existia - admitamos que os melhoramentos autorizados em 1859 no Caracol da Penha podem ter sacrificado o muro da quinta.
 Rua Marques da Silva 3-5, Lisboa, 1898-1908Desconheço agora se Júlio Dolbelth (ou Dolbeth) chegou a reedificar o muro. Se o fez foi em vão. A intenção da Câmara de urbanizar as quintas de Arroios pode tê-lo motivado antes à venda da quinta em 1887. Marques da Silva, que lha comprou como já vimos por 13 contos de réis, era um comerciante sem apego à propriedade.
 O sacrifício dum bom talhão da quinta em favor do troço inferior do Caracol da Penha é notório ao compararmos o mapa de 1858 com o de 1910 - foi quase até à rua de parreiras. Pouco se terá importado Marques da Silva; recebeu em troca o nome na Rua como benemérito e pôde, conjecturo eu, lotear a quinta: um quarteirão inteiro a nascente da nova avenida mais uns lotes na rua que recebeu o seu nome, com espaço suficiente para um chalet no lugar exacto onde estivera o tanque da velha quinta (na esquina SE do quarteirão da Portugália). De certo - convém que o diga aqui ao benévolo leitor - sobre o que acabei de afirmar só sei que a quinta pertencia a Marques da Silva em 1891 quando a Câmara mandou mudar o nome ao Caracol da Penha. Se foi ao depois ele que a loteou não curei de saber. Mas a não ser verdade certo é pelo menos verosímil. Já deitar-me a adivinhar o santo ou santa cuja imagem deu nome à quinta o seria menos.

Rua Marques da Silva, 3-5, Arroios, 1898-1908.
Arquivo Fotográfico da C.M.L..



Escrito com Bic Laranja às 13:49
Verbete | Comentar |

Comentários:
De MCV a 3 de Maio de 2009 às 02:32
Muito aprecio estas suas alumiações sobre a história da cidade de Lisboa.
Abraço


De Bic Laranja a 3 de Maio de 2009 às 13:50
Obrigado! Cumpts.


De Paulo Nunes a 3 de Maio de 2009 às 10:13
Um trabalho de pesquisa admirável. Não deixa de ser estranho ver o mapa de como era esta zona e como está agora.
Ontem à noite, ao jantar com uns amigos, não resisti e roubei-lhe a história da Quinta da Imagem, contando-a com todos os detalhes que me lembrava sem recorrer ao seu blog e obrigando toda a gente a saber exactamente quais os locais de que eu falava.
Acho que ficaram a achar que sou sou um bocado estranho...
Muito Obrigado por esta lição de História.

Cumprimentos a todos.


De Bic Laranja a 3 de Maio de 2009 às 13:53
É-me grato que o assunto lhe desperte um interesse palpitante. Obrigado!


De Luciana a 3 de Maio de 2009 às 21:03
Mais uma bela investigação/exposição do Sr. Bic!

Gosto muito de saber mais sobre estes lugares, que vão (re)fazendo - também desta forma - a história de todos nós.

Faço-lhe agora uma pequena confidência virtual: tive uma certa relutância em aderir e seguir a “blogosfera”. Durante muito tempo pareceu-me ser mais um mundo de “coça para dentro”, em que cada um se fazia brilhar, sem se preocupar muito com a partilha. Preferia os antigos grupos de discussão, que via como uma espécie de café à antiga, onde todos entravam, participavam e debatiam à vontade (isto antes de serem vandalizados, claro!).
Foram as pessoas como o Sr. Bic que me fizeram mudar de ideias.
O que o Senhor aqui faz é um verdadeiro serviço público. E o seu contributo melhora-nos a todos. Melhora acima de tudo a nossa cidade, ajudando-a a não ser esquecida.

Parabéns!

Abraço
Luciana


De Bic Laranja a 3 de Maio de 2009 às 23:38
Muito obrigado! É muito generosa. Cumpts.


De T a 3 de Maio de 2009 às 23:41
O nosso senhor Bic tem que produzir: Livro!

Cumprimentos amigos.


De Bic Laranja a 3 de Maio de 2009 às 23:44
:) Obrigado!


Comentar

Outubro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

17
18

21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Visitante


Contador

Projecto de lei
Assinaturas: 14 112 (faltam 20 899)

Rejeita o Acordo Ortográfico e procura um meio de acabar com ele? Subscreva a Iniciativa Legislativa de Cidadãos! São dois passos:

  1. Assine em PDF ou em Word
  2. Remeta para:

  3. Apartado 53
    2776-901 Carcavelos (se por CTT)

A ILCao, não é uma Petição, é um Projecto de Lei redigido por um grupo de cidadãos para submissão ao Parlamento, sem qualquer patrocínio ou instituição subjacentes. A ILCao, é a forma directa e apartidária de exprimir a vontade popular à Assembleia da República.

A ILCao está redigida e publicada. Todas as informações estão disponíveis no sítio oficial http://ilcao.cedilha.net

  • NÃO SE RESIGNE. ASSINE!
Pesquisar
 
Ligações

Adamastor (O)
Arquivo Digital 7cv
Bic Cristal
Blog[o] de Cheiros
Caminhos de Ferro Vale Fumaça
Carmo e a Trindade (O)
Chez George Sand
Cidade Surpreendente (A)
Combustões
Corta-Fitas( pub)
Delagoa Bay (The)
Delito de Opinião
Dias que Voam
Eléctricos
Espectador Portuguez (O)
Estado Sentido
Fadocravo
Firefox contra o Acordo Ortográfico
Garden of Philodemus
H Gasolim Ultramarino
Ilustração Portuguesa
Jansenista (O)
Lisboa
Lisboa Desaparecida
Menina Marota
Mercado de Bem-Fica
Meu Bazar de Ideias
Palaurossaurus Rex
Perspectivas(pub)
Pipàterra
Pombalinho
Porta da Loja
Porto e não só (Do)
Pena e Espada(pub)
Portugal em Postais Antigos(pub)
Retalhos de Bem-Fica
Restos de Colecção
Rio das Maçãs(pub)
Ruas de Lisboa com Alguma História
Ruinarte(pub)
Terra das Vacas (Na)
Ultramar

Arquivo

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Fides